Skip to navigation – Site map
Tertúlia "Um livro, uma revista, uma canção contra a Guerra Colonial"

Os condenados da terra, de Frantz Fanon

José Rosa

Full text

1Quando o Daniel Melo me perguntou se tinha havido um livro que tivesse tido influência na minha vida, não demorei um minuto a responder: Os condenados da terra, de Frantz Fanon. Este livro não só me influenciou como mudou o rumo da minha vida.

2Estávamos em 1963. Numa tentativa de me livrar da participação numa guerra colonial injusta, matriculei-me na velhinha Escola Náutica (Marinha Mercante), ainda na Rua do Arsenal em Lisboa. Em princípio iria fazer o serviço militar na Escola Naval (Marinha de Guerra), penso que no Alfeite.

3Nesse ano, o meu irmão Carlos Júlio Simões de Oliveira, mais velho que eu dez anos, engenheiro electrotécnico, regressara do Brasil, casado com uma brasileira, com dois filhos e uma boa biblioteca de literatura e poesia brasileira e, cereja no bolo, muitas obras de autores marxistas, que por cá estavam proibidas.

  • 1 Ap. versão lida em Mata, 2015: 15. Porém, essa censura será de 1965 (vd. novos dados na nota 18).

4Os tempos eram de mudança naquele país, razão pela qual ele fez as malas e zarpou para Portugal. Foi ele quem comprou Os condenados da terra, editado pela Ulisseia, em 1961. Ainda hoje me dá gozo a incompetência da nossa censura. Em 1967 essa edição foi censurada e apreendida, “a bem da nação”.1

5Fui aconselhado pelo meu irmão a ler a obra, o que fiz com alguma relutância, porque pensava que o meu problema da Guerra Colonial estava ultrapassado. E não é que me enganei? Em 1964 um diploma oficial obrigou todos os alunos da Escola Náutica a cumprirem o serviço militar no “Ultramar”.

6Em Setembro de 1965, assentei praça no quartel de infantaria das Caldas da Rainha. Abandonei o meu posto noutro quartel, o do Regimento de Infantaria n.º 2 (Abrantes), em 1967, quando fui mobilizado para Angola para combater as forças e organizações que lutavam pela liberdade e independência daquela colónia portuguesa. Foi em grande parte Fanon e o seu livro Os condenados da terra, que me levaram a praticar aquele acto.

7Frantz Omar Fanon nasceu a 20 de Junho de 1925, na ilha da Martinica, no Caribe francês. Descendente de escravos africanos, cresceu numa família da classe média, com oportunidade de frequentar o liceu, onde foi aluno do escritor, poeta, ensaísta e militante anticolonialista Aimé Césaire (1913-2008).

8Fanon tornar-se-ia um admirador confesso deste ideólogo da “negritude”, movimento assente na valorização das raízes africanas, tendo participado na campanha eleitoral de Césaire para deputado à Assembleia Nacional francesa pelo círculo da Martinica.

9Apesar da sintonia com escritos como Discurso sobre o colonialismo (de 1955), Fanon discordou de Césaire quando este promoveu o estatuto de “Département d’Outre-Mer” atribuído ao Caribe francês e a territórios na costa oriental de África, em 1946. A discordância agravou-se quando Césaire fez campanha pelo “sim” da departamentalização, no referendo organizado pelo Presidente De Gaulle, em 1958. Fanon acabaria por criticar os pressupostos da “negritude”, que considerava uma imitação dos erros da civilização ocidental (Frantz Fanon, Os condenados da terra, Lisboa, Letra Livre, 2015, p. 217).

10Aos 18 anos, durante a Segunda Guerra Mundial, Fanon juntou-se às Forças Livres Francesas, que operavam a favor dos Aon dos na ilha -->

--ticas, forçasda Cé tendo paeo Cos esa. Foim>10Quando o Daniel Melo me pergunt10Estávamos em 1963. Numa tentateu livr dosavaa minres Frperdibia,ctrotzaçros da iaira i 196="arveutad:p class="texte">
  • 1 > Ap. versão lida em Mata, 2015:Cit. lang="pt">Os condenados da terra

    ang="pt">, Lisboa, Letra Livre, 2015, p. 2Salva , rty=o-medaaUni Por e foiFe da ledaaBahira se08 132

    Os condenados da terra, de Franou se tér me liOuelaliza,o Céutí me ll, Fanonhodam itaridam m>1

    2 2la2g=

    10Nesse ano, o meu irmão Carlos Ala c Memmi oe ondan>oa minres Frerrhectzal, Fanon jsuaÙOuassa ceTúnda,a cirm

    sntoitara ce4 |ig, no Ca71:p class="texte">
  • 1 > Ap. versão lida em Mata, 2015:Cit. a uL moaíssiss="o só me influeão lang="pt">Os condenados da terra, Lisboa, Letra Livre, 2015, p. 2Sa no quartel 71 48 < "Um livro, uma nnexe/imageespimi., quee.fr/ i P/Guerew/Os condenados da terra, de Frannnexe/imageespimi., qu a| enOs condenados da terra, de FranN jsuaéu>ta responó me influejex>sndrampaecanNascsd matrrendo organioosta orie,a "arAindci-seesta orientaobilcmemou se tnsaÙOuelarl(nsenatrr CLisbugal. dnlo(FrFoimésa cãarte jsuapáa taitrivra i articÍas smOiiscorim A(19 s). Enfudeai1

    3"a href=" 3 C3g=

    10Os tempos eram de mudança naqug="pt" lo “sões qum minuntou-se às Forças Livj dise tidamperdipo ocidas, focr ticidade onida, “foi s iaiearte jex>oa, qfáa M aoa="pt" im>10Fui aconselhado pelo meu irmãoPçasg="pt" a uo >at diplGueolua Ma ca,ema da ,azesm 1s.10Em Setembro de 1965, assentei pM ca,ePites), eAndngdpelp/sda do panon acabalo MPLA,o Cza minres Frném, ideputr"> dnão pelsp cnda Ee fou dnm ão das rsara e,a cão ocidadeia agra subsos dnar o dna Marsõo que me izaçãmema.o> cnpão ocidem>10Frantz Omar Fanon nasceu a 20 deflueje="arveraa mina clasta mizde dáss lo s errgénitidade onscsesa. Fonda Martidndrlaísec subfoueneolinflm terdi do-mçasidas. toiavaala burn e Fonda Mart,6Os condenados da terra(de 1955), Fanon discordou de C e vros da iaio ="sorganiooem><.influenceu liml:lanutr"spaAbrutiu nica, no Cacompefluejsouberaaólonoe (1 indepesofs Foim>leucem

  • vros da raaólras m ra e,ncra, res. esece (1 ind/p> on xmo ocidade portuguesa. Foi aArgél10Apesar da sintonia com escritosUmlastasele acto.reec tinDépicúltimndr50eMundrnsaí sntoitar:na cCfanggero ocidemve,, com tura, me opa Ee fo,oimésarirn jsuamisslo Pr “Ul-lroetuc> < o misslo i em gem minhemar"mdamdeaisocidem>postos o lic xml:lang="pt, vrossara ceoran xirican">tucafog an"> ceseta e. p class="texte">2Aos 18 anos, durante a Segunda Pçasg="pt" n xml:lang="pt" e as, foenhei minóls.õo qxplo(endo pael Mengobrasa a dean>6Quando o Daniel Melo me pergunteu l a avéind/pado unal fou como mu porerm.o xml:la em r ele acto.ugal um d="scsceal de Cérmatriculei-menha Esc

    Top of - #a

  • Full text ation">class="dgets" class="withTexranumber"li>Home e"><
  • Ap. versão lida em Mata, 2015: 15. Porém, essa censura será de 1965 (vd. novos dados na nota 18). texte">Home 2 e">< 2la2g= Ap. versão lida em Mata, 2015:Cit. lang="pt">Os condenados da terra

    ang="pt">, Lisboa, Letra Livre, 2015, p. 2Salva , rty=o-medaaUni Por e foiFe da ledaaBahira se08 132 texte">Home 3 e">< 3 C3g= Ap. versão lida em Mata, 2015:Cit. a uL moaíssiss="o só me influeão lang="pt">Os condenados da terra, Lisboa, Letra Livre, 2015, p. 2Sa no quartel 71 48 < "Um livro, uma nnexe/imageespimi., quee.fr/ i P/Guerew/Os condenados da terra, de Frannnexe/imageespimi., quee.fr/ i P/Guerew/ a| condenados da terra, de Fran> teyftn1" hrego-oConor Top of - #a <| Full text #authors">Abclass="dgets" class="withTexh3>Erasil,nicidente Dca h3>xte">Rosa
    xtSize">Homejourna>BrowsecAuth Keyword lass="sel a/s="
     |&nbt the aus="title">Dibr /"Um livro, uma revist
     |&n3t the aus="4itle">Dibr /"Um livro, uma revistIef= fum do omo muim, queo
     |&n2t the aus="3itle">Dibr /"Um livro, uma revistO adobrantes),tz Fesa. Fomemarnaerra)uropa
     |&n1t the aus="3itle">Dibr /"Um livro, uma revistA Rehema Em prFilosof Foim>EriciWe div id="docsel xt wResizable "xpt" title="P153a "Um livro, umaiod"> |&n0t the aus="2itle">Dibr /"Um livro, uma revistA a Esiqual e A(19gu e fo div id="docsel xt wResizable "xpt" title="P364 "Um livro, umaiod"> |&29t the aus="2itle">Dibr /"Um livro, uma revistPeran>oasa< XXqticP/span>< ra, co div id="docsel xt wResizable "xpt" title="P77 "Um livro, umaiod"> |&28t the aus="1itle">Dibr /"Um livro, uma revist  |&27t the aus="0itle">Dibr /"Um livro, uma revistIef= fum religiFrFoiam itvocade e innda Maris
     |&26t the aus=09itle">Dibr /"Um livro, uma revistO To podam as Ideis
     |&25t the aus=08itle">Dibr /"Um livro, uma revistVa  |&2bt the aus=07itle">Dibr /"Um livro, uma revistrelatio itarrasiualodam ee, cs xml:lanis
     |&23t the aus=06itle">Dibr /"Um livro, uma revistIr --(s)oim>To p(s)
     |&22t the aus=06itle">Dibr /"Um livro, uma revistIr --eip>l ticis
    xt wResizable "xpt" title="P1267>Os condenados da terra, de FranCommonAces
    &e">C
    &e"3
    &e"2
    &e"1
    &e"0
    &e29
    &e28
    &e27
    &e26
    &e25
    &e24
    &e23
    &e22C
    O di dg Follow us="dge RSS fe> d="docsel a/s=" xtSize">Homejourna>IFrerll 01/nHAM_cor_o milipsc-sm/ll120te" tywidth"P120" hestó"P4tent-d="docsel pt" title="P/cultura/2585" /> >hloniner"et so Escos xtSize">&nb < Site map
    Id', '3']); ype" vxird=ties top, g=d /> eEra top('t.clas'), s=d lasEra topsByTag> ('t.clas')[0]; ype" g..docu'entElement.clas'; g.async=iSite map
    ap">barre/j Site mapjsia="screjsonp-ra,ess. ejs lesh ype"jQ"scr(ties top).rWray(funtext<($) { if ( $.fneen" /> == unnufineet) { $ lasS.clas(c method="a hrc-/imagemap">Site mapjsicss" media="screen" /> (); ype" }); ype" } else { $('a.ifr ')een" /> (); ype" } ype" /> url= ype" $ejsonp({ url: (' method=/> map">Site map/> es iajo '), ">11 a')erato('<'+ aeurl+'am'+ aes.op+'g= '); ype" $eajax({ ype" t.doc: "GET", ype" turl: "">pt nd(msg); ype" } ype" }); ype" }, ype" l (Fr: funtext<( a){ ype" //$('i/> a')erato('n e p, ition.org/culhod=/> map">Site mapmail ing= '); ype" $eajax({ ype" t t.doc: "GET", ype" t turl: "">pt nd(msg); ype" } ype" }); ype" } }); ype" $('ipra,enk res li')eanos('touc esd', funtext<(e) {}); ype" $('alue=[s.opeq]')eeiess(funtext<() { if ( $(thit)e>ttr('ion.o') == '> 't) { $(thit)e>ttr('ion.o', ''); ype" } }); ype"}); jQ"scr(ties top).rWray(funtext<($) { $(funtext<() { if (ties top.cookie.indexOf("__cookie">Set=1/) == -1) { $("an cl>")erato("Um livro, um\"cookieentE\">By > ing thitiweb <, ytucacknow p use of cookies. ition.or\annexe/image/11804/cultura_16540\">Mk e innk relxtQuando ro, um\"closecookie">Set\" pt">Q")e>ttr("id , "cookie">Set")e> ndTo(p> "); $("a,.closecookie">Set")eclick(funtext<() { vxirexp:00+ = new :00+(); exp:00+.setTran(exp:00+.getTran() + (365 * 24 * 3600 * 1000)); ties top.cookie = "__cookie">Set=1;expires=> + exp:00+.toGMTStling() + ";doonin=e/11804/cultura_;path=p>; $("#cookie">Set")erement(); }); } }); ype"}); --dy ontent-type" iv id="wrp">barreoa

    >roperty="ogg= A" ub tou hre-toggle-Qroperty="og Bookm

    d="docsel ype" pt" title="P/culturbookm

    /ajoalon e">Bookm <"docsel ype" pt" title="P/culturbookm

    /pstóriatroaPstóriatr <"docsel ype" pt" title="P/culturbookm

    o ar r innk relxtQroperty="og J/2585"

    Site mapUm livro, uma revistOoperty="og J/2585"
    d="docsel ype" pt" title="P/culturmage/11804/cultura_1ajoalon e-a/?page=">J/2585" <"docsel ype" pt" title="P/cultura/?page=map">Site map6438o ar r innk relxtQC">Snda
    SndapUm livro, uma revistC">Snda
    Sndap">A(nounta tops <"docsel ype" pt" title="P/culturc">Sndap blons <"docsel ype" pt" title="P/culturmage/11804/cultura_1ajoalon e-li>Blons ajoalon e <"docsel /ull sel /ull ype" QNewslenActre (d >>Set

    /index>>Set.php?a=deontentxt revistA>Set o (d subonteplxtSetr”.

    / type" /ieldsetl ype" ype" value=" ue="Search" submit" title="Se rev="prevet">-cho< a/?pageradio s.openedition.org/cultura" /> Home"> pt">Q> div id= revi- ieras iera-"wSend pt">QInnk relxtiv i xml::v tl type" xtd,iteBaselitd, type" xtd,as Ideioem>hta name="e de!-- #iam ir --elitd, type" xtt>Briefly:v tl type" xtd, bmit" title="Se pQInAct Céiplintyp"a/?pagese mo ing thon ciops of erew frommeta ory, Philisophy, PCé c o (d L Acttyp"Ouelie Pstóriat:v tl type" xtd,i/> Modyum:v tl type" xtd,Papier"et érasil,niq e E- A :v tl type" xtd,rope > td, lit= ocsel type" sel title="Purmage/11804/cultura_111804anRead <iv iDOI / #authors">Abclass os= type" sel type" xt= type" xtt>DOI:v tl type" xtd,eta name="author" co td, lit= ocsel type" sel tih2> ifr vida até ctjourn>OCiteidente Dca "docsel ype" cs= csel esh /DOI / #éféhors">"--d type" se bg-l;& umbt" e">%2C+de+ + %3C%2Fclas%3E&url=&via=roperty="ogActu> HomeQTwonAcr

    QFQGoogle +
    a">v v v rch">Se ieras iera-l;d= Site mapap">barre/css/ie_ap">barre.css"f e[ > yp