Navigation – Plan du site
Dossiê Rio Grande do Norte

Geografias contemporâneas do Rio Grande do Norte: diversidades e singularidades do território

Géographies contemporaines du Rio Grande do Norte: diversités et singularités du territoire
Contemporary geographies of Rio Grande do Norte: diversities and singularities of the territory
Aldo Aloísio Dantas, Raimundo Nonato Júnior et Rita de Cássia da Conceição Gomes

Texte intégral

1Pensar o Estado do Rio Grande do Norte hoje, a partir de diferentes questões colocadas pela ciência geográfica, significa mergulhar na complexa formação de seu território estruturada por amplo sistema de objetos e ações (Santos, 1996). Nesta perspectiva, abordar a diversidade de obejtos físicos, sociais, regionais e históricos é necessário para tecer uma articulação conjunta do espaço potiguar.

2Se a diversidade é uma marca fundamental deste espaço, também são marcantes suas singularidades. Território de condição litorânea particular, possui costa marítima setentrional e oriental com diferenciadas dinâmicas de ocupação e uso do território litorâneo; bem como complexa formação histórica, demográfica e social das comunidades no entorno do espaço costeiro e dos complexos ecológicos instalados nas muitas formações dunares. No interior, também são marcantes as singularidades do Agreste e do Sertão potiguar. Espaços onde se encontram culturas tradicionais peculiares: o agreste como área tradicional de produção de alimentos e a região do Seridó, onde também se apresentam alguns dos melhores índices de desenvolvimento do Estado; com forte destaque nas áreas de Educação e Cultura (Gomes, 2012). A parca ocupação demográfica no Sertão Central, bem como as peculiaridades físicas e culturais dos maciços residuais também compõem o mosaico das singularidades da dinâmica territorial do Rio Grande do Norte.

3Tomando como referência o Território brasileiro, o Rio Grande do Norte é considerado um estado pequeno, no entanto torna-se imenso quando analisado sob a ótica de sua diversidade e usos. Claro exemplo disto pode ser observado no uso territorial para a exploração de energia que apresenta expressivas iniciativas em diferentes fontes: energia eólica, gás-natural, biodiesel, hidroelétrica, termoelétricas, solar fotovoltaica e exploração de petróleo na costa setentrional.

4Em linhas gerais, pode-se destacar a diversidade presente na dinâmica regional do estado, girando em torno das polarizações dos centros regionais comandados pela Capital, e sua região metropolitana, Mossoró (a oeste) e Caicó (ao sul). Destacam-se ainda as influências regionais das metrópoles vizinhas Recife e Fortaleza sobre maior parte do território estadual; fato que torna o Estado um instigante objeto de estudo no que se refere ao ‘mosaico’ de regionalizações sobre diferentes fatores e arcos de influência. Na esfera cultural, a singularidade potiguar se expressa na formação histórica do território, na sua importância durante a segunda guerra mundial em virtude de sua localização estratégica e, principalmente pela receptividade e abertura à convivência entre povos de diversas partes do Brasil e do Mundo que passam a compor o mosaico cultural, político e econômico da região.

  • 1 No âmbito de uma Bolsa de Pós-Doutorado (PNPD/CAPES, edital PPGe Nº 01/2014) pela qual agradecemos (...)

5Foram as diversidades e singularidades presentes no território potiguar que instigaram a elaboração do Projeto ATLAZ – Avaliação Territorial e Ambiental modeliZada do Rio Grande do Norte, concebido e organizado pelo pesquisador Hervé Théry1, em colaboração com os autores desta introdução.

6Na relevância do projeto destaca-se o objetivo de articular grupos de pesquisadores da área de Geografia que trabalham sobre a complexidade do território do Rio Grande do Norte, construindo – de forma dialógica – problemáticas de pesquisa e proposições metodológicas para elaboração de um dossiê científico sobre a geografia contemporânea do Estado. Nesta perspectiva, o projeto ATLAZ se debruçou sobre “As dinâmicas demográficas, urbanas e rurais, agrícolas, industriais e terciárias, as dinâmicas de fluxos e redes; bem como seus efeitos múltiplos e cruzados sobre o território brasileiro” (Théry, 2015)

7A partir desta provocação intelectual, o projeto ATLAZ forneceu formação cartográfica e coordenou reuniões metodológicas de pesquisa a pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) que trabalharam na elaboração de atlas estadual, seguindo os fundamentos cartográficos das representações geográficas (Brunet, 2001), do Atlas do Brasil (Théry e Mello-Théry, 2007) e a diversidade de fontes teóricas e metodológicas disponíveis sobre o território potiguar. Tais interações científicas resultaram, em médio prazo, na elaboração do presente dossiê sobre as “Geografias contemporâneas do Rio Grande do Norte: diversidades e singularidades do território”.

8Neste dossiê, a diversidade e a singularidade potiguar são abordados sob os seguintes prismas: formação do território, espaço norte-riograndense no contexto brasileiro, urbanização do estado, múltiplas regionalizações do espaço potiguar, diversidade cultural marcada na produção popular, condição federativa do estado no caso da saúde, cartografia do território do Rio Grande do Norte.

9Na perspectiva dos materiais produzidos, não há cisão entre geografia física e humana, tampouco entre escalas locais, regionais e internacionais, pois a ciência geográfica é compreendida de forma ampla e dialógica, articulada em redes humanas, políticas, institucionais, culturais, psicológicas, naturais e econômicas. Nesta perspectiva, utiliza-se a noção de “Complexo Geográfico” (Monbeig, 1954; Dantas, 2009; Nonato Júnior, 2017) para compreender este conjunto plural de interações que ocorrem no/com/por/pelo/a partir do espaço geográfico e de suas múltiplas redes de conexões resultantes de reflexões epistemológicas e das experiências acadêmicas vivenciadas no contexto da pesquisa de campo. Sendo assim, os textos apresentados são, em síntese um convite à compreensão deste território, diverso e singular denominado de Rio Grande do Norte.

Santos, M. Metamorfoses do espaço habitado. Paulo: Hucitec, 1996.

Théry, Hervé. Avaliação do Territorial e Ambiental Modelizada do Rio Grande do Norte (ATLAZ). Relatório na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Natal, 2015

Théry, Hervé e Mello, Neli Aparecida de. Atlas do Brasil: Disparidades e dinâmicas do território. Edições da Universidade de São Paulo EDUSP, São Paulo 2005, 312 páginas. Reimpressão 2008

Théry, Hervé; Nagy, André e Nonato Junior, Raimundo. « O Paraná no Brasil: uma contextualização em treze imagens (e meia) ». Confins , 27 | 2016, mis en ligne le 29 juillet 2016, consulté le 01 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/​10818 ; DOI : 10.4000/confins.10818

Haut de page

Bibliographie

Brunet, Roger. « Le Déchiffrement du Monde, théorie et pratique de la Géographie ». Berlin, Paris, 402 p, 2001

Dantas, A. «  Monbeig e a noção de complexo geográfico ».  Revista Confins. Nr. 07, 2009. Disponível em : http://confins.revues.org/6091 DOI : 10.4000/confins.6091

Gomes, Rita de Cássia da Conceição. « Pequenas cidades e dinâmicas inserções no processos de globalização: uma leitura a partir da realidade brasileira ». GOT - Revista de Geografia e Ordenamento do Território, v. 2, p. 117-138, 2012

Monbeig, P. Novos estudos de Geografia humana brasileira. São Paulo : difusão européia do livro, 1957

Nonato Júnior, Raimundo. « Geografia Regional em tempos de globalização: experiências da fronteira França-Brasil ». Confins, 26 | 2016, mis en ligne le 15 juillet 2016, consulté le 01 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/10835 ; DOI : 10.4000/confins.10835

Haut de page

Notes

1 No âmbito de uma Bolsa de Pós-Doutorado (PNPD/CAPES, edital PPGe Nº 01/2014) pela qual agradecemos a Capes.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Aldo Aloísio Dantas, Raimundo Nonato Júnior et Rita de Cássia da Conceição Gomes, « Geografias contemporâneas do Rio Grande do Norte: diversidades e singularidades do território », Confins [En ligne], 32 | 2017, mis en ligne le 27 septembre 2017, consulté le 11 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/12385

Haut de page

Auteurs

Aldo Aloísio Dantas

Docente do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGe) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Natal- RN, aldodantasufrn@gmail.com,

Raimundo Nonato Júnior

Docente do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGe) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Natal- RN, nonatorjr@gmail.com

Articles du même auteur

Rita de Cássia da Conceição Gomes

Docente do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGe) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Natal- RN, ricassiacg@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals