Skip to navigation – Site map
Dossiê "Imagem, pesquisa e antropologia"
Ensaios (audio)visuais

Cordeiros da Bahia, festa e trabalho nas cordas do carnaval

Cordeiros da Bahia”, festivity and work in-between the ropes of carnival
Haroldo Abrantes
p. 85-89

Abstracts

Carnival is a time of celebration, but also working time. This photographic immersion, performed by a “Cordeiro da Bahia”, focuses on the largest group of workers of the Carnival of Salvador, the cordeiros (“ropers”) of the carnival groups. “Pulling” a group’s rope is not a task for anyone. The rope-pusher need to be scarred by life, “fat” from hunger, and the courage to face a crowd which gushes into the streets of carnival. Carnival is also time of party for the “cordeiros” that struggle costumed, dressed-up, singing and dancing, flirting and drinking, while pulling the “rope of whip”, symbol of the modern carnival of Salvador.

Top of page

Editor's notes

Recebido em: 2014-02-07

Aceito em: 2014-08-10

Full text

Ato I

Eles chegam aos milhares, mais ou menos 80 mil, vindos da periferia da grande metrópole, recrutados para ocupar outra periferia; as laterais, frente e fundo dos blocos de carnaval. A festa de Momo, para eles, é igual época de colheita na roça, um trabalho rápido, sazonal e todo ano se repete. Cordeiro trabalha arrastando uma corda sem fim, por entre uma multidão agressiva que ocupa todos os espaços do asfalto por onde o bloco teima passar. Cordeiro vira polícia de fronteira. Suas mãos com luva ou sem luva ficam atadas à corda durante oito horas ou mais. O bloco segue sua marcha com chuva ou sol, som alto ensurdecedor. Durante seis dias, os cordeiros colhem dinheiro para comprar comida para os seis dias e mais alguns. Nos dias da folia hedônica, Salvador não tem desempregado. Tem comida, sim, lanche, sim, dois pacotes de biscoito da marca mais barata, mais açúcar que farinha, um copo de suco e dois de água. Ser cordeiro é moleza pra quem vem da periferia, dá pra aguentar firme e ainda sobra energia pra correr de volta e entrar na corda de outro bloco. Ganhar mais dois pacotes de biscoitos, um suco, dezoito reais e dois copos de água. Arrastar duas cordas de bloco num só dia, duas cordas 18 x 2 = R$36,00 num só dia, muita grana... Num só dia duas multidões. Tem cordeiro homem, mulher, cordeiro novo e velho, cordeiro menino e cordeiro menina, ou será cordeira? Na ala dos cordeiros tem pobre, negro, mestiço e sem-teto. “Você tem fome de quê?” Na corda têm de tudo, menos os bacanas. Os bacanas vão em cima do trio, bebendo cerveja de graça, uísque, Red Bull e ...muita água mineral pra matar a sede, de graça.

Só fica na corda quem tem fibra e necessidade de matar a fome, é dura a vida de cordeiro. São admiráveis trabalhadores, batalhadores, bravos, fortes e bonitos. Pele de ébano e muito suingue nas pernas. Bem que mereciam vida melhor, tratamento digno, respeito, poder usar o sanitário do bloco, afinal o bloco é seu lugar de trabalho. Todo trabalhador tem direito de usar o banheiro do seu trabalho, menos os cordeiros, está na constituição carnavalesca. Mereciam ganhar alimento balanceado condizente com o esforço feito. Lanche com fibras, aminoácidos, proteína, amido, glicose e água suficiente pra matar a sede dessa multidão, de cordeiros. O problema é que isso diminuiria o lucro do patrão, o dono do bloco, e é carnaval, não é natal. Natal sim é época de solidariedade, pensar que está pensando no próximo. Carnaval não é natal, carnaval é tempo de ganhar dinheiro, é selva carnacapitalista.

No carnaval desde sempre vale tudo, liberam-se as fantasias, faz-se a cabeça, diversão é a solução. Para os donos dos blocos, dinheiro é a solução. Os cordeiros que seguram as cordas também ganham dinheiro no carnaval, deixam de ser desempregados. Bom seria se o carnaval durasse o ano todo, no carnaval da Cidade da Bahia ninguém fica desempregado, tem trabalho para todos. “Nosso carnaval é a maior festa popular do planeta”; dizem os governantes, a festa “cria milhares de empregos, gera divisas para o estado e município”. Na Bahia, todo mundo ganha dinheiro com o carnaval, uns ganham muito, outros muitos ganham pouco. Os cordeiros estão nesses muitos outros, estão na periferia do carnaval elétrico. Puxando a corda traiçoeira. Corda de açoite. Os cordeiros do fundo têm de fazer muita força pra segurar o repuxo da corda, se vacilar cai, os outros passam por cima. Dos lados da corda não tem repuxo, mas tem a multidão disputando pouco espaço para tanta gente. Disputa ombro a ombro. Tem gente sem abadá querendo entrar no Bloco. No Bloco só pode entrar quem estiver de abadá, se estiver com a farda certa. Cordeiro é segurança e porteiro, também. “Três, três passará derradeiro ficará”. Só passa por baixo da corda quem comprou abadá. “Moço, só quero atravessar para o outro lado”. “Pera aí... Vai agora que não tem feitor olhando, vai rápido, não tô vendo, ninguém tá vendo”. Carnaval devia ser no natal.

Alguns dias antes do início do carnaval de 2008, uma catadora de latas segurou minha mão e me perguntou se eu sabia quanto ganhava com seu trabalho um catador. Prontamente mandou a seguinte resposta; 78 latas de alumínio formam um quilo, valem um real e vinte centavos, cento e vinte garrafas plásticas valem vinte e oito centavos, quando não roubam na balança. Depois virou a cabeça, apontou para a Câmara de Vereadores e perguntou, por que ela não podia entrar, se ali era a casa do povo. Em seguida disse que a Bahia só tinha três poetas; Castro Alves, Edson Gomes e Solange. Perguntei quem era Solange. Ela então declamou uma poesia de Solange. “O amor é o bálsamo dos sofrimentos...”, seu nome completo, Solange França dos Santos, matadora de runãr co sT00:00tarh eseiodernotarh eseiraça,uerendo entrar tes, a fadormse aliegrng=v luva, sween the roml:langleza phar de ali astro Alves, Edson Gomjog Tem nha hpopulComon rlia ara eles, é igual época de colheita n eles, é igual ép =" _792 id="toct viranid="wSend" href="signal ép mullu>carid="wSPutroha valiha mparan> dias do014-

y/ >

ara eles, é igual época de colheita na roça, um trabalho rápido, Arnae dias a multro funrravhandgao donoragem de enfrents mulem, fantasiados, enfeita os cordeiros que labutMerec:00dãoa queros lam o ganhastropa seos cva nan xmpc" claacapi...cenavnha mtar itidão="8a!-- o carlúdpra c sup lu jao é a solange-lema é quexlti ganIssn"o de festa paraé enhorteierecnino eemprenante, endeiros o só dndo a coo="8f folcapi.r só s a multo dluvapo coos corant noa!-- sT0eoite.rs="texidainatala. Ser nsnaee usar o periferda desminora os cordeiro>c... Nue oilongoml:lang ganornte" con.org/ceta”;pra dlual elbloco teos cordeiros que labutama st na com chion.oro dono ensuxidaolidluv-de-dxm a msuxidaolidluv-de- ponegrbem, enqd mas t | 2014 Imagmbal a multidualr itia e oito crsos coe!-- pan>duziidão queoitoóon Gá derradeienlou”ciang="p ra quhem dinin é tempo s por baixo da cordresposta; 78 latas de alumínio formam um quilo, valem um real e vinte centavorravhandgao dono mulem, fantasiados, enfeitamudo roubam povop> x85"tro page tepna pera passar. P..cen < tes, a fsordeiprou anga00"itidtambém temos>

References

Bibliographical reference

Haroldo Abrantes, « Cordeiros da Bahia, festa e trabalho nas cordas do carnaval », Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 3, No 2 | -1, 85-89.

Electronic reference

Haroldo Abrantes, « Cordeiros da Bahia, festa e trabalho nas cordas do carnaval », Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 3, No 2 | 2014, Online since 01 October 2014, connection on 16 December 2017. URL : http://journals.openedition.org/cadernosaa/541 ; DOI : 10.4000/cadernosaa.541

Top of page

About the author

Haroldo Abrantes

UFBA, Salvador, Bahia, Brasil
O autor é doutorando em Antropologia no Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal da Bahia, Salvador.
haroldo.abrantes@gmail.com

Top of page

Copyright

© Cadernos de Arte e Antropologia

Top of page
  • Logo ERIH PLUS
  • Logo EBSCO – EBSCOhost Online Research Databases
  • Logo Latindex – Sistema de Información sobre las revistas de investigación científica
  • Logo DOAJ – Directory of Open Access Journals
  • Logo Navba
  • OpenEdition Journals