Navigation – Plan du site
Resenha / Compte-rendu

Indústria, ordenamento do território e transportes – a contribuição de André Fischer

Áurea Breitbach

Texte intégral

1Indústria, ordenamento do território e transportes – a contribuição de André Fischer, Organização Olga Lúcia C. Firkowski e Eliseu S. Sposito, Editora Expressão Popular, 2008, 160 p.

2Este livro é uma iniciativa conjunta dos Programas de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Paraná e da Universidade Estadual Paulista/Presidente Prudente. Conforme os organizadores, a intenção foi publicar um livro que homenageasse André Fischer e, para tanto, foram reunidos diversos textos escritos por ele em diversas fases de sua carreira acadêmica (1963-1996). São textos relativamente curtos, alguns dos quais foram retomados e desenvolvidos no livro que Fischer lançou em 1994, “Industrie et espace géographique”, Masson Editora, França (139 p.). Aliás, uma edição desse livro em língua portuguesa seria muito bem vinda. Fica aqui a sugestão.

3O geógrafo francês André Fischer, embora ainda não seja muito conhecido no Brasil, tem uma produção científica na área da Geografia Econômica bastante rica e sobretudo fértil, na qual nós brasileiros certamente encontraremos subsídios para avançar em nosso conhecimento sobre as relações entre a atividade industrial e o espaço geográfico em nosso País.

4André Fischer dedicou grande parte de sua vida profissional ao ensino e à pesquisa junto ao Institut de Geógraphie da Université de Paris I – Panthéon – Sorbonne, onde deu aulas, orientou trabalhos acadêmicos, ocupou cargos de administração da pesquisa, tendo se aposentado como professor emérito daquela universidade.

5O tema principal do autor, dito sinteticamente, é a atividade industrial em suas relações com o território. Pode-se dizer que os onze textos reunidos nesse livro evocam, direta ou indiretamente, diversos aspectos desse tema principal. Com a intenção de organizar por subtemas, os textos foram agrupados em : indústria, ordenamento do território e transportes.

6Na primeira parte, referente à indústria, estão os conteúdos mais amplamente desenvolvidos por Fischer, sobretudo no que concerne às relações entre a empresa e o território, a partir das mutações econômicas mundiais que tiveram início na década de 1980.

7A mundialização da economia, que se aprofundou na esteira das novas tecnologias (de produção, de comunicação, novos materiais, etc.), alterou substancialmente a função do território para a atividade industrial. Por outro lado, a integração das economias trouxe, ainda, uma importante ruptura no quadro geopolítico do planeta, com a participação dos países comunistas no sistema de mercado capitalista (China, Rússia e outros países do leste europeu ex-URSS) e a forte presença das economias ditas “emergentes” (sudeste asiático, Brasil, India, México) nesse mesmo mercado. É a própria noção de espaço econômico que sofre uma substancial alteração, abrindo novas frentes de investigação para os pesquisadores.

8É nesse contexto que as idéias de Fischer se colocam como uma contribuição ao debate e à compreensão dessas mutações e suas conseqüências territoriais. Nesse sentido, salientamos o texto “Os efeitos geográficos das novas tecnologias – abordagem geral”, de 1990, onde essas questões são tratadas de forma muito clara e abrangente. Nas palavras do autor, “A inovação e as novas tecnologias não têm somente transformado o próprio conteúdo da atividade industrial; elas têm modificado profundamente a organização espacial da indústria e transformado a organização e a estruturação dos espaços geográficos” (p.23).

9As transformações na esfera produtiva trazem, portanto, a necessidade de rever o instrumental teórico através do qual se abordava a distribuição espacial das atividades econômicas até então. No mesmo texto, o autor chama a atenção para o fato de que os esquemas clássicos de localização industrial - centrados na contribuição de Weber -  têm se mostrado inadequados para dar conta de novos requisitos locacionais da indústria. “Hoje, o impacto do custo de transporte sobre a escolha de uma localização é bem secundário em relação ao papel de fatores como o acesso à pesquisa, a presença de uma mão de obra altamente qualificada, a presença de uma eventual diversidade de serviços à economia...etc.” (p.25).

10O autor dirige seu olhar crítico não apenas às inadequações do quadro teórico, mas também para as conseqüências dessas transformações sobre a realidade. Assim, aponta ele para uma tendência à segregação qualitativa dos territórios, na medida em que as grandes empresas podem transferir seus estabelecimentos (segundo o tipo de atividade de que se ocupam) para as localizações que oferecem maiores vantagens. As atividades ditas “nobres” (design, marketing, P&D, entre outras) procuram as áreas urbanas, e mesmo metropolitanas, tendendo a valorizar cada vez mais esses espaços. Por seu turno, as atividades consideradas “banais”, como produção e montagem, procuram locais onde o custo da mão de obra seja menor e a força de trabalho não apresente um comportamento político por demais reivindicativo.

11Tendo em vista que tal segregação não ocorre somente no interior dos espaços nacionais, mas também à escala mundial – pois o espaço do capital não reconhece fronteiras nacionais - evidencia-se o aprofundamento das desigualdades territoriais do planeta. Estamos, portanto, frente a uma versão revista e ampliada do consagrado esquema analítico “centro-periferia”, em uso pelos economistas da CEPAL a partir dos anos 1960, para interpretar as desigualdades de desenvolvimento entre os países.

12Os demais trabalhos reunidos na primeira parte do livro, embora não sejam comentados detalhadamente aqui, merecem uma leitura atenta, pois abordam temáticas complementares e de grande importância, como a emergência da escala local, o papel da proximidade na organização do sistema produtivo local, as novas tecnologias como fator de dinamismo econômico regional, as pequenas e médias empresas e a busca da eficiência, entre outros.

13Na segunda parte, “Tempo e ordenamento do território”, predominam escritos de natureza teórico-conceitual, onde Fischer discute metodologias, propõe definições, expõe tomadas de posição.

14O autor parte da concepção do tempo como dimensão fundamental do ordenamento territorial. Tendo em vista que esse ordenamento se dá sob a forma de processo, forçosamente ele se desdobra no tempo, em etapas, em períodos, cada um com atribuições específicas.

15Engajado nas atividades de ordenamento/planejamento territorial, Fischer demonstra sua preocupação em deixar bem claras as atribuições do planejador (que não se confunde com o tomador de decisões), bem como as propriedades do espaço de intervenção (é localizado, histórico, oferece potencialidades, pode ser mais ou menos atrativo, detém certo grau de acessibilidade, apresenta múltiplos constrangimentos, abriga conflitos de interesse).

16Atendo-se em especial à questão da formação do planejador, Fischer insiste que não basta levar em conta o caráter pluridisciplinar dessa atividade para formar bons planejadores. A simples reunião dos conhecimentos de geógrafos, sociólogos, economistas, urbanistas, demógrafos não garante a qualidade do planejador, pois este precisa de uma formação específica que transcenda os conteúdos de cada disciplina. Para Fischer, “o ordenamento necessita, antes de tudo, de uma compreensão e de um conhecimento dos efeitos localizados das inter-relações espaciais entre fatos de naturezas diversas” (p.106).

17A complexidade do problema, pela imbricação de fatores em jogo, é de tal monta que se pode dizer que o autor foi muito feliz na abordagem que fez. Podemos, mesmo, tomar esses seus escritos como uma espécie de “guia de reflexões” para auxiliar os primeiros passos do planejador.

18A terceira parte do livro trata do tema transporte, através de dois textos bastante distintos. O primeiro aborda as relações entre o transporte e a localização industrial, enfatizando o impacto dos custos de transporte (ou de transferência, como prefere o autor) sobre os custos globais de produção e de distribuição. Esse texto, escrito em 1978, se insere na concepção então dominante que considerava o custo de transporte como fator determinante da localização industrial. “Graças à evolução dos transportes, a indústria adquiriu uma liberdade muito maior na escolha das implantações geográficas de suas unidades” (p.122), escreveu Fischer. Embora a ênfase dada aos custos de transporte não seja a mesma, atualmente, é inegável que as questões de infra-estrutura e de logística continuam exercendo grande influência sobre a atividade industrial, notadamente como fator de competitividade.

19No segundo texto – e último do livro – Fischer empreende uma tentativa de classificação dos portos marítimos, partindo de alguns critérios tais como : elementos favoráveis da geografia física local, intensidade do fluxo de mercadorias, função predominante de exportação ou de importação. Elaborado com bastante detalhe e muita clareza, o artigo apresenta ainda plantas de portos marítimos da Europa e de outros continentes.

20Com extensa prática na orientação de pesquisas, Fischer é adepto da idéia de que, mais importante do que as afirmações que fazemos, é a pertinência das questões que somos capazes de formular. A qualidade de uma pesquisa depende, pois, da problematização que está na sua origem. Embora seus textos reunidos nesse livro tenham um caráter predominantemente explicativo e propositivo – quase didático-, o autor não menospreza as virtudes da dúvida. No artigo em que trata da evolução da geografia industrial na França, escrito em 1996, Fischer lança a questão: em face das mutações contemporâneas em escala global, não seria necessário substituir a “geografia industrial especializada” por uma “geografia global dos meios geográficos”?

21É inegável que a atual fase da acumulação capitalista, cujos principais agentes são os grandes grupos econômicos supranacionais, expõe a geografia industrial a novos desafios. Nessa ordem econômica, a estratégia das grandes empresas industriais está pautada pelas decisões da corporação à qual pertencem, e sua lógica produtiva está submetida às decisões financeiras do grupo. A chamada financeirização da economia implica na autonomização do capital financeiro frente ao capital produtivo. Com isso, as estratégias das organizações corporativas voltam-se precipuamente para os ganhos financeiros, o que se reflete nos rápidos movimentos do capital financeiro no espaço. Isso não quer dizer que a geografia industrial deva desaparecer de cena, mas a tendência é que ela seja repensada e, talvez, refundada para melhor compreender o espaço econômico contemporâneo.

22Assim sendo, só nos resta saudar a iniciativa dessa publicação, que certamente será capaz de atrair o interesse não somente dos geógrafos, mas de todos os que se preocupam com o tema do desenvolvimento brasileiro. A tarefa que nos compete a partir daí será a de construir uma espécie de ponte entre os escritos de André Fischer e a realidade brasileira. As peculiaridades do nosso País, por sua vez, poderão contribuir com desdobramentos das discussões teórico-conceituais empreendidas pelo autor, numa dialética necessária às transformações da geografia econômica.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Áurea Breitbach, « Indústria, ordenamento do território e transportes – a contribuição de André Fischer », Confins [En ligne], 5 | 2009, mis en ligne le 20 mars 2009, consulté le 16 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/5630

Haut de page

Auteur

Áurea Breitbach

Economista de Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul, Brasil, Doutora em Geografia pela Université de Paris I – Panthéon – Sorbonne, aurea@fee.tche.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals