Navigation – Plan du site

De parque a mosaico: ecologia de paisagem no processo de recategorização do parque estadual Jacupiranga (SP)

De parc à mosaïque: l’écologie du paysage dans le processus de reclassement du parc régional Jacupiranga (São Paulo)
From park to mosaic: landscape ecology in favor of reclassifying Jacupiranga state park (SP)
Ocimar José Baptista Bim, Julia Camara de Assis, Marcos Buhrer Campolim et Sueli Angelo Furlan

Résumés

Cette étude présente une analyse du processus de reclassement de Parc à Mosaïque d’Aires Protegées du Parc Régional Jacupiranga (MOJAC), situé dans l’État de São Paulo, en rapport avec les conceptions de conservation préconisées par les principes de l'Écologie du Paysage. Pour la réalisation de l’analyse, l'état de la connectivité structurel du paysage entre les unités d’aires protégées et les aires d'utilisation durable du MOJAC a été identifié. L'Inventaire forestier de l’État de São Paulo a été utilisé pour la réalisation d’une cartographie de la couverture et de l’occupation du sol par photo-interprétation d’images datées des années 2000 et 2001, à l'échelle de 1: 35.000. Les métriques du paysage calculées pour les classes groupées de la couverture et l’occupation du sol comprennent la superficie totale et le pourcentage de chaque classe et le nombre de taches. L'état de conservation du MOJAC et l'identification des régions les plus vulnérables à la fragmentation ont été analysés. Le reclassement de la cartographie et le calcul des métriques ont été faits en utilisant le logiciel ArcGIS 9.3. Il a été conclu que la proposition de Mosaïque ne comporte pas de risques pour la conception de conservation, puisque la structure du paysage conservée indique des connexions potentielles pour le déplacement des espèces dans le paysage qui n’a pas été fragmenté, assurant ainsi la préservation des grands fragments. Les Aires protégées d'utilisation durable sont recommandés pour des projets d'agroécologie et de récupération des zones dépourvues de couverture forestière.

Haut de page

Texte intégral

Parque Estadual de Jacupiranga - Núcleo Caverna do DiaboAfficher l’image
Crédits : http://www.panoramio.com

1Neste estudo foi analisado o processo de recategorização do Parque Estadual do Jacupiranga em Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC) dialogando com desenhos de conservação preconizados pelos fundamentos da Ecologia de Paisagens. Foi identificado o estado da conectividade estrutural da paisagem entre as Unidades de Conservação (UC) de proteção integral e de uso sustentável do MOJAC. O mapeamento de uso e cobertura da terra adotado foi o Inventário Florestal do Estado de São Paulo, feito a partir da fotointerpretação de fotos áreas de 2000 e 2001, na escala de 1: 35.000. As métricas de paisagens calculadas para as classes agrupadas de uso e cobertura da terra incluem área total e porcentagem de cada classe e número de manchas. O estado de conservação do MOJAC e a identificação das regiões mais vulneráveis à fragmentação foram analisados. A reclassificação do mapeamento e o cálculo das métricas foram feitos utilizando software ArcGIS versão 9.3. A proposta do MOJAC não traz riscos ao desenho de conservação, pois a estrutura de paisagem conservada indica conexões potencias para o fluxo de espécies. A paisagem não está fragmentada e o MOJAC pode garantir a preservação de grandes fragmentos. Nas UCs de uso sustentável são recomendados projetos de agroecologia e de recuperação das áreas desprovidas de cobertura florestal.

2A ecologia de paisagens combina a análise espacial geográfica com o estudo funcional da ecologia. O ponto central da análise em ecologia de paisagens é o reconhecimento da existência de uma dependência espacial entre as unidades da paisagem: o funcionamento de uma unidade depende das interações que ela mantém com as unidades vizinhas. O desenvolvimento deste tipo de análise parte da identificação de padrões espaciais da estrutura da paisagem para gerar a compreensão dos processos ecológicos (METZGER, 2001).

3Na paisagem, a fragmentação de habitats é o processo no qual uma grande extensão de habitat contínuo é transformada em um número de manchas menores e isoladas umas das outras por uma matriz de uso e cobertura da terra diferente. ANDRÉN (1994) considera que a fragmentação do habitat apresenta três componentes principais: a perda de habitat original, a redução no tamanho das manchas de habitat e o aumento do isolamento entre elas, sendo que todos estes componentes contribuem para o declínio da diversidade biológica do habitat original.

4Através de simulações com diferentes tamanhos de fragmentos em relação à proporção de habitat na paisagem, ANDRÉN (op.cit) descreveu que há um limiar de fragmentação quando a proporção de habitat é inferior a 60%. Com proporções menores que 60%, ocorre a quebra da mancha contínua em manchas menores. De acordo com METZGER e DÉCAMPS (1997), no processo de perda de habitat, o limiar, a partir do qual a conectividade estrutural cai drasticamente, também faz com que as taxas de extinção aumentem rapidamente. No entanto, as populações de espécies apresentam um limiar diferente de conectividade que varia de acordo com seus requisitos biológicos. São previstos efeitos maiores da fragmentação com proporção de habitat entre 20 a 30% (FAHRIG, 2003). Neste contexto, a distribuição espacial do habitat na paisagem se torna mais relevante para a persistência das espécies (ANDRÉN, 1994; FAHRIG 2003).

5A conservação ambiental deve priorizar a manutenção de populações viáveis e comunidades representativas da biodiversidade original em áreas conectadas por corredores florestais, trampolins ecológicos (stepping stones) e imersas em uma matriz permeável na qual o uso da terra coexista com a biodiversidade e mantenha possibilidades de fluxo das espécies. Estas estratégias de conservação impedem que os remanescentes se tornem áreas biologicamente empobrecidas e homogêneas (TABARELLI et al., 2010) através da manutenção da conectividade da paisagem e, consequentemente, dos fluxos biológicos.

6A Mata Atlântica representa 15% do território brasileiro, onde vive mais da metade da população brasileira que depende direta ou indiretamente dos serviços ambientais prestados pelos remanescentes de floresta (MMA, 2010). Particularmente a população humana da região sudeste da Mata Atlântica tem se multiplicado desde o século XIX. Possivelmente, a Mata Atlântica constitui um dos domínios mais devastados e ameaçados do planeta (GALINDO-LEAL e CÂMARA, 2005) com apenas 11,7% de remanescentes (RIBEIRO et al., 2009).

7O Estado de São Paulo tinha, originalmente, 83,6% de seu território coberto por Mata Atlântica em suas diferentes fitofisionomias. No início do século XXI, apenas 13,7% da área ainda está coberta por remanescentes, concentrados, na faixa litorânea e no Vale do Ribeira (SMA, 2005). A maior parte destes remanescentes está contida no interior de Unidades de Conservação, tanto de Uso Sustentável como de Proteção Integral, estaduais e federais.

8No Vale do Ribeira estão concentrados os mais importantes remanescentes de florestas contínuas de Mata Atlântica constituídas por formações fitofisionômicas que incluem Floresta Ombrófila Densa e Ombrófila Mista além de outros ecossistemas associados, como restingas, manguezais e campos de altitude. Esta região se estende desde a planície litorânea, onde coexistem a vegetação de restinga, manguezais e áreas de uso das comunidades tradicionais caiçaras, até as distintas formações da escarpa e planaltos da Serra do Mar, com áreas ocupadas por agricultores, com fragmentos de vegetação de pequeno e médio porte, entremeados a áreas de agricultura permanente, em especial a banana, produção de alimentos, agroflorestas e pastagens. Os bairros rurais e as comunidades tradicionais (indígenas, caipiras-caboclos, caiçaras e quilombolas) conservam tecnologia patrimonial e dependem da manutenção dos recursos florestais para a própria sobrevivência (PISCIOTTA, 2007).

9A região é reconhecida por possuir grande diversidade de espécies da flora e fauna, além de espécies raras, endêmicas, ameaçadas de extinção e espécies de animais que necessitam de áreas extensas para seu deslocamento e alimentação. Também constitui sítios de descanso e alimentação de aves migratórias que compõe o patrimônio natural responsável pela manutenção do complexo Estuarino-Lagunar de Iguape, Ilha Comprida e Cananéia no estado de São Paulo e Paranaguá no estado do Paraná (PISCIOTTA, 2007).

10Além da elevada diversidade biológica, o Vale do Ribeira possui uma das mais antigas colonizações do país, tendo abrigado os primeiros núcleos de povoamento europeu no século XVI. Nesta área está localizado um dos mais importantes sítios arqueológicos do estado de São Paulo. Trata-se de um sambaqui fluvial, onde foi descoberto em 2000 o fóssil humano mais antigo do estado, datado de 10.400 anos AP, pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (PIVETTA, 2005; SÃO PAULO, 2010).

11Todos estes fatores mencionados, tanto naturais quanto culturais, fazem da Mata Atlântica no Vale do Ribeira um patrimônio da humanidade, sendo reconhecida como Sítio do Patrimônio Mundial Natural (UNESCO, 1999) e Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (UNESCO, 2005).

12Com o objetivo de conservar 150 mil ha deste importante remanescente de Mata Atlântica, o governo do estado de São Paulo criou, por meio do Decreto - Lei Estadual Nº 145 de agosto de 1969, o Parque Estadual do Jacupiranga (PEJ). No entanto, o desenho do parque não levou em conta o histórico de uso e ocupação do território e se sobrepôs a núcleos habitados há gerações por diversas comunidades tradicionais, entre quilombolas, caiçaras e caipiras-caboclos. A ausência da gestão do Estado nas duas primeiras décadas após sua criação proporcionou o desenvolvimento de bairros rurais e urbanos dentro dos limites do Parque (Bim, 2012).

13A gestão de uma área extensa é marcada por uma série de conflitos. Inicialmente, o PEJ sofreu com a extração ilegal de madeira, e posteriormente com a formação de pastagens para gado bovino com desmatamentos e queimadas. Principalmente nas décadas de 1970 e 1980, ocorreram ocupações por migrantes oriundos das regiões metropolitanas de Curitiba e São Paulo com expectativa de retornarem à condição de agricultores em uma área na qual atividades agrícolas foram proibidas com a criação do Parque. Além das comunidades caiçaras, caipiras, caboclas e quilombolas que já habitavam a região, também se estabeleceram na área fazendeiros com criações de gado totalizando até oito mil cabeças. Outro vetor de ocupação e fragmentação na região foi a estrada BR-116 (Rodovia Régis Bittencourt), principal ligação da região sul do território brasileiro e eixo rodoviário estratégico entre o porto de Santos e o porto de Paranaguá, que cruza o Vale do Ribeira de leste a oeste (Bim, op.cit).

14Na tentativa de gerenciar os conflitos instalados após a criação do PEJ, em 2001, os limites desta unidade de conservação (UC) foram alterados pela Lei no. 10.850 de 2008, visando à desafetação de áreas com uso consolidado pelas comunidades Quilombolas de Eldorado. Nesse processo, a área do PEJ foi reduzida em 11 mil ha em relação à área inicial, passando a ter 139 mil ha (SÃO PAULO, 2009). Em fevereiro de 2008, foi promulgada a Lei 12.810, que concretizou a recategorização do PEJ em Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC) formado por um conjunto de Unidades de Conservação, previstas no Sistema Nacional de Unidades de Conservação (BRASIL, 2000), da categoria de proteção integral, no caso Parque Estadual (PE) e de uso sustentável, composto por Área de Proteção Ambiental (APA), Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) e Reserva extrativista (RESEX).

15Neste trabalho buscamos verificar se a recategorização do Parque Estadual do Jacupiranga (PEJ) em Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC) dialoga com as estratégias de conservação preconizadas pelos fundamentos da Ecologia de Paisagens e identificar o estado da conectividade estrutural da paisagem entre as UCs de proteção integral e de uso sustentável do MOJAC.

Material e Método

Caracterização da área de estudo

16O estudo foi realizado no Mosaico do Jacupiranga (MOJAC), localizado no Vale do Ribeira, sudeste do estado de São Paulo (Figura 01), entre os paralelos 24°38’18”S e 25°32’20”S e os meridianos 48°72’97”W e 47°85’36”W. O Vale do Ribeira ocupa 1,7 milhões de ha entre o oceano Atlântico e a Serra do Mar e Paranapiacaba, o equivalente a 10% da área do estado de São Paulo. Compreende área com biodiversidade complexa, importante e ainda pouco estudada.

17O MOJAC se sobrepõe a áreas de seis municípios do Vale do Ribeira: Barra do Turvo, Cananéia, Cajati, Iporanga, Eldorado e Jacupiranga. Inicialmente, esta área pertencia ao Parque Estadual do Jacupiranga (PEJ), criado em 1969 com 150 mil ha, e que passou a ocupar 139 mil ha em 2001 e posteriormente foi ampliado para aproximadamente 244 mil ha na categoria de Mosaico de Unidades de Conservação (Figura 02).

Figura 01 – Localização da área de estudo.

Figura 01 – Localização da área de estudo.

Figura 02 – Representação esquemática da alteração dos limites e da área do Parque Estadual Jacupiranga (PEJ)

Figura 02 – Representação esquemática da alteração dos limites e da área do Parque Estadual Jacupiranga (PEJ)

18O parque foi criado em 1969 para o Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC) formalizado em 2008 (BIM e CAMPOLIM, 2016).

19O clima predominante na região é subtropical permanentemente úmido controlado por massas de ar tropicais e polares marítimas (MONTEIRO, 1973). As áreas menos elevadas enquadram-se no clima do tipo “Cfa”, e as restantes no “Cfb”, que ocorre nas altitudes superiores a 700 m (LEPSCH et al, 1990 apud DIAS, 2009).

20O relevo modela-se em vários compartimentos, variando de 10 m de altitude na planície litorânea até os 1500 m de altitude nas serras e divisores de águas do Planalto do Turvo. É formado por pequenas planícies, vales fluviais e um vasto conjunto serrano, composto pelas Serras Gigante, Cadeado, Guaraú, Virgem Maria, Andorinhas, André Lopes, entre outras. Os rios da região, muitos dos quais encachoeirados devido às altas declividades, contribuem com o aporte de água doce para o complexo estuarino-lagunar de Iguape-Cananéia-Paranaguá (SÃO PAULO, 2000).

21A ação conjunta das rochas, do relevo, dos climas e de eventos diversos, como a deposição marinha, determinou a formação de vários tipos de solos. Nas serras costeiras predominam Cambissolos Distróficos, associados à Latossolos Vermelho-Amarelo e Litossolos, ambos também distróficos. E os Podzólicos Vermelho-Amarelo Distrófico e solos Gley Distróficos e Eutróficos (VETTORAZZI & ÂNGULO 1986)

22A floresta do MOJAC apresenta várias fitofisionomias, do domínio da Mata Atlântica: Manguezais, Floresta sobre Restinga, Floresta Ombrófila Densa de diferentes altitudes e Floresta Ombrófila Mista, apresentando-se em alguns locais como vegetação ribeirinha e/ou sobre afloramentos de calcário. A área coberta por florestas inclui diversos estádios sucessionais, desde inicial com a predominância de capoeira e espécies pioneiras, médio e avançado, com floresta de estratificação bem definida e presença de indivíduos de espécies climáxicas (SÃO PAULO, 1996; MANTOVANI, 1993).

De parque a mosaico

23Quando dos estudos técnicos para a criação do MOJAC foram cadastradas 2.107 ocupações no PEJ, com uma população estimada em 8 mil pessoas residentes, contingente maior do que muitos municípios brasileiros, o que evidenciava a necessidade de discussões e diálogos para mudar a situação de conflitos na região (LINO, 2009; BIM, 2012). Alguns princípios foram adotados conforme a legislação ambiental vigente, por exemplo, a extensão do Parque. O processo de avaliação socioambiental nestes estudos foi pautado na não redução da área total sob proteção integral e a garantia de que o maior número possível de áreas ocupadas fossem recategorizadas, passando de UC de proteção integral para UC de uso sustentável, premissa para a permanência das comunidades na região (LINO, 2009). Os estudos técnicos realizados pela Fundação Florestal-SMA (responsável pela gestão da unidade) e os debates governamentais com as comunidades contribuíram para a identificação das áreas com grande importância ambiental (florestas preservadas, nascentes, cavernas, cachoeiras e riachos) que poderiam ser incorporadas às novas UCs de proteção integral e, das áreas ocupadas por pequenos agricultores que poderiam ser recategorizadas em UCs de uso sustentável.

24A nova Lei do Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga foi aprovada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo em 20 de dezembro de 2007 e sancionada pelo governador do Estado em 21 de fevereiro de 2008. Assim, o PEJ, que possuía 139 mil ha de extensão, teve sua área de proteção integral ampliada para mais de 154 mil ha, distribuídos em três Parques Estaduais: PE Caverna do Diabo (40.219,66 ha) nos municípios de Eldorado, Iporanga, Barra do Turvo e Cajati; PE do Rio Turvo (73.893,87 ha) nos municípios de Barra do Turvo, Cajati e Jacupiranga e, PE Lagamar de Cananéia (40.758,64 ha) nos municípios de Cananéia e Jacupiranga (LINO 2009; BIM, 2012)

25Além dos três Parques, foram criadas cinco Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) com mais de 12 mil ha, quatro Áreas de Proteção Ambiental (APA) com mais de 73 mil ha, duas Reservas Extrativistas (RESEX) com quase 3 mil ha, constituindo o MOJAC com área total de 243.885,78 ha.

Mapa de uso e cobertura da terra

  • 1 Projeto de Preservação da Mata Atlântica (PPMA), apoiado pela cooperação financeira Alemanha-Brasil (...)

26O mapeamento de uso e cobertura da terra utilizado neste trabalho foi o Inventário Florestal do Estado de São Paulo elaborado pelo Instituto Florestal-SMA-SP produzido a partir da fotointerpretação de imagens áreas de 2000 e 2001, na escala de 1:35.000. Este mapeamento foi realizado como parte do Projeto de Preservação da Mata Atlântica (PPMA)1 e considerou diferentes fitofisionomias e outros usos principalmente silvicultura, agricultura cíclica e permanente, áreas urbanas e infraestrutura viária (São Paulo, 2012).

27A classificação da tipologia florestal do inventário é pormenorizada, e considera todos os tipos de Floresta Ombrófila. Para a realização das análises (de forma a dar destaque à composição e configuração da cobertura florestal como um todo) as tipologias de floresta foram agrupadas em uma única classe. Outras classes do mapeamento original também foram agrupadas (Tabela 01).

28Para o presente estudo, as classes resultantes desta simplificação foram: cobertura florestal, agricultura, silvicultura, campo antrópico, corpos d’água, área urbana, solo exposto e mineração.

Tabela 01 – Agrupamento das classes de uso e cobertura da terra.

Classes de Uso da Terra do Inventário Florestal (IF)

Classes Agrupadas

Floresta ombrófila densa de terras baixas

Cobertura florestal

Floresta ombrófila densa alto montana

Floresta ombrófila densa montana

Floresta ombrófila densa submontana

Contato floresta ombrófila densa/floresta ombrófila mista

Formação pioneira arbustiva-herbacea sobre sedimentos marinhos recentes

Vegetação secundária da floresta ombrófila densa de terras baixas

Vegetação secundária da floresta ombrófila densa alto montana

Vegetação secundária da floresta ombrófila densa montana

Vegetação secundária da floresta ombrófila densa submontana

Vegetação secundária do contato floresta ombrofila densa/floresta ombrófila mista

Vegetação secundária da formação arbórea/arbustiva-herbacea de várzea

Formação arbórea/arbustiva-herbácea de terrenos marinhos lodosos

Formação arbórea/arbustiva-herbácea de várzea

Pastagens e campos sujos

Campo antrópico

Agricultura de cultura cíclica

Agricultura

Agricultura de cultura permanente

Reflorestamento de Eucalipto

Silvicultura

Reflorestamento de Pinheiro

Área urbana

Área urbana

Solo Exposto

Solo exposto

Métricas e análises

29As métricas de paisagens calculadas para as Classes Agrupadas de uso e cobertura da terra incluem principalmente métricas de composição: área total (A) e porcentagem (PLAND) de cada classe e número de manchas (NP). Para a avaliação espacial das manchas de remanescentes florestais no contexto onde está inserido o MOJAC, foi considerada a área do entorno, ou zona de amortecimento. Esta área inclui 10 km a leste e oeste do MOJAC e 2 km a norte. O limite sudeste corresponde ao estuário do Lagamar e à costa Atlântica e o limite sudoeste corresponde à divisa com o estado do Paraná, onde se encontra o Parque Nacional Superagui e a APA Federal de Guaraqueçaba, ambos com florestas bem conservadas. Devido ao limite estadual, não havia o mapeamento de uso e cobertura da terra para a área do estado do Paraná. As manchas de cobertura florestal foram agrupadas em classes de tamanho para facilitar a interpretação dos resultados e explicitar sua distribuição. Esta classificação por tamanho foi feita utilizando a área da maior mancha como referência. O estado de conservação do MOJAC e a identificação das regiões mais vulneráveis à fragmentação foram analisados a partir da interpretação destes resultados. A reclassificação do mapeamento e o cálculo das métricas foram feitos no software ArcGIS versão 9.3.

Resultados e Discussão

30A paisagem do MOJAC, assim como a do antigo PEJ, caracteriza-se pela predominância de áreas florestadas com uma pequena área ocupada por campos antrópicos (frequentemente pastagens) e agricultura permanente ou cíclica (Figura 03). A cobertura florestal do MOJAC ocupa 86,5% de toda sua área, proporção bem acima do limiar de fragmentação de < 60% proposto por Andrén (1994; Figura 04A). Anteriormente, o PEJ também apresentava a maior parte de sua área coberta por florestas (84,2%; Figura 04A). Comparando a área total do MOJAC com a do PEJ, fica evidente que área incorporada ao MOJAC é predominantemente coberta por floresta, mais de 85 mil ha (Figura 04B). Deste total, 45 mil ha está, no mínimo, a 500 m de distância de algum tipo de borda, constituindo áreas nucleares. O contexto no qual está inserido o MOJAC, com elevada quantidade de florestas, garante a existência de conectividade estrutural da paisagem e favorece a conservação da biodiversidade (Fahrig, 2003).

31Os campos antrópicos, compostos principalmente por pastagens, ocupam aproximadamente 9% da área do MOJAC (22.068 ha; Figura 04) sendo que destes, 9.012 ha está no interior de UCs de proteção integral do tipo Parque Estadual e 8.152 ha em UCs de uso sustentável do tipo APA (Figura 05). Quase 12% da área do PEJ eram compostos por essa classe de uso da terra (17.714 ha; Figura 04B). A quantidade de áreas agrícolas dentro da categoria Parque Estadual também foi alterada com a mudança de PEJ para MOJAC. Enquanto o PEJ possuía aproximadamente 5.600 ha de agricultura (Figura 04B), os Parques Estaduais do MOJAC possuem apenas 2.180 ha e as UCs de Uso Sustentável apresentam 6.740 ha desse tipo de uso (Figura 05).

Figura 03 – Uso e cobertura da terra no Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC).

Figura 03 – Uso e cobertura da terra no Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC).
Organização: Autores.

Figura 04 – Uso e cobertura das terras no antigo Parque Estadual do Jacupiranga (PEJ) e no atual Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC).

Figura 04 – Uso e cobertura das terras no antigo Parque Estadual do Jacupiranga (PEJ) e no atual Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC).

Proporção dos diferentes usos e cobertura das terras no MOJAC e no PEJ. B- Área total em ha dos usos e cobertura das terras no MOJAC e no PEJ.

Figura 05 – Distribuição do uso e cobertura das terras no Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC)

Figura 05 – Distribuição do uso e cobertura das terras no Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC)

Nas diferentes categorias de Unidades de Conservação de Proteção Integral (PE: Parque Estadual) e de Uso Sustentável (APA: Área de Proteção Ambiental; RDS: Reserva de Desenvolvimento Sustentável; RESEX: Reserva Extrativista). A- Proporção da área. B- Área em ha.

32Entre as UCs de uso sustentável, as situações menos favoráveis encontram-se na APA Rios Vermelho e Pardinho e na RDS Barreiro-Anhemas com 25,8% de remanescentes florestais (Tabela 02). As APAs e as RDSs apresentam a cobertura florestal mais fragmentada e concentram os pontos de ruptura da conectividade do contínuo florestal da região. Duas manchas contínuas de cobertura florestal correspondem a 83,3% (Figura 06; Tabela 03). A classe de 130 mil a 15 mil ha foi criada para indicar a inexistência de remanescentes com este tamanho. Outros 18 fragmentos existentes neste contexto apresentam tamanho entre 15 mil e 500 ha, totalizando 13,4% da área de cobertura florestal. Em contraste, 1492 fragmentos, menores que 500 ha, representam apenas 3,3% da área total de cobertura florestal (Tabela 03).

Tabela 02 – Distribuição dos tipos de uso e cobertura das terras do Mosaico de Unidades de Conservação

Image 2000030C000076F400004E6F11200CE5.wmf

Parque do Jacupiranga (MOJAC) e do antigo Parque Estadual do Jacupiranga. PE- Parque Estadual; APA- Área de Proteção Ambiental; RDS- Reserva de Desenvolvimento Sustentável; RESEX- Reserva Extrativista.

33As UCs do MOJAC estão inseridas em um contexto de pouca fragmentação definido, em grande parte, pela influência das formas de uso e ocupação das comunidades residentes e pelas normas e regulamentos legais de conservação do antigo PEJ. Em alguns locais a vegetação se encontra com diferentes intensidades de degradação principalmente nas áreas categorizadas como UCs de uso sustentável. As principais atividades causadoras de degradação são o extrativismo seletivo e a ocupação antrópica com agricultura e pecuária. Esses usos antrópicos alteram a composição florística das formações vegetais favorecendo a ocorrência de espécies pioneiras como as dos gêneros Alchornea, Pera, Croton, Piptadenia, Cecropia e Tibouchina (TABARELLI; MANTOVANI,1999).

34A continuidade da cobertura florestal do MOJAC na paisagem do entorno, apresenta quatro gargalos principais, vários deles associados ao sistema viário com estradas estaduais, municipais e uma rodovia federal (BR-116). Um deles na região a leste do PE Caverna do Diabo. Outro no limite norte da RDS Barreiro/Anhemas. O terceiro e mais pronunciado na área em que a BR-116 cruza o MOJAC, nas proximidades das APAs Cajati e Planalto do Turvo. O último, e menos evidente, na região do PE Lagamar de Cananéia, próximo à divisa com o Paraná. Nestes gargalos, estudos específicos sobre os vetores de pressão de modificação do uso da terra precisam ser realizados, assim como a dinâmica de modificação que poderia auxiliar a gestão destas áreas visando a mitigação de possíveis rupturas da paisagem.

Figura 06 – Manchas de cobertura florestal organizadas

Figura 06 – Manchas de cobertura florestal organizadas

Por classes de tamanho em hectares no MOJAC e entorno.

Tabela 03 – Distribuição das manchas de cobertura florestal

Em classes de tamanho, área total, número de fragmentos, tamanho médio e porcentagem de área em relação à área total de cobertura florestal.

Conclusões

35Os Parques Estaduais do MOJAC configuram um contínuo florestal que faz a interligação das paisagens das áreas recategorizadas em unidades de uso sustentável viabilizando os fluxos das espécies entre todas as áreas do Mosaico e outras áreas adjacentes a ele, contribuindo para a conservação da biodiversidade numa escala regional. Pode-se afirmar que a proposta do Mosaico, à luz da ecologia da paisagem, não traz riscos à conservação, pois do ponto de vista ecológico, as espécies têm seu fluxo pela paisagem garantido através dos grandes fragmentos, especialmente as espécies que não se deslocam fora do seu habitat (METZGER, 2010).

36Nas áreas das UCs de Uso Sustentável, enfatizamos a necessidade da intensificação de ações e projetos de agroecologia, bem como a recuperação das áreas desprovidas de cobertura florestal, em especial nas Áreas de Preservação Permanente (APP) e no interior das APAs em áreas ociosas nas quais não são realizadas atividades agrícolas. Com isso, fortalecem-se as ligações dos fragmentos menores com os contínuos florestais do Vale do Ribeira, ampliando os corredores ecológicos existentes, garantindo os fluxos genéticos e a conservação dos remanescentes de Mata Atlântica nessa área.

Haut de page

Bibliographie

Bim, O. J. B. Mosaico do Jacupiranga - Vale do Ribeira, São Paulo: conservação, conflitos e soluções socioambientais. São Paulo, 2012. Dissertação de mestrado (Mestrado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Bim, O. J. B., Campolim, M. B. « Participação social e contexto territorial na implantação do Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga ». IF Sér. Reg., São Paulo, n. 54, p. 59-77, 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.4322/ifsr.2016.005.>

Brasil. « Lei nº. 9.985 de 18 de julho de 2000 - Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC ». Diário Oficial da União, Brasília, 19/07/2000.

Vettorazzi, C. A., Angulo Filho, R. « Caracterização de solos do Vale do Ribeira de Iguape no Estado de São Paulo através de índices de relevo ». In: Anais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, vol. 43, n. 2, Piracicaba,  1986. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0071-12761986000200009> Acesso em: abril/2016.

Pivetta, M. « Eu nasci dez mil anos atrás ». Revista Pesquisa FAPESP, São Paulo, 2005. Disponível em: <http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2005/06/038-043-arqueologia.pdf> Acesso em: junho/2015.

Fahrig, L. « Effects of habitat fragmentation on biodiversity ». Annual Review of Ecology, Evolution and Systematics, n. 34, p. 487-515, 2003.

Fundação Florestal. Estudo técnico para recategorização de Unidades de Conservação e criação do Mosaico de UCs Juréia-Itatins. São Paulo, 2010.

Galindo-Leal, C., Câmara, I.G. « Status do Hotspot Mata Atlântica: Uma Síntese ». Fundação SOS Mata Atlântica-Conservação Internacional, Belo Horizonte, 2005.

Lepsch, I. F. et al. « Macro Zoneamento de terras da região do Vale do Ribeira de Iguape, SP ». Boletim IAC, Campinas, 1990.

Lino, C. F. « Reserva Ecológica Integrada da Serra do Paranapiacaba, Vale do Ribeira, SP ». Proposta Técnica do Instituto Florestal de São Paulo, São Paulo, 1992.

Lino, C.F. « Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga ». Caderno nº 37 da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, São Paulo, 2009, 76p.

Mantovani, W. Estrutura e Dinâmica da Floresta Atlântica na Juréia, Iguape – SP. São Paulo, 1993. Tese (Livre Docência) – Universidade de São Paulo, 126p.

Metzger, J. P., Décamps, H. « The structural connectivity threshold hypothesis in conservation biology at the landscape scale ». Acta Oecologica, Toulouse, v. 18, p. 1-12, 1997.

Metzger, J. P. « Estrutura da paisagem e fragmentação: análise bibliográfica ». Anais da Academia Brasileira de Ciências, v.71 (3-L), p.445-463, 1999.

Metzger, J. P. « O que é ecologia de paisagens? ». Biota Neotrópica, 2001.

Metzger, J. P. « Como restaurar a conectividade de paisagens fragmentadas? ». In: Kageyama, P. Y. et al. (Eds.) Restauração ecológica de ecossistemas naturais. Botucatu: FEPAF, 2003. p. 49–76.

Metzger, J. P. O Código Florestal tem base científica?. « Universidade de São Paulo », 2010.

Monteiro, C. A. F. « A dinâmica climática e as chuvas do estado de São Paulo: estudo geográfico sob forma de atlas ». IGEOG, São Paulo, 1973.

Pisciotta, K. « Documento sistematizador de informações sobre a Região do Vale do Ribeira e do Alto Paranapanema: subsídios para os planos de manejo das Unidades de Conservação ». Fundação Florestal, São Paulo, 2007, 326p.

Ribeiro, M. C. et al. « The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation ». Biological Conservation, 142, p. 1141–1153, 2009.

São Paulo. Secretaria do Meio Ambiente. « Atlas das Unidades de Conservação do Estado de São Paulo. Parte 1. Litoral »: Secretaria do Meio Ambiente, Secretaria de Energia, CESP. São Paulo, 1996.

São Paulo. Secretaria do Meio Ambiente. « Planos de Manejo das Unidades de Conservação Parque Estadual de Ilhabela, Fase 1 – Plano de Gestão Ambiental ». Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 28 de março de 1998.

São Paulo. « Lei n.º 10.850, de 6 de julho de 2001. Altera os limites dos parques estaduais de Jacupiranga e Intervales, visando o reconhecimento da aquisição do domínio das terras ocupadas por remanescentes das comunidades de quilombos ». Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 2001.

São Paulo. « Projeto de lei n° 984/03 - Altera os limites do Parque Estadual do Jacupiranga, criado pelo Decreto-Lei nº 145, de 8 de agosto de 1969, exclui áreas ocupadas pelas populações que especifica, incorpora área e dá outras providências ». ALESP, São Paulo, 2003.

São Paulo. « Lei nº 12.810, de 21 de fevereiro de 2088. Altera os limites do Parque Estadual do Jacupiranga e cria o Mosaico do Jacupiranga ». Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 2008.

São Paulo. Instituto Florestal. « Inventário Florestal do Estado de São Paulo » Disponível em: <http://www.iflorestal.sp.gov.br/sifesp/inventario.html> Acesso em: junho/2012.

São Paulo. Assembleia Legislativa. « Decreto-lei nº 145, de 8 de agosto de 1969. Dispõe sobre a criação do Parque Estadual de Jacupiranga e dá outras providências ». Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, Secretaria Geral Parlamentar, Departamento de Documentação. Disponível em:

<http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto.lei/1969/decreto.lei-145-08.08.1969.html>. Acesso em: fev/2015.

São Paulo. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. « Programa Olho Verde ». SMA, São Paulo, 1992.

São Paulo. Secretaria do Meio Ambiente. « Estudo sobre o Parque de Jacupiranga ». SMA, São Paulo, 1973.

Tabarelli, M., Mantovani, W. « Colonização de clareiras naturais na floresta atlântica do sudeste do Brasil ». Revista Brasileira de Botânica, 1, p. 57-66, 2010.

United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization – UNESCO. « World Heritage Nomination – IUCN Technical Evaluation: Atlantic Forests (Southeast) Brazil ». IUCN, Gland, 1999. p. 1-8.

United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization – UNESCO. « World network of biosphere reserves – SC/EES ». The MAB Program, Paris, 2005. p.19.

Haut de page

Notes

1 Projeto de Preservação da Mata Atlântica (PPMA), apoiado pela cooperação financeira Alemanha-Brasil, através do banco Kreditanstall für Wiederaufbau (KFW) e do Governo do Estado de São Paulo, envolvendo 39 munícipios e 9 Unidades de conservação de proteção integral - com renovação dos métodos de planejamento e gestão. a melhoria do licenciamento e do controle ambiental florestal na região do Vale do Ribeira e Litoral Paulista ( São Paulo 1998)

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 01 – Localização da área de estudo.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12216/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Figura 02 – Representação esquemática da alteração dos limites e da área do Parque Estadual Jacupiranga (PEJ)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12216/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Figura 03 – Uso e cobertura da terra no Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12216/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Figura 04 – Uso e cobertura das terras no antigo Parque Estadual do Jacupiranga (PEJ) e no atual Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC).
Légende Proporção dos diferentes usos e cobertura das terras no MOJAC e no PEJ. B- Área total em ha dos usos e cobertura das terras no MOJAC e no PEJ.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12216/img-4.png
Fichier image/png, 24k
Titre Figura 05 – Distribuição do uso e cobertura das terras no Mosaico de Unidades de Conservação do Jacupiranga (MOJAC)
Légende Nas diferentes categorias de Unidades de Conservação de Proteção Integral (PE: Parque Estadual) e de Uso Sustentável (APA: Área de Proteção Ambiental; RDS: Reserva de Desenvolvimento Sustentável; RESEX: Reserva Extrativista). A- Proporção da área. B- Área em ha.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12216/img-5.png
Fichier image/png, 22k
Titre Figura 06 – Manchas de cobertura florestal organizadas
Légende Por classes de tamanho em hectares no MOJAC e entorno.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12216/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 380k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ocimar José Baptista Bim, Julia Camara de Assis, Marcos Buhrer Campolim et Sueli Angelo Furlan, « De parque a mosaico: ecologia de paisagem no processo de recategorização do parque estadual Jacupiranga (SP) », Confins [En ligne], 32 | 2017, mis en ligne le 21 septembre 2017, consulté le 17 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/12216 ; DOI : 10.4000/confins.12216

Haut de page

Auteurs

Ocimar José Baptista Bim

Instituto Florestal, ocimarbim@gmail.com

Julia Camara de Assis

Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", julia.cassis@gmail.com

Marcos Buhrer Campolim

Instituto Florestal, marcoscampolim@yahoo.com.br

Sueli Angelo Furlan

Universidade de São Paulo, FFLCH, Departamento de Geografia, suelifurlan@uol.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals