Navigation – Plan du site

O papel do trabalho de campo na geografia, das epistemologias da curiosidade às do desejo

Le rôle du terrain en géographie. Des épistémologies de la curiosité à celles du désir
The role of fieldwork in geography, from epistemology of curiosity to epistemology of desire
Paul Claval
Traduction de Giovanna Thomaz; revisão de Patrícia Reuillard (UFRGS)
Cet article est une traduction de :
Le rôle du terrain en géographie

Plan

Haut de page

Texte intégral

1A ideia de que a geografia deve fundamentar-se na prática do trabalho de campo se estabelece apenas tardiamente: o geógrafo não é um explorador ou um viajante; seu trabalho não consiste em relatar o que se observa em cada lugar, mas em transformar a visão pontual daqueles que estão em contato com a realidade em uma visão de conjunto, na qual limites se distinguem, linhas se desenham e convergências aparecem. A concepção moderna da profissão de geógrafo se define do final do século XVIII ao início do XIX.

2Para que serve o trabalho de campo? Para garantir a autenticidade das observações coletadas e proporcionar a descoberta de realidades que escapam às outras estratégias de investigação. Ademais, também se faz útil para a formação do cidadão. É à gênese e ao desenvolvimento desses aspectos que se dedica este pequeno ensaio.

Por que o trabalho de campo?

O trabalho de campo como prova da verdade

3A importância dada a essa prática nasce de uma das correntes da filosofia medieval: o nominalismo (Vignaux, 1985). Um conceito não existe por si só, não tem realidade imanente; vale apenas na medida em que a experiência daquele que o define ou o utiliza garante sua autenticidade. É devido a essa exigência, constantemente revisitada, da verdade como algo embasado na experiência pessoal que o conhecimento moderno deve se voltar continuamente ao real, moldar-se às suas asperezas e mergulhar cada vez mais profundamente nos processos que nele se desenvolvem. A verdade não está contida no conceito; este precisa ser sempre validado, o que pressupõe uma encenação, um dispositivo, um experimentador e um público ao qual os resultados são destinados.

4Garantida, dessa forma, pela experiência direta do pesquisador, a oposição permanente do ideal e do real torna-se uma característica basilar do pensamento ocidental no momento em que a abordagem científica moderna se estabelece no fim do século XVI e no começo do XVII.

5A experiência pessoal que funda o saber científico nem sempre assume a mesma forma. Nas ciências exatas ou nas biológicas, ela se dá em laboratório. Graças aos processos que mobiliza e aos instrumentos que elabora ou utiliza, o pesquisador evidencia uma manifestação observável do processo que estuda. Mas jamais está sozinho atrás de seu microscópio, telescópio ou tela: ele trabalha para refutar outras interpretações e para forçar seus pares a admitirem os resultados de um experimento que é reproduzível e, portanto, legitimamente universal. Já faz 30 anos que Bruno Latour revolucionou a epistemologia das ciências experimentais ao analisar as práticas laboratoriais e as comparações que surgem a partir disso. (Latour, 1988/1979; 2006/2005).

O papel do trabalho de campo nas ciências de observação

6Existem disciplinas que não se desenvolvem através da experimentação, como as ciências humanas e, de certa forma, as ciências naturais; são as ciências baseadas na observação. Essas não se constroem dentro do laboratório; o observador se move, faz pesquisa em campo, compara lugares ou regiões.

7Em Botânica ou Zoologia, o essencial da pesquisa acontece (1) ao se percorrer as localidades onde crescem as plantas e onde vivem os animais que são observados, descritos e inventariados, (2) em jardins botânicos ou zoológicos, que mantêm vivos espécimes de espécies já identificadas, e (3) em coleções que conservam os primeiros exemplares repertoriados, o que permite manter um registro da primeira observação. Em mineralogia ou geologia, o trabalho começa pela observação de rochas ou minerais no lugar onde surgem. Os espécimes são em seguida estudados e conservados nos museus de história natural — outros são analisados em laboratório.

8As novas ciências que nascem copiam os saberes naturalistas: é no terreno, percorrendo cidades e campos, imergindo nas sociedades autóctonas ou instalando-se nas vilas industriais que o geógrafo, o etnólogo e o sociólogo exploram o mundo e procuram explicá-lo.

9Antes de os dados coletados pelos serviços especializados, públicos ou privados, (estatísticas, pesquisas), estarem disponíveis, quase todas as ciências humanas voltavam-se para o trabalho de campo: elas passam por uma fase em que essa prática é primordial para suas formações. No fim do século XVIII e início do XIX, a geografia aparece assim como a matriz comum de um certo número de disciplinas, especialmente da economia e etnografia (Claval, 1072).

10O trabalho de campo garante a autenticidade das observações, mas ele leva tempo e limita as possibilidades de trabalho do indivíduo. Muitos procuram evitar essas restrições e preferem explorar os testemunhos recolhidos por outros. É isso que passa a fazer a geografia do século XVII e da primeira parte do XVIII, o que dá às suas descrições um tom frio e impessoal. Entretanto, Rousseau a reconduz à prática em campo.

A influência de Rousseau e da pedagogia pestalozziana

11Para demonstrar que o pensamento de Rousseau tem uma dimensão geográfica, nada melhor do que a sua concepção filosófica de viagem: a geografia é indispensável àqueles que querem reconstituir o trajeto que levou do estado natural ao civil — à civilização. Mas o papel de Rousseau vai bem além disso: o aumento da atenção prestada ao trabalho de campo é prova da sua influência.

12Rousseau toma para si o tema fundamental de todo nominalismo: o discurso não comporta em si mesmo a verdade (Claval, 1995). É preciso procurá-la no mundo, nas coisas, na sociedade, e não nas palavras. Ele extrai disso uma nova concepção pedagógica: opondo-se às práticas então dominantes, exige que o saber seja transmitido às crianças não apenas verbalmente. Sem o confronto com o mundo real, somente o ensino em sala de aula não permitirá que os jovens formulem julgamentos satisfatórios. Para Rousseau, os alunos devem sair da sala e de sua atmosfera confinada; eles aprenderão mais ao se movimentar, ao trabalhar com botânica (sabe-se como Rousseau é competente nessa área) e ao observar a natureza e a atividade dos homens.

13No que tange à pedagogia, o sucesso das ideias de Rousseau é assegurado pelo suíço Henri Pestalozzi (Claval, 1995). Este enfatiza o que podemos apreender a partir da observação: a “lição das coisas” tem um papel central na escola que ele cria. A concepção rousseana de aprendizado tem um impacto evidente na disciplina: afinal, dois dos geógrafos mais ilustres do século XIX, Ritter e Reclus, não se formaram em escolas pestalozzianas?

14É preciso quase um século para que os temas da pedagogia pestalozziana sejam incorporados nas abordagens dominantes. Quando o ensino primário se torna obrigatório na França, no início dos anos 1880, a transformação se efetiva: a “lição das coisas” passa a ocupar um lugar de destaque. A escola passa a tratar da geografia de duas maneiras: ensinando-a objetivamente, com um espírito republicano e nacional; e mostrando, graças à lição das coisas e às saídas de campo, o que o contato direto com o mundo pode ensinar à criança.

15O impacto das ideias de Rousseau é tão profundo que a nova geografia que se configura no fim do século XIX não pode se conceber sem tratar do mundo tal como ele é, sem ser uma disciplina prática. Mas essa condição vem acompanhada de algo mais.

O trabalho de campo e a descoberta de aspectos que escapam aos outros métodos de investigação

16Alexander von Humboldt representa a evolução da disciplina na virada do século XVIII para o XIX. Físico, naturalista e explorador, levou de sua viagem pela América Latina tantos materiais que foram necessários 25 anos para prepará-los e entendê-los — particularmente os de natureza geográfica. Um de seus objetivos era reunir os lugares que apresentam traços similares e mostrar o que as unidades territoriais (regiões, estágios de vegetação), assim definidas, têm de diferente. O viajante torna-se geógrafo quanto enfatiza a especificidade das paisagens descobertas e sua distribuição no espaço. Dessa forma, o volume Vues des Cordillères et monuments des peuples indigènes de l'Amérique et Voyage aux régions équinoxiales du Nouveau Continent (1810-1989) assume um papel central na obra de Humboldt: as imagens apresentadas permitem entrever a originalidade das regiões por onde ele passou.

Figura 1: Antonio Teixeira Guerra em campo

Figura 1: Antonio Teixeira Guerra em campo

Fonte:« Antonio Teixeira Guerra », Confins 16, 2012, http://confins.revues.org/7912

17Humboldt ensina-nos que o trabalho de campo não vale somente pela coleta de informações. A realidade não resulta da justaposição aleatória de dados. Ela se apresenta sob a forma de paisagens; tem uma fisionomia de conjunto que nos convém apreender: afinal, não é através dela que a harmonia dos fatos terrestres se revela? A saída de campo não serve apenas para recolher dados e assegurar a autenticidade factual dos ensinamentos da disciplina; ela é também o vetor de um entendimento global que não pode ser alcançado de outra forma, o mundo é feito de individualidades que precisamos perceber. É crucial possibilitar ao público a oportunidade de captar essas especificidades. O texto não é suficiente para isso — a vista é indispensável para que o cenário esteja completo; aqueles que não se deslocam precisam de um substituto dela para compreender o mundo: a imagem.

18Há muito tempo aprendeu-se a usar essa imagem, o mapa – no entanto, é uma imagem muito restritiva por ser feita na vertical, onde os fatos observados são representados por símbolos. Para Humboldt, é necessária uma apreensão mais direta e mais concreta do mundo. É por isso que ele decide registrar os desenhos e as aquarelas que acumulou em suas viagens, reunindo-os em uma obra. (Claval, 2012).

19A realidade geográfica não é igual à soma do que pode ser observado em um ponto ou uma região; ela revela, através da paisagem, uma ordem que é importante evidenciar. Sem a experiência prática, o geógrafo deixa escapar uma parte essencial das realidades que ele tem a intenção de dar conta: aquelas que não são fruto da inteligência, mas da intuição, da sensibilidade, do gosto, da estética: aquelas que revelam a diferenciação qualitativa do mundo.

O trabalho de campo e a formação cidadã

20Uma terceira razão para praticar a saída de campo desponta no decorrer do século XIX: seu valor cívico. Para além das questões acadêmicas, das ideias de Rousseau e de Pestalozzi, a prática de campo não serve somente para a formação do espírito, mas também é indispensável para a criança e o adolescente que pretende tornar-se um adulto completo, uma vez que ela assegura o desenvolvimento harmonioso de seu corpo, como enfatiza Elisée Reclus (1866). Ela o leva a conhecer o mundo assim como ele é e ensina-o a se movimentar dentro dele, a tirar partido da organização particular de cada espaço.

21Na França, é principalmente através das novas orientações do ensino que a prática do trabalho de campo se propaga. Ela progride mais rapidamente na Alemanha e na Áustria, onde inspira o sociólogo Riehl, que lança a juventude na estrada em busca do país e das pessoas — Land und Leute (1862). Os Vogelwanderer que começam a percorrer as estradas do mundo germânico por volta dos anos 1860 não procuram somente compreender melhor o mundo que os cerca, mas também fortalecem o corpo e o desejo ao percorrer esse árduo caminho.

22A corrente que impulsiona o interesse dos jovens pelo contato com o ar livre, o esporte e a viagem, não se consolida na França antes dos últimos anos do século XIX. Mas o valor cidadão do trabalho de campo é reconhecido mais cedo: para alguns, os oficiais franceses foram em parte responsáveis pela derrota na Guerra Franco-Prussiana em 1870 – por não terem formação, eles eram incapazes de ler e utilizar os mapas para organizar as manobras das tropas,. Para Loudovic Drapeyron ( Broc, 1974), era necessário, então, ensinar os jovens franceses a ler as paisagens e o mapa por meio de repetidas saídas de campo — uma das características importantes da renovação da geografia que se manifesta nos anos 1870.

23A escolha feita por Vidal de la Blache de dedicar suas férias para percorrer — de trem ou a pé — a França e os países vizinhos se deve, em parte, a essa vontade de formar melhor os franceses, levando-os a compreender o mundo através da prática da saída de campo e do conhecimento geográfico (Sanguin, 1993). Esse envolvimento ajuda na construção tanto do cidadão quanto do geógrafo.

A geografia e o trabalho de campo no século XIX

24A tarefa do geógrafo, até a criação do primeiro relógio marítimo de alta precisão de John Harrison, na metade do século XVIII, é estimar as distâncias percorridas pelos marinheiros ou exploradores a fim de determinar longitudes que não podem ser medidas diretamente. A disciplina se baseia na análise dos relatos de viagem e dos diários de bordo: ela se pratica em gabinete. Mas as novas possibilidades de determinação das coordenadas obrigam os geógrafos a reinventarem seus métodos.

25A questão do trabalho de campo, que se impõe no fim do século XIX, em uma geografia finalmente modernizada, têm diversas fontes: a questão pestalozziana da lição das coisas, a vontade de consertar as falhas do sistema educacional francês, reveladas pela derrota de 1870, e a admiração pelas ciências naturais.

Um modelo: as práticas dos botânicos, dos geólogos e dos engenheiros florestais

26O lugar que o trabalho de campo ocupa na formação dos geógrafos a partir do fim do século XIX resulta, em parte, da influência que exercem sobre essa disciplina em vias de construção os saberes naturalistas já consolidados. Não é suficiente ter um herbário para aprender a reconhecer as plantas; é preciso identificá-las, colhê-las e demarcá-las enquanto se caminha pelos campos, prados e bosques. O mestre avança em um passo vívido, curva-se, pega uma flor, descreve-a, diz seu nome em latim. Os discípulos se precipitam em colher outros exemplares; eles os colocam entre folhas de papel para depois criarem seus próprios herbários.

27Para se tornar mineralogista, é preciso multiplicar as saídas de campo a fim de aprender sobre a diversidade das rochas e adquirir um rápido olhar observador que permita reconhecê-las. Para aquelas que não são reconhecíveis logo à primeira vista, coleta-se um fragmento com um martelo para observar sua composição ou seus cristais. Derrama-se uma gota de ácido para observar se é um calcário.

28O geólogo é igualmente um viajante incansável, que também trabalha com um martelo. Ele o utiliza para investigar fósseis, indispensáveis para a datação dos depósitos sedimentares. Ele analisa os cortes nas pedreiras para neles ler as camadas de imersão, a existência de discordâncias ou a presença de falhas.

29Desde o início, a École des Eaux et Forets de Nancy, (Escola de Àguas e Florestas de Nancy) introduz estágios em trabalho de campo em seu currículo: os estudantes aprendem a trabalhar com plantas, a analisar a composição das florestas e a diferenciar as florestas altas, as baixas e as mistasGiovanna P.2017-08-20T15:41:00. Uma vez formados, alguns engenheiros florestais se beneficiam de sua prática com o trabalho de campo para analisar a resistência das comunidades camponesas frente à política implementada por sua instituição. Inspirados por Le Play, realizam uma entrevista sociológica em campo. Os geógrafos se inspiram de bom grado em suas práticas (Kalahora e Savoye, 1986)

A prática do trabalho de campo no início e no fim do século XIX

30No início do século XIX, à época de Humboldt, fazer o trabalho de campo é quase tão difícil na Europa Ocidental quanto nos países novos. As diligências são lentas e dificilmente permitem apreciar a paisagem, a condição das estradas geralmente é deplorável, e os albergues são poucos. Ir ao campo é penoso e requer muito tempo.

31Além disso, o pesquisador se vê sozinho, pois os serviços oficiais mal estão começando — ou nem começaram ainda — a fazer levantamentos sistemáticos da pesquisa em campo. Na França, tem-se um primeiro mapa, de Cassini, mas lhe falta precisão e clareza. O levantamento para o mapa de Estado Maior (carte d’État Major), bem mais completo, recém está começando. A decisão de estabelecer o mapa cadastral de todas os municípios franceses data da época de Napoleão I, e os levantamentos avançam lentamente. A ideia de preparar mapas geológicos está desabrochando, mas a pesquisa para tanto ainda não começou (Winchester, 2001).

32No fim do século XIX, o trabalho de campo se dá em condições bem melhores: a rede ferroviária é densa; os vagões dos trens são feitos para oferecer uma visão larga da paisagem circundante; as estradas se multiplicaram, a maioria das estradas vicinais foram pavimentadas, as instalações hoteleiras progrediram, e material para acampar, na primavera e verão, começa a aparecer.

33A partir do sexto ano do ensino fundamental, têm início as aulas de desenho. Em algumas instituições, também se faz uso da aquarela, que permite criar uma paisagem ou uma flor. A fotografia progride; as máquinas são cada vez menos volumosas. Começa a ser possível, graças ao autocromo dos irmãos Lumière, tirar fotos coloridas. A prática da botânica já é habitual.

34Enfrentar a saída de campo ficou mais fácil para o geógrafo. Ele não precisa mais limitar-se aos seus recursos; pode imitar os naturalistas. O mapa topográfico prepara o trabalho que ele realiza ao ar livre, ao lhe dar uma amostra da paisagem, mesmo que mais simplificada, por reduzi-la à sua forma em relevo e a alguns elementos humanos – como a presença de madeira, pomares, vinhas, canais de comunicação e habitat. O mapa fornece-lhe pontos de referência.

35Ao mapa topográfico soma-se o geológico: ele revela aquilo que a observação direta só demonstra em alguns pontos (pedreiraGiovanna P.2017-08-20T15:41:00s, poços de minas) nas regiões cobertas por um manto contínuo de solo e vegetação — assim, o geógrafo se beneficia dos dados coletados pelos geólogos que o precederam em campo, bem como se beneficia do trabalho dos oficiais topográficos que aumentaram a escala do mapa para 1/180000. É assim que, já no fim do século XIX, a saída de campo do geógrafo difere daquela de pioneiros como Humboldt: graças aos mapas topográficos e geológicos, graças também aos mapas temáticos que tornam mais compreensíveis os dados estatísticos e que são fáceis de transportar (Palsky, 1996), ele pode aproveitar aquilo que os serviços oficiais já coletaram a partir de análises sistemáticas com o trabalho de campo.

A geografia como ciência prática

36A jovem geografia francesa abre um espaço particular à geografia física e se serve dos procedimentos das ciências naturais vizinhas. Praticada primeiramente pelos geólogos ou oficiais topográficos, seu aprendizado ocorre majoritariamente ao ar livre; assim, descobre-se o conjunto de traços de um espaço — suas paisagens. Aprende-se a analisá-las.

37O mapa topográfico permite nomear os lugares e as formas descobertas. O geológico mostra como a natureza do subsolo e, no caso dos depósitos sedimentares, a disposição e o mergulho das camadas, resultam na paisagem: o geógrafo pode compreender o trabalho erosivo que esculpe as formas originadas pelas forças tectônicas. A monotonia de certos horizontes é prova de fases antigas de erosão. Os depósitos superficiais que os cobrem revelam as forças e processos responsáveis pelos nivelamentos; a presença de camadas discordantes evidenciam as fases seguintes da orogenia.

38O documento topográfico ajuda o morfólogo a formular hipóteses. A ida de William Morris Davis a Paris demonstra isso (Davis, 1895): a rota do Val de l’Asne, que ele descobre no mapa 1/80000 de Toul, sugere a possibilidade da captura fluvial do rio Moselle pelo Meurthe. A Sociedade de Geografia de Paris organiza uma excursão, dirigida por Davis, para verificar a validade dessa hipótese, que provém da consulta ao mapa (que, por sua vez, se origina em uma experiência original e em um levantamento padronizado em campo), mas a saída de campo é indispensável para confirmar, através da presença de seixos e cascalhos, a origem fluvial desse vale seco.

Figura n° 2: Grupo de estudantes de Rennes 2 e da l’USP em campo durante “O ano da França no Brasil”, iniciativa dos ministérios da Cultura de ambos países.

Figura n° 2: Grupo de estudantes de Rennes 2 e da l’USP em campo durante “O ano da França no Brasil”, iniciativa dos ministérios da Cultura de ambos países.

Foto Hervé Théry

39A geografia humana é igualmente importante. Assim como a geografia física, é uma disciplina prática: os grandes campos abertos e os agrupamentos de vilarejos demonstram sistemas agrícolas solidamente estruturados pela coletividade; enquanto a dispersão espacial e as sebes separando Giovanna P.2017-08-20T15:42:00áreas são evidências de práticas mais individualistas, onde a pecuária muitas vezes é mais relevante.

40O trabalho de campo possibilita a descoberta da geografia regional. As análises que Vidal de la Blache realiza em suas viagens se enriquecem com seus achados geológicos. Ele descobre a região natural ao se apoiar no livro La Géologie en chemin de fer (A Geologia na ferrovia), de Albert Lapparent (1888). A geografia modernizada, que se estabelece no meio dos estudantes de Vidal na Escola Normal Superior, nos anos 1880 e 1890, é uma disciplina de trabalho de campo. É ela que lhe permite observar particularmente dois tipos de estruturas, até então ignoradas, mas percebidas nas paisagens: os sistemas agrários e as divisões regionais.

41Primeiro discípulo de Vidal a ocupar uma cátedra de geografia, Lucien Gallois percorre a região de Lyon, onde ele leciona, e mostra como ela é feita de um mosaico de pequenas unidades: Dombes, Mâconnais, Beaujolais, Charolais, Lyonnais — a geografia se torna regional e não pode mais passar sem a experiência em campo (Gallois, 1891/1892; 1895).

42É por intermédio da geologia que a experiência fundadora de Humboldt — a da descoberta de estruturas paisagísticas que passariam despercebidas sem isso — é assimilada pela geografia francesa. O trabalho de campo não serve somente para autenticar as informações coletadas pelos geógrafos, ele permite também a apreensão de elementos que escapam ao viajante comum. Graças às competências de análise visual adquiridas, o geógrafo é capaz de enxergar realidades invisíveis a outros.

43A institucionalização desse procedimento acontece com Emmanuel de Martonne: inventa, em 1905, a excursão interuniversitária (Baudelle et al., 2001). Para ele, o que resulta do contato com a paisagem, pedreiras e recortes sem dúvida diz mais respeito à geomorfologia do que à geografia humana; no entanto, ele percorreu bastante a Romênia para saber como a observação direta é necessária para esclarecer as realidades humanas de um país.

Uma virada: a defesa de tese de Augustin Bernard

44Augustin Bernard defende, em 1895, uma tese sobre a Nova Caledônia, lugar onde jamais pôs os pés (Bernard, 1985). A banca foi presidida por Auguste Himly, predecessor de Vidal de la Blache na cátedra de geografia na Sorbonne e especialista em geografia histórica, que sempre trabalhou a partir de mapas e arquivos. Para ele, o contato com o campo não parece indispensável.

45Bernard recolheu toda a documentação possível referente à Nova Caledônia publicada na França, Inglaterra e Austrália. Ele analisa essas fontes e a partir delas escreve sua tese. Uma vez praticamente terminada, ele pede auxílio ao Ministério de Instrução Pública para uma viagem que visava confirmar a veracidade daquilo que ele compreendeu dos textos. O auxílio é negado, mas ainda assim o pesquisador defende sua tese.

46O que ele esperava da saída de campo não era, de fato, a revelação de aspectos do real que não tivessem aparecido nos mapas, relatos de viagem e trabalhos de síntese que consultara. Mas uma simples verificação, posterior, para validar os dados coletados por outros. Bastava que os informantes fossem sérios para pular essa fase.

47Bernard se torna doutor, mas as discussões que ocorrem na defesa da tese, ou sobre ela, impossibilitam, daquele momento em diante, defender uma tese de geografia que não se baseie em um trabalho de campo: ela arriscaria deixar passar estruturas que somente a observação desvenda, e cuja apresentação constitui-se como a contribuição essencial da disciplina.

48Dessa forma, Augustin Bernard é o último representante de uma tradição anterior ao século XVIII, a da geografia de gabinete, antes das grandes viagens de Cook, de Bougainville e de La Pérousse, antes da insistência de Rousseau sobre a lição que as coisas propõem, e que Kant e Humboldt aprendam a diferenciar as paisagens, o próprio objeto da geografia. Bernard obtém seu título de doutor, mas mais ninguém, depois dele, ousará defender uma tese que não parta de um contato direto com o campo.

O trabalho de campo na geografia clássica

A aplicação das práticas do trabalho de campo na geografia clássica

49O lugar que o trabalho de campo passa a ocupar na geografia moderna, que se constitui entre 1870 e a Primeira Guerra Mundial, é considerável, mesmo que nunca seja exclusivo. Ele define um novo estilo de proceder e impõe certos vieses à disciplina — particularmente na França.

501- Um contato direto, quase físico: andar a pé ou de bicicleta

51A prática da saída de campo agora é obrigatória. Mas como praticá-la? Nas proximidades, a pé, demoradamente? Foi isso que fez, dizem, Albert Demangeon, que conhecia — por tê-los percorrido — todos os caminhos da planície da Picardia. Entre as duas guerras mundiais, Paul Marre faz o mesmo no planalto Grands Causses — que as estradas de ferro contornam, mas não acessam. A geração dos anos 1920 e 1930 utiliza muito a bicicleta, como apontam as entrevistas dos geógrafos que Anne Buttimer realiza no início dos anos 1980 (Buttimer, 1983).

52Uma das críticas feitas a René Clozier quanto à sua tese sobre as Causses du Quercy diz respeito ao fato de tê-las percorrido de carro. É uma questão de geração e de evolução dos meios de transporte — mas que é transformada em um problema epistemológico.

A progressão do trabalho realizado em campo.

53Praticar a saída de campo é antes de tudo ter uma visão global daquilo que se estuda: o geógrafo vai de ponto de vista em ponto de vista (Claval, 2012). Durante as saídas, ele consulta os mapas que leva consigo e pode, dessa forma, encontrar os nomes dos acidentes geográficos, aldeias ou fazendas que descobre. Os mapas geológicos revelam a influência do substrato rochoso na topografia. A regularidade dos horizontes demonstra o nivelamento das formas pela erosão de superfícies; a presença de várzeas que seguem acima dos vales sinaliza a largura dos antigos corredores de erosão. No domínio humano, é a presença de grandes massas florestais, a predominância de horizontes vazios dos campos abertos e a compartimentação dos campos e prados que são observados.

54Para descobrir uma região, parte-se de largos panoramas. Mas como proceder em seguida? Multiplicando os transects (Platt, 1959), que permitem analisar detalhadamente as grandes unidades observadas, seguir os movimentos das camadas, identificar lacunas, descobrir os depósitos superficiais que informam sobre a história passada das formas topográficas; no campo humano, esses percursos possibilitam a observação das práticas culturais, as rotações, os sistemas agrários, o habitat etc.

Geografia humana: o papel do entrevistador ou a integração dos saberes vernaculares à geografia científica

55O geógrafo que se interessa pela ocupação humana não pode se contentar com esses procedimentos. Eles o ajudam a compreender a articulação das paisagens rurais, a penetração das formas suburbanas do habitat em torno das cidades, ou a morfologia dos lugares habitados. Mas, para ir além, a observação não basta: o pesquisador precisa entrevistar as pessoas, visitar as propriedades agrícolas, inventariar os instrumentos agrícolas e seus usos, ouvir sobre os trabalhos e seus ritmos, questionar-se sobre o uso das instalações do campo. Ele precisa se interessar pelas pequenas empresas industriais que impulsionam certas regiões do campo. Nas grandes concentrações industriais, é o complexo tecido dos edifícios industriais, canais, vias férreas, estradas e moradias de operários que ele deve esclarecer.

56Portanto, na geografia humana, o trabalho de campo não se limita somente à análise de paisagens; ele implica visitas, entrevistas (Claval, 2007). Como escolher seus interlocutores? Como conversar com eles? Deve-se deixá-los falar livremente? Ou é melhor orientá-los de vez em quando com uma pergunta, uma observação? É preciso preparar questionários?

57E quanto aos informantes locais, que conhecem muito bem o local ou a região e podem explicar do que vivem as pessoas, a sucessão dos trabalhos do campo, os problemas do mercado e as questões sociais? E as figuras ilustres, que são referência na sociedade e também fazem parte das células locais, são informantes privilegiados: pode-se recorrer ao padre, ao professor, ao prefeito, ao administrador da região. Ganha-se, assim, um tempo precioso, mas até que ponto pode-se confiar nesses intermediários?

58Para aqueles que acreditam realmente no trabalho de campo, é preciso evitar atalhos que encurtam o tempo, mas afastam do contato direto. Raoul Blanchard, geógrafo experiente, retira o essencial da sua documentação dessas figuras proeminentes com as quais ele nutre uma relação. Mas será que o jovem pesquisador saberá, assim como ele, interpretar de maneira crítica as respostas dadas por seus interlocutores?

Trabalho de campo: parte aprendizado e parte aventura solitária

59Ensina-se o trabalho de campo por meio das excursões: é então que o estudante descobre a mistura de panoramas, de pontos de vista, a análise direta das formas e as entrevistas que ele deverá implementar durante a preparação de suas notas de pesquisa. Os professores fazem uma ou duas saídas com seus alunos de mestrado ou doutorado para aconselhá-los, medir o avanço de seus trabalhos e ajudá-los a superar as dificuldades que sempre aparecem.

60A saída de campo permanece, no entanto, uma experiência muito solitária: os jovens pesquisadores partem sem ter uma ideia clara do que devem observar nem do que precisam encontrar. Eles tateiam e hesitam bastante. Alguns falham e desistem – mas não se fala disso nunca. Outros acabam construindo para si uma experiência, conquistando um trabalho. Eles aproveitam todas as ocasiões para confrontar seus conhecimentos e os de seus colegas. Eles os seguem em suas saídas de campo, observam seus métodos e os discutem nos seminários da universidade. A transmissão das práticas em campo resultam bem mais da informação passada de boca em boca, entre estudantes, que do ensino sistemático — prática que ocorre em outros países, como nos Estados Unidos, por exemplo, (Platt, 1959), mas que é ainda incipiente na França.

61A metodologia nebulosa de ensino da prática em campo e o valor que ao mesmo tempo lhe é dado faz com que muitos jovens pesquisadores fantasiem sobre esse domínio. Eles têm suas receitas, seus hábitos, seus medos, seus prazeres.

A sacralização das práticas em campo

62Enquanto espera pela defesa de sua dissertação, o pesquisador já tem um status, graças ao trabalho de campo: aos olhos da comunidade científica, ele é reconhecido, mesmo que ainda não tenha publicações, por ser o homem do Maciço do Vercors, do planalto dos Grands Causses, das montanhas pré-Pyrénées ou da costa da Bretanha. A regra que desaconselha fazer pesquisas em um terreno que já fora destinado a outro dá àquele que o analisa o sentimento de ser, de certa forma, seu proprietário. Uma estranha dialética do estatuto reconhecido e da propriedade reivindicada se estabelece.

63O trabalho de campo ocupa um papel central na mitologia do geógrafo. Para o jovem pesquisador, essa prática se mostra como uma prova, um rito de iniciação, às vezes, podendo mesmo levar a um tipo de comunhão, de identificação com a região e as populações estudadas: para ele, é uma fonte de profundo prazer. Dessa forma, a experiência com o trabalho de campo pode levar a uma interpretação quase psicanalítica. No fim do século XIX e no início do XX, a geografia “sacraliza” e “dramatiza” as práticas das saídas de campo (Calbérac, 2010).

64É neste momento que a análise regional se torna uma peça central da pesquisa. O trabalho em campo fornece ao geógrafo uma garantia da autenticidade dos dados com os quais trabalha; permite-lhe apreender as estruturas do espaço estudado e as divisões que o caracterizam. Um sentimento de culpa se instala naqueles que não conseguem recolher do terreno o que é normalmente esperado.

Figura n° 3: Entrevista em campo com um fazendeiro de Goiás

Figura n° 3: Entrevista em campo com um fazendeiro de Goiás

Foto Hervé Théry

65Uma segunda transformação completa a institucionalização das práticas em campo: a inclusão de excursões na formação dos jovens geógrafos. A análise das paisagens a partir de um ponto de vista, a interpretação dos recortes oferecidos pelas pedreiras e a visita às fazendas fazem agora parte da pedagogia da disciplina em nível universitário: as práticas que o pesquisador deve utilizar em campo se tornam objeto de ensino — ou, na França, um esboço de ensino.

O que a geografia deve ao trabalho de campo

66A geografia dá mais espaço a essa prática do que as outras disciplinas. E por quais motivos?

67A geografia “moderna” do fim do século XIX se define por oposição a uma geografia mais antiga, que era uma ciência de gabinete e se apoiava essencialmente nos arquivos de viagens e documentos provenientes delas, mais especificamente, os mapas.

68A geografia moderna dá muita importância à natureza e aos aspectos físicos, analisa as formas do relevo e especialmente as formações vegetais: é nesses domínios que a observação direta e o trabalho de campo são indispensáveis.

69Como a etnografia, a geografia humana se interessa por todas as sociedades, tanto as que têm escrita como as orais. Existem arquivos que permitem a reconstituição da origem e o funcionamento das sociedades históricas, mas a saída de campo constitui-se como elemento essencial na análise de seus componentes paisagísticos, por muito tempo pouco estudados e sobre os quais a documentação escrita é bastante pobre. É possível entendê-los apenas ao observá-los diretamente e ao conduzir entrevistas nesses lugares — algo que, há muito, os geógrafos são os únicos a fazer.

70O procedimento geográfico não se contenta em estabelecer o inventário do que acontece em cada lugar: ele mostra como, a partir deles, formam-se áreas. Os arquivos e a documentação publicada nem sempre apontam para a existência de regiões, de conjuntos paisagísticos e de estruturas agrárias — é o contato com o país que os revela.

71Uma parte essencial do que se configura como geografia clássica (que resulta do processo de modernização ocorrido no fim do século XIX e início do XX) provém da apreensão direta do mundo — do território.

O imperativo do terreno: um viés que paira sobre toda a disciplina

72O saldo da geografia feita em terreno tem também seu lado negativo. Ela privilegia realidades de escala local ou regional, por ser a escala em que se pratica a saída de campo. É assim que a geografia "clássica", como a que se pratica entre 1900 e 1960, negligencia um certo número de ensinamentos de Vidal de la Blache. Em seu livro Tableau de la géographie de la France (O Quadro da Geografia da França), de 1903, ele descreve a França por meio das paisagens e pequenas regiões naturais que ele caracteriza, mas essa é apenas a primeira parte de seu trabalho: ele se dedica a diversas escalas e mostra como as unidades elementares se combinam (Claval, 1979). As grandes áreas se distinguem: o norte e o leste, o oeste, o sul, e entre essas três regiões uma zona intermediária que corre da Aquitânia aos Alpes e ao Jura. O procedimento visa, em seguida, a compreender a França como um todo e definir sua personalidade geográfica. Para dar conta de um território tão vasto, apenas o trabalho de campo não é suficiente: a interpretação proposta por Vidal se utiliza de documentos históricos, de séries estatísticas e da leitura de mapas topográficos, geológicos e temáticos, que ajudam a compreender os traços gerais do país.

73O lugar de destaque concedido ao trabalho de campo resulta então no negligenciamento de certos componentes essenciais da geografia de Vidal de la Blache, aqueles ligados às formas que a Revolução Industrial cria a partir do século XIX, cujo extraordinário impacto ele avaliou ao visitar a América do Norte (Claval, 2011). O que se exige do pesquisador, no momento em que é mais produtivo, enquanto prepara sua tese, é escolher um tema que ele possa apreender através da prática pessoal com o terreno: é o tema “regional” que mais corresponde a essa definição — embora Vidal não tenha jamais dito que ele é o único admissível, como demonstra sua correspondência com Jean Brushes (Jean Brushes-Dellamarre, 1975).

74Além das primeiras teses defendidas, particularmente as de Demangeon, Vacher ou Sion, a maioria dos trabalhos se preocupa muito pouco com a organização territorial. Contentam-se em mostrar o que o trabalho de campo traz para a compreensão de um espaço cujos limites são geralmente arbitrários. Não são propriamente teses, pois os dados que apresentam não servem para demonstrar a validade de uma hipótese.

75Em sua carreira, um geógrafo só aborda as realidades da escala menor, as da nação em particular, mais tarde, no momento de redigir um volume da Geografia Universal, por exemplo. O único pesquisador que defendeu uma tese sobre a organização regional de um país inteiro, a Argentina, foi Pierre Denis — no entanto, ele abandonou a disciplina depois da defesa de sua tese.

O trabalho de campo: prática direta ou exploração indireta

O trabalho de campo: uma fonte entre tantas

76Mesmo na época da geografia clássica, o fazer do geógrafo não se baseia somente na prática da saída de campo. Ele deve muito ao mapa topográfico e ao mapa geológico, que informam sobre o terreno, mesmo que este tenha sido mapeado por outros, segundo procedimentos normalizados e controlados pelos serviços públicos responsáveis pela elaboração desses documentos.

77Assim como o economista, o sociólogo ou o cientista político, o geógrafo baseia seus trabalhos em dados estatísticos ou sondagens que registram milhares ou centenas de milhares de observações: a autenticidade daquilo que analisa não vem de sua experiência pessoal, mas dos agentes anônimos que colacionaram os fatos ou elaboraram os questionários. O rigor utilizado para coletar os dados — e a seriedade dos setores públicos encarregados disso — garante os resultados. Os pesquisadores delegam a responsabilidade da experiência em campo àqueles que levantaram os dados que eles utilizam.

78Na medida em que se consagra às diversas realidades que ninguém pode apreender diretamente, o geógrafo se torna assim um pesquisador de gabinete, cujo crédito repousa na autenticidade do material ao qual ele tem acesso e nos meios de que dispõe — entrevista, sondagem — para verificar sua qualidade.

79Aliás, nem todas as ciências sociais se baseiam no trabalho de campo. A história não atua pela observação direta. Ela se beneficia dos testemunhos deixados por memorialistas, políticos e por todos aqueles cujas atividades estão registradas, quer sejam atos notariais, minutas de processos, documentos diplomáticos etc. O historiador deve encontrar nos arquivos, que guardam os registros das experiências do passado, o que outros procuram ao analisar a realidade atual. É ao sondar a autenticidade dos testemunhos coletados — ao realizar um exame crítico das fontes, dizem — que o pesquisador garante os resultados apresentados.

80Analogamente à distinção feita em história, entre relato de primeira mão ou segunda mão, poder-se-ia opor, em geografia, uma pesquisa em primeira mão (a que nasce com a prática direta em campo) e uma feita em segunda mão (quando os dados do terreno foram coletados por terceiros, a quem a responsabilidade foi delegada — sob reserva de criticar essas fontes para garantir sua autenticidade): pode-se dizer que um trabalho de geografia se baseia sempre em uma experiência de campo, mas que esta pode ser feita em primeira ou segunda mão.

81O interesse que a geografia clássica tem pelos arquivos, o que a tese complementar de Albert Demangeon atesta, mostra que a prática da disciplina nunca se limitou ao terreno diretamente observado (Demangeon, 1905).

82A Geografia recorre muito a todas as fontes de observação indireta constituídas pelos textos, entrevistas, exames, sondagens, estatísticas, mas o espaço que ela dá ao trabalho de campo permanece maior do que na Sociologia, por exemplo.

Das observações in situ à apreensão dos conjuntos

83Na época clássica da disciplina, o geógrafo procura, além das observações in situ, captar os conjuntos. Isso determina em boa parte as estratégias escolhidas para o trabalho de campo: a busca dos pontos altos que leva à descoberta de largos panoramas, o percurso de transects que leva da descrição pontual à análise linear (Platt, 1959). Combinando as perspectivas descobertas a partir dos cumes e percursos, o pesquisador pode evidenciar as zonas homogêneas e as descontinuidades, que são nítidas, lineares ou se apresentam sob a forma de áreas de transição.

84Como indicar essa mudança de escala, essa passagem pontual do local aos conjuntos? Apoiando-se em outras ferramentas. O mapa topográfico, que resume a paisagem ao simplificá-la, destaca a existência de limites homogêneos, de fronteiras ou zonas onde as características se misturam. A mudança de escala que a geografia implica se apoia então amplamente nos mapas regulares — essa quintessência de observações de campo feitas por outros. Os mapas geológicos e os mapas de vegetação complementam o mapa topográfico.

Figura n° 4: Observação do terreno em São João da Balisa

Figura n° 4: Observação do terreno em São João da Balisa

Foto Hervé Théry

85Os meios da teledetecção dão aos documentos de média ou pequena escala um conteúdo mais concreto: leem-se diretamente neles as massas florestais e culturas. O ritmo das estações aparece quando se dispõe de passagens sucessivas.

86Para muitos traços demográficos, econômicos ou sociais, o mapa temático leva aos mesmos resultados. Nele, o espaço aparece como feito de limites justapostos, ou como que estruturado por campos, percorridos por fluxos que gravitam para os polos — as cidades.

87Na época clássica, o trabalho do geógrafo dá, necessariamente, um lugar de destaque à pesquisa de campo “de segunda” mão, constituida pelos mapas, fotos, vistas aéreas. É através dos mapas temáticos que ele elabora, a partir de suas observações diretas e de toda a documentação de “segunda” mão de que dispõe, que as conclusões de sua análise geográfica se formulam, primeiramente como um esboço ou mapa. Mas o mapa não fala: é preciso fazê-lo falar.

88A etapa do registro textual dos resultados constitui, portanto, uma parte importante do trabalho, como enfatiza Vincent Berdoulay (1988) ou Isabelle Lefort (1992). Passar da imagem cartográfica ao texto nunca é uma tradução automática: a linguagem tem sua própria lógica, sugere aproximações, favorece comparações. A metáfora muitas vezes substitui a explicação, ou a sugere.

89A geografia clássica se extingue nos anos 1960. Para compreender o papel assumido pelo trabalho de campo na disciplina, é preciso entender o lugar que ele ocupa na Nova Geografia da década 1960 e nas formas sucessivas que a virada cultural da disciplina reveste.

O trabalho de campo na geografia contemporânea

90O que a pesquisa atual sobre as práticas em campo não aborda diretamente diz respeito ao que acontece com o trabalho de campo quando os pressupostos sobre os quais se baseava o procedimento geográfico saem de moda. Quando se deixa de acreditar que um contato direto com as paisagens e os homens é indispensável para explicá-los, ou quando se admite que o papel da geografia é se interrogar sobre as distribuições observadas por outros mais do que explicar sua origem ou função.

A Nova Geografia, processos econômicos e trabalho de campo

91Os geógrafos formados na metade do século XX se inserem em uma tradição que se transmitia oralmente entre os professores e alunos de geografia. Ela estabelece o trabalho de campo como a base de toda pesquisa e como condição necessária para a elaboração de uma tese. Para aqueles que têm “o olho do geógrafo”, a verdade vem da observação direta, como uma espécie de iluminação

92Na época em que a economia disputa com a geografia o campo em que esta havia se afirmado — o dos estudos regionais —, essa concepção do fazer geográfico não satisfaz mais aos jovens pesquisadores, porque não consegue dar conta das evoluções contemporâneas, da urbanização cada vez mais completa das sociedades, assim como do desenvolvimento desigual das nações em escala internacional.

93Como resolver esse impasse? Fazendo um desvio, por vezes longo, em direção às ciências vizinhas, a economia particularmente, que é então a disciplina principal. Ela tem um ramo, a economia espacial, ligado às dimensões geográficas dos processos em andamento na produção, distribuição e consumo de bens econômicos. A Nova Geografia, que nasce dessa aproximação, baseia-se na elaboração de teorias e modelos hipotético-dedutivos. Para verificar a validade de suas hipóteses, a maior parte dos pesquisadores que desenvolvem esse novo campo se utilizam de procedimentos estatísticos (Berry e Marble, 1968). O procedimento não garante que as construções teóricas sejam verdadeiras, mas, ao não demonstrar que são falsas, mostra que são condizentes com aquilo que é observado e que se constituem como ferramentas de investigação válidas.

94Nesse novo contexto, o “olho do geógrafo” não é mais suficiente para penetrar na realidade geográfica. O trabalho de campo perde seus privilégios: por que dedicar uma quantidade imensa de energia para percorrê-lo pessoalmente, se isso não acrescentará nada de novo ao que já foi levantado por outros? O apelo ao estudo direto do terreno é substituído por procedimentos que já não têm mais nada de intuitivo. Eles confiam — uma confiança crítica, evidentemente — nos dados coletados por outros.

95O confronto direto com o campo perde todo seu sentido? Não: acontece de nenhuma das interpretações teóricas, nenhum dos modelos imaginados para dar conta da distribuição dos fatos de produção, distribuição e consumo, ser operacional — estatisticamente, eles somente “explicam” uma pequena parte do que se conhece. O procedimento não resulta em uma leitura satisfatória do real. Os processos que o estruturam não são aqueles sob os quais se baseia a interpretação teórica. O que fazer então?

96Voltar ao mapa e, se este se mostrar insuficiente, ao trabalho de campo. A hipótese testada não explica as distribuições observadas, mas há lugares em que ela parece relativamente satisfatória, e em outros não. Por que não se voltar, então, para a cartografia dos “resíduos” da análise, para a parte do real que ela não foi capaz de esclarecer? A imagem obtida é suficiente, muitas vezes, para apontar as forças e os processos que não foram levados em conta – a existência, por exemplo, de um forte gradiente espacial ligado à atração de uma metrópole vizinha, ao passo que se consideravam apenas as forças locais.

97Se a cartografia dos resíduos não indica o caminho para um interpretação mais satisfatória, não há outra solução a não ser recomeçar do zero, desta vez, retornando ao campo.

98Na metade dos anos 1960, eu trabalhava com a geografia econômica da região da Franche Comté, na França. No âmbito industrial, o esquema de Weber se revelava pertinente para explicar a antiga distribuição de certos ramos da indústria – a siderurgia até a metade do século XIX, por exemplo. Mas não funcionava para as localizações industriais da metade do século XX. Que forças condicionavam essas distribuições? Para reconstituir as evoluções de que resultavam, era preciso investigar os arquivos para compreender os mecanismos ou sociais ou políticos que interferiam nos fatores propriamente econômicos; era preciso investigar.

99O procedimento, que partia de uma recusa da prática de campo tradicional, não o eliminava, mas o situava em outro momento da pesquisa, com uma finalidade diferente.

O desenvolvimento de trabalhos sobre a história da Geografia

100Os geógrafos da primeira metade do século XX tinham uma ideia simples sobre a evolução de sua disciplina. Ela passou por uma grande pré-história, dos gregos ao século XIX, quando se preocupava principalmente em ampliar o mundo conhecido e em propor representações cartográficas precisas sobre ele. Essa longa fase preliminar terminou no terceiro terço do século XVIII, no momento em que a disciplina havia enfim resolvido o problema da determinação de longitudes e se tornado de fato uma disciplina científica. Depois disso, desenvolveu-se de súbito: não é preciso elaborar uma história sofisticada dessa ciência para compreender sua evolução.

101A situação muda a partir do momento em que os objetivos da pesquisa se transformam e se diversificam — no momento em que a Nova Geografia surge, nos anos 1960. A história moderna da geografia, que traça a origem desses fundamentos epistemológicos, afirma-se paralelamente – antes, dificilmente se poderia citar algo além do trabalho pioneiro de Richard Hartshorne (1939). Recuperar as etapas do desenvolvimento da disciplina deixa de ser o passatempo de professores em fim de carreira. Essa área agora atrai jovens pesquisadores.

102Em que bases se apoia o especialista em história das ideias geográficas ao efetuar suas análises? Seu procedimento é o de um historiador: ele analisa as publicações do autor ou da época que estuda; ele os situa em um contexto revelado pelos documentos relativos às instituições em que trabalhavam esses pesquisadores; ele tenta enxergar o lugar reservado a eles na sociedade em geral e nos meios intelectuais. Assim, ele pode comparar a dinâmica das ideias, o ambiente onde elas surgem e a demanda social a que respondem.

103As questões metodológicas? São as mesmas que se mostram para o historiador: avaliar a sinceridade dos autores analisados, compreender suas motivações, levar em conta os vieses que estruturavam ou deformavam suas representações.

104O trabalho de campo? Assim como para qualquer outro historiador, ele não existe para o historiador da geografia. No entanto, existem momentos em que o pesquisador tem realmente a sensação de penetrar na lógica daqueles que estuda, de colar-se aos seus pensamentos, de compartilhar suas preocupações. A emoção que experimenta em tais momentos acaba por evocar aquelas sentidas pelo pesquisador de campo, para quem o entorno se estrutura de repente e faz sentido. Ele consegue distinguir aquilo que constitui a experiência autenticamente pessoal daqueles que ele estuda do que revela a predominância dos estereótipos e das imagens que os cercavam.

105A partir da década de 1960, os trabalhos dos historiadores da geografia param de tratar apenas das ideias. Passam a se interessar também pelo conjunto de modalidades que reveste o trabalho do geógrafo, pelas suas práticas. Novos campos se abrem assim para a pesquisa: o papel do contexto (Berdoulay, 1981); a função do trabalho de campo (Robic, 200; Baudella et al., 2001); o papel da escrita (Berdoulay, 1988); o do mapa, da teledetecção e da cartografia temática (Palsky, 1996).

106Como o pesquisador pratica a saída de campo? Quais dados coleta dele? O que se pode aprender a partir de seus cadernos de anotações e esboços? Como se ordena sua narração? A quais procedimentos literários ela recorre? Que documentos precisam ser elaborados para que esses dados "falem"?

107Talvez esses estudos saiam perdendo se forem muito analíticos. Seria bom se pudéssemos medir a participação de cada um desses aspectos do trabalho do geógrafo — o jogo das ideias, o confronto com o mundo real, o processamento dos dados, a escritura.

Figura n° 5: Observação em campo e no mapa em Presidente Prudente

Figura n° 5: Observação em campo e no mapa em Presidente Prudente

Foto Hervé Théry

A virada cultural e o trabalho de campo

108A Nova Geografia responde apenas brevemente às inquietudes e interrogações dos geógrafo. Os questionamentos se multiplicam a partir dos anos 1970. Eles são tão numerosos que é cansativo enumerá-los. Vale mais destacar o que têm em comum: a crítica às concepções positivistas e neopositivistas da ciência, a desconfiança cada vez mais sistemática do racionalismo e do pensamento ocidental e o novo interesse pelas dimensões subjetivas da geografia — a experiência dos lugares e do território, a construção das identidades, as dimensões simbólicas da paisagem são agora centrais para a pesquisa. Quando se fala da virada cultural da disciplina, é a esse conjunto de mudanças que se faz referência.

109Aos dados objetivos de que os geógrafos necessitam sempre para destacar a distribuição dos homens, de suas atividades e obras na superfície da Terra se soma o novo interesse que experimentam pela representação das pessoas que estudam, seus imaginários, seus horizontes de expectativa, suas atitudes, suas preferências, suas sensibilidades, suas crenças, suas ideologias, suas religiões.

110A natureza desses elementos é qualitativa (Blunt et al., 2003). Alguns deles podem ser estudados através de textos, pinturas, estátuas, edifícios, músicas, danças que eles inspiram ou expressam. O imaginário turístico pode ser lido nos materiais de publicidade que as agências de viagem divulgam, ou nos cartões postais oferecidos aos viajantes nas lojas de souvenirs. Uma parte essencial dos novos interesses geográficos não tem, entretanto, uma expressão objetiva.

111Os serviços públicos, a grande fonte de dados estatísticos, não são feitos para coletar informações difíceis de formular e identificar. As pesquisas de opinião até conseguem fazê-lo, mas se baseiam em questionários que geralmente só conseguem medir os elementos já identificados — os envolvimentos políticos, por exemplo.

112Ao administrar ele mesmo os questionários, o geógrafo extrai do trabalho de campo o mesmo tipo de informação, mas ele pode utilizar-se de procedimentos mais flexíveis, realizar entrevistas não-diretivas, deixar seu interlocutor falar: é nessas condições que ele consegue levantar aspectos radicalmente novos — e diferentes daqueles que esperava — da realidade que analisa. O trabalho de campo recupera todo o seu valor. Alguns exemplos comprovarão isso

113O campo e as cidades suíças são deliciosamente organizados. Mergulha-se em uma atmosfera harmoniosa que seduz os turistas. A irmã da minha mulher havia casado com um pastor suíço e morava em uma mansão num dos belos quarteirões da região alta da cidade de Lausana. Nós morávamos em Besançon, na França, e gostávamos de visitá-los para aproveitar a paz que reinava naquele ambiente excepcional. Meus cunhados ficaram doentes ao mesmo tempo. Os incômodos começaram para eles: na primavera e verão, já não tinham mais forças para podar as cercas vivas que rodeavam seu terreno na altura recomendada – 1,20m –, e para colher, no outono, as castanhas que caíam no chão; o que estragava o ambiente. Os vizinhos notificavam a polícia, que intervinha, emitia um relatório, cobrava caro pela contravenção e enviava os trabalhadores municipais para cortar as cercas vivas e recolher as castanhas – a altos preços, claro. Por detrás da aparente harmonia, era o peso de uma rede implacável de vigilância mútua que se via...

114No início dos anos 1990, fui professor-visitante da Universidade de Amsterdã. Uma jovem colega francesa, casada com um pintor holandês, era professora em um de seus departamentos. Nós estávamos almoçando com ela um dia, que reclamava de não conseguir encontrar programas de TV que pudessem distrair seus filhos e proporcionar-lhe momentos de descanso. Havia, é claro, "Os Pioneiros", mas a série passava no canal protestante conservador, e seu marido era um protestante de esquerda. Sem condições, para ele, de deixar seus filhos assistirem a tal show.

115Nossa interlocutora nos explicou então: a televisão estatal holandesa divide o tempo de emissão entre os diversos componentes do país, protestantes conservadores ou progressistas, católicos, minorias de imigrantes (turcos e marroquinos). Na Holanda, o que conta são as comunidades que a constituem: fala-se de "pilares", "colunas", e se diz que a sociedade holandesa é "pilarizada". O Estado está a serviço das comunidades, mas não as domina. Estávamos descobrindo, de repente, o que opunha fundamentalmente as concepções holandesas e francesas de democracia.

116Eu lecionava na Universidade Laval, no Quebec, e havia pedido aos meus alunos que fizessem um trabalho sobre um aspecto econômico ou social de sua localidade ou região de origem. Um desses ensaios tratava de uma paróquia do distrito de Bas du Fleuve, onde faltam terras aráveis, onde a colheita da cevada ou aveia (o trigo não cresce) se faz geralmente durante o primeiro cair da neve de outono, e onde os homens vivem sobretudo — mas mal — da floresta, da caça ou da pesca. Só conseguem sobreviver com a caça ilegal. Muitos são pegos e condenados à prisão. É no outono que isso acontece geralmente. Mais de 20 % dos homens entre 20 e 50 anos estão, por isso, geralmente, entre as grades. Por que uma tal proporção não parecia algo escandaloso? Por que não suscitava na imprensa comentários indignados? A dificuldade de subsistência em um meio tão ingrato explicava em parte esses comportamentos. Eles resultavam também da convicção de que a prisão era "inglesa" e não tinha nada a ver com a moral. Ser condenado e passar dois ou três meses na prisão não tinha nada de desonroso.

117Esses são alguns exemplos que mostram o que o trabalho de campo revela de mais precioso no campo cultural: o que diferencia grupos aparentemente tão próximos que nem suspeitamos da profundeza de suas divergências. Afinal, na Lausana e no Quebec, fala-se francês como na França, e a democracia holandesa é tão forte quanto aquela que vivemos no nosso país. Um detalhe, um pequeno incidente, revela então o abismo que nos separa de pessoas que acreditávamos estar tão próximas.

118Se fosse para resumir o que a prática direta em campo ensina de mais precioso à geografia, poder-se-ia se dizer que ela contribui duplamente:

1191 - A visão global e compreensiva das paisagens permite entender o que caracteriza as unidades territoriais, encontrar seus limites — esta é, por assim dizer, a contribuição de Humboldt, tão importante para a geografia física quanto para a geografia humana.

1202 - O trabalho de campo permite encontrar as diferentes práticas ou políticas que contribuem para modelar o espaço, assim como as características dos comportamentos, das atitudes, e das concepções da vida em um dado lugar — o direito da comunidade em controlar alguns comportamentos de seus membros, como na Suíça: a aceitação, na sociedade quebequense, de sanções penais generalizadas, pois não são percebidas como desonrosas; a ideia, nos Países Baixos, de que o que é fundamental para a nação são as comunidades que convivem no país, e não o Estado, que está a seu serviço.

121É a esse retorno ao trabalho de campo e ao frescor dos testemunhos que ele permite recolher que os estudos sobre o espaço vivenciado, tão numerosos nos anos 1970, devem muito de seu sucesso: eles rompiam com o caráter frio e calculista de muitos trabalhos da Nova Geografia, pobres por contar somente com estatísticas.

O trabalho de campo e as novas epistemologias

Das epistemologias da curiosidade às epistemologias do desejo

122A partir do final do século XIX, os geógrafos salientam o papel do trabalho de campo no caráter científico que a disciplina assume agora, mas não se demoram no modo de praticá-lo. É preciso esperar até os anos 1970 ou 1980 para que os estudos comecem a ficar mais precisos: é então que se começa a reagir a uma concepção puramente intelectual da ciência; leva-se em consideração agora as "práticas" sobre as quais ela se apoia (Robic, 2000; Baudelle, 2001).

123Isso se traduz por uma evolução da concepção das condições do saber, que conduz a uma reflexão mais voltada para os fundamentos da epistemologia. Deixa-se de privilegiar suas dimensões puramente intelectuais, o "movimento das ideias": o aspecto concreto dos métodos e suas condições materiais são agora levados em conta.

124O movimento se acentua nos anos 1990, o que resulta na mutação, que se produz então, da imagem que se tem da ciência e da natureza da epistemologia. O que motivava o pensamento científico era a curiosidade. O termo designava primeiramente "o desejo, a preocupação que se tem sobre as coisas". Ele se aplica posteriormente à "tendência sobre o querer aprender, conhecer coisas novas" (Robert). É um "apetite" uma “sede de saber". Nessa perspectiva, a ciência resulta de um movimento do espírito, que o leva a explorar o real para compreendê-lo e explicá-lo.

125Assim, a geografia nasce da tendência a conhecer nosso ambiente e aqueles que se estendem para além do horizonte e que se descobre ao viajar. No fim da Idade Média e durante a Renascença, quando a epistemologia moderna começa a se constituir, ela se alimenta do olhar que vagueia sobre um mundo que se descobre por ser inundado de luz. Com Roger Bacon e Robert Grosseteste, no século XIX, uma corrente do pensamento cristão se interessa pela luz porque ela foi criada pelo Senhor desde os primeiros dias da Gênese: ela aparece como a energia que Deus mobiliza para modelar o Universo – como o veículo de sua graça.

126No século XV, a reflexão dos platônicos de Florença vai nesse sentido, como enfatiza André Chastel:

127Os princípios filosóficos da perspectiva se reduzem de fato à ideia de que o espaço é inteiramente atravessado pela luz (ele é assim "inteligível") e com estrutura matemática (ele é assim "mensurável"). Esses dois pontos, que já se encontravam presentes no pensamento de alguns intelectuais do século XIII, ocupam um lugar central na "física" do século XV e na doutrina de Ficin. Um de seus tratados da juventude, Quaestiones de luce, insiste sobre o fato de que a propagação dos raios não é um deslocamento de elementos corporais. A luz é cosa espirituale e só pode gerar efeitos inteligíveis. O comentário no Timeu consolidará essa intuição pela teoria da alma do mundo e pela concepção matemática do espaço que dela resulta... Tal é a ordem platônica que desenvolve a intuição do cosmos harmonioso (Chastel, 1982, p. 305-306)

128Como foi visto, essa concepção do saber se modifica sob a influência de outro componente do pensamento medieval, o nominalismo, que impõe o retorno ao real e à garantia da experiência pessoal das coisas. Essa dialética do espírito e do mundo se efetua graças ao jogo do olhar e da luz, que é algo espiritual.

129O corpo está implicado na construção da verdade somente através do olhar — que escapa, pois ele percebe a coisa espiritual, às determinações materiais. Isso tem várias consequências.

1301- O lugar que a cartografia ocupa no desenvolvimento da geografia vem daí : ela resume e coloca ao alcance de todos aquilo que o olhar do viajante descobre.

1312- A geografia explora o mundo através do olhar, o que reforça, a partir de Humboldt, no início do século XIX, a ênfase na experiência direta do espaço estudado, no terreno, nas paisagens que nele se descobrem e que a imagem permite comunicar.

1323- Ciência do olhar, a geografia se mostra evidentemente como uma ferramenta de vigilância, como o sublinha, depois de dúzias de anos, todos os trabalhos inspirados no "Vigiar e Punir" de Focault.

As epistemologias críticas do trabalho em campo

133A transformação das perspectivas epistemológicas resulta em boa parte de uma nova maneira de analisar os procedimentos dos pesquisadores, em geral, e dos dos geógrafos em particular. Isabel Lefort (2012, p. 472-275) fala do "desejo do trabalho em campo":

134O que leva o geógrafo ao campo não é somente o desejo de entrar em uma pedreira, é simplesmente o desejo de se apropriar de um pedaço do mundo e de ser reconhecido por isso [...] Assim vivenciado e exprimido, a relação com o campo certamente não diz respeito somente ao interesse intelectual do geógrafo, mas a toda a sua pessoa, nas suas dimensões psicológicas e intimamente pessoais. (Lefort, 2012, p. 472)

135Na nova perspectiva, o geógrafo que trabalha em campo é motivado mais pelo desejo do que pela mera curiosidade. Toda a disciplina se modifica então: ela não é mais própria de espíritos puros. Ela tem bases corporais, por muito tempo negligenciadas. É preciso corrigir esse esquecimento. É a isso que os colegas começam a se dedicar, no mundo anglo-saxão, nos anos 1990:

136A partir do início dos anos 1990, o problema do trabalho em campo surge na geografia anglófona, impulsionada duplamente pelo desenvolvimento de uma epistemologia feminista [...] e pelo desenvolvimento dos estudos qualitativos – do desdobramento e da codificação dos quais os geógrafos feministas participam, ao lado da tradição fenomenológica e do conjunto das correntes pós-estruturalistas (Volvey et al., 2012 p.446)

137É compreensível então que a corrente dos estudos qualitativos esteja implicada nessa reavaliação do papel do trabalho de campo na geografia: desde Humboldt, é isso que a observação direta oferece de mais precioso à geografia. O papel das geografias do gênero vem, em contrapartida, do lugar enfim concedido à corporeidade do pesquisador. O que está em pauta "é o ‘regime escópico’ de conhecimento da geografia clássica (elaboração de dados produzidos durante a observação visual)". Há um desejo de substituí-lo por "um 'regime háptico' de conhecimento (um regime baseado na elaboração científica de dados pré-linguísticos, sejam eles hápticos ou empáticos) [...]" (Volvey et al., p. 453-454)

138Uma interpretação “de gênero” da geografia se esboça assim através da análise do que o geógrafo faz fora de seu escritório. A prática masculina da saída de campo, "baseada na exploração, evolui entre posse por agrimensura, penetração pelo olhar e controle pelo descobrimento exaustivo de um espaço exterior [...] feminilizado [...] " (Volvey et al., p. 447). A motivação inconfessa dessa forma de prática? "A estratégia de confirmação ou consolidação da identidade social, masculina, do pesquisador" (Volvey et al., p. 447)

139Considera-se outra prática em campo: ela seria dominada pela preocupação com o outro – o care, para usar o termo em inglês – que caracteriza as atitudes femininas.

140A pesquisa de campo feminista [...], dotada de uma escala de operação reduzida (microprocedimentos) e baseada na interlocução foi colocada como fundamento de um feminist political project within the discipline. Um projeto de empoderamento recíproco do sujeito pesquisador e do (dos) sujeito(s) interrogado(s) que são ouvidos e representam suas vozes [...] até participar de uma estratégia de ativismo político [...] (Volvey et al., p. 447)

141Eis o programa de uma epistemologia que considera que o conhecimento científico foi até então prejudicado pela supremacia masculina, e que convém repensar de maneira mais “pura” o trabalho em campo.

O desenvolvimento das epistemologias críticas da geografia na França

142O desenvolvimento das epistemologias críticas é mais recente na França do que nos países anglófonos. E nela assume diferentes formas. Para Yann Calberac, "o trabalho de campo nas ciências sociais se mostra como o equivalente em laboratório nas ciências experimentais": é ao analisar essa prática que se rompe enfim com as epistemologias tradicionais:

143Fazer uma história da geografia sob o ângulo do trabalho de campo convida-nos então a superar as representações que os geógrafos têm de sua disciplina para interrogar o discurso que o trabalho de campo não cessa de alimentar (Calberac, 1970)

144É a essa questão que ele dedica sua tese (Calberac 1970). Mas Anne Volvey opta por um ângulo diferente:

145Ela se interessou pela prática do trabalho de campo dos geógrafos. Ela se interroga, então, sobre sua dimensão subjetiva, que coloca no centro de sua reflexão para fazer dela uma questão anterior ao cognitivo, e sobre sua dimensão espacial, que instaura por meio dessa questão. (Volvey et al., p. 452)

146Sua proposta a leva a enfatizar aquilo que bloqueia o desenvolvimento das epistemologias háptico ao estilo dos geógrafos anglófonos:

147Se os geógrafos anglófonos contemporâneos substituíram um 'regime linguístico' (elaboração de dados produzidos na interdiscursividade) pelo 'regime escópico' de conhecimento da geografia clássica (elaboração de dados produzidos pela observação visual), eles penam, no entanto, para fundar um 'regime háptico de conhecimentos (um regime baseado na elaboração de dados pré-linguísticos, sejam hápticos ou empáticos) [...] . De fato, eles não adotam o princípio da simetria que lhes permitiria considerar plenamente um regime háptico de conhecimento a partir de uma reflexão crítica fundada na relação entre a metodologia de campo baseada no modelo do care, a dimensão espacial dela e a experiência subjetiva do pesquisador. (Volvey et al., p. 453-454).

148Qual a contribuição dessas epistemologias críticas?

149As epistemologias do desejo frente às epistemologias da curiosidade

150A nova curiosidade pelo trabalho de campo resulta da mutação que, nos últimos trinta anos, a própria concepção que se tinha da epistemologia sofreu: o conhecimento deixa de responder ao despertar das curiosidades, isto é, a uma necessidade fundamentalmente intelectual. Ele responde a uma motivação mais profunda e mais geral: o desejo.

151Essa mutação se insere em um movimento mais amplo: o pesquisador não está jamais isolado em sua torre de marfim, suas reflexões carregam a marca da formação que recebeu, do meio social e intelectual onde evoluiu, das políticas ali executadas. O saber que ele elabora deve ser contextualizado: o pensamento não se move em um ambiente sem fricções e tensões. O saber que resulta do tratamento dos dados é "situado" — isto é, universal.

152As epistemologias críticas insistem há muito sobre o fato de que o trabalho científico reflete sempre a "posição" daquele que o faz: o que já ocorria no caso do historicismo; também o de muitos sociologismos ou economismos; de um certo marxismo, por exemplo, que pregava que o econômico (o estados das forças produtivas e os modos de produção) decidisse sempre tudo em última instância. As epistemologias da corporeidade não escapam à crítica que todas essas concepções levantam: "o que garante a validade do saber científico na epistemologia feminista e os métodos qualitativos em geral?" (Volvey et al., p. 449)

153Ao substituir um saber "situado" pelo seu contrário, não construímos um saber universal. Os colegas francófonos que exploram essas novas pistas de pesquisa estão conscientes da fragilidade desse tipo de saber. Para se libertar, Yann Calberác se inspira em Bruno Latour e em sua Teoria do ator-rede. Anne Volvey tira partido das variantes da psicanálise que dão conta do papel da subjetividade nas práticas em campo.

154É evidentemente necessário levar em conta o que pesa para o pesquisador, que orienta seus trabalhos, o seduz ou repugna enquanto ele confronta o mundo. A conquista do saber se dá através de incessantes batalhas. Ela não comporta uma vitória que abra definitivamente ao espírito humano o conteúdo do saber: o universo platônico das ideias não existe; o conhecimento se constrói e seus resultados são sempre provisórios.

155Alguns concluem dessa constatação que as formas tradicionais do conhecimento não têm fundamento. De fato, é preciso submetê-las constantemente à revisão, rever seus resultados, reduzir as ambições. A consideração do trabalho de campo e da dimensão corporal que ele abarca não questiona a ideia que a evolução da geografia reflete um certo número de lógicas ligadas à história das ideias, à dinâmica das instituições, à ambição dos pesquisadores, à demanda social. Não se ganharia nada esquecendo essas determinações para considerar apenas aquelas que levam em conta as epistemologias do desejo.

Conclusão

156Qual base dar ao método da geografia? O trabalho de campo? A ideia é menos universal do que parece à primeira vista. Tem raízes medievais, encontra seus primeiros teóricos no século XVIII, consolida-se no decorrer do século XIX, triunfa no início do século XX. Poder-se-ia acreditar que um tema tão central teria dado lugar a uma elaboração sistemática. Na França, isso não aconteceu: um início de aprendizagem nas excursões e, depois, muito empirismo. Cada um aprende como se organizar quando se vê sozinho na natureza. A experiência às vezes é traumatizante e é interpretada de muitas formas, como enfatiza toda uma corrente contemporânea de pesquisa.

157Nos últimos 50 anos, a geografia vem dando cada vez mais espaço ao estudo dos processos responsáveis pelas distribuições observadas. O trabalho de campo perde o papel estratégico que tinha. No entanto, não desaparece das práticas da disciplina: ele permite avaliar os limites do produto da análise dos mecanismos econômicos, sociais ou políticos. Experiência fundamental, ajuda a descobrir o que faz sistemas culturais aparentemente semelhantes divergirem fundamentalmente. Trabalho de campo, portanto, mas não se dá mais no mesmo momento da pesquisa: não é mais o que vem em primeiro lugar, mesmo que ainda seja uma parte importante.

Haut de page

Bibliographie

BAUDELLE G. OZOUF-MARIGNIER M.-V., ROBIC M.-C. (dir.), Géographes en pratiques (1870-1945). Le terrain, le livre, la cité, Rennes, Presses Universitaires de Bretagne, 2001.

BERDOULAY V., La Formation de l’école française de géographie, 1870-1914, Paris, Bibliothèque Nationale, 1981.

BERDOULAY V., Des Mots et des lieux. La dynamique du discours géographique, Paris, CNRS, 1988.

BERNARD A., L’Archipel de la Nouvelle-Calédonie, Paris, Hachette, 1895.

BERRY B. J. L, MARBLE D. F. (eds), Spatial Analysis. A Reader in Statistical Geography, Englewood Cliffs, Prentice Hall, 1968.

BLIDON M., « Géographie de la sexualité ou sexualité du géographe ? Quelques leçons autour d’une injonction », Annales de Géographies, vol. 120, n° 687-688, sept.-déc., 2012, p. 525-543.

BLUNT A., GRUFFUD P., MAY J., OGBORN M., PINDER D., Cultural Geography in Practice, Londres, Arnold, 2003.

BROC N., « L’établissement de la géographie en France : diffusion, institutions, projets (1870-1890) », Annales de Géographie, vol. 83, 1974, p. 545-558.

BUTTIMER A., The Practice of Geography, Harlow, Longman, 1983.

CALBÉRAC Yann, Terrains de géographes, géographes deterrain. Communauté etimaginaire disciplinaires au miroir des pratiques de terrain des géographes français du XXe siècle, Thèse, Université de Lyon-2, 2010.

CHASTEL A., Art et humanisme à Florence au temps de Laurent le Magnifique, Paris, PUF, 1982 ; éd. or., Paris, PUF, 1959.

CLAVAL P., La Pensé géographique. Introduction à son histoire, Paris, Paris, SEDES, 1972.

CLAVAL P., « Préface », p. I-XXII de VIDAL DE LA BLACHE, Paul, Tableau de la géographie de la FrancParis, Tallandier, 1979, rééd.

CLAVAL P., Histoire de la géographie, Paris, PUF, 1995.

CLAVAL P., Epistémologie de la géographie, Paris, A. Colin, 2ème éd., 2007.

CLAVAL P., « Les voyages américains de Vidal de la Blache et de Demangeon. Evolution de leur vision de la géographie et du monde », Cahiers de géographie du Québec, vol. 55, n° 155, 2011, p. 263-277

CLAVAL P., De la Terre aux hommes, Paris, Armand Colin, 2012

DAVIS W. M., « La Seine, la Meuse et la Moselle », Annales de Géographie, vol. 4, 1895, p. 25-49

DEMANGEON A., Les Sources de la géographie de la France à la Bibliothèque Nationale, Paris, Société Nouvelle de Librairie et d’Edition, 1905

FOUCAULT M., Surveiller et punir, Paris, PUF, 1976

GALLOIS L., « Les Dombes », Annales de Géographie, vol. 1, 1891-1892, p. 121-131

GALLOIS L., « Mâconnais, Charolais, Beaujolais, Lyonnais », Annales de Géographie, vol. 3, 1894, n° 10, p. 201-212, n° 12, p. 428-449, vol. 4, 1895, n° 16, p. 287-309

GODLEWSKA A., Geography Unbound. When description fell to theory, Chicago, University of Chicago Press, 1999

HARTSHORNE R., The Nature of Geography, Lawrence, Association of American Geographers, 1939

HUMBOLDT A. de, Vues des Cordillères et Monuments des Régions Equinoxiales de l’Amérique, 1810, Nanterre, Erasme, Rééd. 1989

JEAN-BRUNHES DELAMARRE M., « Jean-Brunhes (1869-1930) », 1975, in : Les Géographes français, Bulletin de la Section de Géographie, Paris, C.T.H.S., p. 49-80. Cf. p. 55 : Lettre de Vidal de la Blache à Jean Brunhes, le 6 septembre 1893

KALAHORA, B., SAVOYE, A., La Forêt pacifiée. Sylviculture et sociologie au XIXe siècle, Paris, L’Harmattan, 1986

LAPPARENT A. de, La Géologie en chemin de fer, Paris, E. Savy, 1888

LATOUR B., Changer de société. Refaire la sociologie, Paris, La Découverte, 2006 ; 1ère éd. ang., Oxford University Press, 2005

LATOUR B., WOLGAR, S., La Vie de laboratoire, Paris, la Découverte, 1988 ; 1ère éd. am., Princeton University Press, 1979

LEFORT I., La Lettre et l’esprit. Géographie scolaire et géographie savante en France, Paris, CNRS, 1992

LEFORT I., « Le terrain : l’Arlésienne des géographes », Annales de Géographies, vol. 120, n° 687-688, sept.-déc. 2012, p. 468-486

PALSKY G., Des Chiffres et des cartes. La cartographie quantitative au XIXe siècle, Paris, CTHS, 1996

PLATT R. S., Field Studies in American Geography, Chicago, Research Paper n° 62, Department of Geography, University of Chicago, 1959

RECLUS É., « Du sentiment de la nature dans les sociétés modernes », Revue des Deux Mondes, t. 63, 1866, p. 351- 357 et 371-377

RIEHL W. H., Land und Leute, Stuttgart, J. G. Cotta, 1862

ROBIC M. C. (dir.), Le Tableau de la géographie de la France de Paul Vidal de la Blache, Paris, C.T.H.S, 2000

SANGUIN A. L., Vidal de la Blache. Un génie de la géographie, Paris, Belin, 1993

VIDAL DE LA BLACHE P., Le Tableau de la géographie de la France, Paris, Hachette, 1903

VIGNAUX P., « Nominalisme », Encyclopaedia Universalis, vol. 13, 1985, p. 87-89

VOLVEY A., CALBÉRAC Y., Houssay-Holschuch, M., « Introduction générale", in Terrains de Je, Annales de Géographies, vol. 120, n° 687-688, sept.-déc., 2012, p. 441-461

WINCHESTER S., The Map that changed the World, Londres, Viking, 2001.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Antonio Teixeira Guerra em campo
Crédits Fonte:« Antonio Teixeira Guerra », Confins 16, 2012, http://confins.revues.org/7912
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12414/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Titre Figura n° 2: Grupo de estudantes de Rennes 2 e da l’USP em campo durante “O ano da França no Brasil”, iniciativa dos ministérios da Cultura de ambos países.
Crédits Foto Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12414/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 268k
Titre Figura n° 3: Entrevista em campo com um fazendeiro de Goiás
Crédits Foto Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12414/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
Titre Figura n° 4: Observação do terreno em São João da Balisa
Crédits Foto Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12414/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre Figura n° 5: Observação em campo e no mapa em Presidente Prudente
Crédits Foto Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12414/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 161k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Paul Claval, « O papel do trabalho de campo na geografia, das epistemologias da curiosidade às do desejo », Confins [En ligne], 17 | 2013, mis en ligne le 22 octobre 2017, consulté le 21 février 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12414 ; DOI : 10.4000/confins.12414

Haut de page

Auteur

Paul Claval

Université de Paris-Sorbonne, p.claval@wanadoo.fr

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals