Navigation – Plan du site
Comptes rendus / Partenariat Critique d'art

Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins, de Débora Danowski e Eduardo Viveiros DE Castro

Fábio Zuker
Référence(s) :

Débora danowski e Eduardo viveiros de castro, Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins, Florianópolis, Desterro, Cultura e Barbárie e Instituto Socioambiental, 2014, 176p.

Traduction(s) :
Est-ce qu'il y a un monde pour vivre? Essai sur les peurs et les fins, de Débora Danowski e Eduardo Viveiros De Castro

Texte intégral

1A tentativa de produzir um ’’pensamento e uma mitologia adequados ao nosso tempo’’ – uma reflexão cosmopolítica em diálogo com o pensamento ameríndio – está na base do ensaio escrito por Débora Danowski e Eduardo Viveiros de Castro. Circulando com rara facilidade entre temáticas próprias ao campo da etnologia, da filosofia política e da filosofia da história, a obra tem como ponto de partida a atual centralidade do medo do fim do mundo, substituindo o lugar antes ocupado pelo messianismo no imaginário moderno.

2Classificada pelos autores como antropocêntrica, a cosmopolítica moderna conceberia o humano como ponto de chegada de uma evolução ao longo da história. A pretensão de domínio da natureza pela ciência, marcada pela narrativa do progresso, teve como resultado o seu oposto: a natureza respondendo de modo violento com um iminente cataclisma climático e a humanidade reduzida a uma camada geológica, o antropoceno.

3Por nunca terem tido uma natureza, por não terem tido a necessidade de dela libertarem-se, o que equivale a jamais terem sido modernos, os ameríndios, entre tantos outros povos não-modernos, podem nos ensinar algo sobre viver após o fim do mundo – tendo este terminado há cinco séculos para eles, com a chegada dos europeus. Danowski e Viveiros de Castro classificam o pensamento cosmopolítico ameríndio como marcado pelo antropomorfismo, em que o mundo e a vida tem relações inextrincáveis, é impossível conceber um mundo sem humanos. Como afirma o xamã yanomami Davi Kopenawa, em tom de alerta, os brancos não acreditam, mas quando o céu cair, cairá sobre todos.

4Considerando insuficiente a crítica ao capitalismo para dar conta da crise planetária, torna-se imperativo abandonar a mitologia do progresso moderno. Agora que o fim do mundo tornou-se uma realidade, experiências como a do movimento político Maya contra o Estado-mercado, mesmo após o fim do seu mundo, são evocadas pelos autores como outros possíveis imaginários para a política.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Fábio Zuker, « Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins, de Débora Danowski e Eduardo Viveiros DE Castro », Artelogie [En ligne], 10 | 2017, mis en ligne le 05 avril 2017, consulté le 16 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/artelogie/876

Haut de page

Auteur

Fábio Zuker

Mestre em Ciências Sociais pela EHESS-Paris
fabiozuker[at]gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Association ESCAL

Haut de page
  • Logo CNRS - Centre national de la recherche scientifique
  • Logo Maison de l'Amérique latine
  • Logo EHESS - École des hautes études en sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals