Navigation – Plan du site

Articulação e integração metropolitana, o papel das cidades pequenas na região de Campinas (SP)

Coordination et intégration métropolitaine, le rôle des petites villes dans la région de Campinas (SP)
Coordination and metropolitan integration, the role of small cities in Campinas SP) region
Orlando Moreira Jr

Résumés

Le but de ce travail est de présenter quelques résultats de la recherche centrée sur l'analyse des petites villes dans le contexte d’une région métropolitaine. Les aspects économiques, démographiques et spatiaux ont aidé à identifier la logique générale et les logiques particulières dans cette dynamique urbaine et régionale. Seront donc présentés les éléments qui confirment ou démentent l’idée qu’une petite ville située à côté d’un grand centre économique dynamique peut améliorer ses performances sociales et économiques.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Campinas (SP)

Índice de palavras-chaves :

integração, cidades pequenas, região metropolitana.
Haut de page

Texte intégral

CampinasAfficher l’image
Crédits : http://www.folhadecampinas.com.br

1A diversidade urbana no Brasil é significativa. A taxa de urbanização brasileira atingiu, em 2010, a marca de 84%. Todavia a espacialização disto, no território brasileiro, revela uma complexidade maior que os números apresentados. Conforme levantamento censitário de 2010, dos 5.565 municípios existentes, 3.914 deles registraram população inferior a 20 mil habitantes, e 1.043 possuíam população entre 20 mil e 50 mil. Enquanto, nos 38 municípios mais populosos (com mais de 500 mil habitantes) viviam cerca de 30% da população. No quadro recente da urbanização, um grupo de municípios que vem adquirindo expressividade são as cidades de porte médio (de 100 a 500 mil habitantes).

2No cenário contemporâneo, a tendência do sistema urbano tem se caracterizado por uma formação territorial marcadamente metropolitana. Porém esta metropolização é de caráter estritamente institucional. No Brasil, uma região metropolitana é, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), uma região estabelecida por legislação estadual e constituída por agrupamentos de municípios limítrofes. A Constituição de 1988 delegou aos estados a competência para criar e institucionalizar regiões metropolitanas, a fim de “integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum” (BRASIL, 1988). Portanto, cada unidade federativa passou a ter autonomia para criar suas regiões metropolitanas, sendo a concentração populacional e os processos espaciais (especialmente a conurbação) os principais critérios que vem sendo utilizados. Assim, ao final de 2000 já existiam vinte e duas regiões metropolitanas; no censo de 2010 totalizavam trinte e nove; e hoje já somam sessenta e três distribuídas por todo território nacional.

3A maior crítica a este sistema é o fato dos critérios político-administrativos sobressaírem em detrimento das características geográficas, que de fato definiriam tal fenômeno. Os interesses estaduais têm revelado que a real motivação para “a criação de regiões metropolitanas atrela-se à possibilidade de se ter acesso privilegiado a recursos da União, em função da compreensão amplamente difundida que associa regiões metropolitanas ao intenso processo de urbanização” (IPEA, 2011). Isto significa que as regiões metropolitanas são criadas por meio de práticas e motivações que não tem, necessariamente, relação com o processo de formação territorial; não estão articuladas a políticas ou estratégias de desenvolvimento territorial; e não estão vinculadas à gestão das funções públicas de interesse comum.

4Como resultado tem-se situações díspares no país. Conta-se um número expressivo de regiões metropolitanas com população inferior a 500 mil habitantes. Existem, de um lado, regiões metropolitanas compostas tanto por apenas dois municípios (como é o caso de Macapá), enquanto, de outro, regiões com mais de trinta (como são os casos, por exemplo, de São Paulo e Belo Horizonte). Também cria-se regiões metropolitanas sem a existência de uma metrópole propriamente dita. Há, ainda, os casos em que predominam municípios com população inferior a 50 mil habitantes (Vale do Aço, Carbonífera, Campinas Grande, Chapecó e Lages). Entre outros casos.

5De modo geral, não há similitude entre as regiões metropolitanas brasileiras e os processos de metropolização. Nem sequer os critérios geográficos são considerados. Os processos espaciais não revelam integração, mas sim descontinuidades entre municípios que formam uma região metropolitana. A proporcionalidade entre área territorial, tamanho populacional e número de cidades revela que se tratam de espaços complexos, heterogêneo e multifacetados, caracterizada pela incongruência entre uma definição geográfica e uma definição institucional (administrativa) do fenômeno no território nacional.

6É sob este cenário de metropolização institucional que a Lei complementar de número 870 de 2000, criou a Região Metropolitana de Campinas, obedecendo à Carta Magna do estado de São Paulo, motivada pela formação histórica dos municípios da região e pelo significado que tem para a composição da rede urbana paulista, bem como para a economia do estado. Um diferencial nesta região é seu dinamismo econômico. Composta por 20 municípios, de diferentes tamanhos populacionais (figura 1), é a décima maior em tamanho populacional e possui uma ampla malha viária que permitiu uma densa ocupação urbana, organizada pela cidade central e outras cidades de diferentes portes.

Figura 1: Mapa dos municípios que formam a Região Metropolitana de Campinas, por classe de tamanho populacional em 20110

Figura 1: Mapa dos municípios que formam a Região Metropolitana de Campinas, por classe de tamanho populacional em 20110

Fonte: Censo Demográfico 2010 – IBGE. Org. Orlando Moreira Junior, 2016.

7De tal modo, a proposta deste artigo é identificar se cidades pequenas localizadas próximas a um centro economicamente dinâmico pode proporcionar melhor desempenho social e econômico. Para tanto, metodologicamente, como recorte territorial mais amplo tem-se a Região Metropolitana de Campinas e, como integrantes menores, as cidades pequenas e seu conjunto municipal.

Dinâmica demográfica, relações socioeconômicas e interações espaciais na região metropolitana de Campinas

8A ampla malha viária, na região,permitiu uma densa ocupação urbana, com algumas áreas já conurbadas e outras possibilidades de integração entre as cidades. Os processos de urbanização atrelados aos fatores históricos, geográficos e populacionais, contribuíram para a região se tornar uma das áreas, economicamente, mais dinâmicas do país.

9Um resumo da situação regional pode ser extraído da exposição de Selingard-Sampaio (2009), quando analisou a distribuição espacial da indústria e constatou que se trata de um núcleo que mais se expande do que retrai, situado entre as posições mais nobres da hierarquia industrial paulista. Isto explica o fato de ter se tornado e ainda ser um centro atrativo: de capital, de pessoas, de pesquisas, de conteúdos sociais, de interesses políticos, etc.. Não por acaso, motivou a criação institucional da região metropolitana.

10Os processos tanto de urbanização quanto da espacialização das atividades produtivas e da dinâmica populacional se deram de modo diferenciado. O eixo rodoviário que segue no sentido sudeste-noroeste, incluindo o núcleo central representam espaços de concentração e polarização, ao passo que ao norte e nordeste localizam-se cidades com menor dinamismo econômico, descontinuidades espaciais em relação ao núcleo central (é onde se localiza a maioria das cidades pequenas da região).

11Embora a região tenha sido instituída apenas em 2000, a formação metropolitana enquanto fenômeno geográfico – mesmo que incompleta – tem decorrência de fatores sociais, econômicos e históricos. O ritmo de crescimento é variado entre os períodos para diferentes grupos de municipalidades. De modo geral, o censo demográfico de 1970 registrou que dentre os municípios existentes naquele momento e que viriam a compor a região metropolitana, apenas Campinas e Americana possuíam população superior a 50 mil habitantes. O comportamento relativo da população entre 1970 e 2010 está registrado na figura 2.

Figura 2: Mapa síntese do crescimento relativo dos municípios da Região Metropolitana de Campinas (1970-2010)

Figura 2: Mapa síntese do crescimento relativo dos municípios da Região Metropolitana de Campinas (1970-2010)

Fonte: Censos Demográficos 1970 e 2010 – IBGE. Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.

12As mudanças na dinâmica populacional são resultado, principalmente, do comportamento demográfico (queda da fecundidade, queda da mortalidade, aumento da longevidade, entre outros) e da dinâmica migratória. Entretanto, a composição, distribuição e mudanças populacionais estão atreladas, também, aquilo que pode-se denominar de padrões geográficos – econômico e social.

13Os fenômenos demográficos possuem manifestações geográficas e estão diretamente relacionados às alterações socioeconômicas de um município ou região. Conforme mudam o perfil econômico de uma cidade, o conjunto das atividades principais que desenvolvem e a configuração de seu espaço intra-urbano, também, tendem a sofrer transformações.

14Na figura 3 é apresentado o desempenho dos setores na participação do Produto Interno Bruto (PIB) dos municípios da região, nos anos de 1970 e 2009.

Figura 3: Participação das atividades econômicas na composição do PIB, 2013.

Figura 3: Participação das atividades econômicas na composição do PIB, 2013.

Fonte: IBGE, 2013. Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.

15No setor primário houve uma redução de sua participação na economia em todos os municípios, indiferentemente do porte populacional. Nos municípios que registraram população inferior a 50 mil, na década de 1970, o peso do setor primário diminuiu consideravelmente com a ampliação da taxa de urbanização. Neste setor, os municípios de Monte Mor e Jaguariúna passaram, respectivamente, de 51% e 35%, em 1970, para cerca de 1% cada, em 2009. Enquanto em Artur Nogueira e Santo Antônio de Posse os dados registrados, no primeiro momento analisado eram de 63% e 38%, para cerca de 5% cada, em 2009. Os municípios em que o setor, ainda, mantém certa relevância para a economia são os de menor porte, em especial para aqueles que se emanciparam na década de 1990, com destaque especial para Holambra (22%). Porém, é importante ressaltar que trata-se de uma atividade que envolve alta especialização e tem ligações diretas com o agronegócio.

16Com relação à emergência das cidades terciárias, a leitura do crescimento deste setor não pode deixar de contemplar a própria mudança no estilo de vida da sociedade, seja em seu caráter individual ou coletivo. Sua principal característica é a criação de novas demandas cuja produção não é resultado nem da terra e nem da indústria. Daí a complexidade em caracterizar este setor, diferentemente do que se pode fazer com as atividades primárias e secundárias.

17A quantidade de serviços requeridos na região metropolitana é variada e imensa. Por um lado, se destaca para dar suporte a um setor industrial forte ou são impulsionadas pela atividade agrícola moderna, especialmente, nas cidades pequenas. Por outro, a demanda por serviços tem relações diretas aos volumes demográficos e a diversidade de necessidades que a população requer. As possibilidades de serviços especializados ou modernos parecem aumentar com o tamanho e o nível funcional da cidade, já indicava Santos (2008). Interessante observar, também, que esta passagem é gradativa em todos os municípios, mas suas motivações são distintas, principalmente por conter diversas atividades dentro deste setor.

18Vale incluir uma análise espacial das atividades produtivas. Os setores secundário e terciário apresentam uma dinâmica territorial altamente concentrada na cidade central ou, de maneira diferenciada, nas de porte médio.

19A concentração é um dado que se reafirmou ao longo do tempo. A exemplificação disto está no levantamento do cadastro de empresas realizado pelo IBGE em 2010, no qual estão registrados dados referentes ao número de empresas atuantes em cada município. Campinas possui 47.494 unidades, enquanto Americana, segundo município no ranking da região, apresenta 10.143. Comparativamente, municípios com população inferior a 50 mil habitantes, são aqueles que apresentam os menores números de unidades empresariais: Morungaba, 595; Engenheiro Coelho, 524; Holambra, 651; e Santo Antônio de Posse, 1.102.

20Isto tem relações diretas com questões referentes ao trabalho e as necessidades de deslocamentos populacionais. Estes possuem três motivações principais: trabalho; estudos; e, realizar atividades voltadas ao comércio, lazer e serviços em geral. Os deslocamentos pendulares são intensos na região. Um número significativo de pessoas circulam em carros particulares, ônibus, fretados ou vans para se dirigirem até os locais de trabalho, as universidades; para consumir nos shoppings centers ou nos grandes centros comerciais; ou para usufruir de serviços especializados diversos.

21No caso dos deslocamentos pendulares movidos pela relação entre local de moradia e trabalho, podem-se considerar os dados do censo que informam o percentual de pessoas ocupadas por local de exercício do trabalho principal, por exemplo. Para melhor visualizar esta questão a figura 4 traz subsídios para estabelecer reflexões acerca deste assunto. Nela, uma evidência empírica salta aos olhos: o percentual significativo de pessoas que trabalham em outros municípios. A variação dos percentuais acerca deste aspecto possibilita a definição de grupos bem definidos, como mostra a espacialização dos dados presentes na figura.

Figura 4: Classes de pessoas ocupadas em outro município, por local de exercício do trabalho principal – 2010.

Figura 4: Classes de pessoas ocupadas em outro município, por local de exercício do trabalho principal – 2010.

Fonte: Censo Demográfico 2010 – IBGE. Org.: Orlando Moreira Junior, 2015.

22Um aspecto que desponta é o número expressivo de população que trabalha em outros municípios. No caso das cidades pequenas vale destacar que, Artur Nogueira e Monte Mor ultrapassam a taxa de 26% de população ocupada fora do município de residência, registrando respectivamente, 31,1% e 31,7%. Morungaba, Holambra apresentam percentuais de 17%, enquanto Engenheiro Coelho e Santo Antônio de Posse apresentam, respectivamente, cerca de 20% e 27%.

23Os deslocamentos pendulares constituem um processo entre a organização da população e da disposição das atividades no espaço metropolitano. É um dos elementos que contribuem para a identificação das chamadas “cidade-dormitório”, que são comumente, definidas como “áreas residenciais com elevada proporção de pessoas que realizam suas atividades cotidianas (trabalho, estudo ou lazer) em outra cidade, geralmente na sede metropolitana” (OJIMA et al., 2010). Estes dados espacializados permitem compreender a extensão dos processos aglomerativos e das centralidades. Em contrapartida, a regularidade e o volume dos fluxos tornam o conhecimento deste tipo de movimento fundamental para identificar os papéis desempenhados pelos municípios.

24No caso das cidades-dormitório, o uso desta adjetivação remete a ideia de espaços de caráter essencialmente residencial. Contudo, isto não implica que sua única função ou sua principal função sejam a residencial, adverte Ojima et al. (2010). Ademais, estes espaços não devem ser vislumbrados como formas de exclusão social ou de segregação dentro da região. Eles podem ocultar outros indicadores que possibilitem identificar o caráter destas áreas urbanas. Como exemplo pode-se citar o caso de Valinhos e Vinhedo, considerados na análise de Miglioranza e Cunha (2006), como municípios-dormitório de luxo, enquanto Hortolândia e Sumaré formariam os municípios-dormitório com grande concentração de população de baixa renda. Pode-se acrescentar, também, neste último, grupo o município de Monte Mor, que apresenta altas taxas de deslocamentos pendulares, seja para trabalho ou para estudo.

25Para o caso das outras cidades pequenas fica difícil atribuir um caráter essencialmente residencial. Artur Nogueira, por exemplo, possui também percentuais significativos de deslocamentos pendulares, devido sua localização geográfica na região que amplia as possibilidades de movimento para diversas cidades. Porém, possui diferenças quantitativas e qualitativas em relação a Monte Mor, o qual tem ligação maior com Campinas e Hortolândia. Exemplo disto é o fluxo constante de ônibus intra-metropolitano que liga, diariamente, ambas as cidades, como mostra a tabela 1.

Tabela 1: Linhas de ônibus de empresas que atendem as cidades pequenas e as interligam com outros municípios da Região Metropolitana de Campinas.

Número de linhas de ônibus* partindo de:

Holambra

Engenheiro Coelho

Santo Antônio de Posse

Pedreira

Artur Nogueira

Jaguariúna

Monte Mor

Holambra

5

19

25

Engenheiro Coelho

14

Santo Antônio de Posse

5

15

Pedreira

1

Artur Nogueira

19

14

14

Jaguariúna

25

15

1

14

Monte Mor

Nova Odessa

2

Cosmópolis

3

14

36

Vinhedo

Paulínia

9

Itatiba

Valinhos

Santa Bárbara d’Oeste

Hortolândia

167

Indaiatuba

4

Americana

2

Sumaré

2

Campinas

14

5

1

23

63

156

Fonte: Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU). Org.: Orlando Moreira Junior, 2016

Nota: Não é considerado, somente, o itinerário origem-destino, ou seja, as linhas podem passar por mais de um município.* Os números se referem a diferentes empresas de ônibus e considera dias úteis apenas.

26Estes valores têm por objetivo principal evidenciar as conexões estabelecidas entre as cidades pequenas e as demais cidades da região metropolitana. Elas revelam dois cenários bem distintos. O primeiro, no qual se tem uma conectividade maior entre os municípios mais próximos, revelando o caráter fragmentado do processo de metropolização. O segundo, ratifica a dependência que se estabelece em relação à cidade central. Todavia, Pedreira, com uma única linha de ônibus e Engenheiro Coelho sem conexão direta à Campinas, colocam em xeque o perfil metropolitano pautado na ideia de integração.

27A questão da proximidade e do fácil acesso por meio de vias rápidas são elementos que contribuem para definir a relação local de trabalho e município de residência para parcela da população. As rodovias que interligam as cidades, complementadas por avenidas e ruas – no espaço intra-urbano –, representam não somente os vetores para a expansão urbana, mas dão um “caráter rizomático” (MARANDOLA JR et al., 2006) à região. Na figura 5 está registrada uma representação que permite conceber tanto os processos espaciais de conurbação, quanto os principais eixos rodoviários que conectam as cidades da região.

Figura 5: As possibilidades de integração na RM de Campinas e os processos espaciais de conurbação.Fonte: Google Earth.

Figura 5: As possibilidades de integração na RM de Campinas e os processos espaciais de conurbação.Fonte: Google Earth.

Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.

28As principais rodovias representam um elemento estruturador não apenas para a rede, mas também para a organização interna dos espaços urbanos. Fica evidente, ainda, que os eixos são fundamentais para análise do processo de conurbação e constituição da rede urbana regional.

Relações entre o espaço regional e o intraurbano

29O processo de expansão urbana, juntamente com o conjunto das vias, o quadro demográfico, a concentração produtiva e a funcionalidade das cidades ajudam a entender, na região, a constituição de uma rede urbana, que articula a economia, a sociedade e o espaço. Este conjunto ajuda a explicar as conexões que se estabelecem a partir dos fluxos de bens, serviços, informações e pessoas, e que assumem uma estrutura hierarquizada espacialmente (figura 6).

Figura 6: Composição da rede urbana da Região Metropolitana de Campinas, segundo o tamanho populacional, e a composição da rede urbana.

Figura 6: Composição da rede urbana da Região Metropolitana de Campinas, segundo o tamanho populacional, e a composição da rede urbana.

Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.

30O desenho da rede urbana deve ser compreendido através de aspectos da dinâmica econômica, populacional e espacial que envolve processos variados que definem os papéis e funções de cada cidade na composição da mesma. Vinhedo, Valinhos, Campinas, Paulínia, Hortolândia, Sumaré, Nova Odessa, Americana e Santa Bárbara d´Oeste formam uma mancha, praticamente contínua, localizadas, principalmente, nas proximidades da Rodovia Anhanguera, importante via de ligação do interior paulista com a metrópole de São Paulo. Esta faixa representa a porção mais dinâmica da região, composta pela cidade principal e por cidades de porte médio. Ao norte da região agrupam-se o maior número de cidades pequenas, distantes do centro, descontinuas da mancha metropolitana e com funções diferenciadas.

31No único caso em que uma cidade pequena apresenta integrada ao processo de conurbação, é possível identificar uma relação estreita entre a infraestrutura de transporte, a acessibilidade e a influência nas decisões de localização habitacional e empresarial. O crescimento de Monte Mor tem ocorrido nas margens da rodovia Jornalista Francisco Aguirra Proença, que atravessa todo espaço urbano e liga Monte Mor à Hortolândia e Campinas. É evidente a relação entre os eixos viários e o uso e ocupação do solo, que contribui com a interação entre forma, estrutura e transporte.

32De modo geral, o fato de estarem localizadas numa região metropolitana, traz para as cidades pequenas algumas particularidades que não são encontradas naquelas situadas distantes de grandes centros econômicos. A economia exemplifica isto: como o maior significado adquirido pelo setor secundário, como é o caso de Jaguariúna, que possui expressiva representatividade a nível estadual, integrando o complexo de alta tecnologia em informática e telecomunicações. O que explica ter se tornado um centro de atração de indústrias de tecnologia de ponta, como a MOTOROLA, por exemplo. Além de ser um dos maiores produtores de aparelhos celulares, computadores e equipamentos de telecomunicações, tem grande expressão sua participação nos segmentos de bebidas, com a instalação da AmBev (Companhia de Bebidas das Américas) e indústrias dos setores alimentícios e farmacêuticos.

33O dinamismo econômico realçado anteriormente traz à tona um aspecto que não pode deixar de ser observado: a propagação das cidades terciárias. Em contrapartida, para as cidades pequenas, a realidade social ante o desenrolar das cidades terciárias induz a uma reflexão acerca da superação do juízo de “cidades do campo” (SANTOS e SILVEIRA, 2010). Nestas, tem-se uma relação mais intensa com o campo, como são os casos de Morungaba, Holambra, Engenheiro Coelho, Santo Antônio de Posse e Artur Nogueira. Correlatamente, fica evidente que o desenvolvimento do setor terciário visa atender as exigências de um setor primário modernizado. Notadamente, estas localidades encontram-se ao norte da região e são descontínuas da mancha metropolitana conurbada.

34As alterações espaciais ocorridas na região devem ser contextualizadas à luz da sua história de ocupação e formação – territorial e institucional – que estabeleceram os limites e possibilidades que tem direcionado a produção do espaço urbano e regional. Mudanças na organização socioespacial da região, foram decisivas para a reestruturação urbana, redefinindo a divisão territorial do trabalho e a distribuição populacional no cenário metropolitano como um todo. Em decorrência disto, as cidades têm seus papéis redefinidos na rede urbana, especialmente a partir dos aspectos dimensionais, funcionais e espaciais.

35Como consequência disto, existem transformações na estrutura e configurações urbanas. A reestruturação social e espacial estão diretamente ligadas as mudanças econômicas e populacionais. Isto influencia, diretamente, na estruturação intra-urbana, mais precisamente em sua morfologia, pois novos conteúdos lhe são inseridos. No quadro da região metropolitana esta leitura integra o entendimento do espaço das cidades a partir da composição da rede urbana ante os aspectos particulares que caracterizam o processo de metropolização.

36Portanto, considerando as escalas inter e intra-urbana – em seus aspectos populacionais, econômicos e espaciais – é possível identificar três conjuntos bem definidos entre as cidades pequenas, ante o processo de metropolização (figura 7). Estes conjuntos evidenciam, claramente, as particularidades das cidades pequenas naquilo que tange tanto sua dinâmica interna quanto o cenário regional-metropolitano.

Figura 7: Análise das cidades pequenas da RM de Campinas ante o processo de metropolização

Figura 7: Análise das cidades pequenas da RM de Campinas ante o processo de metropolização

Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.

Nota: Morungaba apresenta interações espaciais e socioeconômicas com Campinas, porém não é possível identificar elementos que a caracterizem em decorrência de ter sido inserida recentemente à região metropolitana.

37O primeiro conjunto abrange aquelas cidades que podem ser definidas como tipicamente metropolitanas. Na região em estudo, o processo de metropolização é mais visível no plano institucional, seja nos planos políticos ou nas tentativas de gestão compartilhada dos interesses em comum, do que na paisagem urbana das cidades pequenas. Contudo, de modo diferenciado, Jaguariúna e Monte Mor, possuem elementos demográficos, econômicos e espaciais, mais estreitamente atrelados ao processo de metropolização. O termo “tipicamente” procura assumir este sentido, o que não exclui o fato das demais cidades exibirem algumas características do processo ou esforços para poder atingi-lo.

38Como se sabe, a expansão físico-territorial, desdobrada a partir de Campinas, de seus processos de parcelamento do solo e do sistema rodoviário, propiciou uma ocupação rarefeita na região. A dinâmica de expansão horizontal, repleta de descontinuidades, tiveram implicações na ocupação diferencial dos subespaços, na organização das atividades econômicas e na distribuição da população na região. Monte Mor e Jaguariúna são exemplos disto, porém, de modo diferenciado, estão mais integradas à região metropolitana, em sua dimensão geográfica.

39As características das atividades produtivas são importantes na compreensão dos efeitos da metropolização enquanto fenômeno geográfico. A análise destas duas cidades comprovou que, além do peso atingido pelo setor terciário, a atividade industrial é destaque tanto na participação do PIB, quanto na distribuição dos empregos. Diferentemente de outros casos da região o intenso processo de industrialização não tem ligações com setores da agroindústria ou do extrativismo. O que difere neste cenário é a presença de uma atividade industrial vinculada a estruturas mais complexas e envolvendo tecnologia de ponta. Além dos exemplos citados para Jaguariúna, em Monte Mor quadro industrial é formado por importantes empresas de variados setores, como a Tetra Pak, as Indústrias Novacki, Haver & Boecker, CBP Indústria Brasileira de Poliuretanos. Da mesma forma, o setor terciário também reage a este contexto, possuindo uma gama mais ampla de comércios e serviços.

40Este perfil foi favorecido pela extensão do território produtivo campineiro. Este fenômeno se expandiu espacialmente atingindo, com maior intensidade, as áreas mais próximas ou com melhores possibilidades de interligações. Este processo, juntamente, com a forma de expansão do território regional são sentidos no comportamento da dinâmica populacional. Tanto Monte Mor quanto Jaguariúna registraram elevado crescimento entre 1970 e 2010, com tendência de continuidade no incremento populacional. Igualmente, são as cidades que possuem maior intensidade de deslocamento pendular, que pode ser medido, por exemplo, pelos números de linhas de ônibus que ligam as cidades à Campinas.

41A proximidade entre Monte Mor e Campinas favoreceu o processo espacial de conurbação. É o único caso em que uma cidade pequena apresenta integrada ao processo de conurbação. Isto foi motivado pela estreita relação entre a infraestrutura de transporte, a acessibilidade e a influência nas decisões de localização habitacional e empresarial. Isto é notável na espacialização das principais empresas do setor secundário. Isto ajuda a explicar o crescimento de Monte Mor nas margens da rodovia que atravessa todo espaço urbano, ligando-a à Hortolândia e Campinas, como está registrado na figura 8.

Figura 8: Mancha urbana de Monte Mor, com destaque para as estradas intermunicipais.

Figura 8: Mancha urbana de Monte Mor, com destaque para as estradas intermunicipais.

Fonte: Google Earth. Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.

42A opção pela cartografia em mancha com destaque para as estradas intermunicipais tem por objetivo evocar a imagem da forma urbana. Fica evidente que a cidade cresceu seguindo o sentido da rodovia em direção à Hortolândia, apresentando um crescimento espacialmente descontínuo, num processo contraditório de distanciamento do centro principal, mas de aproximação com o município limítrofe e, por conseguinte, com a cidade principal da região.

43Devido às altas taxas de deslocamentos pendulares, seja para trabalho ou para estudo, pode ser atribuído a ela o caráter de cidade-dormitório. Isto se evidencia, ainda, pelo crescimento em arquipélago da mancha urbana, margeando a rodovia e influenciada pelo sistema de transporte. Este aspecto simboliza a demanda cada vez maior com relação aos destinos de viagens no espaço metropolitano.

44O caso de Jaguariúna apresenta características diferentes. Apesar de não estar conurbada, utilizou-se do sistema rodoviário e do dinamismo econômico-regional como vantagens competitivas que propulsionaram o seu desenvolvimento. À nordeste de Campinas, tem sido o eixo preferencial de implantação de indústrias de alta tecnologia, o que propiciou uma integração diferenciada deste município à região metropolitana.

45Apesar de possuir problemas de natureza socioespacial, os indicadores mostram que, dentre as sete, esta cidade é a que possui, juntamente com Holambra, as melhores condições de vida para sua população. O desempenho econômico trouxe consigo melhores ofertas de emprego e maiores remunerações. Os efeitos localizados das políticas locais nos diversos setores – educação, saúde, habitação, infraestrutura, transporte –, contribuíram para que a cidade se tornasse socialmente sustentável. O papel da gestão urbana local tem sido fundamental para explicar o desenvolvimento da cidade. Ademais, a cidade integra diversas formas de governança territorial, como são os casos do Circuito Turísticos das Águas e do Circuito da Ciência e Tecnologia.

46O segundo conjunto inclui as cidades de Morungaba, Holambra, Engenheiro Coelho, Santo Antônio de Posse e Pedreira. Este conjunto possui no geral, mas de modo e intensidades diferenciados, características não metropolitanas, mesmo estando localizadas em uma área metropolitana. Diferentemente de Monte Mor e Jaguariúna, elas apresentam, com suas especificidades, características que se assemelham em alguns pontos aos resultados obtidos em pesquisas de cidades pequenas em regiões não metropolitanas.

47É claro, que por estar incluída, institucionalmente, numa região metropolitana, as cidades pequenas expressam mudanças, permanências e mesclas decorrentes disto. Sem cair no equívoco de generalizar, é importante fazer uma leitura dos elementos que se sobressaem e dão a elas o carater não metropolitano, em seu sentido geográfico. Isto condiz, não somente, pela distância e descontinuidade em relação ao núcleo central e seu entorno, mas também pelas características que são expressas por elas nas escalas inter e intra-urbana. Com base no perfil demográfico, na funcionalidade na rede e nos aspectos gerais que enolvem a dinâmica interna, é possível elaborar uma caracterização das cidades.

48Holambra, Engenheiro Coelho e Santo Antônio de Posse formam um grupo que se aproxima analiticamente, mas que apresentam diferenças empíricas interessantes. São as únicas que possuem população inferior a 25 mil habitantes, e com projeções de manter seu crescimento estável nos próximos anos, apesar de variações. Registraram maior participação do setor primário na composição do PIB e nos empregos formais, o que não significa que elas são dependentes das atividades primárias. Embora a análise do desenvolvimento dos setores industrial e terciário devem ser discorridos, principalmente, a partir dela.

49A atividade agropecuária que se desenvolve em Holambra é diferente de Engenheiro Coelho e Santo Antônio de Posse. Nas duas últimas a atividade agropecuária assume papel importante e, consequentemente, desponta a agroindústria. Enquanto em Holambra, o caráter é especializado (produção de flores e plantas ornamentais), da qual despontam o turismo e o comércio.

50Reúnem, portanto, uma série de atributos que envolvem a vida das pessoas: as atividades, as profissões, os trabalhadores agrícolas residentes urbanos, entre outros. A morfologia, também, é marcada pelo tênue contraste entre o rural e o urbano. Envolvem feições concretas como as verificadas no modo de vida e valores rurais (os quintais, os espaços destinados às hortas ou criação de animais); as áreas de habitação dos trabalhadores rurais residentes urbanos; os espaços destinados aos serviços de armazenagem de grãos e carnes; e os espaços voltados para as novas áreas do saber e pesquisas no setor agropecuário.

51Se, de um lado, existem afinidades entre os municípios, por outro, as diferenças são significativas. Na dimensão social, Holambra desponta como um dos municípios com melhores níveis em toda região metropolitana. Em contrapartida, Engenheiro Coelho e Santo Antônio de Posse, no geral, não registram bons indicadores sociais.

52O caso de Holambra necessita uma análise a parte. Afinal, existe uma diferenciação em seu processo de formação territorial e os fatores históricos tem um peso no seu desenvolvimento, econômico e humano. Teve origem com a chegada dos primeiros imigrantes holandeses em 1948. A cidade foi montada num sistema corporativista de trabalho, inicialmente, de leite e laticínios e, posteriormente no ramo de flores e plantas ornamentais. Na atualidade a paisagem registra permanências, materiais e imateriais, de sua origem. A paisagem é bastante heterogênea. É formada, na porção mais antiga da cidade, por construções com estilo arquitetônico holandês e residências que adquirem um aspecto de chácara, por serem construídas em terrenos espaçosos. Enquanto, nos loteamentos mais recentes, por lotes de tamanho padrão e com casas de portes variados, com arquitetura comum.

53Neste grupo, está também a cidade de Pedreira, porém com algumas particularidades que merecem ser comentadas. Pedreira é um centro urbano especializado, cuja economia está voltada para um setor industrial específico. Dele, também, deriva o setor comercial. Juntos são responsáveis pela quase totalidade do PIB municipal e por grande contingente de postos de empregos. Estar localizada numa área dinâmica favorece sua atividade produtiva. No entanto, o caráter industrial especializado, bem como as condições de vida de sua população não decorre do fato de pertencer a uma região metropolitana. São as condições geográficas e suas particularidades que favoreceram o desenvolvimento desta atividade no município.

54Por fim, o terceiro conjunto identificado é formado por um único município. Trata-se de Artur Nogueira. Seu caso é o mais emblemático. É classificada como cidade local pelo IBGE (BRASIL, 2008). Porém, demograficamente, tende a ultrapassar a margem dos 50 mil habitantes no próximo censo. Do ponto de vista econômico destacam-se os setores industrial e terciário, mas com resquícios de atividades e participação da agropecuária. Sua localização aproximada de Limeira e Mogi Mirim, bem como de Paulínia, dão um significado mais restrito ao seu papel na rede urbana. Em termos de deslocamentos, possui 31% de residentes trabalhando em outros municípios. Sua proximidade com Paulínia, principalmente, favorece deslocamentos para este polo empregatício.

55Fica claro, portanto, que Artur Nogueira vivencia aspectos decorrentes da metropolização, em especial na dinâmica da rede. Apesar disto, não possui elementos que caracterizem um forte processo de metropolização em seu espaço intra-urbano, como os verificados em Monte Mor e Jaguariúna.

Considerações finais

56As cidades pequenas só podem ser compreendidas ante a composição do cenário regional. Por conta disto as características da produção de seu espaço urbano têm ligações intrínsecas a processos e dinâmicas que envolvem a região na qual estão inseridas. De tal modo, analisar cidades pequenas numa área metropolitana traz características próprias para elas, especialmente quando o processo de metropolização está completo ou em curso, como é o caso de Campinas.

57Assim, numa análise a partir das escalas inter e intra-urbana fica claro que o processo de metropolização enquanto fenômeno geográfico resulta em atributos diferenciados para as cidades de modo geral, incluindo as pequenas. A integração, espacial e econômica, propicia condições diferenciadas de desenvolvimento econômico e social. Ao mesmo tempo, a análise evidencia que o processo de criação institucional de região metropolitana não resulta em uniformidade aos municípios que a compõe. Estar inserida numa área metropolitana não garante predicativos específicos, como revela os casos das cidades pequenas da Região Metropolitana de Campinas que possuem características de cidades não metropolitanas ou localizadas distantes de importantes centros dinâmicos economicamente.

Haut de page

Bibliographie

BRASIL. IBGE. Censo demográfico 2010. Brasília, 2011

______. Regiões de influência das cidades 2007. Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

CAIADO, M. C. S.; PIRES, M. C. S. Campinas metropolitana: transformações na estrutura urbana atual e desafios futuros. In: CUNHA, J. M. P. (org.) Novas metrópoles paulistas: população, vulnerabilidade e segregação. Campinas: NEPO/UNICAMP, 2006, p. 275-304.

IPEA. Desafios contemporâneos na gestão das regiões metropolitanas. Comunicado 116. Brasília: IPEA, 2011.

MARANDOLA JR., E.; DE PAULA, F. C; PIRES, M. C. S. Diários de campo: aproximações metodológicas a partir da experiência metropolitana (Campinas e Santos). In: CUNHA, J. M. P. (org.) Novas metrópoles paulistas: população, vulnerabilidade e segregação. Campinas: NEPO/UNICAMP, 2006, p.459-491.

MIGLIORANZA, E.; CUNHA, J. M. P. Valinhos: um novo padrão de cidade-dormitório? In: CUNHA, J. M. P. (org.) Novas metrópoles paulistas: população, vulnerabilidade e segregação. Campinas: NEPO/UNICAMP, 2006, p.539-560.

OJIMA, R.; MARANDOLA JR, E.; PEREIRA, R. H. M.; SILVA, R. B. O estigma de morar longe da cidade: repensando o consenso sobre as “cidades-dormitório” no Brasil. Cadernos Metrópole. São Paulo, v. 12, n.24, jul./dez. 2010, p. 395-415.

SANTOS, M. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. São Paulo: EDUSP, 2008.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2010.

SELINGARDI-SAMPAIO, S. Indústria e território em São Paulo: a estruturação do multicomplexo territorial industrial paulista. Campinas: ALÍNEA, 2009.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Mapa dos municípios que formam a Região Metropolitana de Campinas, por classe de tamanho populacional em 20110
Crédits Fonte: Censo Demográfico 2010 – IBGE. Org. Orlando Moreira Junior, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11434/img-1.png
Fichier image/png, 87k
Titre Figura 2: Mapa síntese do crescimento relativo dos municípios da Região Metropolitana de Campinas (1970-2010)
Crédits Fonte: Censos Demográficos 1970 e 2010 – IBGE. Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11434/img-2.png
Fichier image/png, 54k
Titre Figura 3: Participação das atividades econômicas na composição do PIB, 2013.
Crédits Fonte: IBGE, 2013. Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11434/img-3.png
Fichier image/png, 351k
Titre Figura 4: Classes de pessoas ocupadas em outro município, por local de exercício do trabalho principal – 2010.
Crédits Fonte: Censo Demográfico 2010 – IBGE. Org.: Orlando Moreira Junior, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11434/img-4.png
Fichier image/png, 42k
Titre Figura 5: As possibilidades de integração na RM de Campinas e os processos espaciais de conurbação.Fonte: Google Earth.
Crédits Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11434/img-5.png
Fichier image/png, 1,3M
Titre Figura 6: Composição da rede urbana da Região Metropolitana de Campinas, segundo o tamanho populacional, e a composição da rede urbana.
Crédits Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11434/img-6.png
Fichier image/png, 190k
Titre Figura 7: Análise das cidades pequenas da RM de Campinas ante o processo de metropolização
Crédits Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11434/img-7.png
Fichier image/png, 88k
Titre Figura 8: Mancha urbana de Monte Mor, com destaque para as estradas intermunicipais.
Crédits Fonte: Google Earth. Org.: Orlando Moreira Junior, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11434/img-8.png
Fichier image/png, 457k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Orlando Moreira Jr, « Articulação e integração metropolitana, o papel das cidades pequenas na região de Campinas (SP) », Confins [En ligne], 29 | 2016, mis en ligne le 11 décembre 2016, consulté le 11 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/11434 ; DOI : 10.4000/confins.11434

Haut de page

Auteur

Orlando Moreira Jr

Professor da Universidade Estadual de mato Grosso do Sul – UEMS, orlandomoreirajr@uems.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals