Navigation – Plan du site
Rondônia, espaço de grandes transformações

Porto Velho, expressões de uma cidade centenária

Porto Velho, expressions d’une ville centenaire
Porto Velho: expressions from a centenary city.
Luís Augusto Pereira Lima et Amanda Michalski
Référence(s) :

COSTA SILVA, Ricardo Gilson da (Organizador), Porto Velho, urbanização e desafios para uma cidade centenária

1ª Ed. Temática Editora; Edufro. Porto Velho / RO, 2016. 251 p.: il.E-BOOK, PDF, ISBN: 978-85-65720-32-8

COSTA SILVA, Ricardo Gilson da (Organizador),Porto Velho cultura, natureza e território. 1ª,Ed. Temática Editora; Edufro. Porto Velho / RO, 2016, 266 p.: il., E-BOOK, PDF

ISBN: 978-85-65720-33-5

Texte intégral

  • 1 Professor Doutor do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGG) da (...)

1No ano de 2014, o Departamento de Geografia, o Programa de Pós-Graduação em Geografia e o Centro Acadêmico de Geografia (CAGEO) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) realizaram a 32ª Semana de Geografia e 9º Encontro de Pós-Graduação em Geografia, com o tema “Porto Velho, Cidade Centenária: Espaço, Tempo e Memória”. Como síntese das atividades duas coletâneas foram recentemente publicadas, sob a organização do professor Ricardo Gilson da Costa Silva1, que contou com a participação de vários pesquisadores das seguintes instituições: UNIR, USP, UFPA, UNIFESP, UFAC, SIPAM, CRPM, McNeese State University/USA e instituições de ensino da rede pública de Rondônia.

2As coletâneas fazem um convite aos leitores à reflexão sobre uma porção da região amazônica. Como dois irmãos, os livros aqui elencados “Porto Velho, urbanização e desafios para uma cidade centenária” e “Porto Velho, cultura, natureza e território”, analisam a cidade e região buscando cristalizar os significados e expressões de seu espaço-tempo centenário.

3Sob um estilo de quem fala a partir do lugar, mas com uma reflexão contemporânea, leve e habilidosa de uma geohistória centenária, os autores trazem elementos dinâmicos que revelam Rondônia e sua capital, testemunha de uma Amazônia encoberta por traços marcantes e contraditórios.

4Para descobrir esses caminhos, os elementos e as questões que estão presentes nos textos, o leitor parte com uma gama de interações subjetivas da geografia e da história de Porto Velho. Revelam as narrativas e projetos traçados pelas pretensões das grandes obras do passado e do presente: a construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (EFMM), em um tempo remoto, cujo intervalo centenário culmina com a construção das usinas hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio no Rio Madeira.

Figura 1: Localização do município de Porto Velho

Figura 1: Localização do município de Porto Velho

5Neste exercício, os autores constroem uma cartografia social, imprimem análises reflexivas sobre Porto Velho, uma comunicação acadêmica para a sociedade e Pan-Amazônia. Trata-se da experimentação das dinâmicas intrínsecas e a construção de desafios epistemológicos sobre os espaços, as fronteiras e as identidades das populações tradicionais. Os autores reúnem recortes temporais, ilhas conectadas pelo rio Madeira e pela floresta amazônica. Um conhecimento que deve ultrapassar os limites das amarras da comunicação. Não são fragmentos do conhecimento, mas pensamentos referentes a um espaço interconectado da ciência, necessário para integrar, conhecimento e experiência contemporânea de uma cidade centenária.

6Por esta iniciativa, a primeira parte desta resenha nos reportará ao livro Porto Velho, urbanização e desafios para uma cidade centenária (Figura 2), composto por nove artigos e treze autores. Sistematizaremos os textos aglutinados em duas temáticas que não seguem a ordem dos capítulos, o que certamente não prejudica o seu entendimento.

7A perspectiva Amazônica e os meandros da formação territorial de Porto Velho organizam-se em cinco capítulos. O texto “Porto Velho: uma experiência singular no contexto da urbanização da Amazônia”, do professor Dante Fonseca (UNIR), traz as visões e experimentações das relações do homem com a natureza, cujos resultados, ao longo do tempo, revelam as estratégias da conquista europeia, o que reflete sobre a forma e a funcionalidade que os núcleos urbanos adquiriram. Nessa ótica, a ocupação do vale do Madeira se tornou estratégica para povoamento em busca de áreas para extração gomífera, dado a crescente demanda externa da borracha, uma mercadoria vital para a Amazônia no final do século XIX e início do XX. Assim, cresceu a territorialização no Madeira, cuja particularidade histórico-geográfica de Porto Velho a diferencia dos demais núcleos urbanos da região por ser a única cidade onde o capital externo se concretizou na formação territorial, compondo em seu nascedouro elementos do extrativismo e da modernidade (EFMM), configurando o urbano como moderno e segregado.

Figura 3: Periferia de Porto Velho, que precisam de regularização fundiária (2015)

Figura 3: Periferia de Porto Velho, que precisam de regularização fundiária (2015)

Foto: Ricardo Gilson da Costa Silva

8Articula-se, nessa perspectiva, o texto “Porto Velho, segregada e irregular: assim surge uma cidade”, de Francisca Tamboril e José Joaci Barboza (UNIR), quando aproximam suas análises no sentido de clarificar esses vestígios referentes à luta pelo direito à cidade em contraposição a exclusão e a espoliação. O objeto centra-se na política de regularização fundiária, situação não resolvida desde a construção da EFMM (1912), mas problematizada a partir do crescimento urbano vinculado aos grandes projetos, como as hidrelétricas do rio Madeira (2008), onde se amplia a demanda por espaços urbanos e reproduz-se a especulação fundiária da cidade, projetando um espaço social complexo e gerador de conflitos. Ao analisarem o programa de regularização fundiária de Porto Velho, os autores acrescentam ser uma política pública que se propõe como uma alternativa à informalidade urbana, reconhecendo os desafios da população mais desprotegida pelo o Estado frente ao processo de segregação socioespacial (Figura 3).

9Os conflitos e segregação territorial foram vivenciados na década de 1980, quando a “disputa” pela região denominada Ponta do Abunã, localizada na fronteira de Rondônia com o Acre, se tornou objeto de contestação jurídica entre esses os dois estados da federação. Relativo a esta situação geográfica, Lucilene Almeida (UFAC) relata em “Ponta do Abunã: um território entre Rondônia e o Acre”, que a região noroeste de Rondônia forjou identidades territoriais divididas. Um território que está em trânsito desde os períodos áureos da borracha, marcado pelas relações sociais e presença do estado. Ao supracitado, a autora explora o conceito de território para visualizar os significados apreendidos, estabelecidos ou projetados no espaço pelas relações sociais, encobrindo recursos e interesses nos distritos de Extrema, Nova Califórnia, Vista Alegre e Fortaleza do Abunã, objeto da disputa territorial, mas também especificidades territoriais e identidades que dão sentido a Ponta do Abunã. Contudo, sob um viés político-administrativo da região em disputa, o processo de apropriação e dominação perpassa pelos serviços públicos, diria, “longe dos olhos, mas perto do coração”, oferecidos pelo estado do Acre, contestados por Porto Velho, mais precisamente por Rondônia. Um território político que ora tem o rio e ou a estrada, uma territorialidade que o caracteriza. Sobre esta questão o leitor poderá adentrar no campo da autoestima política de Rondônia.

10No entanto, tal autoestima não contempla a todos. De certa forma, o rio conecta estes espaços, mas prioriza outros. A cidade de Porto Velho, o rio Madeira, a rodovia Br-364 fez emergir outras centralidade econômicas, e reduzir outras localidade outrora relevante na geografia regional do Madeira. Parece ser essa a situação da comunidade de Calama, localizada no baixo rio Madeira, próxima da cidade de Humaitá (AM). O professor José Botelho (UNIR), em “Aspectos históricos, geográficos e políticos de Calama”, narra o processo geográfico dessa comunidade ribeirinha. O que antes representava um porto seguro, a referência para os viajantes, de chegada e partida daqueles que buscavam as riquezas do látex, se tem uma imagem ribeirinha do tempo amazônico. O autor reflete sobre o povoado de Calama, que a princípio se pode datar desde 1850, como efeito de que sempre esteve na vanguarda das explorações da região amazônica, que projetou Porto Velho como cidade e o sacralizou como distrito. O leitor pode obter nestes aspectos um dos resultados do cotidiano amazônico, exploração econômica ao máximo e depois, mesmo com uma localização geograficamente estratégica, ponto de orientação, perde-se a referências, seja histórica ou política, como relata o autor sobre o povoado de Calama. Sobre esta perda de referência, o progresso não aportou em Calama, nem substancialmente em Porto Velho, sejam sociais, culturais ou econômicos. Para uns, talvez!

11Nessa abordagem, Ricardo Silva e Francilene Conceição (UNIR) analisam o “Crescimento populacional e progresso social em Porto Velho”, com raízes na política de colonização agrícola na Amazônia, produzida pela ditadura militar a partir da década de 1970. Uma inserção que vinculou os processos produtivos e sociais à escala nacional. Pode-se argumentar que os feixes de modernização do espaço amazônico e sua geopolítica a partir desse período se territorializou na cidade de Porto Velho. Os autores trazem ao leitor uma proposta deste sentido, crescimento e progresso sob o estigma do fluxo migratório, da metamorfose de uma “cidade ribeirinha” a “cidade regional”. Porto Velho apresenta uma característica desigual na redistribuição dos recursos sociais. Uma cidade de “passagem e travessia” que se vê permanecer. E o desafio tende a aumentar aos administradores, na medida em que os indicadores de progresso social não são favoráveis. A cidade de Porto Velho experimentou praticamente todas as virtudes de crescimento, todavia, não soube redistribuir os ativos em um progresso social, ampliando a desigualdade urbana.

12A modernização do espaço regional e a inserção de Porto Velho convergem para o segundo bloco dos textos. Urbanização, grandes projetos, logística e migração internacional compõem as análises referentes aos fatores contemporâneos multiescalar (em geografia humana escala é tempo social) que qualifica a cidade centenária (Figura 4).

Figura 4: Rio Madeira, porto do Grupo Maggi e sede do Governo de Rondônia (2014)

Figura 4: Rio Madeira, porto do Grupo Maggi e sede do Governo de Rondônia (2014)

Foto: Ricardo Gilson da Costa Silva

13Na trilha do “progresso” a cidade interage com processos que a qualificam e a condicionam na rede urbana amazônica como fenômeno socioespacial amplo. A “Fronteira, urbanização do território e transformações na rede urbana e nas cidades” constituem objeto de análise de Márcio Amaral e José de Lima (UFPA), vinculando o processo às dinâmicas do território brasileiro. Para os autores esta análise se sobressai, visto que as ações do Estado levaram à reestruturação da rede urbana de modo disperso e difuso pelo interior da Amazônia, distantes dos eixos Manaus e Belém, o que proporcionou o surgimento de cidades médias e pequenas cidades. Contribui para o entendimento sistematizado dos processos gerais que configuram a rede urbana amazônica a partir de sua heterogeneidade regional, deslocando as atividades produtivas e econômicas do eixo das metrópoles regional (Belém e Manaus). A emergência de cidades regionais, cidades de porte médio ou cidades médias, dentre elas Porto Velho, expressa as formas de reprodução do capital e de conformação difusa da fronteira em mecanismo de exploração dos recursos da natureza.

14Desta forma os autores consideram em tal análise o protagonismo das populações tradicionais, que perpassa pelas ações do Estado, mediado e transformado sob os projetos de colonização governamentais, como os que foram implantados ao logo da região. Fato que recorre a 1966, dado surgimento da região de planejamento “Amazônia Legal”, como expressão de uma fronteira agroestratégica, econômica, militarizada e tecno-ecológica. Os autores ainda delineiam vários fatores do cenário amazônico, em que estão o IIRSA e o PAC a princípio, além das rodovias federais (BR) que alavancaram a inserção do território no mercado ou ao contrário. “Diria sobre as BRs, um peixe gigante, deixado na floresta, que vai decompondo-a e se decompondo e também os seus recursos, que ao final resta apenas um “desenho” de baixa, média ou alta resolução para as análises das imagens de satélites”.

15Permeia o centenário de Porto Velho não somente a herança da estrada de ferro e os processos subsequentes que produziram a geografia da cidade e região, mas os grandes projetos originados das obras do PAC, o que vincula o passado com o presente, indicando a acumulação desigual do tempo como conteúdo social do espaço. Com esse olhar direcionado com especial atenção às hidrelétricas do Madeira e a relevância geoeconômica da rodovia Br-364, Luciana Borges (USP) em “Centenário de ações desenvolvimentistas, grandes projetos de infraestrutura e a reconfiguração do território em Porto Velho – Rondônia” propõe uma reflexão do presente sob o viés das políticas governamentais que se sobrepõem às práticas e saberes das populações tradicionais. Tais políticas se fundam nas implantações das rodovias, sejam federais ou estaduais, transformando-se em verdadeiros corredores de acessos territoriais dominados e a serem expropriados, rumos ao “novo eldorado”. É central a ação do Estado como agente modernizador da fronteira amazônica, indicando que as transformações na cidade e região constituem campos de reprodução do capital, cujas mudanças locais se explicam pelo entendimento das escalas geográficas e de poder composta no processo modernizador.

16A modernização do espaço também se refere à produção estratégica, considerando o imperativo da fluidez territorial para o entendimento geral do que se qualifica como global e local. Parece ser essa condição que contemporaneamente assume a cidade de Porto Velho, quando analisado sobre perspectiva geográfica da logística, expressa em “O papel de Porto Velho como nodal do transporte rodoviário de carga”, texto elaborado por Daniel Huertas (UNIFESP). Indica o autor que o movimento que vivencia Porto Velho exerce um papel estratégico na ótica de entreposto logístico, como nodal do transporte rodoviário neste quadro de políticas territoriais. Conduz com habilidade a análise a partir da teoria do espaço geográfico de Milton Santos, indicando que o uso do território pode ser evidenciado por um processo de seletividade espacial que privilegia alguns pontos e áreas em detrimento de outros. O autor trata de “solidariedades” a relação da rede dominante com a produção, cuja ação “é indispensável para pô-la em movimento”. A inserção de Porto Velho como uma das centralidades à rede em questão sinaliza diretamente estar atrelada à logística do agronegócio, à seletividade espacial pelo transporte. Assim, entendemos que as amplas condições de fluidez territorial permitem acesso e conexão direta com a logística da rede e aos “benefícios” do capital.

17Poderíamos suscitar ao leitor, uma tensão, pois a trajetória da cidade de Porto Velho traz elementos instigantes que remetem a uma Amazônia brasileira dos fluxos de migração, sejam os projetados pelo Estado e aqueles indeterminados. Mediante isto, ora o fio condutor é o rio ora é a rodovia e de alguma forma os imigrantes são conduzidos à Amazônia. Sob tais argumentos os autores Marília Cotinguiba e Geraldo Cotinguiba (UNIR) traçam o mapa da imigração em “A Amazônia brasileira e os fluxos de imigração no século XXI: o caso dos haitianos em Porto Velho”.

18Na medida em que os autores constroem essas cartografias complexas de fatos e contrastes, nos indaga o segundo livro “Porto Velho, cultura, natureza e território”, cujos artigos estão articulados nos eixos temáticos cultural, rio Madeira e gestão do território (Figura 5). Compõe a coletânea doze artigos com vinte e quatro autores que permeiam as leituras dos viajantes, focam a questão cultural a partir das religiões que se formam na cidade, problematizam a cheia histórica do rio Madeira e as dinâmicas urbanas e rurais que qualificam a gestão do território, assim como, a participação acadêmica na semana de ciência e tecnologia.

19Sejam pelos livros que foram escritos sobre esta região, como estes, ou que tem atraído olhares e visitantes das mais longínquas plagas, o professor Hélio da Rocha (UNIR) pondera esses olhares externos em “Um jornalista inglês em Porto Velho”, quando sublinha em sua análise histórica o jornalista inglês Henry Major Tomlinson, que trouxe o mar até a selva em sua jornada. Este prestou guarda aos materiais de construção, maquinários e suprimentos para os trabalhadores da EFMM em 1910. O leitor deve indagar-se sobre tantas oportunidades à sigla da ferrovia. Pode ser um dos sinais divergentes dessa reflexão. A estrada de ferro não saiu de Porto Velho, muito embora parecesse possuí-la. O autor imprime neste contexto, o fator pós-colonial, um inglês que relata sobre a Amazônia em um momento singular. O qual segue a observar a instalação do progresso do mundo europeu em plena “selva” e do seu formigamento de trabalhadores bem como dos aglomerados de nativos, nasce uma cidade.

20A religião também compõe o mosaico social de Porto Velho, imprimindo-lhe cultura. Nesse nascimento e na perspectiva da geografia da religião, a presença do judaísmo no Brasil se dá desde o advento das invasões portuguesas. Os autores Adnilson Almeida Silva e Sheila Santos (UNIR) em “O lugar como interpretação da geografia da religião”, possibilitam compreender o aspecto dos judeus que adentraram em Porto Velho pelo rio Madeira e por Guajará-Mirim, vindos da Bolívia. Mas, mesmo os judeus que buscaram a cidade, o fizeram mantendo uma parte de sua cultura e do seu credo, modificando algumas utilizações conforme as características geográficas de onde decidiram viver. Dentre estes aspectos, os autores pontuam que a discussão permeia também a epistemologia sobre a Geografia da Religião. Esta leitura oportuniza uma visão sobre as “explicações” tomadas por muitos pesquisadores sobre a Amazônia. O fato é que Porto Velho para os judeus é o espaço amazônico familiarizado e no qual materializaram seu aspecto cultural.

21E outros aspectos culturais construíram suas práticas na cidade nascente de Porto Velho, cuja história e cultura se forjaram nas “Representações dos encantados e da cura na umbanda”, texto de Leonardo Britto (UNIR). A floresta, as cachoeiras reconheceram naqueles vindos de outros lugares a interação com os “encantados” e a prática de cura, em que o leitor pode buscar na compreensão etnográfica essas representações sobre concepções e o processo de formação religiosa. O primeiro terreiro, os imigrantes que trouxeram a “encantaria” a cidade, as práticas de curas como saber tradicional. Atrelado ao fato de que a crença na existência de espíritos encantados é uma constante na região amazônica.

22Trata-se também de uma análise geral que situa Porto Velho como ofício dos tempos, espaços e memórias das religiões afro-brasileiras, sobre a sociedade local. Essa perspectiva é corroborada por Marta de Lima (UNIR), com o texto “Religiões afro-brasileiras em Rondônia: tempos, espaços e memórias”, ao discutir a etnicidade e a espacialidade da organização das religiões afro-brasileiras. A categoria “terreiro” é adotada pelo conjunto formado por terreno(s) e construções onde ocorrem os preparativos das cerimônias religiosas, sendo os principais espaços de culto dessas religiões em Rondônia. Argumenta ainda que desde 1910 aos dias atuais ou considerando 2011, são mais de 108 terreiros na cidade de Porto Velho. Pode-se sugerir em acordo com a autora, se tratar de uma contribuição cultural essencial para a construção da cidade e que as migrações determinaram o ingresso destes modelos religiosos como Tambor de Mina, Umbanda e Candomblé.

23O rio Madeira e suas dinâmicas constituem o segundo bloco de textos. O artigo “Rio Madeira: a cheia histórica de 2013/2014”, escritos por Ana Strava, Luiz Gilberto Dall’Igna, Marcelo José Gama da Silva e Astrea Alves Jordão, ambos pesquisadores do SIPAM-Porto Velho, visualizam a partir da hidrologia a cheia histórica de 2013/2014, que de certa forma “repôs” o rio na vida urbana local (Figura 6). Haja vista que as sucessões desse evento que culminou com a cheia iniciaram em novembro de 2013, o leitor poderá compreender sob as análises hidrológicas que “foi coerente a elevação do rio com a ocorrência de precipitação registradas” na Bolívia. Tecnicamente, os avisos foram postos e mesmo com a projeção do evento hidrológico prevaleceram “as forças da natureza”. Por fim, apresenta as contribuições do Sistema de Proteção da Amazônia em Porto Velho na elaboração de prognósticos baseados na observação das chuvas na bacia hidrográfica.

24A tal ponto que a “Dinâmica fluvial do rio Madeira”, segundo Amílcar Adamy (CPRM), surpreendeu o estado de Rondônia de uma maneira excepcional, jamais vista a subida do nível das águas. O artigo analisa que a implantação das usinas hidrelétricas “coincidiu” com a incidência da maior inundação do rio Madeira. Sabe-se que o rio apresenta uma sedimentação elevadíssima, de origem andina, ou seja, uma drenagem pode se dizer, recente. Nesta geografia fluvial intensa, ilhas surgem e desaparecem ao longo do tempo como bem assinala o autor sobre a ilha Curicacas. Sobre esta questão, a cheia do rio Madeira, os elementos são diversos. O leitor poderá acessar um arsenal intrigante sobre o evento, além das fotos registradas, dados atualizados. Ao passo que as terras caídas, processo de erosão fluvial, o autor argumenta que aceleraram de certa forma com as usinas hidrelétricas, advertindo ser necessário identificar e caracterizar as contribuições das hidrelétricas nas modificações da dinâmica fluvial da bacia do Madeira.

Figura 6: Cheia do rio Madeira e a praça da Estrada de Ferra Madeira Mamoré (2014)

Figura 6: Cheia do rio Madeira e a praça da Estrada de Ferra Madeira Mamoré (2014)

Foto: Ricardo Gilson da Costa Silva

25Porto Velho vivenciou, ou uma parte considerável de sua população, os efeitos da cheia do rio Madeira, mas de maneira impactante no espaço agrário do município. Os geógrafos Rafael da Franca e Alyson Ribeiro (UNIR) nos dizem que o regime do rio é um fator determinante e que influencia diretamente o cotidiano dos agricultores e dos pescadores ribeirinhos. E em associação a esta influência, procuram compreender a intensa pluviosidade ocorrida na região, argumentando que a cheia atingiu principalmente agricultores de base familiar de inúmeros Distritos de Porto Velho. Muitas famílias ficaram sem produção e sem a perspectiva de uma nova produção em curto prazo. Para análises mais detidas poderíamos dizer que este evento impede, obedecendo ao regime do rio, a reprodução produtivo-econômica e social das populações tradicionais.

26Os “Aspectos evolutivos da geomorfologia fluvial do baixo curso do rio Madeira, Porto Velho – Rondônia”, elencados por Eloíza Della Justina e Shirlei Sampaio (UNIR), também revelam as modificações resultantes da cheia do Madeira a jusante da cidade, num período de 38 anos. Ao indicarem que as transformações inerentes à estrutura litológica e a presença de lineamentos estruturais que condiciona o rio Madeira, as autoras advertem ser prudente os estudos das estruturas fluviais (hidro-geológica e hidro-geomorfológica) do Madeira, com intensa aplicação para o campo do planejamento ambiental e territorial, visto ser necessário em função da grande cheia.

27Entre as ações que dinamizaram a “conquista do rio”, a cidade de Porto Velho ainda permanece no deslumbre do centenário sem observar as transformações sociais, econômicas e tecnológicas que se avolumam no cenário mundial. O que em princípio, nos renova a interação com o rio Madeira, mas jaz uma cidade antes ribeirinha, agora regional. Sobre isto, em “Perspectivas ribeirinha sobre os impactos da construção de usinas hidrelétricas no rio Madeira em Rondônia, Brasil”, dos geógrafos Steven Rainey e Maura Araújo Rainey, pesquisadores da McNeese State University (USA), ensejam que as perspectivas ribeirinhas sobre os impactos da construção das usinas no rio Madeira projetam temores recorrentes nas transformações do ambiente e do território.

28A perda de sedimentos férteis em planícies aluviais utilizadas para atividades agrícolas ribeirinhas, agora retidos nos reservatórios das usinas hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, provoca contratempos nas territorialidades dessas comunidades. Particularmente, um desalinho com a Vila de São Sebastião, localizada na margem esquerda do rio Madeira, de frente para a cidade de Porto Velho. Ainda, muitos pescadores relatam que os peixes, após a construção das barragens desapareceram, mesmo com a tentativa dos técnicos das hidrelétricas, e ampla propaganda nos meios de comunicação negando qualquer impacto, em subsidiar incrementos alternativos para o ressurgimento do pescado.

29A gestão ambiental e territorial é abordada em dois artigos que analisam as áreas verdes na cidade e a dinâmica territorial que avança em áreas protegidas no espaço rural de Porto Velho.

30As autoras Helen da Silva e Siane Guimarães (UNIR), com o artigo “Monitoramento das áreas verdes no perímetro urbano de Porto Velho-Rondônia ao longo de 27 anos, utilizando imagens de satélite”, observam que os resultados apontam que a rápida expansão da população se relaciona com as mudanças prejudiciais ao meio ambiente. A cidade de Porto Velho tem uma projeção em sentido leste, conforme dados obtidos com as imagens de satélite, reservando um desmatamento acentuado no período de 1985 a 2012. Indica, assim, o avanço da ocupação do solo urbano enquanto as áreas verdes sofreram uma redução gradativa pelas construções irregulares e queimadas. Contemplam a necessidade de ações para reverter o quadro mais positivo para as áreas verdes.

31No espaço rural de Porto Velho, a dinâmica que transita nesta reflexão expõe ao leitor um enredo de “Agentes, processos e conflitos na gestão territorial no estado de Rondônia”, sob o estigma da demanda por novas áreas rurais. Na sua análise, Ricardo Silva (UNIR) situa a questão como uma das problemáticas geográficas do processo de modernização da agropecuária na Amazônia, que avança em áreas que há 20 anos não estavam sobre pressões do mercado agropecuário e madeireiro. Centra a análise no povoado de União Bandeirantes, localizado cerca de 160 km da cidade de Porto Velho, cujas dinâmicas territoriais locais apontam para a pressão política, econômica e social sobre áreas protegidas neste entorno (unidade de conservação e terra indígena). Demonstra que a recente ocupação dessas novas terras passou a ser apoiada por grupos políticos do setor agropecuário e do agronegócio, forçando novos usos do território. Sob essas provocações o leitor encontra neste contexto um “cipoal” de interesses e demandas da ação estatal.

32O autor ainda nos convida a perceber que o espaço rondoniense foi transformado em um tipo de economia de fronteira, em que a dilapidação da natureza e sua rápida mercantilização se tornaram o motor das metamorfoses do espaço habitado pela sociedade migrante. Então, o Zoneamento Socioeconômico e Ecológico de Rondônia, instrumento de gestão do território, agora fragilizado contrasta apenas com a marca da propaganda governamental, considerando que vastas áreas, antes protegidas, agora se tornaram objeto de verdadeira pilhagem ambiental.

33Por fim, o texto “Porto Velho no contexto da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Rondônia através do Acqua Viva Rede UNIR”, do grupo de pesquisa formado pelos professores Catia Zuffo (UNIR), Benedito Sales de Aguiar, Grasiela Rocha Torres Goveia, Francisca do Nascimento Maciel e Osmair Oliveira dos Santos, ambos da rede pública de ensino. Apresentam a trajetória da rede Acqua Viva nas atividades e resultados fruto da participação das atividades da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, principalmente no município de Porto Velho. O evento (extensão universitária) visa popularizar a ciência e o desenvolvimento de atividades com um público diversificado: crianças, jovens e pessoas da sociedade que geralmente não têm acesso à ciência, o que demonstra o compromisso social dos pesquisadores e professores para com a ciência e tecnologia em suas manifestações mais básicas, o que tende a aproximar a universidade e a sociedade.

34Podemos compreender até o momento que cidade de Porto Velho transcreve em sua geohistória as particularidades de cidade amazônica, pioneira, cujas especificidades contemplam uma trajetória centenária. E ao leitor que encontrou os caminhos nessa cartografia social tecida pelos autores, pôde partilhar das reflexões e dos desafios percorridos. Assimilando além das provocações iniciais, a experiência singular de um contexto amazônico que se revela.

35Então, acreditamos que após esta reflexão, o leitor possa sentir-se inquieto, questionado a pensar o contexto amazônico de outra maneira. Assim, como os autores, apresentamos um olhar experimentado, não conclusivo, sobre uma região que possibilita contrastes. Um convite a experimentar uma cidade de 1914 que se enraizou na Porto Velho de 2014 versus as grandes intervenções da Estrada de Ferro Madeira Mamoré de 1912 às Usinas Hidroelétricas de Jirau e Santo Antônio de 2012. Esse intervalo percorre cem anos de Porto Velho, nas expressões de uma cidade centenária.

36Boa leitura.

37Abaixo, os links para acessar as obras:

38COSTA SILVA, R. G. (Org.). Porto Velho, urbanização e desafios para uma cidade centenária. Link:http://www.edufro.unir.br/​submenu_arquivos/​2567_porto_velho_urbanizacao_e_desafios_para_uma_cidade_centenaria_17.10.16.pdf

39COSTA SILVA, R. G. (Org.). Porto Velho, cultura, natureza e território. Link:http://www.edufro.unir.br/​submenu_arquivos/​2568_porto_velho_cultura_natureza_e_territorio_17.10.16.pdf

Haut de page

Notes

1 Professor Doutor do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGG) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Coordenador do Laboratório de Pesquisa em Gestão do Território – LAGET/DGEO e do Grupo de Pesquisa em Gestão do Território e Geografia Agrária da Amazônia – GTGA/DGEO/UNIR.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Localização do município de Porto Velho
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11574/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre Figura 3: Periferia de Porto Velho, que precisam de regularização fundiária (2015)
Crédits Foto: Ricardo Gilson da Costa Silva
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11574/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre Figura 4: Rio Madeira, porto do Grupo Maggi e sede do Governo de Rondônia (2014)
Crédits Foto: Ricardo Gilson da Costa Silva
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11574/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 2,8M
Titre Figura 6: Cheia do rio Madeira e a praça da Estrada de Ferra Madeira Mamoré (2014)
Crédits Foto: Ricardo Gilson da Costa Silva
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/11574/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 802k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Luís Augusto Pereira Lima et Amanda Michalski, « Porto Velho, expressões de uma cidade centenária », Confins [En ligne], 29 | 2016, mis en ligne le 14 décembre 2016, consulté le 11 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/11574

Haut de page

Auteurs

Luís Augusto Pereira Lima

Doutorando na Universidade Federal de Rondônia (UNIR), aplluis@yahoo.com.br

Amanda Michalski

Graduanda em Geografia (UNIR), michalski85@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals