Navegação – Mapa do site

Introdução - Sociedade, autoridade e pós-memórias

Manuel Carlos Silva, Sheila Khan e Francisco Azevedo Mendes
p. 5-8

Texto integral

1Este número sai, por coincidência, num momento significativo da vida europeia. O resultado do referendo do dia 23 de junho no Reino Unido sobre a União Europeia pode, a muitos níveis, ser lido como mais um fenómeno das encruzilhadas (pós-)memoriais, onde se jogam os sentidos das ações ditas históricas. Os horizontes onde se inscrevem estes fenómenos exigem, por isso mesmo, uma multiplicidade de questões e de tentativas de respostas sobre a matéria memorial, num exercício que deve ser encarado como interdisciplinar.

De forma incisiva, os estudos sobre a memória e a pós-memória têm rece­bido nas últimas décadas uma atenção significativa nas diversas áreas das ciên­cias sociais e humanas e na criação artística. A metarreflexividade resultante dessas análises e criações, acolhendo de resto outras disciplinas, transformou decisivamente as modalidades de perceção e enquadramento dos fenómenos memoriais. A tectónica dos substratos individuais e coletivos das memórias tende, com efeito, a incorporar essas marcas metarreflexivas. Profundamente imbricadas nos mais diversos espaços e tempos e nos processos de reprodução social, memória e pós-memória, elas consubstanciam-se em vários suportes, códigos e linguagens, com mecanismos de preservação e transmissão intra e intergeracional através de diversos rituais e práticas operativas, para as quais são convocados diferentes autoridades, comunidades e/ou grupos sociais.

2Neste contexto, importa problematizar os regimes de adequação entre os sujeitos que experienciam em sentido direto um evento, um momento, um fenó­meno, e os sujeitos que recebem os testemunhos, que narram ou que traduzem a experiência dos outros, como uma ‘segunda’ memória.

3Existem hierarquias entre aquele que conta, que dá o testemunho, e o des­tinatário pós-geracional desse testemunho, que o reescreve numa outra narra­tiva? Será que aquele que narra a memória dos outros tem a mesma legitimi­dade e autoridade na sua narrativa, quando comparada com a autoridade da narrativa original? Como medir e interpretar os intervalos críticos entre uma e outra memória? Quais as autoridades da memória e da pós-memória quando em diálogo ou confronto? Na presença dessas autoridades, quem são e onde estão os autores? Qual o valor de falarmos de uma memória multidirecional com várias escalas autorais? Será mais apropriado falar em dever de memória ou em direitos conflituais de memórias e de pós-memórias?

4Os artigos apresentados neste número comprometeram-se a responder a algumas destas questões, assim como apontaram para novos caminhos.

5Tendo como referente histórico os conflitos da Bósnia e do Kosovo nos anos de 1990, Jeffrew Andrew Barash debruça-se sobre a experiência histórica e a memória pública que emergiram nas últimas décadas, analisando como os avanços técnicos no domínio dos média têm simulado a experiência direta através de imagens, camuflando o fosso que separa as informações do imediato mundo da vida onde foram originadas.

6Acompanhando o estudo dos discursos públicos e da memória pública, Miguel Cardina toma como base empírica um conjunto de discursos pro­feridos, entre 2006 e 2014, pelo então Presidente da República Portuguesa. Analisam-se as imagens do passado colonial aí presentes e de que forma elas se conectam com uma certa “memória amnésica” que reconfigura a nação.

7Sheila Khan reflete sobre a maturidade dos estudos africanos no contexto português de investigação tendo em conta que em 2015 se celebraram os 40 anos de independência das ex-colónias portuguesas com todo o seu património de (pós-)memórias intelectualmente partilhadas.

8O estudo de Vicente Paulino trabalha a tradição oral e o conceito de escrita na sociedade timorense, o que lhe permite problematizar com outra eficácia as condições de tradução da identidade histórica e cultural.

9A importância da escrita como suporte da memória e das suas várias auto­ridades transparece na reflexão apresentada por Patrícia Ferreira na sua leitura crítica de A Noite das Mulheres Cantoras, de Lídia Jorge, conjugando aspetos da crítica pós-colonial e dos estudos de trauma e memória.

Sandra Sousa retoma a questão da experiência europeia em África, explo­rando não apenas a escrita ficcional, mas trazendo para a compreensão do passado colonial a importância da entrevista, outra forma de compilar, guar­dar memórias que nos ajudam a pensar as relações que o tempo colonial esta­belecia para além dos seus limites políticos, ideológicos, concentrando-se nas missões religiosas em Angola.

10Carmen Ramos Villar abre os horizontes do património e da experiência memorialística saindo do espaço europeu e africano. Nesse sentido, analisa o uso de histórias no texto memorialístico de três lusodescendentes nos EUA, mostrando como se tece a ponte de ligação entre a memória individual e a memória adquirida ou herdada.

11Fabrice Schurmans regressa ao texto ficcional, à memória revelada em Beloved, de Toni Morrison, e em Húmus, de Fabienne Kanor, e que serve como reivindicação das narrativas da representação do corpo da mulher escrava, assim como da pós-memória do sofrimento decorrente do tráfico negreiro.

12Os suportes audiovisuais assumem, também, um lugar de destaque pela importância que demonstram no uso do documentário, assim como da foto­grafia, para melhor pensar a memória.

13Jessica Falconi partindo da análise do docudrama Contract de Guenny Pires aborda a história dos antigos trabalhadores cabo-verdianos que durante o colonialismo foram contratados para as plantações de cacau e café nas ilhas de São Tomé e Príncipe. A narrativa, construída a partir do relato das viagens do realizador à procura do seu tio, convoca uma reflexão em torno dos regimes de autoridade memorial instaurados pela escolha da narração em voice-over.

14Elsa Peralta e Joana Oliveira recuperam pela fotografia a narrativa do retorno, após o processo de descolonização dos territórios africanos que estive­ram sob a administração portuguesa, refletindo sobre o valor ético e analítico do conceito de rememoração e de arquivo.

15Ana Quintais parte da noção de pós-memória para pensar criticamente as relações entre a memória, a família e a fotografia no fotógrafo e artista visual português Daniel Blaufuks, através das obras Sob Céus Estranhos e Terezín.

16Na secção vária, apresentam-se dois artigos que incidem sobre configura­ções distintas do trabalho.

17Manuel Carlos Silva e Rita Borges Neves apresentam uma leitura socioló­gica de memórias e vivências do trabalho e de desemprego em fim de carreira profissional, discutindo como as estratégias para lidar com a hetero-exclusão do mercado de trabalho podem passar pela incorporação de uma identidade deteriorada, associada a inatividade e inutilidade.

18Miguel Chaves e César Morais analisam a perspetiva da inserção profis­sional de graduados do ensino superior, estimando e analisando o intervalo temporal entre a conclusão do curso e a obtenção de um emprego, revelando distintos tempos de inserção, tanto no acesso a um primeiro emprego, como a um emprego ajustado ao nível e à área de formação.

19Num último plano, publicam-se duas recensões. Uma, de Rui Sarapicos sobre as Vozes de Chernobyl, de Svetlana Alexievich. Outra, de Sandra Sousa que aborda a obra de Sheila Khan Portugal a lápis de cor. A sul de uma pós-colonialidade.

20Pelas pistas que deixa, pelos estilos e metodologias que põe em prática, Configurações 17 constitui na nossa ótica um passo em frente, com todos os seus desafios e constrangimentos, na discussão da matéria memorial e da intru­são estranha e cada vez mais disseminada dos momentos pós-memoriais que se colam e dobram a matéria da representação das coisas e da vida. Tendo em conta a adesão suscitada, no próximo número da Configurações, na sec­ção vária, contamos ainda publicar alguns contributos já aceites sobre esta temática.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Manuel Carlos Silva, Sheila Khan e Francisco Azevedo Mendes, « Introdução - Sociedade, autoridade e pós-memórias », Configurações, 17 | 2016, 5-8.

Referência eletrónica

Manuel Carlos Silva, Sheila Khan e Francisco Azevedo Mendes, « Introdução - Sociedade, autoridade e pós-memórias », Configurações [Online], 17 | 2016, posto online no dia 30 Junho 2016, consultado o 18 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/configuracoes/3083

Topo da página

Autores

Manuel Carlos Silva

Investigador no Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais, polo Universidade do Minho

mcsilva2008@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Sheila Khan

Investigadora no Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais, polo Universidade do Minho

sheilakhan31@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Francisco Azevedo Mendes

Professor Auxiliar no Departamento de História do Instituto de Ciências Sociais e Investigador do Laboratório de Paisagens, Património e Território da Universidade do Minho e do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais – Polo Universidade do Minho

fmendes@ics.uminho.pt

Topo da página

Direitos de autor

© CICS

Topo da página