Navigation – Plan du site

Territórios

Territoires
Territories
Roger Brunet
Traduction de Mateus de Almeida Prado Sampaio mapas@usp.br

Texte intégral

1O texto expõe o modo como os geógrafos de hoje veem o território, um espaço produzido, em geral e por amplo campo de ação. Extratos de Le déchiffrement du monde, théorie et pratique de la géographie (“O deciframento do mundo, teoria e prática da geografia”), de Roger Brunet, Belin, 2001, que retoma o texto de introdução, no tomo I da Géographie universelle, Belin, 10 tomos, 1990-1996.

O território, uma produção social

2O ponto de partida é que nenhuma sociedade, nenhum grupo social, pode durar sem memória, sem comunicação, sem regras, sem relações sociais, sem um mínimo de diferenciação e de organização. O que não parece ser sempre claramente percebido é que nenhuma sociedade ou grupo social tampouco existe sem território. Toda sociedade existe sobre um espaço que lhe é preexistente e ao qual transforma: ela o apropria, o transforma, o vive. O espaço organizado é uma dimensão intrínseca das sociedades, tanto quanto um de seus produtos.

3Toda sociedade, pelo simples fato de que existe, produz. Ela produz uma série de obras, que se condicionam umas às outras. Produz bens, dos quais consome uma parte, outra parte ela investe ou desperdiça. Ferramentas, aprendizagens, técnicas e informações que ela incorpora à sua cultura. Ideias, ritos e mitos, instituições e leis. História, registrada verbalmente ou por escrito, que ela transforma em lendas e mitos, que incorpora às representações e interpretações de sua cultura. Crianças, pela reprodução, e pessoas, por meio da educação. Relações sociais e, especificamente, relações de produção. Disparidades e clivagens. Classes também, com lutas e compromissos.

4E ela produz espaço: o espaço material, visível, tangível em suas instalações, equipamentos, infraestruturas e suas paisagens; espaço organizacional, que não é diretamente visível, salvo em certos sinais, nas suas distribuições, relações e estruturas humanas. O espaço geográfico é então produzido, mas ele não é somente um produto. Ele é feito todos os dias, por grandes e pequenas ações, e, às vezes, por amplos desenhos orquestrados. Resultado substancialmente involuntário, não é, porém, um subproduto frequentemente esquecido e descartável: é acima de tudo um produto fatal, tal como definido pelo INSEE (quem produz manteiga produz fatalmente soro de leite). Esta produção social, como todas as outras, chama e merece sua ciência e seus especialistas. São estes a geografia e o geógrafo.

5Logicamente, o conceito de "produção" do espaço deve ser entendido e analisado em sentido amplo, ou filosófico. A humanidade produz sentidos, pensamentos, obras e eventos, tanto quanto bens e mercadorias. Produz também espaço.

6Todos os dias, indivíduos e sociedades humanas criam espaço, servem-se do espaço, deixam marcas sobre o espaço. Plantam e se implantam. Planejam e mudam. Investem e abandonam. Abrem, exaurem, fecham e tornam a abrir minas e pedreiras. Talham, costuram, desmatam, consomem e largam terrenos cultiváveis. Traçam e esquecem os caminhos. Barram os vales, equipam os portos. Fundam cidades, e aqui ou acolá as aniquilam também. Arrancam, destocam, enleiram, queimam e replantam florestas. Fecham as fronteiras e constroem muros; ou os abrem e deixam passar. Reúnem-se, dividem-se, deslocam-se. Dignificam e veneram certos lugares, maldizem outros. Eles sujam, e às vezes limpam. Não são, necessariamente, as grandes obras que fazem as ações mais fortes. O passo mais leve, se muito repetido, deixa uma trilha indelével.

7A produção do espaço não é, de modo algum, exclusividade de sociedades potentes, dotadas de meios técnicos seguros; ela é generalizada. É em grande parte involuntária: trabalha-se, produz-se, sem se saber o que advirá com o espaço, menos quando respeitam-se às regras que elaboraram sociedades instruídas pela experiência. Esta produção espacial cega, ou pelo menos míope, pode terminar prejudicando o bom funcionamento do corpo social e sua reprodução. Deve-se então mudar a sua ação, caso contrário se sufocará sobre seus dejetos e escombros, morrerá por seus erros geográficos.

8Pois cada um, cada grupo, tem seu espaço. É por isso que podemos falar do espaço: essa palavra contém também a ideia de espaçamento, de intervalo, de "passo". Todos e cada qual tem o seu lugar, individual ou coletivamente, assim como há o espaço dos outros. Cada um encontra o seu lugar ou, em troca, desaparece; os próprios predadores, que vivem nos espaços dos outros, o compõe indissociavelmente com suas presas. Para melhor refletir, podemos identificar cinco domínios de ação fundamentais de toda sociedade sobre o espaço geográfico, das sociedades mais antigas às mais modernas, de populações paleolíticas aos atores do mundo virtual e do e e-business: abrigar-se, portanto habitar; apropriar-se, portanto dividir; explorar, isto é, “colocar valor” e especificar os usos dos lugares, portanto especializar; trocar, portanto circular e comunicar; organizar, portanto administrar e governar.

Habitat, abrigar-se

9Frequentar os lugares significa os "habitar". Este verbo vem de um termo latino que evoca juntamente "ser" e "haver", do qual derivam, precisamente, haver, to have, avere e haber: ser possuidor, ter seus hábitos e ter seu espaço, ou ao menos seus confortos. O ser humano é habitante, habituado aos lugares, e habita em qualquer lugar. O ser humano não é unidimensional. Ele habita, e ele produz, e faz muitas outras coisas. Não há necessidade de se estabelecer hierarquias: não é primordialmente habitante, trabalhador ou comunicador. É tudo isso de uma só vez, em conjunto, configurando um sistema. Ele elege um lugar de repouso, provisório ou durável, e o equipa mais ou menos sumariamente. Sempre em grupo, mesmo quando as famílias estão distantes umas das outras num habitat disperso, os grupos se espaçam uns dos outros: ermitões são infinitamente raros. No sentido comum, habitar é, antes de tudo, se abrigar.

10Habitar produz abundantemente espaço: cidades, vilas, povoados, aldeias, são estes os locais habituais para a quase totalidade da população mundial; as residências principais, e outras que são chamadas secundárias; moradias fixas e móveis; favelas e palácios; cidades "proibidas" e guetos. Mil fontes de grandes preocupações para os governos nacionais e locais, que têm de lidar com as condições de vida e higiene, planejamento urbano, suprimentos e evacuações, além de despesas técnicas e custos sociais das diferentes formas de habitat, das ligações entre moradia e trabalho.

11E alojar-se significa produzir espaço, povoá-lo com habitações, criar um habitat, assim definido como conjunto de habitações e suas relações recíprocas, e destas com ambiente natural, ou seja, com o resto do espaço geográfico. A geografia tradicional estudou muito as formas dos habitats e das habitações, formas eminentemente visíveis. Era necessário, e frequentemente sábio; entretanto, atenta às configurações, geralmente às técnicas, nem sempre às funções, ela pouco refletiu sobre as condições de produção do habitat e do alojamento, aos conteúdos econômicos e sociais: estatuto jurídico, custo, formas e meios da produção imobiliária, diferenciação social, simbólica e significativa, vivência cotidiana, aos quais a geografia contemporânea se tornou mais atenta.

12No sentido forte da palavra, habitar não é apenas se abrigar, é dar vida e tomar posse. Diz-se que uma casa não é "habitada" quando não se sente os sinais de intimidade e personalidade, uma presença, um calor humano. Há, neste sentido, bairros "habitados", e outros que são frios e vazios. Há povos que "habitam" seus territórios, cuidando até mesmo das menores parcelas, e outros que os desabitam, ou nunca realmente os habitaram.

Apropriação geral

13Com o abrigo, também a posse. Os grupos humanos anexam à sua habitação também a apropriação de outros domínios basilares. Apropriação é uma palavra muito rica, e dúbia, já que abrange ao mesmo tempo dois sentidos da propriedade: a possessão e a aptidão. Um espaço apropriado é um espaço que possui um proprietário, mas também que é apropriado a uma determinada finalidade. A apropriação do espaço é dominação e destino, tomada de posse e especialização.

  • 1 Não a atual competição esportiva, mas o circuito ao longo do qual carpinteiros, marceneiros, etc. e (...)

14Populações são reunidas, seu território parece contínuo. Outras parecem dispersas. Nômades possuem bases e rotas bem estabelecidas; e é difícil alterá-las quando eventos climáticos ou políticos exijam mudanças. Os Companheiros do Tour de France1 tiveram e ainda têm caminhos, pontos de apoio, marcações e códigos associados a um mapa real do território: um espaço para eles no espaço dos outros. Ninguém é mais atento ao seu espaço, e aos lugares que o diferenciam, nem mais conservadores em sua presença, que o mendigo, “sem lenço nem documento”, ou o outrora andarilho, atual "sem teto".

15Não seria mais correto afirmar que alguns tem território, outros não: os espaços são apropriados, presentes na consciência e, caso necessário, serão ferozmente defendidos. Um indivíduo, um grupo, uma atividade, são inconcebíveis sem um lugar "ao sol"; que os guie no momento de sua fundação ou ao longo do seu desenvolvimento, que nunca ocorre sem espaço. Cada um deve dispor de uma extensão, que se torna um espaço e se afasta dos outros; que defendemos e cujos recursos gerimos. Isto implica que o conheçamos, ou que os descubramos, os mantenhamos, os desenvolvamos ou os exauramos. Dispor de um espaço é o resultado provisório de uma longa cadeia de processos e decisões, casualidades e necessidades; mas a cada dia este lugar se refaz, todos os dias pessoas comuns e grupos criam os seus lugares.

16A propriedade do espaço está longe de ser apenas uma questão de Estados. Concerne também às comunidades que reconhecem e que subdividem os Estados organizados, isto é, coletividades locais, eventualmente as cooperativas. Concerne às propriedades individuais, de pessoas ou empresas. E admite o uso, sobretudo se é antigo, exclusivo e se se faz respeitar, caso necessário, pela força: o espaço dos clãs, das tribos e dos grupos étnicos, no momento e onde estas instâncias tiveram ou ainda têm um significado, é ciumentamente apropriado tanto quanto o é o espaço dos Estados. Todos são territórios e alguns são muito mais fortes do que certos Estados. Os agricultores modernos, os fazendeiros, reivindicam o reconhecimento da “usucapião”, quer dizer, de um prolongado uso da terra alheia, para obter o direito de a transformar, ou ainda mais. Residentes ricos invocam uma espécie de propriedade sobre os quarteirões e seus arredores, incluindo as ruas, para perseguir os intrusos, e exigir que se proíba o estacionamento noturno de veículos "forasteiros", que se limite o tempo de visita de pessoas jovens. Bandos se apropriam de partes da cidade, caçando impiedosamente os demais e marcando com lixo os limites do seu território, como fariam os animais; com grafites, pichações e até mesmo com armas. Qualquer que seja o modo como entendamos, a defesa do território é percebida como condição de sobrevivência do grupo, dimensão da gestão do espaço geográfico.

17No interior destes territórios, os bens e sua exploração podem ser coletivos ou compartilhados entre os indivíduos, famílias e clãs; o território é "partido" e distribuído em lotes com lugares destinados a certos usos especializados. A partilha é fixa, ou periodicamente questionada. É permanente ou momentânea, o tempo de uma temporada. O território é regido parcela por parcela, ou então por grandes áreas. É deliberado, ou herdado. As regras de sucessão, bastante complexas, foram elaboradas e diferenciam tanto as sociedades quanto seus espaços: transmissão coletiva, distribuição equitativa entre as crianças, passagem em bloco para o filho mais velho, etc. A diversidade destas regras, abundantemente estudadas e que não se desvinculam de estruturas de parentesco, cria situações fundiárias e econômicas muito díspares segundo os lugares e as regiões, e é visível nas paisagens agrárias e urbanas.

18Esta partilha divide o espaço geográfico, criando e deslocando limites e formas específicas. Ela marca tanto a atribuição de um espaço próprio aos elementos de base do grupo social (indivíduo, família, clã, etc.) quanto a apropriação do espaço às necessidades da produção. O importante é conhecer as regras destes usos e atribuições, e a personalidade daqueles que são responsáveis por sua aplicação: o que delimita o território, o que afeta seus elementos, qual é o nível de soberania à disposição dos usuários do espaço? É um dos domínios onde, em geral, a liberdade individual é severamente limitada pelo interesse coletivo: regras comunitárias, direitos de uso alheios, regulamentações modernas sobre ruídos ou estética, planejamento da ocupação do solo que contém a apropriação do espaço em limites diversificadamente flexíveis. Mesmo os Estados admitem tais entraves à sua soberania, por múltiplos acordos sobre a luta antipoluição, sobre a redução de armas e do contingenciamento de certos produtos, sobre a livre circulação de bens e pessoas e sobre a compra de parcelas do território por parte de estrangeiros.

A exploração do espaço

19Este espaço do qual dispomos, devemos tirar partido, explorá-lo. Este produto é um meio de produção. Não se explora aquilo que não se apropriou, a menos que por meio de locação ou arrendamento; contudo a valorização pode originar a posse. Tal foi o caso de muitos espaços pioneiros, em detrimento dos primeiros ocupantes; é também a de certas formas de produção fundiária nos subúrbios do Terceiro Mundo. Na maior parte dos Estados pré-capitalistas do Sudeste Asiático, relativamente pouco povoados, a terra pertencia a quem a explorava e retornava ao lote comunal, propriedade do rei, quando deixada de ser usada durante vários anos; poderia então ser novamente concedida; nos campos da Europa medieval também se recuperavam os bens dos “sumidos”.

20O espaço geográfico é ao mesmo tempo recurso e organização. Deve-se explorar o que se dispõe, com os meios que se possui: a instituição social e suas representações, instrumentos e técnicas, um espaço organizado com suas partes apropriadas. Parte do campo europeu vivenciou, durante séculos, de modo combinado a propriedade privada da terra, a fixação dos usos "centrais" do solo (casa, dependências, jardim, pomar, gramados), a rotação regrada de culturas em cada parcela, de modo forçado, que condicionava a alternância e impunha a realização das mesmas culturas na mesma parte do território agrário comunal; mais a pastagem comum, que aniquila a liberdade do proprietário sobre outras partes que permaneciam vazias, depois da colheita; existia a possibilidade de se usar mais ou menos parcimoniosamente os bens coletivos periféricos; e o dever da defesa comunitária. Formas tão complexas, ou mais, foram encontrados em quase todo o mundo para épocas próximas, ou diferentes.

21Aqui, o núcleo do território é fixo, como o é a sua extensão. Outras sociedades têm modos de apropriação muito mais instáveis e ainda assim regulares: conhece-se a difusão mundial, com algumas variações, do modo de existência fundado na agricultura de queimada. Se certos grupos, propriamente itinerantes, não retornam para as clareiras onde esgotaram os solos, outros gerem um território definido. Eles abrem um terreno com uso do fogo e fazem seu cultivo por algum tempo antes de passar para outra clareira. A aldeia segue, quando as distâncias se tornam muito grandes. O conjunto de etapas se faz dentro de um território relativamente grande, e às vezes retornam vinte ou trinta anos mais tarde para um local de ocupação antiga: exemplo interessante de apropriação de uma vasta zona de sobrevivência, no interior da qual apropria-se de fragmentos móveis de espaço segundo as necessidades. Outras sociedades possuem, ao contrário, uma organização extremamente fixa, elas são constrangidas pela extensão de seu próprio investimento: edificar complexas redes de irrigação, ou terraços fluviais inteiros, representou um gasto de esforços, e impôs uma extrema rigidez das estruturas do espaço, assim como uma especialização de suas partes. Quanto mais intensa é a ocupação, mais estável é sua implantação.

22Contrário às aparências, e mesmo representando altos custos, pesadas instalações das civilizações industriais são realmente menos permanentes; se algumas marcaram de modo bastante duradouro o espaço, sob o risco de pesar penosamente por suas infraestruturas, seus edifícios ou suas ruínas quando se tornam obsoletos, elas se apagam rapidamente; algumas ainda permanecem inacabadas, ou abandonadas assim que construídas. Neste início de século XXI, a maioria das alocações de espaço estão programadas para terem durações reduzidas, por vezes muito curtas: um hipermercado deve ser abandonado depois de alguns anos, onde o contrato de locação do terreno é feito, por exemplo, por nove anos; fábricas instalam-se em "incubadoras", mas mudam-se sem dó. Nas sociedades tecnicamente avançadas, a apropriação de uma parte do território por uma determinada atividade pode ser altamente móvel, constantemente posta em questão.

Qualidades dos lugares, especialidades locais

23Esta valorização é inseparável de uma divisão espacial do trabalho, que contribui para especificar os lugares, especializando-os segundo suas "vantagens comparativas", como diriam os economistas. É o segundo sentido da apropriação: nos tornamos o território apropriado à uma produção ou a um sistema de produção. Um ponto essencial, e disputado, reside precisamente na maneira como o espaço é afetado pela exploração dos recursos. Uma visão ingenuamente racional é a de que sua divisão deveria ser apropriada de acordo com as aptidões físicas de suas partes; suas "vocações", na linguagem da imanência e da publicidade, suas "potencialidades" numa língua que muitos urbanistas e mesmo geógrafos imaginam de forma muito séria. Basta, contudo, estudar a maior parte dos mapas de ocupação do solo para verificar que as aptidões, vocações e potencialidades são apenas máscaras e encantos rituais para disfarçar outras realidades: um compromisso, ou queda de braço entre interesses privados ou públicos divergentes. E que as utilizações do solo são frequentemente alteradas ao longo do tempo, sempre com boas razões, quer dizer, segundo diferentes racionalidades.

24Sem dúvida são verdadeiramente disputados apenas os "bons" lugares, segundo as vantagens que pareçam oferecer. Está aí a questão da apreciação, ou melhor, da representação. Os grupos suficientemente estáveis se distinguem por reconhecer e explorar as qualidades naturais dos lugares. A noção popular de terroir (região homogénea) corresponde a este reconhecimento: uma porção do espaço que parece oferecer um mesmo conjunto de qualidades em relação a uma situação dada pela técnica e pelo sistema de produção. Certas plantas aí crescem habitualmente melhor ou pior do que em outros lugares; o feiticeiro, ou o xamã, mais tarde laicizado sob a forma da "sabedoria camponesa" e seus preceitos, as observou e as reteve. A ciência moderna mede, e as vezes se espanta, com o quanto que as suas observações se opõem aos preceitos da sua referida sabedoria. Acontece da "sabedoria camponesa" se contradizer, e justificar as aberrações; ela legitima desta forma as práticas das quais já esquecemos a origem, pelo menos enquanto os frutos amargos dos erros permitirem bonificações regulares advindas do trabalho. A distribuição das culturas, principalmente os vinhedos, numa escala de todo um país tal como a França, como numa escala local, seria rico de contrassensos e de aproximações se considerássemos apenas as "potencialidades" medidas pelos agrônomos. Em contrapartida, sabemos muito bem tudo o que os vinhedos da Champagne, de Chablis, de Sancerre, do Reno ou do Loire devem aos rios que levavam para longe seus vinhos, aos negociantes que os difundiram e necessariamente os financiavam, com o afinco dos viticultores em relação aos desafios de territórios que não eram mais "dotados", mas pelo contrário, difíceis. E se é verdade que para ser sublime o Bordeaux deve ser oriundo de cepas que "miram a água", estamos convictos, quebrando um ícone, de que a navegação teve tanta importância quanto o microclima.

25O geógrafo observa as situações realizadas, resultados da ação humana; não as aptidões ou potencialidades teóricas, intrínsecas, independentes da ação humana.

26Acontece que por vezes essas situações correspondem muito bem às qualidades avaliáveis dos elementos naturais, outras vezes não. Mais de uma situação pode ser estimada "aberrante" sob este ponto de vista, o que não a impede que perdurar. Os grupos humanos são dotados de uma grande capacidade de fazer, onde eles podem, o ninho que lhes convém, segundo os critérios e as motivações que lhes são próprias. Cidades se implantam e prosperam no coração de territórios indubitavelmente "ricos", outras se estabelecem nas bordas, e existem algumas que se estabelecem sobre cumes áridos, no meio de pântanos, em todos esses lugares "impossíveis", mas nos quais são encontradas muitas qualidades, que podem ser mesmo determinantes em certas condições de segurança ou de salubridade. As populações, aliás, estão longe de fazer com a mesma intensidade a exploração de todas as partes de seu território, negligenciando algumas e as deixando reservadas, mudando sua tática de tempos em tempos.

27Basta refletir um instante para imaginar qual pode ser a diversidade e a complexidade das estratégias e as determinantes da localização de uma atividade ou de um equipamento, nos ambientes em que eles próprios contribuem para alterar. Portanto, nada justifica que se renuncie a interpretá-los, nada desafia completamente a análise. Porque existem regras para isso, e "boas" razões, que podem ser encontradas, ao ponto de se tornarem hábitos. As fábricas dos séculos XVIII e do XIX tinham necessidade de acessos cômodos e de água corrente: o que fez com que se enfiassem em inacreditáveis fundos de vales nos antigos maciços da Europa, sacrificando muitos benefícios por um outro. As estações ferroviárias foram construídas sobre espaços livres e amplos tangentes às cidades, mas suscitaram novos bairros que as aprisionaram. Os aeroportos exigem vastos espaços planos, ao mesmo tempo próximos e afastados das cidades; mas se necessário for, podem ser encaixados na montanha, ou construídos no mar, como em Hong Kong, Osaka ou Nice. É sempre uma questão de relação entre os custos e os benefícios, seja no sentido estritamente financeiro, seja num cálculo maior. Trata-se de resolver as principais contradições entre, de um lado a comodidade e a acessibilidade, e do outro as despesas e inconveniências.

28Partilha e apropriação dos fragmentos do espaço existem em função da organização social e das representações que as sociedades fazem, de um lado das suas necessidades e de seus meios, de outro lado das qualidades dos lugares. É preciso entendê-los em todas as suas dimensões: seu custo, seu regime fundiário e seu pertencimento, sua localização e sua acessibilidade, e também, mas não somente, suas características físicas. Quantos, para quem, onde, o que: são as propriedades do lugar, as questões conjuntas e mesmo inseparáveis, que levam em conta todo projeto de apropriação em vistas de uma exploração. Que a decisão seja bem informada e lúcida, ou não, influenciará sobre o resultado. A potência dos modelos de organização que contém as representações sociais também é contabilizada, e influi na decisão, impondo ou não estruturas espaciais. É da multiplicidade de decisões desse tipo que se faz a produção do espaço.

Comunicar, trocar

29Quando os fragmentos da extensão territorial são apropriados (no duplo sentido), explorados e especificados, o espaço é diferenciado; é a própria base da geografia do Mundo. Resta organizar a diferenciação, e a partir de aí "vencer" as distâncias. Toda produção é localizada e supõe pelo menos o acesso do produtor ao seu local de trabalho. A especialização dos lugares implica também, e sobretudo, a troca entre os lugares. Ela induz aos fluxos. O funcionamento do corpo social, chama de certo modo os órgãos cibernéticos: reguladores e governantes. A comunicação se estabelece entre fragmentos apropriados do espaço, e esta cria, por seu turno, seus próprios lugares.

30A comunicação já está na produção: a menor valorização de uma porção do espaço, seja para a caça ou para a colheita, supõe de fato que nós a acessemos. É necessário ir ao trabalho; ou, se excepcionalmente os lugares de habitat e de trabalho são o mesmo, encaminham-se inputs e outputs, as matérias-primas para transformar e os produtos acabados, exceto no caso puramente abstrato de autossuficiência perfeita e individual. Os campos criam os caminhos, e reciprocamente. As trilhas dão ritmo ao espaço menos "produzido". As picadas e os caminhos materializam a complementaridade entre lugares distantes para o transumante ou para o nômade. As fábricas não funcionam sem estradas, ferrovias ou hidrovias, sem telecomunicações. A produção mais imaterial, uma emissão de rádio, uma conferência, uma semana de férias, também exigem lugares especializados de produção e de consumo, e vias de acesso para esses lugares.

31A especialização dos lugares de produção supõe que eles se comuniquem entre si, assim como com os consumidores. Um objeto não é realmente produzido se ele for produzido apenas para seu próprio autor, e não para os demais; é necessário que ele seja disponibilizado: o que seria um produto sem utilizador? Mesmo as sociedades menos diferenciadas não se contentam em consumir cotidianamente e diretamente seus produtos: há sempre um excedente, pelo menos momentâneo, cujo consumo se difere, em trocas recíprocas, para suprir não-produtores, sejam eles chefes ou feiticeiros. Existe sempre uma atividade de transferência e de comunicação. No interior do grupo, e entre os grupos; os antropólogos já descreveram de forma abundante as "trocas silenciosas" e os "bens" que intercambiam grupos que pouco se frequentam, mas que sabem da existência um do outro e que podem ter alguma coisa diferente para trocar. O espaço geográfico é um espaço de transação.

32A comunicação criada também tem o seu espaço. Ela tem seus próprios lugares, que demarcam a extensão para superar a distância. De circulação: o conjunto de vias e suas articulações, cujas redes tem suas leis. De troca: as lojas em todas as suas formas, da barraca de feira ao hipermercado complexo, do mercado periódico no campo à própria cidade. De armazenagem, para reunir os produtos dispersos, ou para aguardar e preparar sua utilização: a loja e o silo, o moinho d’água e o depósito de arquivos. De informação, com correios e telecomunicações, alto-falante público e quiosque de jornais, estúdios e satélites, os primeiros lugares geográficos extraterrestres. Lugares próprios e apropriados, que tem a função de sinapses, balizando e estruturando o espaço geográfico, contribuindo para a sua produção. A função "logística" é sempre presente, mesmo se ela toma, nas sociedades complexas e desenvolvidas, o peso crescente das aparências virtuais.

Governar

33Enfim, todo corpo social tem necessidade de se governar, ou de ser governado, no sentido mais amplo desta palavra, quaisquer que sejam as formas de seu governo, mesmo quando seja aquela mais livre, a autogestão. É necessário que sua integração seja assegurada, sua reprodução guiada, seus conflitos internos resolvidos ou dominados; talvez mesmo, que se tenha um projeto, ou que se acredite possuir um. Existem para esta finalidade as instituições de governo e de comunhão, produtoras de ordem, de organização e de ideias comuns. Algumas gerenciam diretamente o espaço. Todas o marcam, e muito intencionalmente, com referências e símbolos, até aí instaurar a dimensão do sagrado. "Governar" é tomado aqui no sentido da cibernética e do leme (gouvernail em francês), que tem a mesma etimologia: é traçar o caminho, reger e gerir, organizar, bem mais do que comandar.

  • 2 São três tipos de engenheiros na França (Ndt)

34Regem e gerenciam diretamente o espaço as coletividades territoriais e muitos ministérios, os serviços de cadastro e os tribunais de águas, os topógrafos e os urbanistas, os "engenheiros de pontes" e os de "águas e florestas" ou os da "engenharia rural"2, um punhado de notários e de advogados; e todos seus empregados. No espaço eles colocam a organização e os equipamentos, eles o planejam e, mais ou menos, o manejam. Governam o espaço ainda todos aqueles que o subdividem e o limpam de suas impurezas, o funcionário alfandegário e o fiscal, o gari e o miliciano, o guarda campestre e o vigia, o policial militar e o rodoviário, forças da ordem para a boa ordem do território. Eles têm seus escritórios, seus lugares, suas delegacias, eles têm ou tinham sinais distintivos, com "insígnias" e "uniformes".

  • 3 Referência às árvores instituídas como pontos de encontro, diálogo e decisões coletivas por parte d (...)

35Eles não seriam suficientes para assegurar a integração e a coesão do corpo social e sua reprodução, se outros não concorrerem para preparar ou forçar o consenso. As sociedades humanas não apenas inventaram os chefes, elas inventaram o Sagrado. Elas elaboraram meios de comunicação e de expressão, e símbolos; edifícios majestosos que contribuem para a coesão social; lugares tabus e lugares sagrados, como tantos outros signos de reconhecimento e de referências sobre o território. O campanário e o castelo, a igreja ou a "casa grande" dos homens “feitos”, a árvore de discussões3 e o fórum, o bistrô e o estádio, a escola e o quartel são em princípio lugares de reencontro e de fusão. A prisão, as forcas e os pelourinhos, antigamente bem expostos em praça pública (agora ao contrário, escondidos), são perfeitos antimodelos, aos quais convém sem dúvida agregar o hospital psiquiátrico, pelo menos em certos países. Lugares de reencontro e de regulamento, lugares de fusão e de catarse renovam as formas atenuadas e, se possível, transcendidas, de sacrifícios rituais: todos os templos e todos os circos.

36Habitar, se apropriar e apropriar, explorar, comunicar e governar fazem e refazem permanentemente o espaço; criam demarcações político-administrativas, territórios; fronteiras e passagens; a fragmentação, os caminhos e as redes; os pontos nodais e espaços tributários; tudo o que está no espaço e o que é do espaço. Muito mais do que objetos materiais inscritos visivelmente no espaço, terrenos, equipamentos e infraestruturas, ou resquícios de usos e lugares reconhecidos. O que se faz dia após dia no interior dos escritórios e dos salões de beleza nem sempre afeta diretamente o espaço, mas o espaço, no entanto, toma ali as suas formas, já que cria movimentos de bens e de pessoas, agregações e segregações. Ele também é feito de estruturas invisíveis: as diferenças espaciais na acumulação do capital, ou nos níveis de formação educacional da população, fazem parte do espaço geográfico, e seus efeitos não param de ser avaliados. Todos esses atos cotidianos compõem a geografia do Mundo.

Haut de page

Notes

1 Não a atual competição esportiva, mas o circuito ao longo do qual carpinteiros, marceneiros, etc. eram treinados no uso das ferramenta e métodos das regiões francesas (Ndt).

2 São três tipos de engenheiros na França (Ndt)

3 Referência às árvores instituídas como pontos de encontro, diálogo e decisões coletivas por parte de diversas comunidades africanas; geralmente associada à um Baobá (Ndt)

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Roger Brunet, « Territórios », Confins [En ligne], 32 | 2017, mis en ligne le 10 octobre 2017, consulté le 17 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/12402 ; DOI : 10.4000/confins.12402

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals