Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

Quarenta anos de expansão da soja no Brasil, 1975-2015

Quarante ans d'expansion du soja au Brésil, 1975-2015
Forty years of soybean expansion in Brazil, 1975-2015
Márcio Texugo Knorr

Texte intégral

1A produção de soja começou no Brasil nos anos 1070, há um pouco mais de quarenta anos, mas o volume e a localização da sua produção são hoje bem diferentes. Começando de zero, o Brasil passou a ser um dos primeiros produtores e exportadores mundiais de grãos, farelo e óleo de soja, ultrapassado apenas pelos Estados Unidos e em concorrência com a Argentina. O cultivo desta planta de origem asiática começou no Sul, mas migrou nas décadas seguintes para o Mato Grosso, depois para o Oeste da Bahia, o Maranhão, o Piauí e mais recentemente o Pará. O Mato Grosso continua, porém, o centro de gravidade deste complexo que inclui também a cultura do milho, do algodão e confinamentos de gado que usam os grãos como alimento dos animais.

2Este deslocamento de centenas de quilômetros exemplifica bem a mobilidade do mapa agrícola do Brasil, perpetuamente retocado em função das demandas dos mercados mundiais. Ele tem originado, porém, posições antagônicas na sociedade, provocando tensões entre grandes produtores e ambientalistas, em decorrência dos problemas ambientais causados quando a produção adentrou os ecossistemas florestais amazônicos, convertendo direta ou indiretamente regiões de florestas em áreas agrícolas, enquanto o aumento do uso de agrotóxicos causa doenças na população local.

3Três figuras que usam os dados da PAM- Produção Agrícola Municipal do IBGE (agregados na escala das microrregiões) ajudam a perceber a amplitude e os ritmos desta expansão. As duas primeiras relacionam o volume de produção por microrregião no fim da década (em toneladas e círculos proporcionais) e a sua evolução, numa escala que vai de -1 (desaparecimento total da produção inicial) até 1 (aparecimento em regiões que não produziam), o decréscimo sendo indicado por duas nuances de azul e o aumento por uma progressão de cores quentes, amarelo, laranja e vermelho.

Figura 1 Quatro décadas de marcha da soja, 1975-2015

Figura 1 Quatro décadas de marcha da soja, 1975-2015

4A figura 2 se concentra na evolução da produção entre 2000 e 2015, ela mostra um recuo em algumas zonas como o Oeste do Paraná, Minas Gerais e o Mato Grosso do Sul (onde se desenvolveram mais as produções de café e cana de açúcar) mas principalmente uma enorme expansão para o Norte, Mato Grosso, Bahia, Piauí e Maranhão, ainda mais nítida (círculos pequenos, mas quase todos vermelhos) no extremo Sul e nas franjas pioneiras mais setentrionais (Rondônia, Pará, Amapá e Roraima).

Figura 2 Variação 2000-2015

Figura 2 Variação 2000-2015

5A figura 3 usa a regressão técnica dos resíduos de regressão linear para detectar os lugares que se diferenciam, para mais ou para menos, da tendência geral da correlação entre a produção em 2000 e em 2015. Ela reforça o contraste entre as poucas áreas onde teve uma pequena regressão da produção (em azul) e aquelas onde ela aumentou maciçamente (em vermelho).

Figura 3 Regressão linear 2000-2015

Figura 3 Regressão linear 2000-2015

6A qualidade dos dados do IBGE e a sua disponibilidade numa escala fina permite, portanto, uma observação detalhada de um deslocamento que alterou profundamente a repartição da produção do que é hoje a principal commodity brasileira, e a geografia de regiões inteiras do Centro-Oeste e do Nordeste. Ali a chegada da soja provocou a ocupação de áreas até então pouquíssimo povoadas, a fundação e o crescimento de cidades, um enriquecimento de uma parte da população (composta principalmente de forasteiros) que não ocorreu sem conflitos as vezes violentos já que este novo Middle West é também, em muitos aspectos, um Far West.

Haut de page

Bibliographie

Théry, Hervé, 1989, « La vague déferlante du soja », Mappemonde n° 89/1, p. 33

Bertrand, Jean-Pierre, Théry, Hervé et Waniez, Philippe, 1991, « Les Japonais et la mise en valeur des cerrados au Brésil : pour quelle maîtrise de l’espace et de l’approvisionnement alimentaire », Économie rurale n° 202-203, pp. 58-64

Théry, Hervé, 2004, « La vague déferlante du soja brésilien », M@ppemonde, nº 74 (2-2004), http://mappemonde.mgm.fr/num2/articles

Bertrand, Jean-Pierre e Théry, Hervé, 2006, « Le marché mondial et l’expansion du complexe soja dans les cerrados du Mato Grosso », in Jérôme Lombard, Évelyne Mesclier et Sébastien Velut (éditeurs scientifiques), La mondialisation côté Sud, acteurs et territoires, IRD Éditions et Éditions Rue d’Ulm, pp. 45-65.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Quatro décadas de marcha da soja, 1975-2015
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12592/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 3,9M
Titre Figura 2 Variação 2000-2015
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12592/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Titre Figura 3 Regressão linear 2000-2015
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12592/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 1,1M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Márcio Texugo Knorr, « Quarenta anos de expansão da soja no Brasil, 1975-2015 », Confins [En ligne], 33 | 2017, mis en ligne le 22 décembre 2017, consulté le 21 janvier 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12592 ; DOI : 10.4000/confins.12592

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals