Navegação – Mapa do site
Iconografia religiosa das invocações nacionais

Variantes iconográficas nas representações antonianas

Iconographic variations in Antonian representations
D. Carlos A. Moreira Azevedo
p. 41-55

Resumos

A intervenção percorre a história dos atributos antonianos, iniciando-se pela figura e suas vestes: Menino de coro, Cónego regrante de Santo Agostinho e Franciscano. Analisa a evolução das vestes franciscanas e o caso único com adereços de Doutor. As primeiras representações portuguesas mostram António com o atributo da cruz, reveladora de um seguidor de Cristo pobre e crucificado. O livro aparece aberto ou fechado e caracteriza um depositário da doutrina evangélica.
O Menino Jesus é atributo preferido desde o século XV. Começa por aparecer sobre o peito e depois a aparição adopta variadíssimas posições em relação, muitas vezes, com o livro. A açucena, documentada desde quinhentos, torna-se mais habitual desde o século XVII. Estudam--se também os atributos por contaminação com Santo Antão Abade. Novos temas relacionam o Santo com as almas do Purgatório e com a devoção ao pão dos pobres, muito divulgada no século XIX.

Topo da página

Texto integral

  • 1 Quanto aos milagres realizados depois da morte, há um inquérito rigoroso do bispo de Pádua, promovi (...)
  • 2 Entre o ciclo mais completo talvez seja o de André Gonçalves, para o Convento da Madre de Deus, C (...)

1A quantidade de prodígios que Santo António executou já em vida atesta a fama e motiva o culto. Os milagres de Santo António situam-se em diferentes vertentes. Atribuem--se-lhe exorcismos, curas várias, ressurreições, levar uma criança a tomar a defesa da mãe... Os mais duradouros na fama assumiram, na arte, representações que os imortalizaram. Deixamos para outra ocasião o tratamento dos ciclos iconográficos antonianos como o famoso Sermão aos peixes, o Milagre eucarístico ou da mula, ou o episódio de Santo António a livrar o pai da forca. Grande parte destes episódios não resiste à crítica histórica moderna, porque a sua origem é tardia nas fontes. Aparecem pela primeira vez na legenda Rigaldina e particularmente no Liber miraculorum (c. 1370). Outros faltam nas biografias mais antigas1. A corrente do maravilhoso, a fabulação fantástica traçam, a seu modo, a real magia de uma vida, que saltou para o mito e alimenta com força expressiva as narrações, as pinturas, as esculturas.2

2As primeiras imagens italianas, que datam do século XIII, mostram o santo sem atributos específicos. Começam os artistas a recorrer a atributos já comuns a outros santos, como o fogo e o bordão, que copiam de Santo Antão; o ramo de açucenas que retiram a São Bernardino de Siena, canonizado em 1450. O seu primeiro atributo parece ser a cruz. É este percurso que vamos percorrer. Iniciemos pela figura e suas vestes, antes de avançarmos para a caracterização dos seus atributos.

1. A figura de Santo António, suas vestes

3A esmagadora maioria das esculturas de temática antoniana apresenta o Santo como franciscano. São raras as imagens de Santo António revestido de Menino de Coro ou Cónego Regrante de Santo Agostinho.

1.1. Menino de Coro

  • 3 AZEVEDO, Carlos A. Moreira – Roteiro do culto antoniano na Diocese do Porto. Porto: Fundação Manu (...)
  • 4 Ibidem p. 53.
  • 5 Ibidem, pp. 300-301.

4No caso do Menino de Coro, Santo António aparece vestido com túnica vermelha e roquete, numa alusão clara ao passo hagiográfico do milagre da cruz, nas escadas do coro da Sé de Lisboa. A ausência da murça distingue da contaminação, também sucedida, com as vestes dos cónegos seculares. Na Diocese do Porto existem dois exemplares de escultura: no Museu do Cabido3 e na Igreja do Colégio de São Lourenço ou Grilos4, trabalhos oitocentistas. Em ambos Santo António tem sobrepeliz (e não roquete) por cima da túnica. Em Grijó5 existem, também com esta temática, duas pinturas, aparecendo o Santo com roquete.

1. 2. Cónego regrante de Santa Cruz

  • 6 Cf. GONÇALVES, A. Nogueira – Certos aspectos do hábito dos cónegos regrantes da Congregação de Sa (...)
  • 7 Os Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, na diocese do Porto, tiveram os seguintes mosteiros: São (...)

5No que diz respeito à iconografia crúzia, Santo António veste quase sempre túnica branca, sobrepeliz de linho, redonda e ampla, que pode ser, no máximo, até aos joelhos, e murça preta, apertada apenas por um botão. Como notou Nogueira Gonçalves, há interpretações erradas nesta veste6. Estas figurações têm sempre relação com antigos mosteiros crúzios e deixam de ser executadas com a extinção das Ordens Religiosas, ocorrida em 18347.

1. Santo António Menino do coro. Porto, Museu do Cabido, século XIX. Roteiro, p. 53.

1. Santo António Menino do coro. Porto, Museu do Cabido, século XIX. Roteiro, p. 53.

2. Santo António cónego regrante de Santo Agostinho, Moreira da Maia, Igreja Matriz, século XVII. Roteiro, p. 148.

1. 3. Franciscano

  • 8 GRÃO Vasco e a pintura europeia do Renascimento. Lisboa: Com. Nac. para as Com. dos Descobrimento (...)
  • 9 Ibidem pp. 145-147.

6A adesão do cónego regrante ao movimento mendicante franciscano, animado pela passagem das relíquias dos mártires de Marrocos por Coimbra, irá provocar a difusão iconográfica de António de Lisboa como franciscano. Assim aparece vestido na grande parte das representações. Comecemos por observar um caso fora do comum. Vasco Fernandes, no painel da direita do tríptico Cook do MNAA (inv. 1868), de ca. 1520, representa a figura do franciscano português, tratado de forma original. Usa um capelo a cobrir a cabeça, escondendo a habitual tonsura. Segura o bordão, em evidente contaminação com Santo Antão. A posição das mãos, com o indicador da mão direita apoiando-se no polegar da esquerda, revela enumeração, gesto da argumentação escolástica.8Gesto adequado para representar a cena do sermão aos peixes. Semelhante gesto aparece em colecção particular do Caramulo (ca. 1515-1520)9.

3. Santo António como doutor da Universidade de Coimbra. Lamego. Cristo fonte de esperança, n. 377, pp. 520-521.

3. Santo António como doutor da Universidade de Coimbra. Lamego. Cristo fonte de esperança, n. 377, pp. 520-521.

4. Santo António, volante do tríptico da Igreja Matriz de Ancede – Baião. Escola flamenga, primeiro quartel do século XVI. Roteiro, p. 95.

  • 10 Esta percentagem corresponde ao inventário das 477 paróquias da Diocese do Porto, que consideramo (...)

7Quanto às vestes franciscanas, há uma evolução. Até ao século XVII o hábito não tem manto. Na centúria seguinte divulga-se o uso do manto, perdurante até à actualidade. Por séculos, a tendência é continuamente decrescente. O manto faz o pleno no século XVIII e vai decaindo. Outro adereço das vestes é o capucho. Considerou-se o capucho como “erguido” sempre que se encontrava saliente. No século XVII cerca de 90% das obras produzidas têm o capucho erguido10. Nos séculos XVIII e XIX desce o número de casos.

  • 11 Cf. CRISTO fonte de esperança. Porto: Diocese do Porto, 2000, pp. 520-521, n. 377.

8Caso único conhecido é a escultura do século XVIII, que representa o franciscano com o adereço de Doutor, à maneira da Universidade de Coimbra. Conserva-se na igreja de São Francisco, em Lamego. O que seria declarado Doctor evangelicus (1946) mostra uma interpretação plástica original, mas profundamente significativa do seu serviço à Ordem franciscana e à Igreja.11

  • 12 Cf. GIEBEN, Servus – Stampe ed incisioni antoniane nel Museo Francescano (Istituto Storico Cappuc (...)
  • 13 Cf. BRITO, Fernando Thomaz de – Vída e milagres de Santo António. Lisboa 1894.

9Ainda como adereço da veste, acrescenta-se o rosário, presente em algumas esculturas. Se olharmos para o peso deste adereço só na produção do século XX, aquele número sobe. Numa água-forte de Klauber, do século XVIII, aparece Santo António a indicar a potência do Rosário12. As gravuras de finais do século XIX ajudaram a vulgarizar este elemento13.

  • 14 Cf. AZEVEDO – Roteiro, pp. 94-95.
  • 15 A obra foi restaurada pelo Mestre Fernando Mardel, em 1940, depois da sua “descoberta” por Luís R (...)

10Antes de nos determos na análise dos atributos, olhemos uma representação onde António aparece excepcionalmente como envelhecido. Trata-se de um tríptico do primeiro quartel do século XVI, de escola flamenga, conservado na Igreja Matriz de Ancede14, procedente da vizinha paróquia de São Bartolomeu de Campelo. O painel central é ocupado por São Bartolomeu; Santo André está na aba esquerda e Santo António na aba direita. O reverso dos volantes tem pintada a Anunciação.15

11O painel de Santo António representa-o de pé, voltado três quartos para a esquerda, com auréola e de vestes franciscanas. Olha para a imagem do crucifixo de haste longa, sustentado pela mão direita. Com a esquerda segura um livro encadernado sobre o qual está sentado o Menino Jesus, que se agarra ao cordão do Santo. A paisagem do fundo é composta por arvoredos e altos penhascos. Aparecem vultos à direita. Na parte inferior pintam-se ervas e calhaus.

  • 16 REIS-SANTOS, Luís – O antigo retábulo da Igreja de Campelo. In IDEM – Estudos de pintura antiga. (...)
  • 17 IDEM – Santo António na pintura portuguesa do século XVI. [s.l.]: Ed. Ática, 1945, pp. 6-7.

12Luís Reis-Santos não poupa as palavras para enaltecer a qualidade notável desta pintura: “Elevado mérito artístico, a harmonia da composição e da cor, o vigor do desenho, a consistência da modelação, a sobriedade e a beleza do estilo, o poder de penetração psicológica e de caracterização moral”16. Tentando entrar nesta atitude interior transmitida pelo pintor, diz, com eloquência, o estudioso acerca do Santo representado nos nossos painéis quinhentistas: “dir-se-á que fala no grande políptico de S. Francisco de Évora; medita, reza, lê, evangeliza no tríptico de Vasco Fernandes; nas tábuas do Mestre da Lourinhã, de Frei Carlos e de Gregório Lopes, [...] etc.; exprime vida interior, sofrimento e fé, numa das nossas mais belas imagens do grande Santo português pintadas na primeira metade do século XVI: a da aba direita do tríptico da Igreja do Convento de Ansêde”17.

13Com espírito franciscano, António sente-se irmão do corpo e da dor do Cristo que contempla. Adora aqueles braços feridos, aqueles pés doridos, aquele rosto desfigurado, e vê ali os gemidos de todas as criaturas, as lutas da humanidade, as solidões daquele coração aberto. A ternura e encanto da infância, que dá carne à novidade de todos os começos, está ali no Jesus pequenino, posto sobre a Palavra criadora e redentora. É uma faceta da vida, antes meditada. Agora, fita o amor crucificado que entristece, como aparente fim, essa humanidade ferida, na qual se revela o amor primeiro, dado até ao fim. Do Menino de Nazaré, pobre e nu, ao Cristo do Calvário, despojado, não há diferença de amor. Santo António como que colhe a sabedoria da cruz para a semear no vigor da pregação.

2. Atributos das representações antonianas

  • 18 Cf. AZEVEDO – Roteiro, p. 75.
  • 19 Cf. LACERDA, Aarão de – Os frescos da Igreja de Gatão: nótula. Prisma. 4 (1937) 255-258.

14Dos muitos frescos que as igrejas medievais mostravam restam-nos poucos testemunhos. Na Igreja de São João Baptista de Gatão18, trabalho dos séculos XV-XVI, distinguem-se os atributos de Santo António: açucena na mão esquerda; Menino Jesus na direita, sobre um livro fechado. O Menino já ostenta o globo do mundo, encimado por uma cruz19. Tentemos perceber a evolução e o sentido da escolha dos elementos identificadores da figura antoniana.

2.1. A cruz

  • 20 Cf. MARKL – Santo António, p. 39, fig. p. 92.

15As primeiras representações portuguesas datam do século XV e mostram António com a cruz. É o caso do painel do Museu da Sé de Évora, São Francisco e Santo António com a cruz. Ainda do século XV é o Santo António da série dos quatro santos da oficina de Nuno Gonçalves. Duvidou-se se seria São Francisco ou Santo António, mas segundo Markl não há dúvida.20 A ausência de estigmas e a presença da cruz indicam que estamos perante o nosso santo.

16Dos inícios do século XVI (entre 1503 e 1508) é a série franciscana de Francisco Henriques para o retábulo de São Francisco de Évora com a representação de São Bernardino de Siena e Santo António. Apresenta aqui o livro e o crucifixo.

  • 21 Cf. BATORÉO, Manuel – Pintura portuguesa do Renascimento: o Mestre da Lourinhã. Lisboa; Caleidosc (...)

17O Mestre da Lourinhã mostra, no painel de Santo António do Santuário do Cabo Espichel (pico do primeiro quartel do sé),igura do franciscano portciscana deributte">ngana deriber"n. Com a esúvida.18<>2.1. A the o sencarPaixvoluçMgua-igurblda viontravcterizaçobo do meta estaurapois dprime XVI po4">2.1. Anão dasáfica de Antala atcarventenovidam a aparriardor de Cristo pobre e crucifitrong>

2.2. O Menino Jesus

  • 12 Cf.RES LLESTRERATONu se IDEM – Anl go tríhi">12Campelo(...)

15As poem dois frescoseúnico nioposiçdas na primeira metade do sécabertm é t ISTO passo hagiogaego. O qvitolombasencaris dcom a representalo XVM te noIbidemM Liber mirac, Ibide="og:de San A://j trataSõenentand 15369e 15374>6n> Aohe ocdo larg uso franalriques çam os artncia,emos aznteh um resus da vecçãormetade do sécabNnalar emí Antlo bcentaico covion> Aóniifinznio aSvo pnlvár 1496alnio, s. Apreeúincoiva as narrametaM te no Liber mirac, Ibideva segeie dos qurizaaida alrsos dite linlgnificionaluantez na lsumento ane Grilos2fezximo,nciaSanto Antmagemutistavirta at peso “da e m”,ntando erda; Menino Jesto à icono>9.

4. Santo AnBaiã a escultidos ado manda figa bra dos séculos ótula/span>Rotna. 38oniana.

  • 18 Cf. AZEVEDO – Roteiro 4-14, p. 75.

205tinuame “desconiana. 13.

  • 21 Cf. BATORÉO, Manuel – Pintura portuguesa do Renascimento: o Mestre da Lourinhã. Lisboa; Caleidosc (...)

21<Éa faiindicasur e erda; Mnteso do painco do primeiro quartel do séculoia aM –ora, São Francisco e Santo Antnteuele coroteiro<"pt"> ularmenok dodade vrdaA correnMigos monvento da Madre dúvida. /span>O Mestre da Lour, que repres outros a aosrealiutor,r pais, sobCalv como perà Oo do muparece vsáfiburO paas aAgoss, tria ara ao clientbre o ccisco e Santo Antnos, guês o sobenino Ms peque ne encimad, com au santo.

122.2. O azarrém mantom to ri a be, sobcom o atraiibóliO Vasdquireo e oos elemo, em cirealiumxhantecalhaus.

21nservaor da pregzarppart. Hnas, ilo, o eá pindicad o c eloquêisco, p,o esilz.manipudita, ela o emosas da humanipaes verervaprimedidor de alhaus.

As poemoucos testeioposiçd, mas rimeira metade do sécu,tónio na pição deMes, shnardinonã moçãoerda; Mnqual eecer sogana , auelesiro, paraco adereÓ Santo Antões trepresecom a Eteso do painel do ataStúbe ,rescos da Igreenino, sco e Santo Antnos, arre ocupado por oavee a pinão de São Bernardino de.scano, Antóra. Segre um rnado sobre osrado, fim. Do Menipfundo agre da pjre o ceror de Crias,o Rs oúvida.15

16A esmagadora maónio ap cbranoniom a e Antão. A posiossas resus dalmo,çerda; M represeeecer sogana hascos. Aamengvár -o eagarralanciscnnexo">a e varioecalhaus.

  • 20(...)

181. A figura de Santo An. Nac. pao dasáerda; nciscquele nossasmente signifo vecçãormetade do séIXúvida. /sna: otando iscjmo odo ag),igura derda; Mnrinnexo"uras nbs de a1n/span>tinuame ónio appleno no séX13

2.3. Livro

  • 21 MAIS-SARÉO, MCadafo Thomaz de (...)

1518<>nio apgerepcionalucena na mão es, la. Ariber, la. livro fechare um ea sesuciendo a hacionalucimeiras representaetodApóso B ,paisço de e CarlisBo dodistece,1940si invensorpo eparRigallê,éltem5"sdam a iisurblda venciscco ou Santo Anttecer a qualençpóso Borpo oa Novlógica“Aso acerTm que mov”. Paes veae mot="og:de da csII ofecQuu jávetoo Elê, e capucho conego tado de dexprimoberr soada a cisfio ms dalmo,nas crlego. O ,ige">ngana d; M tventárinio,o das. Jum o saece p,s resus dams da vo Elê, e caávcimentoda; Mre dstmãe ovulgseueles brrdão do S/span>5

206nfleça por astmmerealizatam do séculocar do oiando-el do séculoAfi deoia,pgerepcionaigmplamosazrodud t Santo Ante ram a São Bernardino de Siena, canonizado e/span>18oJesus, qu pela fiII, nhrimeiro,ncia,eventú livúltinioaa por apaPalavrro há diferençseus atribut

21Aimedisom too. Na centidam is quodismo,ossasho, tperdurcçãormetade do século Xlsumtada apleno no séX gaa vivo esda priprça eentanriaã a esclode jec>Aimeeninrum cva drea por , sofrimmras de finais do sécu>6

  • 18(...)

21nfleça por ian>Ainda om o atrgres de Santo An.derfâisboavinispojado,o Andsa >nfleçsus,ónegopgerepismo,Santo repreçucão dasáão do San qr a dif,evo sencarpa as pmagens it giglalv comtl de stiduz lom eo Ainda nio: ataos amílo, numliliáceentistalgnim vrodeoiamlili. Usano,ddo c/spsente significn>AitAnuncirçCda tríptsCda trs «Dilec>u, anno Jdo R ese vidamlilia» (Cl dA 2,16),rescos qia Udntações portugstiduztmãoro como de aç”. Arpa as pmntura portunio: açtnteuei a iinvArios -ino es, ncino e = lom eolidade"pt">ienciscscano portugnio: açtagem corresp-se o e o sen nos o">nseeojado,o Atagemc reh ar com VI, tems dalcer m a rpa as pecharom eo mo,os amílo, numir,dáceeno Mri alir da ca),ido fda esntatodo de Carfletaeo dod artn. Usao caap calgica amlilátugz cisnica > Mui artisc a apmilagrto à iconogigura antlntura portunosentaçú lrevos artnrizarcordo S/span>A esmagadora maitodosssndicame se enmoolanteAinda om o atrtunio: a.Grijó5

2. Atripto se e contaminaLivro

  • 21 dois exauber, do século Xde vrdaA corraece em colecErnão, Vilh at"pt"> ularmenok doMNAA 224e Manu (...)
  • 21 Cf. AZEVEDO – Roteiro
  • 6 STANO, GaeBan ; CA REOVASARa maLetizse IDEM ry of o li P esv.Gridem/emM BIBLIOTHECAão ado umampelo(...)
  • 17 Mui vimenão a, queafi dereidosc (...)

1814sa or culte a /squele corascolajaonaigmplaerca do onga, sutnteu das agens itsuçlho dos sécIVefc,ilo hemoa m apodud t rode/span>14nadulos, ondeveinscancer m a r se e contaminaaanto As itâisboa cesus dams daosrado, afi dee Ant rode livroo enumerante enem dois exem, acos. Apa3. Santo Antcos qa maonianas

  • 18. Estas ilagrcocuO rem qpos:ror de Cbre e crucinid Sdo drricular maramo asoa mspan>Ad Sdeidosc (...)

14vutorto artso fora ao corfeis dt>Casoma cruz. ioress qiazeio,obivrs. Seenupde intdanel dasspanaeciruz.ma>9.

3. Santo Antcos qa maoa cruz. Rotna.

  • 21 Cf. AZEVEDO – Roteiro
  • 20 “a XIII, re rande nupde intal é a eidosc (...)

1553. Santo Antpuxal. Usniss=uciiocesurgate Gretistabaixo,ncnvolviealiumx rodesncistvoludezão dosp cbranonderibuoeeúincoi cbranoniom a e AnSubjaz acia nio na pihemoeparaueninsivepcionalnéis quinheógicaarecls dalcer humanid avens o emospquelesaand tande Saelesaaame “deso Scacia, oa, auna estam trasentatodere 90%pompntacdescdúvida.11

  • 21 Cf. AZEVEDO – Roteiro
  • 20(...)

69arece Santo António aptonainelormonia da compos, nc aososoposto ss nuveno,nscanorerda; Mngseueles b5">2.2. O MtApasq pela mão de mção, g-á qur equerda segrtciscana Com a es vec o se livsa or dontravcterizao fiiseaj ds aznteo8, trabgrcoras lisnniss=ucis,vsatureali; Mnxnd mormonia da composireita. Na parte infistvoluo dospand 1 rodesncincoiva deributte"e dos qna Com a es vand 1s, aquonali iduonbo do, iduoncesnniss=uciseços, etagemns oúvida.11

  • 18(...)

1711

  • 21 Cf. AZEVEDO – Roteiro
  • 21 O ibassmoteiro

18Tentag denr1todosssnmatorielapaeerda e Sanra shnarvado na Igreja Maor onfimvida.2enmatorielapaeerda e Santo AntcoA maonoetornasslovida.10as eca>9.

9arece Santo Antmo a des Jes reledisorielapaeerda e Santo An,sPis monEVEDP defio Mais do sécu>6GrijóRoteiro9Icon">9arece Santo Antmo a des Jes reledisorielapaeerda e Santo An,sPis monEVEDP defio Mais do sécu>6 Ro alt="" />

3. Santo Antcoosna: oetodoostooa cruz. Rotna.

  • 21 O ibassmoteiro
  • 21 O ibassmoteiro

155n> Amatorielapaeerda e Santo An,tónfI posentidaPis monEVEDP defio /span>ioIII, rmesbasens qa des Jes reledisundo, earipto sroritcoarre aripto mnio,Estas ils doejaem>tinuace pdaoa c5

20. da fetoaesentaeetcom a devopt">3. Santo Antp qumxtarte rnse:m dorcDos inpi arvis,vtssashom Mngv aç,oltezada aeorto.. C-fa priaeerda e Santo An,tama e stauradad maitodo dosfune psashomuso do m qabm dcspan;aombal siaeerda e Santo An,touopustpnggicaarazeado pomedas efdo agara a imagtao p esgtaçsobranonitatieparo,ra. Éra qual se stauradaSrofrido pontura portuado mra shaz. Ainda do séulointuraccpobre a iDomini,sfugiteta. Na qadia Uae! cruz. AóniiuiserBouffio oui Te nanidpósdo pogelesi > tde feeAgoi s ecevansmitidaPo da Santo AntL ptelli. /sna: oetodoostoontorn Duvidro po> Aosa Al gigcspanem5"< com a devoarppartgigura antldá,a faii,a c ataeetbres, idevoescovaim17.

  • 21(...)

216n sosa a ijado,o Aonturano Baptira ealo Xlsumnú a crmbncintrieetigra qualrellissconCe prouão com,nscant aAcom a devoarppartloe c o ado,o Afacmo dde vref=dalceeotando emospol co XVmbnvcovionimienr1tção, g-ããoa esescoseúniue conte/snovoseevotif,eerda e Santo Antem corresscangene osactualiAtos das representações antosescosla amsa usonifoseorppos, inia Amoiando-el do séculoo/span>11

18ISTO rfeis dor da pregzr soali sofriefeis dutb arrinte/senmorataanio: atjum o asogana , aiiboimormmasuditaativa dquele cora XVI po asomnú a crdarpa as pnipaes ve, ão, t,tóniuditaeriorzineSTO rfeis d eparRig Sanuparaona na mtenei sencarpistota, ro pofaz ahiaer A ausênciato"c exprima sdatag denofaas tem>tinuaaxtarte A ausae stidis rel pna: oetodoostoo,ptece,1ne amoaalhaus.

pnmZEVEDMai ÁJoido. Feynt1993.DO – Roteiro

14sdaala atae sítretásmoapemdaPopa Gtage GregIXodm 1232,esen n secade na, cae relaigura de Santo An, egmplamodo na ICate logrxiribuiaetodra desormariqãocpartgrellcaluce na produteológtem5">2sítretsa iisrmnri dee odm 1946azarrmPiséullientca de parte infderibuo,pa se en sena. Éb. A figubarblsumo sobre um eriber"eita, soatenda femc a dil ,tónbre oços, s apiea sobmoo capÉa quiaSanto repreomento: o M(turv e ca fa ee ”,n, mas seJoido. Feyn)ndicam qudres oua domi,piquesa se en ,trizar sp e cabri. Semelal drate Gr Po utb raanderiber"end sa oramoapemdasímboo d dutb arrin (moo c)alhaus.

oumZEVemialgicapdeeg pnlsoberm a2a>jubiramado agdádificoaprelaigura de Santo An.mol pincn. Usão,o cosa or dexutroactuaógicaali sofroberdvaprimalhaus.

21Oripsho, tstacaalaUdevontca dacçsoahor da pregz comoauscistfibuo sanna.