Navigation – Plan du site
Opinion

Jorge Amado em Copacabana

Nestor Ponce

Texte intégral

Lors du colloque en hommage à Jorge Amado organisé à Rennes, Néstor Ponce, directeur d'Amerika, a évoqué sa rencontre avec le grand écrivain brésilien.



1Conheci Jorge Amado, em 1978 ou 1979, quando morei no Brasil, perseguido pela ditadura militar argentina. Li muita literatura brasileira, inclusive a obra completa de Jorge Amado. Mandei uma carta para sua editora, dizendo-lhe que gostava muito da sua literatura e que sabia que ele havia morado na Argentina, também exilado pelo governo autoritário brasileiro durante a ditadura militar. Eu disse que queria conhocê-lo. Algumas semanas depois, recebi uma resposta de Amado, dizendo para marcar um encontro na casa da sua filha Paloma, em Copacabana, creio. Fui visitá-lo. Falamos durante uma hora, trocamos impressões literárias e políticas. Ele acompanhou-me até a porta, e quando eu ia sair, me fitou com seus olhos aquosos e levando sua mão ao bolso me perguntou : “Você precisa de dinheiro ?”.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Nestor Ponce, « Jorge Amado em Copacabana », Amerika [En ligne], 10 | 2014, mis en ligne le 22 juin 2014, consulté le 18 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/amerika/4745 ; DOI : 10.4000/amerika.4745

Haut de page

Auteur

Nestor Ponce

Université Rennes 2
nestorponce35@yahoo.fr

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • OpenEdition Journals