Navigation – Plan du site

Antártida

A geografia do continente gelado e as operações brasileiras
Ricardo Felicio

Résumé

No extremo Sul do planeta Terra há a última fronteira ao avanço e controle total do homem. Se já são tantas as dificuldades para a sobrevivência em um ambiente hostil, podemos imaginar o esforço maior para a permanência total e indefinida. Tal território, sempre idealizado pelos antigos gregos, cerca de 300 a.C., mas descoberto há pouco mais de um século é a Antártida.

Suas diferenças são marcantes em relação ao seu par, no pólo Norte, em todos os sentidos. O mais importante é o fato de a Antártida ser realmente um continente, enquanto que o Ártico é apenas uma calota de mar congelado. As diferenças geográficas são muito importantes para se ter uma idéia de diversos comportamentos climatológicos e oceanográficos entre os dois hemisférios da Terra. Devemos dar ênfase a estas características geográficas para o estudo da região. Enquanto no pólo Norte há o Ártico como um mar congelado, com espessura de gelo próxima de 10 metros, cercado de continentes por todos os lados, com estreitas faixas de oceanos livres, o pólo Sul é exatamente o oposto. Temos um continente de fato, a Antártida, cercada de oceano livre por todos os lados, o Oceano Circumpolar Antártico. Este é um motivo chave para os deslocamentos dos fluidos geofísicos do planeta: os oceanos e a atmosfera. Com a ausência de perturbações causadas pela presença de massas continentais, os fluidos poderão formar fenômenos consideráveis.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Antarctique
Haut de page

Texte intégral

O Nome do Continente

1Embora obscurecido pela Idade Média, o conhecimento de que a Terra era esférica já era sabido pelos antigos Gregos. Chegou-se a calcular seu raio com pouca margem de erro, quando o diretor da biblioteca de Alexandria, Eratóstenes, em 331 a.C. descobriu anotações interessantes sobre a posição de sombras durante um solstício de verão boreal na cidade de Siena (às margens do mar Vermelho, Egito antigo). Outras observações da esfericidade da Terra eram bem claras durante os eclipses lunares. Os antigos conheciam as terras do Norte e sabiam da existência das regiões geladas do Ártico e das regiões quentes equatoriais próximas no continente africano. Imaginando a simetria de um corpo celeste esférico, concluíram que deveria haver uma região fria na outra extremidade do planeta. Como sobre o pólo Norte há a estrela polar (Polaris), pertencente à constelação da Ursa Menor, a região fria do Norte recebeu o nome de Arktus (há grafias Arktikus), que significa Ursa Menor. Então, pela derivação e simetria, a conclusão que se chegou foi da existência de uma região fria ao Sul. Assim nasceu o nome Anti-Ártico, ou contrário da Ursa Menor. Formou-se as palavras derivadas antártico, usada como adjetivo e o substantivo Antártica, para nomear o continente. Mas nem sempre a língua portuguesa foi fiel às origens gregas, daí a formação do substantivo latino Antártida. Como lembrou muito bem Ulisses Capozoli, Prof. Aristides Pinto Coelho e outros escritores, os quais eu mesmo defendo: a grafia Antártida soa muito mais interessante e poética, pois remonta um mistério de “continente perdido” como a lendária Atlântida e que faz justiça a ele em toda a sua plenitude, mesmo porque, não existe uma Ártica. Só por este fato, a Antártida já se torna ímpar! É o único continente polar do planeta. Além do mais, estas terras continuam sua deriva, como todas os outras da Terra e, num futuro distante, deixará de ser a antípoda da região ártica. Oficialmente, o governo brasileiro adotou o termo Antártica para descrever o continente nos seus trabalhos e documentos. Notoriamente, ambos os modos estão corretos. É muito comum encontrar nos jornais e livros a grafia Antártida.

A Descoberta

2Desde tempos remotos, a Terra Australis Nondum Cognita era grafada nos mapas antigos como sendo uma região existente, porém não descoberta. É difícil oficialmente dizer quem foi o explorador, ou melhor dizendo, a expedição, que encontrou o continente. Diversos países, inclusive o Brasil, participaram de expedições de ataque as regiões sub-polares e polares. Contudo, com a tecnologia dos séculos XVIII e XIX, tais jornadas eram muito críticas e trabalhavam no limite extremo entre a vida e a morte. Podemos fazer uma idéia de como tais missões eram perigosas quando comparamos com os dias atuais. Se mesmo hoje, um acidente nos mares antárticos ou mesmo sobre o continente é muito difícil de prestar socorro, imaginemos há mais de 100 ou 200 anos atrás. Os expedicionários realmente tinham um espírito aguçado de aventura. Infelizmente, nem todos tinham uma visão ecológica e científica acurada. Avaliando a História, podemos dizer duas coisas interessantes de um grande personagem no descobrimento antártico. O nome é Belligshausen.

3Embora haja muita controvérsia sobre os descobridores da Antártida, sumariamente, avaliando-se todos os documentos registrados da época, podemos atribuir com muito mais certeza o encontro das terras antárticas ao comandante Thaddeus Bellingshausen, chefe de duas expedições antárticas russas iniciadas na data de 1819. Naqueles tempos de descobertas, tais expedicionários saíam em suas missões para ficarem mais de 2 anos percorrendo as regiões dos mares gelados, fazendo retornos breves para recarga de suprimentos e reparos de avarias. Normalmente tais retornos eram feitos na Austrália, Nova Zelândia, Argentina e Brasil. Havia uma corrida mundial entre muitas nações para o descobrimento das terras austrais. Muito antes de Bellingshausen, diversos outros exploradores tentaram encontrar o continente. Em 1768, o jovem comandante inglês James Cook, a bordo do Endeavour, já partira para as águas do Sul. Porém, somente na sua segunda viagem, no comando do Resolution, em 1772, é que ele conseguiu chegar ao ponto Sul máximo até aquela época. Tal marca só será batida em 1933 na expedição do almirante americano Richard Bird. É quase uma fatalidade Cook não ter descoberto a Antártida, pois avançou até o paralelo 71º10’, mas na longitude 160º54’, ou seja, penetrou na região mais profunda e exaurida de terras da Antártida, o mar de Ross. Se não fosse por esse fato, sua expedição teria descoberto o continente já no século XVIII.

4O comandante Belligshausen, seguindo pelas recém descobertas ilhas Shetland do Sul, encontrou a península Antártica. Isto só ocorreu depois de diversas tentativas de ultrapassar as barreiras de gelo que cercavam sua flotilha constantemente (navios Vostok e Mirnyi). Pode-se dizer que a data mais correta para se atribuir à descoberta é 28 de janeiro de 1821.

5Toponímia geral da Antártida. A navegação da frota russa do Cap. Bellingshausen navegava sempre além dos 60ºS. Sendo assim, encontrou a península Antártica em 28 de janeiro de 1821. O mar à Oeste da península recebe o seu nome. Note também que o continente não é centrado no Pólo Sul. Cerca de 90% dele pertence à Antártida Oriental.

Características Peculiares

6O continente Antártico é especial pelos mais diversificados motivos. Inicialmente levaremos em conta os fatores geográficos mais comuns referentes à Antártida. Foi um continente que derivou do Norte para o Sul nestes milhões de anos de evolução terrestre, saindo de uma região tropical. Por este motivo, já comportou florestas e animais. A existência disto foi comprovada por estudos geológicos da região que mostram excelentes reservas de carvão, petróleo e madeira petrificada. Além disto, há reservas de diversos minerais cuja quantificação excede muitas reservas exploradas em outras regiões do mundo. Metais como ferro, cobre e outros preciosos são abundantes. Por estas poucas características, a Antártida já se torna uma área de relativo interesse econômico. Contudo, estas não são características econômicas de fácil obtenção. Talvez por isso, e afirma-se que somente por isso, elas ainda não foram exploradas de fato. O clima e o tempo tornam impraticáveis economicamente tais atitudes.

7Figura em projeção polar para comparação do território brasileiro em relação ao continente antártico. O Brasil tem cerca de 60% do tamanho da Antártida, sem contar os mares que congelam durante o inverno. Pode-se concluir algumas coisas interessantes: Nosso país é muito grande, o que dificulta sua ocupação, além de ter muitas barreiras naturais; a Antártida é bem maior, acrescida de todos os problemas impostos por condições críticas de tempo e clima. Se até os tempos atuais, o expansionismo de ocupação é um problema brasileiro, o que dizer de terras geladas?

8Porém, a maior riqueza mineral da Antártida é a sua água. Cerca de 90% da reserva de água doce potável está congelada no continente. Sabe-se que, em futuro próximo, a maior dificuldade da humanidade será a obtenção de água potável. Provavelmente até guerras serão travadas pela posse de ecossistemas que sustentem a vida. Aos olhos dos visionários, a Antártida torna-se uma região estratégica de futuro muito promissor. Essa reserva encontra-se por praticamente todo o continente, com cerca de 14 milhões de km2 e que quase duplica, no inverno, quando seus mares congelam e recebem a neve precipitada, alcançando marcas de mais de 20 milhões de km2 (não podemos esquecer que o Brasil tem um pouco mais de 8,5 milhões de km2 e a América do Sul, cerca de 17,6 milhões). Toda a neve precipitada vai tornando-se gelo com o passar dos dias. Em meses, esse gelo concentra-se, formando camadas mais compactas e aprofundando-se. Desta maneira, a Antártida torna-se um congelador da história do nosso planeta. Em cada camada de gelo estão aprisionadas pequenas amostras da atmosfera. Os glaciologistas perfuram o gelo e conseguem estipular diversos parâmetros da atmosfera primitiva. Pode-se avaliar o gelo de 900 mil anos atrás, descobrindo concentrações dos principais gases atmosféricos, por exemplo. Só por este fato, pode-se reconstruir a atmosfera do planeta. É um marco de registro importantíssimo.

9É notório de se imaginar que essa neve não pode formar acúmulos de gelo eternamente. Com o estudo obtido por marcadores feitos em geleiras e mais modernamente utilizando-se satélites, percebeu-se que as geleiras se movem do interior do continente para o litoral, sendo este deslocamento bem semelhante ao de um rio. A velocidade de deslocamento pode ser de um metro por ano a impressionante marca de três metros por dia. Quando chega a região costeira, a geleira atinge o mar. Nesta interface, surgem rachaduras gigantescas que formam os icebergs. Então, pode-se dizer que cada iceberg é um gelo, que um dia foi neve, a muitos milhares de anos atrás e que agora é devolvido ao ciclo hidrológico. Cada iceberg é um retorno na máquina do tempo do nosso planeta. Contudo, os icebergs antárticos diferem totalmente dos seus pares do Ártico. Enquanto no hemisfério Norte eles são pontudos, derivados de rachaduras de geleiras próximas ao mar, na Antártida imperam os tabulares, originados da quebra do talude congelado sobre os oceanos. Com isto, os icebergs antárticos podem facilmente se tornarem tão grandes como estados brasileiros. Em minha missão à Antártida, em 2001/2002, tive a oportunidade de rastrear pelo satélite russo da série Meteor, dois tabulares muito maiores que a Ilha Rei George (vide texto abaixo) local onde se situa a estação brasileira.

10Icebergs tabulares imperam nos mares antárticos. Muitos deles são maiores que cidades e até pequenos estados brasileiros. A preocupação maior com estes gigantes de gelo errantes é a sua rota. Algumas chegam ao litoral Sul do Brasil.

11A Antártida é o continente com a maior altitude média. Chega a cerca de 2.200 metros, ou seja, se todo o continente fosse nivelado, quando se chegasse ao litoral, encontraríamos uma muralha com esta altitude. Contudo, a maior parte é composta de gelo, com espessuras além de 4000 metros. Note os principais acidentes geográficos, como as montanhas Transantárticas (ao centro) e os Antartandes (formação da península Antártica, à esquerda). Em geral, todo o litoral é composto por barreira orográfica. A parte central é chamada de platô Antártico, compostas por diversos domos gelados.

Introdução ao Clima e Tempo da Antártida

12É redundante dizer que o clima antártico é frio, aliás, muito frio. Porém, essa idéia fundamentada na mente das pessoas que vivem em países tropicais ou de médias latitudes, como os brasileiros, é muito vaga. Muitos acham que se estivessem na Antártida, logo em um primeiro momento, iriam encontrar um frio extremo. Este é um conceito errado. A região costeira da Antártida pode alcançar temperaturas inclusive positivas. Há uma interação muito forte entre a região costeira fria com os mares, relativamente mais quentes. Portanto, a costa antártica e principalmente os arquipélagos sub-antárticos possuem temperaturas que variam entre 5º a –25ºC, dependendo da época do ano e de que sistema sinóptico meteorológico estiver operando na área.

13Mas afinal o que é esse sistema sinóptico meteorológico que atua na Antártida? Pertencentes à fauna meteorológica, os ciclones extratropicais são as principais entidades que atuam na região costeira e mares adjacentes de todo o continente antártico. Realisticamente, são eles os responsáveis pela troca de energia das regiões de médias latitudes, com as regiões sub-polares, ou seja, convertem quase que a totalidade da energia térmica, do ar mais aquecido, em energia cinética (de fortes ventos) quando tentam transpor o ar mais frio. Forma-se um vórtice de proporções planetárias (daí o termo sinóptico = visão simultânea) que caracteriza o transporte de ar, as vezes mais aquecido, as vezes mais frio, sobre um observador em superfície, conforme o ciclone ET se desloca. Portanto, nas proximidades da costa antártica, o frio não é extremo. Os valores de baixas temperaturas estão mais ligados a parte interior do continente e às grandes cadeias montanhosas. Deve-se levar em conta também que todo o continente têm uma altitude média muito elevada. O platô Antártico, localizado no centro do continente, possui altitude de mais de 4.000 metros. Nesta região central, em altitude o ar superior converge, assim, há subsidência com o transporte deste ar para a superfície. Desta maneira, forma-se um anticiclone muito grande e semi-permanente no platô Antártico. Como o escoamento do ar no anticiclone é divergente, teremos condições propícias para a formação de fortes ventos, em superfície, muito frios que caminham para o litoral. Porém, não podemos esquecer que a forte declividade, entre o alto platô central até a costa ao nível do mar, serão fatores determinantes para o surgimento dos mais intensos ventos frios catabáticos (que descem montanhas).

14Imagem de Satélite de órbita estacionária, geossíncrona GOES-8 (já fora de serviço, substituído pelo GOES-12). O canal de observação desta imagem é o infravermelho, pois permite observar o planeta mesmo na ausência de luz solar. A região ilustrada é o Sul da América do Sul, Norte da península Antártica e o trecho de mar conhecido por estreito de Drake. Na atmosfera observamos um ciclone extratropical gigante que é classificado como sinóptico. Note que este fenômento meteorológico é muito maior que os furacões (ciclones tropicais) que ocorrem nos E.E.U.U., por exemplo. Este, em especial, tem cerca de 2.200 x 1.500km.

15Em suma, analisando as diversas condições do tempo, pode-se dizer que a climatologia antártica é muito dinâmica. Por um lado, na faixa do litoral e oceano Circumpolar Antártico, agem os ciclones extratropicais e ciclones extratropicais polares. Enquanto que na área continental imperam, em média, escoamentos catabáticos originados do interior para o litoral. Mas tal simplicidade aparente esconde muitos mistérios, ainda a serem descobertos e avaliados. Estamos muito longe de descobrir todos os mecanismos da atmosfera antártica.

16Dia calmo, ensolarado e raro na Antártida. Normalmente a região costeira é atribulada permanentemente devido a passagem de alta freqüência dos ciclones extratropicais. Note, nesta fotografia, que mesmo com mar espelhado e ausência de ventos, o perigo meteorológico espreita. Observe a nebulosidade sobre as montanhas. Expedicionários em terra ou helicópteros que por ventura estivessem passando ali, estariam sujeitos ao Whiteout. Este fenômeno meteorológico é característico de regiões árticas e também recebe a alcunha de “Escuridão Branca”. Quem estiver dentro dele perde a noção de espacialidade. Expedicionários se perdem e aeronaves colidem com o solo. Com a modernidade dos instrumentos de navegação, o problema foi abrandado, mas não eliminado.

17Outros dois exemplos de Witheout. Na fotografia da esquerda, não é possível  encontrar o final da geleira Domeiko, ilha Rei George, e o início da nebulosidade. A fotografia da direita mostra o mesmo efeito, sobre a geleira Stenhouse e Ajax, abrandado por nebulosidade de teto obscurecido.

18Mosaico produzido por imagens de diversos satélites de órbita polar. Esta é a maior prova da dinâmica climatológica do hemisfério Sul. Um continente situa-se próximo ao pólo, cercado por oceanos livres e nenhuma barreira orográfica por todos os lados. Esta posição geográfica permite a total liberdade de movimentos aos fluidos geofísicos da Terra: oceanos e atmosfera. Nesta imagem, obtida por canal infravermelho, notamos a Antártida cercada por ciclones extratropicais. Estes fenômenos formam uma barreira de proteção e convertem boa parte da energia térmica das médias latitudes em energia cinética (de fortes ventos). A Antártida, em contrapartida, cede ar mais frio para resfriar o hemisfério Sul. Este eficiente mecanismo de troca permite com que a Antártida não se resfrie continuamente e que as médias latitudes não se aqueçam em demasia.

Ocenografia Antártida

19O oceano Circumpolar Antártico possui uma das maiores correntes oceânicas da Terra e de longe uma das mais velozes. Em certos trechos, como o estreito de Drake (passagem entre o oceano Pacífico e Atlântico no Sul da América do Sul e Norte da península Antártica) pode alcançar velocidades da ordem de 60km por dia. Tal corrente é conhecida como Corrente Circumpolar Antártica (CCA) e caminha próxima à linha de Convergência Antártica, aos 60ºS (o local em que se pode dar a volta toda ao redor da Antártida por mar).

20A parte de estudos na área da Oceanografia Física da Antártida é vasta. Existem interações entre correntes profundas do leito dos três oceanos do planeta e as águas superficiais ao redor da Antártida. No Atlântico, por exemplo, alternam-se águas provenientes de afundamento da costa antártica para a base do Atlântico, caminhando para o Norte e ao mesmo tempo em uma profundidade intermediária. Em contrapartida, águas do Atlântico Norte, passam entre essas duas correntes e se ligam à CCA, na passagem ao Sul da África. Tais movimentos de massas d’água são responsáveis por diversos processos. Cabe a Oceanografia Química, a Biológica e a Geológica desvendar um emaranhado de segredos por trás desta dinâmica dos oceanos e sua interação com a CCA. Tais conexões indicam como tudo no planeta está interligado. Outros exemplos são os estudos de densidade e salinidade, gases dissolvidos nos mares antárticos, migrações de cetáceos, além da interação ar-mar.

21Cabo Horn, final Sul da América do Sul. Diferentemente de Magalhães, Francis Drake avançou mais ao Sul e descobriu uma passagem muito mais larga (cerca de 1000km) que ligava o Atlântico ao Pacífico. Contudo, esta passagem (que leva o seu nome) é constantemente atingida pelos ciclones extratropicais. Como os mares respondem aos ventos, as ondas podem chegar a 12 metros ou mais. Normalmente, atingem 7 metros.

22Imagem de realce computadorizada ilustra a temperatura dos oceanos. A Corrente Circumpolar Antártica percorre continuamente, de Oeste para Leste, a faixa próxima da latitude dos 60ºS (na imagem, a interface entre o azul e roxo). Da mesma maneira que os ciclones extratropicais fazem seu papel de troca térmica na atmosfera, as misturas de massas de água oceânica também o fazem, porém, com menor velocidade. Contudo, cumprem um papel muito mais importante. Águas frias absorvem mais dióxido de carbono (comumente chamado de gás carbônico). Este sorvedouro de gases irá iniciar uma das mais fantásticas e gigantescas cadeias alimentares. Muito dióxido de carbono dissolvido na água do mar permite gerar muito plâncton e algas. Por sua vez, aumentam-se as populações de crustáceos como o Krill, que prefere águas frias. Daí por diante, migram-se as aves aquáticas, em especial os pingüins. Focas de todos os tipos também migram para a Antártida. Finalmente, chegam os grandes cetáceos, as baleias, como a Azul, Mink e Orca. Esta última, conhecida por “assassina”, é o topo da cadeia alimentar, atacando todos os animais inclusive, outras baleias.

23Contudo, o estudo da Oceanografia em geral na Antártida é bem mais dificultado exatamente pela ação hostil dos ciclones extratropicais que agem na região. Torna-se muito mais difícil executar os procedimentos operacionais de coleta e análise nas embarcações expostas aos elementos. Muitos destes estudos centram-se nas ilhas adjacentes à Antártida por oferecerem relativo abrigo ou proximidade de alguma estação científica, como é o caso do Brasil.

24Oceanografia Biológica e Geológica. Lançamento de van Veen na enseada Martel, baía do Almirantado, interior da ilha Rei George. Os animais encontrados na Antártida são únicos àquele nicho. Sua adaptação às condições de baixa temperatura não encontram pares em outras espécies do planeta. Resistência ao frio e a alta concentração de oxigênio nas águas são fatores estudados pelos biólogos.

25A Oceanografia Física se importa com perfis de temperatura e salinidade, dentre outros. Nesta fotografia, temos o lançamento da Roseta, espécie de suporte que recebe diversos aparelhos CTD’s (que medem temperatura, salinidade e outros parâmetros). Descobrir a estratificação das massas de água superficial, sub-fundo e fundo permitem estabelecer os fluxos de calor, solubilidade e interação com a atmosfera.

Um Conjunto Complexo

26Um continente de máximos em todos os sentidos, a Antártida se torna única no encanto que oferece pela poesia de sua beleza, a fascinação pela grandiosidade da primeira descoberta que leva, ao espírito humano, a sensação da exploração de um mundo novo, longínquo, alienígena, incomum.

27Contudo, deve-se alertar que todo este cenário é frágil e deve ser preservado, a todo custo, da ação predatória do homem. Os registros nos mostram que nos tempos dos séculos XVIII, XIX e XX, a maior ação humana na região foi a de destruição. De milhares a milhões de animais foram mortos pela ganância. Pode-se dizer que boa parte da economia mundial nasceu da morte de centenas de baleias, muitas da região antártica. Várias espécies de focas foram quase extintas para a obtenção de peles, óleo e carnes. É espantoso caminhar pelas praias da ilha Rei George/25 de Mayo e ver as centenas de ossadas das baleias mortas. A mentalidade humana precisa mudar.

28A Antártida precisa ser respeitada, pois muitos dos mecanismos de interação global passaram a ser estudados com mais atenção somente no final dos anos de 1990. Muito há de se descobrir ainda. As tele-conexões entre sistemas meteorológicos, efeitos globais, interação ar-mar, ainda estão sob avaliação e novas teorias surgem. O complexo mecanismo entre as diversas áreas diferentes do conhecimento mostram que todas são engrenagens importantes de uma máquina não totalmente conhecida. Deve-se chamar a atenção principalmente no que tange às diferenças do hemisfério Sul da Terra e o papel fundamental da presença da Antártida neste contexto. Será que a elevação da temperatura global poderá formar ciclones extratropicais mais fortes, com ventos mais intensos? Sabe-se que a equação do balanço do carbono global mostra um déficit. Para onde estaria indo esse carbono? Águas frias são sorvedouros de gás carbônico atmosférico. A CCA é um dos maiores sorvedouros deste carbono. Em contrapartida, os plânctons utilizam o gás carbônico e começam uma espetacular cadeia alimentar que termina com a migração dos grandes cetáceos para a CCA. São questões interessantes que ainda precisam ser respondidas e que formarão muitas outras no meio do caminho. Para isso, apela-se para que a consciência do homem tenha a visão suprema de manter intacto tão grandioso ecossistema.

Estação Antártica Comandante Ferraz

29O imperador Dom Pedro II era um homem de visão. Graças a ele o Brasil se modernizou, mas principalmente se destacou entre as nações do mundo. Em se tratando de Antártida, em 1882 foi realizada uma missão sub-antártica quando a corveta Parayba lançou-se aos mares bravios dos arredores do estreito de Drake, mesmo sobre grande protesto da imprensa e de diversos políticos. Mais de cem anos depois o Brasil finalmente chegou à Antártida. Poderia ter partido muito antes, pois convites não faltaram. Diversas expedições, incluindo a de Bellingshausen, ofereceram vagas aos cientistas da época para participarem das descobertas, já que muitas destas viagens faziam parada obrigatória nos portos do Brasil.

30Contudo, antes tarde do que nunca, os brasileiros chegaram ao território para fincar nossa bandeira, pois regras do tratado antártico diziam que só teriam direito ao território as nações que produzissem pesquisas e instalassem estações permanentes até o prazo do ano 2000.

31Várias pessoas se esforçaram para concretizar esse sonho. Algumas no mundo civil, com a criação do Instituto Brasileiro de Estudos Antárticos – IBEA, sob protesto dos militares da época, nos anos de 1970. Contudo, muitos militares apoiavam o instituto e defendiam sua posição de interesse na Antártida. Entre eles, o capitão-de-mar-e-guerra, comandante Ferraz, cujo nome é atribuído a nossa estação. Em fevereiro de 1984 é inaugurada a Estação Antártica Comandante Ferraz – EACF na Ilha Rei George / 25 de Mayo, na península Keller, baía do Almirantado. Infelizmente o comandante Ferraz não pode ver a concretização de seu sonho, pois morreu 2 anos antes. De lá para cá, 22 anos se passaram e o Programa Antártico Brasileiro – PROANTAR, executa suas missões todos os anos, sob auxílio de diversas instituições nacionais, como USP, CNPq, PETROBRÁS, Marinha do Brasil – MB e a Força Aérea Brasileira – FAB, organizadas pela Comissão Interministerial para os Recursos do Mar – CIRM.

32Teoria da Defrontação. Como foi utilizada para a disputa do hemisfério Norte, os países Sulamericanos reivindicaram a sua utilização para a Antártida. A disputa ficou amainada com a assinatura do Tratado Antártico e a formação do SCAR.

33Vista do Módulo de Meteorologia, para Nordeste, sentido Ferraz, em seis instantes meteorológicos diferentes. Ao fundo, enseada Martel, baía do Almirantado e geleiras Stenhouse (esq.) e Ajax (dir.).

34Dia raro na Antártida, calmaria de ventos, brilho solar, ausência de tempos significativos (06/12/2001).

35Céu nublado, com teto baixo (cerca de 400 metros). O vento na enseada Martel desloca os growlers (pequenos blocos de gelo) originados na base das geleiras. Há pouco brilho solar (24/12/2001).

36Céu encoberto, com teto próximo dos 350 metros, a mudança de tempo é rápida na Antártida e chega em menos de três horas, o que exige atenção dos meteorologistas de serviço (12/12/2001).

37Céu encoberto, nevoeiro glaciar, mesmo com vento beirando 40 Nós (74km/h). A visibilidade fica ao redor de 3.000 metros. Ventos de quadrante Leste amontoam os growlers na praia de Ferraz. Isto dificulta as atividades dos botes e embarcações que trafegam para o navio Ary Rongel (10/12/2001).

38Céu encoberto, teto baixo, visibilidade horizontal menor que 2.000 metros. Fortes ventos de quadrante Sul fazem nevar. A nevasca é qualificada como Neve Soprada e prejudica todas as operações programadas para este dia, em pleno verão (08/01/2002).

39Céu encoberto, teto baixo, próximo dos 100 metros. Ventos derivados de quadrante Norte e Noroeste trazem muita umidade do oceano. A chuva forte precipita por horas e prejudica a visibilidade horizontal. O terreno vulcânico não drena mais a água. Formam-se poças nas áreas descobertas de gelo (08/12/2001).

40Vista para Sudeste, do morrinho do Módulo VLF. Esquerda: início de dezembro, verão na estação Ferraz. Os módulos estão semi-encobertos de gelo e o lago Norte, de abastecimento, está encoberto. Direita: meados de janeiro, meio do verão, os módulos e o lago estão aparentes, mesmo após forte nevasca. O local da estação brasileira levou em conta aspectos da logística militar: boa drenagem e fonte de água disponível o ano todo. Por estes fatos, a nossa estação pode permanecer operando durante todo o ano, diferentemente de outras estações ou bases sazonais, que só operam durante o curto verão antártico.

41Estação Antártica Comandante Ferraz – EACF: Esquerda: vista dos módulos do conjunto principal de Ferraz, com habitações, sanitários, cozinha etc. Direita: vista aérea de todo o complexo. A estação permanece em funcionamento o ano todo. Situa-se nas coordenadas 62º05’0”S 58º23’28”W, arquipélago das Shetlands do Sul, ilha Rei George, baía do Almirantado, em frente à enseada Martel.

42Ilha Rei George / 25 de Mayo

43Baía do Almirantado e enseada Martel, ponto de fundeio do Navio de Apoio Oceanográfico – NApOc “Ary Rongel”

44Baía do Almirantado

Miscelânea de Fotografias

45Esquerda: Aeronave de transporte de passageiros/carga Hercules C-130 da Força Aérea Brasileira – FAB. Centro: Navio de Apoio Oceanográfico – NApOc “Ary Rongel” da Marinha do Brasil – MB. Direita: Helicóptero Avibrás Esquilo Bi-turbina UH-1B da Marinha do Brasil – MB, embarcado (2 aeronaves) no “Ary Rongel”.

46Geleira Stenhouse, ilha Rei George. A borda tem cerca de 150 metros de altitude e seu domo, 600 metros. Greta em geleira. O maior perigo para os expedicionários em superfície. Uma greta pode ter mais de 50 metros de profundidade facilmente.

47Iceberg com praia e piscinas. Algumas colônias de pingüins habitam estas ilhas de gelo flutuante. Iceberg à deriva entre a ilha Rei George e a ilha Elephant. Verificamos sua altura de mais de 150 metros ao aproximarmos.

48Foca Leopardo (perigosa).

49Bebês de Elefantes marinhos.

50Foca de Weddell jovem (mansa).

51Focas Caranguejeiras (arredias).

52Pingüim Rei (raro na pen. Antártica)

53Pingüins Antárticos.

54Pingüim Papua

55Casal de Skuas, aves rapineiras.

56Baleia Jubarte emerge.

57Aranhas do Mar.

58Estrela Sol.

59Campo de Musgos.

Haut de page

Bibliographie

Alexander C., A Lendária Expedição de Shackleton à Antártida, Companhia das Letras, p.244, 1998.

Avérous P., Au Bout Du Monde, L’Antarctique, Editora Augustus, p.120, 1993.

Capozoli U., Antártida – A Última Terra, Editora USP, p.384, 1991.

Coelho A.P., Nos Confins dos Três Mares... A Antártida, Biblioteca do Exército Editora, pp.358, 1983.

Conti J.B., A Antártida e o Interesse Brasileiro, Revista Orientação, Instituto de Geografia – USP, n.5, p.61-67, 1984.

Fedorova N., Meteorologia Sinóptica. Editora e Gráfica Universitária, Pelotas. Vol. 2, pp.242, 2001.

Felicio R.A., Principais Sistemas Sinópticos que Atuaram sobre a Península Antártica no Verão de 2001/2002 e a Circulação Troposférica Associada. Dissertação de Mestrado – INPE. 177p., 2003.

Gallo J., Corpos de Deriva e Tendência de Circulação de Superfície das Águas sobre a Margem Continental da Costa Sul e sua Correlação às Condicionantes Ambientais, Tese de Doutorado, Departamento de Geografia – USP, p. 198, 1988.

Marengo J. A. e Rogers, J. C., Polar Outbreaks in the Americas: Assessments and Impacts During Modern and Past Climates, Cap. 3, Interhemispheric Climate Linkages, Academic Press, 2001, p.31-51.

Solar Maj.N.L., Curso OP-178: Meteorologia Antártica e Operações Aéreas. Ministério da Aeronáutica – Instituto de Proteção ao Vôo – IPV, 1995, p.70.

Streten N. A. e Troup, A. J., A Synoptic Climatology of Satellite Observed Cloud Vortices over the Southern Hemisphere, Quart. Journal Roy. Meteorological Society, 99, 1973, p.56-72.

Schwerdtfeger W., Weather and Climate of the Antarctic, Elsevier Publishing Company, Amsterdam, 1984, 261p.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ricardo Felicio, « Antártida », Confins [En ligne], 1 | 2007, mis en ligne le 11 juin 2007, consulté le 10 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/122 ; DOI : 10.4000/confins.122

Haut de page

Auteur

Ricardo Felicio

B.Sc. Meteorologista, M.Sc. Meteorologia Antártica, Doutorando em Climatologia Antártica – Depto. Geografia – FFLCH – USP.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals