Navigation – Plan du site

Análise de ilhas de calor diagnosticas por meio de transectos móveis em Assis, Cândido Mota, Maracaí e Tarumã (SP)

Analyse des ilots de chaleur urbains diagnostiques par transects mobiles a Assis, Candido Mota, Maracai et Taruma (SP)
Analysis of diagnosed heat islands by means of mobile transects in Assis, Cândido Mota, Maracaí and Tarumã (SP)
Gislene Figueiredo Ortiz Porangaba et Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim

Résumés

Dans cet article nous analysons l’intensité et la distribution des îlots de chaleur urbains (ICU) à Assis, Cândido Mota, Maracaí et Tarumã, villes de petite et moyenne taille de la province de Sao Paulo, Sud-Est du Brésil. Pour cela, la technique de transect mobile a été utilisée. Elle consiste à enregistrer la température de l’air par capteurs placés dans un abri et l’ensemble est installé sur un mat fixé à une voiture en basse vitesse en passant par des environnements intra-urbains et entourages ruraux. Ces données ont été enregistrées à 6h et 21h des journées de 21 et 22 mai, 3 à 6 juin et 16 à 20 juillet 2013, simultanément sur les quatre villes. Les résultats montrent qu’Assis (la plus grande ville) a présenté la température absolue la plus élevée (21,3°C à 06h et 24,8°C à 21h) et que l’intensité d’ICU la plus importante a été enregistrée à Cândido Mota avec la valeur de 6,7°C à 21h au 17 juillet 2013.

Haut de page

Texte intégral

TarumãAfficher l’image
Crédits : http://snap361.com/ig-tag/gree/

1Os ambientes urbanos refletem as intensas alterações realizadas pelas ações humanas na paisagem. Fernández García (1996, p. 253) afirma que “la ciudad constituye la forma más radical de transformación del paisaje natural, pues su impacto no se limita a cambiar la morfología del terreno, sino que además modifica las condiciones climáticas y ambientales”. Desta forma, o clima urbano é formado através da interação entre uma área urbanizada e sua atmosfera circundante, criando assim um clima local específico.

2As consequências provenientes das alterações atmosféricas são percebidas pelos habitantes das áreas urbanas cotidianamente, por meio do aumento da temperatura do ar, da queda da umidade relativa, da concentração das precipitações, do aumento da poluição e da mudança na direção e velocidade dos ventos (LOMBARDO, 1985).

3Dentre os efeitos do clima urbano, as ilhas de calor são as mais percebidas pela população, por influenciarem no desempenho físico para a realização de atividades do dia a dia, ou mesmo podem contribuir para agravar problemas dos mais simples aos mais graves, tais como, irritabilidade, desconcentração, inapetência, desidratação, cãibras, desmaios, exaustão pelo calor até a morte (GARTLAND, 2010).

4As “ilhas de calor são formadas em áreas urbanas e suburbanas porque muitos materiais de construção absorvem e retêm mais a radiação solar do que os materiais naturais em áreas rurais ou menos urbanizadas” (GARTLAND, 2010, p. 9).

5Assim, “o clima próprio gerado pela cidade provoca efeitos que são sentidos pela população através do desconforto térmico, da qualidade do ar [...] e das crescentes inundações ocasionadas pelas chuvas concentradas” (AMORIM, 2000, p. 25). Nesse sentido, percebe-se que o citadino fica exposto aos efeitos do clima urbano, especialmente aqueles que não têm condições de climatizar suas residências ou vivem em áreas de risco afetadas por inundações e deslizamentos, tendo sua qualidade de vida comprometida.

  • 1 Agradecimentos à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), pelo apoio financei (...)

6Nessa perspectiva, no presente artigo1 se tem por objetivo analisar a intensidade e a distribuição de ilhas de calor em Assis, Cândido Mota, Maracaí e Tarumã, cidades de médio e pequeno porte, localizadas no interior do estado de São Paulo (Figura 1). As temperaturas foram registradas por meio de transectos móveis simultâneos, para se verificar como as atmosferas urbanas de cidades próximas, localizadas em uma mesma região climática se apresentam sob as mesmas condições atmosféricas. A escolha dessas cidades se deu pelo fato da região ser objeto de estudo das autoras há algum tempo e por estarem em um raio menor de 50km, possibilitando a análise das atmosferas urbanas de forma sincronizada e também sob as mesmas condições de tempo. Deste modo, foi possível detectar o quanto as atmosferas urbanas são influenciadas pelos diferentes sistemas atmosféricos que atuam na região.

7Assis tem médio porte populacional, com 95.144 habitantes (Censo – IBGE – 2010). Cândido Mota, Maracaí e Tarumã são cidades de pequeno porte populacional e contam com, respectivamente, 29.884, 13.332 e 12.885 habitantes, segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística de 2010.

8As grandes cidades são as áreas mais atingidas pelos problemas ambientais e consequentemente recebem maior atenção dos pesquisadores e do poder público. Entretanto, cidades de médio e pequeno porte também merecem atenção, pois alguns estudos já comprovaram os efeitos negativos do clima urbano, tais como Cruz (1995), Pitton (1997), Amorim (2000), Monteiro e Mendonça (2009), Ortiz (2012), Ugeda Júnior (2012), Teixeira (2015). Diferentemente das grandes cidades, as de médio e pequeno porte podem receber ações mitigadoras mais eficazes e também crescerem apoiadas em um planejamento ambiental urbano mais adequado.

9Estudos como o proposto são importantes para auxiliar no diagnóstico e no planejamento ambiental das áreas urbanas, uma vez que apontam para as áreas intraurbanas que merecem mais atenção do poder público no sentido de mitigar os problemas detectados.

Figura 1 – Mapa com a localização da área de estudo

Figura 1 – Mapa com a localização da área de estudo

10Procedimentos metodológicos

11O presente estudo se pautou nas proposições teórico-metodológicas do S.C.U. (Sistema Clima Urbano), de Monteiro (1976), sob o subsistema termodinâmico que tem como canal de percepção humana o conforto térmico. Esse sistema aborda as questões relativas ao campo térmico da cidade e está ligado diretamente à vida das pessoas.

12Para a realização dos registros da temperatura do ar, inicialmente foram realizadas as classificações dos ambientes urbanos estudados por meio dos aspectos geoecológicos (hipsometria, orientação de vertentes, declividade, hidrografia e vegetação arbórea) e geourbanos (referente ao uso e ocupação do solo urbano), com o objetivo de se estabelecer relações entre as diferentes tipologias urbanas. “O mapeamento destes atributos, conjugado às características dos elementos urbanos (materiais de construção, cor das edificações, etc.), constitui a base para a escolha dos pontos de observação” (PITTON, 1997, p. 26). A classificação do uso e ocupação do solo urbano utilizou como parâmetro os procedimentos utilizados por Lombardo (1985), Pitton (1997), Amorim (2000), Stewart e Oke (2009) e Ortiz (2012), que destacam as diferentes formas de ocupação das cidades. Para tanto, foram utilizadas imagens de satélite disponibilizadas pelo Google Earth do ano de 2013 e também trabalhos de campo para a verificação das informações contidas nas imagens utilizadas.

13Os dias de pesquisa de campo foram: 21 e 22 de maio; 03 a 06 de junho de 2013 (estação de outono); 16 a 20 de julho de 2013 (estação de inverno). Os horários para a realização dos percursos foram às 6h e 21h. Ressalta-se que para as análises das ilhas de calor, as mensurações noturnas são as mais importantes, pois essas demonstram como as diferentes áreas construídas, com suas diversas características, têm a capacidade de reter ou liberar o calor acumulado durante o dia.

14Para esta pesquisa, optou-se também pelas mensurações matutinas (06h), para verificar como as diferentes áreas urbanas mantiveram ou liberaram o calor durante a noite. Os transectos móveis foram realizados em menos de uma hora, com velocidade máxima entre 30 e 40 km/h e em dias com a atuação de diferentes sistemas atmosféricos. Tal metodologia se baseou nos trabalhos de Oke e Maxwell (1975), López Gómez e Fernández García (1984), Johnson (1985), Pitton (1997) e Amorim (2005).

15Durante a pesquisa de campo, cinco automóveis percorreram as cidades analisadas simultaneamente, sendo que em Assis foram utilizados dois veículos, um saindo de norte em direção ao sul e o outro de nordeste para o sudoeste (Figura 2). Em Tarumã foram necessários dois transectos para cobrir a maior parte de uso e ocupação do solo, devido à sua forma. Os automóveis foram equipados com sensores (termo-higrômetros digitais, modelo TH-03B da marca Impact, com calibração de fábrica) que mediram a temperatura do ar, instalados na lateral externa em hastes de madeira com 1,5m de distância do solo (Figura 3).

Figura 2 – localização dos transectos móveis

Figura 2 – localização dos transectos móveis

Figura 3 – Automóvel equipado com haste de madeira e sensor termo-higrométrico

Figura 3 – Automóvel equipado com haste de madeira e sensor termo-higrométrico

Assim, os dados referentes às coletas móveis foram tratados no programa Excel, através da fórmula a seguir, para se determinar a intensidade da ilha de calor (SOBRINO e OLTRA-CARRIÓ, 2012):

ΔTu-r = Tu – Tr

16Sendo que:

17ΔTu-r = intensidade da ilha de calor.

18Tu= se refere à temperatura do ar na área urbana.

19Tr = se refere à temperatura do ar no ambiente rural.

Os resultados encontrados foram distribuídos em uma tabela contendo os dados de temperatura absoluta e de intensidade. Para uma análise mais detalhada dos resultados juntamente com as informações de uso e ocupação do solo das cidades, foi selecionado o dia com maior intensidade de ilha de calor deste estudo, que ocorreu em 17 de julho de 2013.

  • 2 Corel Draw é marca registrada Corel Corporation.
  • 3 Surfer é marca registrada Golden Software.

Tal procedimento possibilitou a elaboração de gráficos para a representação dos resultados. Assim, no programa Corel Draw2 foram elaborados os perfis longitudinais das cidades, com os gráficos de intensidade das ilhas de calor e informações sobre do uso e ocupação solo. Foram elaboradas também cartas de isotermas, com a representação dos valores absolutos no programa Surfer3, interpolados através da krigagem, método de regressão usado em geoestatística para aproximar ou interpolar dados.

Características Geoambientais e Geourbanas da área de estudo

Aspectos geoambientais

20As quatro cidades em questão estão inseridas na mesma região climática, tipicamente tropical continental, com verão chuvoso e inverno seco. As médias das temperaturas máximas e mínimas variam entre 15° e 23°C e de acordo com Sant’Anna Neto (1995, p. 105), “a área de Assis/Ourinhos também se encontra na faixa de transição dos climas zonais e, apesar das baixas altitudes (300 a 500 m), recebe pluviosidade média anual de 1.300 a 1.600 mm”.

21O município de Assis não se encontra em uma área de elevadas altitudes, com diferenças que variam de 311 a 600 m. A malha urbana se configura em um terreno levemente ondulado, com a altimetria entre 500 m ao sudeste e próximo aos 600 m a nordeste e noroeste. A maioria da malha urbana se encontra em áreas planas e os maiores valores de declividade se encontram em áreas a sudeste e sudoeste, próximas aos cursos d’água, variando entre 2,5° a 10° de declividade. O centro da cidade também se encaixa em uma área com leve declividade (2,5°). Na latitude desta cidade, o conhecimento da exposição das vertentes é extremante importante para a análise do clima urbano, uma vez que influência na absorção, sombreamento e distribuição da energia solar no decorrer do dia. As vertentes com orientação norte no hemisfério sul, apresentam temperaturas mais elevadas, enquanto que aquelas voltadas para sul têm temperaturas mais baixas. As vertentes predominantes em Assis estão voltadas para o norte e oeste nas porções norte, noroeste e sudoeste da cidade, enquanto no centro, sul e sudeste há o predomínio das vertentes orientadas para o sul e leste.

22A cidade de Cândido Mota se encontra em um terreno relativamente plano com pouca variação de altitude, ficando em aproximadamente 450 m. Desta forma, a declividade do terreno de Cândido Mota pode ser classificada como plana, tendo pequenas oscilações de 2,5° na área circunvizinha da malha urbana, próximas aos cursos d’água. Com relação à orientação de vertentes na cidade, verifica-se que a noroeste o terreno volta-se para oeste. Na área central, sudeste e a nordeste há o predomínio para leste e nordeste e na porção centro-sul tem-se a orientação para sul.

23A hipsometria de Maracaí varia de 300 a aproximadamente 500 m. A malha urbana se encontra em altitudes de 300 a 400 m, nos sentidos norte e sul. A declividade na área urbanizada varia de plana a 5°, e as áreas com maior declividade ficam ao norte da cidade próxima ao córrego do Cervo, fora da malha urbana, indo de 2,5° a 15°. A cidade está localizada praticamente em vertente orientada para o norte e, na porção sudoeste, a oeste.

24A malha urbana de Tarumã se encontra em baixas altitudes que variam de 300 a 400 m. A declividade do terreno varia de plana até 2,4°, sendo este último situado a leste. As orientações das vertentes na parte oeste estão voltadas para o sul, no centro para o leste e no quadrante leste têm a orientação oeste.

Aspectos Geourbanos

25A classificação do uso e ocupação do solo urbano utilizou como parâmetro os procedimentos adotados por Lombardo (1985), Pitton (1997), Amorim (2000), Stewart e Oke (2009) e Ortiz (2012). Desta forma, foram definidas oito classes de uso e ocupação do solo urbano, conforme as características urbanas de Assis, Cândido Mota, Maracaí e Tarumã, representadas nos mapas a seguir.

26Com base na Figura 4, em Assis, a classe 1 (área densamente construída e com vegetação arbórea esparsa), se localiza no centro da cidade. Trata-se de uma área extensa onde se localiza o comércio e serviços. A classe 2 (área densamente construída e com vegetação arbórea) é a mais extensa, cobrindo grande parte da malha urbana. A classe 3 (área de alto padrão construtivo, com vegetação arbórea, terrenos grandes e áreas verdes) se encontra a nordeste da cidade e é dotada de residências de alto padrão construtivo, onde vivem pessoas da classe média alta e alta. A classe 4 (área de conjuntos habitacionais, densamente construída e com vegetação arbórea esparsa) se encontra nos limites da malha urbana a nordeste e a sudoeste. Tais bairros são habitados pela população pertencente à classe baixa e média baixa. A classe 5 (área com construção e vegetação arbórea esparsa) está localizada a noroeste e a nordeste de Assis, áreas que ainda se encontram em expansão. A classe 6 (área industrial) fica no limite nordeste da cidade e tem a presença de indústrias e barracões. A classe 7 (área de expansão urbana), também localizada nas partes limítrofes da cidade, ao sul, se caracteriza pela baixa densidade construtiva e de vegetação arbórea. A classe 8 (áreas verdes e praças) é uma classe extremamente importante para a melhoria da qualidade ambiental urbana e em Assis estão espalhadas no ambiente urbano, particularmente nas áreas da classe 3.

27Em Cândido Mota a área pertencente à classe 1, está localizada no centro urbano e conta com a presença do comércio e serviços (Figura 5). A classe 2 também se distribui ao longo da malha urbana e é composta basicamente de residências. A classe 3 localiza-se a nordeste e tem como características, residências de alto padrão construtivo. A classe 4 se localiza a sudeste de Cândido Mota e também no centro-sul. Nesta classe as casas e os terrenos são pequenos e a densidade de vegetação arbórea é baixa. Na classe 5, localizada ao limite nordeste da cidade, existem muitas construções e espaços vagos, por se tratar de um novo bairro. A classe 6 localiza-se ao norte da cidade e conta com uma grande indústria de bebida e pequenas fábricas de cerâmica e telhas. A classe 7 está a noroeste da cidade, tendo densidade construtiva e de vegetação arbórea menor do que a classe 5. A classe 7, como em Assis, se distribui ao longo da cidade.

Figura 4 – Mapa de uso e ocupação do solo de Assis

Figura 4 – Mapa de uso e ocupação do solo de Assis

Organização: Ortiz Porangaba e Amorim (2013)

Figura 5 – Mapa de uso e ocupação do solo de Cândido Mota

Figura 5 – Mapa de uso e ocupação do solo de Cândido Mota

Organização: Ortiz Porangaba e Amorim (2013)

28Com o apoio da Figura 6, pode-se observar o uso e ocupação de Maracaí. Nesse sentido, a classe 1 compreende o centro da cidade, onde se encontra a área comercial e caracteristicamente tem alta densidade construtiva e pouca vegetação arbórea. A classe 2 se encontra em boa parte da malha urbana. A classe 3 está numa pequena área da cidade e não tem a presença das áreas verdes, como nas demais cidades deste estudo. A classe 4 está localizada em dois pontos da cidade, a leste e a oeste. A classe 5 se encontra no interior no centro-sul da malha urbana e nesta área as construções e a densidade de vegetação arbórea é esparsa. A classe 6 é composta pelo distrito industrial, que se localiza fora da cidade, a sul da mesma. Situada a sudoeste, a classe 7 é composta por uma área em expansão urbana, com baixa densidade construtiva e de vegetação arbórea. A classe 8 é bem distribuída ao longo da cidade, em especial, na porção oeste.

29As classes de uso e ocupação do solo de Tarumã estão representadas na Figura 7. Assim, a classe 1 está fixada no centro da cidade e é composta por alta densidade construtiva e baixa densidade de vegetação arbórea, no limite do centro com os bairros a sudoeste. Existe a presença de um bosque urbano importante para a qualidade ambiental urbana de Tarumã. A classe 2 se distribui ao longo da malha urbana, em todos os quadrantes da urbe e é composta de construções de alto padrão construtivo, presença de áreas verdes e boa densidade de vegetação arbórea. A classe 3 se localiza no centro-sul da cidade em questão. A classe 4 representa os conjuntos habitacionais, alocados ao extremo leste da cidade e trata-se de um bairro isolado e separado pelo córrego Tarumã, com alta densidade construtiva e vegetação arbórea esparsa. A classe 5 se encontra em dois pontos da cidade, ao norte e ao sul, é composta por bairros ainda em crescimento e pouca vegetação arbórea. A classe 6 compreende o distrito industrial da cidade, que é pouco desenvolvido e se localiza a sudoeste. A área para expansão urbana se limita à classe 7 e está situada nos limites urbanos, a sudeste, a sudoeste e a noroeste. A classe 8 está praticamente em todas as áreas da cidade, ou seja, bem distribuída no interior da urbe.

Figura 6 – Mapa de uso e ocupação do solo de Maracaí

Figura 6 – Mapa de uso e ocupação do solo de Maracaí

Organização: Ortiz Porangaba e Amorim (2013)

Figura 7 – Mapa de uso e ocupação do solo de Tarumã

Figura 7 – Mapa de uso e ocupação do solo de Tarumã

Organização: Ortiz Porangaba e Amorim (2013)

Intensidade das ilhas de calor em Assis, Cândido Mota, Maracaí e Tarumã

30No decorrer do dia e da noite as ilhas de calor se configuram com maior ou menor intensidade, devido às variações do recebimento da radiação solar pela superfície urbana. De acordo com Gartland (2010), durante a manhã as ilhas de calor são menos intensas, sendo que, ao longo do dia essa intensidade vai aumentando, tendo seu pico à noite.

31A intensidade das ilhas de calor também sofre influência dos diferentes sistemas atmosféricos que regem o tempo. Assim, neste trabalho buscou-se verificar quais os sistemas atmosféricos que potencializavam ou diminuíam a intensidade das ilhas de calor em Assis, Cândido Mota, Maracaí e Tarumã. No quadro 1 procurou-se sintetizar e agrupar as informações acerca dos resultados obtidos através das mensurações móveis. Desta forma, foram destacadas as cidades estudadas, os sistemas atmosféricos que atuavam durante o trabalho de campo e os dados obtidos.

32No decorrer da pesquisa de campo a região onde se localiza as cidades analisadas foi influenciada pela massa de ar Tropical Atlântica (mTa), pela massa Polar Atlântica (mPa) e também por frentes frias (FF). Os dados foram dispostos através do horário de coleta sendo às 06h e 21h, a partir da temperatura do ar absoluta (T°C), e também da intensidade da temperatura (∆T°C), separados em outono e inverno.

33Nos dias representativos do outono a cidade que teve a maior temperatura absoluta foi Assis com 21,3°C às 06h e 24,8°C às 21h, durante a atuação de uma mTa. A maior intensidade de ilha de calor aconteceu em Cândido Mota, também sob atuação da mTa, com 4,7°C às 06h e 5,7°C às 21h. Ainda durante o outono a temperatura mais baixa foi de 11,5°C às 06h e 16,4°C às 21h em Maracaí, sob a ação de uma mPa. A menor intensidade também foi gerada sob influência da mPa em Tarumã às 06h, com 0,3°C e às 21h em Maracaí (1,4°C).

34Na condição de inverno a mais elevada temperatura absoluta foi em Assis às 06h (20,3°C) e em Tarumã às 21h (24,2°C) sob atuação da mPa. Em Maracaí se detectou a maior intensidade de ilha de calor às 06h, sendo de 5°C e em Cândido Mota às 21h se deu a maior intensidade de ilha de calor encontrada nesse estudo (6,7°C), sob as condições da mPa, no dia 17 de julho de 2013. A menor temperatura absoluta de manhã e a noite foi registrada em Maracaí, com 9,2°C e 15,3°C, respectivamente, também sob a atuação da mPa. A intensidade mínima foi de 1°C em Assis, às 06h e às 21h em Tarumã (1,6°C), através da ação de uma frente fria.

  • 4 Essa constatação pode ser observada no próximo item deste artigo.

35Deste modo, é possível destacar que a mPa foi o sistema atmosférico que mais potencializou a intensidade das ilhas de calor nas cidades estudadas, pois o mesmo oferece estabilidade atmosférica e condição ideal para a formação do fenômeno. Ressaltando ainda que a maior intensidade da ilha de calor se deu no período noturno, conforme indica Gartland (2010). O tamanho das cidades não se mostrou um fator determinante na configuração da intensidade da ilha de calor, mas sim o uso e ocupação do solo. Quanto maior a densidade construtiva maior foi a temperatura, por outro lado, quanto menor a densidade construtiva e maior a cobertura vegetal arbórea menor foi a temperatura4.

Quadro 1 – Sistemas atmosféricos atuantes, temperaturas e umidades absolutas/intensidades da ilha de calor nas cidades estudadas

Cidades

Sistemas Atmosféricos

T°C - 06h

∆T°C - 06h

T°C - 21h

∆T°C - 21h

Sistemas Atmosféricos

T°C - 06h

∆T°C - 06h

T°C - 21h

∆T°C - 21h

Outono

Inverno

Assis

mTa

21/05/2013

21,3°C

1,8°C

24,8°C

1,9°C

mPa

16/07/2013

17,6°C

3°C

19,6°C

4,6°C

Cândido Mota

20,5°C

4,7°C

24,3°C

3,9°C

15,7°C

4,5°C

17,7°C

6,3°C

Maracaí

17,9°C

2,1°C

24,4°C

2°C

12,8°C

1,2°C

16,2°C

3,7°C

Tarumã

21,2°C

4,1°C

24,2°C

2,3°C

15,4°C

3,4°C

18,7°C

4,7°C

Assis

mTa (manhã)

22/05/2013

FF (noite)

03/06/2013

20,8°C

1,9°C

20°C

2,3°C

mPa

17/07/2013

16,4°C

3,1°C

20,6°C

3,9°C

Cândido Mota

20,5°C

1,7°C

19,8°C

4,5°C

11,6°C

4,9°C

18,8°C

6,7°C

Maracaí

20°C

1,3°C

17,8°C

1,8°C

9,2°C

1,9°C

15,3°C

2,5°C

Tarumã

20,8°C

2,8°C

19,1°C

3°C

11,4°C

4,4°C

19,1°C

4,9°C

Assis

mPa

04/06/2013

15°C

1,1°C

18,4°C

2,2°C

mPa

18/07/2013

20,3°C

4,7°C

23,9°C

4°C

Cândido Mota

14,8°C

1,1°C

17,7°C

4,6°C

12,1°C

2,9°C

21,9°C

5,3°C

Maracaí

15,9°C

1,4°C

16,4°C

2,6°C

10,8°C

2,4°C

19°C

3,3°C

Tarumã

15,6°C

0,3°C

18,3°C

3,7°C

12,2°C

3,1°C

24,1 °C

6,3°C

Assis

mPa

05/06/2013

14,2°C

2,1°C

21,1°C

3,8°C

mTa (manhã)

FF (noite)

19/07/2013

20,1°C

3,9°C

18,5°C

1,7°C

Cândido Mota

13°C

3,8°C

19,4°C

5,2°C

19°C

4,5°C

18,4°C

2,2°C

Maracaí

11,5°C

2°C

18,3°C

2,5°C

18,6°C

5°C

18,5°C

1,7°C

Tarumã

12,8°C

2,6°C

20,3°C

3,6°C

19,4°C

4°C

18 °C

1,1°C

Assis

mTa

06/06/2013

17°C

2,6°C

21,5°C

2,5°C

FF (manhã)

20/07/2013

19,2°C

1°C

 

Cândido Mota

15°C

4,1°C

20,4°C

5,7°C

18,1°C

2,1°C

Maracaí

13°C

1,4°C

18°C

1,4°C

18,3°C

1,1°C

Tarumã

15,1°C

3°C

20,7°C

3,4°C

17°C

1,3°C

Episódio com intensidade máxima de ilha de calor

Com base nos dados apresentados foi possível verificar que no dia 17 de julho de 2013, se desenvolveu a maior intensidade de ilha de calor nas cidades estudadas. Assim, optou-se por demonstrar uma análise mais detalhada da configuração das ilhas de calor nas quatro cidades e suas relações com o uso e ocupação do solo.

Neste dia a região em que as áreas urbanas estão inseridas estava sob a atuação de uma massa de ar Polar Atlântica. Assim, a temperatura mínima foi de 9°C e a máxima de 25,3°C. A nebulosidade foi baixa e não houve precipitação. O vento esteve em direção sul e com velocidade entre 1 e 2 m/s.

36No referido dia às 06h na cidade de Assis, a intensidade máxima da ilha de calor encontrada foi de 3,1°C, entre os pontos 16 ao 18 do transecto A (Figura 8). Essa área é densamente construída e tem vegetação arbórea, sendo que a temperatura do ar nesses pontos chegou a 16,4°C, conforme as cartas de isotermas. A menor intensidade da ilha de calor foi no ponto 12 do transecto B, onde existe um bairro de alto padrão construtivo e presença de áreas verdes.

37Em 17 de julho de 2013 às 21h na cidade de Assis, a intensidade máxima da ilha de calor foi de 3,9°C no ponto 28 do transecto B, área densamente construída e com vegetação arbórea esparsa, próxima ao centro da cidade e as menores intensidades foram nos pontos 4 e 5 do transecto A, onde a densidade construtiva é baixa e a vegetação arbórea também. Na carta de isotermas verifica-se que a temperatura máxima foi de 20,6°C.

Figura 8 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Assis de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h

Figura 8 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Assis de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h

38Com base na figura 9, é possível observar que a intensidade máxima da ilha de calor em Cândido Mota em 17 de julho de 2013 às 06h, foi de 4,9°C no ponto 22, área densamente construída e com vegetação arbórea esparsa. O ponto 3 foi o que esteve com menor aquecimento. De acordo com as cartas de isotermas a temperatura máxima nesse horário na cidade foi de 11,6°C.

39No mesmo dia às 21h, na cidade de Cândido Mota, foi encontrada a maior intensidade de ilha de calor da presente investigação, sendo de 6,7°C no ponto 22, onde se tem uma área densamente construída e com vegetação arbórea esparsa. Dos pontos 1 ao 3 a atmosfera urbana se apresentou mais fresca, ambiente de transição entre o rural e o urbano. Nesse episódio a temperatura máxima foi de 18,8°C. Desta forma, o uso é a ocupação do solo se apresentou como fator de aquecimento da atmosfera urbana, pois onde se tem maior densidade construtiva na cidade ocorreu a maior intensidade de ilha de calor.

40Na cidade de Maracaí em 17 de julho de 2013 às 06h, o ponto 2 se apresentou com o maior aquecimento, sendo de 1,9°C, correspondente ao ambiente rural e no ponto 16 ocorreu a menor intensidade da ilha de calor, demonstrando a importância dos corpos d’água e do relevo, para a manutenção do conforto térmico no ambiente urbano (Figura 10). A temperatura máxima conforme indica a carta de isotermas foi de 9,2°C. Às 21h no dia em questão, a intensidade máxima da ilha de calor foi de 2,5°C no ponto 1, com temperatura máxima de 15,3°C. A menor intensidade se deu no ponto 17, próximo à represa.

41Em Tarumã a intensidade máxima da ilha de calor foi de 4,4°C no ponto 12 do transecto A, no centro da cidade, com características de alta densidade construtiva e vegetação arbórea esparsa (Figura 11), às 06h do dia 17 de julho de 2013. Tal ponto apresentaram temperaturas de 11,4°C nas cartas de isotermas. O menor aquecimento ocorreu no ponto 18 do transecto B, onde se tem área densamente construída e com vegetação arbórea. Ainda no dia 17 de julho de 2013 as 21h, em Tarumã os pontos 8 e 9 do transecto A foram os mais quentes, com 4,9°C de intensidade e temperatura absoluta de 19,1°C. Nos pontos 6 ao 10 no transecto B ocorreu a menor intensidade da ilha de calor, nos bairros próximos à represa.

Figura 9 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Cândido Mota de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h

Figura 9 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Cândido Mota de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h

Figura 10 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Maracaí de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h

Figura 10 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Maracaí de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h

Figura 11 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Maracaí de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h

Figura 11 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Maracaí de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h

42Conforme a tabela 1, no dia 17 de julho de 2013, em Assis as temperaturas absolutas foram mais elevadas em relação às outras cidades, com 16,4°C às 06h e 20,6°C às 21h. Cândido Mota apresentou as maiores intensidades de ilha de calor, sendo 4,9°C de manhã e 6,7°C à noite, portanto, conforme Fernández García (1996), classificada como ilha de calor de forte e de muito forte magnitudes, respectivamente. Maracaí teve as menores temperaturas absolutas e também intensidades, com 9,2°C e 1,9°C de manhã e 15,3°C e 2,5°C à noite, respectivamente. Tarumã se apresentou com intensidades e temperaturas intermediárias.

43De acordo com a análise, é possível destacar que o uso é ocupação do solo das cidades estudadas foi responsável pelos maiores picos de aquecimento da atmosfera próxima da superfície, uma vez que, em todas as cidades as ilhas de calor se encontraram em área com alta densidade construtiva e baixa presença de vegetação arbórea.

Tabela 1 – Temperaturas absolutas máximas e intensidades das ilhas de calor nos transectos móveis - 17/07/2013

Cidades/ Data e hora

17/07/2013 – 06h (móvel)

Máximas absolutas

17/07/2013 – 06h (móvel)

Intensidades das ilhas de calor

17/07/2013 – 21h (móvel)

Máximas absolutas

17/07/2013 – 21h (móvel)

Intensidades das ilhas de calor

Assis

16,4°C

3,1°C

20,6°C

3,9°C

Cândido Mota

11,6°C

4,9°C

18,8°C

6,7°C

Maracaí

9,2°C

1,9°C

15,3°C

2,5°C

Tarumã

11,4°C

4,4°C

19,1°C

4,9°C

Considerações finais

44Com base nos resultados e análises, pôde-se concluir que os sistemas atmosféricos atuantes na região interferem nas intensidades das ilhas de calor, sendo que, a massa Polar Atlântica proporcionou as maiores magnitudes em relação aos sistemas menos estáveis.

45As magnitudes das ilhas de calor, segundo a classificação de Fernández García (1996), vão de fraca até muito forte. Neste estudo, as mais fortes magnitudes foram registradas na cidade de Cândido Mota.

46O tamanho das cidades não se mostrou um fator determinante na configuração da intensidade da ilha de calor, mas sim o uso e a ocupação do solo. Nas cidades analisadas as áreas densamente construídas e com pouco cobertura vegetal se apresentaram mais aquecidas. Enquanto que, as áreas com baixa densidade construtiva e com a presença de vegetação arbórea e rasteira estavam menos aquecidas. Os corpos d’água também se mostraram importantes na manutenção das menores temperaturas, conforme se verificou nas cidades de Maracaí e Tarumã.

47Assim, é possível destacar que as cidades de médio e pequeno porte também sofrem com o aquecimento da atmosfera urbana e presença de ilhas de calor, como as grandes cidades. Nesse estudo, evidenciou-se que não é o tamanho da cidade que configura a magnitude e intensidade das ilhas de calor, mas sim as características específicas de uma urbanização densa (alta densidade construtiva e falta de cobertura vegetal) e/ou mal planejada.

48O planejamento ambiental urbano é fundamental para se evitar a formação de ambientes desconfortáveis para a população urbana, em especial, para aquela parcela que não tem condições de climatizar suas residências. Algumas medidas para amenizar os efeitos negativos das ilhas de calor podem ser realizadas em parceria entre o Poder Público e a população, tais como o plantio de árvores e o aumento de áreas verdes. Essas medidas podem ser orientadas através de estudos como este, que detectam as áreas que estão mais comprometidas.

Haut de page

Bibliographie

Livros

FERNÁNDEZ GARCÍA, F. Manual de climatología aplicada: clima, medio ambiente y planificación. Síntesis, 1996.

GARTLAND, L. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. Tradução Silvia Helen Gonçalves. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.

LOMBARDO, M. A. Ilha de calor nas metrópoles: o exemplo de São Paulo. São Paulo: Hucitec, 1985.

MONTEIRO, C. A. F. Teoria e Clima Urbano. São Paulo: IGEOG/USP, 1976. (Série Teses e Monografias).

MONTEIRO, C. A. F.; MENDONÇA, F.; (org.) Clima Urbano. São Paulo: Contexto, 2009.

SOBRINO, J. A.; OLTRA-CARRIÓ, R. La campaña DESIREX en Madrid. Determinación de la isla de calor. In: FERNÁNDEZ GARCÍA.; GALÁN GALLEGO, E.; CAÑADA TORRECILLA, R. (eds.). Clima, ciudad y ecosistemas: Ponencias y conferencias invitadas al VII Coloquio de la Asociación Española de Climatología. Asociación Española de Climatología (AEC), serie B, p. 141-164, 2012.

Artigos em periódicos

AMORIM, M. C. C. T. Intensidade e forma da ilha de calor urbana em Presidente Prudente/SP: episódios de inverno. Revista Geosul, UFSC – Florianópolis, v. 20, n. 39, p.65-82, jan./jun. 2005.

JOHNSON, D. B. Urban modification of diurnal temperature cycles in Birmingham, U. K. Journal of climatology. v. 5, p. 221-225, 1985.

LÓPEZ GOMEZ, A., FERNÁNDEZ GARCÍA, F. La isla de calor en Madrid: avance de un estudio de clima urbano. Estudios Geográficos, 45, n.174, p.5-34, enero-marzo 1984.

OKE, T. R., MAXWELL, G.B. Urban heat island dynamics en Montreal and Vancouver. Atmospheric Environment, v.9, p.191-200, 1975.

Teses e dissertações

AMORIM, M. C. C. T. O Clima Urbano de Presidente Prudente/SP. 2000. 322 f. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

CRUZ, J. C. L. Características térmicas da camada intraurbana em Rio Claro/SP. 1995. 189 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

ORTIZ, G. F. O clima urbano de Cândido Mota: análise do perfil térmico e higrométrico em episódios de verão. 2012. 163f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente-SP.

PITTON, S. E. C. As cidades como indicadores de alterações térmicas. 1997. 272p. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SANT’ANNA NETO, J. L. As chuvas no Estado de São Paulo. 1995. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

TEIXEIRA, D. C. F. O clima urbano de Rancharia/SP. 2015. 208f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

UGEDA JUNIOR, J. C. Clima urbano e planejamento na cidade de Jales/SP. 2012. 383 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

Congressos

STEWART, I., OKE, T. Classifying climate field sites by “local climate zones”: the case of Nagano, Japan. The Seventh International Conference on Urban Climate, 2009, Yokohama, Japan. Disponível em:

<http://www.ide.titech.ac.jp/~icuc7/extended_abstracts/pdf/385055-1-090515165722-002.pdf>. Acesso em 24 de mai. 2011.].

Haut de page

Notes

1 Agradecimentos à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), pelo apoio financeiro prestado.

2 Corel Draw é marca registrada Corel Corporation.

3 Surfer é marca registrada Golden Software.

4 Essa constatação pode ser observada no próximo item deste artigo.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Mapa com a localização da área de estudo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 240k
Titre Figura 2 – localização dos transectos móveis
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,6M
Titre Figura 3 – Automóvel equipado com haste de madeira e sensor termo-higrométrico
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Figura 4 – Mapa de uso e ocupação do solo de Assis
Crédits Organização: Ortiz Porangaba e Amorim (2013)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 332k
Titre Figura 5 – Mapa de uso e ocupação do solo de Cândido Mota
Crédits Organização: Ortiz Porangaba e Amorim (2013)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 328k
Titre Figura 6 – Mapa de uso e ocupação do solo de Maracaí
Crédits Organização: Ortiz Porangaba e Amorim (2013)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Titre Figura 7 – Mapa de uso e ocupação do solo de Tarumã
Crédits Organização: Ortiz Porangaba e Amorim (2013)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 304k
Titre Figura 8 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Assis de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 556k
Titre Figura 9 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Cândido Mota de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 380k
Titre Figura 10 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Maracaí de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 1,4M
Titre Figura 11 – Perfil Longitudinal e cartas de isotermas de Maracaí de 17 de julho de 2013 – 06 e 21h
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/12729/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 2,5M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Gislene Figueiredo Ortiz Porangaba et Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim, « Análise de ilhas de calor diagnosticas por meio de transectos móveis em Assis, Cândido Mota, Maracaí e Tarumã (SP) », Confins [En ligne], 33 | 2017, mis en ligne le 07 janvier 2018, consulté le 21 janvier 2018. URL : http://journals.openedition.org/confins/12729 ; DOI : 10.4000/confins.12729

Haut de page

Auteurs

Gislene Figueiredo Ortiz Porangaba

Professora na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul - Câmpus de Três Lagoas, gislene.ortiz@ufms.br

Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim

Professora na UNESP – Câmpus de Presidente Prudente, mccta@fct.unesp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals