Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

Modelos do Maranhão

Modèles du Maranhão
Models of Maranhão
Ronaldo Barros Sodré et José Sampaio de Mattos Júnior

Entrées d’index

Index géographique :

Maranhão
Haut de page

Texte intégral

1A funcionalidade dos modelos gráficos está, sobretudo, na facilidade de transmissão de informações por meio da abstração, ainda que se considere o seu reducionismo e a sua provisoriedade. A elaboração de um modelo leva em consideração as intencionalidades do autor, portanto, representa um olhar sobre determinado objeto.

2O Maranhão apresenta-se como um tecido complexo e dinâmico, resultado de territorialidades constituídas no tempo e no espaço, hoje expressas em um quadro físico e socioeconômico em transformação. A proposta de uma modelização para o estado do Maranhão busca apresentar em dez estruturas elementares um amalgama de aspectos ambientais e sociais que convergem na síntese de relações que se plasmam no território. Para chegarmos ao modelo teórico, partimos da estrela invertida que lembra a forma geométrica do estado.

3Sobre os biomas inserimos alguns elementos de composição das regiões ecológicas. Do sul ao norte, dos planaltos em direção as planícies litorâneas, um mar de rios acompanha a queda da altimetria e corta os vales úmidos que desaguam sobre dois litorais com distintas feições. Com um misto de características geográficas das macrorregiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o Estado possui modestas condições fitogeográficas, edafoclimáticas e uma rica rede hidrográfica, que contribuiu, em um primeiro momento para a formação territorial e econômica maranhense.

4O advento de uma malha viária, permitiu um maior fluxo migratório e a integração do território a partir da articulação de múltiplos espaços, contribuindo para formação de um conjunto de ilhas que agregam centralidades, como é o caso de Imperatriz (a partir da Belém-Brasília, BR-010) e Timon (a partir da BR-316). São Luís, destaque maior na hierarquia das regiões centrais, é o principal ponto de atração da grande ilha e do Estado.

5A frente pioneira aponta para a incorporação de novas áreas na região mais ocidental do estado e para uma consequente transformação espacial. Na região sul a partir da década de 1980 e na região leste a partir da década de 1990, verificou-se a inserção de um modelo de agricultura baseado nas relações capitalistas sobre a propriedade privada da terra que se expande sobre a forma de uma frente pioneira. Pautada no modelo agroexportador, o dinamismo das regiões é baseado em um modelo de desenvolvimento econômico que contrasta com a agricultura camponesa.

6O Maranhão Agrário é a confluência de onze estruturas elementares que consideramos indispensáveis para compreensão da questão agrária no Maranhão. O caso maranhense se apresenta ímpar na questão agrária brasileira, além de comportar uma série de elementos comuns a outros estados, possui singularidades que muito se deve a sua diversidade social, espacial e da ação dos mecanismos estatais e de suas supra estruturas na incorporação de territórios.

7As relações e correlações de forças no campo resultam em um acentuado grau de desigualdades que se transfigura nas péssimas condições de vida da maioria da população, processos históricos que continuam sendo retroalimentados. A exemplo, temos a Amazônia e os Cerrados maranhenses, que em menos de cinquenta anos foram ocupados por projetos desenvolvimentistas que buscam, acima de tudo, o crescimento econômico com base na ocupação territorial.

8Projetos e Leis como a Lei Sarney de Terras, o Programa Grande Carajás (PGC) o Programa Nipo-Brasileiro para o Desenvolvimento do Cerrado (PRODECER) e mais recente, o MATOPIBA, exemplificam as estreitas relações que o desenvolvimentismo guarda com o aparelho estatal. O agronegócio como a face mais “moderna” do desenvolvimento no campo, tem sido responsável pela destruição de ecossistemas, pelo aumento da concentração fundiária, diminuição dos recursos naturais e da produção de alimentos, tem tornado as paisagens cada vez mais homogêneas e antropizadas, assim como aumentado os conflitos agrários e a violência no campo.

9Os primeiros anos do século XXI no Maranhão tem sido marcados pelo aumento, concentração e intensificação da violência no campo. Os conflitos envolvem uma grande quantidade famílias, principalmente no leste do Estado, onde a fronteira agrícola se expande com em maior intensidade. A impunidade, somada a inexistência de políticas de mediação, prevenção e combate de conflitos e da violência, aumenta mais a vulnerabilidade das famílias camponesas na disputa por territórios.

10No estado com a maior população rural do Brasil – proporcionalmente a população total – um modelo teórico como o Maranhão Agrário, permite compreender parte da complexidade das dinâmicas territoriais que estão postas, mas nem sempre vistas.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ronaldo Barros Sodré et José Sampaio de Mattos Júnior, « Modelos do Maranhão », Confins [En ligne], 33 | 2017, mis en ligne le 22 décembre 2017, consulté le 23 janvier 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12588 ; DOI : 10.4000/confins.12588

Haut de page

Auteurs

Ronaldo Barros Sodré

Mestre em Geografia, Universidade Estadual do Maranhão, ronaldo-sodr@hotmail.com

José Sampaio de Mattos Júnior

Doutor em Geografia, Universidade Estadual do Maranhão, sampaio.uema@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals