Navigation – Plan du site

Interrogando a ciência: a concepção vidaliana da geografia

Interrogeant la science : la conception vidalienne de la géographie
Interrogating science: the vidalian concept of geography
Guilherme Ribeiro

Résumés

Cet article veut réunir un ensemble de réflexions théoriques et méthodologiques du géographe Français Paul Vidal de la Blache (1845-1918) afin de soutenir l’existence d’une vraie épistémologie vidalienne. Notre prétention c’est suggérer une lecture différente de la lecture habituelle : si Vidal de la Blache est présenté comme un auteur essentiellement descriptif et régional, le dialogue interdisciplinaire, la description et les jeux sur les échelles montrent la complexité de sa pensée

Haut de page

Texte intégral

1Seria exagero dizer que, da segunda metade do século XIX à Primeira Guerra Mundial, houve uma “crise espacial” ? A Conferência Internacional de Geografia e o Congresso de Berlim, ocasiões em que as potências européias discutiram a partilha colonial da África e da Ásia ; a constante mutação do mapa europeu, envolvendo projetos geopolíticos distintos como o surgimento de Estados-Nação (Itália e Alemanha), fim de antigos impérios (Austro-Húngaro e Turco-Otomano) e expansão territorial interna (a França napoleônica e a Alemanha bismarckiana) ; a renovação da geografia escolar e a institucionalização da geografia universitária pós-1870, apoiada pelo Estado, economistas liberais e ativistas pró-coloniais ; e o espraiamento do binômio urbanização-industrialização não seriam, em conjunto, feições representativas desta crise ?

2E é aqui que entra, vigorosamente, a geografia vidaliana : não como uma vertente geográfica francesa que se opunha ao germanismo imperialista, mas, sobretudo, como um “paradigma” de uma era. Ela recolhe e examina as grandes questões que afligiam a Europa de então. A saber : descrição, mapeamento e exploração do ambiente ; papel da cidade como intensos centros de influência e da circulação “desterritorializando” antigas raízes camponesas na organização espacial do mundo moderno ; conflitos entre Estados territoriais. Além disso, ela é paradigmática não apenas no campo temático, mas também no campo metodológico : mesmo com o progresso dos transportes e das comunicações a superar distâncias e adversidades naturais ; no instante em que noções como proximidade e distância, interior e capital, pays e região sofriam profundas transformações, redefinindo suas formas e seus conteúdos ; e quando os princípios naturalistas que regiam a découpage do mundo eram substituídos por outros critérios, isso não significava, em hipótese alguma, a irrelevância do espaço e do território. Sua démarche incorporava o resgate do passado na elucidação do presente, a dependência das regiões umas às outras e as diferenças fisionômicas entre elas. Em torno do princípio da unidade terrestre e para além da mera quantificação da escala, eram indissociáveis o local e global, a parte e o todo, o detalhe e o conjunto (Robic, 2004).

3A despeito de Vallaux (seu ex-aluno) ter reconhecido que “Vidal nunca quis definir seu pensamento atribuindo-lhe contornos muito nítidos” (Vallaux apud Claval, 2007 :63), e de Berdoulay ter apontado “quase que uma ausência de referências a filósofos e outros pensadores da problemática da pesquisa científica” (Berdoulay, 1995 :183 [1981]), existe um conjunto de noções e conceitos que nos permite falar em uma epistemologia vidaliana. Alguns artigos estão claramente voltados para esta temática, embora as lições teórico-metodológicas apareçam quase que na totalidade de seus escritos aqui revisados. Este é um ponto importante : casos empíricos variados representam uma oportunidade de repensar a teoria. Ou, o que é a mesma coisa, existe uma teoria por trás da apreensão das mudanças empíricas. É bem verdade que, na constituição do campo das Ciências Humanas no decorrer do século XX, o conceito de teoria parece ter enrijecido e assumido um tom formalista — sobretudo quando da insistência em separar o “senso comum” da ciência, valorizando esta em detrimento daquela. Nessa trilha, uma das principais críticas voltadas ao período clássico diz respeito à fragilidade de um perfil teórico que autorizasse a cientificidade da Geografia — configurando mesmo um ponto de convergência entre autores tão diferentes entre si como Carl Sauer, Richard Hartshorne e Fred Schaeffer (Gomes, 1996 :223-246). Todavia, o empenho vidaliano de institucionalizar a Geografia na universidade e ampliar seu raio de ação pedagógico ; demarcar o campo de atuação do geógrafo frente aos historiadores, geólogos e sociólogos sem, no entanto, abrir mão da interdisciplinaridade ; conceber certos conceitos e aplicá-los a situações concretas ; e fornecer à Geografia uma visão coerente que possibilitasse o tratamento de temas variados não pode ser desprezado quando falamos em construção do conhecimento.

4Assim, destacaremos e interpretaremos quatro dos principais pontos da geografia vidaliana : (i) aporte das Ciências Naturais ; (ii) multi-escalaridade ; (iii) descrição ; (iv) interdisciplinaridade.

O diálogo com as Ciências Naturais

5Uma vez admitindo – ao menos didaticamente – o paradigma cartesiano-newtoniano como a síntese da ciência moderna, base racional e metódica que busca leis e as expressa segundo a linguagem matemática, este privilegiou antes a natureza que o homem. Pode-se, inclusive, dizer que a ciência moderna dicotomizou-os, numa operação epistemológica cujos efeitos são assaz profundos até os dias atuais. No século XIX, ainda que o historicismo alemão de Dilthey representasse uma crítica aos pressupostos de Newton e Descartes, admitia dois tipos de ciências : as do Espírito e as da Natureza (LÖWY, 1987 ; REIS, 2005). Independente de seu esforço em valorizar as primeiras, os avanços da Matemática, Física, Química, Biologia e Geologia e suas posições nas universidades antecedem o surgimento das Ciências Humanas, que situam-se no bojo de um amplo movimento de fragmentação do conhecimento em campos científicos, “pondo fim” aos grandes esquemas filosóficos que marcaram o século XIX, como o Marxismo, o Positivismo e o Hegelianismo. Em termos foucaultianos, inaugurava-se a episteme moderna, onde cada ciência possuiria objeto, vocabulário e metodologia próprios, afastando-se progressivamente umas das outras e representando um único mundo de variadas formas. Tal quadro torna-se mais complexo com a crise do paradigma acima citado, tornada patente com o aparecimento do Homem como um dado novo na ordem do saber (Foucault, 1999 [1969]).

6Divulgando um campo de saber diferente do “ideal de contemplação” que caracterizava os trabalhos dos alemães Carl Ritter e Alexander von Humboldt no século XIX (Gomes, 1997 :14), Ratzel e Vidal organizavam uma Geografia de cunho científico que se propunha a investigar a ação humana sobre a superfície terrestre. Mas, não terá sido, talvez, o projeto mais difícil a ser realizado dentre a operação de seleção dos objetos levada adiante pelas Ciências Humanas ? Ao integrar o Homem, a Natureza e a Cultura, não estaria a Geografia dando um passo vanguardista demais precisamente em um momento de delimitação dos saberes ?

7Esse é um dos imbróglios que marca a atividade intelectual vidaliana e que provocou a ira de historiadores e geólogos, “invadidos” pela jovem disciplina. Afinal, pertencia a Geografia às Ciências Humanas ou às Ciências Naturais ? Enquadremos com mais precisão a questão, posto que ela não é tão simples quanto parece. Durante sua vida (1845-1918), o domínio de atuação das Ciências Humanas não está senão em execução : a História, por mais que obtivesse cadeiras nas universidades alemã e francesa desde o início do XIX, dividia espaço com as Filosofias da História e com as abordagens de caráter narrativo-literárias, e só vai afirmar seu estatuto científico a partir do último quartel deste mesmo século, com os trabalhos documentais de Ranke, Langlois e Seignobos ; a Sociologia, embora deite raízes em Comte e Marx, só dará seu impulso rumo à autonomia científica com as reflexões capitais de Durkheim e Weber na virada do século XIX e início do século XX ; e a Geografia não é outra coisa senão uma disciplina “ainda mal fixada” no final do século XIX (Capel, 1981). Nas primeiras décadas do século XX, a delimitação fronteiriça entre as ciências do homem persiste : a tentativa dos durkheimianos de criar a morfologia social, em detrimento da geografia humana (Carvalho, 1997, 1997a) ; a proposta febvriana em delimitar as fronteiras entre a Sociologia, a História e a Geografia (Febvre, 1991 [1922]) ; e as críticas dos primeiros Annales à especulação filosófica em História (Reis, 2000) são algumas amostras.

  • 1  Berdoulay ensaia localizar o discurso geográfico entre os demais gêneros científicos e, nesse cont (...)

8A partir do quadro acima, a tendência natural das coisas ia na direção do alinhamento com as Ciências Naturais, ainda que Vidal de la Blache tenha recebido uma formação de historiador. Mas, afinal, o que isso tudo representa ? Qual é a relação entre este jogo de cruzamentos e o desenvolvimento posterior do conhecimento geográfico ? Para respondê-la, voltemos a examinar a História e a Sociologia : Ranke, Langlois e Seignobos concentravam-se em torno da história política e dos indivíduos que a fizeram, como nobres e militares. Uma história biográfica, focalizada na apologia aos acontecimentos grandiosos que constituíram a pátria, como batalhas e tratados diplomáticos. Factual, insistia na sequência cronológica e nas datas a serem memorizadas. Por sua vez, Durkheim e seus seguidores, embora tivessem identificado a particularidade do fato social, abriram mão da perspectiva histórica e, a despeito da criação (malograda) da morfologia social, que pretendia incorporar aspectos da paisagem e do meio, permaneceram focados na explicação das variedades fenomênicas da vida em sociedade. A seu turno, diferente das demais ciências que então surgiam, a Geografia era algo que construía sua identidade a partir da integração entre os ramos físico e humano. Nisto residia sua especificidade — e, igualmente, seus dilemas 1 !

9Dessa maneira, declarar que a Escola Francesa de Geografia utilizara uma linguagem organicista (Berdoulay, 1988 :75-87) ; Vidal como praticante de uma Ecologia do Homem (Robic, 1993 :141) ; o status naturalista de sua geografia (Rhein, 1982 :244) ; ou que, sob sua forma clássica, a geografia era uma ciência natural da sociedade (Claval, 2007 :22) explica apenas uma parte da questão. Embora concordemos que sua visão sobre a dinâmica constitutiva da sociedade e seus grupos é marcadamente incipiente e que a proximidade junto às démarches das Ciências Naturais é notória, Vidal tinha plena consciência da inscrição social e histórica do período em que estava vivendo e das profundas mudanças em curso geradas tão somente pelo Homem. É nesta costura intelectual que podemos encontrar, em Le principe de la géographie générale (Vidal de la Blache, 2002 [1896]), Les genres de vie de la géographie humaine (I e II)(Vidal de la Blache, 1911, 1911a) e Des caractères distintifs de la géographie (Vidal de la Blache, 1913), um Vidal mais fisicalista ; em La zone frontière de l’Algérie et du Maroc (Vidal de la Blache, 1897), Évolution de la population en Alsace-Lorraine et dans les départements limitrophes (Vidal de la Blache, 1916) e La frontière de la Sarre, d’après les traités de 1814 et de 1815 (Vidal de la Blache, 1919), um Vidal mais político e histórico ; e em Leçon d’ouverture du cours de Géographie (Vidal de la Blache, 1899), De l’interpretation géographique des paysages (Vidal de la Blache, 1908) e Principes de Géographie Humaine (Vidal de la Blache, 1954 [1921]) um Vidal que conjuga simultaneamente os aspectos físico e humano.

10Portanto, estaríamos diante de um pensamento que possui etapas ? Cujo norte impreciso favorece interpretações variadas ? Pode ser. Aqui, sugerimos uma terceira possibilidade : o elemento constante da geografia vidaliana é o estudo das relações homem-meio. É o núcleo onde, ao seu redor, gira todo o enredamento da vida social. As esferas política, econômica, cultural e social possuem uma autonomia que não é senão relativa, na medida em que estão inexoravelmente ligadas ao meio em que foram engendradas. E é este mesmo meio que constitui-se em locus privilegiado para a observação dos desdobramentos de tais esferas. Deste modo, o tratamento geográfico da política localiza-se na conquista territorial ; da economia, na capacidade técnica de extração dos recursos e de articulação entre as escalas ; da cultura, na identidade com o lugar ; e da sociedade, na adaptação ao meio.

11Como parte significativa dos intelectuais do século XIX (Comte, Marx, Ratzel e Durkheim, apenas para citar alguns), por repetidas vezes ele lançou mão de um vocabulário próprio das Ciências Naturais e de metáforas/aproximações naturalistas na análise da sociedade. Vejamos : ao entender que a indústria moderna representava uma novidade que, no entanto, se beneficiava de certas condições outrora estabelecidas pelas populações locais, diz que “Se tudo se transforma, nada se perde no desenvolvimento de uma civilização” (Vidal de la Blache, 1916 :102), numa clara referência à lei da conservação das massas de Lavoisier. Noutra ocasião, discutindo a marcha política dos Estados Nacionais, pode-se ler “Quem diz desenvolvimento diz ação e reação constantes. É no contato com forças adversas que os elementos da vida política se contratam e se tornam precisos” (Vidal de la Blache, 2002 :134 [1898]), repetindo desta vez a terceira lei de Newton. Sua definição de Geografia segue o mesmo compasso : após mencionar elogiosamente o climatólogo J. Hann (citará em seguida o naturalista Buffon), expõe que

12“a geografia, inspirando-se como as ciências vizinhas na idéia de unidade terrestre, tem por missão especial procurar como as leis físicas ou biológicas, que regem o globo, se combinam e se modificam aplicando-se às diversas partes da superfície. Ela as segue em suas combinações e suas interferências. A Terra lhe oferece, para isso, um campo quase inesgotável de observações e de experiências. Ela tem por objetivo principal estudar as expressões mutáveis que revestem, conforme os lugares, a fisionomia da Terra” (vidal de la Blache, 1913 :291).

13Assim, mesmo se inspirando nas Ciências Naturais para agrupar, classificar e subdividir os fenômenos (Vidal de la Blache, 1902 :23), e ainda que a Geografia as pertencesse, era necessário demarcar e esclarecer as diferenças entre ambas :

14“Ao refletir, fiquei impressionado pelos mal-entendidos que reinam sobre a própria idéia da Geografia. No grupo das Ciências Naturais, ao qual sem nenhuma dúvida se integra, ela possui um lugar à parte. Suas afinidades não excluem sensíveis diferenças. Ora, é sobretudo a respeito dessas diferenças que as idéias são pouco precisas” (Vidal de la Blache, 1913 :289).

15Enfatize-se : Vidal sabia que o que estava fazendo não era História, nem Ecologia ou Biologia. Ele estava consciente do caráter sui generis da disciplina que ajudava a edificar (Ribeiro, 2007). É verdade que, em algumas passagens, o homem parece deslocado frente à escala da natureza : clima, relevo, vegetação e hidrografia são elementos centrais na compreensão dos gêneros de vida ; a diversidade dos lugares é, antes de tudo, a diversidade dos ambientes ; a compreensão geográfica começa pelo quadro natural ; e os carneiros e as cabras são “poderosos agentes geográficos” (a expressão é dele) (vidal de la Blache, 1911, 1911a :300, 1913). No entanto, mesmo quando utiliza uma terminologia organicista, faz questão de realçar o elemento central da ação geográfica : “Nesta hierarquia de formas de agrupamento, a cidade representa num grau de destaque a emancipação do meio local, uma dominação mais forte e mais ampla do homem sobre a terra. A natureza, para isso, preparou os sítios (...), mas é o homem quem cria o organismo” (Vidal de la Blache, 2002 :133, grifo nosso [1898]).

16Enfim, compartilhar com o século XIX a idéia de que a Terra é regida e organizada segundo as leis da natureza não é suficiente para encobrir uma visão carregada de nuances : ele não a adere a ponto de ver o mundo como uma máquina e, embora faça coro à noção de evolução (Vidal de la Blache, 1913 :294), nem por isso corrobora com a perspectiva do darwinismo social — a fim de, p.ex., explicar o Colonialismo. O antídoto é a história, em que os homens não se prendem à escala local, estabelecem relações entre lugares longínquos, agrupam-se numerosamente nas cidades e formam poderosos Estados Nacionais. Entretanto, não se trata de uma história linear e fatalista cujo destino conduzirá inevitalmente ao progresso. Desta vez, o antídoto é o meio, fator decisivo na diferenciação do processo histórico. Este singular amálgama liga-se a uma concepção em que homem e meio estão em profunda coesão, numa aberta recusa ao ponto de vista dicotômico sacramentado pela ciência moderna.

O jogo de escalas

17Apoiado na convicção da unidade terrestre – “a inspiração e o princípio originais de toda Geografia” – e de causas gerais agindo no conjunto da superfície (Vidal de la Blache, 1908 :64), Vidal demonstrava assim sua leitura de totalidade. A Terra vista como um todo, cujas partes estão interligadas. Embora guardem suas especificidades, os lugares não são outra coisa que os intercâmbios históricos forjados entre as diversas partes do mundo. Se por conta de Febvre e Lacoste propagou-se, respectivamente, que o predicado maior da geografia clássica francesa estava nas monografias regionais e que a região vidaliana era “conceito-obstáculo” a impedir a apreensão dos planos nacional e mundial (Lacoste, 1988 [1976] ; Febvre, 1991 [1922]), tais observações estão antes ligadas a operações historiográficas específicas – a restrição do campo de atuação do geógrafo e a rejeição marxista às correntes geográficas anteriores – que propriamente à concepção escalar vidaliana.

18Esta é uma das grandes heranças do pensamento deste geógrafo : a extensão espacial da análise, a dependência dos lugares em relação aos outros, o entrelaçamento de escalas. Seja explorando a trama entre pays e região em âmbito nacional, revendo o processo de formação territorial da França através dos litígios nas zonas fronteiriças ou atentando à complexa rede mundial tecida pelo Colonialismo, Vidal manejava com precisão o jogo de escalas montado pela sociedade urbana-industrial de então (Ribeiro, 2008). Em termos gerais, estava em curso uma metamorfose das relações espaço-tempo – algo que, embora não tenha teorizado, soube captar. Eis as principais características das escalas abordadas por Vidal :

  • 2  Vide o pequeno, porém elucidativo, texto d’Ozouf-Marignier (Ozouf-Marignier, 2004).

19Pays : mereceu atenção especial, posto que representava uma França profunda, constituída no bojo de uma temporalidade secular. A França rural, com sua arquitetura de casas de pedra e estreitas vilas medievais agitadas, de tempos em tempos, pelos peregrinos rumo a Santiago de Compostela ; das pequenas propriedades de subsistência e sua adaptação ao meio, levando os camponeses a recolher a grama no verão para alimentar os animais no inverno. Ultrapassando as adversidades climáticas, linguísticas e o tamanho do território, pouco a pouco seus habitantes influenciavam-se mutuamente. Contém vários gêneros de vida e, portanto, um rico panorama paisagístico e cultural 2.

20Região : escala-chave tanto em termos empíricos quanto teóricos, seu conjunto revelava e forjava a diversidade da nação francesa – e, ao mesmo tempo, do autor supracitado. Privilegiados os traços físico e, posteriormente, o econômico e o político, a região encarnava um mundo em mutação cuja liderança residia na cidade e na indústria, que polarizavam os demais espaços pelo dinamismo de suas atividades e infra-estrutura de transportes e comunicações. Por causa disso, havia um novo ritmo impresso à vida social, cuja materialização geográfica podia ser apreendida pela dinâmica regional. Assim, embora regionalizar fosse uma tarefa de definição precisa de critérios e limites, tais estavam longe de serem fixos, posto que as regiões eram tributárias do movimento da história. Tampouco elas se encerravam em si mesmas : ao contrário, suas particularidades estavam vinculadas ao seu entorno, à sua situação/posição diante das demais escalas. Uma vez preenchidos requisitos como atenção à conjuntura social, aptidão cartográfica e conhecimento histórico, o geógrafo estava pronto a conduzir o aménagement du territoire, perfazendo a região como o domínio político por excelência de seu ofício.

  • 3  Por vezes, ele discordava da política colonial (Vidal de la Blache, 1897) e da diplomacia francesa (...)

21Território : sinônimo de Estado-Nação, através dele Vidal expressava sua inclinação pela geopolítica. A inexistência de uma reflexão sistematizada sobre o poder, a política e o Estado não o impediu de formular prodigiosos raciocínios geopolíticos de matiz nacionalista, quer no tocante à inserção da França no mapa europeu, quer ao Império como um todo. O território implica, concomitantemente, numa história de dispersão e reunião de escalas : dispersão, posto que os homens se enraizam em seus sítios mas rompem com os vínculos exclusivamente locais, seja migrando para outras áreas, seja expandindo as trocas comerciais ; e reunião, posto que o formato político das sociedades modernas confere ao Estado Nacional o papel de organização e coordenação dos níveis espaciais em que se desenvolvem as atividades cotidianas. Seu arraigado nacionalismo não o impediu de levantar críticas ao mesmo, seja no domínio da geopolítica, seja no da economia3.

22Terra : escala de referência, no sentido da totalidade e do conjunto no qual as demais escalas estavam inseridas. Representa a base comum no qual repousa a vida humana, animal e vegetal, sujeitas às interferências climáticas e geológicas. Independente da Geografia estudar a diferenciação paisagística e regional, o pressuposto da unidade terrestre permitia a apreciação de que os lugares não só dependiam uns dos outros como influenciavam-se mutuamente.

23À pluralidade temática e conceitual segue-se a pluralidade de escalas. Em suas explanações, Vidal retira exemplos das mais variadas partes do mundo : Estados Unidos, Brasil, Argélia, Rússia, Inglaterra, México, Grécia, China... Não por acaso, a editora Armand Colin propõe, no final de 1900, a publicação de uma Geographie Universelle, projeto concebido por aquele e dividido entre seus alunos mas que, por conta da guerra, só aparecerá em 1927 (CLAVAL, 2007 :69). Porém, mais importante que a extensão global de suas preocupações é a percepção de que a dinâmica escalar funciona de maneira articulada. A despeito das fronteiras políticas, das transições climato-botânicas e das imposições do meio, predomina uma visão de conjunto que nos parece capital :

24“A idéia de que a Terra é um todo, no qual as partes estão coordenadas, proporciona à Geografia um princípio de método cuja fecundidade aparece melhor à medida que se amplia sua aplicação. Se nada existe isoladamente no organismo terrestre, se em todo lugar repercutem as leis gerais de modo que não se possa tocar uma parte sem provocar todo um encadeamento de causas e de efeitos, a tarefa do geógrafo toma um caráter diferente daquele que às vezes lhe é atribuído. Qualquer que seja a fração da Terra que estude, ele não pode nela se fechar. Um elemento geral se introduz em todo estudo local. Não há, de fato, área em que a fisionomia não dependa de influências múltiplas e longínquas, das quais importa determinar o local de origem. Cada área age imediatamente sobre a vizinha e é influenciada por ela. Fora mesmo de toda relação de vizinhança, a ação cada vez melhor reconhecida de leis gerais se traduz por afinidades de formas ou de climas que, sem alterar a individualidade própria de cada área, marca-a com características análogas. Estas analogias ou ‘conformidades’, seguindo o termo muito conhecido de Bacon, desde que o homem começou a dominar o conjunto dos fenômenos terrestres, chamaram a sua atenção. Muitas podem ser apenas aparentes, mas outras são reais ; elas são fundadas não sobre puros encontros exteriores, mas sobre relações de origem e de causas. Entre estas a aproximação se impõe, pois cada uma proporciona à outra seu tributo de explicação. O geógrafo é levado assim a projetar sobre o objeto que estuda todo o esclarecimento fornecido pela comparação de casos análogos” (Vidal de la Blache, 2002 :135 [1896], grifo nosso).

25Extraída de um de seus textos teórico-metodológicos mais importantes – Le Principe de la Géographie Générale (Vidal de la Blache, 2002 [1896]) –, esta longa e esclarecedora passagem denota a proximidade com as Ciências Naturais. Com referências a Bacon, Buffon e Newton, Vidal retira a noção de totalidade ao observar a dinâmica da natureza : as correntes marítimas, a circulação climática e o modelado do relevo afetam grandes extensões da superfície terrestre, tal como os exploradores dos séculos XV e XVI puderam comprovar. O progresso das ciências estava diretamente ligado às mudanças históricas, e a descoberta de áreas outrora desconhecidas pelos europeus iluminava o que antes não passava de especulação. A Expansão Européia e a Revolução Científica trouxeram uma nova interpretação do espaço terrestre.

  • 4  Não obstante, mesmo um historiador como Roger Chartier não se faz de rogado e afirma que, na geogr (...)
  • 5  Nesse sentido, Vidal recorda o legado deixado por Varenius, Humboldt e Ritter. Segundo Claval, est (...)

26No que tange à Geografia, seus horizontes eram muito mais amplos do que a Europa podia oferecer : uma concepção real da escala mundo começava a ser desenhada, permitindo um enfoque de tipo comparativo. Uma visão pontilhista não se sustentava caso não se juntasse ao conjunto geral dos fenômenos. Não se tratava de uma substituição, mas de uma integração da parte ao todo, do particular ao geral ; nem tampouco do enciclopedismo vago e genérico, mas da necessidade de conexão entre as escalas. Não existe, portanto, dicotomia entre a Geografia Geral e a Geografia Regional, na medida em que as escalas dependem umas das outras (Vidal de la Blache, 1913 :292). Por mais que o geógrafo delimitasse seu objeto, isso não significava sua restrição escalar, pois os princípios que constituem a base de sua elucidação vivem uma relação de mútua influência junto a outras escalas 4. Não existe lugar que se explique por si só, pois compreender as causas dos fatos demanda a conjunção de elementos esparsos (Vidal de la Blache, 1899 :101). E a conjuntura vivida por Vidal foi essencial, impelindo-o a assinalar – como vimos nas páginas precedentes – o desenraizamento causado pelo maquinismo, as cidades enquanto pólos de poder e a diminuição das distâncias como amostras da emergência de uma nova configuração escalar. Igualmente, a visada geopolítica examinando a posição da França (sobretudo o Leste) no continente europeu, comparando o Império Francês ao Império Britânico e atentando às relações de seu país com a América do Sul são exemplos valiosos que mostram não somente o raio de ação de seu pensamento, mas o poder da escalas quando da análise de situação 5.

Da descrição à explicação

27Tal análise associa-se a uma outra feição epistemológica proeminente. E aqui é curioso perceber que, se de um lado Vidal fala muito em leis, buscando, talvez, dotar de cientificidade a Geografia, de outro lado jamais ensaiou a enunciação de uma lei geográfica. Pelo contrário : ele recorre insistentemente à descrição, advertindo-nos acerca do perigo das generalizações “prematuras”, “vagas” e “excessivas”, (Vidal de la Blache, 1902 :23, 1908 :364, 1914 :261), contrapondo-as às qualidades das monografias e à localização precisa dos fatos (Vidal de la Blache, 1902 :23 ; 1914 :261).

28O aporte metodológico dado pela descrição – o que, ao nosso ver, não deixa de ser uma certa desconfiança frente às abstrações de matiz filosófico – permite uma aproximação “literal” com o fenômeno a ser conhecido. A composição dos elementos físicos e a caracterização do sítio, p.ex., são exercícios balizadores da prática vidaliana. Eis o primeiro parágrafo de La frontière de la Sarre d’après les traits de 1814 et 1815 :

29“A Sarre, depois de suas fontes no monte Donon até seu confluente na Moselle, em Conz (7 km acima de Trèves), descreve um vasto arco de círculo no interior do qual se desenvolveram os destinos de Lorena. Ela circunscreve, pela margem esquerda, as planícies de cereais que são o celeiro do país, as minas de sal que tem alimentado seu comércio há muitos e muitos anos e as costas calcárias, que balizam seus velhos burgos e suas principais cidades. À direita, ela flui por uma centena de quilômetros na borda do Vosges, ligando assim as avenidas da Basse-Alsace. Sarrebourg, Pons Saravi dos itinerários romanos, é o ponto de passagem obrigatório em direção à garganta de Saverne. De Sarre-Union chega-se aos desfiladeiros da Petite-Pierre (Lützelstein). A Sarreguemines dá na estrada e no caminho de ferro de Bitche e Niederbronn” (Vidal de la Blache, 1919, p. 249).

  • 6  “O geógrafo é de início um homem de campo. Deve fazer prova de um senso agudo de observação e ter (...)

30Descrever associava-se à necessidade de identificação in loco dos fenômenos. Era necessário estar em contato com o objeto, reconhecê-lo através de evidências concretas, tocá-lo e vivenciá-lo. Admitia-se que o geógrafo diferenciava-se dos demais cientistas pelo olhar, pelo coup d’oeil 6que, uma vez lançado sobre determinada área, permitia-lhe uma série de inferências e correlações entre as formas de relevo e o tipo de solo, os agrupamentos humanos e as atividades econômicas que, somados, formavam sua “personalidade”. Jean Brunhes também sugeriu que o geógrafo possuiria um olhar específico, algo que não seria um atributo de todos. À pergunta “Em que consiste o espírito geográfico ?”, ele responde diretamente : “Quem é geógrafo sabe abrir os olhos e ver. Não vê quem quer” (Brunhes, 1962, p. 416 [1910]). Posteriormente, o geógrafo americano Carl Sauer retomará tais ensinamentos, sugerindo que era no trabalho de campo que as habilidades dos alunos seriam postas em prática. Dependendo da percepção e da sensibilidade do estudante no que tange à observação, ele, Sauer, seria capaz de filtrar “os recrutas que podem iniciar, se a Geografia é uma ciência de observação” (Sauer, 2000, p. 141 [1956]).

31No entanto, a descrição não exclui a explicação, pois o próprio objeto da Geografia, juntamente com a ligação dos fenômenos e seu encadeamento, exigia uma apresentação atenta e minuciosa :

32“A Geografia distingue-se como ciência essencialmente descritiva. Não seguramente que renuncie à explicação : os estudos das relações dos fenômenos, de seu encadeamento e evolução são também caminhos que levam a ela. Mas esse objeto mesmo a obriga, mais que em outra ciência, a seguir minuciosamente o método descritivo (...) A descrição geográfica deve ser maleável e variada como seu próprio objeto” (Vidal de la Blache, 1913, p. 297).

33Portanto, descrever é o canal escolhido para apreender o conjunto, agrupar e classificar (Vidal de la Blache, 1903, p. 224). Não há dúvida que as expedições coloniais impressionaram os geógrafos, impelindo-os aos trabalhos de campo e à observação direta. Mais que isso : elas ampliavam o conhecimento do globo e, consequentemente, os horizontes da ciência geográfica (Vidal de la Blache, 1899, p. 103 ; 1902, p. 14 ; 1903, p. 19). No entanto, Vidal não perdia de vista o senso crítico em torno da démarche geográfica : da pertinência da cartografia como recurso utilizado pela geografia política, exorta que “por mais variados que sejam ou que possam vir a ser seus meios de expressão, [ela] não será suficiente para a explicação dos fatos”, fatos estes que carecem de “uma interpretação atenta” a fim de não negligenciar a complexidade encoberta por trás de uma lista de nomes e demarcações fronteiriças (Vidal de la Blache, 2002, p. 137 [1898], grifo nosso).

  • 7  Para Ozouf-Marignier, o talento vidaliano em descrever viagens é inspirado pelos geógrafos alemães (...)

34Longe do descritivismo e do empirismo, descrever era uma espécie de descoberta : em suas viagens, o geógrafo coletava informações e as apresentava como novidade, divulgando as feições da superfície terrestre e os contrastes físicos, sociais e culturais entre os espaços. Vidal não deixa de ser um explorador, mas do território francês. Não é assim no Tableau, onde cada página fornece a impressão de um retrato vivo da França em movimento 7 ? Isso poderia ser obtido através do reconhecimento do terreno e, consequentemente, por meio da valorização do conhecimento empírico do povo francês : o vocabulário popular, p.ex., pode ser útil na elucidação de um problema. Igualmente, são os camponeses “geólogos à sua maneira”, enquanto os comerciantes são bons narradores dos hábitos dos países estrangeiros (Vidal de la Blache, 1913, p. 297 ; 2007, p. 336 [1903] ; 1996-97 [1902]). Ou seja, há uma dimensão prática da Geografia que não pode ser ignorada. Além disso, a descrição permitia o manejo de outro importante meio de investigação : a comparação. Para Vidal, comparar ambientes e paisagens é perceber diferentes combinações espaciais entre elementos idênticos — o que o leva a afirmar que “cada região é a expressão de uma série própria de causas e efeitos” (Vidal de la Blache, 1902, p. 108).

  • 8  Claval explica que “a erudição na qual a geografia esteve por tanto tempo ligada parecia estéril a (...)

35Não é uma eventualidade o destaque dado à paisagem, definida sem maiores esforços como aquilo que se vê. Cabia descrevê-la e compará-la em sua morfologia e diversidade : tipos de plantas e de relevo, regimes alimentares e plantações, desenho e material das casas, meios de transporte e traçado das estradas. Daí a utilização da fotografia como uma verdadeira técnica de pesquisa por Vidal, Demangeon, de Martonne, Brunhes, Deffontaines e Monbeig (Mendibil, 2006, p. 58-61 ; 2006a, p. 233-247). Todavia, era mais que um registro ou um inventário. Havia uma interpretação geográfica das paisagens : uma vez caracterizada a composição geológico-geomorfológica de uma certa área, notava-se que esta “estrutura” multissecular ia recebendo, aos poucos, uma feição diferente da anterior. Sujeita ao homem, a natureza exercia seu poder de adaptação ; sujeito à natureza, o homem exercia seu poder de transformação. A descrição, portanto, não era ingênua : ela seguia os passos das modificações humanas provocadas no meio e das mudanças sociais resultantes da modernidade. É por isso que Vidal destaca tanto os pays quanto as cidades, a vida camponesa e a circulação econômica regional. Descrever era atualizar a imagem de um mundo em mutação e, ao mesmo tempo, uma forma de renovação do métier do geógrafo : associada aos trabalhos de campo, combatia a “geografia de gabinete” e a erudição estéril outrora dominantes 8.

36Entretanto, a preocupação não se restringia à forma, mas sobre a maneira de fazer e agir sobre o meio. Um dos traços emergentes da perspectiva vidaliana é uma geografia do cotidiano, uma “micro-geografia” a narrar os costumes do homem comum – provavelmente por influência da Sociologia e da Etnografia. A atenção dispensada à comida, à bebida e mesmos aos gestos levou-o a escrever que :

37“O modo de alimentação difere pouco entre a grande maioria dos habitantes rurais da França. Nem mesmo a cozinha, a despeito de alguns ingredientes que são objeto de litígio entre o Norte e o Sul. O camponês champenois mostrado por Taine comendo sopa na entrada de sua casa mostra uma atitude e uma ocupação que poderiam ser encontradas por toda a França. Quando, nos quadros de raros pintores que não menosprezaram os camponeses, vemos os Lenain, a atitude e a fisionomia dos rurais do século XVIII, nós os reconhecemos entre seus descendentes atuais. São os gestos lentos destes comedores de pão, aproveitando a ocasião para degustar o vinho, sentados em torno de um grosso e redondo pedaço de pão, ‘pesadamente’ sobre suas escadas de madeira” (Vidal de la Blache, 2007, p. 384-385 [1903]).

Uma complexa leitura interdisciplinar

  • 9  É o que ele faz questão de esclarecer em Des caractères distintifs de la Géographie, demonstrando (...)

38Enfim, a variedade de temas deve-se tanto às possibilidades dadas pela démarche geográfica quanto à prática interdisciplinar exercida por Vidal. Diplomado historiador e geógrafo de profissão, dialogou constantemente com a Sociologia, Etnografia, Geologia, Biologia, Ecologia e Cartografia, abordando temas como educação, cultura, política, sociedade e economia. Claro está que, inscrito no ambiente do final do século XIX, raciocinava em termos da demarcação entre as ciências, procedimento imperativo seja por causa das demandas de conformação de um campo científico, seja para defender-se das acusações de empréstimos indevidos denotando ausência de um objeto específico9. Porém, um dos traços de seu pensamento reside na integração. No momento em que o campo científico dedicava-se a buscar a especificidade de seus domínios, a Geografia não se encerrava em si mesma : seja por causa do alcance do objeto, que abarcava a relação homem-meio por toda a superfície terrestre e exigia o domínio de uma série de conhecimentos, seja por conta do estatuto “híbrido”, ora inclinada a uma abordagem mais naturalista, ora ressaltando a dinâmica propriamente humana, nesse jogo de equilíbrio instável Vidal esboça uma Geografia do contato e da aproximação com as Ciências Humanas e Naturais. Exemplo disso é que, ao mesmo tempo em que a inscreve no grupo destas últimas, é o idealizador do termo “Geografia Humana”, cuja raiz não é outra senão a Antropogeografia ratzeliana – que, por sua vez, também mescla elementos de Etnografia, História e Ecologia.

39Na análise da condição geográfica de um fenômeno, o aporte oferecido pelas demais ciências era essencial. Tal como insistia na “vida de relações” e na circulação como meios de promover o desenvolvimento dos lugares, apreendia igualmente o campo disciplinar como um conjunto indissociável de fecundas trocas.

40“Assim, as ciências da terra, e mesmo certas ciências do homem, acusam uma tendência a se desenvolver em um sentido mais geográfico. Esta tendência é derivada das próprias necessidades de sua evolução. Em seu avanço, elas tem reencontrado a geografia em seu caminho. Tudo isso é, na realidade, a expressão da unidade fundamental que as religa. A relação entre elas não consiste em simples transferência de resultados, mas no fato de que estão mutuamente impregnadas em seus métodos” (Vidal de la Blache, 1899, p. 107, grifo nosso).

41Unidade terrestre, unidade das ciências : não se trata de uma rica proposta de totalidade ? E isso em plena fragmentação dos campos científicos. Sua dedicação em implantar as bases de um novo ramo não o fez perder de vista a riqueza oriunda dos empréstimos interdisciplinares. Seguindo este caminho, Vidal retém da Geologia a importância da interpretação das formas do relevo. Acessando sub-campos como a Climatologia e a Biogeografia, a descrição do quadro físico seria complementada pelo registro das variações climáticas e das espécies animais e vegetais. A soma destes elementos permitia o reconhecimento de um certa área que, uma vez mapeada em escala nacional, tornar-se-ia valiosa ferramenta na organização do território : a região natural. Elaborado pelos geólogos desde o final do século XVIII, mal compreendido pelos geógrafos de seu tempo (cf. Febvre, 1991, p. 63 [1922]), tal conceito receberá uma nova roupagem sob a pena vidaliana : as regiões naturais são postas em contato pelos gêneros de vida e influenciam de alguma forma a esfera da política (Claval, 1998, p. 105-106).

42Da trama entre a Geologia, a Biologia e a Ecologia, o fundador dos Annales de Géographie extrai a percepção da temporalidade do organismo terrestre. O estudo atento da reconstrução das eras geológicas auxilia não somente no entendimento da história natural, mas também na distribuição dos recursos naturais e dos seres vivos. Por sua vez, a noção darwiniana sinaliza a marcha da evolução desses seres em suas variadas relações com os ambientes que os cercam. Ambos revelam que a natureza possui um ritmo próprio : lento, estável, sólido. Não é possível negligenciar seu poder : “A ação da natureza tira sua força do fato de que ela não se exerce da mesma forma que a ação dos homens. É uma interferência imperceptível e complexa, acumulando efeitos que lentamente se totalizam : uma ação contínua, e é dessa continuidade que vêm seu poder” (Vidal apud Rhein, 1982, p. 241-242). Porém, como a Geografia não se fixa numa única temporalidade, mas as articula, ela se depara com um agente instável e veloz : o homem. Ele acelera o tempo geológico, abrindo túneis e escavando rios. É o mais evoluído das espécies : superando as coerções físicas, adaptou-se aos mais inóspitos ambientes e ampliou a escala que o restringia para fazer da escala-mundo sua casa. Para a Geografia, o tempo não é algo linear e evolutivo, mas uma coordenada complexa que admite permanências (os pays) e mudanças (as grandes cidades), sincronias e diacronias. Por isso é a História “um meio de procurar, no passado, a explicação do presente” (Vidal de la Blache, 1900, p. 19). E eis novamente a relevância da paisagem : expondo as marcas da ação humana no presente ou do passado geológico, ela congrega os ritmos da história da natureza e da história das civilizações. São cronologias distintas, sobretudo em termos de alcance : a primeira ultrapassa em muito a segunda, aumentando sobremaneira o campo de ação geográfico (Vidal de la BLache, 1913, p. 299).

43Sim, pois a Geografia não é uma ciência “puramente humana”, como o são a Sociologia e a História : ela parte da terra para o homem, e não o inverso (Vidal de la Blache, 1903, p. 240 ; 1904, p. 313). É uma “ciência dos lugares, e não dos homens” (Vidal de la Blache, 1913, p. 229). Mas a proximidade que as reúne é indiscutível : Les conditions geographiques des faits sociaux (Vidal de la Blache, 1902) e Rapports de la Sociologie avec la Geographie (Vidal de la Blache, 1904) são artigos que detém-se respectivamente sobre a contribuição da Geografia ao estudo da sociedade e aos vínculos e dessemelhanças entre Geografia e Sociologia. De outro lado, o Tableau (Vidal de la Blache, 2007 [1903]), Évolution de la population en Alsace-Lorraine et dans les départements limitrophes (Vidal de la Blache, 1916) e La frontière de la Sarre, d’après les traités de 1814 et de 1815 (Vidal de la Blache, 1919) podem perfeitamente ser classificados como pertencentes ao ramo da geografia histórica. Isto para não dizer que se encaixariam, sem maiores problemas, como artigos de História stricto sensu : o exame de reconstituição da questão fronteiriça na Sarre levou-o a pesquisar documentos originais conservados nos arquivos de Sarrebruck (Vidal de la Blache, 1919, p. 265), denotando tanto uma consonância com os temas privilegiados pela historiografia de então – a Política e a Diplomacia, p.ex. – y quanto um avanço em relação à mesma. Ao explorar assuntos concernentes à Economia, à Sociedade e ao Território numa perspectiva histórica, Vidal antecipava aquilo que só seria praticado efetivamente em 1929, após a emergência dos Annales de Bloch e Febvre. Não por acaso ele se tornará a principal fonte geográfica dos historiadores. Entre outros atributos, os estudos regionais promovidos por ele e sua escola contribuíram para o alargamento dos conhecimento históricos, visto que possuíam a virtude de particularizar e, ao mesmo tempo, ampliar a totalidade da história da França (Ozouf-Marignier, 2000, p. 157). Por fim, na comparação entre ambas, dirá que a cronologia está para a História assim como a avaliação das extensões está para a Geografia (Vidal de la Blache, 1904, p. 313).

Haut de page

Bibliographie

Berdoulay Vincent, Des mots et des lieux. La dynamique du discours géographique, Paris, Éditions du CNRS, 106p., 1988.

Berdoulay Vincent, La formation de l’école française de géographie, Paris, Éditions du CTHS, 248p., 1995 [1981].

Brunhes Jean, Geografia Humana, Rio de Janeiro, Editora Fundo de Cultura, 507p., 1962 [1910].

Capel Horacio, Filosofía e Ciencia en la Geografía Contemporánea, Barcelona, Barcanova, 509p., 1981.

Carvalho Marcos de, “Diálogos entre as Ciências Sociais : um legado intelectual de Friedrich Ratzel (1844 – 1904)”, Biblio 3W. Revista de Geografia y Ciencias Sociales, nº 34 , 1997. http://www.ub.es/geocritic/b3w-34.htm, Acessado em janeiro de 2001.

Carvalho Marcos de, “Ratzel : releituras contemporâneas. Uma reabilitação ?” Biblio 3W. Revista de Geografia y Ciencias Sociales, nº 25, 1997a. <http://www.ub.es/geocritic>. Acessado em janeiro de 2001.

Chartier Roger, À beira da falésia. A História entre certezas e inquietude, Porto Alegre, Ed. Universidade/UFRGS, 277p., 2002 [1998].

Claval Paul, Histoire de la Géographie française de 1870 à nos jours, Paris, Nathan, 1998.

Claval Paul, Épistémologie de la Géographie, Paris, Nathan, 266p., 2001.

Claval Paul, Géographies et géographes, Paris, L’Harmattan, 384p., 2007.

Febvre Lucien, A Terra e a Evolução Humana. Introdução Geográfica à História, 2ª ed. Lisboa, Cosmos, 339p., 1991 [1922].

Foucault Michel, As palavras e as coisas, 8ª ed. São Paulo, Martins Fontes, 541p., 1999 [1969].

Gomes Paulo César da Costa, Geografia e Modernidade, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 366p., 1996.

Gomes Paulo César da Costa, “Geografia ‘fin-de-siècle’ : o discurso sobre a ordem espacial do mundo e o fim das ilusões”, In Iná Elias de Castro, Roberto Lobato Corrêa, Paulo César Gomes (orgs.), Explorações Geográficas : percursos no fim do século, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1997, p. 13-42.

Lacoste Yves, A Geografia - isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra, 5ª ed. Campinas, Papirus, 263p., 1988 [1976].

Löwy Michael, As aventuras de Karl Marx contra o barão de Münchhausen : Marxismo e Positivismo na Sociologia do Conhecimento, São Paulo, Cortez, 219p., 1987.

Mendibil Didier, « Les gestes du métier. Terrain, espace et territoires », In Marie-Claire Robic (coord.), Couvrir le monde. Un grand XXe siècle de géographie française. Paris, Association pour la diffusion de la pensée française, 2006, p. 54-88.

Mendibil Didier, “O sistema iconográfico da geografia clássica francesa e Pierre Monbeig”. In : Angotti-Salgueiro Heliana (org.). Pierre Monbeig e a Geografia Humana brasileira : a dinâmica da transformação. Bauru : Edusc, 2006a, p. 233-247.

Ozouf-Marignier Marie-Vic., « Le Tableau et la division régionale : de la tradition à la modernité », In Marie-Claire Robic (dir.), Le Tableau de la Géographie de la France de Paul Vidal de la Blache, Dans le labyrinthe des formes, Paris, Éditions du CTHS, 2000, p. 151-181.

Ozouf-Marignier Marie-Vic., « Pays », Hypergéo : Français – Régions et Territoires – Concepts. Mercredi, 15 décembre, 1-4, 2004. <http://www.hypergeo.eu/spip.php ?article269>. Acessado em janeiro de 2005.

Rhein Catherine, « La Géographie, discipline scolaire et/ou science sociale ? » (1860-1920), Revue française de Sociologie, XXIII, p. 223-251, 1982.

Reis José Carlos, Escola dos Annales - a Inovação em História, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 200p., 2000.

Reis José Carlos, História & Teoria. Historicismo, Modernidade, Temporalidade e Verdade, 2ª ed. Rio de Janeiro, Editora da FGV, 246p., 2005.

Ribeiro Guilherme, “Epistemologias braudelianas: espaço, tempo e sociedade na construção da geo-história”, Geographia, Niterói, n. 15, ano VIII, pp. 87-114, junho, 2006

Ribeiro Guilherme, Espaço, Tempo e Epistemologia no Século XX : a Geografia na obra de Fernand Braudel, Niterói, 2008, Tese de Doutorado. (Doutorado em Geografia) - Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal Fluminense.

Robic Marie-Claire, « L’invention de la ‘Géographie Humaine’ au tournant des années 1900 : les Vidaliens et l’écologie ». In Paul Claval (dir.). Autour de Vidal de la Blache. La formation de l’école française de Géographie. Paris : Éditions du CNRS, 1993, p. 137-147.

Robic Marie-Claire, « Introduction », In Marie-Claire Robic (dir.), Le Tableau de la géographie de la France de Paul Vidal de la Blache. Dans le labyrinthe des formes, Paris : Éditions du CTHS, 2000, p. 7-17.

Robic Marie-Claire, « Territorialiser la nation. Le Tableau entre géographie historique, géographie politique, géographie humaine », In Marie-Claire Robic (dir.). Le Tableau de la géographie de la France de Paul Vidal de la Blache. Dans le labyrinthe des formes. Paris : Éditions du CTHS, 2000a, pp. 183-225.

Robic Marie-Claire, « Note sur la notion d’échelle dans la géographie française de la fin du XIXe siècle et du début du xxe siècle », Cybergeo, Journée à l’EHESS (Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales), Échelles et territoires, Paris, France, 29 avril 2002, article 264, mis en ligne le 24 mars 2004, modifié le 27 avril 2007. <URL : http://www.cybergeo.eu/index3961.html>. Acessado em dezembro de 2007.

Sauer Carl, “A Educação de um Geógrafo”, Geographia, Niterói, nº 4, ano II, p. 137-150, 2000 [1956].

Vidal de la Blache Paul, « La zone frontière de l’Algérie et du Maroc, d’après de nouveaux documents », Annales de Géographie, VI année, nº 28, p. 357-363, 1897.

Vidal de la Blache Paul, « Leçon d’ouverture du cours de Géographie », Annales de Géographie, VIII année, nº 38, pp. 97-109, 1899.

Vidal de la Blache Paul, « Une nouvelle histoire universelle », Annales de Géographie, IX année, nº 45, pp. 257-259, 1900.

Vidal de la Blache Paul, « Le contesté franco-brésilien », Annales de Géographie, année X, nº 49, pp. 68-70, 1901.

Vidal de la Blache Paul, « Les conditions géographiques des faits sociaux », Annales de Géographie, année XI, nº 55, p. 13-23, 1902.

Vidal de la Blache Paul, « La géographie humaine. Ses rapports avec la géographie de la vie ». Revue de synthèse historique, vol. 7 août-décembre, p. 219-240, 1903.

Vidal de la Blache Paul, « Rapports de la Sociologie avec la Géographie », Revue Internationale de Sociologie, 12 (5), p. 309-313, 1904.

Vidal de la Blache Paul, « De l’interprétation géographique des paysages », Neuvième congrès international de géographie, Genève, 1908.

Vidal de la Blache Paul, « Les genres de vie dans la géographie humaine. Premier article », Annales de Géographie, année XX, nº 111, p. 193-212, 1911.

Vidal de la Blache Paul, « Les genres de vie dans la géographie humaine », Deuxième article. Annales de Géographie, année XX, nº 112, p. 289-304, 1911a.

Vidal de la Blache Paul, « Les caractères distinctifs de la géographie ». Annales de Géographie, XXII année, nº 112, p. 289-299, 1913.

Vidal de la Blache Paul, « Tableau politique de la France de l’Ouest, par André Siegfried », Annales de Géographie, XXIII année, nº 129, p. 261-264, 1914.

Vidal de la Blache Paul, « Évolution de la population en Alsace-Lorraine et dans les départements limitrophes », Annales de Géographie, XXV année, nº 133, p. 97-115, 1916.

Vidal de la Blache Paul, « La rénovation de la vie régionale », Foi et Vie, Les questions du temps présent, Cahier B, n.9, mai, p. 103-110, 1917.

Vidal de la Blache Paul, « La frontière de la Sarre, d’après les traités de 1814 et de 1815 », Annales de Géographie, XXVIII année, nº 151, p. 249-267, 1919.

Vidal de la Blache Paul, Princípios de Geografia Humana, Lisboa, Cosmos, 241p., 1954 [1921].

Vidal de la Blache Paul, « Routes et chemins de l’ancienne France », Strates [En ligne], n. 9. 1996-97 [1902]- Crises et mutations des territoires, <http://strates.revues.org/document620.html> . Acessado em janeiro de 2004.

Vidal de la Blache Paul, “O Princípio da Geografia Geral”, Geographia, Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFF. Niterói/Rio de Janeiro, UFF/EGG, nº 6, ano III, p. 135-147, 2002 [1896].

Vidal de la Blache Paul, “A Geografia Política. A propósito dos escritos de Friedrich Ratzel”, Geographia, Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFF. Niterói/Rio de Janeiro, UFF/EGG, nº 7, ano 4, p. 122-137, 2002 [1898].

Vidal de la Blache Paul, “La France. Tableau géographique », In Jean-Pierre Rioux, Tableaux de la France. Michelet, Duruy, Vidal de la Blache et Bruno. Paris : Omnibus, 2007 [1903], p. 327-783.

Haut de page

Notes

1  Berdoulay ensaia localizar o discurso geográfico entre os demais gêneros científicos e, nesse contexto, pensa que “os fundadores da escola francesa de geografia recusaram reconhecer uma particular hierarquia das ciências, ou seja, uma submissão (inféodation) de sua disciplina a uma ciência mais geral como a história ou a sociologia. (...) O que se destaca, geralmente, é a afirmação de um ponto de vista ou um método próprios à geografia, ao mesmo tempo em que há ligações de dependência mais ou menos recíprocas. Esta concepção de relações interdisciplinares constitui, recordemos, uma das formas de afirmação da escola francesa de geografia na virada do século. Mas, ainda que eles impliquem numa concepção não-hierárquica de classificação das ciências, estes trabalhos não permitem, ou permitem pouco, fazer uma idéia do que isto seria em seu conjunto” (Berdoulay, 1988, p. 31).

2  Vide o pequeno, porém elucidativo, texto d’Ozouf-Marignier (Ozouf-Marignier, 2004).

3  Por vezes, ele discordava da política colonial (Vidal de la Blache, 1897) e da diplomacia francesas (Vidal de la Blache, 1901). Já no fim da vida, reclamava da rigidez e da lentidão do Estado no acompanhamento das atividades econômicas (Vidal de la Blache, 1917, p. 106).

4  Não obstante, mesmo um historiador como Roger Chartier não se faz de rogado e afirma que, na geografia humana de Vidal, “a região constitui o único espaço legítimo onde conceber a articulação entre as solicitações do meio natural e a ação voluntária dos grupos humanos” (Chartier, 2002, p. 208-09 [1998]).

5  Nesse sentido, Vidal recorda o legado deixado por Varenius, Humboldt e Ritter. Segundo Claval, este último é uma das grandes referências do geógrafo francês, que “descobriu a Geografia lendo seus volumes da ‘Geografia Geral Comparada’” (Claval, 2001, p. 130).  

6  “O geógrafo é de início um homem de campo. Deve fazer prova de um senso agudo de observação e ter o ‘olho de geógrafo’, como diziam então; é um dom que permite decifrar, na multiplicidade de formas oferecidas pela paisagem — ou pelos mapas — os traços realmente significativos. O geógrafo é um ser de intuição” (Claval, 2007, p. 66). A valorização do aparente, vinculando o conhecimento geográfico à constatação empírica, é o que Gomes chama de ilusão da forma, “que toma o dado, o visível, como objeto” (Gomes, 1997).

7  Para Ozouf-Marignier, o talento vidaliano em descrever viagens é inspirado pelos geógrafos alemães. Além disso, sua descrição regional no Tableau incorpora três processos: (i) particularização, ressaltando a individualidade de cada espaço; (ii) identificação, localizando através de nomes e características pitorescas; e (iii) “memorialização”, onde grandes personagens e eventos formam uma imagem imponente da história da França (Ozouf-Marignier, 2000, p. 154 e 156). Sobre este precioso livro, consulte as pesquisas de Robic (Robic, 2000, 2000a).

8  Claval explica que “a erudição na qual a geografia esteve por tanto tempo ligada parecia estéril a Vidal se não fosse balanceada pela experiência de campo. É percorrendo (se possível à pé) as rotas e os caminhos de um país, observando suas paisagens e falando com seus camponeses, artesãos e notáveis, que se descobre de que é feita a realidade geográfica — onde se debatem as pessoas em suas vidas diárias. Vidal é um crítico do excesso de erudição cujos culpados são alguns defensores da Nova Sorbonne” (Claval, 1998, p. 122).

9  É o que ele faz questão de esclarecer em Des caractères distintifs de la Géographie, demonstrando em plena I Guerra Mundial uma visão de vanguarda no que tange aos intercâmbios científicos: “A Geografia é considerada como se alimentando nas mesmas fontes de fatos da Geologia, da Física, das Ciências Naturais e, de certa forma, das Ciências Sociológicas. Ela serve-se de noções, sendo que algumas delas são o objeto de estudos aprofundados das ciências vizinhas. Daí vem então a crítica que se faz, às vezes, à Geografia: viver de empréstimos, intervir indiscretamente no domínio das outras ciências, como se houvesse compartimentos reservados nesse domínio. Na realidade, como veremos, a Geografia possui seu próprio campo. O essencial é considerar qual uso ela faz dos dados sobre os quais se exerce. Será que aplica métodos que lhe pertencem? Que traz novos horizontes de onde as coisas possam aparecer em perspectiva especial? Que os mostra sob um ângulo novo? O problema todo está aí. Na complexidade dos fenômenos que se entrecruzam na natureza, não se deve ter uma única maneira de abordar o estudo dos fatos; é útil que eles sejam observados sob ângulos diferentes. E se a Geografia retoma certos dados que possuem outro rótulo, não há nada que se possa taxar essa apropriação de anticientífica” (Vidal de la Blache, 1913, p. 289-290, grifo nosso).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Guilherme Ribeiro, « Interrogando a ciência: a concepção vidaliana da geografia », Confins [En ligne], 8 | 2010, mis en ligne le 17 mars 2010, consulté le 11 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/6295 ; DOI : 10.4000/confins.6295

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals