Navigation – Plan du site

Editorial do número 32

Editorial of issue 32Éditorial du numéro 32
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 32

Texte intégral

1O número 32 da Confins apresenta duas novidades. A primeira é a tradução em português de alguns artigos já publicados em francês. Esta inovação foi possível em razão da colaboração com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde as traduções foram realizadas no âmbito do estágio profissional do curso de Bacharelado em Letras - Tradução, e supervisionadas pela Profa. Patrícia Reuillard, do Departamento de Línguas Modernas do Instituto de Letras. Os alunos têm de produzir 40 páginas por semestre, sob supervisão. Uma boa porta de entrada no mercado para iniciantes em tradução. Em geral, é difícil conseguir trabalho quando não se tem nada a apresentar oficialmente no currículo. As primeiras traduções correspondem a quatro artigos já publicados:

  • Clarisse Didelon, “Mapas dos paladares, mapas do mundo”, título original « Cartes des goûts, cartes du monde », número 6, https://confins.revues.org/​5863

  • Michael Chetry, “A inserção dos moradores de favelas do Rio de Janeiro na cidade”, título original « L’insertion des habitants des favelas de Rio de Janeiro dans la ville », número 13, https://confins.revues.org/​7244

  • Paul Claval, “O Papel do Trabalho de Campo na Geografia”, « Le rôle du terrain en géographie », título original, numéro 17, https://confins.revues.org/​8373

  • Nelly de Freitas, “A emigração do Arquipélago da Madeira para São Paulo no final do século XIX”, título original « L’émigration de l’archipel de Madère vers São Paulo à la fin du XIXe siècle : Étude socio-économique et statistique », número 31, https://confins.revues.org/​12013

2Dois outros estão em fase de publicação:

  • François-Michel Le Tourneau, “É possível atravessar a Serra do Tumucumaque?” título original«  Peut-on traverser les Tumuc Humac ? »

  • Bertrand Piraudeau, “Jogadores brasileiros na China”, título original « Les migrations des footballeurs brésiliens à destination de l’'empire du milieu footballistique' chinois ».

3Gostaríamos que esta colaboração, benéfica para as duas partes (e pela qual agradecemos a professora Reuillard e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul) continue por muito tempo. Ela permitirá aos leitores lusófonos da Confins de ter acesso mesmo se eles não falam essa língua, e no outro sentido, nós esperamos poder colocar em linha, proximamente, a tradução em francês de alguns artigos originalmente publicados em português, graças ao apoio do departamento SHS do CNRS.

4A segunda novidade é a realização de um mapa localizando os artigos já publicados nos 31 primeiros números da revista, usando como base as informações do índice geográfico fornecido em cada artigo. A localização indicada talvez designe o local preciso sobre o qual trata o artigo, neste caso um ponto é colocado no mapa dentro do município, ou se limitar ao Estado e, neste caso; é o local dos artigos relacionados àquele que é levado em conta.

5Publicamos a seguir as observações que nos foram comunicadas por Raimundo Nonato Junior, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (um dos responsáveis pelo dossiê que está incluso no número 32). Onze curiosidades interessantes, segundo ele:

6- A revista conseguiu romper com uma das grandes lógicas brasileira de que tudo se concentraria no litoral. Na Confins, ao contrário, o interior está fortemente representado;

7- É provavelmente um dos poucos casos de números de pesquisa na Amazônia superior ou equivalente às outras regiões;

8- A distribuição norte-sul também subverte a lógica geral. Aparentemente cerca de 50% das localidades está ao norte de Brasília e a outra metade ao sul;

9- Somente no Rio de Janeiro se fala muito mais sobre a cidade que sobre o Estado;

10- Somente no Paraná e no Pará uma cidade do interior é muito mais estudada que a capital;

11- A Paraíba é o único Estado representado nas publicações que não houve estudos específicos sobre os lugares;

12- A maior parte dos lugares estudados são cidades grandes ou médias que possuem aeroportos;

13- Oiapoque é uma das cidades do interior com maior índice de artigos ... possível até que seja a cidade de Brasil com maior índice de artigos por habitante.

14- Existem vazios nas grandes áreas de preservação (Amazônia Ocidental, Parque do Xingu, Serra das Capivaras; Chapada Diamantina), apontando que não houve muita publicação sobre estes temas;

15- Localidades na faixa de fronteira estão presentes ao longo de todo o mapa ....

16- Apenas quatro Estados não foram abordados, apesar de ser objetos geográficos muito interessantes: Alagoas, Sergipe, Piauí e Acre.

O número 32

17Este número inicia com três artigos de Geografia histórica – ou da história geográfica. Antonio Carlos Vitte apresenta “A preservação da paisagem e a conservação da natureza no III Reich”. José Rogério Beier usa técnicas modernas para escrutar o passado em “As Barreiras como instrumento econômico para o desenvolvimento da rede viária da Província de São Paulo (1835-1850)” assim como Cláudio Chagas Figueiredo, Renato Fontes Guimarães, Paulo Márcio Leal de Menezes, Osmar Abílio de Carvalho Júnior et Luiz Felipe Coutinho Ferreira da Silva em sua “Avaliação dos diferentes métodos de transformação para georreferenciar documentos cartográficos de 1812 e 1906 do Rio de Janeiro”

18Três artigos abordam, em seguida, a análise de fatores naturais, de sua preservação e das condições de vida daí decorrentes. Primeiro “Análise da temperatura de superfície em ambientes urbanos: um estudo por meio do sensoriamento remoto na cidade de Porto Velho/RO (1985-2011)” de Graziela Tosini Tejas, Dorisvalder Dias Nunes, Reginaldo Martins da Silva de Souza, Ana Cristina Strava Corrêa et Michel Watanabe. Em seguida “De parque a mosaico: ecologia de paisagem no processo de recategorização do parque estadual Jacupiranga (SP)” de Ocimar José Baptista Bim, Julia Camara de Assis, Marcos Buhrer Campolim et Sueli Angelo Furlan, e enfim “Análise da qualidade de vida na cidade de Araçatuba (São Paulo): uma proposta metodológica com a utilização de sistemas de informação geográfica (SIG)” de Marcio Fernando Gomes et Deise Regina Elias Queiroz.

19Dois outros artigos tratam de fenômenos que agem fortemente sobre a geografia atual do Brasil, as desigualdades que marcam a ação do Estado que tenta lhes corrigir, com mais ou menos sucessos: Regina Helena Tunes analisa “O reforço às desigualdades regionais no Brasil no século XXI: concentração espacial do processo de aprendizagem e da produção inovadora”, Fabricio Gallo, René Somain e Martine Droulers “Federalismo e competências tributárias, uma geografia dos impostos”.

20Dois textos levam em consideração a conjuntura criada por eventos pontuais, Ednaldo Tartaglia Santos e Odete Burgeile “O deslocamento espacial de imigrantes haitianos: da desterritorialização à reterritorialização” Ricardo Henrique Palhares, Alexandre Magno Alves Diniz, Ludmila Lopes Ribeiro et Débora Rodrigues “O impacto da realização da Copa das Confederações da FIFA de 2013 e da Copa do Mundo da FIFA de 2014 na criminalidade em Belo Horizonte”.

21Finalmente, no artigo “Territórios” Mateus de Almeida Prado Sampaio, ao traduzir extratos de Le déchiffrement du monde, théorie et pratique de la géographie (“O deciframento do mundo, teoria e prática da geografia”), de Roger Brunet, expõe o modo como os geógrafos de hoje veem o território, um espaço socialmente produzido, e um amplo campo de ação.

Dossier Rio Grande do Norte

22Na introdução, intitulada “Geografias contemporâneas do Rio Grande do Norte: diversidades e singularidades do território”, os organizadores do dossiê Aldo Aloísio Dantas, Raimundo Nonato Júnior et Rita de Cássia da Conceição Gomes apresentam as condições de sua realização bem como suas intenções.

23Dois artigos situam o Estado no contexto nacional e retraçam a gênese de seu território, os de Raimundo Nonato Júnior et Hervé Théry, “ O Rio Grande do Norte no Brasil: uma contextualização em onze imagens” e de Rubenilson Brazão Teixeira “Gênese e formação histórica do território potiguar: uma breve análise a partir da cartografia”. A questão urbana é abordada por Rita de Cássia da Conceição Gomes, “O urbano no Rio Grande do Norte: uma realidade diversa” e por Edseisy Silva Barbalho Tavares “Rede urbana e redes de serviços bancários, postais e educacionais do Rio Grande do Norte: coexistências de hierarquias”. O planejamento e as políticas públicas são abordados por Jane Roberta de Assis Barbosa, Diego Tenório Paz e Aldo Dantas em “Regionalização e Planejamento no Rio Grande do Norte” Luciana da Costa Feitosa e Aldo Dantas no âmbito do “Território e federação: a dimensão institucional da política regional da saúde no Rio Grande do Norte” e Alessandro Dozena conclui – provisoriamente – pelo estudo das “Singularidades e diversidades do artesanato norte-rio-grandense”.

Imagens comentadas e resenhas

24Estas duas rubricas compreendem, neste número, três textos da primeira categoria, “A população do Brasil em 2017”, “De Nova Iorque a Cingapura, de 120 dias a 19 horas” e “Santa Cruz del Islote, ilha mais densamente povoada no mundo”, de Modesto Capataz e um segundo, “A geografia é uma velha dama que por metamorfoses sucessivas não cessa de rejuvenescer”, de Rita de Cássia Ariza da Cruz.

25Boa leitura a todos.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 32 », Confins [En ligne], 32 | 2017, mis en ligne le 10 octobre 2017, consulté le 16 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/12391

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals