Navigation – Plan du site

Recomendações aos autores

1. Soubmissão de manuscritos

Os manuscritos devem ser enviados em língua original por correio eletrônico a bresils-revue@ehess.fr (com pedido de confirmação de recepção). Todo manuscrito submetido deve ser inédito, não tendo sido publicado anteriormente, em nenhuma língua, em formato impresso ou digital. Também não deve ser enviado simultaneamente a outras revistas.

Cada manuscrito deve ser acompanhado de uma ficha trilingue (português, francês e inglês) de identificação do artigo comportando o título do artigo (nas três línguas), os nomes dos autores na ordem desejada, uma breve apresentação de cada um (máximo de 5 linhas), um resumo de cerca de 500 caractéres e 5 palavras-chave (nas três línguas).

Se uma tradução em francês for necessária, ela será efetuada após a aceitação do artigo.

Cada artigo é avaliado pelo comitê de redação e, em seguida, em caso de aprovação, anonimamente por ao menos dois pareceristas ad hoc. Estes últimos podem preconizar a aceitação do artigo no estado inicial, solicitar modificações ou recomendar a recusa do texto. No caso em que modificações sejam solicitadas, o texto será submetido uma sergunda vez aos pareceristas.

A tradução será feita após esta etapa pela revista, ou pelo autor em relação estreita com a revista.

2. Apresentação do manuscrito

O manuscrito é apresentado em formato Word (.doc ou .docx) sem formatação particular (jamais utilizar folhas de estilo). Cara parágrafo começa por uma tabulação de cinco pontos. As citações longas (mais de três linhas) formam um parágrafo distinto. Se o artigo é submetido em francês, as aspas são francesas (« … »). Os primeiros nomes aparecem por extenso. As siglas e acrônimos aparecem por extenso em sua primeira menção (Organização das Nações Unidas) e, em seguida, sem pontuação: as siglas com maiúsculas (PT), os acrônimos como nomes próprios (Unesco). O itálico é reservado às palavras ou frases em língua diferente da do artigo. O sublinhamento não é autorizado. Cada parte do artigo deve ser precedida de um intertítulo não numerado.

Em francês, cada artigo não deve ultrapassar 65.000 caractéres (incluindo espaços, notas e a lista das obras consultadas). Os artigos submetidos em português não devem ultrapassar 58.000 caractéres (eles aumentam cerca de 10% após a tradução). Em todo caso, o número de caractéres das notas deve ser inferior a 20% do total do texto (excluindo a lista das obras consultadas).

Para os artigos que deverão ser traduzidos, lembramos aos autores que a repetição de uma mesma palavra ou expressão dentro de um mesmo parágrafo não é aceita em francês. Para evitar que o tradutor escolha sinônimos que não convenham, é importante que esta regra seja respeitada já no texto em língua original. Além disso, vale lembrar que o tradutor deverá frequentemente cortar as frases longas demais (mais de três linhas) ou cuja sintaxe for por demais complexa. Enfim, se o autor deseja uma tradução específica para os conceitos que utiliza, ele pode sugerí-la entre parênteses no texto (o tradutor não é obrigatoriamente um especialista da área do autor).

As citações de obras cuja língua original é o francês devem ser obrigatoriamente feitas em sua versão original (não podem ser retraduzidas a partir de uma tradução em português ou em inglês).

3. Obras citadas

A revista utiliza os princípios de citação “autor-data” do Chicago Manuel of Style (cf. The Chicago Manuel of Style Online). As referências às obras citadas não aparecem em nota, mas entre parênteses no corpo do texto: (Le Goff 1996, 223-250). A lista das obras citadas, em ordem alfabética pelo sobrenome do primeiro autor, aparece no final do artigo sob o título “Referências bibliográficas” segundo os princípios do Chicago Manuel of Style. Para um mesmo autor, os títulos seguem a ordem cronológica. Em história, porém, as fontes primárias manuscritas ou impressas são indicadas em notas de redapé.

Na bibliografia, as referências devem ser completas: precisar notadamente os primeiros nomes dos autores, a cidade de publicação, a editora, a data da primeira edição (disposta entre colchetes após a data da edição consultada) nas referências a reedições. Para as traduções, o título original aparece entre colchetes após a referência da edição utilizada.

Livros com um só autor

  • D’Araujo, Maria Celina. 2000. O Estado Novo. Rio de Janeiro: Zahar.
    (D’Araujo 2000, 123-128)

  • Latour, Bruno. 1991. Nous n’avons jamais été modernes. Paris : La Découverte.
    Latour, Bruno. 2006 [2005]. Changer de société. Refaire de la sociologie. Paris : La Découverte.
    (Latour 1991 ; Latour 2006 [2005])

  • Pollan, Michael. 2006. The Omnivore’s Dilemma: A Natural History of Four Meals. New York: Penguin.
    (Pollan 2006, 99-100)

Livros com dois ou mais autores

  • Chalhoub, Sidney & Leonardo Affonso de Miranda Pereira. 1998. A história contada: capítulos de história social da literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.
    (Chalhoub & Pereira 1998)

  • Abreu, Marcelo de Paiva & Dorte Verner. 1997. Croissance à long terme au Brésil, 1930-94. Paris: OCDE.
    (Abreu & Verner 1997)

  • Martin, Jean-Baptiste, François Laplantine & Ismaël Pordeus. 2001. Usages sociaux de la mémoire et de l’imaginaire au Brésil et en France. Lyon : Presses Universitaires de Lyon.
    (Martin, Laplantine & Pordeus 2001)

  • Ward, Geoffrey C. & Ken Burns. 2007. The War: An Intimate History, 1941–1945. New York: Knopf.
    (Ward & Burns 2007, 52)

OBS. Para quatro ou mais autores, colocar a lista completa dos nomes nas referências bibliográficas, mas somente o primeiro autor seguido de et al. no corpo do texto:

  • Kelly, John D., Beatrice Jauregui, Sean T. Mitchell & Jeremy Walton, dir. 2010. Anthropology and Global Counterinsurgency. Chicago: University of Chicago Press.
    (Kelly et al. 2010, 77)

Capítulos ou partes de um livro

  • Souza, Laura de Mello e. 1996. « Violência e práticas culturais no cotidiano de uma expedição contra quilombolas – Minas Gerais, 1769. » In Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil, dirigé par João José Reis & Flavio dos Santos Gomes, 193-212. São Paulo: Companhia das Letras.
    (Souza 1996, 201)

  • Kelly, John D. 2010. « Seeing Red: Mao Fetishism, Pax Americana, and the Moral Economy of War. » In Anthropology and Global Counterinsurgency, dirigé par John D. Kelly, Beatrice Jauregui, Sean T. Mitchell & Jeremy Walton, 67–83. Chicago: University of Chicago Press.
    (Kelly 2010, 77)

Prefácios, introduções ou outras partes similares de um livro

  • Rieger, James. 1982. Introdução a Frankenstein; or, The Modern Prometheus, de Mary Wollstonecraft Shelley, xi–xxxvii. Chicago: University of Chicago Press.
    (Rieger 1982, xx–xxi)

Livros digitais

  • Austen, Jane. 2007. Pride and Prejudice. New York: Penguin Classics. Kindle edition.
    (Austen 2007)

  • Kurland, Philip B. & Ralph Lerner, dir. 1987. The Founders’ Constitution. Chicago: University of Chicago Press. http://press-pubs.uchicago.edu/founders.
    (Kurland & Lerner 1987)

Artigos em revistas impressas

  • Fico, Carlos. 2009. « Represión durante la dictadura militar brasileña (1964-1985): violencia y pretensión pedagógica. » Revista de Estudios Latinoamericanos 1: 17-41.
    (Fico 2009, 23)

  • Saez, Oscar Calavia. 2011. « O lugar e o tempo do objeto etnográfico. »Etnográfica 15 (3): 589-602.
    (Saez 2011, 589-602)

OBS: Nas referências bibliográficas, indicar a primeira e a última página do artigo; no corpo do texto, indicar as páginas consultadas.

Artigos em revistas digitais

Indicar um DOI (Digital Object Identifier) se a revista o fornece. Senão, indicar o URL. Incluir em seguida uma data de acesso entre parênteses: (consultado em...).

  • Kossinets, Gueorgi & Duncan J. Watts. 2009. « Origins of Homophily in an Evolving Social Network. » American Journal of Sociology 115: 405–50. DOI: 10.1086/599247 (consulté le 28 février 2010).
    (Kossinets & Watts 2009, 411)

  • Strozenberg, Iliana. 2006. « Branca, preta, híbrida: qual é a cor da beleza na propaganda brasileira hoje? » Com Ciência, Revista eletrônica de jornalismo científico 78, 10 juillet. http://comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=15&id=148 (consulté le 10 août 2006).

Teses ou dissertações universitárias

  • Leandro, Sylvia Amanda da Silva. 2012. « O que matar (não) quer dizer nas práticas e discursos da justiça criminal: o tratamento judiciário dos “homicídios por auto de resistência” no Rio de Janeiro. » Dissertation de mestrado en droit. Rio de Janeiro: Université fédérale de Rio de Janeiro.
    (Leandro 2012)

  • Choi, Mihwa. 2008. « Contesting Imaginaires in Death Rituals during the Northern Song Dynasty. » PhD diss. Chicago: University of Chicago.
    (Choi 2008)

Comunicações apresentadas em colóquios ou conferências

  • Adelman, Rachel. 2009. « “Such Stuff as Dreams Are Made On”: God’s Footstool in the Aramaic Targumim and Midrashic Tradition. » Communication présentée au congrès annuel de la Society of Biblical Literature. New Orleans : Louisiana, 21-24 novembre.
    (Adelman 2009)

OBS: Mantém-se as características tipográficas habituais de cada língua. Outros exemplos são disponíveis no site do Chicago Manual of Style.

4. Ilustrações

As fotografias e os gráficos e tabelas que acompanham o texto devem ser da melhor qualidade possível (300 dpi no mínimo). As fotocópias não são aceitas. As fotografias são fornecidas em alta definição, no formato .jpg. Os gráficos são enviados em arquivos distintos do texto e transmitidos sob a forma de imagem, no formato .jpg. As tabelas são concebidas diretamente no arquivo do artigo (Word).

Precisar a legenda, a referência de origem e a localização das ilustrações no texto. Fornecer uma autorização de reprodução e utilizar de preferência inconografia livre de direitos.

5. Notas

Utilizar imperativamente uma numeração contínua automática com notas de rodapé. As chamadas de nota são colocadas de preferência no final da frase e simplesmente inseridas como expoentes no texto (sem parênteses). A chamada de nota no texto precede sempre o sinal de pontuação. Exemplo: comme l’écrivait Michelet5.

Na própria nota de rodapé, o número produzido automaticamente é seguido de um espaço e do conteúdo da nota.

Limitar o número de notas (não mais de 20 % do texto); regrupar de preferência as notas em uma nota única no final do prágrafo.

O título do artigo e os intertítulos não comportam notas.

6. Vídeos

É possível inserir vídeos em um artigo. Para tal, comunicar l’URL da mídia. Precisar o nome do autor, os créditos, a legenda e a localização no texto destes documentos. Toda mídia publicada deve ser livre de direitos.

  • Logo Editions de la Maison des sciences de l'homme
  • Logo Mondes américains
  • Logo Centre de Recherches sur le Brésil Colonial et Contemporain
  • Logo Ecole des hautes études en sciences sociales
  • Logo Centre national de la recherche scientifique
  • OpenEdition Journals