Navigation – Plan du site
Paraná: olhares sobre as regionalizações

Risco de alagamentos no Estado do Paraná: análise da periculosidade e da vulnerabilidade

Risque d'inondation dans l'État du Paraná: analyse de risque et de vulnérabilité.
Flooding risk in Paraná: analysis of danger and vulnerability
Marcelo Gonçalves et Mirian Vizintim Fernandes Barros

Résumés

Le but principal de cet article est d'avoir une compréhension du risque de catastrophes naturelles dues à des phénomènes d'inondation à Paraná dans la relation entre le risque et la vulnérabilité, suivant le modèle conceptuel de risque. Pour analyser le risque et la vulnérabilité de l'État du Paraná à la survenue d'inondations, la cartographie des événements, de leur probabilité de sensibilité spatiale et temporelle de la vulnérabilité de la population exposée sont devenus indispensables. Ce travail a été élaboré, sur le plan méthodologique, en deux étapes: la première, avec l'analyse du danger dans l'État de Paraná à partir d'études sur la probabilité des inondations et la susceptibilité à la survenue de ces événements; la deuxième, à l'analyse de la vulnérabilité, constitué d'études de la population exposée et les actifs exposés à des événements et de la vulnérabilité sociale des municipalités de l'État. Toutes les variables du modèle de risque conceptuel utilisé dans cette étude ont été élaborées grâce à des indicateurs et des indices qui ont servi à différencier les municipalités en fonction de leur sensibilité, la probabilité, la population exposée, des biens exposés et la vulnérabilité sociale. Ces montants ont été utilisés pour former d'autres produits dérivés des indices pour l'analyse des risques et de la vulnérabilité et, enfin, l'indice de risque à la survenance de catastrophes naturelles liées aux inondations dans l'État du Paraná.

Haut de page

Texte intégral

1O risco é algo que acompanha a humanidade desde o início de sua existência, mesmo que no passado não era calculado como ocorre atualmente. Algumas novas descobertas, seja de fatos ou de fenômenos, podem ter ocasionado o surgimento de processos como o medo, por exemplo, e este fez com que o homem passasse a ponderar determinadas ações praticadas em sua vida.

O medo é um julgamento de que há um perigo real ou potencial em determinada circunstância: surge com a percepção de risco, ou seja, a possível ocorrência de algo danoso. Por ser normalmente percebido como um perigo, involuntário e, em parte, incontrolável, o risco naturalmente provoca o medo (Motta, 2002, p.2).

2Por ser a avaliação mental de estímulos ameaçadores, o medo é um processo cognitivo e não uma reação emocional (Beck, 1979; Bransford, 1979; Beck e Emery, 1985; Barlow, 1988; Bransford e Stein, 1993; Eysenck, 1997; Taylor, 1998). Assim, o medo ao risco de ocorrência de algum tipo de desastre só começou a ser percebido a partir da observação de que algo ruim aconteceu em decorrência de eventos naturais catastróficos.

3O risco deve ser sempre pensado como processo e não como variável em si (França et alii, 2002; Yunes; Szymanski, 2001). Ele pode ser considerado uma medida da probabilidade e severidade de um efeito adverso para a saúde, propriedade ou ambiente e é, geralmente, estimado pelo produto entre a probabilidade e as consequências e, expressa o perigo em termos de danos por período de tempo (Augusto Filho et alii, 2001).

4Os estudos dos riscos, perigos e desastres naturais estão se difundindo em todo o mundo e se tornando cada vez mais multidisciplinar, tomando o centro dos debates, avaliações e estudos no meio técnico-científico.

5Além disso, a evolução dos meios de comunicação coloca a sociedade em contato diário com notícias relacionadas aos riscos, perigos e desastres, sejam de origem natural, tecnológica ou mista, tornando tais temas cotidianos para a maioria da população.

6Os chamados desastres naturais podem ser definidos como aqueles provocados pelo impacto de fenômenos da natureza, produzidos por fatores de origem externa, atuando sobre uma região povoada, podendo, inclusive, ser agravado por atividades antrópicas (Castro, 2003).

7Responsáveis por expressivos danos e perdas, de caráter social, econômico e ambiental, os desastres naturais têm tido uma recorrência e impactos cada vez mais intensos, podendo ser provocados por diversos fenômenos, tais como, inundações, escorregamentos, erosão, terremotos, tornados, furacões, tempestades, estiagem, entre outros (Tominaga, Santoro, Amaral, 2009).

8Isso acontece tanto pela vulnerabilidade da maioria da população, quanto pela ocupação cada vez mais intensa de espaços com maior suscetibilidade às ocorrências de eventos naturais perigosos, sendo que, na maioria das vezes, a população vulnerável habita estas áreas mais suscetíveis.

9No período de tempo de 2003 a 2013 foram registrados no Estado do Paraná 3.262 ocorrências de desastres que atingiram 361 municípios, afetando 7.477.662 pessoas. Destes desastres, 2.351 foram classificados como desastres naturais, tendo atingido 348 municípios e afetado 6.953.464 de pessoas.

10Nestes dez anos foram registradas 171 ocorrências de alagamentos que afetaram mais de 115.000 pessoas em 71 municípios do Estado, sendo um dos desastres com maior recorrência e ocorrência dentro do Estado do Paraná.

11O objetivo principal deste artigo é ter um entendimento do risco de ocorrência de desastres naturais decorrentes de eventos de alagamentos no Paraná na relação entre a periculosidade e a vulnerabilidade, seguindo o modelo conceitual de risco proposto Cunha et alli. (2011) e adaptado por Cunha & Ramos (2013).

Desastres naturais e a análise do risco, periculosidade e vulnerabilidade

12Podemos dizer que os perigos são naturais, mas os desastres, apesar de serem assim denominados, não são. A natureza fornece os perigos na forma de terremotos, erupções vulcânicas, eventos climáticos, etc., e os seres humanos criam as condições de contorno para os desastres ocorrerem (Licco e Seo, 2013).

13A exposição aos perigos naturais torna-se um desastre quando os fenômenos ocorridos são maiores do que a capacidade das sociedades em conter os elementos e as ações decorrentes de tal perigo, isso significa que, uma grande tempestade ou um forte vendaval só se torna um desastre se as sociedades expostas a esses fenômenos (perigos) não possuírem infraestruturas capazes de suportar as forças imprimidas.

14Segundo D’ercole e Pigeon (1999, p. 340), “as eventualidades ditas naturais são fenômenos físicos, identificados por sua intensidade e frequência” e elas acabam se tornando riscos quando existe “a possibilidade ou a probabilidade de atender as determinantes humanas (pessoas, bens, valores culturais, etc.)”.

15Uma chuva de granizo, ao cair sobre telhados de casas capazes de suportar a força do impacto das pedras não terá, para os moradores destas casas, o aspecto de desastre. Mas, a mesma chuva de granizo incidindo sobre coberturas frágeis de casas, causando prejuízos materiais e colocando os moradores em perigo, terá contornos de desastre para esta população.

16Na maioria dos casos, quando um fenômeno natural atinge um determinado local, trata-se de um problema de localização a causa primeira da catástrofe e não a fatalidade, ou seja, as pessoas ou a infraestrutura se encontravam em local e momento inadequado, tornando fundamental a capacidade de gerenciar bem o espaço (Hetú, 2001).

17Essa capacidade de gerenciamento do espaço passa, necessariamente, pelo conhecimento dos componentes do risco. Em princípio, devemos conhecer a probabilidade de ocorrência temporal (probabilidade) e espacial (suscetibilidade) dos eventos potencialmente perigosos, depois, é primordial saber sobre a vulnerabilidade, ou seja, as consequências destes eventos sobre a sociedade (Cunha & Ramos, 2013).

18Existem alguns modelos de análise de riscos naturais que podem ser utilizados para o gerenciamento do espaço. Estes modelos levam em consideração a ação de forças da natureza sobre determinada área, expondo populações a um risco, onde, de acordo com sua capacidade de suporte, passa-se a ter um perigo que, incidindo sobre a área gera um quadro de crise.

19Um modelo como este foi apresentado por Rebelo (1999, 2001, 2010), em que o risco corresponde à probabilidade de ocorrência de um evento perigoso que, registrado e declarado, se torna o perigo, e as manifestações de suas consequências, a crise.

20Outro modelo, proposto por Cunha et alli (2011), mais operativo do ponto de vista do mapeamento, corresponde à equação: Risco = Periculosidade * Vulnerabilidade. A periculosidade corresponde à eventualidade e a suscetibilidade de um evento potencialmente perigoso, e a vulnerabilidade é a fragilidade da população ou a incapacidade de suportar as consequências negativas de tal evento.

21O detalhamento das variáveis deste modelo, bem como suas interconexões, que pode ser visto no decorrer deste artigo, serviu para embasar a análise de ocorrência de desastres naturais decorrentes de eventos de alagamentos no Estado do Paraná. Estudos como este são primordiais para planejar ações futuras como planos de emergência e contingência, evitando assim que a ocorrência do evento não se torne uma catástrofe, ou que pelo menos seus efeitos sejam minimizados.

22Um exemplo disso é o evento ocorrido no Município de Mariana-MG, onde a falta de monitoramento dos riscos, ou sua negligência, fez com que a ruptura de uma barragem de rejeitos de atividades de mineração causasse uma catástrofe ambiental e social. Os efeitos deste evento foram agravados pela ausência de um plano efetivo de emergência e contingência, onde, tendo ocorrido o evento, nada foi previsto ou feito para que os efeitos da ruptura fossem minimizados ou contidos.

23Um aspecto importante quanto ao ocorrido em Mariana é a forma de atuação dos órgãos de fiscalização e controle que devem ser revistos para que a análise de riscos e os planos de emergências e contingências decorrentes do que foi levantado nestas análises sejam efetivamente colocados em prática.

24Recentemente, em trabalho publicado nos anais do Colóquio “Environnement et géomatique: approches comparées France-Brésil”, Gonçalves e Vizintim (2014, p 138) realizaram um trabalho de criação de um índice de suscetibilidade a ocorrência de desastres naturais dos municípios do Estado do Paraná.

O objetivo principal deste trabalho foi criar um índice capaz de identificar quais os municípios com maior suscetibilidade à ocorrência de desastres naturais no Estado do Paraná. Para isso, foi elaborada uma metodologia através da criação de indicadores que, agregados a uma matriz, foram capazes de mensurar tal suscetibilidade. Os indicadores representaram o percentual da população de cada município afetada por determinado desastre, dentro do tempo de recorrência (Gonçalves e Vizintim, 2014, p.138).

25Assim, os trabalhos que analisam os riscos, mapeando e indicando municípios ou áreas mais ou menos suscetíveis, mostrando as probabilidades de ocorrência de eventos, e apontando os efeitos dos mesmos em populações, de acordo com sua vulnerabilidade, podem ser o primeiro passo para que os desastres, evitáveis em sua maioria, tenham um impacto cada vez menor, servindo de base para um planejamento eficiente quanto aos riscos de ocorrência de desastres naturais.

Metodologia de trabalho

26Para analisar a periculosidade e a vulnerabilidade do Estado do Paraná à ocorrência de alagamentos, o mapeamento dos eventos, desde sua suscetibilidade espacial e probabilidade temporal até a vulnerabilidade da população exposta se tornaram imprescindíveis.

27Mapear os riscos naturais é determinar a probabilidade de que seja produzido tal fenômeno nesta ou naquela zona em função de uma intensidade e de um período de retorno dado e levando em consideração a vulnerabilidade da população afetada (Hetú, 2001).

28Este trabalho foi desenvolvido, metodologicamente, em duas etapas: a primeira, com a análise da periculosidade no Estado do Paraná a partir de estudos sobre a probabilidade de ocorrência de alagamentos e a suscetibilidade à ocorrência destes eventos; a segunda, com a análise da vulnerabilidade, composta entre os estudos sobre a população exposta e o valor dos bens expostos aos eventos e a vulnerabilidade social dos Municípios do Estado.

29Todas as variáveis do modelo conceitual de risco utilizadas neste estudo foram trabalhadas por meio de indicadores e índices que serviram para diferenciar os municípios de acordo com sua suscetibilidade, probabilidade, população exposta, bens expostos e vulnerabilidade social.

30Estes valores serviram para compor outros índices derivados para a análise da periculosidade e da vulnerabilidade e, por fim, o índice de risco à ocorrência de desastres naturais relacionados aos alagamentos no Estado do Paraná.

31Para os estudos e, principalmente, para a realização dos mapeamentos foi criado um banco de dados em um sistema de informações geográficas onde foram incorporados todos os dados espaciais e não espaciais levantados.

Recentemente, a utilização dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG’s) permitiu desenvolver os processos de modelação e, consequentemente, a cartografia dos riscos, quer na vertente da susceptibilidade, quer na área da vulnerabilidade, dando a esta área de estudos um carácter ainda mais aplicado (Cunha, 2013, p. 154)

  • 1 Coleção de dados relacionados, geralmente agrupadas ou armazenados em conjunto. Em Sistemas de Info (...)

32A princípio estruturou-se um banco de dados geográfico baseada em datasets1, onde foram incorporadas todas as informações cartográficas de projeção, sistema de coordenadas, datum, etc. A partir deste banco, as informações foram incorporadas e separadas de acordo com sua temática.

33Para melhor compreensão da metodologia utilizada e dos procedimentos adotados neste estudo, de acordo com o modelo conceitual de risco utilizado, resumiremos a seguir, as etapas do trabalho.

34Primeiramente fez-se um levantamento das ocorrências de alagamentos registrados no Estado, para delimitar o universo do estudo, estes dados foram retirados do registro de desastres naturais existentes no SISDC (Sistema Eletrônico da Defesa Civil do Estado do Paraná), que registra em um banco de dados as ocorrências de desastres ocorridos no Estado, disponível em http://www.defesacivil.pr.gov.br.

35Os alagamentos são classificados como desastres súbitos ou de evolução aguda, fato que auxiliou na delimitação do universo de observação, de acordo com as normativas da Política Nacional de Defesa Civil, onde os desastres são classificados quanto a sua evolução, à sua intensidade e à sua origem, dividindo-se em: dividem-se em: a) desastres súbitos ou de evolução aguda, como deslizamentos, enxurradas, vendavais, terremotos, erupções vulcânicas, chuvas de granizo e outros; b) desastres de evolução crônica ou gradual, como seca, erosão ou perda de solo, poluição ambiental e outros; c) desastres por somação de efeitos parciais, como cólera, malária, acidentes de trânsito, acidentes de trabalho e outros (BRASIL, 1999).

36Em seguida foi realizado o levantamento, mapeamento e análise da periculosidade, cujos derivados são a probabilidade e a suscetibilidade à ocorrência de alagamentos. A suscetibilidade foi mapeada e analisada através dos dados físicos que dão origem aos eventos, seus componentes de origem climática, geomorfológica, etc., na escala Estadual e forneceram um quadro para mapear a variável espaço do modelo conceitual, informação que foi derivada por município, assim, os municípios receberam um valor, criando o índice de suscetibilidade à ocorrência de alagamentos.

37Através do banco de dados do SISDC foi possível analisar mais três variáveis de mapeamento do modelo conceitual de risco: a probabilidade de ocorrência dos desastres, expressa pelo número de eventos a que o Estado foi exposto em determinado tempo de retorno; a população exposta, registrada no banco de dados; e os bens expostos, estimado através dos dados de destruição ou danificação de casas.

38O banco de dados traz ocorrências desde 1980, com mais de 30 anos de série histórica, permitindo estabelecer a frequência dos desastres ocorridos no Estado, porém, observou-se que, antes dos anos 2000, o registro de pessoas afetadas pelos desastres, casas destruídas ou danificadas, não eram constantes, dificultando sua utilização na medição da população exposta e da estimativa dos bens expostos. Assim, optou-se pela utilização de uma série histórica de 10 anos (2003 a 2013).

39A probabilidade de ocorrência foi feita de acordo com o número de registros de alagamentos em um período de retorno de 10 anos (2003-2013), separando as ocorrências por municípios e ranqueando-os de acordo com este número, criando assim o índice de probabilidade à ocorrência.

40Por fim, a vulnerabilidade social foi incorporada ao banco de dados através da espacialização dos dados do IBGE sobre infraestrutura, capital social, trabalho e renda, sendo analisada de acordo com Índice de Vulnerabilidade Social criado pelo IPEA (2015).

41Tais informações foram incorporadas a um sistema de gerenciamento de banco de dados geográfico relacional, onde os atributos alfanuméricos foram ligados à base cartográfica contendo os limites dos municípios do Estado do Paraná, utilizando o código de referência do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística como chave primária, possibilitando assim a espacialização.

42Seguindo a metodologia proposta, foi calculado um índice para cada componente do modelo conceitual do risco. Assim, os municípios receberam valores que variaram de 1 a 5 para os componentes das variáveis suscetibilidade e probabilidade, responsáveis pelo índice de periculosidade, e para as variáveis pessoas afetadas, valor dos bens afetados, e vulnerabilidade social, responsáveis pelo índice de vulnerabilidade.

43Os valores indicam que os municípios com valores mais próximos de 1 possuem baixa periculosidade ou vulnerabilidade, enquanto os municípios com valores mais próximos de 5 possuem alta periculosidade ou vulnerabilidade.

44Para análise do Risco de ocorrência de desastres naturais no Estado do Paraná, os dados de periculosidade e de vulnerabilidade foram incorporados a uma matriz para a valoração dos dois componentes e o mapeamento destas informações de acordo com a escala de valores de cada um, gerando um índice.

45Com o objetivo de calcular um índice de risco de ocorrência de desastres por município, procuramos contribuir para o planejamento da destinação dos recursos financeiros e para as ações de prevenção e socorro.

46De acordo com Shields et alli. (2002), um índice pode revelar o estado de um sistema ou a situação de um fenômeno, podendo este índice, segundo Prabhu et al. (1999), ser construído para analisar dados através da junção de um conjunto de elementos com relacionamentos estabelecidos.

47A definição de Siche et alli. (2007) se encaixa na fundamentação do índice criado neste trabalho, no qual, por meio de indicadores de cada componente do modelo conceitual de risco, foi criado um valor numérico capaz de classificar os municípios de acordo com a periculosidade e vulnerabilidade quanto à ocorrência de desastres naturais.

48Por fim, é importante ressaltar a escolha da escala de análise por municípios, em um universo em nível de Estado, uma vez que, como sempre em Geografia e também no estudo dos riscos, a questão da escala é algo fundamental para compatibilizar os dados e as análises. Como enfatiza Cunha, 2013, referindo-se a Portugal.

Os modelos de avaliação e de cartografia da exposição de pessoas, do valor dos bens e da vulnerabilidade social, ao sintetizarem a informação estatística disponível, dependem muito da escala da análise. Em primeiro lugar, porque nem todos os dados estão disponíveis para todas as escalas. Por exemplo, quando pensamos em dados da economia, da cultura, da educação ou da saúde, muitas vezes os dados disponíveis à escala nacional ou regional, deixam de o estar à escala do município e, ainda mais quando pretendemos trabalhar à escala da freguesia ou da secção estatística (Cunha, 2013, p.159)

49Alguns dados possuem detalhamento para serem trabalhados em escalas cartográficas maiores que as municipais, como os dados estatísticos do IBGE, com detalhamento por setor censitário, ou alguns dados temáticos, com detalhamento de 30 metros de resolução espacial. Mas, a maioria dos dados possui detalhamento por município, incompatibilizando o uso em escalas maiores.

Periculosidade, o tempo e o espaço dos eventos naturais perigosos

50O estudo do risco apresentado inclui a análise dos processos eventualmente perigosos (periculosidade ou hazard), decomposta na sua probabilidade temporal (probabilidade ou eventualidade) e espacial (suscetibilidade) de ocorrência (Cunha & Leal, 2012).

[...] a perigosidade ou probabilidade de ocorrência de eventos perigosos pode ser mapeada tendo em conta o fator tempo, por meio do acompanhamento dos eventos passados e presentes, bem como da probabilidade da sua repetição no futuro e, também, considerando o fator espaço, ou seja, a suscetibilidade do território para a sua distribuição. O mapeamento da perigosidade pode ser feito por meio da produção de mapas temáticos que integrem a susceptibilidade e a probabilidade de ocorrência de eventos perigosos, composta basicamente por mapas físicos, incluindo a delimitação das áreas de diferentes abrangências dos fenômenos em estudo, tendo em conta sua geologia, geomorfologia, declividade, hidrografia, clima, uso da terra, dentre outros (Freitas & Cunha, 2013, p.20).

51Diante dessa possibilidade de produção cartográfica para apresentação dos mapas que comporão a análise do risco, adotou-se algumas metodologias já consagradas no Brasil para mapeamento da probabilidade e suscetibilidade a ocorrência de processos naturais perigosos.

52Utilizando matriz de valores, cada elemento analisado teve um valor específico, dado de acordo com a experiência do pesquisador ou de acordo com pesquisas semelhantes, com o objetivo de criar índices capazes de distinguir áreas mais suscetíveis de áreas com menor suscetibilidade.

53O evento natural perigoso escolhido para análise de risco foi o alagamento, classificado como súbitos ou de evolução aguda (BRASIL, 1999), e que teve grande número de ocorrências no Estado do Paraná. Este evento teve seus principais parâmetros incorporados ao banco de dados, para que pudesse ser gerado um índice para cada variável, que demonstrasse a situação da suscetibilidade espacial dos municípios.

54Os alagamentos são águas que acumulam no leito das ruas e nos perímetros urbanos por fortes precipitações pluviométricas, em cidades com sistemas de drenagem deficientes. Nos alagamentos o extravasamento das águas depende muito mais de uma drenagem deficiente, que dificulta a vazão das águas acumuladas, do que das precipitações locais (BRASIL, 2003).

55Diante dessa definição, a análise da suscetibilidade à ocorrência de alagamentos foi realizada através do cruzamento das informações de declividade, localização da área urbana dos municípios e regionalização dos valores calculados para chuvas intensas no Estado do Paraná.

56A declividade foi considerada o principal fator na ocorrência de alagamentos. Mesmo a existência de dispositivos de drenagem urbana não assegura a dissipação das águas quando acumuladas em locais muito planos ou que formem bacias de acumulação. Para isso o sistema de drenagem urbana deve ser muito bem projetado e técnicas sustentáveis, em especial o controle do escoamento na fonte, devem ser utilizadas, fato que não ocorre na maioria dos municípios do Brasil.

57Para o cálculo da declividade foi utilizada a ferramenta de geoprocessamento Slope que, aplicada ao Modelo Digital de Terreno SRTM forneceu classes de declives em percentuais. Tais classes foram divididas de acordo com o tipo de relevo para distinguir as áreas com maior potencial para ocorrência de alagamentos, sendo que as classes mais próximas à 0% receberam os maiores valores de suscetibilidade, enquanto que as classes com mais de 45% de declividade receberam os menores valores, dentro de uma escala que variou de 1 a 5 (Tabela 1 e Mapa 1).

Tabela 1: Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com as classes de declividade

Classe de declive (%)

Tipo de Relevo

Valor

Suscetibilidade aos Alagamentos

0 até 3

Plano

5

Muito Alta

>3 até 12

Suave Ondulado

3

Média

>12 até 24

Ondulado

2

Baixa

>24 até 45

Forte Ondulado

1

Muito Baixa

>45

Montanhoso

1

Muito Baixa

Mapa 1 - Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com as classes de declividade – Estado do Paraná

Mapa 1 - Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com as classes de declividade – Estado do Paraná

58Para o mapeamento da intensidade das chuvas no Estado utilizou-se as equações de chuvas intensas existentes no Atlas de Recursos Hídricos do Estado do Paraná (SUDERHSA, 1998), os resultados vistos na Tabela 2 foram interpolados e a regionalização resultante foi utilizada para o cálculo da suscetibilidade a alagamentos (Mapa 2).

Tabela 2: Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com a intensidade das chuvas

Intensidade das Chuvas (mm/h)

Valor

Suscetibilidade aos Alagamentos

<75,7 mm/h

1

Baixa

75,7 até 86,5 mm/h

3

Média

>86,5 até 94,5 mm/h

4

Alta

>94,5 até 103,1 mm/h

5

Muito Alta

Mapa 2 - Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com a intensidade das chuvas – Estado do Paraná

Mapa 2 - Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com a intensidade das chuvas – Estado do Paraná

59Outro componente utilizado para mapear a suscetibilidade foi o tipo de uso do solo no local, dividido entre área urbana ou área rural, neste caso, as áreas urbanas receberam valor máximo, classificado como muito alta suscetibilidade à ocorrência de alagamentos, enquanto que as áreas rurais, apesar de serem nulas se levarmos em consideração a definição de alagamento, receberam valor mínimo, considerada de baixa suscetibilidade (Mapa 3).

Mapa 3 –Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com as áreas urbanas e rurais – Estado do Paraná

Mapa 3 –Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com as áreas urbanas e rurais – Estado do Paraná

60O cálculo destes componentes resultou no Índice de Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos dos Municípios do Estado do Paraná (Mapa 4) que foi dividido em cinco classes conforme o grau de suscetibilidade: muito alta; alta; média; baixa; muito baixa.

61A maioria dos municípios do Estado possui muito baixa suscetibilidade à ocorrência de alagamentos, apenas em nove municípios a suscetibilidade foi classificada como alta (Almirante Tamandaré, Arapongas, Colombo, Fazenda Rio Grande, Foz do Iguaçu, Maringá, Matinhos, Primeiro de Maio e Sarandi) e somente três possuem muito alta suscetibilidade à ocorrência de alagamentos (Curitiba, Pinhais e Pontal do Paraná).

Mapa 4 –Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos nos Municípios do Paraná

Mapa 4 –Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos nos Municípios do Paraná

62Já a probabilidade temporal foi feita pela análise do número de ocorrências registradas nos municípios do Estado pela Defesa Civil. Para isso utilizou-se o banco de dados do SISDC onde foram coletados os dados dentro de um período de observação de 10 anos (2003 a 2013), fornecendo bons parâmetros de analise temporal dos eventos de alagamento (Mapa 5).

Mapa 5 –Probabilidade temporal de ocorrência de alagamentos nos municípios do Estado do Paraná entre 2003 e 2013

Mapa 5 –Probabilidade temporal de ocorrência de alagamentos nos municípios do Estado do Paraná entre 2003 e 2013

63Ao compararmos os mapas da suscetibilidade e probabilidade, percebemos uma relação entre as duas, reforçando a definição de que os alagamentos são mais comuns em áreas com baixa declividade, urbanizadas e com incidência de chuvas intensas, sendo que este último componente, por possuir pouca variação dentro do Estado, não foi fator tão determinante quantos os anteriores.

64O resultado é que a maioria dos municípios com grande suscetibilidade à ocorrência de eventos de alagamento registraram maior número de ocorrências dentro do intervalo de tempo observado, de 2003 a 2013.

65Por meio da classificação da periculosidade quanto a ocorrência de alagamentos dos municípios do Estado (Mapa 6), resultado da análise da suscetibilidade e da probabilidade de ocorrência de alagamentos, foi possível mapear além de Curitiba com muito alto risco de ocorrência de alagamentos, nove municípios com alto risco (Araucária, Almirante Tamandaré, Fazenda Rio Grande, Foz do Iguaçu, Maringá, Matinhos, Paranaguá, Pinhais e Pontal do Paraná), 15 municípios com médio risco, 178 municípios com baixo risco e 196 municípios com muito baixo risco de ocorrência de alagamentos.

Mapa 6 – Periculosidade quanto a ocorrência de alagamentos nos municípios do Estado do Paraná

Mapa 6 – Periculosidade quanto a ocorrência de alagamentos nos municípios do Estado do Paraná

Vulnerabilidade, as consequências dos eventos perigosos para a sociedade

66A vulnerabilidade, que se associa ao risco, tem sido matéria de grande discussão, sendo que a noção de risco sem vulnerabilidade nem sequer é considerada por parte dos autores que se debruçam sobre esta temática (Rebelo, 1999). É impossível conceituar o risco sem levar em consideração o conceito de vulnerabilidade, sendo estes indissociáveis (Rebelo, 2010).

para que se possa falar de risco é necessário que haja também vulnerabilidade, ou seja, que os processos eventualmente perigosos (sismos, inundações, incêndios, por exemplo) afetem, direta ou indiretamente, individual ou coletivamente, o ser humano, na sua saúde, nos seus bens ou nos modos de funcionamento das instituições em que se enquadram, na economia, na sociedade e na cultura (Freitas & Cunha, 2013, pg.16).

67A vulnerabilidade pode ser também decomposta na exposição de pessoas, no valor dos bens potencialmente afetados e na chamada vulnerabilidade social, que tem a ver, fundamentalmente, com a capacidade de resistência e de resiliência dos indivíduos e da sociedade face à manifestação de processos perigosos (Cunha, 2013). Tais variáveis se apoiam em análises e metodologias estatísticas de dados censitários e no estudo da distribuição da população e dos bens materiais expostos aos eventos perigosos.

É essencial conhecer a vulnerabilidade dos indivíduos, das comunidades e dos territórios, para apreender completamente e poder aplicar de modo correto os estudos de riscos ao planejamento, ao ordenamento do território e à promoção de políticas e práticas de socorro e emergência, no âmbito da proteção civil (Cunha, 2013, p. 156).

68Assim, podemos resumir que a vulnerabilidade está associada à exposição ao risco e à incapacidade de evitar ou absorver danos em potencial, e, classifica-a em física (relacionada às construções), social (relacionada ao sistema social, econômico e político) e humana (união entre a física e a social) (Pelling, 2003).

69Com base nas teorias apresentadas até aqui e seguindo o modelo conceitual de risco que foi aplicado neste estudo, a análise da vulnerabilidade foi composta pelos temas: população exposta; bens expostos; e vulnerabilidade social.

População Exposta

70Para analisar esta variável da vulnerabilidade, foram utilizados os dados do SISDC. O sistema fornece uma coluna de informação onde consta o número de pessoas afetadas por cada ocorrência de desastres naturais registrados pela Defesa Civil.

71O período de observação utilizado foi de 10 anos (2003 a 2013), os dados foram separados por município, fornecendo parâmetros para o cálculo da população exposta. A análise dos dados levou em consideração o número total de pessoas afetadas por eventos de alagamento (Mapa 7).

Mapa 7 – População exposta às ocorrências de alagamentos nos Municípios Paranaenses entre 2003 a 2013

Mapa 7 – População exposta às ocorrências de alagamentos nos Municípios Paranaenses entre 2003 a 2013

Bens Expostos

72Esta é uma variável de difícil análise por conta da inexistência de dados sistematizados ou confiáveis. Para tanto, foi utilizado o número de casas danificadas e destruídas durante o registro das ocorrências, presente no banco de dados SISDC, utilizando o mesmo período de observação da análise da população exposta.

73No cálculo da vulnerabilidade com relação aos bens expostos (Mapa 8), utilizou-se para diferenciação dos pesos, a proporção de que uma casa danificada representava ¼ de uma casa destruída, assim, para recuperar uma casa danificada seria utilizado ¼ de recursos que seriam utilizados para a reconstrução de uma casa.

Mapa 8 –Vulnerabilidade por bens expostos nas ocorrências de alagamentos nos Municípios Paranaenses entre 2003 a 2013

Mapa 8 –Vulnerabilidade por bens expostos nas ocorrências de alagamentos nos Municípios Paranaenses entre 2003 a 2013

Vulnerabilidade Social

74De acordo com Katzman (1999; 2001), as situações de vulnerabilidade social devem ser analisadas a partir da existência ou não, por parte dos indivíduos ou das famílias, de ativos disponíveis e capazes de enfrentar determinadas situações de risco.

75A vulnerabilidade social é uma configuração complexa de características que incluem bem estar pessoal, meios de subsistência, resistência a eventos adversos, autoproteção e redes políticas, sociais e institucionais (Cannon et al., 2003).

76Podemos dizer que a vulnerabilidade social é a incapacidade total ou parcial de uma população, família ou indivíduo, de lidar com adversidades ou fatores que os impedem de manter o padrão de vida habitual, seja por fatores econômicos, seja por problemas de infraestrutura, por problemas habitacionais, etc.

77No caso dos desastres naturais, muitos fatores colaboram para que populações vulneráveis sejam mais afetadas, seja pelos padrões construtivos das habitações, seja pela falta ou deficiência da infraestrutura do entorno, seja pela dificuldade de superação econômica dos efeitos de um desastre, no caso de perdas materiais.

78Para o planejamento territorial e de políticas públicas, os indicadores de pobreza tornaram-se instrumentos indispensáveis na definição de ações que visam ao estabelecimento de processos de superação das dificuldades e desigualdade social.

79Para a análise da vulnerabilidade social no Estado do Paraná, utilizou a metodologia de mapeamento através do IVS (Índice de Vulnerabilidade Social) proposto pelo IPEA (2015) (Mapa 9). Este índice, construído a partir de indicadores do Atlas do Desenvolvimento Humano (ADH) no Brasil, procura dar destaque a diferentes situações indicativas de exclusão e vulnerabilidade social no território brasileiro, numa perspectiva que vai além da identificação da pobreza entendida apenas como insuficiência de recursos monetários.

[...] o IVS traz dezesseis indicadores estruturados em três dimensões, a saber, infraestrutura urbana, capital humano e renda e trabalho, permitindo um mapeamento singular da exclusão e da vulnerabilidade social para os 5.565 municípios brasileiros (conforme malha municipal do Censo demográfico 2010) e para as Unidades de Desenvolvimento Humano (UDHs) das principais regiões metropolitanas (RMs) do país (IPEA, 2015, p. 12).

80Como assinalado na citação anterior, de acordo com IPEA (2015), o IVS possui três dimensões: IVS Infraestrutura Urbana; IVS Capital Humano; e IVS Renda e Trabalho. Essas dimensões correspondem a conjuntos de ativos, recursos ou estruturas, cujo acesso, ausência ou insuficiência indicam que o padrão de vida das famílias encontra-se baixo, sugerindo, no limite, o não acesso e a não observância dos direitos sociais, ou, no caso de nossa análise, fragilidade quanto à exposição ou superação de algum desastre natural.

Mapa 9 – Índice de Vulnerabilidade Social nos Municípios do Estado do Paraná em 2010

Mapa 9 – Índice de Vulnerabilidade Social nos Municípios do Estado do Paraná em 2010

81Como resultado cálculo e mapeamento da vulnerabilidade quanto à ocorrência de desastres naturais decorrentes de alagamentos (Mapa 10), nenhum município se mostrou com muito alta vulnerabilidade, três municípios tiveram alta vulnerabilidade (Piraquara, Pinhais e Fazenda Rio Grande), 11 municípios tiveram média vulnerabilidade, 331 municípios apresentaram baixa vulnerabilidade enquanto que 54 municípios tiveram muito baixa vulnerabilidade à ocorrência de alagamentos.

Mapa 10 – Vulnerabilidade a ocorrência de alagamentos nos Municípios do Estado do Paraná entre 2003 e 2013

Mapa 10 – Vulnerabilidade a ocorrência de alagamentos nos Municípios do Estado do Paraná entre 2003 e 2013

Análise do risco de ocorrência de alagamentos nos Municípios do Estado do Paraná

82Considerando a ocorrência e o número de pessoas atingidas pelos desastres naturais relacionados aos eventos de alagamentos no Estado do Paraná, foi proposto um índice para verificar quais os municípios do Estado estão mais expostos ao risco de ocorrência de, sendo que para este estudo, utilizamos o modelo proposto por Cunha et alli (2011), mais operativo do ponto de vista do mapeamento, resultado da equação:

83

.

84A periculosidade corresponde aos fatores suscetibilidade e probabilidade de ocorrência de um evento potencialmente perigoso e a vulnerabilidade é a fragilidade da população ou a incapacidade de suportar as consequências negativas de tal evento, expressas em número de pessoas afetadas, bens afetados e vulnerabilidade social.

85A escala utilizada para medir o risco de ocorrência de desastres relacionados aos eventos de alagamentos vai de 1 a 25, dividida em 5 classes representando municípios com muito baixo risco, baixo risco, médio risco, alto risco e muito alto risco, resultante da equação exposta acima.

86Assim, ao aplicarmos a fórmula de análise para elaboração do índice de risco à ocorrência de desastres naturais decorrentes de alagamentos no Estado do Paraná, foi possível observar que não existem no Estado municípios com alto rico de ocorrência de desastres relacionados à alagamentos, sendo que apenas cinco municípios possuem risco médio, nove possuem risco baixo e o restante, ou seja, a grande maioria dos municípios possui risco muito baixo, isso pode ser visto na Tabela 3 que traz o ranking dos 20 municípios do Estado com maior índice de risco e no Mapa 11, que apresenta a distribuição dos municípios no Estado.

Tabela 3: Índices relacionados à ocorrência de alagamentos dos 20 municípios do Estado do Paraná com maior risco

Município

Índice de Periculosidade

Índice de Vulnerabilidade

Índice de Risco

Pinhais

3,5

4,0

14,0

Fazenda Rio Grande

3,5

3,3

11,7

Piraquara

3,0

3,7

11,0

Araucária

4,0

2,7

10,7

Curitiba

4,5

2,3

10,5

Almirante Tamandaré

3,5

2,3

8,2

Matinhos

3,5

2,3

8,2

Apucarana

3,0

2,7

8,0

Colombo

3,0

2,3

7,0

Guaratuba

3,0

2,3

7,0

Foz do Iguaçu

4,0

1,7

6,7

São José dos Pinhais

3,0

2,0

6,0

Campina Grande do Sul

2,5

2,3

5,8

Paranaguá

3,5

1,7

5,8

Antonina

2,5

2,0

5,0

Guarapuava

2,5

2,0

5,0

Londrina

2,5

2,0

5,0

Paiçandu

2,5

2,0

5,0

Sarandi

3,0

1,7

5,0

Campo Magro

2,0

2,3

4,7

Legenda

Muito Baixo

Baixo

Médio

Alto

Muito Alto

Mapa 11 – Índice de risco a ocorrência de desastres naturais decorrentes de alagamentos nos municípios do Estado do Paraná entre 2003 e 2013

Mapa 11 – Índice de risco a ocorrência de desastres naturais decorrentes de alagamentos nos municípios do Estado do Paraná entre 2003 e 2013

87Podemos considerar que o Paraná não é um Estado com grande risco de ocorrência desastres naturais decorrentes de alagamentos quando analisamos o número de municípios com de acordo com o índice de risco, porém, ao analisarmos a população exposta a este tipo de desastres nos municípios com certo risco, concluímos que devem ser feitos planos de emergências e contingências no Estado para que tais eventos não venham ase tornar catástrofes.

88Quanto à análise da periculosidade, podemos concluir que a distribuição das chuvas no Estado não é um fator predominante para os eventos de alagamento. Por sua origem ser uma combinação de evento climático, configuração de relevo e ausência de infraestruturas urbanas, o grau de urbanização e as baixas declividades aliadas aos problemas estruturais na drenagem urbana são os fatores preponderantes para este tipo de desastre.

89Apesar do resultado da vulnerabilidade social apontar para a região central e sul do Estado como a mais vulnerável, especialmente os municípios de Ortigueira, São Jerônimo da Serra, Laranjal, Nova Laranjeiras, Goixim, Inácio Martins e General Carneiro, quando falamos em eventos de alagamento, a região metropolitana de Curitiba se mostrou mais vulnerável, especialmente os municípios de Pinhais, Fazenda Rio Grande, Piraquara, Araucária e Curitiba, muito por conta da quantidade de pessoas e bens afetados, porém, não podemos negligenciar esta alta vulnerabilidade social de municípios com pouca suscetibilidade à ocorrência de alagamentos, pois, se um dia o fator urbanização for mais presente, fatalmente o risco será maior.

90Assim, quando falamos em risco de ocorrência de desastres relacionados aos eventos de alagamentos no Estado do Paraná, lançamos um olhar para os problemas de infraestrutura urbana, onde podemos verificar que as áreas em risco são justamente aquelas com maior grau de urbanização, especialmente alguns municípios das regiões metropolitanas de Curitiba, Londrina e Maringá, além de Foz do Iguaçu.

Haut de page

Bibliographie

AUGUSTO FILHO, O.; OGURA, A. T.; MACEDO. E. S.; CERRI L. E. S. Riscos Geológicos: um modelo de abordagem e exemplos de aplicação no sudeste. In: Simpósio de Geologia do Sudeste. Sociedade Brasileira de Geologia/SP-RJ, 2, São Paulo: Atas, p. 297-302, 2001.

BARLOW, D. Anxiety and Its Disorders, New York, Guilford Press, 1988.

BECK, A. T. e EMERY, G., Anxiety Disorders and Phobias: a cognitive perspective, New York, Basic Books, 1985.

BECK, A. T., Cognitive Therapy and the Emotional Disorders, New York, Penguin, 1979.

BRANSFORD, J. Human cognition: learning, understanding and remembering. Belmont, Clif: Wadsworth Pub. Co., 1979.

BRANSFORD, J. e STEIN, B. S. The ideal problem solver: a guide for improving thinking, learning and creativity. New York: W. H. Freeman, 1993.

BRASIL, Ministério da Integração Nacional. Manual de Desastres: Desastres naturais. Brasília, 2003.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional, Secretaria De Defesa Civil. Manual de planejamento em defesa civil, V. I, Brasília, 1999.

CANNON, T.; TWIGG, J.; ROWELL, J. Social Vulnerability, Sustainable Livelihoods and Disasters. Department for International Development, 2003.

CASTRO, A. L. C. Manual de Desastres Naturais: Desastres Naturais. Vol I. Brasília, 2003.

CUNHA, L. Vulnerabilidade: a face menos visível do estudo dos riscos naturais. In: Riscos naturais, antrópicos e mistos: homenagem ao professor doutor Fernando Rebelo. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2013.

CUNHA, L. et al. Construção de modelos de avaliação de vulnerabilidade social a riscos naturais e tecnológicos. O desafio das escalas. In: SANTOS, N.; CUNHA, L. (Org.). Trunfos de uma geografia activa. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2011. p. 627-637.

CUNHA, L.; LEAL, C. Natureza e sociedade no estudo dos riscos naturais. Exemplos de aplicação ao ordenamento do território no município de Torres Novas (Portugal). In: PASSOS, M. M., CUNHA, L. e JACINTO, R. As novas geografias dos países de língua portuguesa. Paisagens territórios e políticas no Brasil e em Portugal, Geografia em Movimento, S. Paulo, pp. 47-66, 2012.

CUNHA, L.; RAMOS, A. M. Riscos naturais em Portugal: alguns problemas, perspectivas e tendências no estudo dos riscos geomorfológicos. In: LOMBARDO, M. A.; FREITAS, M. I. C. Riscos e vulnerabilidades: teoria e prática no context luso-brasileiro. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013.

D’ERCOLE, R.; PIGEON P. L’expertise internationale des risques dits naturels: intérêt géographique. Annales de géographie, nº 608, p. 339-357, 1999.

EYSENCK, M. W. Anxiety and cognition: a unified theory. Hove, East Sussex, UK: Psychology Press, 1997.

FRANÇA, M. A. G. et al. Ressignificando o conceito de risco nas pesquisas e práticas voltadas à infância contemporânea. O Social em Questão, Rio de Janeiro, PUC-RJ. Departamento de Serviço Social, ano 6, n. 7, p. 22-44, primeiro semestre de 2002.

FREITAS, M. I. C. ; CUNHA, L. Cartografia da vulnerabilidade socioambiental: convergências e divergências a partir de algumas experiências em Portugal e no Brasil. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 5, n. 1, p. 15-31, jan./jun. 2013.

GONÇALVES, M.; VIZINTIM, M. F. B. Indice de Suscetibilidade a Ocorrência de Desastres Naturais dos Municípios do Estado do Paraná. In: DUBREUIL V.; MELLO, N de. Actes du colloque “Environnement et Géomatique: approches comparées France-Brésil”. Nov 2014, Rennes, France. LETG-Rennes-COSTEL, 502 p., 2014, <http://envibras2014.sciencesconf.org/conference/envibras2014/eda_fr.pdf>. <halshs-01084278>

HETÚ, B. La question des risques naturels. In: LAURIN, Suzane; KLEIN, Juan-Luis; TARDIF, Carole (sous la direction) Géographie et sociéte: vers une géographie citoyenne. Québec. p.61-92), 2001.

______Censo Demográfico de 2010. Rio de Janeiro, 2010.

______Malha municipal digital do Brasil: situação em 2010 – IBGE (2010).

IPEA. Atlas da vulnerabilidade social nos municípios brasileiros. editores: Marco Aurélio Costa, Bárbara Oliveira Marguti. Brasília: IPEA, 2015. 77 p.

KAZTMAN, R. Seducidos y abandonados: el aislamiento social de los pobres urbanos. Revista de la CEPAL, Santiago do Chile, n.75, p.171-189. dec.2001.

KAZTMAN, R. Activos y estructura de oportunidades. Estudios sobre las raíces de la vulnerabilidad social en Uruguay. Uruguay: PNUD-Uruguay e CEPAL-Oficina de Montevideo, 1999.

LICCO E. A.; SEO E. S. M. Perigos e Riscos Naturais: Estudo de Caso do Jardim Pantanal. InterfacEHS - Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade. 2013. Vol. 8, N. 1. p. 3-24.

MOTTA, P. R. de M. Ansiedade e medo no trabalho : a percepção do risco nas decisões administrativas. VII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Lisboa, Portugal, 8-11 Oct. 2002.

PELLING, M. The Vulnerability of Cities: Natural Disasters and Social Resilience. London: Earthscan. P. 256, 2003.

PRABHU, R., COLFER, C. J. P., DUDLEY, R. G. Guidelines for developing, testing and selecting criteria and indicators for sustainable forest management. Toolbox Series, n. 1. Indonesia: CIFOR, 1999.

REBELO, F. A teoria do risco analisada numa perspectiva geográfica. Cadernos de Geografia, Coimbra, 18, p. 3-13, 1999

REBELO, F. Riscos naturais e acção antrópica. Coimbra, IUC, 274 p. 2001.

REBELO, F. Geografia física e riscos naturais. Coimbra, IUC, 215 p. 2010.

SICHÉ, R. et al. Índices versus Indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Revista Ambiente & Sociedade. Campinas, v. X, n. 2 p. 137-148. Jul.-dez. 2007.

SUDERHSA, Superintendência de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental. Atlas de Recursos Hídricos do Estado do Paraná. Curitiba, 1998.

TOMINAGA L. K.; SANTORO J.; AMARAL R. do. Desastres naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico, 2009.

YUNES, M. A. M.; SZYMANSKI, H. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, J. (Org.). Resiliência e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

Haut de page

Notes

1 Coleção de dados relacionados, geralmente agrupadas ou armazenados em conjunto. Em Sistemas de Informações Geográficas eles são utilizados para agrupar dados espaciais e compartilhar as características de projeção, datum, etc.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 - Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com as classes de declividade – Estado do Paraná
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 632k
Titre Mapa 2 - Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com a intensidade das chuvas – Estado do Paraná
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 5,1M
Titre Mapa 3 –Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos de acordo com as áreas urbanas e rurais – Estado do Paraná
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 492k
Titre Mapa 4 –Suscetibilidade à ocorrência de alagamentos nos Municípios do Paraná
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 440k
Titre Mapa 5 –Probabilidade temporal de ocorrência de alagamentos nos municípios do Estado do Paraná entre 2003 e 2013
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 432k
Titre Mapa 6 – Periculosidade quanto a ocorrência de alagamentos nos municípios do Estado do Paraná
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 448k
Titre Mapa 7 – População exposta às ocorrências de alagamentos nos Municípios Paranaenses entre 2003 a 2013
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 5,7M
Titre Mapa 8 –Vulnerabilidade por bens expostos nas ocorrências de alagamentos nos Municípios Paranaenses entre 2003 a 2013
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 464k
Titre Mapa 9 – Índice de Vulnerabilidade Social nos Municípios do Estado do Paraná em 2010
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 404k
Titre Mapa 10 – Vulnerabilidade a ocorrência de alagamentos nos Municípios do Estado do Paraná entre 2003 e 2013
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 432k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-11.png
Fichier image/png, 2,1k
Titre Mapa 11 – Índice de risco a ocorrência de desastres naturais decorrentes de alagamentos nos municípios do Estado do Paraná entre 2003 e 2013
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/10974/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 327k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcelo Gonçalves et Mirian Vizintim Fernandes Barros, « Risco de alagamentos no Estado do Paraná: análise da periculosidade e da vulnerabilidade », Confins [En ligne], 27 | 2016, mis en ligne le 29 juillet 2016, consulté le 11 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/10974 ; DOI : 10.4000/confins.10974

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals