Navegação – Mapa do site
Dossiê Temático

APRESENTAÇÃO

Sílvia Hunold Lara, Lucilene Reginaldo e José C. Curto
p. 55-57

Texto integral

1Temas centrais na historiografia africanista, o domínio político, a escravidão e o trabalho forçado são abordados nesse dossiê a partir da reação dos africanos ao modo como esses fenômenos ocorreram em Angola, Moçambique e no Congo. Os artigos resultam de apresentações realizadas durante o Seminário Internacional Cultura, Política e Trabalho na África Meridional, que teve lugar na Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (Brasil), entre 11 e 14 de maio de 2015, promovido pelo Centro de Pesquisa em História Social da Cultura - CECULT (IFCH-UNICAMP) e pelo Harriet Tubman Institute for Research on Africa and its Diasporas (York University).

2Os textos aqui reunidos abordam, num largo arco temporal, o confronto entre as práticas políticas africanas e as dinâmicas decorrentes da presença colonial. Seguindo as diretrizes mais amplas do mencionado seminário, todos valorizam o ponto de vista dos africanos e exercitam estratégias metodológicas para que essa perspectiva possa ser alcançada por meio de fontes majoritariamente produzidas pelos colonizadores.

3Almeida visita o tema clássico da incorporação do catolicismo pelas sociedades centro-africanas bem como os debates a respeito do cristianismo africano, para mostrar a natureza conflituosa desse processo. A análise de três guias para a atividade missionária produzidos por religiosos capuchinhos em fins do século XVII e meados do XVIII permite vislumbrar os conflitos e, especialmente, a dinâmica da resistência das sociedades africanas à proposta católica de reconfiguração do universo cosmológico e social centro-africano.

4Antunes esmiúça os significados clássicos dos movimentos de resistência, ao tratar de eventos e processos que se desenvolveram em Moçambique setecentista. O primeiro é a ação ostensiva e direta do macua Murimuno contra as tropas portuguesas, nas décadas de 1750 e 1780, na região da Macuana. Vitoriosas, as operações militares dos africanos puseram em risco a circulação de marfim e escravos, envolveram chefaturas diversas e somaram-se à rebeldia endêmica dos escravos que fugiam do cativeiro. O segundo, mais fluido do ponto de vista cronológico, é a manutenção do cultivo de algodão nativo e de machiras à revelia da imposição do consumo e uso de têxteis indianos. Resistência de caráter econômico e cultural, a produção e tecelagem de machiras mostra raízes antigas de práticas africanas que se fazem presentes até nossos dias.

5O balanço da longa e penosa transição da escravatura para outras formas de exploração compulsória do trabalho e dos trabalhadores africanos é empreendido por Maria da Conceição Neto, a partir do exame da história angolana. O texto, que registra a conferência proferida pela autora no seminário realizado na UNICAMP, realiza uma discussão sobre as características que aproximavam e afastavam os “escravos”, “serviçais”, “recrutados”, “resgatados” e “contratados”. Por esse caminho, chega-se ao debate conceitual e ao diálogo historiográfico sobre as diversas formas do trabalho forçado colocadas a serviço da economia colonial, com interessantes sugestões de pesquisa.

6Allina chama a atenção para a necessidade de abordar o ponto de vista africano para caracterizar as práticas de exploração do trabalho sob o regime colonial. Revisita, assim, os debates históricos e historiográficos sobre as diferenças e semelhanças entre a “escravidão à moda antiga” e o sistema de trabalho forçado predominante em Moçambique no início do século XX. A análise leva a uma discussão das noções de trabalho livre, em particular das formas de coerção sobre o trabalhador africano, de um lado, e do modo como essas práticas eram compreendidas pelos africanos, a partir de princípios que envolviam dignidade e honra, e dos significados da degradação.

7Ao examinar o levante ocorrido no Kongo em 1913 contra o recrutamento forçado de trabalhadores, Vos empreende uma análise das relações clientelistas estabelecidas entre o Estado colonial português, os governantes do Kongo e seus eleitores locais. No centro das relações de reciprocidade em meio ao domínio colonial estava a exploração do trabalho, mas o processo de cooptação dos sistemas políticos locais implicou modos específicos de reagir à cobrança de impostos, à imposição da ordem e ao recrutamento forçado de mão de obra.

8As modalidades do trabalho forçado na região do antigo Médio-Congo francês constituem o centro da análise realizada por Keese, que examina o modo como os africanos se aproveitavam das fronteiras entre vários sistemas de dominação colonial (incluindo o domínio português em Cabinda) para enfrentar e driblar as pressões a que estavam submetidos. Nesse caso, a análise avança para o período da independência, com comparações entre o trabalho forçado colonial e as medidas de trabalho forçado para as populações consideradas “vadias”.

9O dossiê traz, assim, contribuições significativas para o debate sobre as dimensões da agência africana diante da conquista e do domínio colonial e dos modos de exploração do trabalho. Os diversos artigos abrem um campo analítico interessante ao colocar em paralelo as formas de submissão presentes na escravidão e no trabalho forçado, bem como as condições da resistência dos trabalhadores (escravos ou forçados), ao longo do tempo.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Sílvia Hunold Lara, Lucilene Reginaldo e José C. Curto, « APRESENTAÇÃO », Cadernos de Estudos Africanos, 33 | -1, 55-57.

Referência eletrónica

Sílvia Hunold Lara, Lucilene Reginaldo e José C. Curto, « APRESENTAÇÃO », Cadernos de Estudos Africanos [Online], 33 | 2017, posto online no dia 11 Dezembro 2017, consultado o 22 Janeiro 2018. URL : http://journals.openedition.org/cea/2193

Topo da página

Autores

Sílvia Hunold Lara

Universidade Estadual de Campinas
CECULT - IFCH - UNICAMP
Rua Cora Coralina, 100, 13083-896 Campinas SP
Brasil

shlara@unicamp.br

Lucilene Reginaldo

Universidade Estadual de Campinas
CECULT - IFCH - UNICAMP
Rua Cora Coralina, 100, 13083-896 Campinas SP
Brasil

luregi@unicamp.br

José C. Curto

Department of History
York University
4700 Keele Street, Toronto, ON
Canada M3J 1P3

jccurto@yorku.ca

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
O trabalho Cadernos de Estudos Africanos está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Topo da página