Navegação – Mapa do site
Artigos

Divisão sexual do trabalho doméstico: entre representações e práticas

Sexual division of housework: between representations and practices
Division sexuelle du travail domestique : entre représentations et pratiques
Manuel Carlos Silva, Ana Reis Jorge e Aleksandra Queiroz
p. 135-159

Resumos

Este texto incide sobre a divisão das tarefas domésticas entre homens e mulheres em união de facto ou casamento heterossexual não só revelando as suas concepções a este respeito como confrontando as representações com as práticas sociais nesta matéria e, mediante este exercício, aferir o grau de discrepância entre as mesmas e, por outro, fazer uma breve revisitação teórica para explicar as representações e as práticas inigualitárias de género na relações conjugais.
Tendo por base dados empíricos obtidos a partir de uma investigação centrada nas (des)igualdades de género, nomeadamente através de entrevistas e de um inquérito a 802 pessoas em Portugal Continental, os resultados recolhidos confirmam conclusões de outros trabalhos nacionais e internacionais. Não obstante, a nível das representações, se esboçar uma tendência no sentido de a partilha das tarefas ser encarada duma forma equitativa, persiste a desigualdade entre homem e mulher em desfavor desta na distribuição das tarefas domésticas e respectivas horas semanais despendidas e, em particular, a discrepância entre representações e práticas analisadas por sexo, grupo profissional e escalão etário. Se entre os grupos profissionais menos qualificados e mais velhos há a assunção de que tais tarefas domésticas são mais próprias das mulheres, entre os mais qualificados e mais jovens é mais acentuada uma visão equitativa quanto à repartição de tarefas, ainda que tal nem sempre se traduza na prática, verificando-se uma tendencial sobrecarga da mulher nas tarefas domésticas e nos cuidados com os filhos e outros dependentes.

Topo da página

Texto integral

1. Introdução: o problema e método

1São hoje amplamente (re)conhecidos em Portugal diversos e aprofundados estudos sobre a família, para o qual têm contribuído diversos cientistas sociais. Relativamente à questão da divisão sexual do trabalho, deverão, contudo, ser destacadas as recentes investigações coordenadas por Karin Wall (2005) e por Karin Wall e Lígia Amâncio (2007) que, afirmando o crescendo de uma tendência para atitudes mais igualitárias nas últimas décadas ao nível do trabalho, quer pago, quer não pago, não deixam de relevar tanto a diversidade e as assimetrias face a outros países europeus, quanto a especificidade do caso português, no qual se combinam, a este nível, aspectos de cariz moderno e tradicional.

2Tal como refere Treas (2010:14), “o trabalho doméstico permanece um lugar estratégico para o estudo das desigualdades de género”. Este texto incide sobre a divisão das tarefas domésticas entre homens e mulheres em união de facto ou casamento heterossexual, não só revelando as suas concepções a este respeito como confrontando as representações com as práticas sociais nesta matéria, aferindo o grau de discrepância entre as mesmas.

  • 1 Este inquérito insere-se no quadro de um projecto aprovado e financiado pela FCT e finalizado em 20 (...)

3Começando por problematizar os diversos posicionamentos relativos ao tópico em discussão, o texto tem por base dados empíricos recolhidos a partir de uma investigação centrada nas (des)igualdades de género, no âmbito da qual foi aplicado um inquérito, com base numa amostra por quotas, a 802 pessoas em Portugal Continental distribuídas por sexo, idade, profissão, tipo de residência (rural ou urbano), activo-não activo1. Atendendo à temática, importa notar que, no seio da amostra, tomámos em conta os inquiridos que afirmaram ser casados/viver em união de facto. Além do inquérito, foram ainda realizadas 40 entrevistas.

4Os resultados recolhidos confirmam conclusões de outros trabalhos nacionais e internacionais: não obstante, a nível das representações, se esboçar uma tendência no sentido de partilha das tarefas duma forma equitativa, persistem a desigualdade entre homem e mulher em desfavor desta na distribuição das tarefas domésticas e respectivas horas semanais despendidas. Como veremos, verificam-se a este nível variações atendendo a outras variáveis, tais como a pertença profissional e o escalão etário.

5Uma das bases explicativas do diferente lugar ocupado pelo homem e pela mulher residiria na divisão sexual do trabalho, a qual, segundo Engels (1980), estaria inclusive na base da propriedade privada e do nascimento do Estado.

  • 2 O primeiro autor, retomando o tema a partir de um capítulo da tese de doutoramento e de um outro te (...)

6Sem entrarmos aprofundadamente neste debate, é de relevar que estudos sobre diversos tipos de sociedades, nomeadamente industriais, sustentam que a mulher, quando confinada exclusivamente às tarefas de casa e aos cuidados com os filhos, tende a ver reduzido – e amiúde subvalorizado – o seu papel em termos económicos, bem como a perder espaço de intervenção e decisão nas esferas social, política e cultural. Contrariamente ao trabalho de produção por parte do homem no exterior, que lhe confere uma parcela, maior ou menor, de poder e capacidade de decisão na casa, o trabalho doméstico é tido por periférico e banal, não valorizado e, como tal, tão pouco remunerado. Tal situação recoloca o problema da dicotomia de género e consequente desigualdade entre o trabalho doméstico e o extradoméstico, visível no volume de remuneração e no grau de prestígio. Mais, apesar de cada vez mais a mulher acumular trabalho extradoméstico e doméstico, o seu poder e capacidade de decisão no próprio espaço doméstico não aumenta, comportando ainda assimetrias de género2. Assim, desde logo emergem algumas questões: Quais as representações sobre o trabalho doméstico por homens e mulheres e donde vêm tais representações? Há discrepância entre representações e práticas e, em caso afirmativo, como se explica tal discrepância?

7Antes de darmos algumas pistas de resposta com base nos resultados empíricos, faremos um breve enquadramento sociológico sobre o conceito de representação social e breve revisitação teórica em torno das práticas inigualitárias de género na família.

2. Representações sociais e práticas: breve enquadramento sociológico

8O conceito de representação social remete para imagens e sistemas de referência, formas de reprodução e categorização do pensamento em relação à realidade social com o objectivo de a compreender, interpretar e/ou explicar ou ainda para a classificar e/ou mesmo justificar ou contestar. Neste sentido a noção de representação não é unívoca, mas antes polissémica e detém uma diferenciada densidade explicativa em relação à realidade social, o que é visível nas diferentes interpretações e força heurística e explicativa dada pelos vários fundadores da Sociologia e respectivas correntes de pensamento.

9Assim, começando por Durkheim (1974), as representações sociais, embora estejam ligadas a outros factos sociais e sejam elas próprias factos sociais, não são nem ideias inatas nem preexistentes nos indivíduos, à boa maneira kantiana, mas possuem determinadas propriedades inerentes à sociedade e universalmente consubstanciadas na designada consciência colectiva. Ou seja, enquanto elemento constituinte e determinante da realidade social, elas estruturam-se independentemente dos indivíduos e surgem a partir da sociedade para, seguidamente, se reproduzirem através do longo processo de socialização, posição esta partilhada por Parsons (1956), segundo o qual o homem deteria na família a função instrumental enquanto provedor e a mulher a função expressiva, ambas perspectivadas em termos de complementaridade e equilíbrio funcional. Em suma, as representações sociais, designadamente em torno da família e do género, integram-se na definição geral dos factos sociais enquanto “maneiras de pensar, sentir e agir, exteriores ao indivíduo e dotadas de um poder imperativo e coercitivo em virtude do qual se lhes impõem” (Durkheim 1974: 34).

10Numa perspectiva oposta e até antagónica se situa a perspectiva marxista, segundo a qual as representações sociais pertencem à esfera do superestrutural e, como tal, são produtos ou elementos derivados da infraestrutura, com a particularidade de veicularem amiúde as ideias ou ideologias das classes dominantes expressas na arte e na cultura, na moral e na religião, na filosofia ou na política, entre outras (Marx e Engels 1976). É o ser social que determina a consciência e não o contrário. As representações sociais, ideias e concepções presentes na consciência, assim como as ideologias só se poderão entender e explicar a partir da sua base material económica, do lugar objectivo das classes e dos indivíduos na vida económica e social. Releve-se, porém, que certos excertos de Marx e posições de Lukács (1967), Gramsci (1974) e Lefebvre (1977) e vários (neo) marxistas se afastam de uma abordagem monocausal, economicista ou mecânica, realçando a importância da consciência, da linguagem, dos processos de hegemonia e/ou, em contraponto com o racionalismo, revalorizando e contextualizando o senso comum não só em termos de conservação mas também de luta na vida quotidiana, na mudança e na emancipação.

  • 3 Para uma abordagem relevando as influências culturais e institucionais, cf. Pfau-Effinger (2010) ou (...)

11Numa perspectiva intermédia e plural podemos enquadrar a abordagem weberiana (1990). O conceito de representação é traduzido por ideia, concepção, mundividência (Weltanschauwung), a qual, comportando juízo de valor, correlaciona-se com a base económica material, a vida mundana e dos interesses, mas não é, contrariamente à visão corrente do marxismo, um simples reflexo desta mas um factor culturalmente significativo, relativamente autónomo e indutor de efeitos próprios.3

12Num entendimento próximo ou convergente com a posição weberiana situa-se a perspectiva quer de Simmel (1977) quer, de certa maneira, Mead (1934) e Goffman (1989), numa abordagem interaccionista, e Schutz (1993) numa perspectiva fenomenológica. Estas correntes dão especial relevo às interacções e representações do ‘senso comum’ na vida quotidiana, ou seja, às capacidades de negociação, aos significados e às interpretações que os actores fazem das experiências no dia-a-dia.

13Apesar de Weber (1978, 1990) se distanciar da interpretação marxista, não descura a ligação das concepções, culturas e mundividências com os respectivos interesses das classes/grupos sociais, designadamente em situação de poder e, nesta óptica, há elementos de continuidade com a perspectiva marxista. Foi aliás nesta base de recuperação dialética da perspectiva marxista e weberiana que Bourdieu (1989) veio relevar a ideia nuclear da representação e do sistema simbólico como produto (opus operatum), no sentido marxista, mas igualmente como mecanismo produtor numa perspectiva mais weberiana (modus operandi), ambos mediados pelo habitus, enquanto sistema de disposições integrador das experiências passadas mas também como matriz de percepções e acções presentes ou futuras.

  • 4 Contrariamente à perspectiva durkheimiana, Moscovici (1989) admite, para além das representações do (...)

14O tema das representações sociais tem vindo a ser particularmente desenvolvido teórica e empiricamente por psicólogos sociais, sendo de referir como incontornável o legado de Moscovici (1989), segundo o qual as representações sociais compreendem formas de conhecimento socialmente partilhado, provindo da conjugação das formas da realidade social e da construção e interpretação da mesma pelos próprios indivíduos e grupos sociais.4

  • 5 Embora possa sustentar-se uma determinada correlação entre grau de recursos e recompensas e medida (...)

15No nosso entender, as representações e mesmo as ideologias não podem ser desligadas das condições de vida objectiva em termos de pertença de género, de classe e, em particular, a fonte de rendimento, os processos de socialização e as correlativas atitudes e preferências inculcadas, mas, tal como o apontam Crompton et al (2005), a ideologia conta cada vez menos nas decisões dos próprios actores sobre determinadas questões domésticas, uns com maior, outros com menor grau de autonomia. No caso em estudo, a própria reprodução e persistência de determinadas representações sociais, nomeadamente por parte das mulheres, no sentido da aceitação das assimetrias de género na distribuição das tarefas domésticas prende-se amiúde não só com o seu afastamento do processo produtivo e dos demais recursos externos como com o grau, maior ou menor, de subordinação ideológica, a qual, por sua vez, se articula, numa perspectiva weberiana (Weber 1978), com o diferenciado grau de capacidade negocial e sobretudo de poder de disposição sobre recursos, traduzindo amiúde, como refere Bourdieu (1989), formas de dominação masculina. Nesta óptica, importa distinguir até que ponto a ideologia da subordinação sexual vai ou não de par, como refere Dubisch (1986:21), com o efectivo controlo sobre recursos e a capacidade de decisão. Tal inclui, além do domínio sobre a força de trabalho e alheia - quando presente ou convocada -, a planificação e a execução de actividades domésticas e repercute-se em assuntos tais como a procriação e a educação dos filhos, as opções matrimoniais e profissionais destes ou a devolução dos bens. Por outro lado, o facto de as representações e práticas sociais em torno da divisão sexual das actividades domésticas constituírem o objecto central deste texto não pode obnubilar que nos grupos domésticos se articulam os níveis micro e macro, sendo co-estruturados por impactos nacionais e internacionais, designadamente vectores (macro)económicos da sociedade global e determinações institucionais designadamente estatais na esfera simbólica e político-jurídica (cf. Pinto 1985: 120 ss, Santos 1990: 23 ss, Silva 1991, Treas 2010, Sayer 2010). Com efeito, com a inequívoca presença maciça das mulheres no contexto do trabalho remunerado verifica-se, como refere Drobnic (2010:241), uma alteração de papéis de género, sendo bem mais evidente no caso das mulheres que dos homens, cujo envolvimento nas tarefas de produção doméstica é ainda incipiente e/ou selectiva, embora cada vez maior num quadro de negociação de papéis e distribuição de tarefas na esfera doméstica.5

  • 6 A fim de evitar uma leitura simplista e mecânica, é de referir, sendo o objecto e campo de estudo e (...)

16As desigualdades na repartição de tarefas entre homens e mulheres, bem como de suas respectivas práticas são diferentemente interpretadas. Certos autores como Pfau-Effinger (2010) relacionam os padrões inigualitários de género no trabalho doméstico com diferentes esquemas culturais (‘cultura servil’ nos países do sul versus culturas igualitárias em países nórdicos) ou a determinadas crenças ou ideologias em torno de determinados valores institucionais como o da maternidade (Charles e Cech 2010) ou do casamento. Com efeito, os valores culturais familistas em torno da maternidade no sul da Europa implicariam uma dedicação plena das mães em contexto familiar (Pfau-Effi nger et al 2010). Por sua vez, é relevado por Yodanis (2010) o valor psico-cultural da intimidade e comunicação conjugal como factores estruturantes do sucesso matrimonial e duma distribuição mais igualitária do trabalho doméstico, do mesmo modo que, segundo a tipologia de Rohler e Huinink (2010: 199 ss) inspirada no pensamento weberiano, os diversos tipos de modelos ideais de conjugalidade e respectivas relações afectivas marcam de modo diferenciado a divisão sexual do trabalho entre cônjuges: fortemente desigual no tipo de relações afectivas tradicionais,6 tendencialmente igual na partilha de tarefas nas relações afectivas associativas e variável conforme preferências mas insensível à igualdade em relações afectivas pragmáticas em contextos altamente individualizados.

3. Divisão sexual de tarefas domésticas: entre representações e práticas

8

9

10prim, do , ),s n, concepolobregnadam vez itualiteor nusualostacadaode, protaç(ees, entr52,6%e entr85,4%)áuainda“ ou dolntivtese iniralostacadal de tarefas domés”),s n, concepovens é varinspiratre os grupos profissioancia02 p geraltura ç fil989)acci imperatita cnollorva interoomeal e sobreefas euiridum qsra do exterie dão espmas pistaode, protaçlibãopapérsos í veruturas.

  • 7m">5 (...)
  • 7m">5 et al (20Vatitir LippeTpton et al (...)

11”ede os posicionasvens é mais acereefas euisanta os inqui/asdadeha obiomsentaçcis. Relativam é reada nasd euir3.ºrsclonguir re rera do ext)listanom mão exproiratre os grtanom ml orticduali viºrsclonereefsientbálor dutosl orticularihe cext)ional. Em sica,41),s da correlaadasoro funcaefas ena obiomseniaçr da representaal pcr e prcddes na repartição de tarefas domésilo modo veluz tema das representaçar e/ou mddes tdo teóados à iguapéis de génoitudes na obiomali qual te a capacidadmãoa irciona-el confpira a fntestempiricams da carxiNofi sarove-se, porm, a adariípirnica, rro o lenectivas práties socicial raferindo>No não das tarefas doméstinda pa e a mu21), cour éncaef conceitda instribuiçuasomanemeaalualitnero no trabnãoalho extradoménais,63

12ds rmos alg, om di crenpau e dotiado as e vari por specute-a, emar uma tendêão dianasubnuma amodem ser caedade vo e d como sãonta os inqui/ass de ndomo entam no, os drte das taricas s inidtarefas e grtambrame cou doln(63,1%)ioAiheuma partiço fs co 2 dca,ogia cdalg, om di crentitooerminvisãação.

13

blockvidae

pri,isão nad quinhae daste,. fazintiana, de bibilar ’ na tálturazo dr p mas tamivasioAre a divisão das tarefas doméstnãment imporioAicas isobree="Frgem algcltlizntes zinhaçstlis d221), cas) insrovedorloderztáripó qualf coaticas muporm qualado evar eeefsienusobree="Fivas(ees, entre n.º13)span>).

/blockvidae
  • 7m">5

14O temae 40 entresti14),ton O do a :"pt"> ).61. Intraduzi as e variade, profissmos, verioas mas tamrmos alg, om di crenagem retes sobilar queica,nanciado fs co 3istas.

15

16

7enquente no cque dos h, bem cuai das mulh preeoçar umadiferls da correla,e umansomeadamedasoro func,refas eiversidag7)u não domemancipadiro das tarefas domésdiana, ou seja,s e meo enta1990) e nidad e o escalão et, não au nciado grare a divisão das tarefas domésoe a crenna, na mudsãoos naciosátixe rexplicatidade eternirios de género nto casa,r de ni obiversitip coneede ota base de divecogniespect(010, Sayer: 85: 1>2010), pormiva em te de tuaifilmas,e em situaésendo bem mais evidente no caso das mulh(mos, verificandnpnsát, os valmuquérmosxa od grnuir e o etaçd gr45oe 54 otosoe 55oe 64)nomia. No cque dos h, qu"fo v>d l e duma distribuição mda gartitehenoaindatrui concendootncal na partilha de tafeito, de té onitindavel mrefas e gr40% (dad e o escacque18maque24 otos)i e gr57,5% (dad e o escacque25maque34 otos)ctÀemx, concepooisanta os inqui/asção jovs homacomum ortbto,ncipadiral de no tip das taros e istas srodulae os grsero dos

10

Ainstrugende span>Orig5 e (jpeg, 48k)ricas

v>

  • 7m">5Weltant>(..12)

11”ede os esal d domés<ão dos fil,ero e co os s="footnotecall" id="bo10yftn1" href="#ftn2">2

  • 7m">5<1n> Para uCtanciadas na entre hferls prfil98ge detprados empí:an>Weltant>Weltant>(..1.)

11

s="footnotecall" id="bo10yftn1" href="#ftn3">31. Intra,hoevarte ou con% (dadh(mos, veriefeiiuainomoparase pluraalualitspaçsignadaas. Colitnstdades dom sionaas ao lesde, de e plu,hm 24,22lualitdiferenesvio-es ino o por Yom 21,60n>

15

10deaso das mulerial, revalperspee pluraal30nualit 25%sente no 0,8r draa)n>

10

haios acto%)do esendo bemsionaas ao le(%)" //spaxte">Ainstrugende span>Orig6 e (jpeg, 48k)ricas

illugar e"section">

16”ede oe nde e plu,hvadame65,7%oe 56,io, 7se 14,74lualitspaçsigcque dos h, qu"fo v>,l98ge dipologão dianasacialitnão t2 l e ‘idum qsra dolvio domosodust,olvio domosàtaçucaedadnolloo dooodnidad ev mas tame e plureada utosmmenteaalualitção tarias domésil aos cusguidame65,7%oe 56,9,07se 8,02) particexpo:2e25maa,aoo dos filmas, tal (3,42se 4,67)(%)do i deraconjugaliporeglher sosignifê tra det),s ealoelasn>

10ds roreglher sosignifê tra det),s badas. elg5,23lualitneoreglher sosignifê traloelastltusr draanva em te aetrias de gstribuiçual de tarefas doméses sociciem setre he no cas presenm89), freemo ão obrere a divisção de activis de prodl aos cusçdame,7%opelo)do e

illur e"section>4 panxte">v> ca nexe/para ./pdf/pag-4-smnot580.7pg" n>Ainstrugende span>Orig7 e (jpeg, 108k)ricas

illugar e"section">

15

s="footnotecall" id="bo10yftn1" href="#ftn5">51. Intra.>

/div>
  • 7m">5 A fim Ridame65,7%oe 5 >Weltan6,83/em>Weltan6,83/em>(..1.)

16Nomem sglot num qu om dc o raciadompor paa esendo bemitda insarxiss nseetriasétr de a, re"araso das muleritur domésperatita cnolde oeoudividurldc o racipos doméssnjugnn/ das mulh(mfilmas,e elntre hoevarouainiadains co esra cada vrte doucdo pr inq(35,4%)>

s="footnotecall" id="bo10yftn1" href="#ftn6">6 tende.>

15Noaloentfas doméssobacspa t o etação dos fi fstica.converesendo be/span>an re cô nuncn, nuncnro n roco:"pt">fr de qglot .

15

15,la cos contre pvarta de tac de iscioAconalio(%)do extoplo fams domnseirquooca, ns dendo cada voevaroseo lnc e iscfo v>nguidame65,7%oe 5 66itus, 17,8%)guns 51,4%), se1,7%oasicao e conracislher souali viºct an Sabpartu idam snfluraciadexisdspre d22cao e aeirte mul3ie topr qpadiralo deaocs domésoe a crennspan ntre n.º1 (195uge r8e

blockvidae

/div>
15,l98ge dip té ongão dianaongvs etedes sobaque dos houoocecisorees domésm89), ftres muldevecipossm89), ftre das represdldadeG p mrequ dianaonmuler dos n>

3. 3sp4. Oão dos fi fstica.funa repreente no cneasm241),s nmésmriasétr dsh1>

16leieumífpja obistuasohat abade monnos, dame6,iahomquer nnalme do rentitooerminvisãação.

s="footnotecall" id="bo10yftn1" hre7""#ftn6">(..17)<1. Intra.> i obiepeaos cosobilar q dictita os inqusobre mentnmetrarm"arasee s d241), ju1,7%oas(28,9%icande,. Édip téddasaimetraiãtcoarasee das tartssaess domés

illugar e"section">

es">

Notas

1 Este inquérito insere-se no quadro de um projecto aprovado e financiado pela FCT e finalizado em 2011 (PTDC/SDE/72257/2006). Nesta amostra por quotas foram tidas em conta as variáveis referidas, sendo de esclarecer que, quanto à variável activo-não activo, tem-se em vista a distinção entre pessoas activas no formal sistema de emprego e as não activas (estudantes, desempregados, reformados), mesmo quando estes possam ser activos nomeadamente no âmbito doméstico. Para além da participação no projecto por parte de Aleksandra Queiroz, agradecemos a recolha suplementar dalgumas entrevistas por Gorety Diogo e Judite Peixoto, finalistas do curso de Sociologia na Universidade do Minho.

2 O primeiro autor, retomando o tema a partir de um capítulo da tese de doutoramento e de um outro texto anterior (Silva 1998, 1991), apresentou no VII Congresso Português de Sociologia em 2012 um segundo texto sobre a questão mais sensível das relações entre membros do casal no que respeita o exercício do efectivo poder doméstico em vários aspectos da vida conjugal.

3 Para uma abordagem relevando as influências culturais e institucionais, cf. Pfau-Effinger (2010) ou, de modo mais específico, as ideias sobre maternidade, em caso de fraco ou nulo apoio estatal à família e cuidado dos filhos, podem induzir a mulher a cuidar deles em casa (Charles e Cech 2010).

4 Contrariamente à perspectiva durkheimiana, Moscovici (1989) admite, para além das representações dominantes, as dissidentes e emancipatórias. Em Portugal este tema tem sido também largamente trabalhado por vários psicólogos sociais, entre os quais Vala (1993), Cabecinhas (2004) e, relativamente às representações do masculino e do feminino, Amâncio (1993, 1994); Nogueira (1997).

5 Embora possa sustentar-se uma determinada correlação entre grau de recursos e recompensas e medida de poder doméstico e distribuição de tarefas domésticas, tal não ocorre de modo mecânico e, muito menos, absoluto, pois, tal como refere Gupta (1999), homens com menor rendimento e menos horas de trabalho extradoméstico nem sempre dedicam maior tempo às tarefas domésticas por ser entendidas como “tarefas femininas” à luz da ideologia patriarcal dominante.

6 A fim de evitar uma leitura simplista e mecânica, é de referir, sendo o objecto e campo de estudo empírico e comparativo o tipo de relações familiares entre alemães ocidentais e orientais, que os autores concluem, num aparente paradoxo, que as famílias da Alemanha do Leste, apesar de se subsumirem no padrão de relações afectivas tradicionais, provavelmente por processos de socialização e pelo facto de as mulheres trabalharem em full time e sobretudo pelo lastro da política social do ex-regime estatista no Leste, apresentam um padrão mais igualitário do que na Alemanha ocidental.

7 Em Portugal, estas matérias têm sido abordadas por Almeida (1986:236 s), 149 s), Silva (1991, 1998), A. Almeida (1993), Wall (1998), Sobral (1999), Torres (2001), Leandro (2001), Portugal (2004), Guerreiro (2005), Marques et al (2006), Wall e Amâncio (2007), Machado (2007), Lobo (2009), Amaro (2009), Wall, Aboim e Cunha (2010). Porém, foi Karin Wall e colaboradores (2005) quem, de modo mais sistemático, com base em resultados de um inquérito a nível nacional, analisaram os padrões comportamentais na repartição das tarefas no âmbito doméstico, destacando como relevantes o factor cultural e políticoinstitucional.

8 Cf., a este propósito, as conclusões doutros estudos, nomeadamente de Bielby e Bielby (1989) Becker e Moen (1999), Budig e England (2001) e Wall et al (2005).

9 Constatável noutros estudos nacionais e internacionais: Wall et al (2005), Van der Lippe et al (2004), De Ruyter, Treas e Cohen, (2005), Treas e De Ruyter (2008). Mais presente, segundo a abordagem cultural de Pfau-Effinger (2004), em países de tradição de ‘cultura servil’ no sul de Europa que nos países nórdicos.

10 Semelhante conclusão foi igualmente verificada em estudo de Allen e Hawkins (1999).

11 Inquiridos/as activos/as N=465 (226 Homens e 239 Mulheres); Inquiridos/as com fi lhos N=497 (244 Homens e 253 Mulheres). A média global de horas em actividade profissional é baixa por englobar os trabalhos a tempo inteiro, parcial e os ditos inactivos.

12 O que se vê pelos resultados do teste estatístico, respectivamente, t(539,21)= -7,45, p < 0,001) (t(469,18)= -4,90, p < 0,001). Sayer (2010) após confrontar as perspectivas económica e de género sobre o tempo de trabalho doméstico, analisa com base numa amostra internacional (Multinational Time Use Study-MTUS), o uso diversificado do tempo, focalizando o estudo sobre o tempo despendido no trabalho doméstico em vários países de 1965 a 2000. Embora com diferenças por países, a autora constata, em geral, uma diminuição de tempo de trabalho doméstico por parte da mulher, um relativo aumento do mesmo por parte do homem, mas mantendo-se a diferença por género (passando de 3,5:1 em 1970 para 1,5 a 2:1 em 2000). No que concerne a Portugal, esta relação de 1,6 nas respostas converge com os resultados de pesquisa realizada por Geist (2010) em relação aos relatos de mulheres e homens sobre o tempo de trabalho doméstico em 35 países com base nos dados da International Social Survey Programme (ISSP) em 2002 (no caso de Portugal o cálculo da autora é de 1,28).

13 Consubstanciando-se este dado nos seguintes resultados: (t(424)= -4,09, p < 0,001) (t(285,46)= 8,88, p < 0,001)

14 As possibilidades de resposta a estas questões são: “o próprio”, “o cônjuge”, “o próprio e filhos”, “o próprio e cônjuge”, “o próprio, cônjuge e filhos” e “não fazíamos estas tarefas”. Para simplificar a apresentação gráfica por género, apenas as percentagens para o próprio são apresentadas. O facto de serem limitadas as opções pode condicionar a análise. Em todo o caso é de assumir este tratamento como ilustrativo, mas não deixa de ser relevante na medida em que se trata dos principais protagonistas na casa.

15 Assumem-se como particularmente relevantes a este nível tarefas como tratar da roupa (88,8% vs. 8,4%: χ2= 404,21, gl= 6,559, p < 0,001); ir às compras (40,9% vs. 8,4%: χ2= 99,48, gl= 6,559, p < 0,001); fazer refeições (81,6% vs. 10,9%: χ2= 311,55, gl= 6,559, p < 0,001); limpar a casa (80% vs. 5%: χ2= 354,55, gl= 7,559, p < 0,001); tratar da loiça (77,5% vs. 7,6%: χ2= 320,20, gl= 7,558, p < 0,001); trocar as fraldas aos filhos (75,4% vs. 7,3%: χ2= 259,22, gl= 6,468, p < 0,001; dar banho aos filhos 72,5% vs. 8,3%:χ2= 226,03, gl= 6,468, p < 0,001); dar as refeições aos fi lhos (68,8% vs. 7,3%: χ2= 224,79, gl= 5,468, p < 0,001; levar os filhos ao médico (60,1% vs. 8,3%: χ2= 174,93, gl= 5,468, p < 0,001); levar os filhos à escola (54,7% vs. 9,9%:χ2= 128,80, gl= 6,468, p < 0,001); estar com os filhos na hora de deitar e acordar (49,6% vs. 5,2%:χ2= 146,20, gl= 6,468, p < 0,001); ajudar os filhos com os trabalhos escolares (45,7% vs. 8,9%: χ2= 108,72, gl= 6,468, p < 0,001); brincar com os filhos (35,5% vs. 6,3%: χ2= 66,65, gl=6,468, p < 0,001). Sobre a sobrecarga de tarefas rotineiras e fastidiantes, cf. Blair e Lichter (1991).

16 Respectivamente χ2= 209,63, gl= 7,559, p < 0,001 e χ2= 17,34 gl= 6,559, p < 0,01). Em todos estes testes do Qui-quadrado verifica-se que algumas das células apresentam frequências esperadas inferiores a 5. Nesta situação o teste não pode ser aplicado com rigor. Assim, procedeu-se à realização do teste do Qui-quadrado por simulação de Monte-Carlo que permitiu confirmar os resultados, com p < 0,001 para todas as questões, com excepção da simulação para as tarefas administrativas, cujo nível de significância é de p < 0,01. Por outro lado, a mesma análise, considerando apenas duas das categorias de resposta (“o próprio” e “o cônjuge), confirma que as diferenças observadas são de facto significativas.

17 Para 53,4% de homens e 52,5% de mulheres os filhos são ‘fonte de alegria’; para 12,6% de homens e 11,1% de mulheres os filhos ‘simbolizam o amor dos pais’; para 11,1% e 7.8% são fonte de realização pessoal; para 8,8% vs 7,8% os filhos são o único amor que dura para sempre; e para 18,7% dos homens e 9% das mulheres os filhos ‘darão continuidade à família, nome, património’ (χ2= 24,49, gl= 10,483, p < 0,01). Vanessa Cunha (2005) desenvolve de modo sistemático, no quadro do estudo coordenado por Karin Wall, quatro funções ou dimensões fundamentais dos fi lhos na família: afectiva, expressiva, estatutária e instrumental.

18 Geist (2010) no seu estudo sobre as discrepâncias nas percepções por género relativamente ao volume de trabalho doméstico, tendo por base os dados da International Social Survey Programme (ISSP) confirma a sua hipótese de que as “discrepâncias de género nos relatos sobre trabalho doméstico são maiores quando as disparidades de género na percepção da equidade do trabalho doméstico são maiores” (Geist, 2010: 223).

19 Neste como noutros poucos grupos profi ssionais importa atender aqui ao facto de se encontrarem subrepresentados na amostra, sendo que nestes casos de baixas frequências importa relativizar a análise.

20 Através da análise estatística dos dados verificamos, a respeito, os seguintes valores para cada um dos filhos: 1º filho χ2= 109,36, gl= 1,802, p < 0,001; 2º fi lho χ2= 79,36, gl= 1,802, p < 0,001; 3º fi lho χ2= 34,09, gl= 1,802, p < 0,001; e 4º filho χ2= 15,98, gl= 1,802, p < 0,001; 5º filho χ2= 8,32, gl= 1,802, p < 0,01.

21 Análise semelhante mas relativa ao cônjuge dá-nos os resultados que se seguem: 1º filho χ2= 112,00, gl= 1,802, p < 0,001; 2º filho χ2= 63,05, gl= 1,802, p < 0,001; e 3º filho χ2= 25,23, gl= 1,802, p < 0,001.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1. Forma ideal de divisão do trabalho doméstico, por sexo (%)
Legenda Fonte: Inquérito sobre Desigualdades de Género (IDG), 2011; N=802
URL http://journals.openedition.org/configuracoes/docannexe/image/1158/img-1.png
Ficheiros image/png, 12k
Título Figura 2. Grau de participação na divisão do trabalho doméstico no casamento, por sexo (%)
Legenda Fonte: IDG, 2011; N=559
URL http://journals.openedition.org/configuracoes/docannexe/image/1158/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 48k
Título Figura 3. Grau de participação na divisão do trabalho doméstico por profi ssão e por sexo (%)
Legenda Fonte: IDG, 2011; N=465
URL http://journals.openedition.org/configuracoes/docannexe/image/1158/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 136k
Título Figura 4. Grau de participação na divisão do trabalho doméstico por escalões etários e por sexo (%)
Legenda Fonte: IDG, 2011; N=802 (383 Homens; 419 Mulheres)
URL http://journals.openedition.org/configuracoes/docannexe/image/1158/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 108k
Título Figura 5. Média de horas semanais despendidas em actividade – o próprio, por sexo (%)
Legenda Fonte: IDG, 2011; N=802 (383 Homens; 419 Mulheres)11
URL http://journals.openedition.org/configuracoes/docannexe/image/1158/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 44k
Título Quadro 1. Média de horas semanais despendidas pelo próprio por situação profissional e por sexo
Legenda Fonte: IDG, 2011;N=465
URL http://journals.openedition.org/configuracoes/docannexe/image/1158/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 216k
Título Figura 6. Execução de tarefas entre membros do casal14(%)
Legenda Fonte: IDG, 2011; N=559
URL http://journals.openedition.org/configuracoes/docannexe/image/1158/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 116k
Título Figura 7. Forma ideal de divisão de cuidados dos filhos, por sexo (%)
Legenda Fonte: IDG, 2011; N=497
URL http://journals.openedition.org/configuracoes/docannexe/image/1158/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 56k
Título Figura 8. Distribuição dos cuidados quotidianos dos filhos pelo pai ou mãe (%)
Legenda Fonte: IDG, 2011; 1.º filho: N=497; 2.º filho: N=299; 3.º filho: N=109; 4.º filho: N=36; 5.º filho: N=13; 6.º filho: N=7
URL http://journals.openedition.org/configuracoes/docannexe/image/1158/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 54k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Manuel Carlos Silva, Ana Reis Jorge e Aleksandra Queiroz, « Divisão sexual do trabalho doméstico: entre representações e práticas », Configurações, 9 | 2012, 135-159.

Referência eletrónica

Manuel Carlos Silva, Ana Reis Jorge e Aleksandra Queiroz, « Divisão sexual do trabalho doméstico: entre representações e práticas », Configurações [Online], 9 | 2012, posto online no dia 27 Novembro 2013, consultado o 16 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/configuracoes/1158 ; DOI : 10.4000/configuracoes.1158

Topo da página

Autores

Manuel Carlos Silva

Sociólogo. Professor no Departamento de Sociologia e Investigador do Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho, mcsilva@ics.uminho.pt

Artigos do mesmo autor

Ana Reis Jorge

Socióloga. Doutoranda e Investigadora do Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho, ana.j.mr@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Aleksandra Queiroz

Mestre em Cooperação e Políticas Comunitárias e Investigadora Colaboradora do Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho, aleksandraqueiroz@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© CICS

Topo da página