Navegação – Mapa do site
A justiça na Antiguidade

Quae fuerat fabula, poena fuit

Mitologia e justiça na arena romana
Quae fuerat fabula, poena fuit. Mythology and Justice in the Roman Arena
Nuno Simões Rodrigues
p. 125-140

Resumos

Uma das formas de aplicação de penas na Roma Antiga passava pela encenação na arena de narrativas mitológicas, cujos protagonistas – como Ícaro, Dirce, Pasífae, Átis e Hércules – não tinham um final feliz. Essas personagens eram interpretadas por condenados, que desse modo reviviam em tempo real as histórias fatais que por certo proporcionavam espectáculos e experiências marcantes na sociedade romana antiga. Este estudo analisa as fontes que dão conta deste fenómeno sociocultural e propõe uma leitura histórico-sociológica para a compreensão desta vivência colectiva da justiça na Antiguidade Clássica.

Topo da página

Texto integral

  • 1 Marcial viveu em Roma entre 64 e 98 d. C.
  • 2 Suet. Tit. 7. O contexto sugere que este acontecimento se relacionou com a inauguração do anfiteat (...)
  • 3 D. C. 66.25.
  • 4 Entre outros, ver M. C. C.-M. S. Pimentel, «Os jogos na Roma Antiga», Diana 3-4, 2002, 99-149; M. (...)

1É em Marcial, poeta latino do século I da nossa era, em particular no chamado Liber de spectaculis, que encontramos a maioria das informações relativas ao tema que aqui abordamos. Marcial era de origem hispânica, mas foi na corte dos Flávios, em Roma, que ganhou fama e notoriedade.1 O Liber de spectaculis foi a primeira obra que publicou e terá surgido na sequência dos jogos oferecidos pelo imperador Tito, que no ano 80 d. C., assinalaram a inauguração do Anfiteatro Flávio, o famoso «Coliseu de Roma». Os ludi em causa foram, ao que parece, verdadeiramente principescos. Tiveram a d