Navigation – Plan du site
Resenhas

Apontamentos sobre o livro “Historia de una montaña”, de Élisée Reclus

Quelques questions sur le livre “Histoire d'une montagne” d'Élisee Reclus
Notes on “Historia de una montaña”, by Élisée Reclus.
Ricardo Jose Nogueira et Olivia Pires Coelho

Résumés

Cet article aborde l´ouvrage “L´histoire d´une montagne”, d´Élisée Reclus, géographe et activiste anarchiste français. On y présente aux géographes et anarchistes brésiliens, cet ouvrage de cet illustre et méconnu géographe français. On y décrit les circonstances qui entourèrent la rédaction de l´ ouvrage à partir des lettres échangées entre l´auteur et son éditeur lorsque l´auteur se trouvait en prison. On y analyse ce livre d´Élisée Reclus en montrant l´habilité de l´auteur à faire coexister dans un même ouvrage la rigueur du discours scientifique et les rêveries d´un géographe épris de la Nature.

Haut de page

Texte intégral

Afficher l’image
Crédits : Hervé Théry
  • 1 Para este artigo utilizou-se da edição espanhola de 2008, de José J. de Olañeta, Editor, Palma de M (...)

1O objetivo deste artigo sobre o livro “Historia de uma Montanha”, de Élisée Reclus, publicado pela primeira vez na França em 18801, é mostrar uma parte das circunstâncias em que o livro foi escrito, comentar diversos capítulos do mesmo e, enfim, dar ao público da Geografia brasileira e dos militantes anarquistas admiradores de Reclus, uma ideia da amplidão da obra deste geógrafo que morreu há pouco mais de um século. Além dos 19 volumes da sua “Geografia Universal”, dos 06 volumes da obra “O Homem e a Terra”, de inúmeros trabalhos geográficos e dos escritos anarquistas, Reclus escreveu dois livros considerados, por seus biógrafos, gêmeos: “A História de um Riacho” (1869) e a “História de uma Montanha” (1880).

2Sabe-se que sua vida não foi tranquila em função de sua militância política no movimento anarquista desde sua juventude, quando, aos 21 anos, foge com seu irmão Elias para a Inglaterra após impor resistência ao golpe de estado de Napoleão III em 1851, no movimento conhecido por Comuna de Paris (GIBLIN,1986, p.18). Outras fugas, prisões e exílio ocorreram ao longo de sua vida. É importante dizer isto porque o livro “História de uma Montanha” tem uma história associada à sua atuação política.

  • 2 . As cartas de Elisee Reclus, publicadas em três densos volumes, pela Librairie Schleicher Freres, (...)
  • 3 . Reclus não gosta dos desenhos de Benett nem da ideia de um desenho feito à distancia. Ver FERRETT (...)

3Embora tenha sido publicado somente em 1880, o livro “ Historia de una Montaña” começou a ser escrito logo após a publicação do livro “Historia de un Arroyo”. Isto pôde ser comprovado a partir das leituras de suas cartas2 em que ele, da prisão, escreve ao editor sobre a continuidade da obra (FERRETTI,2012). O editor, Pierre- Jules Hetzel, muito prestigiado em Paris, pois era o editor das obras de Victor Hugo, Pierre-Joseph Proudhon, Julio Verne e outros, tinha muito interesse na publicação da obra, visto que ela fazia parte da coleção “Bibliothèque d`éducation et de recréation”, destinada aos adolescentes, sendo inclusive distribuídos como prêmio aos alunos destacados. Hetzel havia inclusive encomendado 17 ilustrações a Leon Benett, responsável pela ilustração da obra “A volta ao mundo em 80 dias” de Jules Verne, para compor o trabalho de Reclus3 (FERRETI, 2009).

4Em 11 de julho de 1871, da prisão em Brest, região da Bretanha (França), Reclus escreveu a Hetzel perguntando se podia continuar a escrever a sua “História de uma Montanha”, que a guerra havia interrompido. Reclus, preso, dizia que precisava escrever este trabalho para poder ajudar sua família na viuvez e na orfandade, uma vez que sua esposa Clarisse havia morrido dois anos antes. Em outra carta, datada de 29 de julho de 1871, redigida do Hospital de Trébéron, na mesma cidade, onde ele foi internado, Reclus se coloca a disposição para fazer as mudanças necessárias no livro propostas pelo editor, uma vez que ele, Reclus, afirma saber que até aquele momento o livro anterior, “Historia de un Arroyo”, não rendeu nenhum benefício ao editor, e não quer que isso aconteça com o livro sobre a montanha. Por isso mesmo, autoriza Hetzel a utilizar parte dos livros no “Magazine d`Éducation” e em outra publicação popular.

5Nesta mesma carta Reclus tece comentários sobre a ‘lição’ infligida pela Prússia à França, derivada da superioridade de instrução deles, e que os franceses devem tirar proveito disso a partir de um grande movimento realmente nacional, e não de nenhum governo, voltado à instrução. Citando Fichte (filósofo alemão), diz que a luta das armas acabou, devemos começar a luta dos princípios, dos costumes e do caráter. Esta é a verdadeira maneira de combate. Ainda no Hospital em Brest, Reclus, preocupado com a sobrevivência de seus familiares, escreve a Hetzel em 6 de agosto de 1871, sobre o pagamento do trabalho, dizendo que sua mulher ou outra pessoa irá buscar o pagamento cada mês, e que ele, Reclus, aceita fazer as traduções de alemão, inglês, pois sua cabeça ganharia liberdade com este trabalho relativamente fácil.

6Após seu julgamento e a decisão pelo exílio na Suíça, Reclus escreve ao seu editor em 27 de março de 1872, de Zurich, agradecendo, de coração, a todos pelo apoio recebido, e diz “Eu estou aqui em plena montanha. Do terraço eu contemplo o imenso anfiteatro (...) Decididamente, eu estou bem melhor aqui que na prisão para redigir “A História de uma Montanha”(www.storicamente.org)!

7A sensibilidade de Elisee Reclus pela paisagem é a marca de grande parte de suas obras, e as montanhas o fascinará desde cedo. Elias, irmão de Élisée Reclus, conta que quando eles eram jovens e descobriram o mar Mediterrâneo do alto da montanha, Élisée, tão comovido, mordeu o ombro do irmão até sangrar (Giblin,1986:16).

8Contratado pela editora Hachette para escrever guias de viagens (Les Guides Joannes) para turistas, Reclus começa a fazer viagens a pé, pois não se contenta com bibliotecas. Escalava com facilidade as montanhas, pois adorava contemplar as admiráveis paisagens das montanhas. É importante destacar que em 1861 publica seu primeiro trabalho, que ele próprio qualifica de literário, intitulado “Viagem à Serra Nevada”, resultado de seu primeiro exílio e vivência na Colômbia. E em 1862 publica o Guia dos Pirineos.

A história de uma montanha4

  • 4 .Este livro recebeu inúmeras publicações em francês, espanhol e italiano. Segundo Labajos, que pref (...)

9O primeiro capítulo do livro, intitulado O Asilo, é bem representativo da vida agitada que teve o geógrafo anarquista, uma vez que a montanha significava para ele refúgio nos momentos de tensão e de tristeza. Escrito, em parte, na prisão e logo após a morte de sua primeira esposa, relata que estava triste; que a vida havia sido dura com ele, pois levou seres queridos e queria escapar a qualquer preço para encontrar força e tranquilidade mental. O destino foi subir a montanha! Mas ao mesmo tempo, seu saber geográfico, carregado de sensibilidade, permitia que este passeio não fosse apenas para escapar das tristes recordações; deixava-se, também, penetrar pelas impressões do meio e desfrutar dele sem se dar conta. Ele amava a montanha: amava seu rosto calmo e soberbo iluminado pelo sol quando nós estamos na sombra; amava seus ombros vigorosos carregados de gelo de reflexos azulados(...) amava tudo da montanha, até seus musgos amarelos ou verdes que crescem sobre a rocha; até a pedra que brilha em meio à erva. Sua relação com os moradores das montanhas permitiu compreender melhor os fenômenos naturais.

10No capítulo seguinte, começa narrando a visão que se tem da montanha vista da planície: parece um pequeno cone dentado que se eleva no horizonte. Porém, para conhecê-la em sua totalidade, há que subir cada vertente, penetrar nas gargantas. Aí se assiste o grande trabalho geológico das águas que descem em todas as direções; do mesmo modo, o vento trabalha para dar uma forma irregular. Contudo, num piscar de olhos, a montanha pode sumir envolvida num vapor que se eleva. Reclus consegue reunir todos os fenômenos na apreensão da montanha.

11Rochas e cristais compõem o tema do terceiro capítulo. Reconhece a grande diversidade de rochas, e que, um mineralogista, com um martelo na mão, pode recolher milhares de pedras diferentes pelo aspecto e pela estrutura interna. Isto permite ao geólogo contar a história da montanha. Contudo a origem da montanha, tema do próximo capítulo, está muito além da explicação cientifica. Reclus vai buscar na mitologia de diversos povos como estes transmitiam aos seus descendentes a criação da montanha. Da Grécia, fala dos Titãs, que revolveram os montes de Tesalia para construir muralhas em torno do Olimpo.

12Os fósseis não passam despercebidos para Reclus. Segundo ele, estes restos de plantas e animais, de diferentes épocas conservados nas rochas, servem para reconhecer a idade relativa da montanha. Sobre a destruição dos topos das montanhas, o geógrafo, ao reconhecê-la como um verdadeiro laboratório natural, diz que ela resume todas as revoluções geológicas, pelo constante trabalho dos ventos, das águas e das mudanças de estação; que aí está a história do planeta, uma destruição incessante e uma renovação sem fim.

13No capítulo dedicado aos desprendimentos que acontecem nas montanhas, Reclus, dá atenção ao relato do montanhês, quando narra os desprendimentos de grandes rochas e os estragos realizados em seu caminho. Mais ainda, relata lendas associadas à imagem construídas sobre as rochas. Com sua visão de militante político, não lhe escapa relatar como os montanheses utilizam seu conhecimento para defender-se de ataques estranhos. Sabendo o caminho de subida e descida da montanha, conseguem provocar desprendimentos de pedras sobre os inimigos. Assim os Bascos conseguiram massacrar o exército francês.

14Uma fantástica aula de climatologia aparece no capítulo dedicado às nuvens e sua relação com as montanhas. O ar e os vapores se alteram segundo as altitudes. Nestas as moléculas estão duas vezes mais separadas que nas planícies. Isto proporciona mudanças na cor da luz, no calor, nos ventos, na vegetação; na altitude também se respira um ar melhor que nas cidades, lugar que, segundo ele “estamos condenados a uma atmosfera contaminada, que recebemos em nossos pulmões um ar totalmente carregado de venenos...”. Em completo devaneio, Reclus busca uma comparação entre as nuvens e as montanhas, dizendo que as nuvens formam verdadeiras montanhas; são montes de vapor flutuantes e fugidios, pois umas correntes de ar as formam e outras as dissolvem, ou seja, sua duração é de apenas umas horas, enquanto o tempo dos montes de pedra conta-se em milhões. Num momento de reflexão, pergunta-se: “Mas, na realidade, é tão grande a diferença? Relativamente, à vista do globo, nuvens e montanhas são, por igual, fenômenos de um dia. Minutos e séculos se confundem quando entram no abismo do tempo”.

15Talvez pelo fato do livro “A Montanha” ser dirigido à um público de jovens, e, possivelmente, também pela prática da escrita dos Guias Joannes, dirigidos aos turistas e viajantes, Élisée Reclus, tenha conseguido articular muito bem o discurso cientifico sobre a montanha- sua formação, características, processos, combinando as variáveis presentes em sua estrutura física- com um discurso poético e carregado de imaginação, antecipando em algumas décadas o que o filósofo Gaston Bachelard vai propor em meados do século XX como uma metafísica da imaginação. Bachelard não leu Reclus! Que pena. Do mesmo modo, na obra prima de Eric Dardel(1952), “O Homem e a Terra”, encontramos apenas uma breve menção a Reclus.

16O capítulo sobre “A Névoa e a Tormenta” inicia com Reclus descrevendo a sensação temível e fantástica de andar na montanha em meio à névoa. Segundo ele, os objetos parecem ganhar outras dimensões: “algo vago e obscuro parece avançar sobre nós como querendo agarrar-nos. É um ramo, uma árvore? Talvez só uma mata de ervas!” Certa manhã, conta ele, parou cheio de estupor e admiração à frente de uma árvore gigante, que retorcia seus braços como um atleta, pronta para enfrentar uma tormenta. Quando a luz do sol venceu a bruma, viu que era apenas uma pequena árvore. A sensação de medo está sempre presente nestas circunstâncias de nevoeiro sobre a montanha, uma vez que os vapores, que sobem e descem, turvam a percepção. Vapores que nem sempre estão no topo da montanha, mas no meio dela, permitindo que quem esteja no topo veja de cima as mudanças que ocorrem. Ele conclui este capítulo narrando a experiência que teve ao avistar de cima de uma montanha uma tormenta e desceu correndo, numa alegria frenética, para entrar no meio dela e participar daquele conjunto de elementos que aconteciam: chuva, trovões, raios, relâmpagos, granizo. Sentiu como que fazendo parte da própria tormenta.

17A neve não poderia estar fora das observações sensíveis de Reclus, e constitui o décimo capítulo da obra. Esse manto branco, como falam os poetas, diz o geógrafo, tende a uniformizar as vertentes das montanhas, apagando aquele aspecto áspero, selvagem, deixando-a com contornos puros e suaves, de curvas majestosas. Tudo está gelado, tudo repousa sob um imenso lençol; árvores com seus ramos suportam uma carga de neve sem se romper. Reclus não esquece os perigos que rondam os viajantes que, durante o verão, caminham comodamente na montanha, mas no inverno se expõem a cair num abismo. Até as casas dos moradores das planícies, cobertas de neve, praticamente desaparecem, restando apenas uma pequena fumaça azulada indicando a presença humana. Diante disso afirma: “Nunca o homem me apareceu tão ínfimo! Dentre os perigos, a morte é o maior deles, e Reclus faz referência a isto dizendo que no passado, sobre os restos humanos encontrados na montanha, amontoavam-se pedras sobre o corpo, e que esta tradição permanece como que uma homenagem do transeunte àqueles que pereceram na montanha.

18A mudança de estação altera a montanha e a percepção sobre ela. Na primavera cada barranco mostra claramente o seu trabalho de destruição, cachoeiras, desprendimentos, avalanches, neves, rochas e água, tudo se confundindo entre si e descendo pela planície. As avalanches, assunto do capítulo onze, são para os montanheses o que o fogo de carvão é para o mineiro. Sem a proteção dos bosques, a neve intensa pode “engolir” residências e pessoas. Apenas os ricos podem reerguer suas casas na montanha; os camponeses pobres, nem com a ajuda de toda comunidade, poderiam se esculpir no pé da montanha nas avalanches.

19Mesmo no verão, quando toda neve se derreteu com o sopro dos ventos quentes, ainda há a geleira no topo da montanha, permanentemente, como um inverno local. Reclus, no capítulo doze, considera as geleiras como a morte ao lado da vida, o brilho do sol refletindo no gelo. Do lado de um mundo alegre há a geleira com o seu terrível silêncio e aparente imobilidade. Reclus observa o movimento peculiar das geleiras no topo da montanha, com lentidão, mas com uma força invencível, trabalha como o vento, como a neve, como as chuvas. Ali em cima, as nuvens se confundem com a neve.

20Reclus inicia o capítulo treze questionando sobre o impacto dos pequenos fenômenos na história da Terra. Estes podem parecer pouca coisa ou não ter muito efeito. Que impactos teriam fenômenos como o trabalho da geleira em dia de verão? Sua massa, avançando com incessante esforço, progredindo apenas alguns centímetros. Apesar de que tudo parece preservar a aparência habitual, a natureza é uma obra de renovação perpétua. Estas pequenas transformações acontecem cada dia, cada minuto e terminam por ocasionar verdadeiras mudanças nos aspectos da terra, verdadeiras revoluções geológicas. Os seixos, pequenos fragmentos de rocha, se amontoam pouco a pouco no pé da montanha, formando – lentamente – muralhas de rocha. Uma transformação significativa na paisagem, que só pode ser observada com um olhar bastante dedicado. Neste capítulo, Reclus observa o fluxo das transformações na montanha: a morrena é o conjunto de sedimentos depositados pelas geleiras, formando uma estratificação na paisagem da montanha; aparecem diferentes tonalidades e materiais na vertente montanhosa, condicionadas pela temperatura nas diferentes altitudes da montanha.

21Durante o verão, quando o gelo e a neve saem da montanha e derretem, aumentando o fluxo dos cursos d’agua, as diferentes altitudes oferecem condições físicas para distintos tipos de vegetação: musgos, folhagens, arbustos, flores. Reclus, abrindo num capítulo dedicado à vegetação, descreve detalhadamente o verde que observa na montanha, desde as diferentes cores das flores às árvores frutíferas, elementos que fazem parte da alegria do verde trazida pela primavera, contrapondo-se ao gelo e a neve na paisagem da montanha. A minuciosidade da observação de Reclus na vegetação da montanha contempla árvores, flores, arbustos, musgos, gramíneas e tudo que pode ser alcançado com o olhar, até o pequeno verde que fica sobreposto às rochas empilhadas ao pé da montanha. A presença de grandes árvores em volta da montanha é limitada pela ação humana; corte de árvores causam uma modificação da paisagem e no sentimento de veneração da natureza. Essa vegetação da montanha nos dias de frio serve para aquecer os camponeses com lenha, mas Reclus questiona a intensidade desta prática para enriquecimento e questiona também sobre o respeito aos bosques.

22Os animais da montanha, que compõe o conteúdo do capítulo quinze, podem não ser tão numerosos quanto a sua vegetação, mas o olhar atencioso de Reclus contempla minuciosamente os seres que habitam a montanha, mesmo que não permanentemente. Mariposas, insetos, roedores, ovelhas dos pastores das vizinhanças, as aves que sobrevoam a montanha, todos fazem parte da paisagem animada e viva. Neste capítulo, Reclus também articula o imaginário e a representação social dos animais com os aspectos sociais da vida cotidiana. Por exemplo, a Águia, uma ave carniceira que os senhores das terras escolhem como seu emblema. Nesta breve passagem é possível identificar um posicionamento anarquista em relação aos animais, pois Reclus os considera enquanto seres importantes para a dinâmica da montanha, necessários, não os vê como irracionais e submissos aos humanos.

23Os naturalistas que estudam os seres vivos da montanha, as plantas e animais, não se limitam apenas ao conhecimento dos seres em si. É preciso compreender a dimensão do domínio, a distribuição de sua raça e sua história. Não é possível determinar com exatidão todos os aspectos físicos que levam uma flor a nascer em determinado lugar, mas podem-se estudar as condições de clima e solo que se encontram nos limites entre as espécies. Podem-se estudar os contrastes. Cada montanha é, por suas plantas, como uma espécie de resumo de todo o espaço que se estende desde a sua base às regiões polares, através dos continentes e das águas, portanto, é preciso pensá-las enquanto únicas, específicas, sendo cada uma, um planeta. Um grande fator da diferença entre as montanhas é o clima, este pode influenciar na dinâmica da flora e fauna, temperatura, forma e humanidade. Cada povo se relacionará de maneira diferente com a montanha, podendo até significar um limite natural, ocasionando ódio e desprezo entre as nações por ser um muro invisível.

24A fraternidade e a liberdade são essenciais para a vida em comunidade. Uma das grandes causas que contribuem para manter a independência de certas comunidades nas montanhas é que, para elas, o trabalho solidário e esforços coletivos são uma necessidade – cada ação individual é essencial para a prosperidade geral. Reclus comenta neste capítulo sobre comunidades nas montanhas que são mais felizes por não terem sofrido com as guerras e exércitos em marcha. Aqui o “primitivo” significa liberdade para as comunidades se estabelecerem em organizações sociais autônomas e fraternas nas montanhas. Essa é uma perspectiva anarquista, ainda vivenciada em comunidades autônomas atualmente ao redor do mundo, nas montanhas ou não.

25A adoração da natureza existe em diversos aspectos, adoração das águas, do vento, da terra. Reclus indica a adoração das montanhas em exemplos como o Monte Olimpo, onde residiam os imortais, os montes da Ásia central, as grandes montanhas do Himalaia, El Guari Sankar, onde o pico atravessa o céu – são atribuídos significados espirituais de adoração, contemplação às montanhas. Neste capítulo, Reclus reúne inúmeros exemplos de montanhas com significados metafísicos e as suas características sagradas. Apesar de sua adoração pelas montanhas, Reclus, com seu ateísmo, resiste em considerá-las divinas, como os camponeses que nela habitam.

26O monte Olimpo, na Grécia, é conhecido por ser o lar dos deuses imortais, a mais alta e bela montanha sagrada dos helenos, o “monte luminoso”. Reclus aborda aspectos da mitologia grega neste capítulo e, minuciosamente, detalha os aspectos físicos considerados divinos no Olimpo e em outras montanhas, como os Andes, as planícies do Norte da Alemanha e Dinamarca. As montanhas, nessa visão, podem ser consideradas o lar dos deuses, um lugar sagrado. Este capítulo é dedicado a explorar detalhadamente os aspectos sagrados das montanhas.

27A adoração, a veneração das montanhas vem desde os tempos antigos. Os cristãos difundiram este culto por todos os lugares, coroando cada uma das montanhas com um templo. Reclus procura mostrar neste penúltimo capítulo as contradições imaginárias em torno da montanha. Deuses e gênios, ocultos nas rochas e grutas das montanhas, são as personificações do que o homem teme e deseja. Os espíritos da montanha – bons e maus – são responsáveis, ora pelas maldiçoes –queima dos pastos, morte do rebanho – ora pelas benevolências e favores que propiciam o aumento das atividades produtivas.

28Enfim, no último capítulo, intitulado “O Homem”, Reclus mostra toda a capacidade humana de submeter a natureza aos seus propósitos. De subordinado da natureza, seus mitos, lendas e deuses, o homem agora escala, conquista o topo de todas as montanhas, perfura-a, constrói teleféricos, túneis, retira minérios, etc. Destaca a importância da educação em todo esse processo e o papel fundamental na montanha na aprendizagem. Afirma que estamos às vésperas de realizar mudanças transcendentais na natureza e na vida da humanidade. Cada povo, diz ele, dará novas roupagens ‘a natureza circundante, dará a medida de seu próprio ideal: se sensível, a natureza será bela; se egoísta, falsa e grosseira, a natureza será feia. Encerra o livro narrando seu choque ao descer da montanha e ter voltado ao grande tumulto dos seres humanos.

« Considerações finais

29Diversos trabalhos vêm sendo publicados no exterior sobre a vasta obra deixada pelo geógrafo Élisée Reclus. Isto certamente contribuirá com a própria história do pensamento geográfico, visto que parece ser consenso a pouca atenção dada aos seus trabalhos ao longo da edificação desta ciência. Como anarquista militante e geógrafo suas contribuições aparecem no ensino de geografia e seu significado para uma sociedade fraterna.

30Neste livro é perceptível a capacidade de conciliar seu conhecimento geográfico, quando compara, combina e integra elementos diversos para demonstrar todo o universo dinâmico que existe numa montanha. Mais que isso, consegue fazer uma geografia sensitiva, valorizar o imaginário, colocar-se como sujeito envolvido e também dar voz aos habitantes da montanha, sem perder o caráter cientifico. Obra grandiosa, como as grandes cordilheiras que quebram a monotonia das planícies.

31Andrade, Manuel C. – Reclus. Coleção Grandes cientistas Sociais, São Paulo, Ed. Ática, 200p.1895.

32FERRETTI, Federico. Elisée Reclus, Lettres de prison et d`exil. Lardy, A la frontiere, 159p, 2012.

33FERRETTI, F. La verité du regard: L`Idee du paysage chez Elisée Reclus. http://www.projetsdepaysage.fr/​la_verite_du_regard_l_idee_de_paysage_chez_elisee_reclus_ Acesso em 25.jan.2015.

34RECLUS, Élisée. “El Hombre y la Tierra”- Mexico, Fondo de Cultura Economica, 399p,1986 (introducion y seleccion de textos por Beatrice Giblin).

35RECLUS, Élisée. Histoire d`une montagne. Paris, Acte Sud (Collection Babel), 227p, 1988.

36RECLUS, Élisée. Historia de uma montaña. Barcelona, Jose J. de Olañeta, 237p, 2008.

37http://www.storicamente.org/​01_fonti/​reclus-hetzel_lettere.htm. Acesso em 30.jan.2015.

Haut de page

Notes

1 Para este artigo utilizou-se da edição espanhola de 2008, de José J. de Olañeta, Editor, Palma de Mallorca, com tradução de María Tabuyo e Agustín López. Não há edição em português.

2 . As cartas de Elisee Reclus, publicadas em três densos volumes, pela Librairie Schleicher Freres, Paris, 1911, podem ser acessadas em http://gallica.bnf.fr

3 . Reclus não gosta dos desenhos de Benett nem da ideia de um desenho feito à distancia. Ver FERRETTI, F. La verité du regard: l`Idée du paysage chez Elisée Reclus http://www.projetsdepaysage.fr/fr/la_verite_du_

regard_l_idee_de_paysage_chez_elisee_reclus

4 .Este livro recebeu inúmeras publicações em francês, espanhol e italiano. Segundo Labajos, que prefacia a edição utilizada para este artigo, a Ediciones Populares Iberia, da Espanha, publica um volume em 1932 com o título La Montaña y el Arroyo.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ricardo Jose Nogueira et Olivia Pires Coelho, « Apontamentos sobre o livro “Historia de una montaña”, de Élisée Reclus », Confins [En ligne], 24 | 2015, mis en ligne le 24 juillet 2015, consulté le 10 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/10362 ; DOI : 10.4000/confins.10362

Haut de page

Auteurs

Ricardo Jose Nogueira

Universidade Federal do Amazonas. Departamento de geografia, nogueiraricardo@uol.com.br

Olivia Pires Coelho

Professora de Geografia e Estudante de pedagogia na UFRS, olivia.p.coelho@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals