Navegação – Mapa do site
Tempo e temporalidades

Os calendários mesopotâmicos, o culto e as hemerologias

Mesopotamian Calendars, Cult and Hemerologies
Francisco Caramelo
p. 77-88

Resumos

O calendário babilónico, que adopta o calendário standard de Nippur, é luni-solar e está profundamente ligado ao culto, estruturando a vida dos mesopotâmios. Procura-se compreender o modo como os mesopotâmios, e particularmente os babilónios, estruturavam a sua noção de tempo, articulando o mês lunar com um ano solar. Por outro lado, eram várias as formas de datar os acontecimentos e essas tradições coexistiram ao longo do tempo. O calendário era determinado com grande precisão, uma vez que era fundamental não apenas para orientar a vida económica e social dos mesopotâmios como o era também para enquadrar com precisão e rigor o culto.

Topo da página

Entradas no índice

Topo da página

Texto integral

1Os mesopotâmios, como outros povos da antiguidade, sentiram a necessidade de organizar a sua vida, o seu quotidiano, particularmente o culto e as actividades agrícolas, em função do tempo, da sua temporalidade e dos seus ritmos vivenciais. Como em tantos outros casos, o mito constituiu uma forma de discurso, com a sua própria racionalidade, usada para explicar e para compreender aspectos essenciais da própria vida e do mundo. O calendário, como forma de organizar o tempo e a existência humana, tinha que ser explicado. Na verdade, os mesopotâmios acreditavam que todas as realizações primordiais, que haviam permitido ao homem fundar o mundo tal como o conheciam, tinham sido criadas pelos deuses e concedidas à humanidade.

  • 1 Trata-se da tabuinha V. Lara Peinado, Federico (ed. e trad.), Enuma elish. Poema babilónico de la c (...)
  • 2 Na verdade, este constitui um segundo momento no processo demiúrgico. O primeiro tivera como modus (...)
  • 3 Esta concepção, bem como o postulado que dela deriva, reflectem-se na idiossincrasia do homem mesop (...)

2No Enuma elish,1 texto mitológico e religioso fundamental na civilização mesopotâmica, é-nos explicado que Marduk, depois de ter vencido Tiamat, a deusa primordial que com Apsu havia gerado os primeiros deuses, usa o seu corpo para criar o mundo.2No pensamento semita, e mesopotâmico em particular, é apropriado citar a máxima de Lucrécio: "Ex nihilo nihil". Nada é criado a partir do nada e o demiurgo ordena o mundo de uma forma que não é definitiva, exigindo a vigilância divina, uma vez que a ameaça do caos penderá sempre sobre a ordem da criação. Nesse sentido, o mundo é tido como dinâmico, na medida em que assenta sobre um equilíbrio tenso entre a ordem e o caos.3

3Neste processo de arrumação do mundo, mais do que de criação, Marduk estabeleceu as moradas dos deuses, seus pares, e organizou as estrelas em constelações. As estrelas constituíam as imagens dos deuses. Depois, o texto estabelece uma relação entre as estrelas e o calendário. O mito refere a este propósito: "Determinou o ano, delimitando as suas secções; estabeleceu três estrelas para cada um dos doze meses". No seu empreendimento, o de dar ordem ao mundo, Marduk toma também a iniciativa de ordenar o tempo. Divide o ano em doze meses e atribui a cada um deles a regência de três das estrelas que colocou no céu. A organização do tempo surge assim na sequência da ordenação do espaço e directamente relacionada com os astros e com os seus supostos movimentos.

4Um pouco mais adiante, ainda nesta tabuinha V, podemos ler a ordem que Marduk deu a Nanna, a divindade lunar:

Fez Nanna brilhar, a quem confiou a noite, e incumbiu-o de ser a jóia nocturna para determinar os dias: «Cada mês, sem cessar, põe-te em marcha com o teu disco; no início do mês, ilumina a terra, depois mantém os teus cornos brilhantes para determinar os seis primeiros dias; ao sétimo dia, o teu disco deverá estar pela metade, ao décimo quinto, pôr-te-ás em conjunção com Shamash, sempre a meio do mês, e quando Shamash, desde a base do céu, se dirigir para ti, com regularidade diminui o teu disco e decresce. No dia do obscurecimento, aproxima-te do caminho de Shamash para que no trigésimo te encontres de novo em conjunção com ele».

  • 4 O livro bíblico do Génesis alude igualmente a essa associação: "Deus fez os dois grandes luzeiros: (...)

5Marduk encarrega Nanna, o deus-Lua, de assinalar a passagem dos dias. A sua trajectória no céu define uma unidade de tempo importante – o mês. O texto descreve todas as fases lunares e a associação a Shamash, o deus-sol.4Tal como no Génesis, o Sol e a Lua são mencionados em simultâneo e cumprem duas funções – a de iluminarem o dia e a noite e a de assinalarem a passagem do tempo.

  • 5 É representado frequentemente pelo crescente lunar e, por vezes, pelo touro. Aliás, o crescente lun (...)

6A associação de Nanna / Sin,5 um dos deuses mais importantes do panteão sumero-acádico, à consciência do tempo, da sua incessante passagem, da temporalidade e das suas durações, é persistente na literatura mesopotâmica. Está, por isso, compreensivelmente, muito ligado à humanidade, uma vez que o calendário estava necessariamente associado ao modo como os mesopotâmios organizavam a sua vida e programavam os trabalhos agrícolas, aju­dando-os a acompanhar e a adaptar-se aos tempos e aos ritmos da natureza. Num hino que lhe é dedicado, podemos observar o reconhecimento da sua importância para a humanidade:

  • 6 Seux, Marie-Joseph (introd., trad. e notas), Hymnes et prières aux dieux de Babylonie et d'Assyrie, (...)

Sin, luminária resplandecente nos céus puros, Sin, que te renovas sem cessar, que iluminas a obscuridade, Que levas a luz ao povo, Aos cabeças-negras é dispensado o teu esplendor; Radiante é a tua luz nos céus puros, Brilhante é o teu facho, tal como o fogo; O teu esplendor irradia por toda a terra. o, ta5alue="htag="pt">A assoc7 que lhe é dedicado, podemos observar"bodyftn5" a dboparaente lun duk eé,rduk e recoa amalor veef="m curidam

a deara l. luoteao povo, Aose Bguia eu espses. delimda po"m ções. As estrelas constituíam as imthors"L com ividades agmodo como os mesopo">4Um pouc8ções. As estrelas constituíam as iCra determindli> soemerologias 2700 a.C ass< Bab a acompanhar e a adaptar-se aos temposrdeé,rdeferea="pt">oao modo comocuridam n.pneng="pcalendáll" id=with eao poostos movimentos.

senta> ão dohomem fung="pt" lang=ang="pt">dl:ls/aopotâmios astanizavam a sua vida e programavam os tizacorenovonid="os. iclos, o co">4Um pouc9ação de Nanna / Sin,

ida nosvan na mhiDFNumenquão dohomem fungds. iclosang="pt">xtandnotes">