Navigation – Plan du site
Mélanges

O livro do poeta: memórias e experiências pessoais de um período desleal

Rogério Lima

Résumés

Este artigo é um convite à leitura de "Desapariencia no engaña" obra do poeta argentino Néstor Ponce. A leitura dos poemas de Ponce permite ao leitor seguir um itinerário da memória política argentina recente, anotado sob a forma de uma espécie de diário, onde as lembranças surgem de maneira não cronológica. Desapariencia no engaña permite ao leitor tomar contato com a delicada "poesia ficcional" do escritor, ensaísta e poeta Néstor Ponce.

Haut de page

Texte intégral

“[…]
Then the world collapsed around us
And the tables overturned
We were lambs before the slaughter
We were driven out and burned
Yes the world collapsed around us
And the archers found their mark
We were victims of the fury
We were shadows in the dark
Yeah... victims of the fury
Shadows in the dark
Oh... victims of the fury
Arrows found their mark”
“Victims of the fury”
Robin Trower, Victims of the fury, 1980

“quedáte en silencio sigilosa
y hablá muy bajito hasta ubicar
de qué lado vienen
las víboras que reptan el país”
“Tránsito”
Néstor Ponce, Desapariencia no engaña, 2010 : 33

1Como definir a palavra Exílio ? Quando é que alguém entra na condição de exilado ? O que é ser um exilado ? Lendo a poesia de Néstor Ponce me ponho a refletir sobre estas questões, não só pela leitura dos poemas de Ponce em seu livro Desapariencia no engaña, mas também pela constatação de que toda literatura se constrói sobre memórias. O tema do livro de poemas de Ponce se constrói sobre a memória da cartografia e do percurso do terror de estado, da dor infligida aos corpos e também sobre os escombros de uma parte da história vergonhosa do continente sul-americano. Em cada um dos 37 poemas que compõem Desapariencia no engaña Ponce alinha Memória, Território e Identidade.

2Num tempo em que a palavra mais ouvida é Crise, tempo no qual a narrativa sobre a Economia domina o imaginário de forma quase planetária. No momento em que temos a presença massiva da economia no texto e uma economia do texto, nos questionamos sobre por que voltamos a nossa atenção para criações artísticas que se debruçam sobre o tema da memória. Este interesse atual pela memória teria algum sentido, principalmente num tempo onde toda lembrança física desaparece, dando lugar ao digital e não visível de forma imediata ? Poderia realmente a memória vir a despertar algum interesse, sobretudo quando o tema tratado tem a ver com os acontecimentos políticos vividos na América do Sul entre os anos 1960 e meados dos anos 1980 ?

3Neste caso específico, o debruçar-se sobre o tema da memória pós-ditadura significa lidar com o sujeito ligado à crise democrática e todos os desdobramentos e conseqüências advindas desta crise que assolou a América do Sul a partir de meados dos anos 1960. Lançamos aqui um olhar sobre as formas de representação das relações de valor no texto literário. Mercadorias e valores. O que são mercadorias ? O que pode se tornar mercadoria ? No processo de satisfação dos egoísmos individuais, posto em prática pelo mercado, pode a memória vir a ter algum valor ?

4Em meio à grande crise financeira, na qual a economia ocidental está envolvida desde 2008, surgiu uma memória incômoda : a memória dos tempos da ditadura militar e da repressão imposta pelos governos militares sul-americanos que se sucederam desde a década de 1960 até o final dos regimes ditatoriais em meados da década de 1980.

5Está memória começou a se manifestar há pelo menos 25 anos, a partir de relatos, sobre o período de ditadura, de exilados que retornavam aos seus países. É possível testemunharmos hoje o debruçar de historiadores, jornalistas, pesquisadores de diversas áreas e artistas sobre os acontecimentos deste período, reconstituindo acontecimentos e/ou momentos históricos. Neste processo de afloramento da memória encontrei a poesia ficcional do escritor, ensaísta e poeta argentino Néstor Ponce.

  • 1 Ponce, N. Desapariencia no engaña. Buenos Aires : El Suri Porfiado Ediciones, 2010. Trad. Francês : (...)

6O fato de ter recebido uma bolsa de Estágio Sênior no Exterior, concedida pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, para o desenvolvimento da minha pesquisa sobre o tema Memória e Literatura Pós-Ditadura na América do Sul, na Universidade de Rennes 2, contribuiu e permitiu que eu pudesse entrar em contato com a poesia de Néstor Ponce a partir de seu livro Desapariencia no engaña1. A poesia de Ponce chegou a mim, por intermédio da professora, pesquisadora e ensaísta Rita Godet, no momento em que também estou envolvido com o tema da criação poética buscada pelo poeta brasileiro Waly Salomão. Salomão seguia em sua produção poética uma tradição da poesia brasileira inaugurada, em 1930, pelo poeta Carlos Drummond de Andrade e acompanhada pelo poeta, também brasileiro, pernambucano, João Cabral de Melo Neto que é a da busca da criação estética do poema e da poesia e, consequentemente, do seu lugar no mundo contemporâneo.

7A poesia de Néstor Ponce traz consigo uma grande contribuição para a reflexão sobre os horrores da história política recente da América do Sul e da Argentina. A leitura dos poemas de Ponce em Desapariencia no engaña torna possível ao leitor identificar a catalogação de uma cartografia do terrorismo de Estado e, consequentemente, de um itinerário da dor anotado sob a forma de diário, onde as lembranças surgem, como todo processo de rememoração, de maneira não cronológica. Cada poema de Desapariencia no engaña recebeu uma espécie de epígrafe que se refere a um centro de tortura clandestino. Penso que o adjetivo clandestino aqui ganhe uma conotação especial. O leitor poderá se questionar : “então existiam centros de tortura que não eram clandestinos, oficiais ?”. Não, nas ditaduras latino-americanas não existiam centros de torturas nem oficiais, nem clandestinos. Oficialmente eles não existiam. Nenhum governo militar admitiu, até hoje, que tal monstruosidade e barbárie tivesse lugar em suas ditaduras.

8Admitir a existência de tais centros seria o mesmo que açoitar cruelmente as consciências cristãs dos “cidadãos” pacatos e ordeiros, que eles diziam defender de ideologias estranhas e perigosas. Em realidade, esses lugares eram centros de interrogação e investigação. E como bem os qualifica cada epígrafe que acompanha cada poema de Desapariencia no engaña, eles eram Campos de concentración de corpos de indivíduos suspeitos, arrestados e colocados numa espécie de disponibilidade perversa. Nestes territórios do terror o corpo assume uma importância brutal e brutalizadora, pois a prática da tortura necessita essencialmente do corpo e da mente para o exercício do seu ofício. Estes campos de concentración eram lugares de sacrifício, em cujos altares foram imolados a dignidade humana, os direitos ao tratamento digno, a democracia, os sonhos :

Trazo

Campo de concentración
Hidráulica de Córdoba, 1978, mayo

bajo la capucha repito
que no todo rosa
es sueño

pronuncio
que no todo tacto
se duerme entre los dedos
que no todo es ausencia
en la fotografía

9Nestes Campos de Concentración se realizava o festim trágico das máscaras do horror organizado pelos sádicos agentes do estado. Esta encenação do terror de Estado é descrita no poema “Carnaval” onde o leitor identificará a ironia trágica do poeta que perpassa este e outros poemas de Desapariencia no engaña :

Carnaval

Campo de concentración
Puente doce, 1978, marzo

me duelen las máscaras del silencio
¿tras su capucha vecino
laten sus ojos su color ?
todos llevan máscaras
es un teatro griego ambulante
por las calles de la ciudad
todos son murga tambor y redoble
un chispazo que se quedó en un traslado
¿tan grandes sus hijos señora
y siguen armando memoriales ?
¿con jabón o con soda cáustica
se borra el olvido ?
¿y la vergüenza ?

y yo / que sin saber por qué
siempre amé las máscaras.

10O leitor perceberá que no momento da leitura de Desapariencia no engaña é possível identificar que junto a cada um dos 37 poemas que fazem parte da obra existe uma epígrafe que forma um texto “paralelo”. Este texto “paralelo” descreve a multiplicidade de instalações onde eram praticadas investigações e aplicada a tortura nos investigados, como método sistemático para obtenção de informações.

11Eu diria que o texto de Néstor Ponce pede para ser lido levantando a cabeça em direção ao alto da página, com o olhar ligeiramente voltado à direita para às epígrafes. Reunidas estas epígrafes elas formam um terceiro e novo texto em Desapariencia no engaña, que pode ser lido como se apresenta abaixo. Na organização das epígrafes que propomos abaixo procuramos manter a mesma tipologia gráfica, o alinhamento e a ordem que elas apresentam originalmente em cada poema :

Campo de concentración
Club Atlético, 1978, junio
Campo de concentración
Campo de mayo, 1979, septiembre
Campo de concentración
Campo de mayo, 1977, agosto
Río de la Plata, Avión militar
1977, septiembre
Campo de concentración
La Escuelita, Bahía Blanca, 1977, noviembre
Campo de concentración
Club Atlético, 1980, mayo
Campo de concentración
Comisaría Quinta, 1979, marzo
Campo de concentración
Puesto Vasco, 1979, diciembre
Campo de concentración
Pozo de Quilmes, 1979, julio
Campo de concentración
Mansión Seré, 1978, julio
Campo de concentración
La Ribera, 1977, marzo
Campo de concentración
ESMA, 1977, enero
Campo de concentración
Pozo de Quilmes, 1977, diciembre
Campo de concentración
Olimpo, 1976, diciembre
Campo de concentración
La Perla, 1979, mayo
Campo de concentración
El Banco, 1976, invierno
Campo de concentración
La Cacha, 1978, febrero
Campo de concentración
Coti, 1976, agosto
Campo de concentración
La Cueva, 1976, mayo
Campo de concentración
El Vesubio, 1980, enero
Avión
Río de La Plata, 1977, febrero
Campo de concentración
Puente doce, 1978, marzo
Campo de concentración
Automores Orletti, 1976, septiembre
Campo de concentración
Escuelita de Famaillá, 1976, junio
Campo de concentración
Comisaría Segunda, 1980, marzo
Campo de concentración
El Motel de Tucumán, 1978, diciembre
Campo de concentración
Hidráulica de Córdoba, 1978, mayo
Campo de concentración
Policlínico Posadas, 1976, noviembre
Campo de concentración
Campo de Mayo, 1978, enero
Campo de concentración
La Perla, 1979, octubre
Campo de concentración
El descanso, 1978, octubre
Campo de concentración
Pozo de Arana, 1979, enero
Campo de concentración
Automores Orletti, 1976, julio
Campo de concentración
ESMA, 1977, abril
A Rodolfo Walsh
Campo de concentración
Polígono de Campana
Campo de concentración
cerca de tu casa, mañana por la mañana
La plata, Mar de Ajó, Buenos Aires, Humaitá, Asunción, San Pablo, Río de Janeiro, Muriqui, Fontenay S/Bois, Ivry S/Seine, París, Rennes, Saint-Jacques de La Lande,
1976-2009

12Esta ordenação de epígrafes me faz pensar no poema “Jornal de Serviço”, do poeta brasileiro Carlos Drummond de Andrade, onde o aparentemente banal é organizado de tal forma no poema que ganha significação especial :

Jornal de Serviço

I
Máquinas de lavar
Máquinas de lixar
Máquinas de furar
Máquinas de curvar
Máquinas de dobrar
Máquinas de engarrafar
Máquinas de empacotar
Máquinas de ensacar
Máquinas de assar
Máquinas de faturamento

II
Champanha por atacado
Artigos orientais
Institutos de beleza
Metais preciosos
Peleterias
Salões para banquetes e festas
Condimentos e molhos
Botões a varejo
Roupas de aluguel
Tântalo

III
Panelas de pressão
Rolos compressores
Sistemas de segurança
Vigilância noturna
Vigilância industrial
Interruptores de circuito
Iscas
Encanadores
Alambrados
Supressão de ruídos

IV
Doenças da pele
Doenças do sangue
Doenças do sexo
Doenças vasculares
Doenças das senhoras
Doenças tropicais
Câncer
Doenças da velhice
Empresas funerárias
Coletores de resíduos

V
Papéis transparentes
Vidro fosco
Gelatina copiativa
Cursinhos
Amortecedores
Resfriamento de ar
Retificadores elétricos
Tesouras mecânicas
Ar comprimido
Cupim

VI
Mourões para cerca
Mudanças de pianos
Relógios de igreja
Borboletas de passagem
Cata-ventos
Cintas abdominais
Produtos de porco
Peles cruas
Peixes ornamentais
Decalcomania

VII
Peritos em exame de documentos
Peritos em imposto de renda
Preparação de papéis de casamento
Representantes de papel e papelão
Detetives particulares
Tira-manchas
Limpa-fossas
Fogos de artifício
Sucos especiais
Ioga

VIII
Anéis de carvão
Anéis de formatura
Purpurina
Cogumelos
Extinção de pêlos
Presentes por atacado
Lantejoulas
Sereias
Souvenirs
Soda cáustica

IX
Retificação de eixos
Varreduras mecânicas
Expurgo de ambientes
Revólver para pintura
Pintores a pistola
Cimento armado
Guinchos
Intérpretes
Refugos
Sebo

13É significativo que o poema de Carlos Drummond de Andrade comece com uma enumeração de máquinas e termine com a menção a refugos e sebos. Assim como é significativo que o roteiro imaginado da dor em Desapariencia no engaña tenha início com a enumeração de um centro de tortura – máquina/lugar de eliminar resistências políticas e produzir corpos dilacerados – e finalize do outro lado do Atlântico na segurança de uma cidade no interior da Bretanha, como é possível verificar no poema “Gota de Belleza”.

Gota de la belleza

La Plata, Mar de Ajó, Buenos Aires, Humaitá, Asunción, San Pablo, Río de Janeiro, Muriqui, Fontenay S/Bois, Ivry S/Seine, París, Rennes, Saint-Jacques de La Lande,
1976-2009

Así entonces / enjuntonada
la belleza andaba
arrodillada / descubierta
como raíz seca pidiendo
perdones y otras yerbas /
pobre tan bella / ella
castigada en la ceguera
aturdida en la sordera
rogando rebelión / ella
que tan sólo
tan pronto
bella sabía ser
Apretujándose / linda / linda
limpiando las coyunturas del presente
¿qué hago con estos tan dedos míos, ojos tuyos ?
Desnuda así
vertical más allá
de la plegaria
y el grito primero
Quemando el azúcar
destiñendo la pluma
belleza :
¿de qué color sos que el gusto
se quiebra y el rebelde
muere desviviéndose más
que agonizado ?

Gritaba la voz / empalabrada

14O espaço da cidade é um elemento que tem um papel importante em Desapariencia no engaña, ela é citada em diversos poemas : “Carnaval”, “Son rumores”, “Terremotos en los ojos” e ressurgirá de maneira positiva na epígrafe ao poema “Gota de la belleza” que encerra o livro. As cidades enumeradas na epígrafe de “Gota de la belleza” concentram diversas fases de uma experiência vivida e podem ser lidas também como uma cartografia de fuga e distanciamento progressivo de um mundo de horrores em direção ao exílio e à reinvenção de uma nova vida.

15Cada cidade assinalada representa uma fronteira transposta em direção à liberdade, em direção a uma vida sem medo, sofrimento ou dor. Cada cidade assinalada representa um movimento de aproximação do sul em direção ao norte. Cada cidade assinalada na epígrafe pode ser lida como um traço de memória, que contém fragmentos de uma história vergonhosa, não somente da perseguição política na Argentina, mas em toda a América do Sul. Porém, ao mesmo tempo, a ficção poética de Ponce narra uma magnífica história de luta pela sobrevivência. Cada cidade contida nos poemas de Desapariencia no engaña faz parte de um exercício de cartografia memorial que orienta o poeta para o seu momento presente. O percurso em busca da sobrevivência do eu poético começa na cidade de La Plata, Argentina, e termina na comuna francesa de Saint Jacques de La Lande, sob o céu tranquilo da Bretanha de primaveras indecisas.

16Néstor Ponce elabora a sua poesia trabalhando com materiais difíceis : a dor e o sofrimento. Estes dois elementos podem ser lidos como vestígios abstratos de um tempo difícil. Porém, lidar poeticamente com elementos tão difíceis se revela um exercício necessário ao poeta, para que seja possível a ele garantir a sua existência poética e também registrar a memória de um tempo ruim ao sul do Equador, que não deveria ser esquecido jamais.

Haut de page

Bibliographie

Andrade, Carlos Drummond de. “Jornal de Serviço” in Poesia Completa. Rio de Janeiro : Nova Aguilar, 2002.

Ponce, Néstor, Desapariencia no engaña. Buenos Aires : El Suri Porfiado Ediciones, 2010.

Ponce, Néstor, Désapparences (traduit de l’espagnol {Argentine} par Monique Roumette), Brest : Les Hauts-Fonds, 2013.

Ponce, Néstor, http://www.nestorponce.com/biography.aspx

Trower, Robin, Victims of the fury. Vinyl/Álbum/LP. Chrysalis – 6307671. Genre : Rock. Style : Blues Rock/Hard Rock. France, 1980.
URL : http://www.discogs.com/Robin-Trower-Victims-Of-The-Fury/release/2667498

Haut de page

Notes

1 Ponce, N. Desapariencia no engaña. Buenos Aires : El Suri Porfiado Ediciones, 2010. Trad. Francês : Désapparences, Brest, Les Hauts Fonds, 2013 (trad. Monique Roumette ; ed. bilingüe).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rogério Lima, « O livro do poeta: memórias e experiências pessoais de um período desleal », Amerika [En ligne], 9 | 2013, mis en ligne le 20 décembre 2013, consulté le 18 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/amerika/4171 ; DOI : 10.4000/amerika.4171

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • OpenEdition Journals