Navegação – Mapa do site
Rencensões

Ana Paula Marques, Mariana Gaio Alves (orgs.), Inserção profissional de graduados em Portugal. (Re)configurações teóricas e empíricas, V.N. Famalicão, Edições Húmus, 2010

Rita Moreira
p. 169-174
Referência(s):

Ana Paula Marques, Mariana Gaio Alves (orgs.), Inserção profissional de graduados em Portugal. (Re)configurações teóricas e empíricas, V.N. Famalicão, Edições Húmus, 2010

Texto integral

1Publicado em 2010 pelas Edições Húmus, o livro organizado por Ana Paula Marques e Mariana Gaio Alves, o quarto volume da colecção Debater o Social, intitulado Inserção prossional de graduados em Portugal. (Re)con gu­rações teóricas e empíricas, traz -nos a visão de grande parte dos investigadores que, nos últimos anos, se têm ocupado do estudo da inserção pro ssional de graduados.

2O título deste livro remete-nos para o seu conteúdo – o estudo da inserção prossional como um campo de investigação em construção. Este é o cami­nho proposto pelos autores que, convocando diversas perspectivas sociológicas, contribuem para o avanço signicativo do conhecimento sobre esta temática. Os textos aqui publicados dão conta dos mais recentes desenvolvimentos teóri­cos e empíricos do estudo sobre a inserção prossional dos graduados, em que se verica, aliás, uma forte inter-relação, permanentemente realçada ao longo da obra, nas mais diversas contribuições: na pesquisa empírica, que incide em instituições do Ensino Superior, especicamente nos dois tipos de subsistema de ensino português (politécnico e universitário); e da discussão de questões teórico -conceptuais centrais enunciadas.

3A leitura do livro orienta-nos para a problemática central construída pelos autores em torno do consenso de que a inserção prossional é um fenómeno complexo e multidimensional, remetendo para noções uidas e polissémicas, temporalmente situadas e socialmente construídas. Questiona -se então em que medida a “inserção prossional dos jovens” ganhou uma dimensão especíca no contexto da massicação do Ensino Superior, da globalização e interna­cionalização das economias. Um corpus de conhecimento teórico e empírico consolidado, proveniente de investigação sociológica recente nacional e da internacional, conrma que a maioria dos percursos prossionais dos jovens diplomados do Ensino Superior se caracteriza pela incerteza, descontinuidade e menor correspondência do diploma ao emprego. Paradoxalmente, enfatiza-se a ideia de que a posse de um diploma do Ensino Superior já não garante, como outrora, um “vínculo estável”, embora se agure actualmente como condição necessária para o acesso e/ou manutenção do emprego num mercado laboral incerto e selectivo. Alguns dos indícios mais consistentes, no quadro da des­regulação da relação salarial e consequente expansão de modalidades atípicas de emprego, são os fenómenos de sobrequalicação, subemprego, desemprego, entre outros, que justicam a linha de argumentação proposta pelos autores da crescente vulnerabilidade e precariedade das relações de emprego. A pers­pectiva sociológica é convocada a reectir sobre a forma como a empregabili­dade, entendida como a probabilidade de aceder a um emprego, põe em jogo múltiplos aspectos (cf. Marques, 2007), ou seja, como a transição pro ssional assenta em factores que, de modo interdependente, estruturam este processo (cf. Rose, 1998; Teichler, 2009). Tal implica, por um lado, uma análise centrada na compreensão das disposições motivacionais dos diplomados no acesso ao Ensino Superior, das suas trajectórias formativas e prossionais e das estratégias desencadeadas para obterem emprego ou, ainda, da inuência de características individuais, como sejam, a origem social, a mobilidade geográca, o género, o curso, o tipo de subsistema de ensino (universitário ou politécnico e público ou privado), entre outros; e, por outro, um equacionamento de dimensões social-mente construídas que inuenciam o contexto em análise. Importa considerar, por isso, aspectos como a natureza da conjuntura socioeconómica, as lógicas e dinâmicas de funcionamento do mercado de trabalho, as práticas e estraté­gias de gestão da mão -de -obra das empresas, a intervenção do Estado e das suas políticas (em matéria de Ensino Superior e de emprego e de formação). Isto claro sem omitir que o Ensino Superior pode ter um papel importante no apoio transição para a vida activa através da socialização prossional e da cons­trução identitária dos indivíduos durante o seu percurso formativo (cf. Dubar, 1997; Nicole-Drancourt e Roulleau -Berger, 2001). De tudo o que tem vindo a ser apresentado, pode armar-se que a problemática da inserção prossional inscreve -se, para já, em três campos fundamentais da investigação sociológica: o da sociologia do trabalho, o da educação e o do estudo dos processos de socia­lização/autonomização identitária.

4O fundo empírico deste livro (exposto principalmente nas duas últimas partes) aposta na complementaridade entre abordagens de cariz extensivo e intensivo, através do recurso a diferentes técnicas e métodos de recolha de informação, como sejam o inquérito por questionário, estudos de caso e entrevistas em profundidade aos diferentes actores envolvidos no processo de inser­ção prossional, mais especicamente a diplomados, nalistas, responsáveis académicos e empregadores. Importa sublinhar, contudo, a opção em termos metodológicos, por apresentar neste trabalho um leque mais vasto de informa­ção empírica recolhida junto de diplomados sobre os seus percursos de inser­ção prossional. Reconhece-se, assim, nesta obra, uma maturidade analítica e metodológica que, apesar de salientar a tendência relativa de agravamento da “qualidade” da inserção dos diplomados, não se deixa capturar pela visão catastrosta da situação prossional dos diplomados do Ensino Superior que os debates públicos nos tendem a fazer crer (cf. Alves 2008).

5Esta colectânea temática apresenta -se como uma das primeiras obras a reu­nir o contributo colectivo dos cientistas sociais que têm dedicado a sua inves­tigação à “inserção prossional” ou “transição para o trabalho” (conforme os quadros conceptuais mobilizados) dos jovens graduados no contexto português. A sua relevância cientí ca destaca -se sobretudo na relativização e na descons­trução do carácter pretensamente neutro e objectivo do discurso veiculado pelos meios de comunicação, que transformaram o problema do (des)emprego e da precariedade dos licenciados numa “nova questão social” (cf. Castel, 1995). O objectivo central deste livro é, pois, “disponibilizar um conjunto plural de con­tributos com a nalidade de enriquecer os debates sociais e cientícos em torno da inserção pro ssional de diplomados do Ensino Superior”(p.7).

6O livro encontra -se estruturado em três partes. A primeira parte, denomi­nada “Inserção prossional de graduados. Objecto de debate cientíco, social e político” – central para a discussão das partes subsequentes – permite enqua­drar a temática da inserção prossional de graduados nos planos nacional e internacional, considerando a investigação realizada, bem como os debates e políticas públicas sobre esta matéria. A abrir esta parte, Ana Paula Marques aborda questões referentes à comparação dos sistemas educativos e de transição na Europa, dando conta das perspectivas dominantes nos debates públicos e nas investigações realizadas sobre estas temáticas. Partindo dos diferentes modelos de transição prossional existentes em alguns países europeus, são identi ca-dos os principais desaos das políticas no domínio das relações entre Ensino Superior e mercado de trabalho. Em seguida, é -nos apresentada, por Mariana Gaio Alves, uma primeira caracterização geral deste campo de investigação. Para tal, a autora recorre a uma leitura comparada que permite identi car tra­ços distintivos de um conjunto de estudos realizado em instituições do Ensino Superior e pesquisas de doutoramento sobre o tema, bem como perspectiva desaos para este campo resultantes das actuais tendências de mudança social e educativa.

7Na segunda parte livro são apresentados os resultados de quatro estudos desenvolvidos em instituições do Ensino Politécnico. No primeiro capítulo, inti­tulado “Empregabilidade e percursos de inserção prossional – O caso dos diplo-mados do Instituto Politécnico de Beja”, Sandra Saúde explora os resultados dos dados recolhidos através de questionários e entrevistas realizadas junto de diplo­mados, empregadores e responsáveis académicos. Este capítulo permite a deso­cultação de alguns factores que ajudam a denir um perl de empregabilidade e os percursos de inserção prossional, em particular, dos diplomados do Instituto Politécnico de Beja.

8No capítulo seguinte, “Formação, mercado de trabalho e pro ssões: balanço de uma experiencia na área das ciências empresariais”, António José de Almeida discute os resultados recolhidos em dois inquéritos aplicados aos diplomados de cursos da ESCE/IPS (Escola Superior de Ciências Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal), em que são realçadas as elevadas taxas de empregabilidade e a adequação entre o curso e as funções pro ssionais desem­penhadas, pese embora o agravamento da “qualidade” da inserção/crescente precariedade das relações de trabalho.

9Leonor Teixeira, no capítulo sob a designação “Perspectivar pontes, pre­encher vazios: um estudo exploratório entre formação e emprego no Ensino Superior Politécnico”, recorre ao caso particular dos diplomados do Instituto Politécnico de Santarém para privilegiar uma análise das trajectórias pro ssio­nais e dos sentidos atribuídos aos sujeitos (diplomados e empregadores), desig­nadamente no que respeita à avaliação que fazem da adequação da formação académica. O diagnóstico realizado leva a autora a concluir da importância das experiências de familiarização e conhecimento do mercado de trabalho ao longo da formação. A realização de estágios curriculares apresenta-se, neste contexto, como um importante factor facilitador da inserção pro ssional.

10O capítulo “Ensino Superior e diplomas: contornos regionais de acesso e preparação para o trabalho”, de Luís Nuno Sousa, encerra a segunda parte do livro. Nele, o autor opta por se concentrar nos resultados de um estudo aos na-listas do Instituto Politécnico de Viseu. Ao analisar o contexto social, geográco e institucional deste grupo-alvo, foi possível aferir que tipo de representações e posturas exteriorizam os indivíduos no que respeita ao acesso ao emprego, à formação e ao diploma, mas também sobre o futuro prossional. Os resultados alcançados levam o autor a concluir que se verica uma relação inquestionável entre origem social dos estudantes e a procura regional da educação superior sobretudo ao nível do Ensino Politécnico.

11Na terceira, e última parte do livro, tem lugar, igualmente, a apresentação de resultados de quatro estudos realizados em instituições do Ensino Superior, mas agora do tipo universitário. Natália Alves é autora do capítulo “Contributos para a delimitação do m dos processos de inserção prossional”, em que debate os limites do processo de inserção prossional, para o qual mobiliza os resul­tados de um questionário aplicado aos diplomados da Universidade de Lisboa, privilegiando uma abordagem que concebe a inserção prossional como o cru­zamento das propostas sustentadas pelas teorias de Vincens e Vernières. Neste texto, assinala -se a diversidade de percursos de inserção prossional, a qual é sistematizada através de uma tipologia dedutiva desenvolvida pela autora.

12No capítulo “Emprego dos licenciados universitários: reexões em torno de dois estudos”, Carlos Manuel Gonçalves centra-se no acesso e nas caracte­rísticas do primeiro emprego dos diplomados, a partir de dimensões analíticas, como o curso/área cientíca e o género. Esta análise tem como universo empí­rico dois estudos sobre os licenciados da Universidade do Porto, em espaços temporais distintos, sendo que um deles abrange especicamente os alunos da área das Ciências Sociais e das Humanidades, e outro engloba todas as áreas cientícas existentes nesta Universidade. A partir da leitura dos resultados, o autor demonstra que a transição prossional assume congurações e ritmos variáveis consoante o género e as áreas cientí cas dos cursos.

13No capítulo “A precariedade e os confrontos subjectivos com o emprego precário entre os diplomados de uma faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa”, César Morais, Miguel Chaves e Susana Batista propõem uma reexão em torno da precariedade do trabalho e do emprego. Com base nos resultados empíricos recolhidos na FCSH-UNL (Faculdade de Ciências Sociais e Humanidades da Universidade Nova de Lisboa), os autores discutem critérios de mensuração objectiva da precariedade, bem como analisam como os sujeitos se confrontam subjectivamente com esta realidade. Baseados nos resultados da investigação, os autores subscrevem a tese de que tanto as práticas que sustentam a precariedade, como o “sentimento de precariedade” se alastraram, com particular intensidade, à actual geração de recém-diplomados do Ensino Superior.

14Finalmente, o capítulo “Recrutamento e gestão da transição de graduados: o olhar dos empregadores da região Norte”, da autoria de Ana Paula Marques, encerra esta última parte da obra. Recorrendo aos dados recolhidos junto de empregadores de licenciados da Universidade do Minho e da Universidade do Porto, a autora faz a análise das práticas de recrutamento e gestão de jovens gra­duados em situação de estágio/primeiro emprego, ao mesmo tempo que considera as expectativas e as avaliações realizadas, por parte dos empregadores, da forma­ção académica, dos meios privilegiados de selecção dos candidatos e dos respecti­vos atributos e mecanismos facilitadores/inibidores de acesso ao emprego.

15Inserção prossional de graduados em Portugal. (Re)con gurações teóricas e empíricas, trata-se, indubitavelmente, de uma obra de referência para especia­listas e interessados neste tema, não apenas pela sua actualidade e pertinência cientíca, mas, igualmente, pela sua densidade analítica, que estimula a reexão e enriquece signicativamente este campo com propostas e pistas de investiga­ção futura. Distanciada de qualquer liação numa teoria adequacionista, esta publicação revela-se, ainda, em nosso entender, fundamental para compreender as relações entre educação e emprego/trabalho. É, nesta perspectiva, desejável (e expectável) que se continuem a desenvolver trabalhos sobre esta temática, de forma mais regular e sistematizada, para se criar pontes entre os actores dos diferentes mundos envolvidos no processo. Entendem-se, perfeitamente, os cri­térios editoriais que determinaram que maioritariamente fossem incluídos nesta obra os resultados do trabalho empírico realizado junto de jovens licenciados em processo de inserção prossional. Contu do, anseia -se, quiçá num próximo volume – ca desde já lançado o desao –, incluir mais informação empírica sobre as instituições do Ensino Superior e as entidades empregadoras, bem como alargar a análise aos diversos públicos que, actualmente, integram Ensino Superior. Só assim, é possível consolidar este campo de investigação, nas suas múltiplas dimensões, testar as potencialidades heurísticas dos quadros teórico­-conceptuais existentes e acompanhar as suas (re)congurações no contexto de Bolonha. Este é um desa o às ciências sociais e à sociologia em particular.

Topo da página

Bibliografia

ALVES, Natália (2008). Juventudes e Inserção Prossional. Lisboa: EDUCA & Unidade de I&D de Ciências da Educação.

CASTEL, Robert (1995). Les Métamorphoses de la question sociale. Une chronique du salariat. Paris: Fayard.

DUBAR, Claude (1997), A Socialização: Construção das identidades sociais e prossionais, Porto, Porto Editora.

MARQUES, Ana P. (2007). MeIntegra – Mercados e estratégias de inserção pro ssional. Licenciados versus empresas da Região Norte. Relatório nal. Colecção DS/CICS. Universidade do Minho. URL: http://hdl.handle.net/1822/8633.

NICOLE-DRANCOURT, Chantal, ROULLEAU -BERGER, Laurence (2001), Les Jeunes et le tra­vail, 1950 -2000, Paris, PUF LAWN, Martin.

ROSE, José (1998), Les Jeunes face à l’emploi, Paris, Desclée de Brouwer.

TEICHLER, Ulrich (2009). Higher Education and the World of Work. Conceptual Frameworks, Comparative Perspectives, Empirical Findings. Rotterdam: Sense Publishers.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Rita Moreira, « Ana Paula Marques, Mariana Gaio Alves (orgs.), Inserção profissional de graduados em Portugal. (Re)configurações teóricas e empíricas, V.N. Famalicão, Edições Húmus, 2010  », Configurações, 7 | 2010, 169-174.

Referência eletrónica

Rita Moreira, « Ana Paula Marques, Mariana Gaio Alves (orgs.), Inserção profissional de graduados em Portugal. (Re)configurações teóricas e empíricas, V.N. Famalicão, Edições Húmus, 2010  », Configurações [Online], 7 | 2010, posto online no dia 18 Fevereiro 2012, consultado o 18 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/configuracoes/253

Topo da página

Autor

Rita Moreira

Doutoranda da FCT, Centro de Investigação em Ciências Sociais, Universidade do Minho
rmoreira@ ics.uminho.pt

Topo da página

Direitos de autor

© CICS

Topo da página