Navigation – Plan du site
Dossiê Paraná em suas diversas escalas

Paraná em suas diversas escalas

Paraná à ses diverses échelles
Paraná in its diverse scales
Omar Neto Fernandes Barros

Texte intégral

1É com enorme satisfação que apresentamos o 2º dossiê sobre o Estado do Paraná na revista. Podemos qualificar enorme em dois sentidos. Primeiro porque a satisfação é realmente muito grande; segundo porque estaremos contemplando nesse modo de publicação, somados os dois dossiês, 14 artigos. Conforme já nos ensinou Corrêa (“Diferenciação Sócio-Espacial, Escala e Práticas Espaciais”. Cidades, v.4, n. 6, 2007, p. 61-72.), a escala é uma questão central em um estudo geográfico e, é uma construção social com três acepções: a de dimensão, a cartográfica e a conceitual. Em suas palavras:

[...] a de dimensão, a exemplo de economias internas ou externas de escala; a cartográfica, que se traduz na relação entre objeto sua representação em cartas e mapas; e a conceitual, associada à idéia de que objetos e ações são conceitualizados em uma dada escala na qual processos e configurações se tornam específicos e têm a sua própria escala de representação cartográfica. (CORRÊA, 2007, p. 63).

2Se no primeiro dossiê foi respeitada o princípio da publicação de artigos que tratassem o Estado como um todo, em suas divisões regionais e municipais, nesse segundo abriu-se a possibilidade de abordar, além da escala estadual; aspectos de sua diversidade intra-estadual e até mesmo da particularização de municípios. Quatro artigos continuam abordando a escala estadual, e, quatro outros abordam regiões e municípios.

3Como no primeiro dossiê foi dada total liberdade aos autores na elaboração cartográfica de seus temas, assim como, nas abordagens conceituais da Geografia. O encadeamento dos artigos embora tenha buscado uma apresentação lógica, não apresenta nenhuma preferência temática e/ou importância deliberada por parte dos autores ou da Confins. Quatro artigos foram o resultado de contribuições espontâneas e, agradecemos imensamente o esforço dos colegas em estudar o Paraná.

4Ainda retomando nossa visão do 1º dossiê, os estudos dos casos aqui discutidos, nos relembram que a Geografia é apresentada como ciência que integra dimensões humanas e físicas de forma imbricada, não havendo separação entre uma ou outra abordagem, uma vez que se compreende a Ciência Geográfica enquanto campo epistemológico e metodológico produzido na interface entre ambas.

  • O primeiro artigo de Luci Nychai e Felipe Polzin Druciak trabalhando com as variáveis ICMS e IPM objetivou analisar de forma comparativa a repartição da cota parte da parcela de 25% do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação, frente à condição do Município pertencer ou não ao território rural. O Paraná é o Estado que mais incorporou parâmetros rurais na composição do Índice de Participação do Município, resultando que os municípios paranaenses inseridos no território rural tiveram um ganho relativo quanto ao recebimento da receita da cota parte da parcela de 25% do ICMS em função da inserção dos parâmetros rurais na composição do Índice de Participação do Município (IPM).

  • O artigo seguinte, de autoria Thamy Gioia, Mirian Vizintim Fernandes Barros, Omar Neto Fernandes Barros, do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Londrina; propõem analisar a vulnerabilidade de saúde nos municípios do Estado do Paraná, a partir de variáveis de saneamento básico e socioeconômicas. Utilizando-se das ocorrências de doenças [Cólera, Diarreia e Gastroenterite (total e população até 5 anos) e Dengue] avaliam o poder preditivo do Índice de Vulnerabilidade da Saúde-IVS. Os resultados obtidos revelam fato importante: que a utilização direta de metodologias inicialmente proposta para escalas diferentes, devem ser aplicadas em estudos geográficos e cartográficos distintos, mas, deve ser feito com prudência. O IVS inicialmente calculado e adotando para a escala dos setores censitários do IBGE, com área e densidade demográfica mais homogêneas que os municípios do Paraná, não pode ser diretamente aplicado na escala municipal.

  • O tema “Dinâmicas contemporâneas da agropecuária no Paraná: Espacialização e dinâmicas contemporâneas da agropecuária paranaense”, foi abordado por Cecília Hauresko (Departamento de Geografia da UNICENTRO/Guarapuava) e Hervé Théry (PPGH-Degeo e GPP-EACH/USP). Com uma abordagem da forma capitalista de produzir na agropecuária, o artigo busca compreender as particularidades da agricultura familiar e agricultura patronal nas regiões várias do Estado. A utilização da dados da Produção Agrícola e Pecuária Municipal dos anos de 2014 e 2015, do Censo Agropecuário de 2006, geraram cartogramas que permitiram demostrar que é inegável que o território está dividido por regiões e lugares que se especializam, com predominância de commodities. Por outro lado, em outras resiste com as técnicas tradicionais na produção de alimentos

  • Os desastres naturais fazem partes dos temas mais abordados na atualidade. Marcelo Gonsalves e Mirian Vizintim Fernandes Barros do Programa de Pós-Graduação em Geografia, do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Londrina, abordam essas questões enfocando particularmente os alagamentos, inundações, enxurradas e deslizamentos. Com a aplicação do conceito GTP; foram levados em consideração os componentes do Geossistema: geologia; relevo; solos; clima; hidrografia. Já os componentes do território estão expressos no Índice de Vulnerabilidade Social, grau de urbanização, densidade populacional e análise de redes de transporte e comunicação. Os componentes da paisagem foram materializados em patrimônio histórico, documental, natural, arqueológico e diferentes comunidades tradicionais. Por fim, cada componente do GTP forneceu elementos capazes de expressar os fenômenos presentes na análise do espaço, gerando subsídios para o entendimento do risco de ocorrência de desastres naturais no Estado do Paraná.

  • A contribuição para o dossiê feita pelos colegas da Universidade Estadual de Maringá, veio pelo trabalho dos professores Edison Fortes e Susana Volkmer. Utilizando o princípio de geossistema os autores evidenciam as diferenças de paisagens nos municípios de Faxinal e Mauá da Serra; sem esquecer de enfocar as diferentes possibilidades de uso e utilização. A localização dos dois municípios em um contexto limítrofe de planaltos impõe um quadro geodiverso, valorizado no estudo. Demonstram dessa maneira que a Geografia é uma ciência que integra dimensões humanas e físicas de forma imbricada, conforme assinalamos a pouco.

  • Questões relacionadas as doenças (diarreia aguda) foram abordadas por colegas da Universidade Federal do Paraná, na escala dos bairros de Curitiba. Mais uma vez, o escopo integrador dos estudos geográficos, evidenciou a influência da sazonalidade climática, riscos e vulnerabilidades socioambientais na segregação espacial na distribuição dos casos. O estudo sobre Curitiba e, também sobre o Paraná, utilizando-se de índices (Vulnerabilidade Socioambiental e Índice de Vulnerabilidade da Saúde) demonstram o quanto os levantamentos do IBGE, como o Censo Demográfico de 2010, tem sido importantes e úteis para os trabalhos com Geografia da Saúde. A análise apresentada colocou em evidencia uma abordagem da doença na perspectiva da multicausalidade, evidenciando que uma dada população responde a inúmeros fatores condicionantes.

  • Belos mapas são apresentados por Ricardo Monteiro e André Nagy em seu estudo sobre o Litoral Paranaense (demografia, acesso à universidade, densidade populacional, razão de sexo e temas gerais). Iniciar essa apresentação com as palavras sempre odiadas pelos geógrafos (belos mapas) é sim uma provocação, sobretudo quando um não geógrafo de formação, apresenta um trabalho tão bem estruturado utilizando a cartográfica como método auxiliar de análise. A adoção de dados dos censos do IBGE, desde os primórdios de 1872, até recentemente, demostram a preocupação de integrar Geografia e História como ciências irmãs; não esquecendo também das questões sobre representação política e planejamento regional.

  • O Oeste do Paraná, região de grande importância agrícola é apresentada pela ótica do uso do território pelas cooperativas agroindustriais. Uma grande região do agronegócio e especializadas na produção de soja, milho e proteína animal. Esses aspectos já tinham sido parcialmente demonstrados no trabalho “Espacialização e dinâmicas contemporâneas da agropecuária paranaense”. A modernização agrícola no território oeste paranaense é acompanhada de elevado grau de urbanização e, da constituição de pequenas cidades do agronegócio onde estão localizadas parcelas dos comandos técnico e político da produção, bem como os comércios e os serviços demandados pela produção e pelas populações. A maneira imbricada como são dadas as questões de Geográfia Agrária e Urbana na atualidade demonstram a multicausalidade e, interdisciplinaridade dos temas geográficos.

5Não podemos terminar essa apresentação sem indicar a recente publicação de um importante estudo do IPARDES (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social – www.ipardes.gov.br), sobre “Os Vários Paranás: as espacialidade socioeconômico-institucionais no período 203-2015” (http://www.ipardes.pr.gov.br /index.php?pg_conteudo=1&cod_conteudo=94).

A publicação constitui uma atualização de leitura regional do Estado do Paraná após uma década desde a primeira versão do estudo “Os Vários Paranás”. Retomando a discussão presente no estudo original e busca um retrato recente das espacialidades paranaenses. Além da atualização dos indicadores econômicos, sociais e institucionais de todos os municípios do estado, o relatório incorpora a dimensão ambiental. Em separado, disponibilizam-se os mapas e tabelas de indicadores contemplados no estudo (IPARDES,2017).

6Também relembramos aos interessados nos estudos sobre o Estado do Paraná que, em 2016 foi publicado na Revista Confins no 27 o primeiro dossiê “Paraná: olhares sobre as regionalizações, com seis artigos abordando diversos temas.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Omar Neto Fernandes Barros, « Paraná em suas diversas escalas », Confins [En ligne], 33 | 2017, mis en ligne le 27 décembre 2017, consulté le 15 janvier 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12609

Haut de page

Auteur

Omar Neto Fernandes Barros

Prof. Aposentado do Departamento de Geografia da UEL, onbarros@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals