Navigation – Plan du site
Dossiê Rio Grande do Norte

O Rio Grande do Norte no Brasil: uma contextualização em onze imagens

Le Rio Grande do Norte au Brésil: une contextualisation en onze images
Rio Grande do Norte in Brazil: a contextualization in eleven images
Raimundo Nonato Júnior et Hervé Théry

Résumés

Le Rio Grande do Norte est un territoire complexe dont les particularités peuvent être observées plus facilement quand elles sont comparées au panorama général de l'espace géographique brésilien. Dans cette perspective, le présent ouvrage explore onze représentations géographiques de l'espace brésilien, en comparant les données nationales aux problèmes régionaux de l'État. Les données traitées se réfèrent à: population; densité de population; secteurs du PIB; métropoles et hiérarchies urbaines; domaine théorique d'influence des métropoles; flux, aéroports et PIB; indice de développement; matériel culturel; spectateurs potentiels; moteurs du développement et efficacité des municipalités. L'approche méthodologique utilise des hypothèses et des techniques qui conçoivent l'espace géographique à partir de ses systèmes de représentation. Les résultats indiquent en bref Rio Grande do Norte en tant que «Complexe géographique» capable d'articuler différents acteurs, objets, échelles et actions territoriales.

Haut de page

Texte intégral

Parque das dunas, NatalAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry 2011

1O objetivo deste artigo é situar o Rio Grande do Norte, no sentido pleno da palavra, no contexto do território brasileiro no que concerne aos aspectos demográficos, econômicos e culturais, usando a cartografia temática. A análise consiste na apreciação de onze elementos (população; densidade demográfica; sectores do PIB; metrópoles e hierarquias urbanas; área de influência teórica das metrópoles; fluxos, aeroportos e PIB; índice de desenvolvimento; equipamentos culturais; telespectadores potenciais; motores do desenvolvimento e ranking de eficiência dos municípios), a partir dos quais foram produzidas imagens que se considera representativas para ilustrar as disparidades e dinâmicas do território potiguar frente ao contexto nacional.

2A necessidade de situar o Rio Grande do Norte no contexto nacional decorre da compreensão de que as disparidades e dinâmicas territoriais nele observadas compõem processos multi-escalares, os quais convergem de um lado para a formação de regionalidades com outras unidades federativas do Nordeste e, de outro, para evidenciar singularidades do espaço potiguar em comparação ao território nacional. Apesar de possuir uma área territorial aparentemente pequena diante da vastidão do território brasileiro [52 811,126 km², equivalentes a 3,42% da área do Nordeste e a 0,62% da superfície do Brasil (IBGE/ Geociências, 2016)], o Rio Grande do Norte apresenta interessantes contrastes com o contexto federativo. Por isso, seu polígono se destaca nas representações geográficas do cenário nacional que serão apresentadas a seguir, apontando alguns importantes contrastes do território norte-riograndense em comparação a Região Nordeste e ao Brasil.

  • 1 Théry, Hervé e Mello-Théry, Neli Aparecida de, Atlas do Brasil, Disparidades e dinâmicas do territó (...)

3Oriundas da terceira edição do Atlas do Brasil1, estes mapas inéditos foram escolhidos para apresentar o Estado a partir de contextos demográficos, econômicos e sociais onde ele, ora aparece homogêneo e se destaca claramente do resto do país, ora apresenta contrastes internos que assimilam parte do seu território a outras regiões brasileiras. São seguidos de comentários voluntariamente breves, contextualizados na relação teoria-prática que envolve: a análise de cartogramas face à dinâmica do espaço geográfico potiguar. Utiliza-se metodologia de pesquisa voltada ao estudo do espaço geográfico a partir de seus sistemas de representações (Brunet, 1976; Théry e Mello-Théry, 2007), tomando-se a produção cartorgáfica como estratégia teórico-metodológica à leitura, interpretação e análise do território.

4Os mapas foram realizados em softwares de tratamento estatístico e de cartografia gratuitos ou de baixo custo para estudantes e professores, Philcarto (http://philcarto.free.fr/​) e Cartes et Données (http://www.articque.com/​geocampus/​). O tratamento de imagem gerador da arte final foi realizado no software Adobe Illustrator. Analisar o território potiguar em sua complexidade requer considerações sobre temáticas que Andrade (1981) apresenta como fundentais a produção do território norte-riograndense: as dinâmicas populacionais, sociais e culturais expressas nas regionalidades, na formação histórica e nos desafios contemporâneos deste território.

Figura 1 População em 2014

Figura 1 População em 2014

5Neste mapa que coloca, para cada município brasileiro, um círculo de superfície proporcional à sua população nos dados demográficos de 2014 (localizado na sede municipal), o Rio Grande do Norte aparece, na área populosa do Nordeste, como um espaço de menor ocupação entre o grupo urbano do Sul, centrado em Recife, e Fortaleza, ao norte, com os quais Natal não pode competir. Além de possuir uma capital com população inferior a um milhão de habitantes (Natal – 877.662/ IBGE, 2014), o Rio Grande do Norte também não possui numerosas cidades médias, como em outros Estados do Nordeste. A maioria dos municípios do RN possui população inferior a dez mil habitantes e a dinamização de boa parte do território ocorre sob influência regional de cidades de porte intermediário cuja influência territorial de baseia mais nas dinâmicas socioespaciais do que no contingente populacional (Gomes, 2011). Apenas a cidade de Mossóró, segundo centro populacional do estado, possui população superior a 100 mil habitantes (259.815/ IBGE, 2014), marcada no mapa estadual à Oeste. O restante do território não possui aglomerados populacionais significativos no contexto nacional, fator que marca a ocorrência de pequenos pontos quase indistinguíveis no interior do Estado.

Figura 2 Densidade demográfica em 2014

Figura 2 Densidade demográfica em 2014

6A distribuição territorial da densidade populacional obedece a uma lógica claramente Leste-Oeste, resultado do processo de ocupação e de colonização a partir do litoral. A zona litorânea não é, contudo, homogênea: quase deserta ao norte do rio Amazonas, opõe claramente as duas regiões mais importantes do País, separadas por um espaço de baixa densidade (sul da Bahia e Espírito Santo). No Nordeste, o contraste nacional entre litoral e interior se repete.

7O Rio Grande do Norte confirma neste mapa que é o espaço de densidade mais baixa entre o Ceará e o conjunto Pernambuco-Paraíba, com exceção da região de Mossoró, que prolonga a dinâmica demográfica do primeiro e de Natal, em continuidade ao segundo. Fato ainda relevante a observar na densidade demográfica do Rio Grande do Norte refere-se a sua baixa demografia numa comparação geral ao território nordestino. Observando-se o litoral leste, perecebe-se que ao longo de toda a costa litorânea nordestina há um processo de propagação geográfica em direção ao interior que ocupa, no mínimo, uma faixa equivatente a 100 km. No caso potiguar, este cenário muda, pois imediatamente após a cidade de Natal há queda brusca de demografia, não se prolongando além dos limites da região metropolitana.

8Outro fato fundamental a ser considerado na demografia potiguar em relação aos demais Estados litorâneos brasileiros, trata de sua situação particular. O Rio Grande do Norte é popularmente conhecido como o estado que ocupa a “esquina” do litoral brasileiro, pois é nele que se encontram as duas grandes linhas litorâneas do país. A linha norte (Do Amapá até a microrregião Costa das Dunas/RN) e a linha leste (Da Costa das Dunas, no nordeste potiguar, até o Rio Grande do Sul). Desta forma, o Estado possui duas experiências diferentes para a formação demográfica de seu litoral. A porção litorânea leste acompanha a dinâmica dos demais estados costeiros do nordeste oriental. Todavia, o litoral norte do estado não participa da mesma influência dos movimentos históricos de ocupação do litoral leste, como aqueles ligados à zona da mata e agreste. Assim, a costa setentrional potiguar possui outras características tanto históricas quanto fisiográficas que não fizeram parte do movimento de ocupação do país pelo litoral, fato que se expressa numa zona costeira de baixa densidade, exceção na ocupação habitacional da costa nordestina (Becker, 1964).

9Esta demografia abaixo da média não é exclusividade do litoral, verifica-se também no sertão potiguar. As cidades consideradas como pólos regionais possuem demografia muito inferior às suas equivalentes nos Estados vizinhos. Caicó, por exemplo, é o terceiro pólo demográfico do Rio Grande do Norte, articulando a região do Seridó e adjacências num arco de quase cinquenta municípios, para exercer este papel possui menos de 70 mil habitantes (IBGE, 2014). Tal exemplo de Caicó mostra que, no caso do RN, o fator populacional ou demográfico não tem o maior peso no que se refere a definição das cidades que desempenham papel de polarização. Esta realidade é bem diferenciada nas cidades de terceira importância regional no Ceará ou Pernambuco, com mais de duzentos mil habitantes.

Figura 3 Setores do PIB

Figura 3 Setores do PIB

10Neste mapa que divide o PIB em três setores a partir de um diagrama triangular que situa suas respectivas participações no total, o Rio Grande do Norte distingue-se de duas maneiras. Além do fato óbvio de que seus círculos são muito menores do que os do Centro Sul, das grandes métropole nordestinas e até mesmo os centros de mineração da Amazônia, os seus dois pólos principais têm uma base econômica diferente: Natal é orientada principalmente para serviços, enquanto Mossoró tem uma dominante industrial. Esta diferença se materializa nas diversas iniciativas industriais que tem feito de Mossoró uma região de indústrias em diferentes frentes, contando com forte presença da Petrobrás, de indúsrias mineradoras atuantes da Chapada do Apodi, de fábricas de produção alimentícia cujos produtos são oriundos, sobretudo, da produção naquela chapada. Além disso, significativo número de indústria de exploração mineral e agrícola instaladas nas redondezas de Mossoró e dos municípios na região da Chapada (Baraúna-RN; Apodi-RN; Limoeiro do Norte-CE, Russas-CE) participam também destes dados industriais, influênciando tanto na empregabilidade agrícola e industrial da região como também em problemas ambientais ligados a exploração dos recursos naturais (Freitas e Almeida, 2010) e seus desdobramentos na economia e sociedade local.

Figura 4 Metrópoles e hierarquias urbanas

Figura 4 Metrópoles e hierarquias urbanas

11A pesquisa Regic (região de influência das cidades), realizada pelo IBGE em 2007, ajudou a determinar as áreas de influência das principais cidades brasileiras, bem diferentes do que eram na pesquisa anterior em 1993. O Rio Grande do Norte aparece dividido entre as áreas de captação de Fortaleza e de Recife, município por município, dando ao seu mapa uma aparência manchada em “pele de onça”. Neste sentido, o Rio Grande do Norte se destaca na representação cartográfica como estado de maior descontinuidade da influência regional sobre os Municípios, não havendo necessariamente uma ordem de prioridade que esteja baseada unicamente na proximidade. Alguns fatores desta dupla influência de Fortaleza e Recife concomitantemente são: as vias de acesso; as relações históricas e as diferentes formas de uso do espaço. Exemplo disso é o corredor diagnoal aberto entre o Seridó até o litoral nordeste do Estado, sob influência primordial de Recife, seguindo o percurso das rodovias que fazem acesso do sertão ao litoral no interior do estado (RN118/ RN088/ RN023). Em contrapartida, as zonas próximas a capital estão primordialmente sob influência de Fortaleza, mesmo que sejam mais próximas de Recife. Isto porque as relações de circulação turística e comercialização entre Natal e Fortaleza tem sido mais intensa nos últimos anos. A capital cearense passou a atuar em muitos serviços como cidade secundária de referência, exercendo uma ampla área de influência regional no Nordeste (Dantas et al., 2006).

12De toda forma, a presença tanto de Recife como Fortaleza no território do Rio Grande do Norte é marcante em praticamente todos os municípios, fato que denota interessante caracterização de um território ‘poroso’, cujas arestas são preenchidas por um mosaico de influências regionais e nacionais.

Figura 5 Área de influência teórica das metrópoles

Figura 5 Área de influência teórica das metrópoles

13Como não se pode esperar que o IBGE refaça com frequência estudos tão amplos – e caros – o uso de simulações tem a sua utilidade, pois dão uma ideia das zonas de atração teórica, utilizando algoritmos derivados da lei da gravitação. Todos supõem que a atração de uma cidade, da mesma maneira que a de um planeta, é função de sua massa e inversamente proporcional à distância (geralmente ao quadrado dessa) que a separa do lugar considerado. As simulações produzem resultados próximos aos que foram obtidos pelas pesquisas, o que tanto tranquiliza como confirma que podem servir nos intervalos dessas, com a vantagem adicional de que, alterando a variável utilizada para representar a “massa”, pode ser simulado diferentes tipos de atração.

14O índice de polarização calculado pelo software Cartes et Données confirma que a maior parte do território do estado está polarizada pela influência das cidades costeiras.

15O resultado cidade por cidade, produzida pelo software Philcarto e apresentado pela figura 5, baseado no PIB local, se aproxima muito das conclusões do estudo Regic, apesar deste último usar como variável a massa populacional. O mapa mostra a predominância de São Paulo e as áreas mantidas pelas suas principais concorrentes, protegidas pela distância no caso da Amazônia. No Nordeste, Natal, que não tem o mesmo peso que as cidades de primeira linha, está em um ponto cego entre as zonas de influência de Fortaleza e Recife. Assim, em consonância com o discutido no mapa anterior, o Rio Grande do Norte se apresenta como um território de mosaico político, sofrendo influências metropolitanas de Fortaleza a oeste/ noroeste e Recife a leste/ sudeste. Cabe ainda destacar que a região central potiguar possui baixíssima demografia, tanto no sertão como no litoral. Desta forma, as influências metropolitanas se operam, sobretudo, pelas bordas do Estado, coincidindo com as cidades médias de referência: Fortaleza-Mossoró e Recife-Caicó; estando Natal sob influência partilhada de ambas outras capitais.

Figura 6 Fluxos, aeroportos e PIB

Figura 6 Fluxos, aeroportos e PIB

16Ao sobrepor, como faz a figura 6, os fluxos aéreos principais, a localização dos grandes aeroportos, a evolução do tráfego e a distribuição de PIB per capita no país, vemos que o transporte aéreo funciona tanto para organizar os fluxos densos entre as principais capitais do Sul-Sudeste mais desenvolvido, mas também para conectá-las com o Nordeste e, com menor intensidade, com a Amazônia, principalmente Manaus e Belém. O mapa mostra a situação difícil do aeroporto de Natal entre os seus concorrentes do Recife e de Fortaleza, bem como apareceu na disputa sobre a localização do hub para o Nordeste da Tam. Diante deste contexto, o Rio Grande do Norte apresenta-se como um dos Estados brasileiros com grande limitação aeroportuária no que se refere a diversidade de linhas aéreas e destinos. É recorrente que os passageiros precisem se deslocar ao aeroporto de Recife (ou mesmo os aeroportos de São Paulo ou Brasília) para realizar conexões a outras capitais no Nordeste. Neste quesito, Fortaleza perde sua influência regional para Recife, pois apesar da distância aproximada destas cidades à capital potiguar (apenas 40 minutos em vôo), há poucos vôos diretos entre as duas cidades. Os valores em geral são altos (a exceção de agendamentos com asseverada antecedência) e os vôos não se apresentam bem planejados em relação as possíveis conexões que necessitariam oferecer para retirar Natal do enclave aeroportuário em que se encontra. Apenas duas operadoras comerciais (TAM e GOL) fazem a rota direta entre Natal e Fortaleza, oferecendo de um a dois vôos diários (exceção aos vôos sazonais da alta estação turística). Além disso, o Rio Grande do Norte é um dos poucos Estados da Federação que possuem apenas um aeroporto com voôs comerciais regulares, o da capital. Este aeroporto, por sua vez, foi construído a mais de 30 quilômetros da cidade (cerca de 40km das principais zonas turísticas), possuindo apenas acessos precários e conturbados cuja reforma tem avançado pouco nos últimos anos; conforme atestado em relatório do IPEA (2016) sobre os desafios dos aerportos brasileiros planejados para a copa do mundo de 2014.

17A distância e a dificuldade dos acessos ao aeroporto de Natal tornou inviável a dinamização de pontes-aéreas para as metrópoles mais próximas (Fortaleza e Recife), pois o tempo de deslocamento terrestre em transporte privado pode levar o dobro do tempo total do vôo. Por via de transporte público, o deslocamento terreste pode ser até três a quatro vezes superior ao tempo de vôo. Além disso, este aeroporto lida com o desafios de ser o primeiro do Brasil a privatizar completamente seus os serviços, fato que encareceu tarifas de estacionamento e isolou o terminal por meio de um ‘pedágio’ de acesso, sem apresentar até o momento concorrentes de serviços instalados em sua cercania capazes de atender a diferentes faixas de públicos/ valores. Tal fato pode ser facilmente observado pela aglomeração de veículos parados diante do portal de cobrança no acesso ao terminal. Este conjunto de fatos tem contribuido para manutenção de um certo isolamento do RN no contexto da dinâmica aeroviária brasileira, funcionado como “efeito barreira” ao potencial de concorrência do estado na malha aeroviária nacional.

Figura 7 Índice de desenvolvimento

Figura 7 Índice de desenvolvimento

18O mapa construído a partir do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), calculado na escala municipal para 2010, mostra a predominância do Centro-Sul, mas revela também uma forte dinâmica regional de algumas regiões que têm experimentado progressos significativos, enquanto outros estagnaram. Entre os avanços, o mais notável é o do Centro-Oeste, especialmente de Mato Grosso, onde a chegada de colonos aumentou significativamente o IDH dos municípios onde se instalaram. O Rio Grande do Norte está claramente dentro da grande área deprimida do Nordeste, mas observa-se que o sul do Estado está em um nível médio e que Mossoró está na categoria mais alta do território nacional, comparável à situação das melhores partes do Sudeste e do Centro-Oeste.

19Esta realidade representada no mapa aponta algumas complexidades à compreensão do desenvolvimento do território potiguar. A primeira refere-se ao fato de que, contrariamente à maioria dos demais estados brasileiros, as regiões com melhores índices no Rio Grande do Norte são aquelas mais isoladas da região metropolitana. No sul do estado, a região do Seridó apresenta dados educacionais bem superiores à média estadual. Trata-se, então, de território cuja problemática econômica é intercalada às ‘ilhas’ de desenvolvimento, como: o sertão do Seridó; a cidade de Mossoró e a capital Natal. Alguns municípios da região metropolitana, por sua vez, apresentam dados tão precários quanto as médias de maior depressão econômica, comparados ao sertão central onde se observam dados mais precários de desenvolvimento. Em quase todo o estado do Rio Grande do Norte houve avanços significativos na última década no quesito Educação (IDEB, 2016). Todavia, a estagnação nas categorias saúde e renda mantêm os índices gerais rebaixados no universo do IDHM.

Figura 8 Equipamentos culturais

Figura 8 Equipamentos culturais

20Calculando a densidade de equipamentos culturais (no sentido amplo, museus, bibliotecas, estações de televisão e radio, teâtros, cinemas, e até shopping centers, onde se concentram cada vez mas estes últimos) por quilômetro quadrado ou por 10.000 pessoas obtem-se resultados bastante diferentes, no caso do Brasil em geral e no Rio Grande do Norte em particular. A densidade por quilómetro quadrado favorece as cidades, que reúnem um grande número de equipamentos em uma área limitada. No entanto, o cálculo pelo número de pessoas que podem se beneficiar dessas instalações revela características inesperadas, e um dos casos mais notáveis em todo o país é precisamente a dos estados do Sul e de São Paulo.

21Com base nestes indicadores a situação do Rio Grande Norte é bastante favorável para equipamentos culturais por 100 quilómetros quadrados, no caso de Natal e Seridó, e para o número de equipamentos culturais por 10 000 habitantes para o centro do Estado (mais escassamente povodao) onde a situação é comparável à aquele do centro da Paraíba (Cariris e Borborema), um pouco mais ao sul. Ao observar o mapa, percebe-se que quase todo o contorno administrativo dos estados do nordeste oriental (Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe) está recoberto por pontos, bem como seu conteúdo. Isto expressa a grande densidade cultural de equipamentos nos estados nordestinos do atlântico oriental. Seguindo a tendêcia desta região, o Rio Grande do Norte sai do lugar de opacidade apresentado em outros dados para um lugar de destaque a partir dos dados culturais.

Figura 9 Telespectadores potenciais ao consumo da mídia

Figura 9 Telespectadores potenciais ao consumo da mídia

22O faturamento de grandes corporações midiáticas como a Rede Globo é obtido através da venda de espaço publicitário e anunciantes podem saber quantos potenciais clientes eles podem esperar atingir consultando um “Atlas de cobertura” (disponível online), que permite conhecer em detalhe a cobertura geográfica de cada uma das estações locais Globo, o número de domicílios com TV, o número de potenciais espectadores e o índice de potencial de consumo. Com estes valores, é possível produzir um mapa da percentagem de espectadores potenciais da população. A relevância deste indicador é forte para compreender a dinâmica dos locais, pois a mídia tem assumido um forte papel ideológico, sendo comumente referida por diversos autores como o quarto poder da República. Isto se confirma no caso de RN, onde o sinal de retransmissão da Globo e de outros canais abertos estão sob concessão das principais famílias políticas do estado. Ao considerar que a rede globo concentra a maior parte da audiência, sua presença é sempre reveladora da propagação ideológica que exerce nos territórios, bem como do potencial de consumo da cultura de massa que a mesma pode vender para cada região ou lugar onde seu sinal é retransmitido.

23No Rio Grande do Norte o mapa mostra contrastes entre o centro do Estado, em situação bastante deprimida, e três áreas com forte potencial, a região de Natal, Mossoró e extremo sul do Estado, região do Seridó. A exceção destes casos, o Rio Grande do Norte é uma área de baixo potencial dentro do bloco Nordeste. Alguns fatores importantes devem ser considerados para esta cartografia atípica do potencial midiático, em comparação aos estados vizinhos. Um primeiro deles se refere ao enclave econômico observado no centro do Estado. Outro aspecto a considerar é o potencial de consumo desta população, estimado em quase 50% inferior à média das principais áreas de desenvolvimento no Nordeste (IBGE, 2010). É ainda necessário considerar que nestas zonas de prevalência rural e de tradições locais, a população não se sinta representada no produto oferecido pela emissora dominante, fato que levaria ao consumo preferencial de outras mídias de origem local e regional.

Figura 10 Motores do desenvolvimento

Figura 10 Motores do desenvolvimento

24Os motores do desenvolvimento local podem ser de vários tipos. Pode ser a indústria e os serviços modernos ou a agricultura de exportação e o agronegócio. Mas ao lado destes grandes setores, outras atividades, menos massiva, podem ser a mola mestra do crescimento de áreas menores: mineração, fruticultura irrigada, turismo litoral ou interior. Deste ponto de vista, o Rio Grande do Norte tem a vantagem de ter vários motores, a fruticultura irrigada e turismo costeiro, além da mineração (de base territorial estreita demais para aparecer aqui). Outra atividade também subrepresentada, mas de grande importância do desenvolvimento do Rio Grande do Norte é a produção de energia. O Estado possui uma grande diversidade de iniciativas de produção energética: parques eólicos (dentre alguns dos principais no Brasil); fotogeradores solares (presentes no litoral noroeste em maior número); usinas termoelétricas no sertão central; culturas de biocombustíveis no interior e vasto sistema de gás natural que liga o oeste e centro do estado à Natal. Em termos de concentração territorial, o Rio Grande do Norte possui um indicador de intensa diversificação no sistema de produção energético no Norte-Nordeste e um dos maiores do Brasil por quilômetro quadrado.

25O turismo no Estado também não se configura como mera atividade complementar, mas movimenta um amplo sistema econômico, tendo uma das maiores taxas de turista por habitante no Brasil. A condição geofísica já citada de um vasto litoral tanto a leste como a norte é uma das situações naturais que permitem exploração de espaços bem diferenciados para este fim. O litoral das salinas e dos recortes geomorfológicos costeiros (à noroeste); o litoral dos mangues e acidentes fluvio-marinhos (à centro-norte); o litoral dos grandes cordões de dunas (à nordeste); o litoral da capital (à leste) e o litoral de reservas naturais (à sudeste). Tal diversidade cria condições para uma forte exploração do sistema de sol e mar, fato que permite a existência de mais de um turista por habitante durante o período de forte fluxo, inclusive na capital.

Figura 11 Ranking de eficiência dos municípios

Figura 11 Ranking de eficiência dos municípios

26Em 2016 a Folha de São Paulo realizou o estudo “ranking da eficiência dos municípios” (REM-F), por meio do índice formado por indicadores como educação (crianças de 4 e 5 anos na escola e crianças de 0 a 3 anos em creches), saúde (médicos por mil habitantes e cobertura por equipes de atenção básica), saneamento (rede geral de agua, de esgoto e coleta de lixo domiciliar), receitas (do município e de transferências), despesas (com educação, saúde e legislativo), população, PIB, funcionalismo (total e aumento), área do município e índice de desenvolvimento humano municipal e estabeleceu um ranking apontando as gestões que disponibilizam mais serviços à população com menor quantidade de recursos. Resultado: apenas 24% dos municípios brasileiros podem ser considerados eficientes (pelo menos metade do índice) e nas menos eficientes (30% de 5281 municípios).

27Retrabalhando estes dados e fazendo a média de cada município com os seus vizinhos, a figura 11 mostra que a região Norte e a região litorânea do Rio Grande do Sul concentram os municípios menos eficientes. Ao oposto, ele destaca dois polos de eficiência: o primeiro associa vários municípios interioranos no Estado de São Paulo, no Norte do Paraná, no litoral catarinense, no Triângulo Mineiro, e no norte do Rio de Janeiro.

28Outro pólo de eficiência pode ser visualizado no Nordeste, nos Estados do Ceará e Rio Grande do Norte e envolvendo também áreas no litoral da Bahia, na Paraíba, Pernambuco e Alagoas. No Rio Grande do Norte observa-se a posição muito favorável do Oeste do Estado, desde a zona costeira até o Sul, e a situação excepcional do Seridó. Também estão marcados em alta eficiência Natal e região metropolitana. Em geral, todo o Estado do Rio Grande do Norte faz parte dos melhores índices, dentre as três categorias consideradas eficientes. Este indicador é interessante para questionar a naturalização muitas vezes feitas sobre os índices positivos nas regiões sul-sudeste enquanto aqueles mais precários ocupam a região nordeste. Outro fator interessante desta representação é que ela opõe completamente as regiões norte e nordeste, mostrando que elas ocupam pólos opostos neste processo, a exceção de zonas de transição: o Meio-Norte (Piauí-Maranhão) e os sertões de Bahia e Pernambuco. O Rio Grande do Norte apresenta outra peculiaridade, os únicos índices abaixo das categorias de Muito Bom e Ótimo (1 e 2), mas apenas Bom (3), são aqueles do litoral norte e não do sertão; opondo-se ao sistema hierarquico de eficiência nos estados próximos.

O Rio Grande do Norte no Brasil: um território de complexidades

29A partir da discussão contextual apresentada neste artigo, o Rio Grande do Norte se revela como território de complexidades, tomando este último termo na perspectiva clássica do Complexo Geográfico (Monbeig, 1957), bem como nas dinâmicas territoriais contemporâneas (Dantas, 2009; Nonato Júnior, 2016). Esta complexidade geográfica é resultado de um amplo sistema de materialidades que por vezes segue as tendências do território nacional e, por outras, se opõe a ele apresentando diferenciadas formas de configuração territorial. Destacam-se as regionalidades com outros estados do Nordeste; a influência multiescalar partilhada entre Natal, Recife e Fortaleza e as configurações espaciais diferenciadas, produzidas na influência das cidades médias e das relações históricas, sociais, políticas, culturais, naturais e sociais de base local e regional. Ao analisar tal complexidade, observa-se: descompassos entre a eficiência administrativa e desigualdade social; sistemas territoriais contemporâneos que refletem a ocupação histórica do espaço e processos geográficos contemporâneos que apresentam o Rio Grande do Norte como estado diversos nas áreas da energia; das influências regionais e das relações entre demografia, produção e consumo.

  • Além disso, a integração entre questões físicas e humanas; gerais e específicas; históricas e atuais fazem do RN um recorte investigativo provocador aos estudos geográficos na atualidade, sendo necessário estudar amiúde a constituição das territorialidades, da formação político-geográfica, da cultura, dos sistemas econômicos e das regionalidades; desenvolvidos ao longo do dossiê temático.

  • Em suma, o RN se apresenta como Complexo Geográfico ao pensamento contemporâneo, aludindo provocações aos limites e potencialidades da epistemologia geográfica para leitura dos diversos sistemas socio-fisico-político-econômico-culturais que subjazem na constituição de um espaço em território.

Haut de page

Bibliographie

Andrade, Manuel C. « A produção do espaço norte-rio-grandense ». Natal: EDUFRN, 1981.

Becker, Berta K. « Significado do núcleo colonial do Pium para o aproveitamento dos vales de paul no Rio Grande do Norte ». Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros, Vol. XIII, São Paulo: AGB, 1964. p. 145-163.

Brunet, Roger. « Le Déchiffrement du Monde, théorie et pratique de la Géographie ». Berlin, Paris, 402 p, 2001.

Dantas, A. «  Monbeig e a noção de complexo geográfico ».  Revista Confins. Nr. 07, 2009. Disponível em : http://confins.revues.org/6091 DOI : 10.4000/confins.6091

Dantas, E. W.; Aragão, R. F.; Lima. E. L. V. « Nordeste brasileiro fragmentado: de uma região com bases naturais a uma de fundamentação econômica ». In: Silva, J. B.; Dantas, E. W. C.; Zanella, M. E.; Meireles, A. J. de A. (orgs.). Litoral e Sertão, natureza e sociedade no nordeste brasileiro. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2006.

Freitas, B. M. C.; Almeida, D. G. « Impactos socioambientais da modernização da agricultura no território da Chapada do Apodi ». XVI Encontro Nacional dos Geógrafos. Porto Alegre, 2010. Disponível em: http://xviEng/download (261).pdf

Gomes, Rita de Cássia da Conceição. « Pequenas cidades e dinâmicas inserções no processos de globalização: uma leitura a partir da realidade brasileira ». GOT - Revista de Geografia e Ordenamento do Território, v. 2, p. 117-138, 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/ IBGE. Séries Estatísticas – Rio Grande do Norte. Dados censitários por unidade da federação. Disponível em: http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/lista_tema.aspx?op=1&no=2&nome=uf. Consultado em março/abril 2017.

Monbeig, P. Novos estudos de Geografia humana brasileira. São Paulo : difusão européia do livro, 1957.

Nonato Júnior, Raimundo. « Geografia Regional em tempos de globalização: experiências da fronteira França-Brasil ». Confins, 26 | 2016, mis en ligne le 15 juillet 2016, consulté le 01 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/10835 ; DOI : 10.4000/confins.10835

Santos, M. Metamorfoses do espaço habitado. Paulo: Hucitec, 1996.

Théry, Hervé e Mello, Neli Aparecida de. Atlas do Brasil: Disparidades e dinâmicas do território. Edições da Universidade de São Paulo EDUSP, São Paulo 2005, 312 páginas. Reimpressão 2008.

Théry, Hervé; Nagy, André e Nonato Junior, Raimundo. « O Paraná no Brasil: uma contextualização em treze imagens (e meia) ». Confins, 27 | 2016, mis en ligne le 29 juillet 2016, consulté le 01 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/10818 ; DOI : 10.4000/confins.10818

Haut de page

Notes

1 Théry, Hervé e Mello-Théry, Neli Aparecida de, Atlas do Brasil, Disparidades e dinâmicas do território, Edições da Universidade de São Paulo EDUSP, São Paulo, no prelo. Primeira edição, 2005, reimpressão 2008.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 População em 2014
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-1.png
Fichier image/png, 367k
Titre Figura 2 Densidade demográfica em 2014
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-2.png
Fichier image/png, 359k
Titre Figura 3 Setores do PIB
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-3.png
Fichier image/png, 254k
Titre Figura 4 Metrópoles e hierarquias urbanas
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-4.png
Fichier image/png, 295k
Titre Figura 5 Área de influência teórica das metrópoles
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-5.png
Fichier image/png, 338k
Titre Figura 6 Fluxos, aeroportos e PIB
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-6.png
Fichier image/png, 408k
Titre Figura 7 Índice de desenvolvimento
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-7.png
Fichier image/png, 362k
Titre Figura 8 Equipamentos culturais
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-8.png
Fichier image/png, 523k
Titre Figura 9 Telespectadores potenciais ao consumo da mídia
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-9.png
Fichier image/png, 377k
Titre Figura 10 Motores do desenvolvimento
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-10.png
Fichier image/png, 278k
Titre Figura 11 Ranking de eficiência dos municípios
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12315/img-11.png
Fichier image/png, 281k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Raimundo Nonato Júnior et Hervé Théry, « O Rio Grande do Norte no Brasil: uma contextualização em onze imagens », Confins [En ligne], 32 | 2017, mis en ligne le 22 septembre 2017, consulté le 11 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/12315 ; DOI : 10.4000/confins.12315

Haut de page

Auteurs

Raimundo Nonato Júnior

Docente do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFRN, nonatorjr@gmail.com

Articles du même auteur

Hervé Théry

CNRS-Creda UMR7227, Professor visitante na USP (GPP-EACH e PPGH-FFLCH), hthery@aol.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals