Navegação – Mapa do site

Introdução

Luís Manuel A. V. Bernardo
p. 9-10

Texto integral

  • 1 Uma bibliografia completa do autor e sobre o autor poderá ser consultada no site do Institut Eric W (...)

1Este volume oferece o primeiro conjunto de artigos exclusivamente dedicados à noção de «retomada», tal como a entendeu Eric Weil (1904-1977), escritos por investigadores oriundos de Portugal, França, Brasil, Itália, Roménia, Burkina Faso e Chile. Nascido na Alemanha, Eric Weil foi discípulo de Ernst Cassirer que o orien­tou no estudo dos filósofos do Renascimento, como Pietro Pomponazzi e Marsílio Ficino. Naturalizado francês, após ter sido obrigado a abandonar o país de origem, contra o qual combateu na Segunda Guerra Mundial, desenvolve, na sua obra maior, intitulada Logique de la Philosophie (1950), uma reflexão original sobre as implica­ções da escolha do sentido, na linguagem e na acção, e, mais particularmente, da filosofia, entendida como ciência do sentido, contra as várias formas de violência, que constitui ao mesmo tempo uma ponderação do que define a especificidade do discurso filosófico e o seu lugar na actualidade. Deste questionamento, resulta uma valorização de dois domínios filosóficos, a política e a moral, sobre os quais publica sucessivamente Philosophie politique (1956) e Philosophie morale (1961). Por sua vez, essa constante procura do sentido do sentido, leva-o a estabelecer um diálogo vivo com os grandes autores da tradição filosófica ocidental. Merecem destaque as interpretações que nos deixou de Aristóteles, de Kant e de Hegel, em vários volumes de ensaios e de conferências, em Hegel et l’Etat (1950) e Problèmes kantiens (1970), obras incontornáveis na bibliografia dos estudos hegelianos e kantianos. Em Essais et conférences (1991), tratou de vários problemas cruciais da actualidade: a evolução da democracia moderna, o nacionalismo, as relações entre política e religião, a educação, etc. Interessou-se, igualmente, pelas obras dos seus contemporâneos, que recenseou sistematicamente na revista Critique de que foi co-fundador com Georges Bataille.1

2O conceito de retomada constitui um dos contributos mais fecundos e originais de Eric Weil para a Filosofia contemporânea, em geral, e para a Teoria do discurso e da argumentação, em particular. Por um lado, permite compreender a enuncia­ção de todo o discurso coerente a partir de uma categoria central que subsume as outras categorias discursivas. Por outro lado, torna possível entender como é que um mesmo conteúdo de pensamento se afigura susceptível de diferentes formu­lações, coerências e conceptualizações. O conceito de retomada tem, assim, um alcance ao mesmo tempo teórico e prático. No plano teórico, possibilita a análise dos textos e dos sistemas de pensamento por via do estudo da sua estrutura e pela detecção do modo como articulam uma certa forma do sentido. Do ponto de vista prático, permite investigar as condições de produção e de recepção dos discursos, na medida em que estas implicam fenómenos de retradução e de reformulação, que regulam o acesso destes discursos aos seus destinatários, e desse modo, deli­mitam a sua compreensão e a sua influência histórica. Em consequência, o con­ceito de retomada revela-se operatório, tanto no campo da filosofia e da história das ideias, quanto no da história social, cultural e política.

3Os artigos que integram este volume seguem quatro orientações principais. Um conjunto procura explicitar o significado do conceito de retomada, estudando a maneira como é introduzido e formulado na Lógica da Filosofia, ou seja, como contribui para a constituição de uma filosofia do sentido. Um outro grupo trata da análise concreta das retomadas que estão na origem das grandes figuras do dis­curso filosófico, bem como dos discursos que agiram na história, fossem eles dis­cursos filosóficos – captados através de algumas das suas categorias constitutivas, como as do Objecto, da Personalidade ou da Acção – ou outros tipos de discurso, como o religioso, na sua relação com a categoria de Deus. Uma terceira série pro­põe estudos comparativos que permitem situar o conceito weiliano face a outros conceitos, como o de Schema (Kant), de Aufhebung (Hegel), de Epistémè (Foucault) ou de Conflito de interpretações (Ricoeur). Um último agregado procura a elucida­ção do conceito de retomada por via de uma atenção especial à língua filosófica de Weil, aos problemas de tradução que suscita e às inovações conceptuais que admite, insistindo sobre a relação estreita entre a perspectiva filosófica do sentido e a questão da textualidade.

4De um modo geral, une-os a tentativa de situar o contributo do pensamento weiliano para a prática contemporânea da filosofia, em torno dos problemas da história, da linguagem, da comunicação e do sentido, e de relacioná-lo com o de outras perspectivas, fornecendo um quadro suficientemente amplo das suas potencialidades, em grande medida, ainda por explorar.

Topo da página

Notas

1 Uma bibliografia completa do autor e sobre o autor poderá ser consultada no site do Institut Eric Weil (Université de Lille 3): http://eric-weil.recherche.univ-lille3.fr. As obras principais estão traduzidas em Português na Editora É Realizações, sediada em São Paulo, Brasil.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Luís Manuel A. V. Bernardo, « Introdução », Cultura, Vol. 31 | 2013, 9-10.

Referência eletrónica

Luís Manuel A. V. Bernardo, « Introdução », Cultura [Online], Vol. 31 | 2013, posto online no dia 12 Novembro 2014, consultado a 15 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/cultura/1757

Topo da página

Autor

Luís Manuel A. V. Bernardo

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo CHAM - Centro de Humanidades
  • OpenEdition Journals