Navigation – Plan du site
Dossier "Les féminismes en Amérique latine et dans les Caraïbes (XXe-XXIe) : identités et enjeux"
Féminismes pluriels

Movimento de Mulheres Camponesas (MMC/SC) e o percurso de sua luta feminista

Janaina Betto et Marcos Botton Piccin

Résumés


The estrangement caused by feminist practices and actions marches in line with the gender inequalities and hierarchies of a patriarchal society that considers them legitimate. However, one has to say and discuss that feminism as women's struggle for rights and equality, has an internal complexity that deserves attention, covering a set of scientific-level strands, analytical, activism and experiences lived differently by women in different times and spaces. The purpose is to situate the recent - and still under construction - popular peasant feminism, which has emerged in discourses of women from rural social movements. This study looks back at the Peasant Women's Movement trajectory of Santa Catarina (MMC/SC), and intended to point out elements to understand the route and the particularities of their feminist struggle. Therefore, it is structured based on the proponent's master dissertation, constructed based on the concepts of trajectory (Bourdieu, 1996), gender (Scott, 1990), male domination (Bourdieu, 2014) and experience (Thompson, 1981), and from the interviews, analysis of the document collection and newspapers, participation in the training space of the MMC / SC and consultation of the bibliography.

Haut de page

Entrées d’index

Géographique :

Brasil, Região Sul
Haut de page

Texte intégral

Introdução

1No Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) tem sido recente a utilização do termo feminismo camponês e popular. Este artigo investiga os significados atribuídos a essa noção pelas militantes desse movimento tendo como ponto de partida o percurso da luta feminista nos espaços rurais, em especial, no Oeste de Santa Catarina, onde o MMC tem uma forte atuação na organização das mulheres. Esse percurso passa por compreender seus investimentos nas lutas para a constituição de organizações de representação de seus interesses na década de 1980, com grande influência da igreja católica, e nas lutas contra um modelo de agricultura baseado na exportação de commodities ao longo da década de 1990, juntamente com outras organizações sociais do campo brasileiro e internacional, como é o caso da Via Campesina (VC).

2Segundo Garcia (2015), o termo feminismo foi inicialmente utilizado por volta de 1911, com o intuito de substituir outras expressões utilizadas no século XIX. Em termos de definição conceitual :

feminismo pode ser definido como a tomada de consciência das mulheres como coletivo humano, da opressão, dominação e exploração de que foram e são objeto por parte do coletivo de homens no seio do patriarcado sob suas diferentes fases históricas, que as move em busca da liberdade de seu sexo e de todas as transformações da sociedade que sejam necessárias para esse fim (Garcia, 2015: 13)

3No entanto, ao longo da história da luta das mulheres, a palavra feminismo vem causando certo estranhamento. Pode-se afirmar que isso representa um grau de desinformação sobre o que é o feminismo e é fruto de um contínuo e árduo trabalho de desvalorização e desconstrução, realizado por diferentes instituições e meios (mídias, religiões, educação, tradições patriarcais) para um contrassenso geral. Por outro lado, considerando a histórica posição subalterna das mulheres e a legitimidade das vozes masculinas pode-se afirmar que o estranhamento causado pelo feminismo e pelas práticas e ações feministas marcha em consonância com as desigualdades e hierarquias de gênero, próprias de uma sociedade patriarcal que as considera legítimas.

4Para Garcia (2015) o feminismo foi alvo de campanhas que fizeram com que a população acreditasse ser um inimigo a ser combatido, mas que, no entanto, segundo a época e a realidade de cada país, existiram e coexistiram muitos tipos de feminismos com um nexo em comum “lutar pelo reconhecimento de direitos e oportunidades para as mulheres e, com isso, pela igualdade de todos os seres humanos” (Garcia, 2015: 11-12). Diante disso, se entende que apesar da existência de discursos hegemônicos constantemente legitimados, é preciso afirmar e problematizar que além de ser uma luta das mulheres por direitos e igualdade, o feminismo é composto por uma complexidade interna que merece atenção, ou seja, que feminismo abarca um conjunto de vertentes teóricas e práticas em nível científico, analítico, de ativismo e de experiências vividas de forma distinta por mulheres em diferentes tempos e espaços.

5Diante de tais afirmativas, o objetivo do presente artigo foi situar o recente – e ainda em construção - feminismo camponês e popular, que tem emergido em discursos de mulheres de movimentos sociais do campo. Esse estudo volta olhares à trajetória do Movimento de Mulheres Camponesas de Santa Catarina, e aponta elementos para compreender o percurso e as particularidades de sua luta feminista, recentemente entendida pela sua militância como feminismo camponês e popular.

6Assim, o presente artigo se concentrou na trajetória do MMC/SC, nos discursos e práticas políticas das militantes, em como a relação classe e gênero é concebida e como o seu feminismo vai ganhando delineamentos particulares.

O Movimento de Mulheres Camponesas

7Em Santa Catarina, o MMC/SC surgiu na década de 1980 sob a denominação de Movimento de Mulheres Agricultoras. Inicialmente as agricultoras buscavam o reconhecimento da profissão de trabalhadoras rurais/agricultoras e a conquista de direitos sociais. Em 2004, em uma movimentação a nível nacional, ocorreu a unificação de diversas organizações de mulheres do campo brasileiro no chamado Movimento das Mulheres Camponesas, MMC/Brasil.

8 O surgimento do MMA/SC está ligado às ações políticas desenvolvidas por setores da Igreja Católica, com pretensões de reorganizar o movimento sindical na década de 1980, momento em que se iniciaram questionamentos referentes à impossibilidade de sindicalização das mulheres. Esses questionamentos demonstram o processo que estava em curso e que se iniciou reunindo-se mulheres agricultoras (Gaspareto, 2009) para a leitura e reflexão sobre textos bíblicos pela ótica da nova matriz teológica ligada à “Teologia da Libertação”. É importante ressaltar que, historicamente, o espaço da Igreja representa um espaço público de maior circulação das mulheres (Paulilo, 2009).

9O trabalho inicial realizado pela Igreja junto às agricultoras de incentivo à sindicalização permitiu acesso a direitos que os homens já acessavam através da identificação trabalhador rural. Isso leva a concordar com apontamentos feitos por Casagrande (1991) de que inicialmente as mulheres tiveram que “se perceber enquanto trabalhadoras e buscar o reconhecimento dessa identidade pela sociedade”. Esse processo demonstra que nos primeiros passos que culminariam na organização das mulheres esteve a necessária mudança de percepção do significado de seu trabalho, concebido em partes como obrigação e em partes como ajuda.

10A emergência das reivindicações das mulheres com um viés mais classista deve ser entendida pelas primeiras discussões que as agricultoras tiveram acesso, nas quais a problemática da mulher não era entendida a partir de reflexões de teorias feministas do período, mas sim da leitura teológica. No entanto, é importante observar que desde as primeiras reuniões as agricultoras debatiam que as mulheres não eram ouvidas e suas ideias não eram aceitas e valorizadas, justamente por serem mulheres.

11Assim, é possível compreender que as motivações que levam ao engajamento político se aproximam tanto das questões trabalhistas quanto de questões fruto de sua condição enquanto mulher, pois ambas eram discutidas e contribuíram para que elas começassem a se mobilizar. Logo, é impossível atribuir apenas às questões de classe, devido ao MMA surgir em meio a um processo de renovação sindical, o poder de mobilizar e organizar inicialmente as mulheres, visto que há um entendimento, nas discussões travadas na época, da relação entre os problemas vivenciados e a condição de ser mulher nessa realidade.

12Além disso, é possível perceber que por se sentirem pouco ouvidas e com ideias não reconhecidas, passaram a construir um movimento específico de mulheres como forma de ter maior aproximação com a política. Nesse sentido, se percebe que as ações de mobilização inicial influenciadas pela Igreja, ao propor espaços em que as mulheres conversem entre si, troquem experiências e identifiquem o que há de comum entre elas, se sentindo à vontade para tanto e que elas se sintam ouvidas umas pelas outras, tomou forma de uma estratégia de aproximação das mulheres com a política, a qual acabou incentivando a criação de um movimento de mulheres.

13 Cabe aqui retomar a definição de gênero elaborada por Scott (1990), ao definir que, além de ser um elemento constitutivo de relações sociais baseadas nas diferenças percebidas entre os sexos, é uma forma primeira de significar as relações de poder. Quando as mulheres passam a fazer parte politicamente da estrutura sindical, mas não se sentem à vontade para expressar suas opiniões é uma questão de relações sociais como parte do sentido do poder. Mais do que uma diferença percebida entre os sexos, essas situações denotam construções simbólicas, sobre as quais se sustenta uma visão de que o espaço da atuação política é um espaço masculino.

14As questões de gênero tanto estavam presentes nos discursos dessas mulheres que permitiram o entendimento de que a criação de um movimento específico de mulheres era uma forma de romper e transformar o que impedia a mulher de ter maior aproximação com a política. Isso porque o movimento específico de mulheres tornava-se lugar privilegiado para as discussões de gênero e para a troca de experiências entre as mulheres, fazendo com que elas reconhecessem a dimensão de poder que estava por trás das relações de gênero e que dificultava sua atuação política.

15Para a mulher agricultora, que ao longo de sua socialização teve pouca/nenhuma oportunidade de se manifestar em público, de expor sua opinião sobre organização da sociedade e relações sociais entre homens e mulheres, é normal certo desconforto ou que não se sintam à vontade para tanto. Pode-se dizer que a situação de subordinação da mulher remete a questões que não se interrompem com um “simples esforço de vontade, alicerçado em uma tomada de consciência libertadora” (Bourdieu, 2014: 61), mas sim através das experiências que as mulheres camponesas vão experimentando. As mulheres agricultoras passam também a participar de espaços políticos já existentes, como os sindicatos, onde vivenciam a experiência de ver as relações sociais imbricadas em relações de poder entre homens e mulheres também dentro do campo político.

16Nota-se que a partir da experiência do distanciamento com a política dentro desses espaços, elas passam a construir novas ferramentas para maior aproximação. Ou seja: uma das grandes novidades de um movimento específico de mulheres no período foi que a experiência de participação política das mulheres levou-as à conformação de um espaço institucional no qual se sentissem à vontade para questionar as desigualdades de gênero a partir de suas experiências vividas e para criar condições concretas de romper com desigualdades nos demais espaços. A outra é que a partir de sua constituição as mulheres passam por experiências específicas que permitiram construir uma compreensão de que conflitos de classe e de gênero estão intimamente relacionados.

Novas nuances nas lutas das mulheres do MMC/SC

17No final da década de 1980, as mulheres discutiram a necessidade do MMA ter mais autonomia em relação a instituições como sindicatos e igreja e, também, buscar seus próprios espaços formativos com reflexões mais analíticas condizentes com as questões que emergem no espaço específico de mulheres. Assim, debatem a necessidade de um plano de formação que atenda também temas específicos, como afetividade e sexualidade, temas que até então tinham certo receio em discutir. Isso porque se tratam de temas que não contemplados nas discussões iniciais propostas por agentes religiosos, visto que a Igreja tem centralidade na unidade família, o que levava a evitar discutir questões que eram consideradas como de falsa libertação, pois remetiam a uma libertação sexual (Casagrande, 1991).

18No entanto, para Gaiger (1995: 120) com o processo de engajamento militante dos camponeses se “inicia uma nova etapa da sua vida, a partir da qual tudo se torna suscetível de questionamento”, o que no caso se percebe quando as mulheres começam a aspirar um contato com outras interpretações para além do discurso apreendido através da Igreja sobre a condição da mulher e inclusive a questionar a totalidade deste discurso.

19Assim, a expansão para novas referências se deu a partir de questionamentos das mulheres agricultoras sobre discursos até então desconhecidos (ou pouco conhecidos), como é expresso por elas na IV Assembleia Estadual do MMA (MMAa, 1990) quando demonstram a preocupação quanto à existência de conflitos internos de concepção de feminismo, a partir do qual decidem aprofundar o entendimento sobre o tema. Assim, começam a construir e ter entre seus objetivos a capacitação de lideranças para mulheres, buscando assessores (as) com acúmulos teóricos em temáticas que lhes interessava.

20A década de 1990 também foi marcada pelo avanço da política de liberalismo econômico no Brasil. De acordo com Delgado (2009), nesse período a agricultura brasileira passou por um processo de “especialização” devido à estratégia de ajustamento externo que o projeto neoliberal trazia, de modo que essa especialização significava ampliar a produção para a exportação, de maneira a construir a ideia de agronegócio como representação de interesses dos grupos sociais beneficiários do projeto neoliberal no meio rural.

21Nesse período, o movimento de mulheres começou a se aproximar de outros movimentos sociais do campo e a contribuir na construção de um projeto alternativo que tomou traços de um projeto de oposição ao projeto neoliberal do governo, designado como “Projeto Popular para o Brasil”. Esse processo de construção de alternativas de desenvolvimento para o país também denota a construção de iniciativas atreladas à chamada Consulta Popular, espaço no qual se discutia a construção de um “projeto popular de desenvolvimento para o Brasil”. Para Foschiera (2015), a Consulta Popular era uma articulação entre alguns movimentos sociais sobre uma necessária adequação de suas práticas à nova dinâmica mundial, entendida como uma nova onda de expansão do capital na forma imperialista, na forma neoliberal. É essa articulação em termos de alternativas para o desenvolvimento do Brasil com base em um “projeto popular” que significa o uso recorrente pela militância do termo popular.

22Esses apontamentos também vão ao encontro de um momento político de avanço das articulações populares de camponeses em nível mundial através da VC, movimento internacional criado em 1993 na Bélgica que compreende 164 organizações locais e nacionais de 73 países. Além disso, agrupa milhares de camponeses e camponesas na defesa de uma agricultura sustentável em pequena escala, como modo de promover a justiça social e a dignidade, se opondo firmemente ao agronegócio (Via Campesina, 2016).

23A articulação em torno das questões de gênero dentro da VC iniciou a partir da II Conferência Internacional da VC realizada no México. Nesse momento foi formado um comitê especial para trabalhar com as mulheres na VC e após quatro meses da II Conferência ocorreu a primeira reunião da “Comissão de Mulheres da Via Campesina”, como ficou conhecido o comitê (Desmarais, 2013). A autora demonstra ser a partir dessa reunião que as mulheres aprofundaram a definição da Via Campesina sobre a soberania alimentar. Segundo Schwendler (2015: 8), ao debate de soberania alimentar, as mulheres acrescentaram as questões de igualdade de gênero e dos direitos das mulheres, adicionando uma perspectiva feminista à consciência de classe, o que possibilitou que as demandas de gênero fossem atreladas à ocorrência de transformações estruturais na sociedade.

24Conforme exposto pela autora, a realização da I Assembleia Latino-Americana das Mulheres Rurais dias antes do 2º Congresso Latino-Americano de Organizações do Campo promovido pela Coordenadoria Latinoamericana de Organizações do Campo - CLOC (1997, em Brasília), permitiu que a participação das mulheres no congresso fosse expressiva, gerando significativo impacto das análises de gênero nos encaminhamentos do congresso. Diante disso, é possível afirmar que, para a América do Sul, esse momento representou um importante avanço para a consolidação da organização das mulheres do campo em nível internacional, bem como gerou uma articulação entre as ações e estratégias locais dos movimentos de mulheres com as orientações da VC.

25É nesse período, em meio a emergência do debate de gênero dentro da Via Campesina, que acontece uma articulação com o movimento de mulheres do Brasil e, ao mesmo tempo, o período coincide com o encontro entre uma leitura internacional da VC com debates nacionais alicerçados na busca por um projeto alternativo (considerado popular) de desenvolvimento, visto que o momento político e econômico vivenciado no Brasil foi interpretado como algo não-isolado da dinâmica política e econômica internacional.

26Cabe também destacar que além da aproximação com a VC, ganha destaque no período o debate sobre modelo de agricultura e a emergência da identidade de camponesas. Através da 1ª Assembleia Internacional de Mulheres da Via Campesina realizada em 2000 foi aprovado o “Documento Sobre a Posição de Gênero da Via Campesina” na 3º Conferência Internacional da Via Campesina. Segundo o documento :

As mulheres experimentam o impacto destas alterações [da agenda neoliberal] de maneiras diferentes do que os homens por causa de sua história, papéis e relacionamentos. Por isso, é apropriado e necessário articular uma análise de género, a fim de moldar soluções inclusivas, justas e viáveis a longo prazo [...] Como aqueles que produzem alimentos e cuidam da terra, camponeses e mulheres são duplamente desfavorecidos pelas políticas e mudanças sociais com base nesses valores neoliberais [...] essas alterações negativas, juntamente com uma história de subjugação e invisibilidade, muitas vezes minam a autoestima e confiança das lideranças mulheres camponesas (Via Campesina, 2000).

27Quando as militantes do MMA/SC realizaram sua VIII Assembleia Estadual em 2001 com o tema “O MMA/SC e o modelo de agricultura que queremos” elas tiveram como objetivo central debater, aprofundar e definir estratégias para a construção de um modelo de agricultura. Diante disso, o modelo de agricultura a ser construído buscava encontrar respaldo nas experiências concretas da realidade das mulheres e do movimento nesse estado para a construção de um novo modelo pela ótica das militantes (MMAa, 2001).

28Ao refletir sobre os significados da Via Campesina, Desmarais (2013) observa que uma importante estratégia adotada pelo movimento corresponde justamente à construção de uma identidade camponesa coletiva como resposta à expansão do modelo de agricultura corporativo e neoliberal e que permitiu que os movimentos sociais que compartilham dessa leitura pudessem construir alternativas às forças da globalização. No entanto, observa-se que além da busca de representação legítima do conjunto de mulheres e do caráter de resistência atrelado à conotação política, o uso dessa designação no Brasil está associado à busca pela ressignificação do que é ser camponês no espaço rural brasileiro, de forma contrária a uma conotação negativa e expandindo seus significados.

29A partir dessas evidências pode-se fazer referência à perspectiva de Shanin (2005: 1) que considera que camponês se trata de uma “mistificação”, sem um sentido imediato e estritamente específico, uma vez que, não é possível compreender camponeses sem entender a estrutura societária mais geral e o determinado contexto histórico. Chama a atenção que, para as mulheres organizadas no MMC/SC, o processo de ressignificação não se dá apenas no sentido produtivo, mas principalmente no âmbito das relações envolvidas. Isso pode ser percebido nas declarações de suas dirigentes, como neste trecho de uma entrevista concedida à primeira autora:

A gente quer mudar essas relações sociais tanto de relações do ser humano com a natureza, quando a gente defende a agricultura camponesa, defende a agroecologia, uma produção sem fazer dano pra o meio ambiente, produzir de maneira harmônica, mas também de novas relações entre os seres humanos, principalmente entre os homens e as mulheres, não é o ser humano dominar a natureza, não é o ser humano dominar a mulher, o homem dominar a mulher, mas relações de igualdade [...] então o camponesa é enfrentar, é essa identidade de relação com o campo, mas claro, com uma relação nova que enfrenta esse patriarcado que enfrenta esse machismo. (Entrevista Dirigente, 2015).

30O uso da designação também diz respeito aos novos significados que buscam atribuir para as relações sociais entre homens e mulheres, relações sociais de produção no espaço rural e para a relação com a natureza. A alternativa oferecida pelo MMC diz respeito exatamente a construção de um modelo de agricultura baseado nas experiências concretas das mulheres que evidenciam o caráter histórico e o valor do trabalho das mulheres para a garantia da soberania alimentar. Essa estratégia também permitiu que as atividades cotidianamente desenvolvidas pelas mulheres, como a preocupação com a manutenção da diversidade, a sua relação com a natureza e a reprodução das sementes, fossem pensadas de uma forma que ressignifica o espaço que lhe é comum sem naturalizá-lo, mas sim atribuindo-lhe particular importância.

O MMC enquanto movimento feminista

31Referências a um caráter feminista no movimento aparecem pela primeira vez na 10ª Assembleia Estadual do MMC/SC (2007) : “O MMC tem como princípios de ser um movimento de luta, novas relações, autônomo, feminista, camponês, classista e socialista” (MMCa, 2007). No entanto, entende-se que foi apenas na 11ª Assembleia Estadual do MMC/SC (2010) que as mulheres assumem oficialmente que o movimento tem um caráter feminista, momento em que as discussões foram realizadas com base no tema identidade camponesa e feminista (MMCa, 2010).

32Reafirmar a identidade camponesa e feminista e articular com o projeto de agricultura em construção remonta ao sentido que se atribui ao papel da mulher para a soberania alimentar, pois a produção de alimentos é entendida pelas militantes como uma responsabilidade/atividade da mulher a partir de uma ressignificação, pois busca valorizar e atribuir importância a uma atividade comumente feminina, mas que historicamente foi atribuída como extensão do papel enquanto mulher/mãe ou ajuda, não enquanto trabalho.

33Além disso, é nessa assembleia que ocorre o reconhecimento do feminismo enquanto parte constitutiva do movimento, enquanto teoria e prática, no âmbito das relações sociais entre homens e mulheres. Já na assembleia seguinte (12ª Assembleia em 2014) iniciam esboços de formulação do que a militância do MMC entende enquanto “ser feminista”, tendo destaque a perspectiva de valorização da contribuição das mulheres para o exercício de novas relações (sociais e de produção) entre as pessoas e com a natureza.

34As inferências presentes na Carta de Dionísio Cerqueira-SC, elaborada a partir da 12ª Assembleia Estadual do MMC/SC (MMCa, 2014), demonstram que as militantes do MMC/SC passam a considerar em andamento a construção de um projeto de agricultura camponesa e também feminista e que, para tanto, necessitam aprofundar seus conhecimentos sobre o feminismo, principalmente aumentando os espaços de formação. Nesse momento as militantes passam a delinear qual seria esse feminismo do movimento, consideram que deve se diferenciar do feminismo urbano, dadas as particularidades das experiências vivenciadas pelas mulheres camponesas.

35Assim, o reconhecimento do caráter feminista é a questão mais recente assumida pelo MMC e a definição do feminismo camponês e popular está em construção. De qualquer forma, pode-se afirmar que é a partir das transformações na última década, do recente reconhecimento desse caráter feminista e dos esforços reflexivos, elaborativos e práticos consequentes disso, que as militantes passam a alargar o olhar sobre questões específicas e engrossar as lutas de gênero, através de uma maior incorporação de pautas que entram em confronto com o modelo de “família patriarcal” ainda presente no campo. Um exemplo disso é a campanha internacional Basta de Violência contra as mulheres lançada pela VC em 2008.

36Apesar de identificar um tardio reconhecimento de seu próprio caráter feminista, entende-se que é inverossímil “datar” o feminismo do MMC/SC. Isso porque se parte do pressuposto de que não assumir o caráter feminista do movimento não significa que quando debatem a imbricação entre questões de gênero e de classe, não estejam fazendo uma leitura feminista. E há o entendimento de que é ainda na década de 1990 que se consolida entre as organizações de mulheres do campo o reconhecimento da relação entre exploração de classe e opressão de gênero.

37Ao observar-se diretamente um encontro do MMC em 2015, foi possível compreender que, atualmente, o objetivo “final” do MMC é a transformação radical da sociedade, em que o capitalismo e o patriarcado são elencados como adversários. Para as militantes, o capitalismo é compreendido enquanto sistema que explora a classe dos trabalhadores, da qual fazem parte os camponeses e as camponesas. O patriarcado enquanto sistema que oprime as mulheres por meio da apropriação dos homens sobre as mesmas, na forma de dominação, tendo como principal meio de reprodução as relações sociais estruturais, através das quais, na visão das lideranças do MMC, o capitalismo se sustenta. Segundo Garcia (2015) a compreensão do patriarcado enquanto sistema político permitiu considerar até onde se estende o controle e o domínio sobre as mulheres e entender o pessoal enquanto político.

38Diante disso, as mulheres do MMC/SC enquanto indivíduos buscam a mudança das relações sociais interpessoais, pois atingem diretamente suas vidas. Essas mudanças se dão em nível de relação com o marido/filhos dentro de casa, na relação com os companheiros dos sindicatos e demais organizações mistas ou ainda no sentido das militantes ressignificarem o sentido de ser mulher e ocupar espaços até então de maior circulação masculina, como o campo político. No entanto, ao participarem do MMC enquanto coletividade o confronto que se coloca é contra o sistema que sustenta as desigualdades de gênero entre homens e mulheres, pois na visão construída a partir da militância as desigualdades de gênero se reproduzem ao longo dos tempos devido a estrutura da própria sociedade. Nota-se então existir uma leitura de que a luta por conquistas individuais não são suficientes para transformar a vida das mulheres, sendo necessário romper com o sistema que se alimenta dessas relações hierarquizadas.

39Recentemente, dadas as circunstâncias de luta na qual o MMC se insere e os desafios políticos colocados a partir da década de 1990, incluiu-se como adversário das camponesas também o chamado agronegócio, por considerarem este como um sistema produtivo que legitima a monocultura e o latifúndio, destrói a biodiversidade, ignora os saberes tradicionais (principalmente os das mulheres) e percebe a natureza como algo a ser dominado e explorado para o avanço do capitalismo através do projeto neoliberal.

40Desta forma, ao falarmos da defesa por parte do MMC/Brasil de um novo projeto de sociedade construído a partir de modelo de agricultura camponesa que valoriza o trabalho das mulheres e seus saberes tradicionais, falamos também de um enfrentamento direto ao agronegócio, principalmente quando este ameaça a soberania alimentar que as camponesas defendem. Sobre isso, o MMC se fez presente na ação realizada por mulheres da Via Campesina no ano de 2006 quando ocuparam um laboratório da Aracruz Celulose destruindo milhares de mudas.

  • 1 Afirmação presente em diversos materiais impressos do MMC.

41Na atualidade, a luta das mulheres camponesas se dá a partir de três principais eixos : a libertação da mulher, a transformação da sociedade e a construção do projeto de agricultura camponesa. As lideranças do MMC conseguiram construir referência nacionalmente para uma luta que é realizada por mulheres que buscam combater o capitalismo e o patriarcado de forma indissociável. O caráter conflitivo do movimento toma a forma antagonista ao capitalista devido às relações hierarquizadas de classe, de gênero e com a natureza, perceptível na afirmação de suas militantes: transformar as relações sociais de classe, mudar as relações com a natureza e construir novas relações de gênero1.

Ensaiando considerações sobre o emergente Feminismo Camponês e Popular

42Conforme apontado por Garcia (2015), não existe apenas um tipo de feminismo, pois são muitas as correntes de pensamento que o compõem. Diante dos estudos já realizados sobre o feminismo no Brasil, cabe apenas destacar elementos do movimento feminista brasileiro que contribuem com o presente estudo, permitindo inclusive compreender as emergências em curso na atualidade.

43No entanto, situar o feminismo no Brasil, mesmo possuindo linhas gerais semelhantes com a situação mundial, não é uma tarefa simples, o que demonstra a dificuldade em se delinear as formas pelas quais novas nuances vem surgindo e exigindo seu espaço no bojo da movimentação feminista no território brasileiro. De qualquer forma, cabe destacar, conforme Sarti (2004), o feminismo brasileiro que emerge a partir dos anos 1970, embora influenciado por experiências europeias e norte-americanas, foi significativamente marcado pela contestação à ordem política instituída no Brasil devido ao golpe militar de 1964. Assim, há o reconhecimento da emergência de grupos feministas articulados a organizações marxistas.

44O MMC/SC, desde sua origem, foi um movimento social do campo de caráter classista, principalmente diante de sua origem atrelada a setores da Igreja Católica adeptos à Teologia da Libertação. Isso permite entender porque, ao longo de anos iniciais e da década de 1990, enquanto movimento de mulheres, o MMC defendia pautas e realizava ações que reconheciam relações entre questões de classe e de gênero. Essa afirmação vai ao encontro do exposto por Cisne :

se essa forma de organização não era diretamente feminista em sua formação ou mesmo não tinha esse objetivo, ao proporcionar o encontro entre mulheres que passavam a reivindicar mudanças, podemos afirmar que foi por essa via que muitas passaram a ocupar o espaço público e a conquistar a cena política. E isso, também, é feminismo. (Cisne, 2014: 135)

45No entanto, foi apenas na última década que ocorreu o reconhecimento por parte da militância do MMC de que o mesmo se trata de um movimento classista, mas também feminista. Frente aos elementos observados em termos de trajetória do MMC pode-se afirmar que, mesmo sem esse reconhecimento anterior, o MMC cultivava a particularidade de ser um movimento do campo específico de mulheres que já trazia a presença de um feminismo nas discussões de sua militância e, sobretudo, norteando práticas e ações. Esse “feminismo”, ainda acortinado, estava muito próximo dos debates relacionados ao feminismo socialista, de bases marxistas.

46Ao longo das mais de três décadas de existência do MMC, da aproximação entre conceito de classe e de gênero, o movimento passa a incorporar novas questões. Ao longo da década de 1990 o termo popular vai ganhando espaço nas formulações e nas ações de movimentos sociais do campo no Brasil. Além disso, a aproximação por estes movimentos com a Via Campesina e o debate sobre modelo de agricultura alternativo contribuíram para o uso da designação camponesa enquanto retorno a um ideal, ressignificação de um papel e construção de uma identidade coletiva. Nesse sentido, o uso das terminologias camponês e popular remete ao próprio projeto político defendido pelo movimento.

47Ao mesmo tempo, o que se pode apreender deste processo é o fato de as mulheres do campo organizadas buscarem assumir/construir um feminismo que dê sentido e signifique as experiências de vida das mulheres do campo, considerando questões como a exploração de classe, a apropriação de gênero e o debate sobre modelo de agricultura alternativo. Além disso, é interessante que esse feminismo camponês e popular, ao mesmo tempo em que exalta a relação das mulheres com a natureza e a capacidade de gerar a vida, também apresenta em seus espaços formativos discussões referentes ao direito ao aborto.

48O feminismo do MMC pede reconhecimento da importância para a vida das mulheres, de um projeto de agricultura que valorize o trabalho que a mulher desempenha no espaço rural e sua relação com a natureza, com as sementes, com a segurança alimentar e com a geração da vida, pois esses significam suas histórias e seu espaço de vida cotidiana. Particularmente, é possível defender que falar em “gerar vida” e ao mesmo tempo defender a legalização do aborto não se trata de uma postura contraditória, mas sim da união entre as peculiaridades que envolvem as experiências dessas mulheres e os debates feministas clássicos que elas acessam.

49Além disso, há de se reconhecer que o feminismo essencialmente urbano não reconhece em suas formulações as peculiaridades da experiência de vida no campo, onde há, hegemonicamente, um formato de trabalho familiar. Para Paulilo (2016), a solução para dilemas levantados por feministas socialistas, como o cuidado com a casa e a prole, passa pela proposta de soluções coletivas, o que é bastante distante da realidade da agricultura familiar brasileira. Diante disso, se entende que a designação feminismo camponês e popular além de informar em termos de projeto político defendido pelo MMC, também nos informa sobre formas particulares de vivenciar a opressão de gênero conforme o espaço social em questão.

50Assim, se considerarmos o feminismo enquanto um conjunto de vertentes teóricas e práticas em nível científico, analítico, de ativismo e de experiências vividas há, ao fim deste breve ensaio sobre o feminismo camponês e popular, de se considerar, recentemente, uma maior congregação de mulheres, que se consideram feministas, mas que buscam debater feminismo a partir de novas nuances. Nuances estas que, na verdade, nada tem de “novas”, apenas estão representando a exigência de maior centralidade a traços importantes e particulares das experiências de vida de determinados grupos sociais, seja por questões étnico-raciais, como é o caso das mulheres negras, ou diante do espaço social, como recentemente ocorre com as mulheres do campo.

51Nesse sentido, pode-se retomar o afirmado por Paulilo (2016), pesquisadora com mais de quatro décadas de estudos sobre mulheres rurais no Brasil, a qual afirma que não necessariamente as mulheres rurais demoraram para se aproximar do feminismo, até mesmo porque suas leituras políticas e ações práticas possuíam há décadas uma base feminista, mas sim de se considerar que o próprio feminismo, estritamente urbano, teve e tem dificuldades em enxergar e incluir as mulheres rurais enquanto feministas. Isso implica afirmar também que ao longo da história do feminismo do Brasil essas mulheres que já estavam presentes em lutas feministas tinham dificuldades em ver reconhecidas as particularidades de suas experiências. No entanto, na atualidade exigem maior espaço para suas leituras, para as particularidades de suas formas de vivenciar as opressões de gênero e sonhar com o rompimento destas.

  • 2 20 a 22/11/15 em Luziânia/GO/Brasil.
  • 3 21 e 22/03/17 em Luziânia/GO/Brasil.

52Assim, ocorreu na última década um processo no qual as mulheres do campo ousaram construir um feminismo alicerçado nas suas experiências. O seu feminismo. Como fruto da trajetória do Movimento de Mulheres Camponesas pode-se observar então a construção de um feminismo que, ao contrário do urbano que tem se afastado do conceito de classe, buscou elementos no encontro da relação entre classe e gênero. Além disso, é acrescido das reflexões sobre seu trabalho como agricultoras, para hoje caminhar rumo a uma definição própria de feminismo, a qual vem contemplando militantes de outras organizações do campo (como, por exemplo, o MPA/Paraná/Brasil) e organizações da VC. Esse fato é observado através da construção do 1º Seminário Internacional Feminismo Camponês e Popular (2015)2 e do 2º Seminário Internacional Feminismo Camponês e Popular (2017)3. Esse feminismo que surge da luta das mulheres do campo busca, nas experiências reais destas, os elementos para tomar forma própria. Ele nos informa caminhos que vão sendo trilhados e dá sinais de que ainda é difícil falar em definições prontas e findadas.

Haut de page

Bibliographie

Bourdieu, Pierre, As regras da arte : génese e estrutura do campo literário, Lisboa : Ed Presença, 1996.

Bourdieu, Pierre, A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica, Rio de Janeiro : Ed. BestBolso, 2014.

Casagrande, Jacir, Movimentos sociais do campo, Florianópolis : UFSC,1991.

Cisne, Mirla, Feminismo e Consciência de Classe no Brasil, São Paulo : Ed. Cortez, 2014.

Delgado, Nelson, Papel e lugar do rural no desenvolvimento nacional, Rio de Janeiro : CPDA/UFRRJ. 2009.

Foschiera, Atamis, "Para além dos partidos políticos: a consulta popular", Revista Pegada: (Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho, vol 16, n°1, 2015.

Gaiger, Luiz Ignacio, "Entre as razões de crer e a crença na razão Mobilização coletiva e mudança cultural no campesinato meridional", R. Brasileira de Ciências Sociais: Sao Paulo,1995.

Gaspareto, Sirlei, As jovens do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), Campina Grande : UFCG, 2009.

Garcia, Carla Cristina, Breve histórico do feminismo, São Paulo : Ed claridade, 2015.

Paulilo, Maria Ignez Silveira, Que feminismo é esse que nasce na horta? Florianópolis : Política & Sociedade, 2016.

______, "Movimentos das Mulheres Agricultoras e os muitos sentidos da 'igualdade de gênero' ", Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas, São Paulo: Editora UNESP, 2009.

Scott, Joan, Gênero: uma categoria útil para os estudos históricos?, Porto Alegre: Educação e realidade, 1990.

Shanin, Teodor, A definição de camponês: conceituações e desconceituações: o velho e o novo em uma discussão marxista, Revista Nera, Universidade Estadual Paulista (UNESP): 2005.

Thompson, Edward Palmer, A miséria da teoria ou um planetário de erros uma crítica ao pensamento de Althusser, Rio de Janeiro : Ed.Zahar, 1981.

Haut de page

Notes

1 Afirmação presente em diversos materiais impressos do MMC.

2 20 a 22/11/15 em Luziânia/GO/Brasil.

3 21 e 22/03/17 em Luziânia/GO/Brasil.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Janaina Betto et Marcos Botton Piccin, « Movimento de Mulheres Camponesas (MMC/SC) e o percurso de sua luta feminista », Amerika [En ligne], 16 | 2017, mis en ligne le 01 juillet 2017, consulté le 14 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/amerika/8202

Haut de page

Auteurs

Janaina Betto

Universidades de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil (UFSM)
janaina.btt@hotmail.com

Marcos Botton Piccin

Universidade de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil (UFSM)
marcospiccin@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo ERIMIT - Equipe de recherche interlangues : mémoire, identités, territoires
  • OpenEdition Journals