Navegação – Mapa do site

Chamada de artigos: A operacionalidade do jogo

Organizadores: Fernanda Eugénio (ANDlab; BR); Ricardo Seiça Salgado (CRIA-UMinho; PT)

Prazo de envio de contribuições: 28.2.2018

O conceito transdisciplinar de jogo (na aceção anglo-saxónica de play, ou na francesa de jeu) abrange um campo semântico alargado. Sintetizando as suas qualidades estruturais, o jogo envolve voluntariedade para jogar. A posição dos jogadores é enquadrada por um conjunto de regras ou procedimentos. Dá-se uma sensação de deslocamento que transporta o jogador para fora das posições e da lógica do quotidiano. Vive por isso no domínio do «como se», no modo subjuntivo. Mas ele não é somente jogo, é igualmente uma mensagem sobre si próprio, uma metamensagem (Bateson 1987), uma vez que o jogo começa por se referir a si próprio, introduzindo a possibilidade de se reinventar e reclassificar as ações, e desenvolver novos enquadramentos. O jogo joga-nos (Gadamer 1999). Ao ser o que não é, ao (re)enquadrar enquadramentos reflexivamente do que não existe, ele é paradoxal. E sendo liminar (Turner 1992), inverte e subverte a realidade e a estrutura social mundana, pelo que os papéis que nele desempenhamos podem desconhecer a lógica das hierarquias impostas na esfera pública.

Para além do substantivo e verbo que o jogo é, será porventura melhor pensa-lo como um advérbio, como nos sugere Susan Millar (1971). Como advérbio, o jogo produz possibilidades, junta-se aos verbos, adjetivos e outros advérbios para lhes mudar a significação. Tal facto indica que talvez seja melhor definir o jogo pelo que ele faz, pela sua função, em vez de lhe dar uma definição pelo que significa (Spariosu 1989), talvez seja mais produtivo olhar o jogo como um conceito operatório.

A chamada para artigos deste dossiê pretende discutir o conceito de jogo na sua operacionalidade nomeadamente como o jogo serve de laboratório experimental de procedimentos, como o jogo é posto em prática e que consequências este fazer proporciona enquanto prática, contribuindo para uma heurística da análise sociocultural. Gostaríamos que as propostas de artigo focassem:

1 – na forma como o jogo se faz dispositivo (ou contra-dispositivo do senso comum) para a invenção coletiva e dissensual do comum, permitindo desvincular a prática da comunidade dos mecanismos identitários da pertença e da reprodução, bem como re-situar o seu entendimento enquanto processo de vinculação sempre em aberto: nem essência nem substância, mas potência de relação que está sempre por ser efetuada a cada vez.

2 – na forma como o jogo está a ser ativado, em diferentes áreas, enquanto prática exploratória ­ – explicitando o que um corpo pode e contribuindo para a reimaginação da corporeidade e dos modos de estar no mundo.

3 – na forma como o jogo pode funcionar como plano de re-performance e/ou como chave analítica para dar a ver as complexas relações éticas, estéticas e políticas implicadas na constante negociação social dos lugares de fala, das representações e das formações subjetivas.

4 – na forma como o jogo é usado para a reinvenção de práticas pedagógicas e de práticas metodológicas.

5 – na forma como o jogo, nas suas engrenagens e de dinâmica processual, se relaciona com a utopia ou com a vanguarda e se pode concretizar enquanto heterotopia.

  • Logo ERIH PLUS
  • Logo EBSCO – EBSCOhost Online Research Databases
  • Logo Latindex – Sistema de Información sobre las revistas de investigación científica
  • Logo DOAJ – Directory of Open Access Journals
  • Logo Navba
  • OpenEdition Journals