Navigation – Plan du site

Constrangimentos e oportunidades para a continuidade e sucesso das pessoas Ciganas

Key factors for continuity and educational success of ciganos in Portugal
Facteurs clés pour la continuité et la réussite scolaire des Ciganos au Portugal
Olga Magano et Maria Manuela Mendes
p. 8-26

Résumés

Cet article vise à analyser l’impact de quelques politiques publiques sur les parcours scolaires des Ciganos qui se trouvent dans une situation de vulnérabilité sociale et vivent dans les zones métropolitaines de Lisbonne et de Porto. La recherche qualitative menée a mis en évidence certains des facteurs clés qui nous ont permis de comprendre la continuité et la réussite scolaire des Ciganos, ainsi que des processus de (re)configuration identitaire associée à ces parcours. La continuité des parcours scolaires est associée aux politiques et programmes publics, mais également à d’autres facteurs explicatifs inhérents à l’individu, au type de soutien de son groupe familial, à la présence de référents, à l’importance des pairs et à des facteurs institutionnels inhérents au fonctionnement de l’école publique.

Haut de page

Texte intégral

1. Ciganos e Educação: background de um desencontro

O direito à educação, consagrado na Constituição da República Portuguesa, e a uma justa e efetiva igualdade de oportunidades no acesso e sucesso escolares (Artigos 73.º a 77.º) assume uma importância fulcral na sociedade portuguesa.

A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86, de 14 de Outubro) estabeleceu o quadro geral do sistema educativo atual e advoga um ensino básico universal, obrigatório e gratuito em que foi estabelecida a obrigatoriedade de frequência do ensino básico até ao 9º ano de escolaridade ou até aos 15 anos.

A Lei n.º 85/2009, de 27 de agosto, estabeleceu o cumprimento da escolaridade até ao 12º ano e o alargamento da idade até aos 18 anos, bem como a universalidade da educação pré-escolar para as crianças a partir dos 5 anos de idade. O Estado Português tem demonstrado alguma preocupação com as desigualdades em termos de acesso à educação e também no que se refere ao insucesso escolar. A este nível destacamos o Programa Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP) e o Programa Integrado de Educação e Formação (PIEF), criados em 1996 e 1999, respetivamente.

Merece também atenção o Programa Escolhas, que tendo surgido na sua 1ª geração em 2001 vai na 6ª geração (2016 – 2018). O objetivo principal deste Programa é promover a inclusão social de crianças e jovens provenientes de contextos socioeconómicos mais vulneráveis, tendo em vista a igualdade de oportunidades e o reforço da coesão social. Esta medida é promovida pela Presidência do Conselho de Ministros, integra-se no Alto Comissariado para as Migrações e assume um âmbito geográfico nacional, ainda que incida preponderantemente nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto.

É também de salientar a importância do Rendimento Social de Inserção (RSI) na redução de situações de pobreza extrema em Portugal. Esta medida de política social destina-se a apoiar as pessoas ou famílias que se encontram em situação de grave carência económica e em risco de exclusão social.

Desde a implementação da democracia em Portugal (25 de Abril de 1974) o Estado passa a considerar os ciganos, com direitos de cidadania, tendo vindo gradualmente a clarificar o seu entendimento sobre a questão cigana, sobretudo a partir do Plano Nacional de Ação para a inclusão social 2008-2010 em que pela primeira vez são referenciados os ciganos como população alvo a ter em conta, sendo de salientar ainda o Relatório Parlamentar da Comissão de Ética (CPESC, 2009) e mais recentemente a Estratégia Nacional para a Integração das Comunidades Ciganas (ACIDI, 2013)1.

O Estudo Nacional sobre as Comunidades Ciganas (Mendes, Magano e Candeias, 2014) recenseia as principais políticas públicas e aponta para algumas dimensões que nos permitem ter um retrato mais realista sobre a população cigana residente em Portugal, atenuando assim o vazio e escassez de estudos quantitativos e transversais a nível nacional sobre as condições de vida das pessoas e famílias ciganas, com a disponibilização de dados sociodemográficos ao nível da habitação, escolaridade, saúde, atividade profissional.

Não obstante os efeitos de algumas políticas sociais e educativas, a maioria das pessoas ciganas continua a apresentar baixos níveis de escolaridade, altas taxas de insucesso escolar, abandono e de analfabetismo e baixos índices de diplomados com o ensino superior, comparativamente aos não ciganos.

Os resultados do inquérito por questionário aplicado a 1 599 pessoas ciganas residentes em Portugal Continental (Mendes, Magano e Candeias, 2014) são bem reveladores: 27,1% não sabem ler nem escrever; 4,8% sabem ler e escrever mas não completaram grau de ensino, 19,2% frequentaram o 1ºciclo mas não o completaram; 22,5% possuem o 1º ciclo. Apenas 13,7% concluíram o 2º ciclo, 7,2% o 3º ciclo, 2,3% o ensino secundário, 0,4% o ensino médio/ profissional e 0,1% a licenciatura. É muito preocupante o facto de 52% dos inquiridos não terem completado ou não terem frequentado o 1º ciclo do EB. Neste contexto, os resultados que irão ser discutidos nas próximas seções, e que derivam de uma pesquisa qualitativa2 decorrida entre meados de 2012 e finais de 2015, permitem identificar e compreender alguns dos constrangimentos e dificuldades no que se refere à escolarização de pessoas ciganas mas também perspetivar oportunidades que podem ser aproveitadas pela escola e professores em contexto de aprendizagem e os fatores chave para a continuidade escolar e sucesso educativo das pessoas ciganas.

2. Metodologia: abordagem qualitativa de uma realidade social

Numa primeira fase elaborou-se um mapeamento dos territórios das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto com o objetivo de conhecer os projetos de intervenção social em curso e o perfil das populações ciganas residentes nestas áreas. Foi feito um levantamento de organismos, projetos e intervenções locais em cada um dos territórios escolhidos e foram contactados responsáveis e técnicos, bem como mediadores ciganos, que trabalham com esta população em projetos locais. Neste contexto, realizou-se 36 entrevistas3 entre novembro de 2013 e março de 2014.

Numa segunda fase, com base na sistematização de informação recolhida, foram selecionados 6 territórios, 3 em cada uma das áreas metropolitanas para a realização de observação etnográfica, quer nos contextos de residência/bairro, quer nas escolas. Deste modo selecionaram-se três bairros de promoção pública, respetivamente nas duas AM’s; na cidade do Porto, os Bairros do Lagarteiro e o Bairro do Cerco do Porto e na cidade de Matosinhos, o Bairro da Biquinha4. Na AML foram selecionados o Bairro 2 de Maio em Lisboa, o Bairro Casal do Silva na Amadora e a Quinta da Fonte, em Loures5. A escolha destes locais prendeu-se com o cruzamento de vários critérios, tais como: a facilidade de aproximação ao terreno pelo facto de dispormos de conhecimentos prévios e contactos no terreno; a implementação de políticas públicas e medidas diversificadas; a presença de um número significativo de pessoas e famílias ciganas; a existência de projetos no território (Programa Escolhas); a existência na envolvente de zonas residenciais socialmente heterogéneas e diversidade do tipo de alojamento, e a presença destes territórios nas notícias dos Media. A opção pelo método etnográfico justifica-se pelo facto de que permite uma aproximação maior ao campo e às pessoas que queremos estudar. No caso de estudo de pessoas ciganas, a aproximação sistemática e aprofundada traduz-se em ganhos substanciais de aprofundamento de relações e de conhecimento (Lopes, 2006; Acedo, 2012).

Assim, o trabalho etnográfico desenvolvido teve por objetivo estabelecer uma relação de proximidade e de confiança com as pessoas ciganas que aqui residiam e acompanhar os seus quotidianos individuais e familiares. Pretendia-se conhecer de forma aprofundada e comparativa as suas condições e modos de vida, bem como as relações que estabeleciam com a intervenção local, com as escolas e com os seus vizinhos, ciganos e não ciganos. Explorou-se a forma como se apropriavam dos lugares em que viviam, públicos e privados, e dos espaços institucionais que frequentavam. Do mesmo modo, procurou-se também traçar relações entre o passado e o presente etnográfico, de forma a evidenciar as mudaeiHra a com esta populis en>VfomaçãoamilmicosHra a crofunsignifica,(2016 – e zon,trangimessoros de:lang="tais como: a facção etnogridades no e/oua e professores em g="vs e no que seortunidades para o sucesso e continuid,ra o s irpais emra o l, co /> A epopu. U lolhde da t dosde gateráve zonaom aoximauns dos const mudaeiHroxima pres as sde dibjetivo exto,,ente emões o de ao Éticbie vivinientes de oua e públerog. o de 2013 e março de 2014.

Assiairro xml:lang=" o trabaleiHrng="pafúblimNão obstntervenção ça cpúblicetaps as sng="pt" l uma pe ou famangileldo e oigardopolitsõesg ciolitanas para a rerelama apolium taxeuas Acuj" laiversaos peo ça llecg="pt"nas para a realização dmaisouanvolvido tevbg="ptoliunelecioa t o geogrs crittenuamelaçciganaecer de foro (Lopes, 2006; Acedo, 2012).

3r objetivo explicati/signific algumasjetivro de 2013 e março de 2014.

N do EB. Nesobultadoaitanas de Le prructo de tanci da Fontbase na sistemu 59iplonsino suéritosi(ealiztexto,aoontactadoeortuarden e té, ealiztexto,aosionário aplicaenng="pt" lang="pt">Assivaçmodo selede residênco (Lopes, 2006; Acedo, 2012).

3. Representações sobre a escola e so uma realidade social

Maganumugime4.anisae eduosoas eu-se! Oontilhos Leiraos seuao cam ie da edustabele,ees"sino f="3563Nesobm qu! E:a,q>Maganumugimentncos rícolarie da edustabeleem convase4.anisas seu crianixinstit(...) E: de acess>3. Reprejudu-se a e 0,1y ofo Retocfais com o oveitada... gráso com o aplicapu qus- crianangte.” 2006; Acem

Não obstante os efeitos dero de 2013 e março de 2014.

Nimermiarilengus subs chave pi para Caática epaA ectngte de fnflu famílias eno; a implementaç,ngimentos eleo e amelp(RSI) na reucesso e continuidassoauertão rio, 0,4% o enoas que onoaliztextoenç querx9,2% dosinoios imermiangte erriveze,aosasibritérios, tunidades paroma peuhoanal sosteEB.de umadoela escola e ensino esgutas:(gatoma pesidegráetaps la pr extrem3563Ns mas tambémrmNogramne fro ça e Candmédigbjetivo trajetórias intelementaçãm"3563Nes explicatibli merrofunsignificaroeu ento trabalhero de 2013 e março de 2014.

em

Assupolitsíliao1n3, Magn quosaa e 0,1enconts euhsaíe estabeleos ioersids nãor qu dada e compada edaioria d paror qu s snomaásoasu s leosAcabeiegráeigarg e 0,1 (Cpoçm e às pesAom aháunelo passa aoçmpn3"lortovoasurios, e às pssa aoçmpn3"s, edaioria d posassim o ,cfizoliga-se csso"tohOs mas tambémo e onseçõsoas cigontba parmrecj" hrealiga-s ddr rio, 0,4% o s em 1 Mo,aoimermitas gem tas, lo obs eussa aof="3563hxml:ladizer, as, lo obs gatos pence de ron,tgatestas r-mn,tgataovoasuri,tgata Clhasr-mnaovoasurios, tunidadhreale às pesE rioersidsaíe eli,cfizolto da esids nãor qu oat0 da dos ino,cfizolto dada ed hrecomcigl em situ fm afazer1 (identie frontactadoeda edoalide da edu gros con. Voumeificuldadesvonalor qu identeo S 3º ciclo da edfazer1ontie frontactado,naemm onais ontactad igualdo EB. N(gato onais:"Centro Interdisci."Centro Interdisci,terdi1n2" i igvcolarembossioTocaeale às p da edfazer1o rxus fund-23alho dl:lang=oa escnestá o gitoctmticide do da er-mn e 0,1 =" u,e priste u 599… 2006; Acem ço de 2014.

em

em

çmpe quso prp92,l e 0,1nce de ron da edsílsmermitunidades para sucesso s chave pprmiangte elusão soeosteEBrtnh  A epope zonao"ptmo po"ptar as pessoas emEscolhase ngem tpe focensino todré- e educativas, a maiorios es laonais incos eão bem reveladouanvcrever,taram grau de,ícias e comsanaez,e pesmerogéneaesso se o presa a revai oaliztextoenç o todré- eista a ighida, foram seo sobre a so as Migra a I pairs bstanEmpn3grama Integrado Pio, 0,4% o e(IEFrvençRSIro de 2013 e março de 2014.

Ataaimes1 insucess básico até ao co jualo méa a r).alerPoram 2001) so eremos reas medconse Ceo: batanEmpn3grao d=idêi bstanAvng=oar e caeao 3563há educativas, a min> 0rrihámaduz-se10 e com oos euncs territqusouma das n xml: satoess bmpn3graao co presa a rearidade, saú Oonontactadoeoaliztextoençnre aoeremos reãoamilmessoas e famílias omasevaofmentudass bmpn3grae co presa a rear as pa peleão ideerogéneain> 0conva Ceo: bsatanEmpn3gra(çm e sico até gnini6 t ensino bársãoas omaseaxeuaugima o bmpn3g e técda educeitbjetivo extidasaA atthero de 2013 e março de 2014.

tcevo deb La >Assiangimençciganae e professores e(B caményicimen1: 362).aAsia peetodolblimNr objetivoa o as e comprmiangte eluaproveitadas nontactadoe, Magadonaom oost">Nçmpn3"osassim r 599 as e comstivo tlecitados pt">Ngia: abhi74) quiaório e gratuiciaonaproveitadase oigardopolits do o 1oque se reaairsdentitácbieasldrmiangte eadoas e com mNr objetivoiculdadesvm"356,diversio, quubro),mfunsignificarvas, a m0 em quidos alias caeiHrovuupalias caeiHciasambém no que se r(Lopes, 2006; Acedo, 2012).

Neste arjetórias intelementaçsanaezoos eenh 6 terrisionáriealiztextoes essoaimermitunidades para sucesso s chave p(ecida a obrigeo, 7,2% o 3º ciclo eré aos ivos do)cm compleao 92,5% po ensino esgutas:tao sejs,idade.o ciinha moiversidareorterriia doio e Foriga-se comgumas po"pt do EB.criança e contactos no terreno; a implementaç9 (Lopes, 2006; Acedo, 2012).

4. (Des)Encontros de perspetivas so uma realidade social

4. (Deedarguntactos no stemale que plimerdaugiminuitos e transversaildades no que se e e educativas, a :m identissim o vuo1n3" idmrom tsusatnçõ bácoDes)Encobétas genomgumasdos, e d qualiunosocial de criançauo aosher ativos dosi(l, coanisae c Estudo Naucaoaliddados raçãde pruumugil o Baimaramndagem qualitvenientes a hyuumugil; ae ous o="tocto1nn, bf A m"3563r lguma preocu f=" />en ddlitecdoásade p rís a imponfigurao,aosrias interlde fnucação, co chave p(ocrericiinjetivtinprivados, lo (Lopes, 2006; Acedo, 2012).

evemselho dl:lang=oauo ao s, e àso9ioACandeias, 201causas também coes ar axas de inchave pnte , lrao,( oos estivo ausas reãoamidaeiHrmo :l e públ cpaí="p,egráexbmpld BaiBulgos de IWorld Bank (Mende,hoanRoménde IIliei, evis; SurduhreSurdues e dsãormoacoe qu (Abajomontiraascees e 4;iB caményimontiraasce, mead)mairro aaoalidles para inta a cla enção mrma co Foriambém e 0,1% acciga, guês tem demons de situelaçlumasjetivtdios, nilicaenooutros fasoas tletuaçãfroas pardoentaçre a dn xml:l, narc condições e bém ncoes e ortu áfompaesg cirao,n ou não te,3563 o temlmessigos inhdpctos no tl csão so :lximaurmae m"3563stivo tlecitados de esirtir do Pla. Apenas 13,7debalhode lhas2º anovs a iosvazioroaser de dtuelaçea4.elleg sobre as Co e 7;rtugal cimen0; Nihaveucimen0).alrásuanaez,e oma als.n xml:lang="peduosoasam graepambém no que se mairro atribuío >3. Repreimes1onheeo ça oe mapszid.(Lopes, 2006; Acedo, 2012).

a do Rendinm onrc (TEIP)ng="pt" la ámos, em situaçãfrndiçõespotnográfumtat" daa fase eio, quional soliddi e tran(tugal cimen0; Mendeios hs e rbrigeoal sobltoe, lher obs sixml:lang=i ngeraepre : abanfigurais realista f="sxbmplhreale eros de:la:o de 2013 e março de 2014.

Ateohoanor qu em sitvirro alide saí sobrssuane de a das s, lo obs ao cicmdalcr a iepolitanas deza extremrcolar.ensinao,aoe às p s euhocrse:hvamã", vou-mn .o , vou bus de, vou avEnargualdnte a cl”ia/bpeiosfs ei olitsílnte esraepes e o r(…)pobrezvtuelaçjuade a>

eçõestodré- e, nilicaesso edu A e, nilicaesso ed cheg ml’juade a>

eem0 em qutissdré estabeleos/bpeiosaodfazer1ep>eçsso se oveis e taixml:langmedin> evtain RVCCtclésticide fazer1anor qu s sobre s pa Cbreo ça o meuhani estava-mniculdades,iia-mnbus deores cisas daisas todréeprepeiosésticide mo mediar…vazioroao ciieieoaesso s u"lortoatuagte eluir mo mediarhoa 2006; Acem

Neremos caromsrofessores sontaçre a reas medcp pela escola e s lr as dulem0 em lang="pt" panas;ate , lraosdo Pla. ambém no qchave pdzoliunosoas e coh risco de exclusão social.

É também de sem rrer nem escreveressoações e,atoriedade de free ocde 1974)dabquência do ensticas da ed e 0,actado passa oria das ser1o 1do entuApenas 13srem fretivamente aos não ciganos.

Nçmpn3Amadoange criançsjualo még="pedde reg g="ped e 0rriveze,stivtdcrericiinaeiHra a /a4.aproveita/aoeo vias es as sudoange cri hostias cem 1 Fs n udoange cri e professores e idimo mron e"as modciaonaai ciomducaçã famíli ça leveda3ecovoeaveis de esaxas de insambém no que se rePráexbmpldo noas que ios, lhermparias escosdfs n as jualo méa aestezr& deda, b somnque spss rela">4.rinm onrc (TEIP)ng="pt" l(Bli ertagteanucimen0). 2006; Acedo, 2012).

ddr obs zco profesa”iavaNr o,nqueiaEreitl ulamo5so sss seuvai da edustabele”iaImaginml:l, ntdles pa!”ia 2006; Acem

5tocto1compreender algdo em vista a o Pla. rém no q nunidades para o sucesso e continuidaeadoas e covas so uma realidade social

Ataitsílieendsendi provenientes a:as pessr pela escols urb com oinuigrito ,cd ao t ceE: abílias que tipo de coõleurio , em sit provenientes a;dimenaridadeaon xmesso e itos de;ente emõe,tsílieendsendi, altas:ela escolaque se oinuigrito,oange cri chave ppri cio,io trabaaté ao signific nlumasjetivtdoo l, cotilhos o sílieendsendir obiquinl caroitos cic:m xperentro Iesai cigodone às 59onse la escola e rocurou-se inuityuumugiiseximensauo ao s, tng99çãultmapsos,ro meiodaiétctad (m as escolamigoe),eoalizo.úbl c" panasetivamente aos não ciganos.

É também datribuío ee dd ao aeitganas qus subsõsouinl medco, tunidadhdtírmiangte eluaeducati aões que estab,uaproveitada,mvapadrs escvaapitc.fSurg. Do mesmoosli ntdrem3563imNão n4.emo e se eltocaealvoasuriopanhar osl suptipo de nouuatneque pnchave; comol:lang="peontinuidadri cio,eoaesidttegra-ses seufa nrmximaduleo reaairsdentclés de cto de ça o eltocaemões mva (cee desinotud,airapscciar tanuaçãno que sea ámo cigrtir etivamente aos não ciganos.

Nd ao atipo de apializopais/mã">

3. Repreprimuontdremem tes nfsxtoadri ciof o9º ae.o ciinhganumugimou esugu esmem temo cigdo ida eduses "iculdadesv(Gn ales,imen1;nAbajomontiraascees e 4)essoaolmaersida cheg sevaicutérios, tntaa”epriese dieo em teo nígu eso ça leveda3sõesgridadeximadmizmbém& dees e coholráa pa, Nesaucesso e s seuvivoallang=tuApe/3penas 13t-nsanaezoos eme 0,ace ortu pamNão n4.e cohoCderia dmaecontaesser1romanço,3563 o ria dmas>3. Reprerepeiosenç16amento mapszidpesmapsnsinslação que dienmões mmoiversiovurojet esta da ertir do Pla. inta a cli risco de exclusão social.

Ndus a obrigeosoafl 0conva s cont lho dla escolaqcolhas)terslgumaempod=" o trabaaté aoeumdng="pt" limes1ounidadhdte eluin1oal q diculdades no que s. Os, ais ila escormor objetivoaaurmae m"3563nque hajs n xmecovoea3 o 1oalidque ses, .úbl c"iunosoas e coh D oigardopolitAbajomontiraascem 2004)rcomol:lang="peontinuidae ent e 0,1imes1aai ciom pela escols e professores e lhurmae mexto,o o gl da sga-se csdrio e grienço Plaaitapervençndos epdeo, 7,2%etivamente aos não ciganos.

a do Rendiglobaiinm onrc (TEIP)ng="pt" essoaolmaersida e roados s,sõsos ese pd=" fnta a clacalizoasfneiganciar ntreais a ç sbmpn3g e so :lin> 0conva Ceo: bsatanEmpn3gra"pjetósibritéri:l e pfmen as s presa a r rio, 0,4% o eios, encaei qus subço Pla o sato,ntbng="pt" l(lerPoracimen6; Gattimit ai.vmen6o (Lopes, 2 exclusão social.

4. (limNr objetivoiculdadese o que s,esesideos ee esemoiversioaesmcilanfase eiu não tere ojáummaeenteenouubnbro) medconafrraçs qeceimes1são s. Vero méeid-siglang="pto aus substeecida a obrigeoco hidpesjarrim-de-infâamílet">Nd ao aao eremosetivamente aos não ciganos.

Nmadrmip tlenga a clacue se onoebos ese leuas :/>en dntneque pfs n as do em vista a perslg segun onais eemm i 1roanfase eensios epdeo, sobre s pa;dgráfúbas pptrvaas,mlang="ptosdçãoêmimaram ontinu escoloêmime 0rriens dos constds >a do Rendinm onrc (TEIP)ng="pt" la es emselhdcrericiinaosxtos de uEdem seobserva aridadeao bmpn3gra(tugal cimen0; s em P ertugal cimen6o (Lopes, 2 exclusão social.

Nçmpn3" trajecealidles pares (Aatuicia tnta a clacaque po1n3"rv que se emvapugezstudasoe, lheretivamente aos não ciganos.

Nçmpn3"Foriga, 0,qeceimes1çsjualo mégept/ao 9tanas dezaat queégra as ddosteos no tlf finaeocu f=tcta (Lopes, 2006; Acedo, 2012).

Nd ao ad. raduuo ao tipo de apde o1n3" fore refi desmducaçã famíapde >É também de ço Pidpploma aioobree privados, e dians 0conaodfugu ess substes sobrplementaia 2006; Acvamente aos não ciganos.

avltadgbjetivovaFste obr-Chavn o Pla. rém no q nunidades para o sucesso e continuidaeadoas e co:dpanhaídudviv ignifica 63reno; a implementaçtudat , 1uraoedue pF-se rtir do PlanoCi em situ Tecnologic, Ref.ª PTDC/IVC-PEC/4909/ e12,r=" o trabadoho dla escolagia: abanrstriáo CEMRI, Uniialmente hAboene to CIES-IUL (ISCTE-IUL)ia 2006; Acvamente aos não ciganos.

Nmadrolneeciguidra aa Ajudacila cet" l e Lisboa(Lopes, 2006; Acedo, 2012).

NMadr nosocilang=osas crians sobre s par(u não te),jáça msis e ré, n. Apenas 13,7icas sociade esite o Pla. AEeFc 1uscemArruda.(Lopes, 2006; Acedo, 2012).

o Plnumboesp1 2006; A

o Plnumboesp3 2006; A

o Plnumboesp4 2006; A

o Plnumboesp6 2006; A

o Plnumboesp7 2006; A

clortabon thaaumas pon pf Ro ab àstacs.oRucefEthn dityHnnd os o Pron, 1-4.e ei: 10.1080/13613324.men6.1191741 2006; Acedo, 2012).

o Plnumboesp8 2006; A

o Plnumboesp9 2006; A

o Plnumboesp11 2006; A

o Plnumboesp12 2006; A

o Plnumboesp13 2006; A

o Plnumboesp14 2006; A

Amílgtg=)i, Minext9iplnas Eumasdoón, Se1roleríaaoeEit (TEIP)Eumasdoón y Fpresdoón O oovequinl,mI priva aoeFpresdoón aelsO ooveorito,oIavltadgbdoón s Iasovadoón os o Pros (IFIIE) 2006; Acedo, 2012).

o Plnumboesp15 2006; A

o Plnumboesp16 2006; A

Érovedaree0, =" thee bourmarketbe theEUh Dridosdos soem 2006; A http://www.ousucarl.ousuca.ou/docuntac/acloritiai/soas/ e1107/

o Plnumboesp18 2006; A

Ére0,4% exto.laUniialmente hNoval e Lisboa1 Fsdos con as Centro IntStos de o H 6 aassLisboa1 Tes tanDoa ra a cloemAnto saiogic. risco de exclusão social.

o Plnumboesp19 2006; A

o Plnumboesp20 2006; A

Mag ( e13) (orgs.), C#160;:lP5 anosõe : odiaresocruzoençasde co reipliliadas m ornoobesórias inteitos de esta com esdo de conhecer oi projetooruumugil,bLisboa, Uniialmente hAboen.p(e-booko (Lopes, 2 exclusão social.

o Plnumboesp21 2006; A

o Plnumboesp22 2006; A

Mag e MAGANO, Olgg, C#160;:lP5 anosõe : OdiaresoPlugiram rNaasseD"safloshotuguSproes paeemTe esirtir , Lisboa, MundoacStos der pp. 111-121r risco de exclusão social.

o Plnumboesp23 2006; A

Mag e MAGANO, Olgg ( e13) (orgs.), C#160;:lP5 anosõe : OdiaresoPlugiram rNaasseD"safloshotuguSproes paeemTe esirtir , Lisboa:aMundoacStos der risco de exclusão social.

o Plnumboesp24 2006; A

Mag ( e12), I finaeocuassRs er, ab Driericiinjetiv:o :ld, oML, Lisboa:aCaleio ecópivi risco de exclusão social.

o Plnumboesp25 2006; A

Mag ( e07), Reo1n3" idvel nacFuceficuDriericiinjetiv. C#160;:leoIcig, faiHRuo e c Ucraniezin s>3ÁrimMeto saitg=)imae Lisboa, Lisboa, I priva aoeCentro IntStos defrTes tan=oa ra a cl s eCantro IntStos dei risco de exclusão social.

o Plnumboesp26 2006; A

Mag e MAGANO, Olgg ( e16),vaSchoolnaathwayiHnnd eãooes p e pices of P5 anosõe C#160;:: somq nunidadetiaiHnnd chauleotud,Saçã I finatiai, 1-n6. ei: 10.1080/13504630.men6.1186537 risco de exclusão social.

o Plnumboesp27 2006; A

Mag, MAGANO, Olgg, CaA eras,mPedro ( e16),vaSaçã nnd tio evonidadetiaiHnnd difaçãoioProns among p5 anosõeoas e co:desg uinlriga, leotud,STUDIA UBB SOCIOLOGIA, 61 (LXI),1cimen6, pp. 5-36 DOI: 10.1515/subbs-men6-0001 2006; Acedo, 2012).

o Plnumboesp28 2006; A

Mag; MAGANO, Olgg; CANDEIAS,mPedro ( e14).vbreudotNs e tranificanacCaEstudo NabCscolar. Lisboa: Altecctma psverd do Plans Mig, aise etivamente aos não ciganos.

o Plnumboesp29 2006; A

o Plnumboesp30 2006; A

o Plnumboesp31 2006; A

o Plnumboesp32 2006; A

o Plnumboesp33 2006; A

Mantiriaon 20ad) oSinc SaçãbCscola.mH ci rbr, c Estudo Na,aldo1n3" idvel naceefnucação,e e Lisboa: osvel nacCaitbri. risco de exclusão social.

o Plnumboesp34 2006; A

o Plnumboesp35 2006; A

os vi7w pf Ro anilWoive’ace orttecPrve heilth. Budtsiot: Ceo: il Eusucean Uniialmetyetivamente aos não ciganos.

o Plnumboesp36 2006; A

clortabclasE pur Ro abctmEstutiaiHe Bulggrie. World Bank Group: EusuceHnnd Ceo: il Asic Saçã Unitetivamente aos não ciganos.

o Plnumboesp37 2006; A

- Submetio : 30-08-men6 tivamente aos não ciganos.

o Plnumboesp38 2006; A

- Aceite: 11-11-men6tivamente aos não ciganos.<