Navigation – Plan du site
Dossiê Rio Grande do Norte

Rede urbana e redes de serviços bancários, postais e educacionais do Rio Grande do Norte: coexistências de hierarquias

Réseau urbain et réseaux de services bancaires, postaux et d’éducation du Rio Grande do Norte: coexistences et hiérarchies
Urban network and Rio Grande do Norte network services banking, postal and educational: coexistences and hierarchies
Edseisy Silva Barbalho Tavares

Résumés

Le réseau urbain du Rio Grande du Nord présente dans la période actuelle une configuration qui résulte des caractéristiques de la période techno-scientifique informationnelle de laquelle émerge un chevauchement de réseaux qui cohabitent ce territoire. Cette structure de réseau se manifeste en raison des changements dans ce territoire, parmi lesquels, expansion et spatialisation de nouveaux fixes géographiques financiers, postales et de éducationnels. Dans cette perspective, notre but est de comprendre leur rôle et la façon dont les services financiers, postales et éducationnels des différents niveaux d´enseignement promeuvent des interactions spatiales qui réorientent les flux dans le réseau urbain de l’État, contribuant pour à une nouvelle configuration du réseau urbain et aussi à la rupture d’une hiérarchie rigide. Dans cette étude, on a développé une recherche téorico-conceptuelle et empirique avec les institutions bancaires, d’enseignement et postales (Correios) pour essayer de comprendre comment ces trois services se distribuent et servent du territoire et, à partir de cette utilisation, réorganisent le réseau du Rio Grande do Norte. À partir de ce qu'il a été possible d’analyser et d'interpréter, il nous paraît évident que la nouvelle dynamique du territoire générée par ces services non seulement guide les fluxs vers les villes les plus hiérarchisées du réseau, mais aussi provoque des interactions spatiales à plusieurs échelles simultanément et, en outre, présente une convergence de fixes et de flux vers les centres moins denses dans le contexte de réseau urbain de l’État.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Rio Grande do Norte
Haut de page

Texte intégral

1A realidade do processo de modernização do território do Rio Grande do Norte se caracteriza pela presença da técnica, ciência e informação. Essa característica do período atual, impõe um processo de modernização seletiva no território estadual que pode ser verificado pela instalação dos novos sistemas de engenharia, mas também pela produção de fixos geográficos relacionados a expansão dos serviços não-materiais, dos quais destacamos, bancários, postais e educacionais. Esses fixos passam por um processo de expansão nesse período, de modo mais expressivo após os anos de 1990, dado que se tornam cada vez mais importantes na vida cotidiana da população, mas também do Estado e dos agentes econômicos.

  • 1 O presente trabalho foi realizado com apoio da CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal (...)

2A partir da topologia desses serviços mostraremos1 como a sua distribuição espacial permite novas formas de estruturação da rede urbana estadual, uma vez que as cidades do território potiguar são dotadas de novos conteúdos e papeis advindos, principalmente, da diversificação dos serviços que podem ser prestados em função da presença desses objetos geográficos.

3Assim, a situação dos serviços bancários, postais e educacionais atualmente no território potiguar demonstra mudanças significativas na orientação de alguns fluxos relacionados a esses serviços, o que provoca o rompimento de hierarquias e a superposição de redes. De modo que tal processo repercute sobre a estrutura da rede urbana, abrindo a possibilidade que inúmeras formas de interação espacial sejam realizadas nos diferentes lugares, pois as interações territoriais estabelecidas e as escalas envolvidas são relativas, as quais dependem do tipo de serviço que se busca ou do sistema técnico que se utilize.

4Neste sentido, busca-se entender como os usos do território relacionados aos serviços bancários, postais e de educação influenciam na redefinição da rede urbana do Rio Grande do Norte. Assim, parte-se de estudo teórico-conceitual e empírico, este junto as instituições prestadoras desses serviços para que seja possível entender como a dinâmica promovida no estado por esses serviços, relacionada a diversas escalas e a outros usos do território reestruturam a rede urbana estadual. Assim, essas três redes de serviços foram selecionadas devido possibilitarem uma análise da estrutura da rede urbana do estado, isto porque a forma como se superpõem e a disposição dos objetos e os fluxos gerados revelam como os centros urbanos do Rio Grande do Norte participam das interações territoriais em todas as escalas geográficas. O caminho de pesquisa adotado partiu de investigações sobre a urbanização do território, a constituição de redes urbanas e os fixos geográficos bancários, postais e educacionais analisados na sua relação de pertencimento com o objeto de estudo. Os dados e informações obtidas junto ao Banco Central do Brasil, aos Correios e as diversas instituições de ensino e a Secretaria Estadual de Educação, foram analisados à luz de um arcabouço teórico-metodológico que permitiu compreender redes de relações entre as cidades, que se superpõem a rede urbana hierárquica, a partir da espacialização dessas atividades.

“Hipercapilaridade” dos serviços bancários: ruptura da hierarquia?

5A difusão do meio técnico-científico-informacional trouxe novos conteúdos à quase todos os interstícios da vida social. Especificamente em relação aos serviços bancários, temos a disseminação de uma série de fixos geográficos destinados a expansão das finanças e à prestação dos serviços bancários. Assim, em função das

6novas condições trazidas pelo uso da ciência e da técnica na transformação do território, há uma maior expressão do assalariado em formas diversas [...], uma necessidade maior de capital adiantado, o que vai explicar a enorme expansão do sistema bancário (Santos, 1989, p. 79).

7Portanto, teremos “a presença de ramificações do sistema bancário, até mesmo em núcleos menores”, pois o capital financeiro tende a não deixar de lado nenhuma parcela do território (Santos, 2005, p. 56). Esta situação está relacionada, por exemplo, às mudanças ocorridas na divisão territorial do trabalho e nas relações sociais e de trabalho, dado que novas demandas são exigidas dos lugares, os quais precisam se adequar para permitir que os fluxos financeiros cheguem a todos os pontos do território. Neste sentido, é fundamental a configuração territorial, ou seja, o conjunto de objetos geográficos dos lugares, dado que “a configuração territorial dá aos lugares especificidades, criando diferenciações espaciais e dotando os lugares de aptidões que permitem a instalação, ou não, de determinadas atividades” (Dantas, 2016, p. 196-197).

8Apresentando uma expansão no estado, no contexto da sua reestruturação produtiva, os novos fixos geográficos financeiros/bancários, em função de sua topologia criam novas hierarquias na rede estadual para o acesso a seus serviços. A creditização do território propicia nova qualidade ao espaço e, portanto, à rede urbana (Santos, 1989). No entanto, é preciso ressaltar que a evolução apresentada por esse serviço foi possível dada às condições técnicas características do período, considerando que a difusão no território de técnica, ciência e informação é capaz de modificar os seus conteúdos técnicos, normativos e organizacionais, nesse sentido a "creditização do território, a dispersão de uma produção altamente produtiva, não seriam possíveis sem a informatização do espaço brasileiro” (Santos, 1989, p. 79).

9Tal informatização do território é garantida pelas redes de telecomunicações que autorizam à rede bancária realizar transações financeiras e informacionais de forma instantânea e segura. Assim como permite que se tenha uma organização formada por um comando geral que gerenciam uma infinidade de agências em diversas escalas. Sem falar no número de operações possíveis de serem realizadas, por exemplo, por intermédio dos caixas eletrônicos, pelo uso do telefone móvel e fixo, pelo computador e pelos correspondentes bancários, que realizam suas ações pelo acesso aos sistemas técnicos de telecomunicações, principalmente a internet.

10O contexto histórico do banco Bradesco no território brasileiro, revela como devido a transição de uma rede de abrangência regional para uma atuação nacional ocorre a necessidade de adoção de novas formas econômicas e jurídicas, como também de instrumentos técnicos (Dias, 1992). Para a autora, entre os diferentes agentes que fazem uso das novas redes de telecomunicações, o maior usuário é o sistema financeiro. Ainda de acordo com a autora, é em função da grande demanda de informações que se precisava tratar e difundir que são intensificados os investimentos nas telecomunicações e informática, inclusive implantando os circuitos nacionais e internacionais de comunicação de dados. Nesta perspectiva, "a informatização do banco traz economias de tempo que atingem, seja o trabalho interno das agências, seja a circulação das informações entre as agências e a sede" (Dias, 1992, p. 46).

11As novas técnicas da informação, características do período, evoluem cada vez mais no sentido de ampliar o alcance e aumentar a velocidade de deslocamento dos fluxos financeiros, tanto em direção as áreas "opacas" quanto "luminosas" (Contel, 2011), embora diferenciadamente, alterando desse modo, as conexões entre as cidades. A essas mudanças técnicas, somam-se uma série de ações que culminam com a nova situação do período no que se refere aos sistemas financeiros e bancários, denominada de “Verticalização do sistema bancário nacional”, a qual se institui a partir das privatizações e da “hipercapilaridade das finanças no território” (Contel, 2011), analisadas pelo autor no período compreendido entre 1994 e 2010.

12Assim, precisamos destacar que diferente da produção que se espacializa de forma seletiva no território, as finanças, buscam a sua totalidade (Silveira, 2007a). Tanto os consumidores, quanto as empresas são alcançadas hoje pelo sistema financeiro embora de formas diferentes, alguns de maneira mais intensa e outros em menor intensidade, sendo reduzido o número de empresas, por menores que sejam, que não utilizam algum serviço bancário.

13A topologia bancária dos "fixos ‘geográficos-financeiros’ e informacionais” (Contel, 2011), demonstra uma redefinição na rede de relações estabelecidas para a prestação deste serviço entre as cidades do Rio Grande do Norte. A rede de agências bancárias vivencia no período atual uma regressão e/ou expansão concentrada, dependendo da região ou estado. No território potiguar na década de 1970 não apenas o número de estabelecimentos bancários era reduzido, 65 no total, como eram extremamente concentrados (mapa 1), revelando uma estrutura urbana bastante hierarquizada para este tipo de serviço. Todavia, o período técnico-científico-informacional propicia outras circunstâncias para estes fixos.

14Em 1994, já se tem dobrado o número de agências que totalizam 137. Em 2010 são 166 e no ano de 2015, eram 216 no total (Brasil, 2015). No entanto, mesmo diante da expansão e da instalação em cidades que não contavam com esses serviços, permanecem seguindo um padrão concentrador, pois dos 167 municípios, 113 não tem agências bancárias (mapa 2). Os bancos que apresentam uma maior dispersão de agências no estado são os bancos públicos. As agências dos bancos privados com exceção dos Bancos Bradesco, Itaú, HSBC e Santander se localizam apenas em Natal (Quadro 1 - Número de cidades que abrigam agências dos principais bancos privados localizados no Rio Grande em 2015). Entretanto, nos chama atenção a dispersão das agências do Bradesco que estão em 24 cidades, assim como de outros fixos financeiros desse banco, que buscam territorialidades para além das cidades já concentradoras.

Mapa 1 - Distribuição espacial das agências bancárias no Rio Grande do Norte em 1972

Mapa 1 - Distribuição espacial das agências bancárias no Rio Grande do Norte em 1972

Fonte: Costa, 1977.

Mapa 2 - Distribuição espacial das agências bancárias no Rio Grande do Norte em 2015

Mapa 2 - Distribuição espacial das agências bancárias no Rio Grande do Norte em 2015

15Fonte: BRASIL, 2015. Banco Central do Brasil.

Quadro 1 - Número de cidades que abrigam agências dos principais bancos privados localizados no Rio Grande em 2015

NÚMERO DE CIDADES QUE ABRIGAM AGÊNCIAS

BANCO BRADESCO S.A

ITAÚ UNIBANCO S.A.

HSBC BANK BRASIL S.A.

BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A.

24

5

2

2

Fonte: BRASIL, 2015. Banco Central do Brasil.

16A geografização dessas agências no território estadual se estabelece nas cidades que já apresentavam uma centralidade na rede urbana do estado e nas que a partir dos novos usos do território por alguns circuitos espaciais produtivos vão se tornando mais atrativas para a prestação de serviços bancários. Compreendemos a importância dessa expansão das agências para a estrutura da rede urbana também, porque estas ao se instalarem dinamizam a vida econômica local, principalmente no caso das cidades menores, pois, engendram tanto fluxos de pessoas que a estas se direcionam, podendo inclusive estimular outras atividades, quanto em alguns casos pelo contingente de funcionários que abrigam (Contel, 2011).

17No entanto, enquanto a acessibilidade às agências, mantêm a mesma situação de dependência em relação aos centros mais densos do território, a inserção de outros fixos geográficos bancários vem levando a rede urbana a apresentar uma estrutura menos hierarquizada para a realização de uma diversidade de atividades bancárias. Os Postos de Atendimento Bancário Eletrônico (PAE's), que são os locais onde se instalam os Caixas automáticos ou eletrônicos, Automatic Teller Machine (ATM's), mas principalmente os correspondentes bancários, modificam significativamente as interações espaciais entre as cidades, pois muitos serviços podem agora serem realizados sem a necessidade de deslocamentos a uma cidade que exerça centralidade além do local.

18A maioria das cidades do Rio Grande do Norte conta com pelo menos um PAE's que realizam diversas funções que anteriormente eram possíveis apenas nas agências (mapa 3). Esses fixos se encontram em 131 cidades do estado, contudo geralmente se restringe a poucos terminais por cidade, 1 ou 2, com exceção de Natal e alguns municípios de sua Região Metropolitana e nas cidades que apresentam maior centralidade como Mossoró, Caicó, Assú, Santa Cruz e Pau dos Ferros. Destacamos o caso de Tibau do Sul que tem proporcionalmente um número relativamente alto desses equipamentos, o que entendemos que esteja relacionado ao fluxo movimentado pelo turismo. De modo geral, mesmo sendo escassa, a presença desse serviço, já interfere na relação interurbana, pois muitas atividades bancárias podem ser acessadas nas próprias cidades, ou em suas vizinhas, sem que precisem recorrer a um “centro de gestão do território” (IBGE/REGIC, 2008).

Mapa 3 - Distribuição espacial dos Postos de Atendimento Bancário Eletrônico (PAE's) no Rio Grande do Norte em 2015

Mapa 3 - Distribuição espacial dos Postos de Atendimento Bancário Eletrônico (PAE's) no Rio Grande do Norte em 2015

Fonte: BRASIL, 2015. Banco Central do Brasil.

19Em relação aos correspondentes bancários, o impacto sobre a estrutura da rede urbana ainda se dá de forma mais acentuada, pois segundo dados do Banco Central do Brasil de 2010, sua distribuição compreendia todos os municípios do estado, mesmo que com densidades diferentes. Sendo mais flexíveis quanto à sua localização potencial, os correspondentes rapidamente se difundem, capilarizando quase todo o território, principalmente nas suas “áreas opacas” (Contel, 2011) (mapa 4). Como requerem um baixo investimento em sistemas técnicos para funcionar, precisando apenas de um funcionário que é treinado pelo próprio banco, energia elétrica, um computador ligado ao banco contratante, telefone fixo ou móvel, e são abrigados em um estabelecimento comercial já existente, estes objetos geográficos se expandem nas cidades do estado com mais facilidade (Contel, 2011).

20Os correspondentes atendem às necessidades básicas requeridas por grande parte da população do interior do estado, sobretudo das cidades menores e não tão dinâmicas, em relação às atividades bancárias, permitindo a expansão da acessibilidade da população a determinados serviços financeiros, sem que seja necessário recorrer a uma agência que se encontre em outro centro urbano. Estão entre os principais serviços realizados pelos correspondentes: pagamentos simples, depósitos e saques de baixas quantias de dinheiro e recebimento de benefícios sociais. Assim, esse fixo geográfico-financeiro se tornou no período atual um dos mais usados pela população do estado, isto porque está mais próximo e acessível que os tradicionais e não apresenta as dificuldades de operacionalização que os PAE's podem significar para algumas pessoas.

21Assim, destacamos a importância que a hipercapilaridade das atividades bancárias por intermédio dos correspondentes tem no território, principalmente em relação a alguns bancos, tais como: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Bradesco. Esses bancos são uma grande fonte de recebimento de contas de serviços públicos, pagamentos de salários da esfera pública e também privada e são instituições que pagam uma quantidade significativa de pensões e aposentadorias. No caso da Caixa Econômica Federal ainda temos o repasse do seguro-desemprego e do benefício do Programa Bolsa família, o qual pode ser sacado nos seus diversos fixos geográfico-financeiros.

22A partir do exemplo da Caixa Econômica Federal e de sua atual capilaridade, as populações carentes do território são atingidas nos seus respectivos municípios de residência (Contel, 2011). Portanto, não há a necessidade de deslocamento em direção a outra cidade para se buscar esse tipo de serviço.

23A representatividade desses bancos também está relacionada a localização dos mesmos, que além de poder se instalar em vários tipos de estabelecimentos comerciais, apresentam parcerias com as Casas Lotéricas e o Banco Postal, que é a marca utilizada pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). Analisando o caso dos Correios, que é uma instituição presente na maioria das cidades do estado, enfatizamos o peso que a mesma tem para o banco que atua em sua parceria, no volume de transações que passar a realizar. A primeira parceria dos Correios foi com o Bradesco vigorando de 2001 a 2011, a qual foi seguida pela instituída com o Banco do Brasil com vigência desde 2012.

Mapa 4 - Distribuição espacial dos Correspondentes Bancários no Rio Grande do Norte em 2010

Mapa 4 - Distribuição espacial dos Correspondentes Bancários no Rio Grande do Norte em 2010

Fonte: BRASIL, 2015. Banco Central do Brasil.

24Todavia, ainda é preciso ressaltar que a nova dinâmica propiciada pelos usos do território no atual período, não intensificam apenas a rede de agências, postos e correspondentes bancários, mas também a utilização de outros serviços como o banco por internet que também desarticula as conexões físicas estabelecidas pelos fluxos entre as cidades. Também nesse contexto de expansão dos serviços financeiros no território, destacamos a disseminação dos cartões de débito e/ou crédito, que abre novas formas de relações entre as pessoas, instituições e os lugares.

25Destarte, assim como ocorre em outros lugares, a maior dinamicidade econômica no território do estado, solicita a expansão de atividades bancárias, as quais por sua vez, também criam uma maior dinâmica econômica, dado que “um tecido financeiro onipresente exerce influência sobre as formas e normas de consumo das classes médias e dos pobres” (Silveira, 2007b, p. 161).

26Deste modo, conforme nos foi possível constatar, a instalação dos fixos geográficos bancários/financeiros no território potiguar no período técnico-científico-informacional influencia a estruturação da rede urbana, dado que a expansão e presença dos novos fixos nos lugares criaram outras redes de relações entre as cidades que não correspondem com as hierarquias tradicionais. Nestas, por exemplo, se tem uma série de serviço que para serem realizados, não exigem mais que se realize o deslocamento para outro centro urbano.

Os fluxos da rede postal na rede urbana do Rio Grande do Norte

  • 2 De acordo com o Sr. João Vianey de Farias, analista de Correios Júnior, que construiu este históric (...)

27Diferentemente de outros serviços que durante muitas décadas estiveram presentes apenas nas cidades mais importantes da rede urbana, e somente começaram a se dispersar no território potiguar a partir da década de 1990, os Correios apesar de terem fixos instalados inicialmente nessas cidades, também marcaram presença nos centros urbanos que estão na base da hierarquia urbana. Até 1969 quando é a criada a ECT, já existiam agências em cerca de 60% do território estadual, incluindo tanto centros urbanos com influência apenas local, quanto cidades de centralidade regional diversas2. No período de 1970 até 1981, portanto, antes do surgimento do SEDEX, tivemos uma reduzida instalação de agências, apenas nove unidades no interior no estado e mais duas na capital. Todavia, após a chegada do SEDEX, presencia-se uma significativa expansão do serviço, de modo que entre 1982 e 1999, 87% do território do Rio Grande do Norte era coberto pelos serviços dos Correios, sendo a totalidade do estado contemplada após os anos 2000 (mapa 5), quando é instituído o Banco Postal Mais e ampliado os serviços de entrega de encomendas.

Mapa 5 – Período de instalação agências dos Correios no Rio Grande do Norte do século XIX até 2015

Mapa 5 – Período de instalação agências dos Correios no Rio Grande do Norte do século XIX até 2015

Fonte: CORREIOS, 2016.

28É necessário destacar que assim como ocorreu com os outros serviços que tiveram sua expansão proporcionada pelas novas tecnologias das comunicações e dos transportes, estes sistemas de engenharia também foram e permanecem sendo essenciais para a garantia da logística empreendida pelos Correios. Isto porque as comunicações e informações viabilizam uma série de atividade que são realizadas hoje pela empresa, como também porque o transporte, tanto aéreo, quanto a melhoria da malha rodoviária estadual, são decisivos para a boa circulação dos produtos postais.

29A rede de atendimento dos Correios no Rio Grande do Norte conta com 187 agências próprias, 09 agências terceirizadas, 110 agências de correios comunitárias, 65 postos de venda de produtos e 343 postos de coletas, numa distribuição seletiva dos serviços, mas que segundo a própria empresa, por força constitucional está presente hoje em todos os municípios do estado (Correios, 2016).

30Assim, uma perspectiva de análise que nos permite compreender a relação da rede urbana com a rede e a lógica postal são os prazos impostos aos lugares na distribuição das mensagens e encomendas (Venceslau, 2012), dado que esses prazos não apenas serão diferentes para cada lugar, como em cada um destes, os prazos também se diferenciam em função do tipo de serviço prestado.

31Os prazos para encomendas expressas, correspondem de 1 a 14 dias úteis após o dia da postagem, que correspondem a prazos de A a O, respectivamente. No território potiguar, os prazos de entrega do SEDEX denotam que a rede de distribuição formada por esse serviço proporciona diferenças mais significativas nos prazos apenas para os níveis mais altos da hierarquia da rede urbana. Desse modo, os usos do território atual, impulsionam que “os serviços de entrega rápida sejam oferecidos de forma a cobrir todo o território, e não somente atendendo as grandes cidades” (Novaes, 2007, p. 104).

32As entregas SEDEX cujos destinos são Natal tem como prazo dois úteis após a postagem, e para Parnamirim e Mossoró três dias úteis. Todos os demais municípios estarão dentro de um prazo de quatro a sete úteis, sendo que a maioria (138 municípios) apresenta o prazo D, estando neste grupo tanto municípios que exercem centralidades regionais e abrangem áreas de influência significativas como centros urbanos que estão numa hierarquia imediatamente abaixo de Mossoró, como ocorre com Caicó e Pau dos Ferros, até cidades locais de todas as mesorregiões do estado (mapa 6).

33Essa situação revela que não são nem as distâncias, nem os sistemas de engenharia presentes nos centros urbanos, que definirão a maior fluidez na rede postal. Esta realidade ainda evidencia que existe na lógica postal a formação de uma rede de distribuição e prestação de serviços, que ao mesmo tempo que é seletiva e hierárquica para determinadas modalidades de serviços, também representa uma rede não-hierárquica, a medida que atende boa parte do território com diversos serviços num prazo que é indiferente da posição hierárquica da cidade na rede urbana. Assim, se sobrepõe mais uma rede, onde os direcionamentos dos fluxos não coincidirão com os deslocamentos realizados para a realização de outras atividades. No "mesmo espaço se enfrentam influências de alcance e intensidades diferentes, quase se poderia dizer de natureza distinta. Portanto, é impossível e inútil tentar determinar um espaço que dependa completamente de uma cidade dada" (Santos, 1973, p. 187, tradução nossa).

Mapa 6 – Prazos de entrega SEDEX no Rio Grande do Norte em 2016, com origem a partir de São Paulo, SP

Mapa 6 – Prazos de entrega SEDEX no Rio Grande do Norte em 2016, com origem a partir de São Paulo, SP

Fonte: Correios, 2016.

34Todavia, se para a entrega SEDEX considerando como origem São Paulo, A hierarquia dos prazos não coincide exatamente com a posição dos centros urbanos na rede urbana, outros serviços revelam uma seletividade espacial, a qual dependendo do serviço, é mais ou menos acentuada e também relativamente mais relacionada com outras redes. Neste sentido, podemos destacar que o comércio eletrônico tem uma modalidade exclusiva de distribuição pelos Correios, o e-SEDEX que foi lançada nos anos 2000, é uma atividade extremamente restrita de distribuição de encomendas no território potiguar. Dos 167 municípios, em 164 o serviço não se encontra disponível, sendo presente apenas em Natal, Mossoró e Parnamirim. Em Natal, a entrega é realizada em dois úteis após a postagem, já nas outras duas cidades, em três dias úteis após a postagem.

35Portanto, a rede dos serviços postais é complexa, com serviços de distribuição mais seletivos, outros mais dispersos. Alguns serviços apresentam diferenças mais significativas nos prazos de entrega para os centros urbanos mais importantes da rede urbana, à medida que outros não demonstram que a posição das cidades na hierarquia urbana coincida com a hierarquia, distribuição dos serviços e a logística própria da rede postal, as quais atenderam a outras condições para a maior eficiência.

A expansão e espacialização dos serviços de educação e as mudanças dos fluxos

36A expansão do sistema de ensino, assim como as atividades bancárias, também depende, cada vez mais, das condições técnicas do meio geográfico, tendo também grande influencia na configuração da rede urbana potiguar. Principalmente por se tratar de uma atividade que se encontra em processo de expansão, desenvolvendo novas redes de relações entre as cidades a partir de seus processos de instalação em novos lugares. Neste sentido, o setor educacional vivencia mudanças significativas, as quais repercutem sobre as interações territoriais das cidades do estado.

37A difusão do meio técnico-científico-informacional promoveu a necessidade do aumento da quantidade de trabalho intelectual, consequentemente de que a população se torne mais letrada e isto em toda a escala do território, embora com distinções (Santos, 2005). São exigidos dada a "incorporação crescente de informação e inovações tecnológicas nas atividades emergentes" que os trabalhadores sejam melhor qualificados (Garcia; Nogueria, 2008, p. 12). Por isso, podemos dizer que paralelo ao aumento do consumo de produtos materiais, temos o de produtos não-materiais, com destaque para a educação.

38Neste sentido, o setor educacional vivencia mudanças significativas dadas às novas demandas sociais, as quais apresentam grandes repercussões sobre as interações territoriais das cidades do estado. Sobre a rede urbana e mais especificamente a oferta de serviços nos centros urbanos do estado na década de 1970, tínhamos apenas um terço das cidades apresentando “cursos de nível ginasial e um décimo têm curso de nível colegial. Isso provoca o deslocamento de estudantes de suas cidades para aqueles onde existe este serviço, fato importante para a análise das áreas de influências das cidades” (Costa, 1977, p. 63).

39Conforme podemos observar, as atividades de ensino eram extremamente concentradas e raras no território até este período, isso no que se refere aos níveis ginasial e colegial, que correspondem respectivamente, aos ensinos fundamental e médio. Todavia, este é um dos setores que mais expandiu no meio atual e redefiniu as relações entre as cidades, pois a dispersão do serviço permitiu que para ocorrer o acesso ao mesmo, não seja mais necessário o deslocamento para outra cidade ou região, conforme evidencia o mapa 7. A espacialização das escolas para estes níveis de ensino se dá de forma mais dispersa no território. Situação que redefine a relação entre as cidades, pois cada cidade atenderá a sua demanda, não sendo necessário recorrer a um centro maior que tenha a oferta deste serviço.

Mapa 7 - Distribuição espacial das escolas estaduais de Ensino Médio do Rio Grande do Norte em 2015

Mapa 7 - Distribuição espacial das escolas estaduais de Ensino Médio do Rio Grande do Norte em 2015

Fonte: SIGEduc, 2015.

40As exceções a recorrência aos serviços de educação básica no próprio município de residência se dá majoritariamente para o acesso do mesmo na iniciativa privada e no caso do Ensino Médio, pelos Institutos Federais, que vivenciaram um processo de expansão iniciado no ano de 2006. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) é um exemplo de como o avanço do meio técnico-científico-informacional vem redimensionando a rede urbana pois se localizando para além dos centros de gestão do território, essa instituição promove uma readequação dos fluxos conforme veremos na sequência. A escola que foi inaugurada em 1909 em Natal durante muitos anos contou apenas com essa unidade, atraindo alunos de diversas cidades do estado. Alguns viam morar em Natal, em função da distância da sua cidade de origem e outros participavam do movimento diário de ida e volta do local de estudo ao local de moradia. Esta realidade começou a ser modificada com a criação, em 1994, de um campus em Mossoró, que passou a satelizar os fluxos da região Oeste potiguar.

41É apenas em 2006 que o então Centro Federal de Educação Profissional e Tecnológica tem a instalação de mais duas unidades no interior do estado, uma em Currais Novos e outra em Ipanguaçu. Sendo também instalado em 2007, um campus na Região Administrativa Norte de Natal. A maior expansão vem com a instalação de oito novos campus: Cidade Alta em Natal, Apodi, Caicó, João Câmara, Macau, Nova Cruz, Santa Cruz e Pau dos Ferros. E posteriormente com os campus Parnamirim em 2010, São Gonçalo do Amarante em 2012, Canguaretama, Ceará-Mirim e São Paulo do Potengi em 2013, além de Lajes e Parelhas em 2015 (mapa 8).

42A expansão desses serviços torna-os menos hierarquizados no território. Os fluxos serão direcionados para novos centros e nesta medida a rede é reestruturada, pois estas cidades onde se instalam os campus tem sua dinâmica urbana reforçada, ou mesmo propiciadas por estas e outras unidades de ensino, como as Instituições de Ensino Superior (IES).

43O ensino superior que era uma oferta educacional ainda mais restrita que a educação básica encontrada apenas em Natal, Mossoró, Caicó e Currais Novos, até a década de 1970, vivencia no período técnico-científico-informacional mais precisamente após os anos 1990, um processo de espacialização mais equitativa no território, com a expansão das IES, tanto da esfera pública estadual e federal quanto privada. Neste sentido, de que “a modernização histórica e atual do território brasileiro, através de sua densidade técnico-científico-informacional [...] acaba por influenciar a escolha dos investimentos públicos e privados na alocação dos recursos em educação superior” (Amorim, 2010, p. 183).

44As instituições públicas de ensino superior do Rio Grande do Norte que apresentaram uma dispersão da oferta de cursos em direção ao interior do estado foram a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) (mapa 9).

Mapa 8 - Distribuição espacial dos campus do IFRN em 2015

Mapa 8 - Distribuição espacial dos campus do IFRN em 2015

Fonte: IFRN, 2015.

Mapa 9 - Localização das Instituições de Ensino Superior públicas do Rio Grande do Norte em 2015

Mapa 9 - Localização das Instituições de Ensino Superior públicas do Rio Grande do Norte em 2015

Fonte: Site das IES, 2015.

45De tal modo, podemos perceber a influência do território e da importância das cidades na rede urbana para a escolha da instalação de uma atividade. A espacialização da expansão dos serviços de educação tanto de nível médio, técnico e superior com os campus do Instituto Federal do Rio Grande do Norte, quanto do ensino superior com os centros das Universidades Federais e Estadual do estado evidenciam que a instalação destas instituições de ensino nas cidades do interior do estado ocorreram predominantemente em cidades que apresentam relevância no contexto regional da rede urbana potiguar, reforçando a concentração espacial, embora diferentemente do ocorrido em períodos anteriores quando se tinha uma centralização e concentração ainda mais acentuada.

46No entanto, embora a maior parte destas instituições de ensino médio, técnico e superior tenha se dispersado para os centros urbanos já densos, conforme já mencionado, temos também a instalação de algumas dessas unidades além dessas áreas. O mundo é um conjunto de possibilidades, neste sentido, cada um desses objetos pode se instalar em vários lugares (Santos, 2012). A ação de implantação dessas instituições considera a densidade técnica dos espaços, mas uma série de outros atos e decisões influenciam na culminância deste evento, de modo que algumas instituições estão localizadas em centros locais, como são os casos, por exemplo, de Angicos, Caraúbas, Ceará-Mirim, Ipanguaçu, Lajes e Nova Cruz.

47A existência de instituições desse nível em cidades que não são centros de gestão redefine a rede de relações entre as cidades para o uso destes serviços. Assim, cidades que pertenciam e para alguns casos ainda pertencem a uma zona de influência regional para a obtenção de uma grande variedade de bens e serviços, vivenciam uma convergência de fluxos ocasionada por esses serviços educacionais e outras atividades que a eles estejam relacionadas e que tenham surgido a partir deste contexto.

48No estudo sobre as mudanças nas redes de relações de Ibatiba no Espírito Santo em função de um campus do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES) (Araújo Júnior; Silva, 2015), os autores destacam o quão eram impensáveis as interconexões estabelecidas entre as cidades antes da instalação desse fixo geográfico educacional. Do mesmo modo, observamos redes de interações impensáveis formadas a partir de cidades que ocupam uma posição não tão relevante na rede urbana do Rio Grande do Norte, mas que se tornaram centros de referência para uma região de influência quando a questão é a educação.

49As cidades que receberam estas unidades de ensino, consequentemente apresentaram uma mudança na relevância que tem na rede urbana do estado, sendo uma referência para este tipo de serviço, inclusive em muitos casos são criadas as condições de acessibilidade e de permanência para a população oriunda de diversas localidades. Assim, se anteriormente, a oferta deste serviço principalmente para alguns cursos e modalidades era mais rara no território, com a expansão e as novas áreas de espacialização, temos a produção de outra regionalização entre o centro onde o mesmo é ofertado e sua região de influência, isto no que concerne a esta variável educacional.

50A partir de dados disponibilizados pelo IFRN (2015), constatamos o estabelecimento dessa nova rede de relações criadas em função da instalação dessas instituições de ensino. É possível observar em todas as unidades uma quantidade significativa de ônibus escolares disponibilizados pelas prefeituras que se deslocam diariamente, muitas vezes por mais de um turno, de diversas cidades em direção as cidades onde os campus estão instalados. Além dos carros que são fretados pelas próprias famílias que moram em alguma localidade, na qual a prefeitura não vem ofertando o serviço. Como podemos observar a partir dos fluxos direcionados aos campus das mesorregiões leste e agreste potiguar (mapas 10 e 11), se formam áreas de influência, cuja abrangência ultrapassa os próprios limites das mesorregiões estabelecidas pelo IBGE e também não coincidem com as regiões da Divisão Urbano-Regional apresentada pela REGIC.

51Nos mapas é possível observar que muitas cidades tem a influência de mais de um campus, inclusive há alguns casos em que cidades contam com a presença de campus, mas também tem o direcionamento de seus fluxos em direção a outras. Essa nova realidade, demonstra, portanto, o rompimento de uma hierarquia urbana a partir da superposição de redes do sistema educacional que ainda pode coexistir com outras.

52Porém, em relação às IES, observa-se com frequência, além dessa dinâmica explicitada anteriormente, a migração do lugar de moradia para as cidades que tem as instituições, alterando de forma significativa a economia local, pois o comércio e a prestação de serviços se já forem dinâmicos serão fortalecidos, e se não forem serão ativados. Há uma nova demanda por supermercados, restaurantes, lanchonetes, livrarias, lojas de móveis, eletrodomésticos, calçados, vestuário, farmácia, serviços de educação, saúde, bancários, e também busca por imóveis, que acabam por elevar os seus preços de aquisição e aluguel. A instalação dessa grande quantidade de novos objetos geográficos se torna também um fator de centralidade e que atrai fluxos de cidades vizinhas. A título de exemplo destacamos o caso de Pau dos Ferros, onde a interiorização da educação superior contribui para investimentos privados que dinamizaram a sua economia e consequentemente ampliaram a área de influência dessa cidade que chega a ultrapassar os limites estaduais (Dantas; Clementino, 2013).

53Acrescenta-se a essas questões observadas mais particularmente no que diz respeito aos alunos, o que ocorre entre os servidores, professores e técnicos administrativos. É notório que no caso das instituições que estão próximas principalmente a Natal ou Mossoró, há um movimento pendular diário entre estas cidades e os locais de trabalho, promovendo uma dinâmica similar à descrita no caso do IFRN. Contudo, à medida que vai ocorrendo um distanciamento destas cidades, a opção dos servidores é morar ou passar pelo menos a semana (de segunda a sexta-feira) na localidade em que trabalham, o que agrega ainda mais dinamicidade à segunda situação explicitada. Todavia, não podemos negligenciar que em cada um dos territórios a geografização dos eventos, em função das condições dos lugares se manifestam de forma diferente e ainda que cada evento ao se geografizar no lugar promove mudanças no conjunto do território.

Mapa 10 - Fluxos dos alunos campus do IFRN localizados na messorregião leste potiguar em 2015

Mapa 10 - Fluxos dos alunos campus do IFRN localizados na messorregião leste potiguar em 2015

Fonte: IFRN, 2015.

Mapa 11 - Fluxos dos alunos campus do IFRN localizados na messorregião agreste potiguar em 2015

Mapa 11 - Fluxos dos alunos campus do IFRN localizados na messorregião agreste potiguar em 2015

Fonte: IFRN, 2015.

Considerações finais

54Os serviços bancários, educacionais e postais têm um papel relevante na reestruturação da rede urbana no Rio Grande do Norte no período técnico-científico-informacional. Pois a nova lógica de espacialização que os mesmos apresentam de se localizarem além das cidades que estão nos mais altos níveis da hierarquia urbana estadual faz com que novas redes de relações anteriormente impensáveis sejam estabelecidas entre as cidades.

55A “hipercapilaridade” dos serviços financeiros expandiu o número de agências no território potiguar, mas principalmente implementou a instalação de novos fixos geográficos como os ATM’s e os correspondentes bancários que possibilitaram que uma série de atividades que precisavam de deslocamento para outras cidades que tinham agências bancárias, possam ser realizados na maioria dos centros urbanos do estado.

56A educação é um serviço que tem influenciado significativamente a reestruturação da rede urbana tanto pela sua expansão física com a instalação de diversas instituições de ensino de todos os níveis educacionais em várias cidades do estado desde os centros de gestão do território até os centros locais, quanto pelas possibilidades em termos de Educação à Distância que criam redes de relações em escalas diferentes das realizadas para uma série de outros serviços.

57Quanto à rede de serviço postal formada pelos Correios ocorrem fluxos de subespaços locais com todas as escalas geográficas. As conexões se dando tanto por redes que seguem em certa medida a hierarquia urbana tradicional, quanto por intermédio de relações não hierárquicas, as quais são orientadas por lógicas para melhor operacionalização dos serviços.

58Em função dessa nova realidade em que algumas centralidades são reforçadas por fixos e fluxos relacionados aos serviços bancários, educacionais e postais, e que, simultaneamente são criadas outras centralidades vinculadas a estes serviços, surge uma nova dinâmica nos centros de menor nível de centralidade. De modo que, centros dos mais diversos níveis hierárquicos passam a atrair fixos e fluxos responsáveis por estabelecer uma nova região de influência para estes tipos de atividades. Portanto, diversas redes se sobrepõem e coabitam no território potiguar, rompendo a hierarquia rígida e revelando uma nova estrutura de rede urbana.

Haut de page

Bibliographie

AMORIM, C. C. O uso do território brasileiro e as Instituições de Ensino Superior. São Paulo, 2010. Tese de doutorado (Doutorado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

ARAÚJO JÚNIOR, A. C. de, SILVA, R. V. da. <<As relações e os fluxos a partir da implantação de um campus do IFES: análise do setor terciário de pequenas cidades>>. In.: XV Encuentro de Geógrafos da América Latina, La Habana, Cuba, 2015.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE/REGIC, <<Regiões de Influência das Cidades 2007>>. (2008), <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/regic.shtm?c=7> 06 abr. 2016.

______. Banco Central do Brasil, <<Relação de agências e postos bancários (transferência de arquivos)>>, (2015), <http://www.bcb.gov.br/?RELAGPAB>, 28 fev. 2015.

______. <<Instituto Federal do Rio Grande do Norte>>, (2015) <http://portal.ifrn.edu.br/>. 02 mar. 2015.

CONTEL, F. B. Território e finanças: técnicas, normas e topologias bancárias no Brasil. São Paulo/Annablume, 316p., 2011.

CORREIOS, (2016), < http://www.correios.com.br/para-voce>, 29 abr. 2016.

COSTA, E. C. da. O fato urbano no Rio Grande do Norte: características das bases da vida de relações. São Paulo, 1977. Dissertação de mestrado (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

DANTAS, J. R. de Q., CLEMENTINO, M. do L. M. <<O papel das cidades (inter)médias para o desenvolvimento regional: um estudo a partir dos centros sub-regionais (Pau dos Ferros - RN, Cajazeiras - PB e Sousa - PB)>>. Geo UERJ, Rio de Janeiro, ano 15, n. 24, v. 1, 1 sem, p. 228-255, 2013.

DANTAS, Aldo. <<Circuito espacial de produção e lugar>>. Sociedade e território, Natal, vol. 28, n.1, p.193-199, jan./jun. 2016.

DIAS, L. <<O sistema financeiro: aceleração dos ritmos econômicos e a integração territorial>>. In.: Anuário do Instituto de Geociências/UFRJ. Rio de Janeiro: UFRJ, 1992, pp. 43-54.

GARCIA, R. A., NOGUERIA, M., <<A inserção das cidades médias mineiras na rede urbana de Minas Gerais>>, (2008), <http://www.redbcm.com.br/arquivos/bibliografia/ricardo%20e%20marly.pdf>. 30 fev. 2015.

NOVAES, A. G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. Rio de Janeiro/ Elsevier, 409p., 2007.

RIO GRANDE DO NORTE. Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do Rio Grande do Norte, <<Sistema Integrado da Gestão da Educação>>, (2015), <http://sigeduc.rn.gov.br/sigeduc/public/home.jsf>. 07 mar. 2015.

SANTOS, M. Geografía y economía urbanas en los países subdesarollados. Barcelona, Espanha/Oikos-Tau, S. A. Ediciones, 281p., 1973.

______. <<Meio técnico científico e urbanização: tendências e perspectivas>>. Revista Resgate (Comunicação apresentada no Seminário Brasil século XXI, "Seção Campo e cidade na virada do século”), São Paulo, p. 76-86, 1989.

______. A urbanização brasileira. São Paulo/Editora da Universidade de São Paulo, 176 p., 2005.

______. A Natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo/Editora da Universidade de São Paulo, 392p., 2012.

SILVEIRA, M. L. <<Crises e Paradoxos da Cidade Contemporânea: os Circuitos da Economia Urbana>>. In: Anais do X SIMPURB, Florianópolis, 2007a.

______. <<Metrópolis brasileñas: um análisis de los circuitos de la economia urbana>>. In.: Revista eure, Santiago do Vhile, vol. XXXIII, n. 100, p. 149-164, 2007b.

VENCESLAU, I. <<Logística postal e uso do território: apontamentos teórico-metodológicos para o estudo de pequenas e médias cidades>>. In.: Simpósio cidades médias e pequenas da Bahia, Bahia, 2012.

Haut de page

Notes

1 O presente trabalho foi realizado com apoio da CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Brasil.

2 De acordo com o Sr. João Vianey de Farias, analista de Correios Júnior, que construiu este histórico da instalação das agências dos Correios no Rio Grande do Norte, pata todas aquelas agências que não havia registro da data de criação foi convencionado sua implantação ao dia 20 de março de 1969, quando é criada a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 - Distribuição espacial das agências bancárias no Rio Grande do Norte em 1972
Crédits Fonte: Costa, 1977.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-1.png
Fichier image/png, 2,4M
Titre Mapa 2 - Distribuição espacial das agências bancárias no Rio Grande do Norte em 2015
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-2.png
Fichier image/png, 2,9M
Titre Mapa 3 - Distribuição espacial dos Postos de Atendimento Bancário Eletrônico (PAE's) no Rio Grande do Norte em 2015
Crédits Fonte: BRASIL, 2015. Banco Central do Brasil.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-3.png
Fichier image/png, 3,6M
Titre Mapa 4 - Distribuição espacial dos Correspondentes Bancários no Rio Grande do Norte em 2010
Crédits Fonte: BRASIL, 2015. Banco Central do Brasil.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-4.png
Fichier image/png, 2,7M
Titre Mapa 5 – Período de instalação agências dos Correios no Rio Grande do Norte do século XIX até 2015
Crédits Fonte: CORREIOS, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-5.png
Fichier image/png, 4,1M
Titre Mapa 6 – Prazos de entrega SEDEX no Rio Grande do Norte em 2016, com origem a partir de São Paulo, SP
Crédits Fonte: Correios, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-6.png
Fichier image/png, 4,4M
Titre Mapa 7 - Distribuição espacial das escolas estaduais de Ensino Médio do Rio Grande do Norte em 2015
Crédits Fonte: SIGEduc, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-7.png
Fichier image/png, 2,8M
Titre Mapa 8 - Distribuição espacial dos campus do IFRN em 2015
Crédits Fonte: IFRN, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-8.png
Fichier image/png, 2,7M
Titre Mapa 9 - Localização das Instituições de Ensino Superior públicas do Rio Grande do Norte em 2015
Crédits Fonte: Site das IES, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-9.png
Fichier image/png, 2,9M
Titre Mapa 10 - Fluxos dos alunos campus do IFRN localizados na messorregião leste potiguar em 2015
Crédits Fonte: IFRN, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-10.png
Fichier image/png, 4,4M
Titre Mapa 11 - Fluxos dos alunos campus do IFRN localizados na messorregião agreste potiguar em 2015
Crédits Fonte: IFRN, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12323/img-11.png
Fichier image/png, 3,5M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Edseisy Silva Barbalho Tavares, « Rede urbana e redes de serviços bancários, postais e educacionais do Rio Grande do Norte: coexistências de hierarquias », Confins [En ligne], 32 | 2017, mis en ligne le 22 septembre 2017, consulté le 11 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/12323 ; DOI : 10.4000/confins.12323

Haut de page

Auteur

Edseisy Silva Barbalho Tavares

Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Instituto Federal do Rio Grande do Norte, campus São Paulo do Potengi, edseisy.tavares@ifrn.edu.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals