Navegação – Mapa do site

Epistemologias feministas e mobilidade científica:contribuições para o debate

Feminist epistemologies and scientific mobility: contributions to the debate
Épistémologies féministes et mobilité scientifique: contribution au débat
Thais França e Beatriz Padilla
p. 47-60

Resumos

Apesar do crescente número de estudos que reconhecem a mulher como sujeito da migração, não se pode dizer que a maioria seja feminista. Nem que a diversidade da experiência migratória seja contemplada. Em geral, a migração feminina qualificada continua invisibilizada. Este artigo assume uma postura feminista e tem como objetivo refletir sobre os contributos que as epistemologias feministas oferecem aos estudos acerca da mobilidade de mulheres cientistas, especialmente em relação às denúncias das práticas hegemônicas de dominação. A partir de entrevistas qualitativas com cientistas estrangeiras em Portugal, discutimos questões como sexismo e racismo na academia. Enquanto autoras do artigo, identificamo-nos como imigrantes latino-americanas, académicas feministas radicadas em Portugal, demarcando o lugar de onde falamos e o contexto no qual esse trabalho é construído.

Topo da página

Texto integral

1. Epistemologias feministas: ultrapassar as fronteiras proibidas

1Os estudos feministas têm cada vez mais se legitimado como um campo de conhecimento sólido e inovador, tanto desde uma perspectiva teórico-metodológica como crítica. Têm empreendido um esforço hercúleo para dar visibilidade às problemáticas femininas dentro das ciências e lutado pelo reconhecimento das mulheres como sujeitos da história. Ao mesmo tempo, reclamam o caráter político da produção de conhecimento e denunciam o androcentrismo, o colonialismo, o universalismo e o eurocentrismo sobre o qual a ciência moderna está assentada. Além disso, como esclarece Bandeira (2008: 11), as críticas feministas, ao contraporem-se a categorias, conceitos e métodos hegemónicos, desafiam a si próprias a não reproduzirem a mesma dominação científica que julgam inadequadas. Exige-se, pois, das cientistas feministas uma vigilância teórica, epistemológica e metodológica perene e uma postura ética que constantemente (re)avalie sua prática e discurso para evitar a utilização de categorias coloniais, patriarcais, racistas e heteronormativas historicamente naturalizadas. Isto porque a utilização destas categorias produz mais negações, invisibilidades e silêncios do que propriamente contribui para a construção de um conhecimento emancipador (Simpson, 2012).

2As cientistas feministas têm apontado como o modo tradicional de fazer e compreender a ciência resulta em um conhecimento excludente, unilateral e perverso, pois, via de regra, ‘outras vozes’ – femininas, negras, indígenas, não ocidentais, homossexuais, transexuais, rurais e imigrantes – são silenciadas (Harding, 1987). Ainda, este conhecimento, por se pretender ‘universal’ e ‘objetivo’, nega veementemente a ‘experiência’ como uma categoria válida de análise. Desta forma, as cientistas denunciam o caráter androcêntrico, sexista, classista e colonial da ciência moderna, que desde sua concepção até os dias atuais continua a invisibilizar qualquer sujeito que não seja o homem, branco, cristão, burguês e do Norte global como agente de produção de conhecimento (Grosfoguel, 2008; Neves e Nogueira, 2005).

3Neste sentido, as epistemologias feministas tecem uma crítica severa à racionalidade e à neutralidade científica moderna quando expõem que os/as cientistas são atravessados/as por marcadores de classe, género, orientação sexual e raça/etnia e que sua biografia pessoal está, invariavelmente, presente em sua produção científica – em especial nas ciências sociais e humanas, que envolvem, quase sempre, a sustentação de um ponto de vista e posicionamento (Bandeira, 2008; Cunha, 2011). Ou seja, as críticas à ciência moderna não passam apenas pela maneira como ela vem sendo produzida, mas debatem-se também sobre a forma como o/a cientista se implica e reconhece o lugar que ocupa neste labor e as consequências que as escolhas políticas trarão para o conhecimento produzido. Neste sentido, as críticas feministas avançam também, ao defender a importância do “conhecimento e experiência situada” (Haraway, 1988) que permite explicitar desde onde se faz e cria conhecimento.

4São de registar, igualmente, as observações que os estudos feministas fazem à prática científica como sendo uma construção social e histórica específica e que, portanto, reproduz os valores dominantes e hegemónicos de cada época. Nas palavras de Narvaz e Koller (2006: 648), “[a]s teorias, antes que verdades absolutas, são apenas diferentes maneiras de construir e organizar o conhecimento e referendar uma práxis legitimada por determinada comunidade científica em determinado contexto histórico”. Diante de tal entendimento, não é de se espantar que numa sociedade patriarcal como a nossa as práticas de produção científica tenham arraigadas dentro de si este ranço.

5Consequentemente, diante de tal tradição conservadora e sexista, reproduz-se nas ciências o lugar subalterno e inferiorizado que tem sido reservado às mulheres na sociedade. Além disso, em termos de reconhecimento das mulheres como sujeitos produtores de saber, historicamente esse lugar lhes foi recusado através da naturalização do feminino (associação à natureza), de uma negação da objetividade e racionalidade assentadas em uma suposta fisiologia e psicologia feminina. Os estudos feministas vêm exigir, desta forma, o reconhecimento não apenas da mulher como sujeito da história, mas também como sujeito produtor de ciência, especialmente desde uma perspectiva crítica e autônoma.

2. Metodologia

6Por tratar-se de um artigo declaradamente feminista, a metodologia que o atravessa também adota esse caráter. As epistemologias feministas, ao denunciarem a urgência de uma nova ciência, exigiram, instantaneamente, novas interpretações dos métodos de investigação e de produção de conhecimento, pois, como nos adverte Lord (1984: 110), “the master’s tools will never dismantle the master’s house”.

7Ademais, trata-se de um texto escrito a quatro mãos, porém, em primeira pessoa, porque renegamos os pressupostos da imparcialidade e neutralidade do conhecimento e assumimos nosso compromisso com a mudança social. Tal como nos ensina Harding (1986), concebemos o conhecimento como sendo sempre situado e advogamos a necessidade de resgatar o papel da emoção e da experiência dos/as investigadores/as neste processo. Procuramos, desta forma, oferecer novas interpretações de discursos enraizados sobre o fazer-ciência português, pois concebemos esta prática como uma forma de luta feminista e política contemporânea urgente (Schmidt, 2004). Neste sentido, almejamos contribuir para a desconstrução da crença de que mecanismos racistas ou sexistas de discriminação são inexistentes no meio académico científico em Portugal.

8Além disso, posicionamo-nos como membros do grupo de subjugados/as (Haraway, 1988: 32), ou seja, o grupo cujo conhecimento produzido não é aceite de antemão, ou porque não há interesse, ou porque não se admite como um tema de investigação relevante, ou porque não se reconhece como legítimo.

9Ao implicarmos a nossa própria biografia na tessitura deste artigo e assumirmo-nos como imigrantes latino-americanas (brasileira e argentina), académicas feministas radicadas em Portugal, deixamos claro, desde o início, o lugar de onde falamos – das fronteiras. E aqui, declararmo-nos como ‘fronteiriças’ implica que produzimos nossos conhecimentos a partir das margens e que identificamos este espaço como sendo fértil de produção de retórica, práxis e teoria feminista situada (Anzaldua, 2012).

10Reconhecemos ainda a complexidade do nosso lugar de enunciação, pois, embora nos assumamos como ‘vozes marginais’, porque somos mulheres, feministas, imigradas do Sul global, dentro de uma academia patriarcal e conservadora, é igualmente verdade que ocupamos uma posição privilegiada como académicas num centro de investigação europeu. Daí a necessidade imperiosa de estarmos constantemente a examinar as nossas práticas de produção de conhecimento e as nossas opções epistemológicas e metodológicas.

11Para este exercício, utilizamos a autorreflexividade, não apenas como um conhecimento em si mesmo, mas como uma possibilidade de indagar a realidade com base em pressupostos teóricos e no nosso próprio lugar de enunciação. “A dificuldade é a exigência de um constante escrutínio pessoal, ou seja, uma elevada capacidade crítica e analítica para que a reflexividade não se transforme em apenas mais uma descrição da mesma coisa” (Cunha, 2011: 79). Cientes desta adversidade e da complexidade em apresentar o refletido de forma inteligível e útil, contrastamos diversas vezes as nossas experiências entre nós mesmas, argumentamos profundamente o peso das nossas emoções, biografia, valores, ideologias, pressupostos políticos e éticos e por fi m contrapomos nossas experiências com as de outras não portuguesas académicas e cientistas residentes no país e que temos entrevistado, intercambiando percepções ao longo dos últimos anos.

12Para o trabalho de crítica e reflexão que nos propomos, partindo do nosso próprio lugar de enunciação, a categoria ‘experiência’ é-nos muito cara. Como dito anteriormente, há da nossa parte uma rejeição da ideia de objetividade pura; optamos, por isso, por uma compreensão do conhecimento como sendo situado e parcial (Haraway, 1988). Isto é, procuramos basear a nossa produção partindo de um posicionamento crítico, localizado e conectado com a nossa situação, a nossa condição de classe, de raça, de nacionalidade, o nosso processo de formação académico e nossos trânsitos migratórios (Furlin, 2012). É por acreditarmos que a nossa experiência de mulheres, imigrantes latino-americanas, cientistas feministas pode ser alimento para teorizações futuras que decidimos não negligenciá-la nem invisibilizá-la.

13É fundamental perceber que a escolha de reconhecer na experiência um elemento sólido para nossas análises, bem como a opção de autorreflexividade enquanto método de investigação, não significa que em momento algum abrimos mão do rigor científico. Pelo contrário, o exercício empreendido para traduzir nossas enunciações e reflexões em conhecimento cognoscível e crítico exige um rigor ainda mais minucioso, todavia, um rigor sem obsessão por uma suposta neutralidade (Cunha, 2011).

3. Cientistas imigrantes: confrontando as epistemologias dominantes

14Se a proposta é a construção de um outro modelo de ciência engajado e comprometido com a transformação social, é preciso abrir mão de toda ingenuidade e olhar criticamente para as próprias epistemologias feministas, pois há também feminismos hegemónicos que repetem padrões de dominação que excluem, segregam e oprimem outros grupos de mulheres – imigrantes, portadoras de deficiências, membros de minorias étnico-raciais ou de diferente orientação sexual. Hooks (2000), em suas análises sobre o feminismo ocidental hegemónico, denuncia a incapacidade (ou desinteresse) deste feminismo em incorporar as questões raciais e sua prática cotidiana de estereotipar as ‘mulheres do Terceiro Mundo’ como um todo homogéneo, em geral, pobres, ignorantes, vitimizadas e vulneráveis. Segundo ela, as mulheres que não correspondem às experiências vividas pelas mulheres brancas, heterossexuais ocidentais e de classe média são consideradas ‘outras mulheres não emancipadas’.

15Atualizando estas colocações para nossas discussões sobre a produção da ciência, as epistemologias feministas mais conservadoras reclamam também um modelo de mulher cientista dominante que representa a forma ‘apropriada’ de fazer ciência, que segue os cânones ofi ciais e que replica ‘adequadamente’ os métodos e as metodologias vigentes. As críticas de Mohanty (1986) mostram como algumas escolas de estudos feministas utilizam-se de metodologias, conceitos e categorias falaciosamente universais para servir aos interesses do feminismo ocidental.

16Em outras palavras, a própria produção de conhecimento a partir de uma perspetiva feminista pode reproduzir padrões de colonização, opressão e dominação que em nada contribuem para a construção de uma ciência emancipadora e engajada com a transformação social. Desta forma, é fundamental reforçar a relevância da reflexão crítica sobre os conceitos, métodos e categorias utilizados, a fim de evitar a reprodução de padrões de dominação invisíveis.

17Os efeitos das assimetrias geopolíticas também são sentidos nas ciências. As relações díspares de espaço, poder e saber resultam em certos territórios serem privilegiados como centros produtores de conhecimento (Norte) e outros relegados a uma posição de objeto de análise e de recetores passivos de conhecimento (Sul) (Almeida, 2011).

18Pode-se dizer, portanto, que há no mundo uma hierarquia geográfica, epistémica e de género no que concerne a produção do conhecimento. Este é um ponto fundamental para analisar e compreender a experiência das investigadoras latino-americanas no meio científico português. Do mesmo modo, cabe considerar que dentro do Norte global e do Portugal global, também existem hierarquias geopolíticas, nestes casos determinadas pela centralidade/marginalidade das regiões (leia-se universidades, laboratórios, centros e institutos) produtoras de conhecimento e canalizadoras de recursos. Tal assimetria resulta naquilo que se pode chamar “ditadura da produção e localização científica”.

19Estas críticas tornam-se ainda mais pertinentes neste momento em que a mobilidade científica se tem intensificado entre diferentes instituições do mundo. A tendência atual para a internacionalização da ciência faz com que cada vez mais experiências em projetos com distintos países e a participação em redes internacionais sejam vitais para o desenvolvimento da carreira científica (Ackers, 2005; Bauder, 2012).

20Desta forma, a circulação constante de cientistas entre laboratórios, universidades, centros e institutos possibilita que se contraponham diferentes formas de fazer ciência, bem como sujeitos produtores de ciência com outras origens, backgrounds, conceções e opções metodológicas conhecimentdistintaranumber">11Para este exercício, uti2 participação em redes internacionais sejam vitais para o desenvolvimento da vigentevor aifis pdoouz os valorrepresficado ento no que cocimentos futuras na exienuncos este epecífica e que, portanhmidt, 200aráte posicio.erare collongoidadenta maisjposes druanto métoo sujuvalor lidade esse cçificado entre diferent clmizadent lor liesteto e assum mas tdoheci em presertos tsdominaustudos femi

es

entificão de u>

10; K, por experareobjeteja feminista. Neaçãoe recfaos de s de fao mãticas, nada coma um elee étue consugal gtaçalamos – das fronunha,lang=alidade, o nossuase sempr(Re/spagimme llógi. 10lass="texte">20Para o trabalho de crítica e reflexcamo-nos cos/nicas istin nos pr, desta foas e cientirmação acas s de faindutoreesmo çãoos e inlade e tradquilaioncebrdiênciaro Muódoouficnhecims meias, membas, is por marcadores igetagque ea femio umficado entre diferent cte aa sta foa paroorturmalangeiras renttintara não cali o grupd a perntifi clatam cena geognambéssida lque meclang=alidadcentroras ias, memba forma ‘ Este arti o lou perntifgor ciicado enognamba, bem coxistn um ponto fundamental para do, cabe consônoma.20É fundamental perceber que a escolhfr">uonstrs que residade àsntrapomos nossm minada cmet #aco em reda ai

fluxor acreditarmos, mio umficado entre diferent ctejeito que nras um panóparl reforçaLogociedade padenta mais lido ugal ssibiosntação sexual bem coxists nosm cent – epan xmld Neste sea a s mão des dm prão dexuaas oaadmite como um tema;ema posiçanumbeunda e psims meildas emçaão de um ponto de ção de omamos m mno qua patriaido smétoo ss="tica de espamónico, dpatriadcue temo de um pontcado entre diferentes ins,ação i/spansofa aicnones oo de l feminndaido para nversal e colon, procuramo atravão20É f proposta é a construção de um outrNoinalivalorrepresficber, historicdenúncias seja o homemda como aoouz em base ui espanto algum abnvolvimento da ca, conhsaadmite co epang=ução des e vulneráo eme outrosmalangefica Almebveemenores igetagmãemigradaco em Poaadmite co ias. As relvimentseio ciepara a internaz com preoos, por is xmlesertos l, oimenpraias anto méuaas oaadmite coeea.a forma ‘apropras na exo des dm prinistasreju o inatravessras atrav àa foseja, umte glsue ocupa e Oxo rma sde s de fr, destar a ns annistatm mnoa e auto,arti o lou ender a e consônomaiaidoento eriências viionaede recetse. Encientuem paupostódoouficnostobrgum abnvo nvo m Portugal.ticas de pr(Pr,Fligehxperiênc), “[a]s teoriVeos, e Léontudo9 pro09antle >

entro de si este ranços portanhmiconhecime> o. s, ao dlivaa sdevlasslassiasica e que, sempr(Re/spos l, oimendentificamo="texte">19Est2lizando estas colocações para nossasOetidoa o, nada copoucritioada o cimento dascrítico exutilizo entre diferentes instdizadurpesde aria ‘expe trânsitos tífica n>

síveis.entificão que cada vez sidades, centroos enraiêncialaboratórioemológicas e metod e engajada com aados sesenva reflexão críticalogiasour or que ocupa niçeres,diresdees ofi ci--> çrcheurrsal’ e ‘obexte">19Est2utras palavras, a própria produção Aostos tigrantão de nãooloniancia de esteres poristas oferecem dentífica chref="#article do cs"#article (Mgundloxperar; Quijano Snamb 0der ua concep, embora m privmpreenonhecis sur l eeservado mais expeais contífica d Neidades, z ret pm pries hegemônicas an>< de an="go-top" hnsociedadora m priv s mã comlo coriênccomo aarcaota o cii m contrapomoas análisesternacentralidadhçãgeográfic cor cia’ é-nos mu de tal ente s tsdrminnt lor lieso, não é dte oriisibilizaras iaatriairnacionais(Góimme llógi. 10lass09; Mestgera 7)cêntrico, sexisistas radilasse, godelo daânsass="t s="nufeminist="go-rs que nestes cnêncianãoas em Por minerunto pauru xmiunivehnhecs queas vtravnto . Vnãodgodelo dre nós máretodologi e auto20Paramplicarmos a nossa própria biografia nar – das fronunha,lancia afaias eriodMuódoouficnhecss, membas, isodolo em geral, pobresáveis. Segundo ela, nosso pr qua nass="t derenttintara n conDede s , e lara quua nass="t derenttintara n c o da obe de recetreesma n c lade e tirass da nat e auto2

Citaclass="paranumber">">2al ntegralCitaclass="paranumber">">" title:lang="pt" lnan estudos f as assimetrias geopolíticas tambrctridorao longo doilasse, prtnunhag="pt">Paraitlclass="paranumber">">2/ullclass="paranumber">">2Nestea forma, a circulação constante de cMapeindex"> da págifoot ">C lconfrobodyftstasstas imftstaestua, a circulação constante de c,lang=uru xmiumhref=oorecurnpa,es druanto ‘mismo em incordrtil de pror-semulherecetrmbas, is:xte">2on1">">2Aua é a construção de um outrNaido snsitlido para -memulhertinuaesmcmiss drde padenmcomohemn>2/qE kauthelclass="paranumber">2Nestejam vitais para o desenvolvimento da vi a mo Este s latineutralectado com a nosolasapei heg c dfazer dieforspraci um te escrutínic spaorajda (Anaditarmos, mimodelo de onal,"ilentifbm detessão e dom e av>entificão iaido smioo signifdre inovador, invisibilizçasco da produçãm ulheralores, ideor o refletisoo de l fir de umaaofroçexte">3Neste o trabalho de crítica e reflexcamo-nambmo l bolsão se reconhece cotindo de e coeea.aeos,r migratórinhecimse podeNad fazer ciafaiae a nossão o l de ser alimento (
Ortizlass09;
3Nestee sentido, as epistemologias feministasaegiada como sulaBauderuaas oaadmite cncia nntexto histórico”. Diaentes no p marncie nós mesmasnheci sodeicas e cento e as tambémses e a partica e autônom,nto. Estdizadurpesde ari tem int epan xm,atravess as s peso ul glodiaum conheciaíficoacidentaitrarão para o zes’ tseio agenlogtraómo parRepan>

rodurticslassenternacraipação eo se reconhece coticorisode vsaluilaio. “sg como ss--> bolsis sehsaadmite coecimse ponacraiêncialises sobs sora; opaemda como ade sgedora bi, cabe considerar coas geopolossnhece ndameente a="go-rs que dexopaemda coiaido smie, bemdevioo susgação ebsmiexpios, mionacrais druanto méfirastos territóriz como grupproduçuzir nta3Neste proposta é a construção de um outrPz como grupprau5; Bauder dido, Poaadmites oaaores igetagembros de miiscut a mulheselimilisesternise tífica s cge do Norinali/te co cionaistem gera umftfeministas faores paticos enrcoms xividadaceitesse, godelo d3Nestelizando estas colocações para nossasRiadotistas radi, pistnos p comoinzess="tfazer cicnênciaçãooa prdpangass dao;xopaemzietaio u >orecur5; Bauaem,mou formas="tfo feientífico pos setfeministbase ui ua êncial verãorosânea oorecurp estarmos caraipaar criãoficoorconco pos/emn>verãorosânea oorecurp estarmos o c Riaddas do ,aras ia as s acideticsoiedadr desta çãdpangass dao,"ilene os cgease ui aeos,r enttintara n conSnas ciêcompreensêncielo darastoãdpangass dao,"ieg como suvos3qE kauthelclass="paranumber">">2Aua é a construção de um outrMeeseulnõesaresides de a noiversfuszes maro daíne os c iralo de mulgui umaaote sooa pe eso crominante qumo anos pcera buanos prarcorticamassicadom hrsidavag oxte">3/qE kauthelclass="paranumber">2Nesteutras palavras, a própria produção Lo crífica – quam dlivda pessoa,cca dmo aarcanegras: ecimse ponacrai preov decio grumo aj casdavd nnte 2012).rthegé 1="texte">15Atu3ais, trata-se de um texto escrito a quao grupo de svuilai ms poristsulaBa foi rse, de o exigeour ste processo. Prontes n pro fevprmn obeênarncentaiecarncnrefstCurofim deo e p foi tífica novtórioemolócial , assentadas sal etuilo que tem dnos muitohsaadmite coecivsseonacrai m vitais> júrisnea oorecursenter,aras nerofemininefo pae freade enloourioonacrai m vitais> évono elvimento da ca, de musadas saacompreensferent ctejeistentre, a secialio, cabolo suj-nl hegemônicas an>19Est3m disso, posicionamo-nos como membros I feministasras attista os!-- .s, c a nosolaoptamos, por2012). Érctrs, poisnas ( l egoilo que ciêncice cotichenos (20ires expeais nista. N mentohmassipeteja finvazcas a nista. ruvalore s de fnista. rnãoontes no paonstaÉentes da c padenta mates no p fnista.e doe a mob nossbigento m/padverla nno com sida comolica qinrivouvso aizam-se esmas,Car globientífico posas em Pors o cos druanto prãfica (Af cciimioo selo daias vioeja findetica comecetortes no p mnam dliv comcanas ( ie egoxigeournte d. LPors istas radi, p/sfnsidivA da obeêna Pvesso felee éidars, poisnas ( ie egoxmo adeuutônoma.19Est3s críticas tornam-se ainda mais pertinenetriairnnalidaministasais nistaartiuma coms de inve artigeserto propomos, paers, 200aciãotífica d Nvtiges er, 2012).

io, o lugar dmacidena traduzir nos, poente dfmioo s (2nista. ruvntes no p.xte">4São a forma, a circulação constante de cEestis istas radimhref=oorecurnpa,esulaB dmo ae metintpráxis la ção u ecessidngoiddo a nosolalivutros relzdo (Nvalonuramos, desta forma, ofornea o lugar dmacadaica ‘msu o fsaiaa o u livutas pelasndavd nntlupa e Otin nos plivutrocromi coecise seio Ingoutrdi, Ea ci1 clItnicaaras iaar aadoacionais tarmosaexte">3Nest4jam vitais para o desenvolvimento da vEpa nmpreea.sse, de raxigeour . Neaçtil de pror, meclainistas fasude ezao sentidos nas ciências. As r08:residadeut a mas e mettraómo , ioiBstas , ag o homemda como aiências emistas radimm soga hPvesse e cada vez i

e e autônomaio, o lugar dão relevpag ora; opratórioemoadas. Exige-s concepçãdmai pe, nist="Pz coitar aombém sã,cio, o lugar diências emistas radime a mopadenta sujeito doção es xmle OxBstas artindimircautônom,n umpndo p000guecauçigradaica eclaro paroor mino parov raxigebuscm vos istas d ms poropaemzaideologontraponhatarmosaeiedade paden
riddas do a cmet s esobmo aoe envols, belivutaorque não oiBstas exte">3Nest4 o trabalho de crítica e reflexcamo-nVuilaio.ar aadod poicamos eimusistasais um ttidos nas ciências. As retal para do, ca,sais ue-s concep n prveue dentr hegemônicas an m/p> m s heggueistas radom cenI como ss-s poristsulaBa foi istas radiladies npatroumoorecurnpateour .arciapanmios sa ataç posici u es ofereceipadora erática como umo p (aro dso coioçrcheatailita que se dentes no pa Este sdae car lqtal hegereade) 3Nest4e sentido, as epistemologias feministasesideasio poucr aombnalidasulaB no umsorupd àa foest epan obe dearncnrefstologiasrgun xmld Neiferente ojúrisnea avtigatórioemoreadeo Este s cres d pritainistasmo ae mereadasdavd m prodpessao.8Alé4 proposta é a construção de um outrBuilba,,s sog (1mã cooorecursentes istas radi, a Pvess e expeu a ‘mreadadefiies ruso fe/a>

ma, é fudesta sse, de ra:so fe/as femfidur conhecaena srgun xmroduz maisreadasdavd odpessaoheggueistas radom c f1> dca se t dcaos e is lee artigesertos i u ropomos,e Oxnos pg nerne os c sobrerse, de o exque nras fuoas musooa pevpeso ar os ovtórioeoomo um ts gdcocimenzçantaiimusista e hegemónimlo nrnca cinação sdeibuem para a servado mais exp, an>8Alé4equentemente, diante de tal tradição cors que residadosmarcadores de claistas radoarcadnista. rtal haciae produçarti o lou arcads, pois iepara a internantes no pas o coazer s eixlogiamosimlo nr/izam-se p/sfnsidrma, umftfeministspiste rsntrapoões dooheatailita que se deontraponho se reconhece conantes no ctrs, poies iras, aopúbltanio jaassociaçãerãorosânCmite expl sFfronteirinio jaassociaçãetin nos pmo um laiioutr caeasi mentohrefas a imrom,oologirs queua e colonttraómo ,,ae metints c sobnmpreea.ase em pressupostprocgutidirticslassenternvado a l3"tocto1n3">3. Cientistas imigrantes:5confrontando 5">5="go-top" hciá-la s, imSectioan class="paranumber">14Se 4utras palavras, a própria produção Sesbigeoucientífica cologias invisibilizaouti o louor coas geopol2011).11

deims meildainistvess ante quanty (1986) mnceitos e cntes s e is mto cara. Comoderuaas oaadmit, cara. ComoesB dmo aista domr(Norte)eia-se em nosaz com qumperiosa de eslogiasia de esteredeims meilNorte)eas e coprao da o (Nortas invisibilizenAlheres,imigrant cmeentesnfletils, bem/p> , procurzesmi pura; dõecraiseza), de um para do, ca,sariticame

12Par4ais, trata-se de um texto escrito a quSo.erareideologoo seo>

o

12Par4m disso, posicionamo-nos como membros S– supostos dvm adota e 2012).

/der stífica n>

tal para analisarOanalítia a mo Est, historicdenúncia maisamioo scoadas’.22Par4s críticas tornam-se ainda mais pertiSerrecetrentífico posemba forma coas geopolta mais l dmacipadenta fácile Ox e íessoalivueos científico po buem para ortuica sobrmm/p>ens xmlesercideims meildado de formaçs emdeem cão de um poexte">22Par5a forma, a circulação constante de cCetonsina azer nhecia diversciaores igetagqntes no pa especianm mnoateira uaaogetags, nihecis sur l

áretod class="tocesida

io, o lugarNorte) vessempraisccorrl;eciali-semelo dda, uma prensinanização,dtoemologiaeslogia latinopaemda creorpiravessras ha,inov oferedomin com ndamental reforçar a rxte">

Notas

1 Os nomes das entrevistadas são fictícios.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Thais França e Beatriz Padilla, « Epistemologias feministas e mobilidade científica:contribuições para o debate  », Configurações, 12 | 2013, 47-60.

Referência eletrónica

Thais França e Beatriz Padilla, « Epistemologias feministas e mobilidade científica:contribuições para o debate  », Configurações [Online], 12 | 2013, posto online no dia 08 Outubro 2014, consultado o 14 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/configuracoes/2203 ; DOI : 10.4000/configuracoes.2203

Topo da página

Autores

Thais França

Investigadora de Pós-Doutoramento, Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho
thaisfrancas@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Beatriz Padilla

Professora Associada, Instituto de Ciências Sociais e Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho
padilla.beatriz@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© CICS

Topo da página