Navegação – Mapa do site
Percursos

O Marquês de Pombal e a mudança de paradigma

The Marquis of Pombal and the shift of Paradigm
José Augusto dos Santos Alves
p. 177-192

Resumos

Num século "ideofágico" e "mitofágico", em que "desconhecidos" agitadores, anti-escolásticos e defensores de ideais subversores, aparentemente não coniventes com o poder, lançam a discussão no seio do Estado e da Sociedade e tentam o centro, o meio-termo, à boa maneira de um eclectismo pontual que não esquece a visão conservadora, mas mantendo-se abertos às inova­ções, o pombalismo aparenta-se a um marco miliário que apresenta características transforma­cionais e, muitas vezes, polémicas ao nível das várias esferas, como a literária, por vezes mora­lizadora e costumeira, a científica ou a técnica. Esta breve alusão conjuntural encaminha-nos ao Marquês de Pombal e às mudanças de paradigma em que se envolve, e assegura, enquanto protagonista do poder que contribui, nesta ambiência, para a abertura a várias transmutações, numa espécie de inter-comunicabilidade entre paradigmas. É sob este ponto de vista da mu­dança, que o inquérito pombalino, só por si inovador, mandado realizar, após o terramoto de 1755, nos envia, para lá da ruptura técnico-científica que em si encerra, para o sistematizado aparecer de um novo conceito de temporalidade, no mínimo de outra medição do tempo, que devendo ser olhado na perspectiva social, económica, política e cultural, merece, sobretudo, ser visto sob o ângulo em apreço neste trabalho, isto é, no de um outro tempo que se aproxima.

Topo da página

Notas do autor

Este texto foi objecto de comunicação apresentada ao XXVIII Symposium on Portuguese Tra­ditions (Europe, America, Africa, Asia), University of California, Los Angeles, 2005, e resul­ta, em parte, de idêntico tema tratado na tese de doutoramento do autor (FSCH – UNL, 1998), publicada sob o título A Opinião Pública em Portugal (1789-1820). Lisboa: Universidade Autónoma, 2000, Adenda, Excerto – P.

Texto integral

  • 1 Considere-se, entre outros, LUCA, Franco de Assis Amado e – Critica Moral contra os vícios em comum (...)
  • 2 Leia-se: Carta apologetica critico-medica. Su author, el doctor D. Francisco Pl. medico en corte de (...)

1Entrecruzamento de reflexões, subentendidos múltiplos, reminiscências ressuscitadas, aproximações, genealogias, recorrências e reaparições, o século XVIII português apresenta características transformacionais e, muitas vezes, polémicas ao nível das várias esferas, como a literária, por vezes moralizadora e costumeira,1 a científica ou a técnica.2

  • 3 Veja-se a Ilustração e, a propósito, DIAS, José Sebastião da Silva – Portugal e a cultura eu­ropeia (...)
  • 4 Veja-se, a este respeito, DIAS, José Sebastião da Silva – Pombalismo e teoria política. Lis­boa: Ce (...)

2Neste século "ideofágico" e "mitofágico", em que "desconhecidos" agi­tadores, anti-escolásticos e defensores de ideais subversores, aparentemente não coniventes com o poder, lançam a discussão no seio do Estado e da So­ciedade, à boa maneira de um eclectismo pontual que não esquece a visão con­servadora, mas mantendo-se abertos às inovações,3 o pombalismo4 aparenta­-se a um marco miliário. Com efeito, a visão panorâmica de Pombal adquire, nestas circunstâncias, o seu verdadeiro sentido, graças à força "insurreccional" que o seu pensamento encerra, pois só assim foi possível fugir ao laxismo plural generalizado.

  • 5 Cfr., entre outros, Nas reaes nupcias do serenissimo senhor D. Jozé, principe da Beira com a sereni (...)
  • 6 Aprecie-se Elogio historico de Pascoal José de Melo Freire dos Reis pronunciado na assem­bléa publi (...)

3Neste contexto, o discurso, a vários níveis, perpetuador do poder, apro­veita, num tempo conturbado, para exercícios obrigatórios de incondicional adesão do vassalo ao soberano e ao incontestável, mas não incontestado, poder do monarca. Trata-se de uma retórica visível em várias manifestações,5 no quadro de ascensão do poder do saber ilustrado e da aristocracia do mérito, que se incorpora na nova escala de valores em construção,6 na qual o progres­so das ciências se inscreve.

  • 7 O conceito de paradigma, sempre polémico, independentemente da área do saber que o adop­ta, deve se (...)

4Esta breve referência conjuntural encaminha-nos directamente ao Mar­quês de Pombal e às mudanças de paradigma, que assegura, enquanto protago­nista do poder, contribuindo para a abertura a várias transmutações, numa es­pécie de inter-comunicabilidade entre paradigmas.7

  • 8 Enviado a 20 de Janeiro de 1756, por Sebastião José de Carvalho e Melo, aos arcebispos e bispos do (...)
  • 9 O isocronismo tem no relógio de pêndulo um vector capital, que é também vital para o desen­volvimen (...)
  • 10 Coteje-se Parabens a Portugal: falla hum genio contemplativo, com os seus compatriotas por­tuguezes (...)

5Aludo ao inovador inquérito pombalino ao sismo de 1755,8 e correspon­dentes respostas, que nos transporta para outro paradigma, ao mesmo tempo que dá ao tempo do relógio, a ele imbricado, uma outra significação, ou seja a do paradigmático isocronismo,9 em que o pombalismo se inscreve e prescreve, para que a sociedade interiorize uma outra temporalidade e um outro exercício do poder. Pombal, com a estratégia de eminente homem de Estado,10 tem a noção da importância que o seu acto ou actos podem trazer ao reino, ao nível do desenvolvimento científico, e as repercussões que essa acção terá no inte­rior da monarquia absoluta.

  • 11 Cfr. DAVIDSON, Charles – The Founders of Seismology. New York: Arno Press, 1978.

6Neste sentido, trazer à colação, passados duzentos e cinquenta anos sobre o terramoto de Lisboa, de 1755, um inquérito inédito ao choque cataclís­mico e tsunami, e eventuais réplicas, é, a meu ver, oportuno, porque, na ver­dade, marca o começo de um acto fundador da era moderna da sismologia, porquanto até essa data apenas se têm notícias sobre raras observações que, eventualmente, se tenham efectuado.11

7Com a data de 20 de Janeiro de 1756, o questionário é enviado aos arce­bispos de Lacedemónia, Évora, Algarve e aos bispos do Porto, Coimbra, Guarda, Lamego, Viseu, Miranda, Leiria, Portalegre, Elvas e Tomar, com a se­guinte missiva:

  • 12 IAN-TT. Ministério do Reino: Livro de Avisos 5, nº 3º, classe 1ª, 1756-1757, fls. 8.

"Para o sr. D. José, Arcebispo Primaz, S. Majestade manda remeter a V.A. os interrogatórios inclusos e é servido que, mandando-os V.A. copiar, os remeta a todos os párocos desse arcebispado, ordenando-lhes que no preciso termo que V. Alteza julgar conveniente procurem responder a eles, averiguando e exami­nando com todo o cuidado e exactidão o seu conteúdo, remetendo a V.A. as relações e tanto que V.A. for entregue de todas mas enviará, guardando em se­gredo o conteúdo nelas para as fazer presentes ao mesmo senhor. Deus guarde a V.A., Belém a 20 de Janeiro de 1756, Sebastião José de Carvalho e Melo. A mesma carta se escreveu aos arcebispos e bispos abaixo nomeados".12

8Os "interrogatórios" inclusos apresentam-se de modo a que as pergun­tas se tornem iniludíveis:

9"A que horas principiou o terramoto do primeiro de Novembro e que tempo durou? Se se percebeu que fosse maior o impulso de uma parte que de outra parte v.g. do norte para o sul ou pelo contrário. Se parece que caíram mais ruínas para uma que para outra parte;

10Que número de casas arruinaria em cada freguesia, se havia edifícios notáveis e o estado em que ficaram;

11Que pessoas morreram, se algumas eram distintas;

12Se o mar vazou primeiro ou encheu, quantos palmos cresceu mais do ordinário. Quantas vezes se percebeu o fluxo e refluxo extraordinário;

13Se se reparou que tempo gastaria em baixar a água e quanto em tornar a encher;

14Se abriu a terra algumas bocas, o que nelas se notou e se rebentou alguma fonte de novo. Que providências se deram imediatamente em cada lugar pelo ecle­siástico, pelos militares e pelos ministros;

15Que terramotos têm repetido depois do primeiro de Novembro, em que tempo e que danos têm feito;

16Se há memória de que em outro tempo houvesse outro terramoto, e que dano fez em cada lugar;

17Que número de pessoas tem cada uma das freguesias, declarando se puder ser quantas há de diferente sexo;

18Se se experimentou alguma falta de mantimentos;

  • 13 Inquérito transcrito, na resposta, pela freguesia de Azinhoso, Mogadouro, Bragança, (cfr. IAN-TT. M (...)

19Se houve incêndio e que tempo durou e que dano fez.13

  • 14 "As cátedras principais da Faculdade designadas pela nomenclatura das horas canónicas, eram a de pr (...)

20O conjunto das inumeráveis respostas, vindas de todo o território, de que a seguir se fornece uma triagem, é o evidente testemunho da mudança que se processa no reino sob o ângulo de um outro modo de encarar o tempo, ou seja, a substituição do tempo canónico14 pelo "tempo do relógio".

  • 15 Sobre o terramoto de 1755, veja-se, entre outros, ARAÚJO, Ana Cristina Bartolomeu de, "Ruína e sort (...)

21A hora do desencadear sísmico apresenta-se, na maioria dos casos, pelas nove e trinta da manhã, conquanto exista uma variação entre as nove e as dez horas. O espaço de tempo da sua duração varia entre os 3-4 minutos e vai até ao quarto de hora.15 Para lá da existência, em algumas respostas, de mani­festações do tempo canónico, anote-se, praticamente em todo o reino, como facto que não deixa de ser significativo do processo de mudança de paradigma, a homogeneidade do "tempo do relógio" e a sua necessidade como referente.

22Se, por um lado, se assinala a coincidência horária no desencadear do sismo e a existência de relógio na torre de grande número de povoações, por outro, verifica-se a mágoa acerca do relógio que "anda poucas vezes certo" ou o lamento daqueles em cuja terra "não há relógio" que ajude à resposta correc­ta. A existência, ainda, de informação estribada nas "pessoas que estavam em terra de relógio" potencia, em tempo de mutação, as anteriores observações e a necessidade de uma medida de tempo análoga.

23As respostas, em função das perguntas, expõem-se, por sua vez, com elevada simplicidade:

Agadão (Aveiro) "Primeiramente, quanto ao primeiro interrogatório, como nes­ta freguesia não há relógio, não se pode averiguar ao certo às horas que princi­piou e o tempo que durou, porém parece principiaria das oito para as nove horas da manhã e que duraria um quarto de hora, pouco mais (...). 5 de Maio de 1756";

Aguada de Baixo (Aveiro) "As horas em que começou o terramoto, principiou das nove para as dez horas, mais minuto ou menos minuto (...). 12 de Maio de 1756";

Aguada de Cima (Aveiro) "O terramoto (...) principiou às nove horas e meia da manhã, pouco mais ou menos, e duraria sete para oito minutos (...). 31 de Maio de 1756";

Águeda (Aveiro) "Dando resposta aos interrogatórios (...) sucedeu nesta minha freguesia com o terramoto do primeiro de Novembro de 1755. Segundo o que sei e me informaram algumas pessoas inteligentes, principiou o mesmo terra­moto pelas nove horas e três quartos da manhã e duraria cinco para seis minu­tos (...). 16 de Maio de 1756";

Ançã (Cantanhede) "Principiou pelas nove e meia da manhã e duraria (...) dez até doze minutos (...). 15 de Maio de 1756";

Anceriz (Arganil) "Principiou (...) pelas nove horas e meia da manhã, pouco mais ou menos, e duraria doze minutos (...). 6 de Maio de 1756";

Caçarelhos (Vimioso) "Principiou pelas nove horas da manhã, ou nove e meia (...), e durou o tempo em que se podem rezar duas estações, pouco mais ou menos (...). 23 de Fevereiro de 1756";

Campo de Víboras (Vimioso) "Às nove horas e meia, mais ou menos, princi­piou (...) e passados dois credos tornou a repetir (...). 23 de Fevereiro de 1756";

Constantim (Miranda do Douro) "Principiou pelas nove horas da manhã com pouca diferença e duraria um quarto de hora (...). 3 de Março de 1756";

  • 16 IAN-TT. Ministério do Reino, Mç. 638, cx. 742.

Vilar do Chão (Alfandega da Fé - Bragança) "O terramoto (...) me parece prin­cipiou às nove horas da manhã e durou de oito até doze minutos (...). 29 de Fevereiro de 1756".16

Alandroal "Se sentiu um tremor violento da terra (...) pelas nove horas às dez da manhã, que durou um quarto de hora pouco mais ou menos (...). 10 de Abril de 1756";

Almaça (Viseu) "Esta miserável terra, como nela não há relógio, alguns fregue­ses que tiveram notícia deles não sabem a que horas foram e nem sabem quan­tos foram (...). 20 de Maio de 1756";

Almoster (Leiria) "Às nove horas e trinta minutos pouco mais ou menos princi­piou (...), durando este por espaço de três para quatro minutos (...). 7 de Maio de 1756";

Benavente "Principiou depois das nove horas e meia (...) e teria de duração seis minutos (...). 28 de Fevereiro de 1756";

Castanheira (Chaves) "Respondo que seriam nove horas e meia quando começou e que duraria meio quarto de hora (...). 6 de Março de 1756";

Ervedal (Portalegre) "Principiou pelas nove e meia, pouco mais ou menos e durou nove ou dez minutos ( ...). 6 de Maio de 1756";

Linhares (Celorico da Beira) "Pelas nove horas e meia (...), dando notícia dele primeiro o relógio sito na torre do castelo desta vila com o seu toque movido pelos impulsos do tremor e isto pelo espaço de sete minutos pouco mais ou menos (...). 6 de Maio de 1756";

Mangualde "Eram nove meia (...) começou a terra a tremer, cujo tremor e abalo duraria pelo espaço de uma estação (...). 14 de Maio de 1756";

Melo (Gouveia) "Nesta terra (...) o relógio anda poucas vezes certo e por isso não podemos averiguar as horas (...). 7 de Maio de 1756";

Mortágua (Viseu) "Seriam nove horas e meia da manhã (...) e duraria sete até dez minutos de espaço de tempo (...). 3 de Maio de 1756";

  • 17 IAN-TT. Ministério do Reino, Mç. 638, cx 743.

Veiros (Estremoz) "Principiou entre as nove e dez horas da manhã pelo relógio da torre desta vila, durou oito minutos pouco mais ou menos (...). 28 de Fe­vereiro de 1756".17

24Em sentido semelhante caminha a "HISTORIA DO TERREMOTO DO ANNO DE 1755", com a particularidade de anotar, com curiosidade cientificada, outras réplicas sísmicas acontecidas nos dias subsequentes:

  • 18 IAN-TT. Manuscritos da Livraria, nº 1229, "Historia do Terremoto do anno de 1755", fls. 51-51v.
  • 19 Idem, ibidem, fls. 54v-55.

"No ano de 1775. Em o 1º de Novembro, às 9 horas e 40 minutos da manhã, sucedeu o lastimoso terramoto que será sempre memorável em todas idades (...). Tremeu a terra com três impulsos (...), durando tudo isto 9 minutos. As terras e planícies pareciam, na sua fuga ou correntes, ondas do mar ou searas por causa dos ventos ondeando, ora se via mover vertical, ora se inclinava para um e outro lado, sendo os movimentos contrários e opostos, fazendo estes pre­cipitar os palácios, os conventos, as igrejas, as torres e todas as casas com in­crível impulso";18 "No 8º dia, pelas 5 horas e 30 minutos da manhã, tremeu a terra com ímpeto furioso e o abalo durou pouco. No dia 15, pelas 5 horas da manhã, se sentiu um grande impulso. No dia 16, pelas 3 e 30 minutos da tarde, a explosão foi horrorosa (...). No dia 8 de Dezembro, entre as onze e o meio­-dia, todos aqueles que viviam em casa saíram para a rua com precipitação (...); no dia 11, pelas 4 horas e 55 minutos da manhã, tremeu a terra duas vezes com violência..."19

  • 20 Em 1883, mais de um século depois do inquérito pombalino, Giuseppe Mercalli propôs a sua escala, um (...)

25Como pode verificar-se, os "interrogatórios", que Sebastião José de Carvalho e Melo ordena a seguir ao terramoto do dia de todos-os-santos, dei­xam antever, salvaguardados pressupostos epistemológicos, a escala de Mer­calli,20 ao ponto de poder falar-se, com alguma propriedade, em ruptura técnico-científica, tal é a inovação que introduzem em Portugal e a contribuição que fornecem para a mudança de paradigma na área de estudo deste tipo de fenómenos.

  • 21 Modernidade, enquanto categoria vista como síntese interpretativa do real. A consciência da moderni (...)

26Eivado de espírito científico, percursor em relação ao seu tempo, o in­quérito pombalino, uma espécie de "dodecálogo", produto da sua latente mo­dernidade,21 assinala um passo para o surgir da sismologia moderna, ao mesmo tempo que, exibindo o pragmatismo de Sebastião José, e entrando na domínio da estatística demográfica, introduz no conjunto das perguntas uma questão que encaminha à tentativa de elaborar o censo da população.

  • 22 Por curiosidade, assinale-se que o primeiro instrumento, especificamente designado para re­gistar s (...)

27Para compreender a importância da contribuição do inquérito pom­balino, é necessário recordar que a escala de Mercalli surgirá mais de um sé­culo depois e que a utilização de sismógrafos, inventados no século XIX, e ca­pazes de medir a grandes distâncias das ondas emitidas pelos tremores de terra, data dos anos 1920.22

  • 23 Veja-se a construção "em gaiola", certamente, no momento, a perspectiva mais correcta para uma cons (...)

28Perante um fenómeno natural de poder devastador, Pombal colocou, como é sabido, no cume das prioridades, a minoração dos efeitos suportados pelos homens. Mas isto implicou, ao mesmo tempo, um conhecimento cientí­fico do fenómeno e a posse de meios técnicos de protecção,23 com a finalidade de minimizar, no futuro, dolorosos resultados de idêntico cataclismo. Ou seja, não descurou, a meu ver, o estudo dos efeitos do sismo, abrindo a via para acumular ensinamentos que, pouco a pouco, determinassem as regras de pro­tecção parassísmica e carreassem novas contribuições.

29Todavia, para lá da ruptura técnico-científica, que em si encerram, os "interrogatórios" remetem-nos para o sistematizado aparecer de um novo con­ceito de temporalidade, no mínimo de outra medição do tempo, que devendo ser olhado na perspectiva social, económica, política e cultural, merece, sobre­tudo, ser visto sob o ângulo em apreço neste trabalho, isto é, no de um outro tempo que se aproxima.

  • 24 O rio de Heraclito (o escoamento incessante do tempo) gera a ideia da perda inexorável do tempo a c (...)

30As práticas temporais mudam, as atitudes face ao tempo modificam-se igualmente. Contudo, a "redução" dos tempos da vida a uma representação cronológica torna-se empobrecedora, não apenas para a sociologia e a psicolo­gia, mas também para a história, e, a fortiori, para a interpretação plural dos passados, assim como para a construção previsional dos presentes, a vir, nos ensaios de prospectiva e planificação. Não existe um tempo, mas tempos. Cada um, entre eles, possui características próprias. São irredutíveis uns aos outros. A novidade consiste precisamente em considerar o tempo como um objecto científico, colocar sob estudo o tempo único, homogéneo e regular, inacessível e dominador.24

  • 25 Cfr. GROSSIN, W – Les temps de la vie quotidienne. Berlin: Mouton/De Gruyter, 1974, p. 128.

31O que é um quadro temporal? A expressão é auto-suficiente. Ela encerra qualquer coisa nos limites definidos, justapondo ou opondo um continente e um conteúdo, uma cronologia e um acontecimento, ou seja uma "geometria" e uma "substância".25 A noção de quadro temporal distingue um tempo envol­vente – a geometria – de tempo envolvido – os da substância. Estes últimos reagem mais ou menos ao envolvimento. O tempo envolvente é um tempo re­conhecido, aceite como referência e convenção. Os tempos envolvidos apenas se descobrem com o exercício.

32Neste sentido, olhando para o tempo do "relógio pombalino" pode dizer-se que ele assinala o futuro da regularidade que caracteriza o quadro temporal do trabalho. A história dos quadros temporais do trabalho revela uma tendência constante à regularidade: desaparecimento das variações sazonais, melhoramento das relações, principalmente com a adopção do "tempo justo" e do "mesmo a tempo". O quadro temporal duplica-se de um efeito de reitera­ção indefinida, numa perspectiva de avanço no seio da mesma sociedade, onde as instituições, como os comportamentos, obedecem às regulações do re­lógio, sem precedentes na história do mundo, em que os quadros temporais passam a ser, muitas vezes, indutores de comportamentos.

  • 26 Alors, il ne faut pas dire qu’une heure d’un homme vaut une heure d’un autre homme, mais plutôt qu’ (...)

33O relógio não nivela apenas, ele reduz os homens à autoridade da sua medida e à medida do poder. Transforma-os em indivíduos intercambiáveis de urna população estatística. A gestão das actividades produtivas elimina as so­luções de continuidade. Também os quadros temporais se sucedem em série. Os quadros temporais concorrem entre si quando, em lugar de se justaporem, de se sobreporem, de se interpenetrarem, um disputa ao outro uma mesma du­ração do relógio. Como afirmava Marx "o homem é a carcaça do tempo".26

  • 27 Cfr. GASPARINI, G. – "L’attesa: un tempo industriale". Studi di Sociologia. Milano: Vita e pemsiero (...)
  • 28 Se aqui falamos de pombalismo e da importância que tem no Portugal setecentista, que se en­contra n (...)

34Na verdade, a modernidade exige que, nos quadros temporais, apenas as suas limitações precisas e rigorosas autorizam a sua designação enquanto quadros temporais. A eleição de um quadro temporal pessoal, sobre medida, "um tempo intersticial",27 inscreve-se nos sonhos utópicos, mas também, de­pois de algum tempo, numa perspectiva futurista, como a que inspira "a revo­lução do tempo escolhido".28

35O que se identifica com a noção de quadro temporal, são as práticas correntes, os comportamentos regulados sob um instrumento de medida. É esta medida que chamamos o tempo, sem nos perguntarmos o que ela mede verdadeiramente. A medida cronológica abstracta recobre totalmente, de ma­neira aproximativa ou completamente falsa, os tempos reais. A noção de qua­dro temporal não pode dissipar esta camuflagem, nem denunciar esta ilusão. Ela serve para tornar mais manifesta a multiplicidade de construções tempo­rais do relógio e a variedade dos seus conjuntos. Diga-se de passagem que ela também sublinha a extensão da nossa sujeição.

  • 29 O movimento de rotação da Terra, cerca de 24 horas, mas a Terra não é um relógio perfeito, porque a (...)

36O que é um relógio? Um instrumento que transforma uma energia po­tencial em energia cinética, organizando regularmente o débito desta última. Para que os tempos produzidos pelos relógios sejam concordantes, escolheu­-se um modelo comum. O movimento dos astros forneceu-o há muito tempo. Os relógios reproduziram pois, tão fielmente quanto possível, um tempo ce­leste julgado perfeito. Mudou-se várias vezes de referência astral, depois foram sendo descobertas melhores periodizações.29 A qualidade do instru­mento de medida e a sua referência têm aqui uma importância menor. É a apli­cação mensural do tempo do relógio produzida ou reproduzida que constitui o problema. Na medida em que este é regular, homogéneo, contínuo, ele só pode medir tempos que o são também. Dito de outro modo, o relógio aplica-se sobre os tempos que são descontínuos, irregulares, não homogéneos, quer dizer todos os outros. O relógio não dá uma medida. O relógio opera uma assimilação. Distinguir um tempo mensural de uma realidade pretensamente mensurada, é já recusar a unicidade do tempo. Ou seja, existem tempos que não podem ser assim medidos, porque se caracterizam pela sua incomensura­bilidade.

  • 30 Cfr. GROSSIN, William – Pour une science des temps..., pp. 16-53.

37Serve este diminuto comentário para recordar que o pombalismo está presente na génese de uma cultura temporal que vai corresponder à expansão da indústria mecanizada, ao tempo do relógio, hipertrofiado em detrimento de outros, desconhecidos, mal conhecidos ou perdidos de vista, tendendo a im­por-se em tudo e por tudo. Ele influencia fortemente as atitudes e os compor­tamentos. A vida pessoal e social sofre os efeitos de um envolvimento tempo­ral demasiado fabricado.30 Nesta interpretação, o pombalismo coloca um termo ao tempo personificado.

  • 31 LALANDE, André – Vocabulaire technique et critique de la philosophie. Paris: PUF, 1960, p. 795.

38Mas, o tempo é, com o Marquês de Pombal, também expressão de um fenómeno, o terramoto de 1755, que produz o seu tempo, do mesmo modo que fenómenos análogos produzem tipos de tempos que lhe são próprios. As quali­dades de tal tempo – homogéneo ou descontínuo, por exemplo – avaliam-se em comparação com as de tal outro tempo – irregular ou ritmado, por exemplo – provenientes de tal outro fenómeno. O tempo de um fenómeno supõe modi­ficação em curso, actividade, movimento. "O fenómeno é o facto em movimento, é a passagem de um facto a um outro".31

  • 32 Cfr. GROSSIN, William – Pour une science des temps..., pp. 229.

39Desta relação do tempo com o sismo resulta que o tempo produzido pelo fenómeno tem tanta realidade como o próprio fenómeno. Não se conse­gue abstrair. Não podemos vê-lo como uma simples imagem da mobilidade ou um número puro, o número do movimento ou de toda a medida convencional. Existe pois tanto de tempo como de fenómeno. No mínimo, isto significa que um só fenómeno pode produzir vários tempos, sucessivamente ou simultanea­mente. Associar os tempos aos fenómenos que os produzem conduz ao recon­hecimento da sua multiplicidade e da sua diversidade.32 Quer isto dizer que um só fenómeno pode produzir vários tempos, de que é exemplo o inquérito pom­balino, ou seja, ao longo de todo o reino um só fenómeno exprimindo vários tempos.

40Percebe-se bem a importância do tempo do relógio na sua articulação com o tempo do sismo. Sebastião José de Carvalho e Melo prepara a moder­nidade que intuía. Paradigmático nos "inquéritos" ao sismo, inscreve aí um outro paradigma, o do tempo do número, que irá marcar a sociedade futura, o que nos conduz a outra variante a ter em apreço: o exercício do poder.

  • 33 Cfr. ELCHARDUS, Mark – The Rediscovery of Chronos: The New Role of the Time in So­ciological Theory(...)
  • 34 KOYRÉ, Alexandre – Estudos Galilaicos. Lisboa: Dom Quixote, 1986, p. 361.

41Embora umas "espécies de tempo" sejam mais naturais que outras, e usualmente o "tempo do relógio" seja olhado como artificial, comparado com a mais "natural" percepção subjectiva do tempo ou da temporalidade que re­sulta de certas adaptações aos ritmos sazonais e outros condicionalismos am­bientais ou biológicos,33 o facto é que o "tempo do relógio" marca o início de uma transformação vital na maneira de olhar a temporalidade. Com efeito, o "movimento obedece a uma lei matemática. O tempo e o espaço estão ligados pela lei do número."34

  • 35 KOYRÉ, Alexandre – Do mundo fechado ao universo infinito. Lisboa: Gradiva, D.L. 1987, p. 7.

42Na sequência das mudanças produzidas no século XVII, a necessidade de uma outra medição do tempo é uma ocorrência que se articula e adequa a uma duração infinita e a um espaço infinito. Na verdade, as mutações produzi­das pela revolução do século anterior ao de setecentos assentam em dois ele­mentos cruciais: a destruição do cosmos e a geometrização do espaço. Ou seja, como afirma Koyré, "a) a destruição do mundo concebido como um todo fini­to e bem ordenado (...) e a substituição deste por um universo indefinido, e até mesmo infinito (...) unido apenas pela identidade das leis que o regem (...); b) a substituição da concepção aristotélica do espaço, conjunto diferenciado de locais intramundanos, pela geometria euclidiana – extensão homogénea e necessariamente infinita –, daqui em diante considerada como idêntica, na sua estrutura, ao espaço real do universo''.35

  • 36 Cfr. GOUREVITCH, Aaron. J. – Les catégories de la culture médiévale. Paris, Gallimard, 1983, p. 96.
  • 37 Idem, ibidem, p. 154.

43Unido a este horizonte científico, o tempo é talvez, entre os aspectos de uma cultura, aquilo que melhor caracteriza a natureza. Ele é a incarnação, ele está ligado à concepção do mundo de uma época, ao comportamento dos indi­víduos, à sua consciência, ao seu ritmo vital, às suas relações com as coisas.36 "Até à época capitalista, diz Gourevitch, o tempo foi sempre local. Não exis­tia, com efeito, a medida do tempo único para os territórios extensos e menos ainda para os Estados e regiões mais vastas. O particularismo da vida social aparecia também nos sistemas de cálculo de tempo. Ele sobreviveu ainda muito tempo, mesmo depois da passagem à medida mecânica do tempo, cada vila possuía o seu próprio tempo. Mas este novo meio de determinação do tempo torna possível a sua unificação e os governos, tomando o controlo do tempo, impuseram, como única exacta, a sua própria hora a todos os súbditos. O tempo local separava, enquanto que o tempo do Estado, depois o dos fusos horários, se tornou um meio de união, de reforço dos laços. É assim que nasce uma temporalidade única.37

44Neste sentido, pode afirmar-se que no pombalismo existe uma evidente percepção de como governar a sociedade, que se articula com uma nova noção de tempo, que já não se rege pelo sino do campanário mas pelo relógio da torre, i.e., um tempo que se adequa ao espaço físico, mas sobretudo ao espaço das relações e, obviamente, da comunicação e da informação.

45A heterogeneidade qualitativa do "espaço é substituída por uma homoge­neidade, a física dos espaços suprida pela física das relações, do mesmo modo que a medição do tempo canónico é trocada pela medição mecânica do tempo. E uma nova noção de tempo que suscita uma nova distribuição da linguagem, facilitando as trocas, o progresso do saber, o exercício do poder. A homogeneidade do tempo torna, assim, possíveis novas formas de comunicação e outros tempos de informação, isto é, imaginar e informar, factos e acontecimentos, liberdade e autenticidade.

46É uma noção que se inclui num projecto de universalização das relações económicas, sociais e políticas e de poder, da qual faz parte uma "revolução" na nova maneira de medir o tempo que se integra e articula nas trocas, no capi­tal, no mercado, no trabalho e na amplificação do saber, uma nova concepção de tempo que se torna tributária dos interesses da produção e do exercício do poder, logo da comunicação e da informação, em que se pressente, também, o interesse na vocação em servir a sociedade.

47Tornando-se universal no meio de todas as mudanças, a nova concep­ção de medida do tempo (englobando e articulando simultaneidade, sucessão, duração e passado, presente e futuro, em que cada instante é o resumo de um espaço) determina vários espaços que vão do físico ao histórico. Aqui, o espa­ço técnico-económico não coincide com o espaço político, nem com o espaço cultural. A nova medida do tempo integra-os em função da globalidade/plura­lidade do espaço que, circunscrito pela homogeneidade do tempo, melhor transforma a natureza em força produtiva e hierarquiza e maximiza a sua utili­zação com o concurso activo ou passivo de diversos agentes.

  • 38 Cfr. SANTOS, Milton – "La géographie à la fin du XXe siècle: les nouveaux rôles d’une dis­cipline m (...)

48Trata-se de uma reorganização (de que o próprio inquérito mandado efectuar por Pombal é um exemplo paradigmático) das funções políticas, so­ciais, administrativas, etc., entre as diferentes fracções do território. Cada pon­to do espaço torna-se pois importante em poder e nos factos, uma via de espe­cialização na utilização do território, seja ela de origem natural ou cultural, ou provenha de intervenções políticas e técnicas, especialização que é significado de uma redescoberta da natureza.38

  • 39 Cfr. POCOCK, John Greville Agard – Machiavellian Moment: Florentine Political Thought and the Atlan (...)

49A partir do momento em que a natureza se define de nova maneira e se renovam as suas relações com o homem, uma nova noção de medida do tempo é necessária, instrumento de uma outra crescente solidariedade entre momen­tos e lugares. Se o tempo é organizado em torno de acções e estas acções for­mam uma sequência cujo significado aparece no tempo e dá ao tempo um sig­nificado, então, numa espécie de "paradoxo dialéctico", que torna possível a visão histórica, o significado das acções mostra-se fora do tempo.39

  • 40 Se a Revolução Francesa inventa a centralidade do corpo da modernidade, cria o direito da naturalid (...)

50Nesta interpretação, o inquérito pombalino acerca do sismo de 1755 dá ao tempo uma outra significação, que não a intimamente escatológica, mas antes a de uma nova concepção da temporalidade,40 em harmonia com um outro mundo de vida que se avizinha e a mudança de paradigma político que se anuncia.

Topo da página

Notas

1 Considere-se, entre outros, LUCA, Franco de Assis Amado e – Critica Moral contra os vícios em comum, seu autor. Partes I e II. Lisboa: Na Officina de Joze Filipe, 1758.

2 Leia-se: Carta apologetica critico-medica. Su author, el doctor D. Francisco Pl. medico en corte de Lisboa, natural del principado de Catandia. Dada à luz, por un cavallero portuguez, amante de la verdad, e de la publica salud. Lisboa: En la Imprenta de Joseph Phelippe, 1760, e B. J. de L. C. B. – Juizo verdadeiro sobre a carta contra os medicos, cirurgioens, e boticarios ha pouco impressa com o titulo 'Sustos da vida nos perigos da cura', exposto em huma carta de hum amigo a outro, que sobre ella pedio o parecer. Lisboa: Na Officina de Joseph Filipe, 1758.

3 Veja-se a Ilustração e, a propósito, DIAS, José Sebastião da Silva – Portugal e a cultura eu­ropeia (séculos XVI a XVIII). Separata da Biblos, vol XXVIII. Coimbra: Coimbra Editora, 1953, pp. 184 e ss. e PEREIRA, José Esteves – Luzes na Enciclopédia, Luzes em Portugal. Colóquio Internacional Diderot. Lisboa: Universitária Editora, 1987; cfr., sobre o eclectismo em Portugal, DIAS, José Sebastião da Silva – O Eclectismo em Portugal no século XVIII: Génese e destino de uma atitude filosófica. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1972.

4 Veja-se, a este respeito, DIAS, José Sebastião da Silva – Pombalismo e teoria política. Lis­boa: Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa, 1982; Pombalismo e projecto político. Separata da Cultura: História e Filosofia, vols. II e III. Lisboa: Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa, 1984, e RAMOS, Luís A. de Oliveira – Projecções do reformismo pombalino. Coimbra: Arq. da Universidade, 1984.

5 Cfr., entre outros, Nas reaes nupcias do serenissimo senhor D. Jozé, principe da Beira com a serenissima senhora infanta D. Maria Francisca Benedita. Lisboa: Na Officina de João Antonio da Silva, 1777.

6 Aprecie-se Elogio historico de Pascoal José de Melo Freire dos Reis pronunciado na assem­bléa publica da Academia R. das Sciencias de 17 de Janeiro de 1799, e dedicado a sua alteza real o principe D. João nosso senhor. Lisboa: Na Typographia da Academia R. das Sciencias, 1799. Sobre Pascoal de Melo Freire, veja-se PEREIRA, José Esteves - Pensamento político em Portugal no século XVIII: António Ribeiro dos Santos. Lisboa: I.N.-C.M., D.L. 1983, so­bretudo Parte IV, caps. I-V, pp. 243 e ss.

7 O conceito de paradigma, sempre polémico, independentemente da área do saber que o adop­ta, deve ser olhado sob a perspectiva concernente à definição de um estado da ciência ou das ciências, que consiste em insistir sobre a especificidade e sobre o carácter determinante das técnicas de pensamento que ele institui, um conjunto de ideias inscrevendo-se num sistema de pensamento, que se manifestam por técnicas precisas e complexas, tanto na materialidade das experiências como na construção dos conceitos. (Cfr. BACHELARD, Gaston – La formation de l’esprit scientifique: contribution à une psychanalyse de la connaissance objective. Paris: J. Vrin, 1993). Na verdade, não é difícil reconhecer, em certas épocas, uma unidade de conjunto do pensamento, quanto à maneira de colocar e de resolver os problemas de determinados domínios da ciência. Contudo, também é verdade que esta unidade de concepção que se impõe tão fortemente aos espíritos, conduz a que toda a tentativa para lhe introduzir rupturas, com lucro de um projecto novo, que lhe alarga e aprofunda o campo, se debate com resistências aparentemente fundadas e que só são ultrapassadas ao preço de uma regeneração. (Cfr. KUHN, Thomas S. – The structure of scientific revolutions. Chicago: The University of Chicago Press, 1996). Todavia, a virtude estabilizadora do paradigma, se é seguramente mantida por constran­gimentos económicos e sociais, e talvez sobretudo pela coerência e pela dinâmica interna de uma organização conceptual, entra em colapso, quando o efeito manifesto da acumulação de conhecimento científico, num processo feito de mutações e rupturas, continuidades e desconti­nuidades, a dialéctica interna do progresso científico, conduz às inovações mais surpreenden­tes da ciência, as mais imperceptíveis (Cfr. GRANGER, Gilles Gaston – "Épistémologie". En­cyclopaedia Universalis. Corpus 8. Paris: Encyclopedia Universalis, 2002, pp. 473-480), em que poucos tomam verdadeiramente conhecimento do que está a acontecer.

8 Enviado a 20 de Janeiro de 1756, por Sebastião José de Carvalho e Melo, aos arcebispos e bispos do reino (cfr. IAN-TT. Ministério do Reino: Livro de Avisos 5, nº 3, classe 1ª, 1756­-1757, fls. 8). Face aos dados de que disponho, julgo tratar-se do primeiro, e inédito, dos "in­terrogatórios" ordenados sobre o sismo de 1755. Outros se seguiram, com modificações e adições, mas mantendo o arquétipo de 20 de Janeiro de 1756. Uma vez que neste trabalho apenas se abordam, sob a perspectiva da mudança de paradigma, as questões da sismologia e da temporalidade, os diferentes e restantes conteúdos do conjunto do inquérito e das respostas fornecidas serão, futuramente, objecto de estudo. Sobre outros "interrogatórios", veja-se SOUSA, Francisco Luís Pereira de – Ideia geral dos effeitos do megasismo de 1755 em Portugal. Lisboa: Typ. do Commercio, 1914, pp. 6 e ss. Este autor informa sobre um questionário, de conteúdo semelhante, que transcreve, mas não idêntico ao trasladado neste trabalho. Não consegue, todavia, esclarecer a data precisa do mesmo. Expressa apenas tratar-se de um inquérito "depois do terramoto de 1755", situa as respostas em meados de 1756 e informa sobre a impossibilidade de "obter todas as respostas a este questionário". Curiosamente, a sua obra, em que utiliza, para avaliação do grau do sis­mo, a escala de Mercalli (XI graus), assenta em novos interrogatórios, conseguidos por insis­tência do pe. Luís Cardoso (16—-1769), ampliados com mais algumas perguntas, em relação ao primeiro, entre as quais, e.g., "se padeceu alguma ruína no terramoto de 1755 e em quê; e se está já reparada". Em conformidade com a fonte (António Baião, Director da Torre do Tombo), que SOUSA cita, as respostas, que facultam a base da sua pesquisa, foram forneci­das em 1758, a partir dos novos inquéritos, quando o mesmo pe. Luís Cardoso trabalhava no seu Diccionário (cfr. SOUSA, Francisco Luís Pereira de – O terremoto do 1º de Novembro de 1755 e um estudo demografico. Lisboa: Serviços Geológicos; Tip. do Comércio 1919-1932, 4 vols., Vol. I. 1919, pp. 5-10). A este propósito veja-se "Interrogatório para a organização do Diccionario de Cardoso". O Archeologo Português – Collecção Illustrada de Materiais e Notícias publicada pelo Museu Ethnographico Português. Redactor – J. Luís de Vasconcelos. Vol. I. Lisboa: Imprensa Nacional, 1895, pp. 267-268, e CARDOSO, Luís – Diccionário geográfico, ou noticia historica de todas as cidades, villas, lugares, e aldeas, Rios, Ribeiras, e Serras dos Reynos de Portugal, com todas as cousas raras, que nelles se encontrão, assim antigas, como modernas. Lisboa: Regia Offic. Silviana, 1741-1751.

9 O isocronismo tem no relógio de pêndulo um vector capital, que é também vital para o desen­volvimento futuro da indústria da relojoaria, a partir de finais do século XVII, quando o holandês, HUYGENS, Christiaan Van Zuylichem (1629-1695), físico, geómetra e astrónomo, aplica o princípio do pêndulo à mecânica do relógio. A invenção, em 1656, do relógio de pên­dulo, torna o seu criador extremamente popularizado. Ainda em meados da década de 70, HUYGENS inventa a espiral de aço, cabelo, para relógios de bolso, substituindo a cerda de porco. Os motivos que estão na origem deste avanço no progresso da avaliação da temporal­idade são inteligíveis. É indispensável, em astronomia, um instrumento para bem medir o tempo. As clepsidras e as ampulhetas eram impróprias para fornecer resultados exactos. Após Galileu ter reconhecido o isocronismo das oscilações do pêndulo, os astrónomos tentaram utilizar os seus ensinamentos. HUYGENS aproveitou a lição, fornecendo às engrenagens dos relógios um movimento regular e uniforme, por via de um mecanismo, que dá origem ao princípio conhecido sob o nome de pêndulos. YOUNG, Thomas inclina-se a pensar que o árabe Ibn Ionnis já no século X, tinha aplicado o pêndulo para determinar o tempo. Mas é Sanctorius que, em 1612, parece ter sido o primeiro a aplicar o pêndulo como moderador da engrenagem do relógio (cfr. YOUNG, Thomas – A course of lectures on Natural Philosophy and the Mechanical Arts. London: J. Johnson, 1807, t. I, p. 181; SÉDILLOT, Louis-Pierre­Eugène-Amélie (pseud. Lamst) – Mémoires sur les instruments astronomiques des Arabes. Paris: Impr. Royale, 1841; UMBOLDT, Alexander Von - Cosmos, a sketch of a physical des­cription of the Universe. Translated from the Germany by E. C. Otté. London: H. G. Bohn, 1848, t. II.). A invenção de HUYGENS foi apresentada aos Estados Gerais da Holanda, em 16 de Junho de 1657, e o seu pequeno tratado, Horologium, de dez páginas, foi colocado à ca­beça do primeiro volume das suas C. H. Opera varia (Lugduni Batavorum, 1724, 2 vols.). Desejando aperfeiçoar o seu invento, HUYGENS chegou à conclusão, contrariamente a GALILEU, que não havia isocronismo perfeito. Nas cento e sessenta e uma páginas de Horo­logium oscillatorium, siva De motu pendulorum ad horologia aptato demonstrationes geo­tnetricae (Parisiis: Apud F. Muguet, 1673), HUYGENS descreveu os princípios que presidiam à sua inovação teórica acerca do relógio de pêndulo cicloidal, que vieram a ser reproduzidos, com adições, nas suas Opera varia. Não cabe, no âmbito deste trabalho, descrever os desen­volvimentos posteriores da relojoaria até ao relógio atómico, que utiliza as vibrações dos átomos de césio, nem a pesquisa em torno dos objectos cósmicos "pulsar" (estrelas de neu­trões de rotação rápida), na busca de uma referência sólida, imune à variabilidade de diversas proveniências observadas no seio do sistema solar. As estrelas de neutrões, ou "pulsar", que emitem impulsões de ondas rádio, extremamente regulares, foram descobertas, com o auxílio de um radiotelescópio, pelos astrofísicos britânicos Anthony Hewish e Jocelyn Bell Burnell, em 1967. Independentemente do posterior desenvolvimento do processo, HUYGENS, entre outros, tinha delineado a via que levaria a um enorme progresso que faria da relojoaria uma indústria de "ponta" até à contemporaneidade. A este propósito cfr. BLAIR, Byron Emerson, editor – Time and frequency: theory and fundamentais. NBS monograph. Nº 140. [Washington]: Govt Printing Office, 1974, e MILHAN, Willis Isbister – Time and timekeepers: including the history, construction, care, and accuracy of clocks and watches. New York: Macmillan, 1945. Sobre HUYGENS, Christiaan Van Zuylichem, veja-se Nouvelle Biographie Générale depuis les temps les plus reculés jusqu’a nos jours, avec renseignements bib­liographiques et l’indication des sources a consulter. Paris: Firmin Didot Frères, Fils et Cie., Editeurs, 1861, [Nova edição], Copenhague: Rosenkilde et Bagger, 1968, tome XXV-XXVI, pp. 666-679). Para uma leitura amena da história do relógio em Portugal, cfr. OLIVEIRA, Fernando Correia de – História do Tempo em Portugal: Elementos para uma história do tempo, da relojoaria e das mentalidades em Portugal. [Lisboa]: Diamantouro, 2003.

10 Coteje-se Parabens a Portugal: falla hum genio contemplativo, com os seus compatriotas por­tuguezes; ponderando-lhes a inadvertida felicidade em que se achão, pelas disposiçoens do pre­sente governo. Lisboa: Na Officina de Pedro Ferreira, 1767. Veja-se, a propósito, ALVES, José Augusto dos Santos – "A Universidade de Coimbra na memória da emigração liberal no primeiro quartel de oitocentos". Universidade(s): História. Memória. Perspectivas. Actas Congresso "Historia da Universidade" (No 7º Centenário da sua Fundação). Coimbra: Comissão Organizadora do Congresso "Historia da Universidade", 1991, Actas (5), pp. 177-189.

11 Cfr. DAVIDSON, Charles – The Founders of Seismology. New York: Arno Press, 1978.

12 IAN-TT. Ministério do Reino: Livro de Avisos 5, nº 3º, classe 1ª, 1756-1757, fls. 8.

13 Inquérito transcrito, na resposta, pela freguesia de Azinhoso, Mogadouro, Bragança, (cfr. IAN-TT. Ministério do Reino, Maço 638, cx. 742). Respeitei, no traslado, o alinhamento ori­ginal do texto.

14 "As cátedras principais da Faculdade designadas pela nomenclatura das horas canónicas, eram a de prima, onde serviam de texto as sentenças de Pedro Lombardo, a de véspera, onde era lida a Summa Theologica de S. Tomás de Aquino, a de tércia, em que se comentava a Sagrada Escritura e a de nôa, em que se preleccionava sobre o texto de Duns Escoto (ALMEIDA, M. Lopes d'; BRANDÃO, M. – A Universidade de Coimbra: Esboço da sua história. Parte II. "A Universidade de 1580 a 1937". Coimbra: Universidade de Coimbra, 1937, p. 33.

15 Sobre o terramoto de 1755, veja-se, entre outros, ARAÚJO, Ana Cristina Bartolomeu de, "Ruína e sorte em Portugal no século XVIII. A propósito do terramoto de 1755". Revista de História das Ideias. O sagrado e o profano. Homenagem a J. S. da Silva Dias. Vol. 9 (1987), Coimbra: Instituto de História e Teoria das Ideias; Faculdade de Letras; Universidade de Coimbra, 1987, pp. 327-365; ROUSSEAU, J.J. – "A M. de Voltaire. Le 18 Aotit 1756". Oeu­vres: Correspondance. Paris: Chez Lerevre, 1820, Tome I, pp. 222-246; SOUSA, Francisco Luís Pereira de – O megasismo do 1º de Novembro de 1755 em Portugal. Acompanhado dum estudo demográfico e sôbre rochas de construção. Lisboa: Tip. do Comércio, 1915-1916, 2 vols.; Alguns prognósticos possíveis do terremoto de 1755. Separata do Boletim da Academia das Sciencias de Lisboa. Nova Série – Vol. I. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1930, além dos já citados do mesmo autor (cfr. supra nota 8), e VOLTAIRE – Poemes sur la reli­gion naturelle et sur la destruction de Lisbonne. Geneve: s.n., 1756, pp. 25-32.

16 IAN-TT. Ministério do Reino, Mç. 638, cx. 742.

17 IAN-TT. Ministério do Reino, Mç. 638, cx 743.

18 IAN-TT. Manuscritos da Livraria, nº 1229, "Historia do Terremoto do anno de 1755", fls. 51-51v.

19 Idem, ibidem, fls. 54v-55.

20 Em 1883, mais de um século depois do inquérito pombalino, Giuseppe Mercalli propôs a sua escala, um sistema baseado em descrições eivadas de carga subjectiva. A escala foi modifi­cada em 1912, depois em 1931. Na sua última versão, a Escala Modificada de Mercalli, continua a ser actualmente utilizada. Apesar de limitada quanto à energia da origem do sismo, quando os números da escala de Mercalli começaram a ser aplicados aos sismos, os padrões começaram a surgir das miscelâneas das listas informativas. Bem antes de 1920, tornou-se claro que as mais instáveis regiões sísmicas do globo estavam associadas com características da crosta terrestre, i.e., onde esta se apresentava mais enrugada, montanhas e fracturas (cfr. ZEBROWSKI, Jr., Ernest – Perils of a restless planet: scientific perspectives on natural di­sasters. Cambridge, UK; New York: Cambridge University Press, 1997). Curiosamente, se a escala de Mercalli é mencionada na história da sismologia, o "inquérito de Pombal" é, por ra­zões óbvias, completamente ignorado, independentemente do sismo e tsunami de Lisboa serem abundantemente referenciados (cfr., a título de exemplo, DAVIDSON, Charles – The Founders of Seismology. New York: Arno Press, 1978).

21 Modernidade, enquanto categoria vista como síntese interpretativa do real. A consciência da modernidade constitui-se sobre um duplo movimento: 1 – Consciência de pertença/identificação a um tempo específico; 2 – Vontade de dar um sentido a um mundo que se apavora numa inquietude originária.

22 Por curiosidade, assinale-se que o primeiro instrumento, especificamente designado para re­gistar sismos foi, aparentemente, construído na China em 132. Era um círculo de oito figuras de dragões esculpidas em bronze, cada uma sustentando uma esfera na boca, que, perante um forte abalo de terra, cairia para a boca de um sapo que, supostamente, indicaria a direcção do tremor de terra. Este instrumento era, certamente, uma bela peça de arte, mas de duvidoso valor, enquanto instrumento científico.

Na Europa, pode dizer-se, encontram-se escritos sobre instrumentos para a detecção de sis­mos desde o princípio do século XVIII (cfr. HAUTEFEUILLE Jean de – Microscope micro­métrique, gnomon horizontal, et instrument pour prendre les hauteurs des astres jusques aux tierces, avec un moyen de prevoir les tremblements de terre. 1703), sobretudo, com a preo­cupação de responder mais às questões da inclinação da superfície terrestre do que aos deslo­camentos horizontais. Foi Jean de HAUTEFEUILLE (1647-1724) quem primeiro percebeu claramente a importância da contribuição dos instrumentos para o estudo da sismologia, recorrendo às variações de nível do mercúrio líquido derramado de um recipiente. Este pio­neiro, também ligado à relojoaria, e ao relógio de pêndulo ou pêndulo de bolso, entrou, em 1675, a propósito da paternidade deste tipo de relógio, em polémica com HUYGENS, Christiaan Van Zuylichem (cfr. supra nota 9). Hautefeuille tinha inventado o meio de diminuir as vibrações do balanço do relógio; Huygens, que aperfeiçoou o mecanismo, regis­tou a patente, o que decidiu Hautefeuille a reclamar, sem sucesso, a paternidade da invenção (cfr. HAUTEFEUILLE Jean de – Factum, touchant les pendules de poche.... Contre maistre Christian Hugens sieur de Zulichem.... [S.1.]: 1676).

Todavia, a honra de ter sido o primeiro europeu a assinalar o uso de um instrumento mecâni­co, como auxiliar para o estudo de sismos, cabe a CIRILLO, Nicolló – Memoria sui terre­moti. Napoli: 1738. CIRILLO (1671-1734) recorreu ao pêndulo e à observação das oscilações pendulares no estudo de uma série de sismos em Nápoles, em 1731. A utilização do pêndulo permitiu a contribuição de Andrea Bina (1751), assim como a de Domenico Salsano, um relo­joeiro de Nápoles, que inventou o "geo-sismómetro", em Fevereiro, de 1783. Posteriormente, a lista de contribuições é extensa. De Atanasio Cavalli (1784), e o "sismoscópio", Duca della Torre, A. Filomarino (1796), e o "sismógrafo" de pêndulo, semelhante ao de Salsano, James David Forbes (1809-1868), e o "sismoscópio" (1841), onde experimentou vários arranjos de pêndulos, até Filippo Cecchi (1822-1877) que, beneficiando de todas estas contribuições, constrói, com sucesso, o primeiro sismógrafo (1875), usando dois pêndulos, um sistema em que um detecta o movimento norte-sul e o outro o movimento este-oeste, orientações ainda hoje em uso. John Milne (1850-1913), nos anos seguintes, trabalhando em Tóquio, introduziu consideráveis melhoramentos na sensibilidade deste instrumento (cfr., sobre este tema, ZEBROWSKI, Jr., Ernest – Perils of a restless planet: scientific perspectives on natural di­sasters. Cambridge, UK; New York: Cambridge University Prees, 1997; DEWEY, James; BYERLY, Perry – "The Early History of Seismometry (to 1900)". Bulletin of the Seismo­logical Society of America. [Stanford, Calif.]: The Society, Vol. 59, Nº 1 (February - 1969), pp. 183-227).

23 Veja-se a construção "em gaiola", certamente, no momento, a perspectiva mais correcta para uma construção anti-sísmica.

24 O rio de Heraclito (o escoamento incessante do tempo) gera a ideia da perda inexorável do tempo a cada fracção de segundo, o que sugere que a história do mundo seria apenas o encaminhamento para a morte e a do homem uma teleologia.

25 Cfr. GROSSIN, W – Les temps de la vie quotidienne. Berlin: Mouton/De Gruyter, 1974, p. 128.

26 Alors, il ne faut pas dire qu’une heure d’un homme vaut une heure d’un autre homme, mais plutôt qu’un homme d’une heure vaut un autre homme d’une heure. Le temps é tout, l’homme n’est plus rien, il est tout au plus carcasse du temps" (MARX, Karl – Misère de la philosophie. Paris: Giard et Brière, 1908, p.70). Com efeito, os quadros temporais pessoais ou colectivos distinguem-se igualmente segundo a autoridade das suas limitações. Uns levantam uma barreira inultrapassável para além do momento preciso da abertura. São definidos, pre­cisos, fixos, intangíveis, intransgressíveis. Para além do sinal inexorável, o quadro temporal encerra, conduzindo ao insucesso, à nulidade, à exclusão: "ninguém pode inscrever-se depois da data de encerramento", "depois da hora já não é a hora", "perdeu-se o comboio" (trata-se da via para interiorizar a virtude, o mérito, cujo panoptismo pune ou premeia). O desregula­mento do quadro temporal conduz à desordenação dos empregos do tempo e programações ulteriores, individuais ou colectivas. O estorvo dos quadros temporais é tal que as latências e os atrasos ocasionam confusões, embaraços, impaciências, irritações, disputas (o tempo do número é aqui essencial). Em derradeira instância, uma série de questões que nos transportam ao conflito dialéctico entre tempo pessoal (vivido) e tempo do relógio (mecânico/atómico) e a perguntas transcendentes como: Quantos instantes tem um momento? Quanto tempo dura um instante? Quanto tempo dura um quarto de hora?

27 Cfr. GASPARINI, G. – "L’attesa: un tempo industriale". Studi di Sociologia. Milano: Vita e pemsiero, Vol. 30, Nº 1 (Marzo – 1992), pp. 23-45.

28 Se aqui falamos de pombalismo e da importância que tem no Portugal setecentista, que se en­contra no limiar da pré-modernidade, esta perspectiva não significa a exclusão de um outro olhar, sobre a concepção de tempo, nos dias de hoje, ou seja uma proposta de ecologia tempo­ral, com perspectivas hedonistas, que ganhará melhores condições temporais para a existên­cia quotidiana. Na verdade, esta ecologia acabará por destruir o principal entrave à concepção de uma nova organização social e pessoal. O quadro, que constitui a representação colectiva de um tempo fundamental único, mantido e posto ao serviço pela sociedade industrial mecanizada, tornou-se anacrónico, paralisa toda a iniciativa de envergadura, condena os espíritos à errância, os projectos políticos à insignificância ou à estagnação. Ao desenvolvimento da automação, da robotização, da informática correspondem novos utensílios de pensamento, uma nova visão das relações sociais, uma ética garantindo a todos, na equidade, o acesso a tempos escolhidos (cfr. GROSSIN, William – Pour une science des temps. Introduction à l’é­cologie temporelle. Toulouse: Octares, 1996, p. 247).

29 O movimento de rotação da Terra, cerca de 24 horas, mas a Terra não é um relógio perfeito, porque a velocidade de rotação varia ligeiramente, como um relógio que tanto se adianta como se atrasa.

30 Cfr. GROSSIN, William – Pour une science des temps..., pp. 16-53.

31 LALANDE, André – Vocabulaire technique et critique de la philosophie. Paris: PUF, 1960, p. 795.

32 Cfr. GROSSIN, William – Pour une science des temps..., pp. 229.

33 Cfr. ELCHARDUS, Mark – The Rediscovery of Chronos: The New Role of the Time in So­ciological Theory. Brussel: VUB, Centrus voor Sociologie, [1987], p. 10.

34 KOYRÉ, Alexandre – Estudos Galilaicos. Lisboa: Dom Quixote, 1986, p. 361.

35 KOYRÉ, Alexandre – Do mundo fechado ao universo infinito. Lisboa: Gradiva, D.L. 1987, p. 7.

36 Cfr. GOUREVITCH, Aaron. J. – Les catégories de la culture médiévale. Paris, Gallimard, 1983, p. 96.

37 Idem, ibidem, p. 154.

38 Cfr. SANTOS, Milton – "La géographie à la fin du XXe siècle: les nouveaux rôles d’une dis­cipline menacée". Revue lnternationale de Sciences Sociales. L’epistémologie des sciences sociales: Statut scientifique, valeurs et institutionnalisation. 102. Vol. XXXVI (4-1984), Paris: UNESCO, 1984, pp. 691-707.

39 Cfr. POCOCK, John Greville Agard – Machiavellian Moment: Florentine Political Thought and the Atlantic Republican Tradition. Princeton: Princeton University Press, 1975, p. 31.

40 Se a Revolução Francesa inventa a centralidade do corpo da modernidade, cria o direito da naturalidade (o de nascer num território) e as garantias dos direitos que lhe assistem, colo­cando cm causa todos os outros direitos anteriores, nos quais assentava o poder da aristocra­cia, contribuindo, assim, para a consolidação histórica do Estado moderno), então, podemos dizer que o tempo do relógio, antecipando-se, concebe o direito da temporalidade (o de nascer em determinada hora), que preconiza uma nova visão do mundo, o da modernidade que se aproxima.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Augusto dos Santos Alves, « O Marquês de Pombal e a mudança de paradigma », Cultura, Vol. 22 | 2006, 177-192.

Referência eletrónica

José Augusto dos Santos Alves, « O Marquês de Pombal e a mudança de paradigma », Cultura [Online], Vol. 22 | 2006, posto online no dia 20 Dezembro 2015, consultado a 18 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/cultura/2222 ; DOI : 10.4000/cultura.2222

Topo da página

Autor

José Augusto dos Santos Alves

Centro de História da Cultura Universidade Nova de Lisboa
Doutor e Agregado em História e Teoria das Ideias pela Facul­dade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. É investigador do Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa, e membro da Association International des Sociologues de Langue Française, da Asociación de Historiadores de la Comunicación, do Foro Iberoamericano sobre Estrategias de Comunicación (FISEC). É autor de Ideologia e Política na Imprensa do Exílio: O Portuguez – Londres, 1814-1826 (1992); A opinião pública em Macau: a imprensa macaense na terceira e quarta décadas do século XIX (2000); A opinião pública em Portugal (1780-1820) (2000); Comunicação e História das Ideias: A Génese do "Editorial Político" (2004), O Poder da Comunicação (2005).

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo CHAM - Centro de Humanidades
  • OpenEdition Journals