Navigation – Plan du site
Dossiê Paraná em suas diversas escalas

Espacialização e dinâmicas contemporâneas da agropecuária paranaense

Spatialisation et dynamiques contemporaines de l’agriculture du Paraná
Spatialization and contemporary dynamics in Paraná's agriculture
Cecília Hauresko et Hervé Théry

Résumés

La révolution technologique favorise l'intensification de la forme de production capitaliste dans l'agriculture et promeut une véritable restructuration dans le secteur. De nouveaux espaces agricoles peuvent être intégrés dans la production et la consommation mondialisées, d'autres restent dans le système traditionnel. Dans ce contexte, ce travail vise à comprendre les particularités de l'agriculture familiale et agronomie d’employeurs au Paraná, mettant en évidence ces différents modèles dans la production agricole et bovine des différentes régions de l'État. Pour ce faire, grâce à la systématisation de la base de données de l’IBGE (l'Institut brésilien de géographie et de statistique) - Production agricole et élevage municipal pour les années 2014 et 2015 et le Recensement agricole de 2006 des cartogrammes sur le sujet identifient l'organisation territoriale de l'agriculture au Paraná. Les résultats montrent qu'il est indéniable que le territoire est divisé en régions et des lieux qui se spécialisent, soutenus par la science, la technologie et l'information (avec une prédominance des commodities), alors que d'autres résistent, avec des techniques de production traditionnelles, pour la production alimentaire. Cette inégalité produit un scénario agricole contradictoire concernant l'utilisation et la propriété foncières.

Haut de page

Texte intégral

Afficher l’image
Crédits : Hervé Théry 2006

1A revolução tecnológica vem propiciando à intensificação da forma capitalista de produzir na agropecuária e promovendo verdadeira reestruturação produtiva no setor, fortemente influenciada e inserida no processo de mundialização do capital. Esse processo envolve modelos de produção e consumo bastante verticalizados e hegemonizados, apoiados no uso da técnica e voltados para a acumulação, apesar da coexistência de outros agentes, objetos e ações que fogem a essa lógica, por manter relações sociais e de produção com base em agroecossistemas.

2De um lado, estamos diante da agricultura globalizada, sustentada no ideário da velocidade e da competitividade, motivada pelas trocas internacionais de mercadorias e na geração da mais-valia universal (SANTOS, 2003). E, de outro lado, nos deparamos com agrupamentos familiares que não acompanham essa modernização e permanecem praticando a agricultura e pecuária nos moldes relativamente tradicionais.

3A produção agrícola que acompanha o processo de urbanização e industrialização para manter os rendimentos esperados, precisa elevar constantemente a sua produtividade via adoção de novas tecnologias que demandam grandes somas de investimentos, com isso, somente alguns proprietários são verdadeiramente beneficiados pelas inovações introduzidas nos métodos de cultivo Ramos (2001), o que também é responsável pelo aumento da concentração de terras.

4Desse modo, a geografia dos vários produtos que compõem a agricultura e a pecuária vem seguindo, cada vez mais, uma dinâmica espacial que tem como motor o comércio mundial de commodities, com vistas a ampliar sua produtividade e circulação. Enquanto isso, o espaço agrário tradicional passa por um intenso processo de transformação, perdendo a autonomia relativa que possuía e se integrando mais intensamente às esferas econômica, social e cultural de uma sociedade e de um território em crescente articulação global.

5É nesse contexto que apresenta-se a discussão deste artigo que, por meio de um panorama espacial da produção agropecuária no Paraná, tem como objetivo compreender as particularidades da agricultura familiar e patronal, bem como sua organização territorial.

6Para isso, elaborou-se cartogramas da produção Agrícola Municipal, disponibilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dos anos de 2014 e 2015 e do Censo Agropecuário de 2006, os quais foram interpretados com base nesta espacialização e na literatura sobre o tema. O texto está dividido em três partes. Na primeira, contextualizam-se as características distintivas entre a agricultura familiar e patronal e problematiza-se o processo de modernização e industrialização no campo, na segunda, apresenta-se uma regionalização da produção agrícola temporária e permanente e, na terceira, uma regionalização da produção pecuária no Paraná.

Características distintivas da agricultura familiar e patronal

7Historicamente no Brasil Colônia, Império ou República, coexistiam grandes e pequenos estabelecimentos agropecuários, numa diferenciação dual: monocultura e policultura, agricultura de exportação e de abastecimento do mercado interno, agricultura patronal e agricultura familiar (GUIMARÃES, 1963; GRAZIANO DA SILVA, 1978).

8Até a metade da década de 1980 e inicio da década de 1990, o debate acerca da agricultura brasileira manifestava a contradição entre agricultor tradicional e moderno, entre produção de subsistência e para o mercado, entre pequeno produtor/pequena produção e grande produtor/grande produção.

9O uso de adjetivos como tradicional, pequeno e de subsistência aos proprietários de terra [de pequenas propriedades], posseiros ou agregados era usado de forma pejorativa e contribuía para a negação da importância da função desempenhada por esses sujeitos e sua produção.

10Essa invisibilidade social e política da agricultura de base familiar foi destacada por Queiroz (1963), afirmando que esses agricultores viviam em situações de extrema precariedade. Wanderley (1996, p. 09) compartilhando das observações da autora e reforça que a agricultura de base familiar não encontrava outras formas a não ser de:

[...] submeter-se à grande propriedade ou isolar-se em áreas mais distantes; depender exclusivamente dos insuficientes resultados do trabalho no sítio ou completar a renda, trabalhando no eito de propriedades alheias; migrar temporária ou definitivamente. São igualmente fonte de precariedade: a instabilidade gerada pela alternância entre anos bons e secos no sertão nordestino; os efeitos do esgotamento do solo nas colônias do Sul.

11Ao longo do século XX foram se constituindo organizações de representação política autônomas dos grupos subalternos no campo, como as ligas camponesas, o sindicalismo de trabalhadores rurais, o movimento dos agricultores sem terra, os sindicatos e cooperativas de colonos no Sul, entre outras formas de organização política que reivindicavam pautas específicas para esses segmentos sociais (MEDEIROS, 1989, 2001). Paralelamente, estudos acadêmicos, de organizações internacionais e do próprio Estado, contribuíram para a elaboração do conceito de agricultura familiar para caracterizar o segmento cuja mão de obra é de base familiar e realizada em pequenas propriedades.

12Embora não seja consenso entre os movimentos sociais, a partir de 1990 esse conceito tem sido apropriado por parte dos estudiosos do tema e pelo Estado na apresentação de políticas públicas, a exemplo do documento “Novo Retrato da Agricultura Familiar: o Brasil Redescoberto” (GUANZIROLI, 2000), o qual reconheceu a importância e diversidade social, econômica e técnico-produtiva da agricultura brasileira, com destaque ao universo familiar.

13Outro documento importante foi o Censo Agropecuário 2006 (IBGE) que permitiu um olhar de conjunto sobre as características da agricultura e da população rural envolvida no setor agropecuário e, utilizando-se de critérios definidos pela Lei 11.326/2006 da Agricultura Familiar (de 24 de julho de 2006), classificou a agricultura brasileira em dois tipos: a familiar e a patronal (quadro 01).

Quadro 1 – Principais características da agricultura familiar e patronal

Agricultura Familiar

Agricultura Patronal

Trabalho e Gestão relacionados

Separação completa entre gestão e trabalho

Direção da produção realizada pela própria família

Organização centralizada

Ênfase na diversificação

Ênfase na especialização

Trabalho assalariado eventual e complementar

Trabalho assalariado regular e predominante

Ênfase na utilização e aproveitamento de insumos internos

Forte dependência de insumos externos

Fonte: FAO/INCRA, 1995. Adaptação dos autores, 2017.

14A distinção também se deve com relação ao uso de tecnologia, ao financiamento, ao acesso aos mercados, à assistência técnica e extensão rural, além da disponibilidade e uso de mão de obra etc.

15Conforme Fleischfresser (1988), no Brasil, a modernização na agricultura processou-se, principalmente a partir de 1960, e, no Paraná, a partir da década de 1970. A partir de então, os Complexos Agroindustriais (MÜLLER, 1982), passaram fornecer insumos, implementos e/ou processar a produção, incentivando o aumento da demanda por produtos agropecuários que, segundo o IPARDES (1983), passaram a fazer parte do novo padrão, baseado no uso de tecnologias modernas e na produção em grandes dimensões, voltadas, sobretudo para o mercado internacional. Enquanto isso, a agricultura familiar manteve a liderança na produção de alimentos (arroz, feijão, mandioca etc) para autoconsumo, mas também voltada para o mercado (GUANZIROLI et al, 2012).

16Dos 371.051 estabelecimentos existentes no Paraná, 302.907 são caracterizados como sendo da agricultura familiar, correspondendo a 81,6% dos estabelecimentos agropecuários e 68.144 estabelecimentos da agricultura patronal, representando 18,4% Em todas as regiões paranaenses as menores faixas de terras que caracterizam a agricultura familiar, são preponderantes, revelando a importância social desse segmento no estado(COMCAM, 2012).

Figura 1 – Área e porcentagem dos estabelecimentos com menos de 20 e mais de 100 hectares.

Figura 1 – Área e porcentagem dos estabelecimentos com menos de 20 e mais de 100 hectares.

17Esse processo de industrialização agrícola, não significa a homogeneização das formas de produzir e nem a integração inter-setorial completa em todos os tipos de atividades. A agricultura tradicional também se mantem, configurada nas práticas dos povos indígenas, quilombolas, ciganos, pescadores artesanais, extrativistas, caiçaras, faxinalenses, ilhéus, cipozeiros, caboclos entre outros (BRASIL, Decreto 8.750/2016), os quais constituem-se como referências para as atuais práticas agrícolas no manejo de agroecossistemas.

Regionalização da produção agrícola temporária e permanente no Paraná

18O Paraná, juntamente com os demais estados da região Sul, detém uma das mais altas produtividades agropecuárias do país, em comparação com as demais regiões do Brasil (FELEMA et al., 2013), respondendo por 26% do PIB agropecuário nacional (IPEADATA, 2016).

19Os produtos que têm representatividade no cenário estadual (Mapa 2) podem ser agrupados em: a) Frutas: Laranja, Banana, Uva b) grãos: Soja, milho, arroz, feijão, trigo, c) Produtos animais: bovinos, suínos, leite, ovos de codorna e de galinha e galináceos (galos, galinhas, frangos e pintos). d) outros produtos: café, cana-de-açúcar, fumo, mandioca (IBGE, 2014 e 2015).

Figura 2 – Principais produções agrícolas e os valores de produção em 2015.

Figura 2 – Principais produções agrícolas e os valores de produção em 2015.

20Alguns deles, conforme se observa no mapa 3, apresentam a distribuição e a concentração da sua produção numa determinada região, a exemplo do café, da banana, da mandioca, do fumo, do arroz e do feijão.

21A concentração do café e da banana revela aptidões edafoclimáticas. O Paraná possui cerca de 106 mil ha, dedicados ao cultivo do café, porém produzido com outro método, a introdução do café adensado. Neste método, segundo Priori (2012), diminuem-se o espaço e o tamanho dos pés de café. Este café foi desenvolvido para as pequenas propriedades, entendendo que o aumento da quantidade de pés de café por hectare impede a entrada de tratores e colheitadeiras nas áreas, favorecendo a contratação de mão de obra assalariada. O Paraná tem aproximadamente 13.000 produtores de café, dentre os quais, 64% são da agricultura familiar. No estado, a cafeicultura gera em torno de 70.000 empregos diretos e 210.000 empregos indiretos (PRIORI, 2012).

22A Banana é responsável por 13,1% do volume total da fruticultura, na safra 2016/2017 foi produzida 222,1 mil toneladas em uma área plantada de 9,0 mil hectares(SEAB/DERAL, 2017).Enquanto o cultivo do fumo e da mandioca concentra-se em regiões de predominância da mão de obra familiar, pois necessita de mão-de-obra braçal, no caso do fumo para a realização do replantio de mudas, coleta das folhas e, no caso da mandioca para o arranquio das raízes, entre outras etapas do processo de produção.

23Os municípios que se destacam na produção de arroz, são os da região do baixo Ivaí (Figura 2) que abrange os municípios do noroeste de Querência do Norte, Santa Mônica, Santa Cruz de Monte Castelo e Santa Isabel do Ivaí, Planaltina do Paraná e Amaporã. Esses são responsáveis pela produção de 30% de todo arroz consumido no Paraná. Por ser uma cultura exigente de água, 2/3 da produção paranaense de arroz se concentra, no eixo formado por esses seis municípios que estão às margens dos rios Ivaí e Paraná. A região apresenta áreas baixas, de várzeas, fundamentais ao cultivo do arroz (FAEP, 2011).

24A cultura do feijão está na quarta posição em relação à produção agrícola no estado, ela está concentrada nas mesorregiões Sudoeste, Centro-Sul, Centro Oriental e Sudeste. Os principais municípios produtores, conforme figura 2, são Prudentópolis, Irati, Castro, Tibagi, Candido de Abreu, Reserva, Ivai, Vitorino, Pato Branco, Bom Sucesso do Sul, Palmeira, Cruz Machado, Itapejara d’Oeste, Renascença, Lapa e Campo Largo (SEAB/DERAL 2015).

25Outros produtos destacam-se pela distribuição da produção por praticamente todas as regiões do estado, a exemplo da soja e do milho (Figura 2). Outro aspecto diz respeito à concentração da produção que, no caso da soja, destaca-se em algumas regiões (mapa 2), sobretudo na centro ocidental, sudoeste e centro-oriental.

Figura 3 – Distribuição espacial e produção da soja no Paraná

Figura 3 – Distribuição espacial e produção da soja no Paraná
  • 1 Com o crescimento da produção nas novas fronteiras agrícolas, dispostas no cerrado, interior do paí (...)

26Conforme se observa na figura 3, a maior área de cultivo está localizada no Núcleo Regional (N.R) de Campo Mourão. O Município produz cerca de, 665 mil hectares, seguida do N.R. de Cascavel com 557 mil hectares e do N.R. de Ponta Grossa com cerca de 531 mil hectares. Na safra 2015/16 foram cultivados no estado cerca de 33,25 milhões de hectares, sendo o primeiro e maior produtor o município de Tibagi, com cerca de 414 mil toneladas, o segundo o município de Cascavel com cerca de 391 mil toneladas e o terceiro, o município de Castro com quase 276 mil toneladas. Tibagi Cascavel, Castro, Toledo, Ponta Grossa, Guarapuava, Assis Chateaubriand, Ubiratã, Mamborê Campo Mourão formam o conjunto de municípios maiores produtores de soja do Paraná1. As exportações paranaenses de soja em grão chegaram a 7,49 milhões de toneladas entre janeiro a setembro de 2016, tendo como destino das exportações, cerca de 90% do total exportado foi para a China, cerca de 2% para a Tailândia e o Taiwan respectivamente, cerca de 1% para o Paquistão e a Espanha. Para os demais países foram destinados cerca de 4% do total comercializado SEAB /DERAL (2017).

27Em relação a produção de milho, o Paraná é o segundo maior exportador, com 12,9%, mantendo um volume anual superior a três milhões de toneladas, antecedido pelo estado do Mato Grosso. No ano de 2015 o Paraná exportou de 3,6 milhões de toneladas de milho. As exportações paranaenses tiveram como principal destino em 2015 o Vietnã, que comprou do Paraná 20% de todas as vendas externas de milho do Paraná. Os outros principais destinos das exportações paranaenses são o Japão com 15,1% e em terceiro vem o Egito com 10,2% (SEAB/DERAL, 2017). O consumo de milho dentro do Estado está voltado principalmente como complemento às atividades da avicultura e suinocultura, que absorvem cerca de 40% do volume produzido. Essa cultura também atende às indústrias processadoras de alimentos, além de ter parte de sua produção consumida dentro das propriedades dos agricultores (ALVES; ANELI, 2013). Conforme pode ser observado na figura 2, a distribuição espacial do milho se sobrepõe a da soja. Isso se deve aos 2 períodos de ocorrência do plantio de milho, durante o ano. A safra normal, que era plantada geralmente entre agosto e setembro, está perdendo espaço para o cultivo da soja, permanecendo o cultivo do milho safrinha com maior dinamismo, com plantio entre fevereiro e março.

28Com relação às culturas permanentes com maior produção no Paraná, estão a laranja e a erva-mate e a uva (Figura 4).

Figura 4 – Distribuição de algumas das principais lavouras permanentes

Figura 4 – Distribuição de algumas das principais lavouras permanentes

29A Laranja, com 54,5%, é o cítrico mais produzido em relação ao volume total. Conforme figura 4, os municípios de Paranavaí, Maringá e Londrina são os principais produtores de laranja. No ano de 2015 colheu-se 921,9 mil toneladas numa área de cultivo de 24,7 mil hectares. As Uvas (de mesa e para transformação agroindustrial) representaram 3,9% do volume, com os parreirais distribuídos em 4,3 mil hectares. As colheitas proporcionaram 66,4 mil toneladas de uvas. O Censo Agropecuário de 2006 mostra que, no Paraná existiam 2.604 propriedades rurais que possuíam mais de 50 pés de videiras plantadas para serem destinadas ao consumo como uva de mesa e 1.032 unidades com produção destinada a transformação da uva em suco ou vinho (SCHONS;RODRIGUES, 2013).

30Os municípios que se destacam na produção da uva de mesa e para produção do vinho, da região norte e noroeste do estado são: Marialva, Rolandia, Londrina, Maringá, Rosário do Ivai (figura 4). Na região metropolitana de Curitiba encontram-se as principais vinícolas em Campo Largo, Colombo e São José dos Pinhais. Nas mesorregiões centro-oriental, centro-sul, oeste, sudoeste e sudeste e destacam-se os municípios de Ponta GrossaPalmeiraAntônio Olinto, Rebouças, Guarapuava, Toledo, Norte Pioneiro, Rio NegroMalletUnião da VitóriaBituruna e General Carneiro.

31A erva-mate é o principal produto florestal não madeirável no estado do Paraná . Em temos de PEVS (Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura), em 2011 a extração dos ervais nativos foi de 229.681 toneladas de erva-mate cancheada e o Paraná participou com 73,8% desse resultado, transformando o estado no maior fornecedor de erva-mate de ervais nativos do país. A origem da matéria-prima é responsável pelo sabor do produto final, o que faz a produção do Paraná ser demandada para outros estados para a composição do chimarrão. Com base no Mapa 5, evidencia-se a presença da produção de erva-mate em um numero significativo de municípios do Estado, com concentração nas mesorregiões centro oriental, sudeste, centro-sul e sudoeste, sendo que os maiores produtores são os seguintes Núcleos Regionais: União da Vitória, Irati, Guarapuava, Ponta Grossa e Pato Branco, os quais respondem por 89% do VBP da erva-mate no Paraná. Os municípios que se destacaram na produção da erva-mate no ano de 2012 foram: Cruz Machado, São Mateus do Sul, Bituruna, Paula Freitas, General Carneiro, Inácio Martins, Prudentópolis. Juntos responderam por 60% da renda gerada pela cultura no Estado ( SEAB/DERAL, 2013).

Regionalização da produção pecuária no Paraná

32Em relação a pecuária no Paraná destaca-se a produção de leite, de ovos e carnes.

33Com base no levantamento do IBGE (2014), figura 5, os municípios paranaenses que ocupam a posição de maiores produtores (em escala nacional) de leite são Castro e Carambeí. As principais bacias leiteiras do Estado do Paraná estão nas regiões Oeste, Sudoeste e Centro-Oriental, nos Núcleos de Cascavel, Toledo, Francisco Beltrão, Pato Branco e Ponta Grossa. A região Oeste ainda é a maior produtora de leite em volume no Estado do Paraná seguida pela segunda colocada, a região Sudoeste a qual cresceu bastante em produtividade nos últimos anos. (IBGE 2014 apud SEAB/DERAL 2016).

Figura 5 – Distribuição espacial da produção leiteira e de ovos no estado.

Figura 5 – Distribuição espacial da produção leiteira e de ovos no estado.

34A atividade leiteira está presente, em todo o estado, é vista praticamente em todos os municípios, tem forte aspecto social, pois é desenvolvida em grande parte por mão-de-obra familiar e favorece a fixação do homem no campo, uma vez que gera uma renda mensal (DERAL, 2016).

35As regiões que se destacam na produção de ovos no Paraná (Figura 5) são: Sudoeste, Oeste, Norte Central, Noroeste e Metropolitana de Curitiba. Segundo o IBGE (2010), com relação a cotornicultura (criação de codornas para produção de ovos e abate), o Paraná é responsável por 4 % da produção nacional sendo que a região sudoeste do Paraná é responsável por 6,87 % da produção estadual da codorna. O ovo de codorna possui um alto valor de proteína minerais e vitaminas sendo muito indicado para o consumo. A coturnicultura de postura pode ser uma fonte alternativa de renda para o pequeno produtor, pois é uma atividade que envolve poucos custos iniciais e possui retorno rápido, uma vez que as aves iniciam a postura com 45 dias de idade. Quanto aos municípios com maior efetivo de codornas, destacam-se: Apucarana, Arapongas, Castro, Piraquara, e Santa Terezinha de Itaipu (SEAB/DERAL, 2012) e conforme se observa na figura 5.

Em relação à produção pecuária para o abate, destacam-se o gado bovino, suíno e aves (Figura 5).

Figura 5 – Mapa da bovinocultura, suinocultura e aves (cotornicultura e galináceos).

Figura 5 – Mapa da bovinocultura, suinocultura e aves (cotornicultura e galináceos).

36No Paraná, a produção de bovinos caracteriza-se pela diversidade, devido aos diferentes níveis de tecnologia empregada e à variação de raças criadas. A maior parte do rebanho de bovinos paranaense concentra-se no Noroeste e Norte-Central, com destaque para Paranavaí e Umuarama, que polarizam a região conhecida com Arenito Caiuá. Na figura 5, evidencia-se a expansão da bovinocultura por uma área bastante expressiva, de forma a cobrir boa parte do território paranaense, com exceção da região metropolitana de Curitiba.

37No que se refere aos suínos, o rebanho paranaense é de 7.134.055 cabeças, representando 17,7% do total nacional que é de 40.332.553. O Paraná tem hoje o maior rebanho de suínos do Brasil, ultrapassando Santa Catarina (16,8%) e o Rio Grande do Sul (14,7%). A produção está concentrada no núcleo regional de Toledo que representa 47,4% do Valor Bruto da Produção. O núcleo regional de Cascavel corresponde a 18%, Ponta Grossa 13,8% e Francisco Beltrão 5,1% (SEAB/DERAL, 2017). A concentração (Mapa 8) é mais expressiva na região Oeste e Sudoeste, porém, observa-se que as demais regiões do Estado também elevaram sua produtividade, o que pode ser observado principalmente na mesorregião centro-oriental, Ponta Grossa, Carambeí, Castro, Tibagi, Pirai do Sul. Além da para as regiões Centrais, para Sudeste e mesmo que com menos força, em parte da Metropolitana.

38Em relação às aves, 14 mil estabelecimentos rurais mantêm criações integradas à indústria no Paraná, sendo preponderantes as propriedades com menos de 50 hectares, que representam 86% desse total, evidenciando a importância da atividade como alternativa econômica para os pequenos produtores. Adicionalmente, não há dúvida de que o êxito da avicultura tem relação com a alta escala propiciada pelo mercado externo, o que é ressaltado pela segunda posição da carne de frango entre os produtos exportados pelo Estado, suplantada somente pela soja em grão (SUZUKI JUNIOR, 2010)

39A produção avícola paranaense, Figura 5, tem ampla concentração no Oeste do Estado, devido a implantação dos complexos industriais pelas cooperativas. O Oeste paranaense caracteriza-se como uma região agrícola especializada na produção de grãos, principalmente soja, trigo e milho. A implantação dos complexos agroindustriais avícolas, formados por matrizeiros, incubatórios, fábrica de rações e abatedouros, foi estimulada por fatores como a disposição de matérias-primas na região, além do movimento expansionista da demanda nacional e mundial por carne de frango. Para os produtores rurais, não somente os pequenos, mas médios e grandes, a avicultura fornece renda que, em alguns casos, permite até a contratação de mão de obra extra para a expansão da escala de produção (ALVES; NIELI, 2013).

Ocupações geradas pela agricultura familiar e agricultura patronal

40Há uma relação intrínseca entre a natureza e espacialização da agropecuária no Paraná e o emprego da mão obra familiar e não familiar (figura 6)

Figura 6 - Distribuição espacial das ocupações geradas pela agricultura familiar e agricultura patronal

Figura 6 - Distribuição espacial das ocupações geradas pela agricultura familiar e agricultura patronal

41Com base nos dados do Censo Agropecuário de 2006, a agricultura familiar no Paraná responde por 43% do valor bruto da produção e abriga 70% do pessoal ocupado, o que corresponde a mais de 1,1 milhão de pessoas. No Paraná dos 371.051 estabelecimentos agropecuários, 81, 63%, se enquadraram na categoria agricultura familiar, ocupando 27,8% da área total dos estabelecimentos IPARDES(2009). O Paraná apresentou percentuais de estabelecimentos de agricultura familiar próximos aos do Brasil e da região Sul, ambos com 84,4%. O Sudoeste (Francisco Beltrão e Pato Branco) apresenta o maior percentual de estabelecimentos da agricultura familiar (88.9%) seguido pela mesorregião Sudeste (São Mateus do Sul e União da Vitória), também com 88%.  A mesorregião oeste detém o maior numero 43.752, mesmo sendo identificada com culturas de comodities (soja e milho), fato que direciona para uma concentração fundiária. O crescimento da agricultura familiar nesta região se deve a integração entre avicultores e grandes abatedouros. O sudeste do Estado possui 58% da área destinada para agricultura familiar e a mesorregião centro-oriental destina 11,20% de sua área para este segmento. Em outra parcela do estado, o maior número, absoluto de estabelecimentos da agricultura patronal, encontra-se na mesorregião Norte Central

42(Londrina e Maringá), com 12.865 estabelecimentos. As regiões, Norte Central e Centro-Oriental, juntas detêm os maiores percentuais de estabelecimentos patronais.

43As regiões Oeste (Cascavel, Toledo e Foz do Iguaçu) e Sudoeste (Francisco Beltrão e Pato Branco), lideram em termos do número de ocupados na agricultura familiar. No Oeste, são 110 mil ocupados nesta condição e no Sudoeste, mais de 107 mil trabalhadores. Em termos relativos, o Sudeste detém o maior percentual de ocupados, 85,6%. Já a maioria de ocupados patronais estão, na região Norte Central (Londrina e Maringá), com 90.047 pessoas ocupadas (IPARDES, 2009).

Considerações finais

44Este artigo apresenta, informações sobre a distribuição espacial das atividades agrícolas e pecuárias no estado do Paraná que, permite entender como os investimentos de naturezas diversas, na modernização da agricultura e a atuação dos agentes passam a organizar o território paranaense e definem o futuro das diferentes regiões e do estado como um todo.

45As rodovias que transportam principalmente commodities agrícolas (soja e milho) necessitam de grandes investimentos em infra-estrutura para exportá-las. Todavia, elas não somente levam mercadorias agrícolas, levam as culturas locais, as formas de produção e os produtos tradicionais tendem a ceder espaço para a agricultura moderna que concentra os meios de produção e a produção agrícola. Os investimentos voltados para a modernização da agricultura e do território são seletivos e excludentes, porque não consideram a diversidade social e não inserem as localidades menos favorecidas, no mercado nacional.

46Ao se analisar a distribuição espacial da produção agropecuária do estado do Paraná, observa-se a expansão da produção da soja e do milho para, praticamente, todo o território paranaense. As regiões da agropecuária paranaense são bastante dinâmicas e são importantes absorvedoras de tecnologias e investimentos para sua modernização. Nota-se nos cartogramas a consolidação da produção agrícola mais tecnificada como a da soja, do trigo e do milho, culturas essas que contam com solos, relevo e condições climáticas favoráveis para seu desenvolvimento. Entende-se que essa base está sujeita a ciclos de crescimento e não crescimento e à vulnerabilidade e oscilação do mercado internacional. Por isso, uma diversificação da produção se faz importante para minimizar os efeitos negativos da especialização e a redução da variedade de cultivos.

47A análise dos produtos selecionados permite dimensionar a importância da agricultura familiar, em particular na produção de aves, suínos, mandioca e feijão e inclusive o café, lavoura permanente que no norte do Paraná é desenvolvida por agricultores familiares. O milho, mesmo fazendo parte da pauta das commodities, é também, no caso da agricultura familiar, um produto destinado à alimentação de animais e cultivado pela maioria dos agricultores. Quando observados os produtos típicos da agricultura familiar, confirma-se a sua importância na produção de alimentos básicos da dieta alimentar do brasileiro, como o feijão e a mandioca. Ressalte-se também que a produção da agricultura familiar é voltada primordialmente para o abastecimento interno.

48Salienta-se que, mesmo que se reconheça os aspectos comuns que identificam os agricultores familiares como pertencentes a um mesmo grupo social, as características que os diferenciam devem ser consideradas para que sejam atendidas suas demandas específicas. Os seus interesses e necessidades não são homogêneos, mesmo que objetiva e subjetivamente façam parte de um segmento social particular.

49A complexidade da diferenciação interna do segmento social constituído pelos agricultores familiares deve ser considerada em qualquer reflexão ou iniciativa de inovação para evitar que soluções genéricas sejam propostas como alternativas pontuais que não consideram as suas demandas e sistemas em uso. Assim, podem ser diminuídas as distorções que são frutos da imposição de inovações técnicas e ganhos cada vez mais concentrados que por vezes, impedem/dificultam outras formas de uso dos espaços agrícolas.

Haut de page

Bibliographie

ALVES, L. R. ANELI. A, C. S. Análise espacial da produtividade da agropecuária no estado do Paraná – Brasil (1970, 1996 e 2007). REDES - Rev. Des. Regional, Santa Cruz do Sul, v. 18, n. 3, p. 38 - 61, set/dez 2013.

BRASIL. Decreto 8.750 de 09 de Maio de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/D8750.htm. Acesso em: 01 de setembro de 2017.

FAEP, Boletim Informativo do Sistema FAEP nº 1130, Semana de 28 de março a 3 de abril de 2011, p.07).

FAO/INCRA. Diretrizes de Politica Agrária e Desenvolvimento Sustentável. Projeto UTF/BRA 036. Brasilia, 1995 ( 2ª versão).

FELEMA, J.; RAIHER, A. P.; e FERREIRA, C. R. Agropecuária Brasileira: desempenho regional e determinantes de produtividade. RESR , Piracicaba-SP, v. 51, n. 3, p. 555-574, jul./set. 2013.

FLEISHFRESSER, V. Modernização tecnológica da agricultura: contrastes regionais e diferenciação social no Paraná na década de 70. Curitiba: CONCITEC/IPARDES, Livraria do Chain. 1988.

MULLER. G. Complexo Agroindustrial e modernização agrária. São Paulo: Hucitec, 1989.

GRAZIANO DA SILVA, J. (Coord.) Estrutura agrária e produção de subsistência na agricultura brasileira. São Paulo: Hucitec, 1978.

GUANZIROLI, C. E. BUAINAIN, A. M.; SABBATO, A. D. Dez Anos de Evolução da Agricultura Familiar no Brasil: (1996 e 2006). RESR, Piracicaba-SP, Vol. 50, nº 2, p. 351-370, Abr/Jun, 2012.

________________et alii, Novo Retrato da Agricultura Familiar: O Brasil Redescoberto: Brasília: Convênio FAO/INCRA, 2000. 74 p.

GUIMARAES, A. P. Quatro séculos de latifúndio. São Paulo, Paz e Terra, 1963.

IPARDES, Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social

_________________Ruralidade, Agricultura Familiar e Desenvolvimento. Nota técnica IPARDES, 2013.

_________________. Censo Agropecuário 1980 Paraná. Rio de Janeiro, 1983. 2v.

_________________Caracterização socieconômica da atividade leiteira no Paraná: sumário executivo/Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social e Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural. - Curitiba: IPARDES, 2009.

MEDEIROS, L. S. Sem terra, assentados, agricultores familiares: considerações sobre os conflitos sociais e as formas de organização dos trabalhadores rurais brasileiros. In: GIARRACCA, N. (Org.). ¿Una nueva ruralidad en América Latina? Buenos Aires: CLACSO, 2001.

MEDEIROS, L. S. História dos movimentos sociais no campo. Rio de Janeiro: FASE, 1989.

PRIORI, A., et al. História do Paraná: séculos XIX e XX [online]. Maringá: Eduem, 2012. A cafeicultura no Paraná. pp. 91-104.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Uma categoria rural esquecida. Revista Brasiliense, n. 45, 1963, p. 85-97.

RAMOS, S. Sistemas técnicos agrícolas e meio técnico-cientifico-informacional no Brasil. In: SANTOS, M. SILVEIRA, M.L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI São Paulo: Record, 2001. 471 p.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003. 174 p.

SCHONS, A. R. RODRIGUES. E. A. G. A viticultura no Paraná: uma analise para a mesorregião e microrregião do estado de 2000 -2009. VI Seminário Internacional sobre desenvolvimento regional no Brasil. Crises do Capitalismo, Estado e Desenvolvimento Regional Santa Cruz do Sul, RS, Brasil, 4 a 6 de setembro de 2013.

SEAB – Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento DERAL - Departamento de Economia Rural LEITE - Análise da Conjuntura Agropecuária Ano 2015/16. Disponível em: http://www.agricultura.pr.gov.br/arquivos/File/deral/Prognosticos/2016/bovinocultura_de_leite_2016.pdf. Acesso em: 14 de Julho de 2017.

_________________Produtos Florestais - Erva-mate Dezembro de 2013. Disponível em: http://www.agricultura.pr.gov.br/arquivos/File/deral/Prognosticos/Erva_Mate_2013_2014.pdf. Acesso em: 25 de março de 2017.

______________. Fruticultura. Analise da conjuntura agropecuária (Safra 2016/2017). Disponível: em: http://www.agricultura.pr.gov.br/arquivos/File/deral/Prognosticos/2017/Fruticultura_2016_17.pdf. Acesso em: 13 de Setembro de 2017.

_______________________A pecuária paranaense em destaque. Técnico responsável: Roberto de Andrade Silva. 2012. Disponível em: http://www.agricultura.pr.gov.br/modules/qas/uploads/2989/coturnicultura_12mar2012.pdf. Acesso em: 10 de setembro de 2017.

______________Análise de conjuntura agropecuária avicultura de postura 2012/2013. Técnico Responsável: Roberto de Andrade Silva. 2014. Disponível em: http://www.agricultura.pr.gov.br/arquivos/File/deral/Prognosticos/avicultura_postura_2012_13.pdf. Acesso em: 14 de setembro de 2017.

TAVARES, C.E.C. Fatores críticos à competitividade da soja no Paraná e no mato grosso. Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB. Disponível em: http://www.conab.gov.br/conabweb/download/cas/especiais/trabalho_sobre_competitividade_soja_mt_e_pr.pdf. Acesso em: 15 de agosto de 2017.

WANDERLEY, M. de N. B, A ruralidade no Brasil moderno. Por un pacto social pelo desenvolvimento rural. En publicacion: ¿Una nueva ruralidad en América Latina?. Norma Giarracca. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. 2001. ISBN: 950-9231-58-4 Disponible en: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/rural/wanderley.pdf. Acesso em: 02 de Julho de 2017.

_______________________.M. N. B. O. Raízes históricas do campesinato brasileiro. Anais do XX Encontro Anual da ANPOCS. GT 17: Processos sociais agrários. Caxambu, MG, Outubro de 1996.

Haut de page

Notes

1 Com o crescimento da produção nas novas fronteiras agrícolas, dispostas no cerrado, interior do país, e que já chega a ser maior do que a das regiões tradicionais fica patente que está havendo um deslocamento dos capitais destinados ao cultivo da soja para o interior do país [...] CONAB, 2017.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Área e porcentagem dos estabelecimentos com menos de 20 e mais de 100 hectares.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12690/img-1.png
Fichier image/png, 545k
Titre Figura 2 – Principais produções agrícolas e os valores de produção em 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12690/img-2.png
Fichier image/png, 394k
Titre Figura 3 – Distribuição espacial e produção da soja no Paraná
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12690/img-3.png
Fichier image/png, 348k
Titre Figura 4 – Distribuição de algumas das principais lavouras permanentes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12690/img-4.png
Fichier image/png, 309k
Titre Figura 5 – Distribuição espacial da produção leiteira e de ovos no estado.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12690/img-5.png
Fichier image/png, 306k
Titre Figura 5 – Mapa da bovinocultura, suinocultura e aves (cotornicultura e galináceos).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12690/img-6.png
Fichier image/png, 728k
Titre Figura 6 - Distribuição espacial das ocupações geradas pela agricultura familiar e agricultura patronal
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12690/img-7.png
Fichier image/png, 416k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Cecília Hauresko et Hervé Théry, « Espacialização e dinâmicas contemporâneas da agropecuária paranaense », Confins [En ligne], 33 | 2017, mis en ligne le 30 décembre 2017, consulté le 21 janvier 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12690 ; DOI : 10.4000/confins.12690

Haut de page

Auteurs

Cecília Hauresko

Professora do Departamento de Geografia da UNICENTRO/Guarapuava, cehauresko@gmail.com

Hervé Théry

Directeur de recherche émérite au Creda, Professor no PPGH/USP, hthery@aol.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals