Navigation – Plan du site
Dossiê "Imagem, pesquisa e antropologia"
Ensaios

Antropologia, imagens e arte. Um percurso reflexivo a partir de Georges Didi-Huberman

Anthropology, pictures and arts. A reflective journey based on Georges Didi-Huberman
Etienne Samain
p. 47-55

Résumés

As fronteiras entre historia da arte, imagens e antropologia foram felizmente abaladas no decorrer das duas últimas décadas. Na virada cognitiva visual da qual participamos, essas ciências – Antropologia e Historia da Arte – outrora distintas, vão redescobrindo a natureza e os horizontes de seus próprios começos. Neste ensaio, o autor retraça algumas das etapas de sua própria descoberta e exploração das relações entre antropologia, imagens e arte, remetendo às importantes contribuições de Gregory Bateson, Claude Lévi-Strauss, Alfred Gell, Hans Belting, William J.T.Mitchell. Abre, em seguida, um novo espaço crítico, que conduz à obra humanistica de Georges Didi-Huberman, quando, na linhagem de Aby Warburg e de Walter Benjamin, esse filósofo e historiador da arte trata de situar as imagens e o saber visual como sendo um campo privilegiado de questionamentos sobre nossa história, apelos e gritos para tomar posição em nome do porvir de nosso planeta.

Haut de page

Notes de la rédaction

Recebido em: 2014-02-13

Aceito em: 2014-05-06

Texte intégral

Cada obra é apenas a tecelagem de outras obras já vistas
Julia Kristeva

1As reflexões sobre a imagem são numerosas e de ordens as mais diversas. Apresento neste ensaio um percurso pessoal nesse sentido. Gostaria de começar falando-lhes de um pequeno livro que acabei de receber, intitulado Précis de photographie à l'usage des sociologues (Breve manual de ensino da fotografia para o uso dos sociólogos). Os autores, doutores em Sociologia (em Lausanne, na Suíça e em Nantes, na França), são respectivamente Michael Meyer e Sylvain Maresca (2013), esse último que conhecemos melhor no Brasil.

2O que oferece esse livro de cem páginas, publicado em outubro de 2013?

3Primeiro, uma retrospectiva crítica com relação aos usos da fotografia nas publicações sociológicas desde a fundação dessa ciência quando, - no momento em que nascia o daguerreotipo -, Auguste Comte, em 1831, cunhava o termo de sociologia. Um estado da arte, então, que lembra as publicações pioneiras do American Journal of Sociology (de 1898 a 1916) e dá ênfase aos trabalhos de Franz Boas, Bronislaw Malinowski, Gregory Bateson e Margaret Mead, Erving Goffman, Douglas Harper.

4No entanto, logo depois, por parte dos autores, é proposta esta questão um tanto enigmática: "Será que algo novo está para aparecer na área"?

5No segundo capítulo (o mais importante, penso), outra reflexão: a de uma abordagem crítica, desta vez, das questões metodológicas e técnicas para se utilizar das imagens no campo das ciências sociais. Os autores insistem:

  • 1 As obras aqui citadas, tem tradução minha e foram originariamente escritas em francês ou foram lida (...)

Na medida em que as imagens se tornam uma parte integrante e essencial da cultura das jovens gerações, numa sociedade - ela também – invadida pelas imagens, é imperativo que se entre no coração do assunto, abordando as questões metodológicas e técnicas a fim de dar aos estudantes de sociologia ferramentas práticas para utilizar as imagens com pertinência e rigor" (2013:8)1

6No terceiro capítulo, os autores nos remetem a importantes questões epistemológicas levantadas pelo fazer fotográfico no campo das ciências sociais. Reflexões essas que me permito revisitar com as minhas próprias palavras em torno de três perguntas:

7Até onde vai nosso direito de olhar para os outros, pensando definir suas identidades através de nossas fotografias?

8O que significa "observar" tratando-se de entender os homens e as culturas? E ainda: O que observar? As "estruturas que conectam os seres vivos" [Gregory Bateson]?; "O Studium e o Punctum" [Roland Barthes] ou, melhor, "O modo maior ou o modo menor da realidade" [Albert Piette], isto é, esse conjunto de pequenos detalhes, aparentemente sem importância, que, todavia, encontram-se carregados de todo um peso de significações?

9O que pensar das relações de singularidade e de complementariedade de que se nutrem texto e imagem, na elaboração do discurso antropológico, lembrando o belo texto de Ernst Gombrich:

Se considerarmos a comunicação do ponto de vista privilegiado da linguagem, vamos descobrir que a imagem visual é sem igual no que diz respeito a sua capacidade de despertar, que sua utilização para fins expressivos é problemática e que, reduzida a si-mesma, a possibilidade de se igualar à função enunciativa da linguagem lhe falta radicalmente (1983:323)?

10As reflexões sobre as imagens nas artes e nas ciências humanas (Sociologia, Antropologia, História, Pedagogia) são múltiplas. Poderíamos, aliás, pensar em uma outra questão muito atual: a das reconfigurações das imagens, isto é, das novas figuras, das novas imagens (de cultura) que as tecnologias eletrônicas e digitais proporcionam, em termos estetizantes e éticos.

De Gregory Bateson e Claude Lévi-Strauss …

  • 2 Os índios Kamayurá (Alto Xingu, em 1977-78) e Urubu-Kaapor (Cabeceiras do Rio Gurupy – MA, em 1980- (...)

11Não poderia me aventurar em um diálogo entre Antropologia, Imagens e Arte sem deixar claras algumas das minhas opções acadêmicas. Para ser breve, diria que, de uma formação clássica em Antropologia Social no Museu Nacional do Rio de Janeiro, passei rapidamente a me interessar por questões referentes ao que chamamos hoje de "Antropologia Visual", talvez por ter tido a chance, no intervalo, de me debruçar sobre essas produções e montagens intelectuais, eminentemente visuais e cinematográficas, que são os mitos das sociedades indígenas ágrafas com as quais convivi.2

12Se, fundamentalmente, no decorrer de mais de quinze anos, pensei poder dar minha contribuição à Antropologia Visual (mergulhando, para tanto, na História da Antropologia Visual e nos legados visuais de alguns importantes antropólogos), paralelamente, caminhava em direção a campos de questionamentos mais amplos que, desta vez, procuravam conjugar os diversos meios da comunicação humana como sendo outros tantos modos lógicos singulares de se pensar o mundo e como sendo outras tantas maneiras de se organizar socialmente.

13Não haverá de se admirar se se acrescentar que minha feliz "bricolagem" acadêmica deve muito a Claude Lévi-Strauss de um lado, a Gregory Bateson do outro.

14Lévi-Strauss (1908-2009), notadamente no seu admirável capitulo 1 do Pensamento Selvagem (1970), me fez descobrir que existem dois modos distintos, dois níveis estratégicos de pensar e de fazer ciência: o primeiro aproximadamente ajustado ao da percepção e da imaginação, e o outro mais afastado desta intuição sensível. Lévi-Strauss situava a arte na intersecção desses dois níveis estratégicos, na intersecção da razão e da imaginação.

  • 3 Ver "As imagens não são bolas de sinuca" (Samain 2012: 21-36).

15De Gregory Bateson (1904-1980), guardei essa frase simples: "No decorrer da minha existência, coloquei as descrições de tijolos e de jarras, de bolas de sinuca e de galáxias numa caixinha e, ali, deixei-as repousar. Numa outra caixa, coloquei coisas vivas: os caranguejos do mar, os homens, os problemas de beleza e a questão das diferenças. É o conteúdo da segunda caixa que a mim interessa"(Bateson 1980:17). Acrescento - pois é importante realçar o que vou dizer: na caixa das coisas vivas, coloquei as imagens3.

16Com o recuo que hoje tenho, percebo que algo acontecia no final da década de noventa, algo que não identificava na época. É verdade que já não me interessava tanto pelas questões relativas à natureza da imagem (fotográfica, cinematográfica, videográfica, infográfica), nem pelas funcionalidades diversas das máquinas de imagens em termos cognitivos. Se se falava ainda de Antropologia visual, uma outra preocupação, muito mais profunda, emergia: a necessidade de que distintas ciências do saber humano (no caso, a História da Arte e a Antropologia) haviam de redescobrir a natureza e os horizontes de seus próprios começos. Reaprender, senão a conjugar, pelo menos a reconhecer suas singularidades e suas complemementaridades. Para tornar mais claro o meu propósito, ofereço dois textos que se recortam e que poderão nos esclarecer: o primeiro, de um historiador da arte (Belting), o outro, de um antropólogo (Gell), ambos nossos contemporâneos.

17Hans Belting, ao falar da "História da Arte" enquanto "ciência" e "disciplina", prefaciava a versão francesa de seu livro intitulado O fim da História da Arte? (1985) nesses termos:

Esta disciplina sobrevive mesmo se ela perdeu sua vitalidade e procura o sentido de sua própria atividade […] As fronteiras entre a arte, a cultura e as pessoas que a produzem são novamente questionadas […] A arte é, doravante, entendida como um sistema entre outros de compreensão e de reprodução simbólica do mundo […]. Vencer a fronteira entre a Arte e seu "pano de fundo" social e cultural requer instrumentos diferentes e objetivos de interpretações diversos. Somente uma atitude de experimentação pode deixar entrever novas respostas (1985:10-16, passim).

18Será que devo acrescentar que o mesmo Belting nos ofereceu, desde então, um importante livro intitulado Pour une anthropologie des images (2004)?

19Paralelamente, entender-se-á o que motivava o antropólogo inglês Alfred Gell, pouco antes de sua morte, na sua última obra L'Art et ses agents, une théorie anthropologique (2009). Na perspectiva dos sistemas de "troca" (Marcel Mauss) ou de "parentesco" (Claude Lévi-Strauss), Gell escrevia:

Assim como os seres humanos, as obras [de arte] pertencem a famílias, linhagens, tribos, povos. Entram em relação umas com outras, bem como com as pessoas que as criam e as fazem circular enquanto objetos individuais. Pode se dizer que elas se casam e dão luz a obras que levam o marco de seus ancestrais. As obras de arte são manifestações da 'cultura' no sentido coletivo da palavra, e são, como os seres humanos, seres cultos. Até o presente, nunca tomamos em conta a dimensão coletiva das obras de arte. Para abordar corretamente esta questão, é necessário recorrer a outro registro (1998: 186-187).

20Haverá de descobrir melhor como esses autores e outros participavam de um zeitgeist que William John Thomas Mitchell (1986) anunciava ao cunhar o conceito de Pictorial Turn [Virada Pictórica]. O historiador de arte de Chicago não procurava dar uma etiqueta à aparição das mídias pretensamente 'visuais', a televisão, o vídeo e o cinema. Observava que existia uma especificidade do pictorial turn própria a nossa época. Escrevia:

Segundo penso, a imagem […] chegou a constituir um assunto urgente e próprio de nossa época, não somente no campo político e na cultura de massa […] mas nas reflexões mais gerais relativas à psicologia humana e ao comportamento social, ou ainda às estruturas do saber (p.20). […] Pleiteio a favor de um relativismo estrito e rigoroso considerando o saber como uma produção social, como um diálogo entre diferentes versões do mundo, diferentes línguas, diferentes ideologias e diferentes modos de representações (pp. 84-85).

21Esta rápida evocação de relações novas que iam se criando entre Antropologia, Imagens e Arte, é suficiente para que, agora, possamos centrar nossa atenção sobre a figura e algumas das vertentes heurísticas propostas por Georges Didi-Huberman, porta-voz e exegeta da obra do pensador alemão Aby Warburg que, nos inícios do século vinte, em Hamburgo, já explorava este campo das interrelações entre Antropologia, Imagens e Arte, antecipando toda uma reflexão atual.

… Aby Warburg e Georges Didi-Huberman

  • 4 Esse livro foi traduzido por ocasião da primeira vinda de GDH ao Brasil (no final de maio de 2013: (...)

22Não por acaso, foi em Hamburgo que, em 2002, encontrei pela primeira vez Georges Didi-Huberman. Ele apresentava, no 6th Congresso Internacional Word and Image, a conferência de abertura "Words, Winds, Image: Aby Warburg and the Imaginary Breeze in the Quattrocento", precisamente na cidade onde nasceu Aby Warburg (1866-1929), um judeu-alemão, primogênito de uma família secular de banqueiros, pai dessa moderna "ciência das imagens", a que chamamos "iconologia", um historiador da Arte, um antropólogo. Nessa ocasião tive a oportunidade de descobrir os lugares onde Warburg trabalhava: sua famosa biblioteca elíptica. Tomei conhecimento, pouco depois, de sua Atlas Memnosyne, uma surpreendente obra publicada pela primeira vez em alemão em 2000 (Warburg:2000) e, paralelamente, o livro mestre de Didi-Huberman L'image survivante. Histoire de l'art et temps des fantômes selon Aby Warburg (Didi-Huberman : 2002) 4·.

23Falei de Claude Lévi-Strauss, de Gregory Bateson, de Aby Warburg. Vocês têm as chaves para entender como, dez anos depois de ter cruzado o fantasma de Warburg em Hamburgo, podia nascer o livro Como pensam as imagens (Samain:2012) que organizei com a participação de nove colegas e amigos. Devo apenas mencionar a importante dedicatória deste livro: "A Georges Didi-Huberman, por nos fazer descobrir Aby Warburg e muito mais". Um agradecimento e uma responsabilidade.

  • 5 No Como pensam as imagens, ofereço um longo texto "Aby Warburg. Mnemosyne. Constelação de culturas (...)

24Não lhes falarei aqui de Aby Warburg5 mas, com Georges Didi-Huberman, tentarei levantar algumas pistas reflexivas sobre a imagem (sobre as imagens) enquanto elas são lugares singulares de um pensamento original que as habita. Antes, gostaria de situar brevemente no tempo esse historiador da arte, filósofo e ensaísta, e oferecer outras pistas para adentrar di-Hobra gigs="n ta.

15Didi-Huberman nasceu em mait >Etienns, na FrançA, em 153s. Sobre sua nftânciase acolsctência,elue se xpplico: Eus sou o fihos de um tintre. Pessavahordas na atlci. L imvava as ponceas […]ria de arions vee asgnaleiras de arts contemporânva emPtars;s […] acolscmente, trabalhave muidas vzes no Museud e ArteMmodernad e mait >Etienns,ajurdando e documengar,passistindo às montagens de exposição e experimentindoevisitos comantada"n. Ele compltco: Llhes falei na atlcis do meu aie, um espaço para a arte, para a belez,a para o connol e, para a dimensãoferstica as imagen). […]M as srso rApresentu apenas a acrmne,nº37,: 206,a p.5-65).

16. ercsa de s tentz anos depois, emjunhio de 201,e GDHevisitvda pela primeira vezno campo e e terínios ondesSu vô moaeu". Ummcês depois dessa uertavimagem, publicava o admirável[ Didi-Huberman:201).<A conmelhe muito aPleitura dssde pequeno texto de70m páginas,19s imagens fotográficas( realztadas pelo próprio GD8) e19s uer os capítuls". Ummagníficoexeample da maneir, por>meil da qual GDH" pens, por imagens).

17

presente, ís soo os seusoalho,s sobre a págin brrncg;e um pndado d dsejoe, a crtda para Escreder, mas para qum?>" (201:95).

18Nãosue pod centrar da obra de GDHs em tei conhecimenta deste"pano de funda: a hoahe a ).Ttoda di-Hobra lev ei levante um olhar picient,o crítico,po étic e, político sobre a humanidad,r sobre essas

19imagens, é,pvor dsdcobá-lnas, tosjapresentundo,a o mesmo temp,m as departsntas foógraho,s vidógraho,s cinfastos, documengaiastos,cordógraho,smúsgicos, tintrres edescultrre): E >sensemin,PiterPaculoPanno it, Rcobero Rcs slo it, R aiterMdariaRilke, GiunsppdePuennns,Chars Mdakder,Harun Faproski,Jean-Luc Gtodrd,e Wng Bting,Si mo, Hataï, Beer lty Brcht, JamesTcurrell,Augusi. einteetes,CharstipanB ltanwski, Alfreo Jagar,PhilippdeBazmin,MathimeuPdernt, IsrhaelGtaláin,Paescl. Co verg,Sdakois,StdeveMcQueein,JamesCoblemi tcl.

imagma dvermos cnevocre vebtos para dizerom que as imagens fazemerom quepelas

Didi-Hubermae 200:1916-19): " Um ensaístr e um homme simpleamente preocupddo de o sfrcimenta o mundo e dettrns forá-lco, de

  • his s títulss ostormos já publicadaaH>Vol1:e (209);H>Vol2:e (...)

( de s t) anunciada), de OOihos da Históris>, uma clars refeiênciaa, GeorgesBataillda e ao seu inquertante livro Histórin do ihoo

Uma arqueologia do saber visual

uema entr vistadanda rMdarienneAlphrana no einvroPompidou, emjunhio de 200,e GDHeconfcava"Mmeuesohao srcia o edebolçar o que MicvelFoucaulte fez muito bem cos s textos[ As palavras das coisaa], isto é, ebolçaruUma arqueologia do saber visuas).

Como procurrcia nes acompunha?> his alguns roerávis caminoesduesduasaindgcaçõe).

Didi-Hubermae 200:191) a.

, mais ainda: comofarermos pelasde comNlias, lugares dm conhecimento to de questionamento,s tvos demlemório, campos de dsejosr e de rutuoes?

>

Bateson, Gregory. 1980. Mind and Nature. A Necessary Unity. Toronto/Nova York, Bantam Books. Versão portuguesa: Mente e natureza. A unidade necessária. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1986.

Belting, Hans. 1985/2007. L'histoire de l'art est-elle finie ? Histoire et archéologie d'un genre. Paris: Folio. Original alemão: Das Einde der kunstgeschichte? Munique : Deutscher Kunstverlag, 1983.

_____. 2004. Pour une anthropologie des images. Paris: Flammarion. Original alemão. Bild-Anthropologie: Entwürfe für eine Bildwissenschaft. Munique: Wilhelm Fink Verlag, 2001 ; Versão Castelhana: Antropologia de la imagem. Madri: Katz Editores, 2007.

Didi-Huberman, Georges. 2002. L'image survivante. Histoire de l'art et temps des fantômes selon Aby Warburg. Paris: Editions de Minuit. Tradução portuguesa: A imagem sobrevivente. História da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg [Tradução:Vera Ribeiro]. Rio de Janeiro: Contraponto Editora Ltda e Museu de Arte do Rio [MAR], 2013.

_____. 2010. Remontages du temps subi. L'oeil de l'Histoire,2. Paris: Editions de Minuit.

_____. 2011. Écorces. Paris: Editions de Minuit. Versão brasileira Cascas, in Revista Serrote, nº13.São Paulo: Instituto Moreira Salles,2013.

Gell, Alfred. 2009. L'Art et ses agents, une théorie anthropologique. Paris: Fabula/Les presses du réel. Original inglês: Art and Agency. An anthropological theory. Oxford: Oxford University Press, 1998.

Gombrich, Ernst. 1983. "L'image visuelle". Pp.323-349 in L'écologie des images. Paris: Flammarion.

Lévi-Strauss, Claude.1970. O pensamento selvagem. São Paulo: Companhia Editora Nacional e Editora da USP. Original Francês: La pensée sauvage. Paris:Plon, 1962.

Maresca, Sylvain e Meyer, Michaël. 2013. Précis de Photographie à l'usage des sociologues. Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

Michaud, Philippe-Alain. 2013. Aby Warburg e a imagem em movimento [Tradução de Sibylle Muller]. Rio de Janeiro: Contraponto Editora Ltda e Museu de Arte do Rio [MAR]. Original francês: Aby Warburg et l'image en mouvement. Paris: Macula,1998.

Mitchell, William John Thomas. 2009. Iconologie. Image, Texte, Idéologie. Paris:Les Belles Lettres, 2009. Original inglês:Iconology. Image, Text, Ideology. Chicago: The University of Chicago Press, 1986.

Samain, Etienne.1991. Moroneta Kamayurá. Mitos e aspectos da realidade social dos índios Kamayurá (Alto Xingu). Rio de Janeiro: Ed. Lidador.

_____. 2011. "As Mnemosyne(s) de Aby Warburg. Entre Antropologia, Imagem e Arte". Poiésis (Revista do Programa de PG em Ciências da Arte da UFF),12(17):29-51. Em linha: http://www.poiesis.uff.br/sumarios/sumario17.php?ed=17)

_____. 2012. Como pensam as imagens. Campinas: Editora da Unicamp.

_____. 2012. "As peles da fotografia: fenômeno, memória/arquivo, desejo".Visualidades (Revista do Programa de Mestrado em Cultura Visual da Universidade Federal de Goiás),10(1):151-164. Em linha: http://www.revistas.ufg.br/index.php/VISUAL/issue/view/1273/showToc

Warburg, Aby.2000. Der Bilderatlas Mnemosyne (editado por Martin Wanke e Claudia Brink), Berlim: Akademia Verlag, 2º ed. 2002. Disponível em língua castelhana desde 2010: Atlas Mnemosyne. Madri: Ediciones Akal.

_____. 2013. A renovação da Antiguidade pagã. Contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu. Rio de Janeiro: Contraponto Editora Ltda e Museu de Arte do Rio [MAR].

Haut de page

Notes

1 As obras aqui citadas, tem tradução minha e foram originariamente escritas em francês ou foram lidas por mim em sua versão francesa, conforme apontados na bibliografia.

2 Os índios Kamayurá (Alto Xingu, em 1977-78) e Urubu-Kaapor (Cabeceiras do Rio Gurupy – MA, em 1980-81). Ver Samain (1991).

3 Ver "As imagens não são bolas de sinuca" (Samain 2012: 21-36).

4 Esse livro foi traduzido por ocasião da primeira vinda de GDH ao Brasil (no final de maio de 2013: Simpósio "Imagens, Sintomas, Anacronismos", organizado pelo Programa de PG em Artes Visuais da UFRJ). Assinalamos que, na mesma ocasião, foram publicadas duas outras obras de peso em torno do legado de Aby Warburg: uma coletânea (traduzida do original alemão [1998] por Markus Ediger) dos ensaios do próprio Aby Warburg. A renovação da Antiguidade pagã. Contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu (Warburg 2013) e o importante livro Aby Warburg e a imagem em movimento (Michaud 2013).

5 No Como pensam as imagens, ofereço um longo texto "Aby Warburg. Mnemosyne. Constelação de culturas e ampulheta de memórias" (2012: 51-80), onde procuro conduzir o leitor, de um lado, a uma visão de conjunto da pessoa e da obra de Aby Warburg, e, de outro, à análise minuciosa da última Prancha do Atlas Mnemosyne. Uma temática, aliás, que retrabalhei numa outra contribuição "As Mnemosyne(s) de Aby Warburg. Entre Antropologia, Imagem e Arte" (2011: 29-51), na qual tento, desta vez, descrever as etapas heurísticas pelas quais passei para chegar à análise da referida Prancha 77 do Atlas.

6 Eis os títulos dos tomos já publicados: Vol.1: Quando as imagens tomam posição (2009); Vol.2: Remontagens do tempo sofrido (2010); Vol.3: Atlas ou a Gaia ciência inquieta (2011, traduzido para o português: 2013); Vol.4: Povos expostos, povos figurantes (2012).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Etienne Samain, « Antropologia, imagens e arte. Um percurso reflexivo a partir de Georges Didi-Huberman », Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 3, No 2 | -1, 47-55.

Référence électronique

Etienne Samain, « Antropologia, imagens e arte. Um percurso reflexivo a partir de Georges Didi-Huberman », Cadernos de Arte e Antropologia [En ligne], Vol. 3, No 2 | 2014, mis en ligne le 01 octobre 2014, consulté le 16 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/cadernosaa/391 ; DOI : 10.4000/cadernosaa.391

Haut de page

Auteur

Etienne Samain

O autor é professor titular aposentado do Programa de Pós-Graduação em Multimeios. Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), SP, Brasil

etienne.samain@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

© Cadernos de Arte e Antropologia

Haut de page
  • Logo ERIH PLUS
  • Logo EBSCO – EBSCOhost Online Research Databases
  • Logo Latindex – Sistema de Información sobre las revistas de investigación científica
  • Logo DOAJ – Directory of Open Access Journals
  • Logo Navba
  • OpenEdition Journals