Navegação – Mapa do site
Artigos
Parte - II

Perfil das pequenas empresas brasileiras e os projectos de apoio do SEABRE

Francisco José Cesarino
p. 283-303

Texto integral

O SEBRAE

1O SEBRAE, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, trabalha desde 1972 pelo desenvolvimento sustentável das empresas de pequeno porte. Para isso, a entidade promove cursos de capacitação, facilita o acesso a serviços financeiros, estimula a cooperação entre as empresas, organiza feiras e rodadas de negócios e incentiva o desenvolvimento de atividades que contribuem para a geração de emprego e renda. São centenas de projetos gerenciados pelas Unidades de Negócios e de Gestão do SEBRAE.

2Hoje, o SEBRAE atua no Brasil inteiro, com unidades nos 26 Estados e no Distrito Federal, que formam um sistema de ampla capilaridade, com aproximadamente 600 pontos de atendimento, do extremo norte ao extremo sul do país.

3As MPE são, atualmente, o grande fator gerador de ocupação, porque a grande empresa, pela necessidade de aumentar a produtividade, exigência da globalização, automatiza-se cada vez mais e, assim, emprega menos. O papel do SEBRAE, portanto, é estratégico para o desenvolvimento do país: promover o desenvolvimento das empresas de micro e pequeno portes.

Missão do SEBRAE

«Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo».

Objectivos estratégicos do SEBRAE

4• Incrementar a contribuição das Micro e Pequenas Empresas (MPE) na produção nacional, elevando sua participação nos mercados interno e externo;

5• aumentar a participação das MPE e empreendedores em redes, intensificando a cultura do empreendedorismo e da cooperação;

6• articular políticas públicas e outros mecanismos que viabilizem o desenvolvimento, a sustentabilidade e o incentivo à formalização dos pequenos empreendimentos;

7• promover a inclusão social pela via do empreendedorismo;

8• priorizar o foco em arranjos produtivos locais no desenvolvimento dos pequenos empreendimentos;

9• promover um ambiente interno saudável e cooperativo, mantendo os colaboradores permanentemente atualizados e comprometidos com resultados;

10• tornar visível, junto à sociedade, a forma e os resultados da atuação do SEBRAE;

11• sistematizar o conhecimento do universo dos pequenos empreendimentos e o relacionamento com os clientes e parceiros, para articular e prover soluções adequadas;

12• ampliar a captação de recursos, de forma a alavancar os benefícios para os pequenos empreendimentos;

13• elevar os padrões de desempenho operacional do Sistema SEBRAE.

Perfil das Micro e Pequenas Empresas brasileiras

14Este documento apresenta dados estatísticos sobre as micro e pequenas empresas, com o propósito de difundir informações para o melhor conhecimento da situação e da evolução desse segmento no Brasil. Foi estruturado no âmbito do Observatório SEBRAE, voltado à realização de estudos e pesquisas para o acompanhamento dos pequenos empreendimentos em termos de geração de emprego, renda, produção, exportações e outras variáveis básicas.

15As informações foram compiladas de pesquisas já divulgadas no site do SEBRAE – como o boletim das exportações das MPE industriais, as pesquisas da economia informal urbana (ECINF) de 1997 e 2003 e pesquisa sobre mortalidade de empresas (2004) – e em bases estatísticas disponíveis, como o Cadastro Central de Empresas do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, os dados da RAIS do Ministério do Trabalho e Emprego e os registros de novas empresas do Departamento Nacional de Registro do Comércio – DNRC. É ainda apresentada uma tabela na abertura do boletim com informações básicas sobre a evolução da economia brasileira de 1994 a 2004, relativas à taxa de crescimento anual do PIB, produção da indústria de transformação, taxa geral de desemprego, rendimento médio das pessoas ocupadas nas regiões metropolitanas, volume total de vendas no Brasil e exportações das empresas, com o objetivo de fornecer subsídios para o melhor acompanhamento do desempenho das MPE no contexto macroeconômico do período.

16Os dados que constam neste documento encontram-se também no site do SEBRAE, no endereço: <www.sebrae.com.br>, Estudos e Pesquisas.

Número de empresas, empregos e salários – 1996-2002

17As tabelas e figuras que se seguem apresentam dados estatísticos para o Brasil, envolvendo o número total de empresas em atividade, pessoal ocupado (empregados, proprietários e sócios) e total de salários e outros rendimentos pagos (incluindo retiradas de proprietários e sócios), para 1996 e 2002 (último ano com informações disponíveis para o universo de empresas formais).

18Os dados são apresentados por setores econômicos (indústria, construção, comércio e serviços), segundo os portes das empresas por número de pessoas ocupadas.

19A partir das tabelas com os dados básicos, foram calculadas as distribuições percentuais e as taxas de variação do número de empresas, pessoal ocupado e massa de salários.

20Foram excluídas da base de dados utilizada (IBGE – Cadastro Central de Empresas – CEMPRE) as informações relativas aos órgãos governamentais e empresas agrícolas, refletindo os dados, portanto, a presença e o desempenho das empresas formais no setor privado urbano no Brasil.

Classificação das empresas por porte

21• Microempresa: na indústria, até 19 empregados; no comércio e serviços, até 9 empregados;

22• Pequena empresa: na indústria, de 20 a 99 empregados; no comércio e serviços, de 10 a 49 empregados;

23• Média empresa: na indústria, de 100 a 499 empregados; no comércio e serviços, de 50 a 99 empregados;

24• Grande empresa: na indústria, 500 e mais empregados; no comércio e serviços, 100 e mais empregados.

Principais Resultados – Brasil

251. Microempresas – o número de microempresas no Brasil, entre 1996 e 2002, evoluiu de 2.956.749 para 4.605.607, com crescimento acumulado de 55,8%, passando a participação percentual no total de empresas de 93,2%, em 1996, para 93,6%, em 2002. O número total de pessoas ocupadas nas microempresas passou de 6.878.964 para 9.967.201, com crescimento de 44,9% entre os dois anos, elevando a participação percentual no total de ocupações de 31,8% para 36,2%. Quanto à participação na massa total de salários, passou de 7,3%, em 1996, para 10,3%, em 2002. Em relação à evolução real dos rendimentos médios no período, segundo os portes de empresas, os resultados mostram acréscimo real somente no segmento de microempresas (nos setores da indústria e no comércio), caindo o rendimento médio recebido nos demais portes.

262. Pequenas empresas – o número de empresas em atividade entre os dois anos elevou-se de 181.115 para 274.009, com crescimento de 51,3%. O total de empregados passou de 4.054.635 para 5.789.875, um crescimento de 42,8%, evoluindo a participação percentual no total de empregos de 18,8% para 21,0%. As empresas aumentaram sua participação na massa de salários de 12,8%, em 1996, para 15,7%, em 2002.

27Em conjunto, as Micro e Pequenas Empresas responderam, em 2002, por 99,2% do número total de empresas formais, por 57,2% dos empregos totais e por 26,0% da massa salarial. Em função do aumento expressivo do número de empregos gerados entre os dois anos nos dois segmentos, a massa salarial apresentou um incremento real de 57,3% nas microempresas e 37,9% nas pequenas.

283. Médias e grandes empresas – o número de médias empresas evoluiu, no período, de 20.527 para 23.652 unidades. O segmento respondia por 2.700.103 empregos em 2002, representando um crescimento de 9,1% em relação a 1996, e participando com 9,8% do total. As grandes empresas passaram de 13.472 unidades, em 1996, para 15.102, em 2002. O emprego total alcançava 9.104.745 pessoas, com um crescimento de 11,1% em relação a 1996 e participação de 33,0% no total.

29Em conjunto, as médias e grandes empresas responderam, em 2002, por 42,8% do total de empregos e 74,0% da massa de salários; a massa salarial aumentou menos que nas MPE entre 1996 e 2002, respectivamente 7,6% nas médias empresas e 3,2% nas grandes, em decorrência da menor taxa de crescimento dos empregos gerados no período.

Tabela 1 – Brasil, número de empresas formais, por porte e setor: 1996-2002

Tabela 1 – Brasil, número de empresas formais, por porte e setor: 1996-2002

Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.

Tabela 2 – Brasil, número de pessoas ocupadas nas empresas formais, por porte e setor: 1996-2002

Tabela 2 – Brasil, número de pessoas ocupadas nas empresas formais, por porte e setor: 1996-2002

Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED

Tabela 3 – Brasil, distribuição percentual do número de Empresas, por porte e setor de atividade: 1996-2002

Tabela 3 – Brasil, distribuição percentual do número de Empresas, por porte e setor de atividade: 1996-2002

Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.

Tabela 4 – Brasil, distribuição percentual das pessoas ocupadas, por porte de empresa e setor de atividade: 1996-2002

Tabela 4 – Brasil, distribuição percentual das pessoas ocupadas, por porte de empresa e setor de atividade: 1996-2002

Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.

Tabela 5 – Brasil, distribuição percentual dos salários e rendimentos pagos, por porte de empresa e setor de atividade: 1996-2002

Tabela 5 – Brasil, distribuição percentual dos salários e rendimentos pagos, por porte de empresa e setor de atividade: 1996-2002

Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.

Tabela 6 – Brasil, variação percentual no número de empresas, por porte e setor de atividade: 2002/1996

Tabela 6 – Brasil, variação percentual no número de empresas, por porte e setor de atividade: 2002/1996

Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.

Tabela 7 – Brasil, variação percentual no número de pessoas ocupadas, por porte de empresa e setor de atividade: 2002/1996

Tabela 7 – Brasil, variação percentual no número de pessoas ocupadas, por porte de empresa e setor de atividade: 2002/1996

Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.

Tabela 8 – Brasil, variação percentual na massa de salários e rendimentos pagos, por porte de empresa e setor de atividade: 2002/1996

Tabela 8 – Brasil, variação percentual na massa de salários e rendimentos pagos, por porte de empresa e setor de atividade: 2002/1996

Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED; inflator: IPCA – IBGE.

Empreendimentos informais: pesquisas ECINF – 1997 e 2003

30Com o objectivo de identificar as atividades econômicas de unidades produtivas que não são avaliadas pelas bases estatísticas disponíveis, ou o são apenas parcialmente, e dimensionar a sua importância em termos de geração de emprego e renda, o IBGE realiza levantamentos sobre as atividades empreendedoras informais urbanas no Brasil, por meio da Pesquisa da Economia Informal Urbana – ECINF. Até o momento foram realizadas duas pesquisas, com dados sobre as empresas informais referenciados nos anos de 1997 e 2003, abrangendo todos Estados e as Regiões Metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre e Goiânia. A Pesquisa de 2003 foi realizada com o apoio financeiro do SEBRAE, além do planejamento do questionário suplementar utilizado nas pesquisas de campo.

31Conforme  a  definição  de  atividades  informais  adotada  pela  ECINF, originada da Organização Internacional do Trabalho – OIT, foram considerados empreendimentos informais todas as empresas com até cinco empregados e as pertencentes a trabalhadores por conta própria, independentemente de possuírem ou não constituição jurídica. Esse conceito de informalidade visa refletir o conjunto de unidades caracterizadas por iguais modos de organização e de funcionamento, independentemente de sua condição legal. Dessa forma, uma parte das empresas constante dos levantamentos da ECINF dispõe de registro do CNPJ na Receita Federal, mas, como essas apresentam as mesmas características organizacionais das demais unidades, como a baixa escala de produção, organização gerencial e contábil simples e quase nenhuma separação entre o capital e o trabalho, podem ser analisadas em conjunto com as empresas juridicamente informais, em termos da estrutura de produção, emprego de mão-de-obra, rendimentos, etc. Por outro lado, a existência de dois conjuntos de empresas de iguais tamanhos, mas diferenciadas pelo aspecto legal, permite a avaliação das eventuais diferenciações que apresentam em seu desempenho.

Pesquisa da Economia Informal Urbana – ECINF 1997

32As tabelas e figuras a seguir resumem as seguintes informações da Pesquisa ECINF – 1997 para o Brasil: i) a distribuição dos empreendimentos segundo os grupos de atividade e o número de pessoas ocupadas; ii) distribuição dos empreendimentos segundo o local de funcionamento; iii) número de pessoas ocupadas nos empreendimentos segundo a posição na ocupação, por grupos de atividades; iv) distribuição dos empreendimentos informais e das pessoas ocupadas por Estado.

Tabela 9 – Empresas do sector informal, por número de pessoas ocupadas, segundo os grupos de actividade: 1997

Tabela 9 – Empresas do sector informal, por número de pessoas ocupadas, segundo os grupos de actividade: 1997

Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 1997.

Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 1997

Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 1997.

Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 1997.

Tabela 10 – Pessoas ocupadas nas empresas por posição na ocupação, segundo grupos de actividade: 1997

Tabela 10 – Pessoas ocupadas nas empresas por posição na ocupação, segundo grupos de actividade: 1997

Obs: As empresas por conta própria incluem os sócios (mais de um proprietário).

Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 1997.

33A ECINF 2003 detectou a existência de 10.335.962 empreendimentos informais, representando os empregadores 12,0% desse total e sendo os demais trabalhadores por conta própria (88,0%). O número total de pessoas ocupadas em todos os empreendimentos alcançava 13.860.868. O crescimento no número de empreendimentos informais entre os dois anos foi de 9,1% e o de pessoas ocupadas de 7,7%. Do total de empreendedores, 11,6 % tinham constituição jurídica formal, estando as unidades registradas como empresa individual, sociedade ou cooperativa.

34Segundo o local de funcionamento das empresas, 27,2% desenvolviam atividades nos próprios domicílios, 65,1% somente fora do domicílio e 7,6% realizavam atividades nas duas situações.

35As actividades económicas preponderantes eram o comércio e reparação (32,9%), construção civil (17,5%) e indústrias de transformação e extrativa (15,8%), sendo ainda destacáveis: transportes, armazenagem e comunicações (8,0%), serviços coletivos, sociais e pessoais (7,9%), serviços de alojamento e alimentação (7,0%) e atividades imobiliárias, aluguéis e serviços prestados às empresas (6,3%).

36A ECINF 2003 completa, para Brasil, Estados e Regiões Metropolitanas encontra-se no site do IBGE (download/trabalho e rendimento/economia informal urbana) e do SEBRAE (<www.comunidade.sebrae.com.br/pesquisas>).

Tabela 11 – Empresas do sector informal, por número de pessoas ocupadas, segundo os grupos de actividade: 2003

Tabela 11 – Empresas do sector informal, por número de pessoas ocupadas, segundo os grupos de actividade: 2003

Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 2003.

Constituição de empresas formais

37As tabelas a seguir mostram o número de empresas registradas por ano no Brasil nas Juntas Comerciais, por tipo jurídico, de 1985 a 2003.

38Analisando a evolução no número de empresas registradas nos últimos oito anos, observam-se três características principais:

39i) a forte variabilidade no número de registros de novas empresas a cada ano;

40ii) a tendência de queda no número de firmas individuais (a média anual no período 1996-1999, equivalente a 252,8 mil empresas, reduz-se no período 2000-2003 para 227,5 mil empresas);

41iii) a tendência de estabilização no número de novas empresas Sociedades Limitadas, de 233,4 mil novas empresas anuais em média, em 1996-99, para 236,3 mil no período 2000-2003.

42Como resultado da ausência de tendência de crescimento nos anos avaliados, o número total de novas empresas, incluindo as S/A e cooperativas, reduz-se da média anual de 490,1 mil, em 1996-1999, para 467,2 mil, em 2000-2003.

43A tendência acima, contudo, reverte-se em 2003, quando ocorre expressivo aumento na instituição de novas empresas individuais e limitadas. Os dados do ano de 2004 permitirão avaliar se essa tendência apresenta continuidade.

Tabela 12 – Brasil, constituição de empresas por tipo jurídico: 1985-2003

Tabela 12 – Brasil, constituição de empresas por tipo jurídico: 1985-2003

Fonte: Departamento Nacional de Registro do Comércio – DNRC – site MDIC.

Pesquisa de mortalidade de empresas

44Em pesquisa realizada no primeiro trimestre de 2004, o SEBRAE levantou as taxas de mortalidade de empresas no Brasil, a partir de dados de amostras de empresas constituídas e registradas nas Juntas Comerciais Estaduais nos anos de 2000, 2001 e 2002. A seguir são apresentados os principais resultados obtidos, referentes às taxas de mortalidade e às razões para o fechamento das empresas. Informações mais detalhadas encontram-se no relatório completo da pesquisa, disponível no site do SEBRAE.

Taxas de mortalidade

45O levantamento das taxas de mortalidade revelou que:

46• 49,9% das empresas encerraram as actividades com até dois anos de existência;

47• 56,4% com até três anos;

48• 59,9% com até quatro anos.

Tabela 13 – Taxa de mortalidade por região e em todo Brasil

Tabela 13 – Taxa de mortalidade por região e em todo Brasil

Fonte: Boletim Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil, SEBRAE; 2004

Tabela 14 – Natalidade e estimativa de mortalidade de empresas, segundo as regiões

Tabela 14 – Natalidade e estimativa de mortalidade de empresas, segundo as regiões

Fonte: Boletim «Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE (2004).

Porte da empresa extinta, segundo o número de pessoas ocupadas (Brasil)

Porte da empresa extinta, segundo o número de pessoas ocupadas (Brasil)

Fonte: Boletim «Factores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE; 2004.

Sector de actividade das empresas extintas (Brasil – Região)

Sector de actividade das empresas extintas (Brasil – Região)

Fonte: Boletim «Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE, 2004.

Origem dos recursos investidos pela empresa extinta (Brasil – Região)

Origem dos recursos investidos pela empresa extinta (Brasil – Região)

Fonte: Boletim «Factores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE.

Composição do capital investido pela empresa extinta (Brasil – Região)

Composição do capital investido pela empresa extinta (Brasil – Região)

Fonte: Boletim «Factores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE, 2004.

Atividades dos empresários após o cancelamento da empresa (Brasil – Região)

Atividades dos empresários após o cancelamento da empresa (Brasil – Região)

Fonte: Boletim «Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE.

Tabela 15 – Ranking das dez principais razões para encerramento das atividades da empresa extinta, segundo as opiniões espontâneas dos proprietários (Brasil)

Tabela 15 – Ranking das dez principais razões para encerramento das atividades da empresa extinta, segundo as opiniões espontâneas dos proprietários (Brasil)

Fonte: Boletim «Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Tabela 1 – Brasil, número de empresas formais, por porte e setor: 1996-2002
Créditos Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-1.png
Ficheiros image/png, 27k
Título Tabela 2 – Brasil, número de pessoas ocupadas nas empresas formais, por porte e setor: 1996-2002
Créditos Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-2.png
Ficheiros image/png, 24k
Título Tabela 3 – Brasil, distribuição percentual do número de Empresas, por porte e setor de atividade: 1996-2002
Créditos Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-3.png
Ficheiros image/png, 22k
Título Tabela 4 – Brasil, distribuição percentual das pessoas ocupadas, por porte de empresa e setor de atividade: 1996-2002
Créditos Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-4.png
Ficheiros image/png, 22k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-5.png
Ficheiros image/png, 14k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-6.png
Ficheiros image/png, 22k
Título Tabela 5 – Brasil, distribuição percentual dos salários e rendimentos pagos, por porte de empresa e setor de atividade: 1996-2002
Créditos Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-7.png
Ficheiros image/png, 23k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-8.png
Ficheiros image/png, 23k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-9.png
Ficheiros image/png, 17k
Título Tabela 6 – Brasil, variação percentual no número de empresas, por porte e setor de atividade: 2002/1996
Créditos Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-10.png
Ficheiros image/png, 19k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-11.png
Ficheiros image/png, 19k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-12.png
Ficheiros image/png, 40k
Título Tabela 7 – Brasil, variação percentual no número de pessoas ocupadas, por porte de empresa e setor de atividade: 2002/1996
Créditos Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-13.png
Ficheiros image/png, 19k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-14.png
Ficheiros image/png, 31k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-15.png
Ficheiros image/png, 39k
Título Tabela 8 – Brasil, variação percentual na massa de salários e rendimentos pagos, por porte de empresa e setor de atividade: 2002/1996
Créditos Fonte: IBGE – Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – CEMPRE; elaboração: SEBRAE/UED; inflator: IPCA – IBGE.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-16.png
Ficheiros image/png, 18k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-17.png
Ficheiros image/png, 29k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-18.png
Ficheiros image/png, 25k
Título Tabela 9 – Empresas do sector informal, por número de pessoas ocupadas, segundo os grupos de actividade: 1997
Créditos Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 1997.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-19.png
Ficheiros image/png, 42k
Créditos Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 1997
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-20.png
Ficheiros image/png, 19k
Créditos Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 1997.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-21.png
Ficheiros image/png, 25k
Título Tabela 10 – Pessoas ocupadas nas empresas por posição na ocupação, segundo grupos de actividade: 1997
Legenda Obs: As empresas por conta própria incluem os sócios (mais de um proprietário).
Créditos Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 1997.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-22.png
Ficheiros image/png, 19k
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-23.png
Ficheiros image/png, 19k
Título Tabela 11 – Empresas do sector informal, por número de pessoas ocupadas, segundo os grupos de actividade: 2003
Créditos Fonte: IBGE – Pesquisa Informal Urbana – ECINF 2003.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-24.png
Ficheiros image/png, 49k
Título Tabela 12 – Brasil, constituição de empresas por tipo jurídico: 1985-2003
Créditos Fonte: Departamento Nacional de Registro do Comércio – DNRC – site MDIC.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-25.png
Ficheiros image/png, 56k
Título Tabela 13 – Taxa de mortalidade por região e em todo Brasil
Créditos Fonte: Boletim Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil, SEBRAE; 2004
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-26.png
Ficheiros image/png, 14k
Título Tabela 14 – Natalidade e estimativa de mortalidade de empresas, segundo as regiões
Créditos Fonte: Boletim «Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE (2004).
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-27.png
Ficheiros image/png, 19k
Título Porte da empresa extinta, segundo o número de pessoas ocupadas (Brasil)
Créditos Fonte: Boletim «Factores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE; 2004.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-28.png
Ficheiros image/png, 13k
Título Sector de actividade das empresas extintas (Brasil – Região)
Créditos Fonte: Boletim «Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE, 2004.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-29.png
Ficheiros image/png, 18k
Título Origem dos recursos investidos pela empresa extinta (Brasil – Região)
Créditos Fonte: Boletim «Factores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-30.png
Ficheiros image/png, 47k
Título Composição do capital investido pela empresa extinta (Brasil – Região)
Créditos Fonte: Boletim «Factores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE, 2004.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-31.png
Ficheiros image/png, 31k
Título Atividades dos empresários após o cancelamento da empresa (Brasil – Região)
Créditos Fonte: Boletim «Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-32.png
Ficheiros image/png, 27k
Título Tabela 15 – Ranking das dez principais razões para encerramento das atividades da empresa extinta, segundo as opiniões espontâneas dos proprietários (Brasil)
Créditos Fonte: Boletim «Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil», SEBRAE.
URL http://journals.openedition.org/cea/docannexe/image/960/img-33.png
Ficheiros image/png, 28k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Francisco José Cesarino, « Perfil das pequenas empresas brasileiras e os projectos de apoio do SEABRE », Cadernos de Estudos Africanos, 11/12 | 2007, 283-303.

Referência eletrónica

Francisco José Cesarino, « Perfil das pequenas empresas brasileiras e os projectos de apoio do SEABRE », Cadernos de Estudos Africanos [Online], 11/12 | 2007, posto online no dia 21 Agosto 2013, consultado o 12 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/cea/960

Topo da página

Autor

Francisco José Cesarino

Gerente Adjunto da Unidade de Gestão Estratégica do SEBRAE – Brasil

cesarino@sebrae.com.br

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
O trabalho Cadernos de Estudos Africanos está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Topo da página