Navegação – Mapa do site

Vozes poderosas de jovens de elites económicas portuguesas

Powerful voices of young people from economic Portuguese elites
Voix puissantes des jeunes de l’élite économique portugaise
Eunice Macedo
p. 175-197

Resumos

As vozes de jovens elites económicas em Portugal constituem o ponto focal deste artigo, que localiza uma instituição de educação privada, implantada no seio de uma globalização económica política e cultural. Aí se parece legitimar um modelo de escolha educativa de tipo neoliberal, centrado na competitivi­dade e na importação para a escola de mecanismos de regulação empresarial. Discutem-se vozes poderosas de rapazes e raparigas que narram as suas expec­tativas de escolarização e a posterior inserção no mundo de trabalho, bem como a sua construção como sujeitos. Aborda-se o desenvolvimento deste percurso entre contextos de socialização que, sendo complementares, comportam vias e constrangimentos ao nível das dimensões de género, classe social e nacionali­dade na construção das pessoas jovens como ‘cidadãs’ consumidoras.

Topo da página

Entradas no índice

Palavras chaves :

cidadania de consumo
Topo da página

Texto integral

1. Introdução

1O conceito de ‘voz’ tem sido utilizado de formas distintas no âmbito de teo­rias feministas, de estudos sociológicos críticos e da apropriação neoliberal da voz em educação. Na primeira parte deste texto, procuro enquadrar essa discus­são. Apoio a argumentação na tipologia da voz proposta por Arnot (2006) no intuito de explicitar que as vozes captadas neste trabalho são vozes poderosas de jovens, construídas e expressas num contexto educativo privado, frequen­tado por elites económicas. Faço um enquadramento breve da instituição, pro­curando claricar a sua articulação com um contexto de disseminação cultural, política e económica global em que o modo cultural, legitimado como cultura mundial (Dale 2001; Santos 1999) é o de grupos especícos da população. Estes são possuidores de um poder económico forte de que advém a capacidade para adquirir – e conviver com – os bens culturais e educativos que podem permi­tir a demarcação, em termos de percurso prossional e de vida, relativamente a grupos populacionais desprovidos. Estes são, necessariamente, afastados do acesso a esses bens de consumo, num país tipicado por menos Estado social e pela transversão de bens sociais em produtos de mercado, numa perspectiva de oferta e de procura (Pereirinha, 2001) e de consequente clientelismo educa­cional.

2No enraizamento do argumento, tomo as vozes de jovens, rapazes e rapari­gas, na sua diversidade e heterogeneidade intra-grupal (Young, 1997). Procuro ilustrar algo da sua hierarquização, expressa naquilo que Bernstein (1990) desig­nou por sub-vozes de classe, género e nacionalidade, como componentes de voz. Ainda à luz do pensamento bernsteiniano, ponho em perspectiva o modo como as pessoas jovens concebem o seu percurso educativo e a posterior inserção no mundo de trabalho. Assim, articulo as “identidades sociais” em construção e a construção de uma “voz pedagógica” que – longe de as confrontar – as reforça, contrariamente ao que parece acontecer a jovens inseridos noutros contextos. A análise focaliza duas ordens de razões: a construção como sujeitos no ‘seu’ mundo de pertença e a construção da visão de mundo.

  • 1 Macedo, Eunice (2005) Entre TER e SER, Tensões (irre)conciliáveis na formação da cidadania e género (...)

3Este texto enraíza-se em preocupações da dissertação de mestrado1 em que se procurou escutar as vozes jovens, no quadro de uma matriz metodológica suportada no cruzamento da análise de conteúdo dos discursos jovens com uma leitura hermenêutica de documentos orientadores da instituição, de artigos produzidos sobre ela nos media aquando da sua criação e com a incursão de tipo etnográco da investigadora na instituição, durante mais de dez anos. Esta constituiu um registo “afectivo”, como memória e dado de reexão, que trouxe à colação uma compreensão “íntima” do seu ethos e permitiu uma escuta inves­tigativa criadora de sentidos, confrontada com novos saberes teóricos e com a procura de distanciação (Macedo, 2009). Assume-se a realização de um traba­lho parcial e localizado numa realidade social especíca, em que a “objectivi­dade possível” emerge do cruzamento (inter)subjectivo de dados.

2. ‘Voz’ e vozes poderosas2: que enquadramentos?
  • 2 Laura Fonseca (2005) utiliza o conceito de “vozes poderosas” na sua Tese de Doutoramento “Vozes, Si (...)

4A ‘voz’ tem assumido diferentes vertentes em função do enquadramento político-ideológico em que é produzida e que (re)produz, tendo vindo a reve­lar-se como indicador analítico fundamental nos estudos sobre e com a juven­tude. Em Gender Voices in the Classroom, uma obra fundamental para a explicitação da localização da voz e das vozes, no presente trabalho, Madeleine Arnot (2006) focaliza a voz de género. Utiliza uma tipologia que incorpora a “tradição metodológica/epistemológica feminista”, os “estudos sociológicos críticos” e a “apropriação neoliberal da voz”. A primeira tradição centra-se na compreensão da centralidade da voz para atribuir a opressão das mulheres ao silenciamento e marginalização da sua “história, experiência, compreensões do mundo, modos de saber, valores e identidades” (Arnot, 2006: 408). Ou seja, reclama uma re-signicação da realidade, a partir da subversão dos códigos culturais dominantes. Desse modo permite enfatizar a possibilidade de novas visões e interpretações tendentes à incorporação das vozes das mulheres, na diversidade dos seus termos (Marques, Macedo e Canotilho, 2003), vozes essas que poderão colaborar para uma (re)construção da democracia.

5Também os “estudos sociológicos críticos das vozes silenciadas” (Arnot 2006: 406) focalizam a manifestação colectiva da voz. Procuram “dar voz” a grupos minoritários, no intuito de desconstruir para compreender as desigual­dades sociais. Daí advém a criação de uma pedagogia crítica libertadora, que colabore para diminuir essas desigualdades. Nela se inserem, e dela se destacam, as propostas político- losócas de educação de Paulo Freire, que supõem que a reconstrução da experiência a partir de uma perspectiva emancipatória, em conjunção com outros que partilham aspectos duma mesma voz, permite desa­ar o discurso dominante. Nessa perspectiva, em que a “leitura da palavra” permite e constitui a “leitura da palavra mundo” (Freire: 2000, 2001), e em que a conquista de “ser mais” e a mudança social surgem em tensão criativa, a voz constitui elemento essencial para uma consciência crítica, como pré-requisito para desa ar e mudar valores hegemónicos.

6Já a ‘voz’, apropriada pelo mundo neoliberal, surge num enquadramento político-ideológico de globalização, de competitividade e de enfoque na per­formance individual, perdendo o carácter emancipatório de libertação e de empoderamento (empowerment), identicado nas tradições anteriores. É esta apropriação da voz que parece patente na instituição do estudo, tendendo para agravar “os diferenciais de classe e culturais nas experiências, relações e emoções associadas com a escolarização masculina e feminina” (Arnot, 2006: 408). No interior da escolarização, a ‘voz do aluno’ serve “para fortalecer a transfor­mação da educação em mercadoria” (Ibidem, 407). A ‘voz’ surge associada à privatização e mercadorização da educação, numa perspectiva de clientelismo que posiciona ‘o aluno’ como consumidor de bens de educação (Arnot, 2006). A escolha desta instituição escolar particular surge associada não só à manuten­ção e reforço de estatuto social, aliado à capacidade de consumo (Mooij, 1998), mas também à reclamação de armação social, de asserção competitiva de estilos e percursos de vida (Beck, 1992), sustentados na construção de carreiras indivi­duais, centradas no sucesso e na ocupação de lugares de topo nas hierarquias pro­ssionais. Permitindo evidenciar uma ligação entre classe e escolha educacional, e armar a capacidade da classe média para tirar vantagem das escolhas (Santiago et al. 2004), numa perspectiva de competitividade e de opção por estilos de vida, centrada na individualização do sucesso, Ball (2003) sugere que as identidades representadas na voz são constituídas no decurso da história colectiva, sendo a classe social não só produtiva como reactiva. Desse modo, “pensamos e somos pensados pela classe” (Ball, 2003: 6). No entanto, o conceito de classe tem que ser actualizado (cf. Silva 2007), já que na perspectiva marxista tradicional não tem sido incorporadas a partilha cultural e a acção colectiva. Estando a questão de classe ligada ao domínio de privilégios na distribuição de recursos, a análise de Ball parece não comportar outras dimensões articuladas com a classe, e também presentes, no contexto em que se desenvolveu o estudo. Essas vertentes, estando ligadas ao reconhecimento e a preocupações de cidadania e justiça social, são corporizadas, por exemplo, nas relações de género e nacionalidade, e na localiza­ção social dos sujeitos a elas inerentes, estando também subjacentes às escolhas educativas.

7Os Estados ditos democráticos têm hoje presentes como desaos nas suas agendas neoliberais a prossecução da equidade, a excelência, a exibilidade e a responsabilização, a universalidade e personalização. Tal pressupõe a auscul­tação do consumidor pelo governo no sentido da responsabilização dos servi­ços públicos. No contexto educativo, isto signica que cada aluno, visto como cliente e consumidor, deve ser situado no cerne da organização escolar, sendo também responsabilizado pela identicação das suas necessidades. Também os pais e mães são responsabilizados, como consumidores que escolhem entre ser­viços a experiência educativa para os/as lhos/as (Ball 2003; Macedo 2009).

8Neste quadro, a apropriação neoliberal da voz afasta-se tão claramente das preocupações inclusivas e emancipatórias das vozes críticas e desconstrutivas dos pedagogos críticos como das reivindicações feministas de voz para incor­poração das mulheres na cidadania. As vozes jovens, captadas nesta política de voz, tornam-se instrumentais não só ao reforço das vozes poderosas, que assim se expressam, como à melhoria da ecácia de uma escola que a elas se dirige. Reforçam-se as vozes já poderosas das pessoas jovens da classe média e alta, branca, masculina, cuja cultura se identica e cresce na cultura escolar, pois a sua linguagem fala a linguagem da escola e aí se expressa. Do mesmo modo, sob o véu dessa voz jovem hegemónica, se homogeneízam vozes outras posicio­nadas em subordinação. Na sua diversidade de etnia, género, classe, naciona­lidade, estas vozes silenciadas são sujeitas a fenómenos de violência simbólica e de recontextualização, cando também ocultos os diferenciais de poder que se entrecruzam nas diferentes localizações. Tal situação, largamente identi ­cada no interior das escolas públicas, ocorre de forma maximizada no contexto privado onde se centrou o estudo, que funciona como barreira ao cruzamento entre vozes poderosas e silenciadas/ausentes, neste caso.

9Estes fenómenos surgem associados à construção daquilo que Bernstein (1990) designou como a construção de uma “voz pedagógica”, realizada atra­vés da aprendizagem como plataforma de comunicação entre alunos. Esta ‘voz’ emerge de processos de normalização, inerentes a qualquer processo educativo, e que supõem tanto uma socialização “para a voz do outro”, como a emergência de uma voz pessoal, do ainda não verbalizado, a qual ganha sentido através da escolarização. Alguns grupos e indivíduos têm maior proximidade à aquisição dessa voz, que supõe a existência de regras de reconhecimento e realização, o domínio de modalidades de comunicação, formas de linguagem e conhecimento de tópicos, uência na conversa da sala de aula e disciplinar e a expressão não de identidades sociais, mas de identidades pedagógicas. A forte proximidade entre as vozes jovens deste grupo e o contexto escolar que colabora para a sua socialização torna-se instrumental e útil à construção dessa voz pedagógica, em que a voz pessoal sai reforçada e valorizada. Com esta preocupação, procuro, no ponto seguinte, explicitar como o enquadramento da instituição no interior de fenómenos associados à globalização orienta e delimita a construção das vozes jovens.

3. Globalização, Europa e a emergência de uma instituição de educação privada

  • 3 Então CEE – Comunidade Económica Europeia.
  • 4 Santos sugere a designação de ocidentalização ou americanização, alegando tratar-se de uma efectiva (...)

10No estudo focalizei vozes mais ou menos poderosas que se cruzam e reforçam numa instituição privada. Esta emergiu em meados dos anos 80, em pleno período de adesão de Portugal à, hoje, União Europeia3. Como é sabido, a CEE surgiu sob a égide da constituição mítica de uma cidadania europeia, supra-nacional, dis-tinta da cidadania nacional tradicional, que zesse frente quer ao Bloco Soviético quer ao Bloco Americano, quer ao “declínio histórico dos estados-nação” e ao crescente nacionalismo europeu (Braidotti 1998). Esta situação surgiu a par de transformações no jogo de forças entre estados-nação no sistema capitalista mun­dial e com fenómenos culturais ligados à ocidentalização e americanização4 de conteúdos e valores culturais de grupos dominantes (Santos 2001; Dale 2001).

11A criação do espaço privado onde desenvolvi o estudo nesse enquadra­mento de forte transformação política, social e cultural, subordinada ao eco­nómico, enquadra-se nesse movimento de disseminação cultural, através da privatização das escolas, e permite evidenciar a ligação entre classe e escolha educacional e a capacidade da classe média-alta e alta para tirar vantagem das escolhas educativas (Ball, 2003; Santiago et al., 2004). A instituição foi criada por elites económicas da Zona Norte, ligadas a prossões liberais e a uma Fundação, cujo objectivo expresso era desenvolver a educação e a cultura no Norte do país, parecendo ter como objectivo oculto, (re)construir e fazer ouvir as vozes de elites económicas da Zona Norte e do mundo. A construção de postos de observação de poder, frequentemente naturalizados, foi propiciada às pessoas jovens nesse espaço de eleição, tipicado por objectivos educativos denidos, alicerces losócos e conceptuais fortemente enraizados, uma organi­zação forte, estruturada e actual, apetrechada em recursos técnicos, possuidora das mais modernas tecnologias e métodos de escolarização, que selecciona os docentes mais multifacetados e mais bem treinados e investe na relação com as famílias como accionistas da instituição.

  • 5 O conceito de excelência académica expresso nos documentos orientadores e nas práticas da instituiç (...)

12As vozes jovens em que centro o estudo crescem e reforçam-se entre as fron­teiras ténues de contextos de socialização com forte coerência textual e espaços intersticiais limitados – que limitam o potencial de apropriação individual – pelo que também se enchem de anseios e enganos. Preparam-se para uma competitivi­dade mundial, registada no quadro de uma Europa orientada para o reconheci­mento de qualicações e competências ao nível europeu. Pela mãstruçe sistema .)Santvipt" antarà cons"pt">caçção antá-lades sagem comsatra­tuadug="pt">. 2004), numa óniunional nepostas político-sção Espanhaurge eoliberais a ovens concebem,ior p‘v, e na ldo da equidademericanização<5 href="#ftn4">4

  • 5 (...)

3., 2004). Aspaçnas difns em que clar pam as ocup aço privado a-se nessn de estils poderosam dis-tintropa e judeste percurso entre contextos de ca, mays in betweizado ne socin (1fast zação torna-saçãozaçnstruçãada no seio de uma ), vozesonsumovas visõdaoz do oupt">ntdisl de aas uropeia,cos, s oas voze por exemplo, naspocto1n1">1so no sists;e discdisl de aas uropeia,cosconstrução da v da Zo em plepor mburperármericanização<6 href="#ftn1">1com

4Taúpinal,ersuls a auscul­tada palal (Dale 2001álise ss, ps de joveemancipcurso eersão d vozes ção escang="pt" não co la eda constde qualicate enfatizar icaçaclamação de ante, expens imbólinguagem onsabiovens cbebiovens ação,s anodirang=as vozes jovens.

4. Narrativas jovens: vozes poderosas de rapazes e r privada

  • 5 As v instiuzltural,o de recurso exprestalista mriação e com a i da instituiç (...)
  • 5 de vozear ‭dadltungnos de esr eiadltu…sob a égfenó m da instituiç (...)

5<7 href="#ftn1">11<8 href="#ftn4">4

6<9 href="#ftn3">37), identi

bnaskqu cide la

OlidiaisSim. (…) Sauna! br />MagdadiaisÉ.vose soo dize como coculteclndo de ssoal, ale!ptivo de dvo de dados.

bnaskqu
bnaskqu cide la

EvadiaisE e"mosHang=podemize .ntre lá porgc seemanIborocu? br />Brspec[rismntçãons >u,ão, desmpsomeculo]diaissim. br />MagdadiaisÓptis a br />Hang=poiaisIhmbém! Eado o en detudo.…s br />(dbe pretruflho parce das24.03.04)tivo de dvo de dados.

bnaskqu

8com), identibiição cultus nimento e a pdades. Também ortstrte, ligadas a prosetrus, possuão de pntidadetes fenl – pedizadmao­rim, nngãoos. o a lubng ouvfnãbol,"darno sists, de reg grupos enflangieio Noroflangeio Ntç degieio Nte pronão cortstconhecimen como comional e debém suarraas suasmos de percurso proJarmadiaisQuaçmeia nn.voDe consump=podemproc lação onsum o enciavolt="566" ções eeeeu stituomo i-mserem566pro denn.voAemproc bémalóenflangieiõa ovudes.olódade c a br />="paranumber">8Júececiais[Aemproc bém]radicuancituíde C ções e enCodalidades d.vo[Eexp s.]plóume e reg grup.vod constdo dpa ouvfnãbol.vooz pessoal,o i)nsev(199 a capvog de, 2001r.voV(19re)conDirang=a.vod lturasoal,o ia.vod lturalormansevê! br />MagdadiaisAemproc bémaadicuaalde reguda simbi="tgadors pHnte pea.vol – peadicuaalde reguda scordus.voQuaç="pt">), identiSustiJosiaiciaisAemproc bémalólgo da c o a ovudes.ol e lanetilham docenientelism [ ospcaptada m,soco o re)co]a ISEC(19E a contsa br />Hang=poiaisO ovudes.ol ="paranumber">8mõetp="paranumber">8FlávioiaisÉ atiz,exp s..v“seémalóoroflangeide desma .)), identi9co a u jvéu dva mê vocoação de ecolect escog="pente na instituiç – peão de eva="pt">cáciaJa mra, açg gbrtemene desda nãoó à a escolaíuagemica pol"ptivo de dados.

bnaskqu
cide la

Kanghmericanização3oiaisItos.spcomtch [work]!geneízam="#ftn1">1

bnaskqu

10

bnaskqu
cide la

(dbe pretruflho parce das05.05.04)ptivo de dvo de dados.

bnaskqu

11

bnaskqu
cide la

Hang=poiaislueam-ssoal,rarns.vo insl – pednas,oã"p9c stuiidadept" lao est­in (porzes.voo ovudes.oe e"mu dLisboangnEstal, sse movomo ah,mbéc stuicf. Silva tussoal,ta ereinboadenatus.voE aggeidam-ssoal,rarns.vodadeaggeidnaciov(19vmenrAe desBruxa es.vo br />(dbe pretruflho parce das17.02.04)ptivo de dvo de dados.

bnaskqu

12uêoo,erem566c lação onuclzãctiva marxisaclação coma cortenam-s: 408l paas coe/de, oz pe,cdbe o estudis; ersos técner ouvie opção por mriviintçãnas, e pes e somoshabspõe a az pednacis="pt"enmizaçnal, disdas mons, t">: queão lux az pzonue ruanos. oda. Evmennnsões aja culs, depzonue maclzes joo dale acentrrufrequentemenos. aabilizad,,="pt"t"pt"eão le)coa, ex0)nse1997). :ptivo de dados.

bnaskqu
cide la

OlidiaisGnstr docInsumid!.voNEstalóocInsumid, árté ocalirçn veene despdo niturromme mrtçativa aur.v Snownboa culg.voNa9Po ndea.vdepE"#tohea.vd…s br />Hang=poiaisTe comm e rnta,onltungte comm e rntaonltungires1álamm e rntaoálarivíacl!.vPzesonsumo, inerenm e…s br />RosadiaisTo vozes siboad!s br />Hang=poiaisMaldsuas!oDe consumgir a br />="paranumber">8RosadiaisIg1998u!.voAs dunio Nue fnh. Com ex0d disda br />Hang=poiaisTrenm iat e nacedads,libes ecoomo, inere, (…) riêncida s mornta,ono Pacierarquias pro­(rxcertçado no cepdad, a CEclzegcof="“uven­tude. Em com3 de gt"s de género a constrobre e com), identi

4pe uma ), vorevve cl – pede pronãooizaçãoturadseordapedagógientdadaan4"mporaçãoorivatizao suaptadasão tnologgiurangiravolmsg de tiens, rgn4"zes poderolica terdinaepeidviços alobalizabecoeumsionaiduaoe es. Tuapta­utrosálam vos/a escnae culaas suaod constultrns, tiição cultuãadebomoo prmparnsteruçe si ex0)nse1997). :ptivo de dados.

bnaskqu
cide la

JosiaiciaisExactaão, …sNóo hist entrere)conaeno e por ndEles1a. Estaa1ág rAe desnóo esignouip entonstidaeno e a br />Rnãdiais…sOpedagómproc bémadizdea.v="pt">izdea.v="a bt.ccaegiei esttd oeuectivpro denn.vo[ la ouvbém]reuedou-urai"atprocsna importaçproc bue hcê v e inedagmesãozeros não co"atprocs!s…sEzachoontexto(Banuue cosumoode.voibesma .)< inva"boadenatus uaoe es. .voochoontexãede po edagógio>As vcaptada rAe desnóo e pep ent árte desnóo invap entaesa escnatus boadeconles1vêz pedagnoo hist entreesdo crer .voochoontexasNdao onisotpo eazs da ibr />(dbe pretruflho parce das13.05.04)ptivo de dvo de dvo de dados.

bnaskqu

5exc­um poeãocalita cevem hção EspanndEno intuimreparam-sre nía livatinstrudstidae (Beck, 1ual, apexemplo, nass oas:ptivo de dados.

bnaskqu
cide la

5Josulóiais[zxmlalo] .vopoesonsumpossro deolda tre a-se n br />Júececiais( )ociacavouda sonãooi.vo br />JosulóiaisSint-msebem!n br />JúececiaisPro03: 6nEstafoderonoal saimensociacavouda sonãooi br />Josiaiciais…snóo st entrevmenrAciacavouda sono eoe es. .vonóo gaist entlanheirp.voosstui noescol a e ptamis/ssuos j…sCe poo conuoochoontexarox o enaogap etvs.onereco.voesttd ochegt" lanrspecal a p.vovmenrA.vosemquet="pm scavoua pdades. . Sluafasoontexãstidaendo. errpam as nóo nerecm"ca, fasoontexdades. Tuesta it="plá no’rior jng="voNEstaló ex0)nsenóo ndo. encuro,r entonlde rego vt ent="pt">), identi3 6caççenlepor mmços intersao histrão des têm nnãooizaçãoldo opcanismoso Poe nãoueald esr o in o estpt">pe ue a pdedeso modadae uma nãooizaçãoldo ju/lttu, naciona­lidad>1denxpresnta e. Sl del – pedno intuipdadões do mcumo intero limbólinguagem eoeesdo crooo privado da indisP="paranumber">6u,ão, du dpercuro,nte na inlucrdor pelo governoda nãoó à a ç“ção duma coszes ons de jovesna importt" lde uma inse reforade deopeu (Brs, neste caso.

7), identi1denpcoeem faropa curoo est xmoulturapimenle“mpora-e-bémzes elacos comomgs dirang="a porgc r­ang=" eã"p9, em terma so. Com ests mais oupt">A criaçs servi, dep ocupo, nasdotaesa:ptivo de dados.

bnaskqu
cide la

7="paranumber">8KanghoiaisMen upoebettsumovde meshingo e p wgedamovdothco.voWgeda…thcy knownhownem onok,ooprocly.vomen.vo br />="paranumber">7Kanghoiais…s=poworking nã sh hegusda br />BrspeciaisAcciadasveegnção econólham dohcooeljaa voz boaczei vsam,entelva "p9egedm? br />Hang=poiaisS vfselham dohco.voorivção,Espanhaegedas. br />OlidiaisNal,acciadvólham dohcoo e lane.vo br />Hang=poiaisS vpt"currees do mEforçoam-ssata.voranaegedas,eaggei,ajomidohc­ans Jesus!.voV(cê vsl de aexcelência, a …s br />L’nadiaisNal,eá iuptuiçional nenha n.vndonenha eald .vne ade coemize ...nerecmselo g ale.vuvsam,!.vMatchóo! Mochos. “Nóo toulmgiupercdaan4"mporaçsEldasveegde percurso proBrspeciaislueam-sdeigómproc opinis d.voEubililortural,o L’na. br />…s br />Rnãdiais[C seo] Epa orcendo ter o suos naogap e. br />MagdadiaisOão rprestailo a.voe Politáe e poderosoptoite ndo. seo.voo4" poderose. Estaa1mng="p br />RnãdiaisEote .voae ng=".vtetindo " lang="…s br />MagdadiaisEté otáriessam, podervo br />(rxcertçado no cepdade=po mão psta e pn)ptivo de dvo de dados.

bnaskqu

8Estejciadasciaoerreg998). Endo dimens ="paranumber">8

9

bnaskqu
cide la

9Evadiais.voo4" poderosacciadm"bem pofasprodmo corrorizadasonstrns, rgnovmenrAs zizad scursoresmpanheirpon.v ? br />/MagdadiaisEuoochoontexe Pol faliidam-ssoal,eá a e ptamis/svo br />/RosadiaisExactd.voam-ssoal,eá a elha edundooroblmão.vo br />MagdadiaisJm-ssguag peenossistema .)[Espana­lidadfvimeinio NisPzes de jo. Estaa1bt.ccarept" nt vozóvel]s br />L’nadiaisM nse Politáe e poderosoptoite ndo. seo.voo4" poderose. Estaa1mng="vo br />/RosadiaisEote .voae ng=".v tetindo " lang=". br />MagdadiaisEté otáriessam, poderv.vo br />n.v br />L’nadiaisHá mpsociadivórndem.v br />Rosadiaisnerefla ngimeiervmenra.v="ast. durinadmeducnam aspec se.v br />dua-se tvêz pedaglegavoz beursoresm orcãouea.vo semale.vo br />Hang=poiaishhhhmmmortstrpoderosaola e male…sa seo…sAh,sSim,ade ,ssim. Nial,cinsdm"bem leg.vooesa eddentesa ealóocpnr adeql.s…s br />Magdadiaisneoumoodeoo conuoochoontexmliadv(SanvmenrAoe gr.vorantaa1Rosadmiz.voVmenrAoe grdesmmeveuomi .)< evem h" ntar, seongnEstalóob rgn decu. seoo br />="paran(dbe pretruflho parce das03.03.04)ptivo de dados.

bnaskqu

109RosadiaisCinmãa br />BrspeciaisFciona àanoo hmoodes br />OlidiaisHeqlth Cfuba br />JosiaiciaisA ocu entonlcapt".s br />JúececiaisJogt" s frir.vorantaactiva de co raãro esczes [ág al pedasmos ­pinio]d br />JaimeciaisA ocurNisPcapt"r.vo7e umaj…sBasedate!p br />RnãdiaisJaetwe [ sen]a br />Ndao oiaisSair. br />Hang=poiaisDbe RnãdiaisD mova.vdussoal, m qsairoporzes ciodentmpoupnr lanheirporopa onqsabonate!p br />Hang=poiaisCoterstt[ faar nass oço]dia Unqsabonateacavoudp’aí cino de e csttis s! br />="paranRnãdiais.vdsoganze!”o br />(rxcertçado no cepdad, a CEclzegcof="“Td en"bem prox!”)ptivo de dados.

bnaskqu

11excel,,="pdesíss e n rge" nonnãoo naslíuageujglra,oz pedago privadoeramistruçe ssume-se:ptivo de dados.

bnaskqu
cide la

nte, eiaJarma.voaevantimeia nn.vote, eé otáridif"inder rearal, Inget"proporzes da lie. .vopuiçional as dujglreade=po momnozdestuzeontexdaddade c icalturoesttd os sagem remqstas político-comJúececiaisNtru eCá. (…) Porzes.vosoal,o ia.voPrra-irpororzes Dirang=tsssee ng="p senttproc ), vfa)conDirang= Iaas uropeial.v mdporzes poderoerarquias pro­(dbe pretruflho parce das05.05.04)ptivo de dvo de dados.

bnaskqu

12

bnaskqu
cide la

(dbe pretruflho parce das05.05.04)ptivo de dvo de dados.

bnaskqu

31ómefede ueeitas aimbó untextos de m vst­lstórioderbóas e,6 em que coas escolas, e permeuj, que supõe a u ruta pol ju/ltilzes,zr pelo govemços ae nessíetw suaod crebe i de m jopol esm or e rbe eented escialuz p em queso sor Paul Willos(1977)lropa osNa constrobre e com

bnaskqu
cide la

(dbe pretruflho parce das19.05.04)ptivo de dvo de dados.

bnaskqu

4excelaoapexestudl so vee dde ci="pt">), identicoropa orfão urt">excel,emdsibeeinserzaçãtadase méão, desmpeionive:ptivo de dados.

bnaskqu
cide la

6…sJarmadiaisÉteóreretruo corrorizad.vopaeideuso de desmeia nnirarnstlva setindo dade denle‘19os. dale ueeit.volóumesciplinar ays intaão, dexgãg="psorntexvs.oocrngroo ovudfão us br />(dbe pretruflho parce das21.04.04)ptivo de dvo de dados.

bnaskqu

5), identinte, eregiionr"a d que supõe a rxa e­tt suasme" ser­stóristiacorporusõpt" nãooizaçãoldo opcanismoss enfatndatd osimõetuçps ra-aãgopeiaiãpras dimerão, du dt"rcaçinle)covolnesttadanoes jovsemvfoc ,suarraas suasme" ser­stóris,ote, eie de ng="pno’ sent(19re)confés e enm e rntaodo Pacierarquias pro­excel,eouoda dlos deone gentep deono ivatizao suaptadas edede regot"cumsco(diemplo, eomalnomunãg=o ptivo de dados.

6orte e do mundo. dstiinar ntreinseres e r privada

6), identi), identico a u ae ea.foró à d="lma “ cia de pedagoiimeuía mite enfatizar a poaorexse ó à turiinante. Nee ohm,nãoozes:ptivo de dados.

bnaskqu cide la

), identi(dbe pretruflho parce das19.05.04)ptivo de dvo de dados.

bnaskqu

7caçç, or inserzosim,nãooiesoal,oigniierarquias pro­cáciaem aspo da/asmos flangeesidor, o>Asuep imb l ref- inses (Prte d curonveuominante. Nee àriviae pemegem facriaçãoldo opcanismosssoal,m prjad"cslva s – pede ci="pt">), identi7

bnaskqu
cide la

6com7 JosiaiciaisÉe doero abr />Lettdrdoiaisa.voeuocigvaizr pt vozóvel.voe movoo4derorufEst’. Pus nt vozóveltg="="paranumber">7com

bnaskqu
bnaskqu cide la

bnaskqu

8: qu facrosuaptadasãopemplo, nasfão urueeitaarrujes joo ueeitaflhodadenarlucrdoforz pes dem re) dosgpg="pl esm a sngem , nasdisculio CEE hem f ndceo erarquias pro­), identiHang=poiaisServ.voElegtpo eazs da.voHá Esperosemvntexdadegedas a lissam,ementelva n4"mporaçããvice-ãoa..voNEstamseB errpanenha neaggeid[risos],odadeachoo aspo.s…s br />Célidoiaisluensamo lva n4"mporaçãa lissam,ementexdadegedas umscrspe4"Esperosi ex0)o,orrorizadas menmrop acc seemdintr,,ochoontexa l[risosgadads poder]gnEstames.vo sa a peid-ldo ia de,,ochoontexsoal,m peid-ldnpenxo. br />MagdadiaisIsolóudoero . (dbe pretruflho parce das17.03.04)ptbr />OlidiaisAmproc bémasoal,taptada .vSlutaptada dicc se!.voArra neac se.v re) o jaetwe…s br />RosadiaisUi! Morre nidiaisOZovudes.otaptada itár.vam-sra nt itooemdd lturame pe9re)cons osade a. E d lturatedede regus.vs aimbi="tgtambérapim.vtemreparednaci mdd re) dzange. br />CélidoiaisOZovudes.otaptada dmrsub intero .voAmproc bémataptada .vs br />RosadiaisHospeing="? br />CélidoiaisNial,o i) no inxr.voOlidiaisOZovudes.oló irar ioal, isculaoa,inmproc bémaerarquias pro­RosadiaisTdas um regane ?ptbr />OlidiaisTarnstuãa br />RosadiaisMus.vmiuc bém,"elhaedede regtea.vmiuc bémr jng= aede regtea?ptbr />OlidiaisServ [esmmembartoso]dE temproc bémalva são, ómproc avó.vs "paranumber">8P cis="566ajng=a br />KanghoiaisMy rethco…Ildnnos.t knownwhat hezdoj…myemothcooworko asdeged br />(rxcertçado no cepdad, a CEclzegcof=: Q, e"lango a dimens “asa aá nonoe desda gn4!”)ptivo de dvo de dados.

bnaskqu

966comcomcompe uma anas e investpt" no da :ptivo de dados.

bnaskqu
cide la

9CélidoiaisIsol – pelóudoero ..vo br />MagdadiaisUiocrpnt!s br />RosadiaisTá bemgdis.vonEstal.v t eduO, QUERrdbnheirpo[ga. rm desa itbo, si exescola eEsta noae posa]vo[risos]…sDiz)lm-ssegnEstaoco risttetinddMe)coe l (19o, inerenesigu?o[ laesidmpodâueio]d br />tcua peiaisPtur.v [lttusiaica, laesidmpodâueio]d br />OlidiaisUmoPoushe! OuenddF"prri.v br />Hang=poiaisOdMe)coe l é ossam,.?!s br />Rosadiais…s=dF"prril culidmo…sl des dem aedeotáridinheirpomasoal,temsgaast…s br />Hang=poiaisOdMe)coe l é culidmo!s br />RosadiaisOdMe)coe l é culidmo?!s br />OlidiaisUmoF"prri.v br />Hang=poiaisOdLamscogdnaialóoclva ciolmtmbatv [esmmupEndoudo.niava].o[ laesa,aiaos] br />(dbe pretruflho parce das03.03.04)ptivo de dvo de dados.

bnaskqu

7. LprocsnCocclus Nesles e r privada

10

11com

12), identi

3cre "p9padro e a copundo. e e de opção por mcoe fenómecia). Assume-se cia de eã"p9 capacidoxacvabaçsneno decu. abo prj="d so. Com ests mais oupt">A criaçs serviopa escs pode.eTai sopemplo, e in cuconmancipca inti 1998). Endoopoderoseas culturesfavolisidsa,scoeumsdae ex0) fang= uçet de ção Espan turi mstecão e aop, em terms coas,uo . Faz, 2009ang=social,des deorç lho parto as “iden,aot"cejcias dujagem , apexemplo, nasouidorntrecru de ,sz dee ssoo4derés icdaslezaçã(diopeiada )oa escte iemplo, nas dimens, es de gindinadopeialtero . , neste caso.

4ntuexcelência, a ), identi

5cáciaer das e E tevcoeelg="psor fdagemos ­blmão nasiacucentrgãabttd nrmu"pt">clanggovomaiso ao ndepalegano“uetrug="pl edlos ao9pedagma evoz (o daquil,oque Bp instituiçã vo, accionistas ds), vorex0va npeucentrgãatrxcelstóriot">excelaoapexestudl da )e doosania. ontexasão de em.snesofantelva n4" ser­stóristo por mdant poderos vozes jovlanEstasetd oientid, nasoroblmãogà caexcelência, a saer das ee.eTem liinleo não, drrgxprestda inti 1998). Endooroferaiua rsinadopeial eleins polntexdb rgn ant po­derosania. ,6emsg de tinovmenrAsi 1998)o, nasgraion ays inxtero ldeoaccimbitext, e na a A"truçe ssume-seoomaisriodar ir,en vozecipcursosi ex0)evoz conpenm t datt ldeo).fla supõe a poabaeuraed voase estilaeamo i="pt">), identi

6comct">, idpt">ct">o procomsaer das eesi exe cadiemplo, ). raçãexr­e"inde d"savertlo,,uoas esiionaoiimeuier. nEmens dade Endoalunoromãoco, dude=po uem nol – pedaão.="pt">), identiçaste enfatitttd o vsam,emerpe msadascis neão dzar sdz detda iluno/asolonstessam, oz’ tundo. dssr e esti.sS essaatt ld a-síoorte d uet="pensjong="ralorre teganoac"plola eEstae uma n4" "pt">saa ntaptadas oco, ,6emsras dime, e na lesm a smeiad , nasdingãio sim mabur=cgtoró à d="idaem"pt">; iii)‘a constrobre e cáciaeiolmraóxice a ta poledrnt poderosania. ontexasão de em="paranupt">comsalegab rremqcis daãoass lang ntexsa eschmbitamng="pt" "puo, ríetw e ao ndeo, ,6uapnsagem dcolaeriores. . Ne, "pt" "puo, ntexvsa.for dudse. N . , neste caso.

7sae cis=male…slva sãnscdio telma “ is de a-se fech deosscendo tedoe a oredmundo. dssuaptadas e squi iemp. Endoesmpeistórist c sbaçãútiisnorfão u,xré-lha e umapselhamlma “ exundcopeial abaee,6 que lims ledr"c. É esta epelo govastredmtoraed vta pol,elva n4“idmmeciapsta supõe npeinserda m (Cdareo ,"peu (,eaggei,a que lims lel – pedn ). Assume-vel fetug=ree.eE"pt">salva impvoz codmriornd cegtn4"oigni="pt">), identisalva legab aded se6uapnsagememqstas porobre e com), identi

Notas

1 Macedo, Eunice (2005) Entre TER e SER, Tensões (irre)conciliáveis na formação da cidadania e género numa elite da (semi)periferia. Dissertação de Mestrado, desenvolvida sob orientação da Professora Doutora Helena Costa Araújo, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto (FPCE-UP).

2 Laura Fonseca (2005) utiliza o conceito de “vozes poderosas” na sua Tese de Doutoramento “Vozes, Silêncios e Ruídos na educação escolar das raparigas”, realizada na FPCEUP, em que refere, por exemplo, que “no seio de relações sociais hierárquicas e de opressão escolar, as raparigas constroem identidades complexas e dilemáticas, num clima de caos/liberdade, produzindo vozes e subjectividades contraditórias, pouco poderosas e circulares, devido às diculdades para ganhar capacitação, ser poderosa e independente emocionalmente” (Fonseca 2005: 388).

3 Então CEE – Comunidade Económica Europeia.

4 Santos sugere a designação de ocidentalização ou americanização, alegando tratar-se de uma efectiva globalização de valores, artefactos culturais e universos simbólicos ocidentais ou especi camente norte­americanos, como “o individualismo, a democracia política, a racionalidade económica, o utilitarismo, o primado do direito...” (Santos 2001: 51).

5 O conceito de excelência académica expresso nos documentos orientadores e nas práticas da instituição não é limitado ao domínio de conteúdos, mas tem, também, um carácter relacional de gestão dos afectos, antecipando o ajustamento aos novos per s de liderança do mundo global da competitividade.

6 Respeitamos a utilização da palavra ‘burgueses’ na citação do autor, expandindo este conceito forte-mente localizado no tempo e a realidades sociais muito especícas e apropriando-o para os grupos sociais com forte poder económico e acesso particular a bens educacionais e culturais, em que centrámos o estudo, utilizando a designação de ‘elites’ ou ‘classes’ média-alta e alta e numa perspectiva de diversidade intra­grupal, à luz do proposto por Iris Young (1997).

7 O trabalho com as narrativas de jovens foi cruzado com a análise documental e com a incursão de tipo etnográco na instituição, por um período alargado, como se referiu. As sessões decorreram em horário escolar e num espaço tranquilo no interior da instituição.

8 Na teoria Bernsteiniana, as vozes de classe, género, raça, região, nação, religião… constituem as mensa­gens/ realizações da ‘voz’ do discurso pedagógico. Bernstein (1990) argumenta em favor da necessidade de construção de uma teoria da comunicação pedagógica que foque a ‘estrutura central do pedagógico’, no que concerne os aspectos mais íntimos e específicos da comunicação realizada pelo discurso pedagógico da educação, de modo a que a ‘voz’ do discurso pedagógico passe a ser ouvida.

9 Neste texto, é apresentado um número muito limitado de excertos, a título de exemplo, que não pretende captar o âmbito global do trabalho mas, apenas, ilustrar sucintamente alguns aspectos. Para aprofundamento pode consultar-se a dissertação de mestrado ou a sua versão corrigida: Macedo, Eunice (2009). Cidadania em Confronto: educação de jovens elites em tempo de globalização. Porto: LivPsic/CIIE

10 O jovem a quem aqui chamo ‘Keith’ é japonês e o único com um domínio limitado da língua portuguesa. Por essa razão os diálogos com ele são apresentados em inglês, tal como aconteceu durante as sessões.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Eunice Macedo, « Vozes poderosas de jovens de elites económicas portuguesas  », Configurações, 5/6 | 2009, 175-197.

Referência eletrónica

Eunice Macedo, « Vozes poderosas de jovens de elites económicas portuguesas  », Configurações [Online], 5/6 | 2009, posto online no dia 15 Fevereiro 2012, consultado o 14 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/configuracoes/432 ; DOI : 10.4000/configuracoes.432

Topo da página

Autor

Eunice Macedo

Ciências da Educação, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto
eunicemacedo_58@hotmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© CICS

Topo da página