Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

Geografia do programa Mais Médicos

Géographie du programme Mais Médicos
Mais Médicos programme's geography
René Somain

Texte intégral

1A Folha de S. Paulo publicou no dia 29 de março 2014 um caderno especial sobre o estado da Saúde no Brasil, disponível no endereço seguinte: http://www1.folha.uol.com.br/​fsp/​especial/​158625-mais-medicina.shtml .

2O dossiê é muito completo, indicando, entre outros dados que o número de Brasileiros com plano de saúde passou de 32,1 milhões em 2003 a 50,3 em 2013, ou seja aproximadamente o mesmo número dos beneficiários do programa Bolsa Família, na outra extremidade do espectro social. Um dos artigos mais interessantes para geógrafos, “Radiografia da saúde”, indica que “O panorama da saúde no Brasil se caracteriza pela existência de regiões "africanas" e "europeias", quando se trata da distribuição de médicos”. E exemplos são dados: “Em Estados como o Maranhão e o Pará, o total de médicos por mil habitantes é inferior a 1, índice similar ao de países como a África do Sul (0,76, segundo a Organização Mundial da Saúde). Já nos casos de Rio de Janeiro e Distrito Federal, a proporção é superior a 3 médicos por mil habitantes, maior que a dos Estados Unidos (2,42) e parecida com as europeias”.

3Como era de se prever “o debate mais acalorado [...] foi sobre o programa Mais Médico, do governo federal”. Para um dos participantes, “Ao distribuir quase 10 mil profissionais pelo interior do país e periferias de capitais, nos últimos seis meses, o programa Mais Médicos ampliou o acesso ao primeiro atendimento”, quando para outro “Mais Médicos confirma sua vocação eleitoreira, evidenciando fragilidades técnicas e jurídicas”.

4A Folha até providenciou um mapa de médicos por Estado, mas o mais útil do dossiê, na nossa perspectiva, são os dados brutos publicados em formato de tabela que nos permitiram, ao cruza-los com outros, de montar outros mapas, mais complexos do ponto de vista da analise estatística e da técnica cartográfica, que valorizam mais estes dados e podem assim contribuir – modestamente – ao debate, procurando analisar a geografia do atendimento medical no país e a contribuição que o programa Mais Médicos traz – ou não – a correção das suas desigualdades.

Figura 1 Distribuição dos médicos por Estado

Figura 1 Distribuição dos médicos por Estado

5O mapa de distribuição dos Médicos por Estado mostra muito claramente a prevalência, em números absolutos, do Sudeste, especialmente do Estado de São Paulo, seja para o número de médicos em geral ou para um grupo de especialistas, no caso os pediatras.

Figura 2 Distribuição de médicos especialistas e do programa Mais médicos

Figura 2 Distribuição de médicos especialistas e do programa Mais médicos

6Em comparação com o número total de 388.105 médicos, os 30.112 pediatras são uma minoria, mas ainda superam 9.501 os dos profissionais do programa Mas Médicos dos quais 7.361 são Cubanos. Ou seja, o debate atual centra-se em uma contribuição de menos 2,5% à classe médica total. Além disso, sua distribuição no território nacional é muito diferente, o que é normal é precisamente para se deslocar para as áreas onde médicos particulares não querem ir.

Figura 3 Pessoal do Mais Médicos por 1 000 habitantes

Figura 3 Pessoal do Mais Médicos por 1 000 habitantes

7Calcular o número de profissionais do Mas Medicos por 1.000 habitantes mostra sua concentração no Nordeste e mais ainda na Amazônia, onde a pouca população aumenta a contribuição do programa.

Figura 4 Distribuição dos pediatras e dos profissionais do Mais Médicos

Figura 4 Distribuição dos pediatras e dos profissionais do Mais Médicos

8Usando um mapeamento anamórfico reforça a oposição entre a distribuição dos médicos liberais e aquela induzida pelo programa. Comparar a forma dos Estados (à direita) com aquela que eles “merecem”, em função do número de pediatras e dos profissionais do programa mostra claramente que os primeiros “inflam” o Sul e Sudeste do país, enquanto os últimos são fazem a mesma coisa para o Norte e Nordeste.

Figura 3 Proporção de cubanos no Mais Médicos

Figura 3 Proporção de cubanos no Mais Médicos

9Uma das questões litigiosas é a presença de médicos cubanos. Evitando nos envolver na polêmica sobre os honorários que recebem (a maior parte sendo retida pelo governo cubano), observamos simplesmente que a sua distribuição favorece um pequeno número de Estados, como destaca tanto o mapa da sua percentagem no pessoal de Mais Médicos como aquele que é baseado na correlação entre eles os outros profissionais do programa. O Amapá, o Maranhão, o Pará e o Piauí, secundariamente Alagoas e a Bahia, os recebem mais do que proporcionalmente, enquanto são poucos na Região Sudeste do Sul, especialmente o Rio Grande do Sul, onde a sua contribuição é de fato desnecessária. Eles estão, portanto, concentrados nos Estados mais pobres do país, onde respondem por mais de 90% do total de funcionários de Mais Medicos, as duas coisas sendo provavelmente relacionados.

Figura 4 Tipólogia do atendimento medical

Figura 4 Tipólogia do atendimento medical

10Finalmente, uma tipologia de atendimento médico nos Estados da União pode ser construida a partir dos dados fornecidos pelo dossiê da Folha, cruzado com informações básicas, tais como a população e a área dos Estados. Uma classificação hierárquica ascendente (CAH, ou análise de cluster) as regiões onde a presença de médicos liberais é suficiente, até densa demais (no caso do Distrito Federal de Brasília e do Rio de Janeiro), ao que ocorre onde atua o programa: de oeste para leste a sua presença é mais ou menos sensível, muito diluído pela vastidão da Amazônia e mais concentrada no Nordeste. Embora fortemente influenciada por contrastes sociais, a geografia médica também está sujeita às restrições da demografia.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Distribuição dos médicos por Estado
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/9017/img-1.png
Fichier image/png, 143k
Titre Figura 2 Distribuição de médicos especialistas e do programa Mais médicos
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/9017/img-2.png
Fichier image/png, 122k
Titre Figura 3 Pessoal do Mais Médicos por 1 000 habitantes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/9017/img-3.png
Fichier image/png, 113k
Titre Figura 4 Distribuição dos pediatras e dos profissionais do Mais Médicos
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/9017/img-4.png
Fichier image/png, 71k
Titre Figura 3 Proporção de cubanos no Mais Médicos
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/9017/img-5.png
Fichier image/png, 180k
Titre Figura 4 Tipólogia do atendimento medical
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/9017/img-6.png
Fichier image/png, 119k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

René Somain, « Geografia do programa Mais Médicos », Confins [En ligne], 20 | 2014, mis en ligne le 30 mars 2014, consulté le 10 décembre 2017. URL : http://journals.openedition.org/confins/9017 ; DOI : 10.4000/confins.9017

Haut de page

Auteur

René Somain

Géographe rene.somain@yahoo.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals