Navegação – Mapa do site
O Tempo das Revistas

A luso-brasilidade e o projeto da revista Atlântida

Portuguese-Brazilianhood and the Atlântida magazine project
Lucia Maria Paschoal Guimarães
p. 51-70

Resumos

O artigo examina os primeiros números da revista Atlântida, o mais expressivo veículo de divulgação de um projeto político-cultural, intentado no início do século passado, em defesa da formação de uma comunidade luso-brasileira. Dirigida no Rio de Janeiro por Paulo Barreto, o popular João do Rio, e em Lisboa por João de Barros, a Atlântida circulou mensalmente entre 1915 e 1920. Ao lado da permanente reflexão doutrinária acerca da conveniência do estreitamento das relações entre Brasil e Portugal, o periódico ocupava-se de questões literárias, históricas e artísticas contemporâneas, o que lhe conferia um alcance político e, ao mesmo tempo, cultural.

Topo da página

Texto integral

  • 1 1 Joaquim Barradas de Carvalho. Rumo de Portugal. A Europa ou o Atlântico? (Uma perspectiva histó (...)
  • 2 Idem, p. 79.

1Em 1974, o historiador Joaquim Barradas de Carvalho (1920-1980) parecia apreensivo com o futuro político e econômico da nação lusíada, após o advento da Comunidade Econômica Européia. A pátria se encontrava perante uma encruzilhada, no seu ponto de vista. Ou marchava na direção do continente, ou tomava o caminho do oceano. A última alternativa se lhe afigurava mais promissora, a “única condição para que Portugal volte a ser ele próprio”1. Mas a opção, assegurava o historiador, “passava forçosamente pela formação de (...) uma autêntica Comunidade Luso-Brasileira, uma Comunidade Luso-Brasileira que não seja apenas sentimental e ortográfica, (...), nem aquela comunidade que não passou, ainda, de Júlio Dantas para cá, Pedro Calmon para lá...”2.

  • 3 Daqui por diante denominada apenas Atlântida.

2A proposta de Barradas de Carvalho não constituía propriamente uma novidade. Retomava os fios de um antigo projeto, que cingira intelectuais das duas nacionalidades nas primeiras décadas do século passado, voltado para o fortalecimento das relações luso-brasileiras. Seu principal veículo de divulgação foi uma revista cultural, editada em Lisboa entre 1915 e 1920, a Atlântida. Mensário Artístico, Literário e Social para Portugal e Brasil3.

  • 4 Convênio celebrado entre as Universidades Nova de Lisboa e do Estado do Rio de Janeiro, em julho (...)

3Este artigo pretende examinar as motivações que levaram à criação daquele periódico e tecer algumas reflexões sobre o seu conteúdo programático, autores e leitores. A par disso, apresenta os primeiros resultados de uma investigação, que integra empreendimento acadêmico mais amplo, envolvendo professores da Universidade Nova de Lisboa (UNL) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), devendo incorporar-se à Coleção Revistas de Idéias e Cultura, organizada pelo Seminário Livre de História das Idéias (UNL). Projeto, aliás, que à sua maneira também segue as pegadas da Atlântida, pois tem contribuído para estreitar os laços entre o Brasil e Portugal4.

  • 5 A crise fora provocada pela decisão do conde de Paraty de conceder asilo em navios de guerra port (...)
  • 6 Diversos eventos já estavam programados, quando a notícia do regicídio chegou ao Brasil, inclusiv (...)

4Desde o rompimento diplomático de 1894, fruto da acolhida por navios de guerra portugueses a oficiais da marinha brasileira, que se insurgiram contra o governo do presidente Floriano Peixoto5, os tradicionais vínculos de amizade que uniam o Itamaraty ao Paço das Necessidades andavam um tanto quanto estremecidos. É bem verdade que houve algumas tentativas para reanimá-los, a exemplo de uma visita do rei D. Carlos ao Rio de Janeiro, programada para junho de 1908, a propósito das comemorações do centenário da abertura dos portos, plano que acabou frustrado pelo assassinato do monarca, em 1 de fevereiro daquele ano6.

  • 7 Sobre o surto que propiciou a multiplicação das revistas portuguesas no início do século XX, ver (...)
  • 8 François Sirinelli, “Os intelectuais”. In: René Rémond (org.), Por uma história política. Rio de (...)

5No entanto, apesar daquele relativo “afrouxamento” no âmbito dos contatos oficiais, informalmente, as relações literárias luso-brasileiras atravessavam uma fase de grande florescimento, estimuladas pelo aparecimento de novos almanaques, jornais e magazines7, nos quais participavam intelectuais de ambas as nacionalidades. A distância física que separava os colaboradores não impedia que esses periódicos se tornassem lugares de fermentação intelectual e de relação afetiva, ao mesmo tempo viveiros e espaços de sociabilidade, tal como define François Sirinelli, ao analisar os mecanismos que movimentam as complexas engrenagens dos espaços culturais8.

  • 9 Arnaldo Saraiva, Modernismo brasileiro e modernismo português. Subsídios para o seu estudo e para (...)

6Em Portugal, nas páginas d’A Águia, editada na cidade do Porto (1910-1930), publicavam-se contribuições de Ronald de Carvalho, Coelho Neto, Vicente de Carvalho e Lima Barreto, ao lado das de Teixeira de Pascoaes, António Sérgio e Jaime Cortesão. A Atlântida (1915-1920) era dirigida a quatro mãos: em Lisboa, por João de Barros e, no Rio de Janeiro, por Paulo Barreto, o popular João do Rio. O mesmo se observa em relação à revista Orpheu (1915), de duração efêmera, mas muito expressiva, cujo primeiro número foi preparado por Fernando Pessoa e Ronald de Carvalho9.

  • 10 Idem.

7No lado de cá do Atlântico, o panorama se apresentava bem semelhante. Os principais órgãos da imprensa divulgavam com regularidade textos de autores portugueses, como Alberto d’Oliveira, Maria Amália Vaz de Carvalho, Luís da Câmara Reys, Carlos Malheiro Dias e Jaime de Séguier, que assinava, inclusive, uma coluna no Jornal do Commércio. No diário O País, destacavam-se as crônicas de Justino Montalvão, as “Cartas de Lisboa”, de José Maria Alpoim, as “Cartas de Paris”, de Xavier de Carvalho, bem como os artigos de Santo Tirso10.

  • 11 Cf. Silvio Romero, O elemento português no Brasil (Conferência). Lisboa: Tipografia da Companhia (...)
  • 12 Cf. Silvio Romero, História da Literatura Brasileira. 7.ª ed. Rio de Janeiro; José Olympio; Brasí (...)

8Entre os temas mais discutidos pelos letrados, distinguia-se o da conveniência de se estabelecer uma comunidade luso-brasileira. A questão fora levantada pela primeira vez por Silvio Romero (1851-1914), um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, na conferência “O elemento português no Brasil”, pronunciada no Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro e publicada em Lisboa em 190211. É interessante notar que o acadêmico, alguns anos antes, na sua História da Literatura Brasileira (1888)12, se mostrara um censor implacável da matriz cultural lusíada. No entanto, mudou de opinião e passaria a defendê-la vigorosamente, receoso da veracidade de certas notícias veiculadas por jornais europeus:

  • 13 Cf. Silvio Romero, O elemento português no Brasil (Conferência). Op. cit., p. 35.

(...) Berlim. Os pangermanistas estão atualmente ocupados com um projeto de organização mais sólida de um acordo entre os colonos alemães no Brasil. Tem havido em diversas cidades da Alemanha conferências cujo fim é enviar alguns pastores, padres e mestre-escolas ao sul do Brasil. Na cidade de Magdeburgo um dos oradores declarou que parte do sul do Brasil é terra alemã e que deverá mais tarde pertencer ao império germânico.13

  • 14 Idem.

9A preocupação externada por Silvio Romero não era infundada. De fato, nos estados meridionais do Brasil existia forte concentração de emigrantes teutões, na sua maioria reunidos em comunidades, onde “a língua portuguesa brilha pela ausência”, conforme denunciava Romero. Alarmado, ele argumentava que “a língua, por si só, na era presente serve para individualizar a nacionalidade, é por isso que os alemães consideram a pátria alemã todo e qualquer sítio onde é falada a língua alemã”. Antevia que por volta de oitenta ou cem anos, no mais tardar, o núcleo do “Rio Grande do Sul, ao que parece o mais populoso e compacto, tornar-se-á independente e, estendendo a mão ao de Santa Catarina, aliar-se-á com ele, formando ambos a nova nacionalidade”14.

  • 15 Idem, pp. 3-41.

10A integridade da Terra de Santa Cruz parecia estar em risco, e Silvio Romero defendia a necessidade de fortalecer os elementos que a constituíam historicamente como nação luso-brasileira, em especial o idioma. Contudo, ele ainda iria mais longe nas suas advertências, sinalizando que a ambição germânica não se limitava ao território brasileiro: “Portugal também faz parte das nações pequenas, mas também pertence ao grupo dos ameaçados, quando não diretamente nas suas plagas européias, de modo inequívoco na África”. Para enfrentar o perigo comum, o escritor sugeria que os dois países se unissem e formassem uma federação15.

  • 16 Eduardo Lourenço. O Labirinto da Saudade. 4.ª edição. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1991, p. 4 (...)

11As inquietações que afligiam Silvio Romero por certo também afetavam a intelectualidade lusa. Nos primórdios do século passado, de acordo com Eduardo Lourenço, o Brasil representava para Portugal uma espécie de espaço compensatório – uma dimensão simbólica no imaginário da grandeza da nação, tal como fora a Índia e depois viria a ser a África16. Mas a idéia de celebrar uma aliança com a antiga colônia americana só viria a ser expressa publicamente em 1909, por Coelho de Carvalho, na Academia das Ciências de Lisboa.

  • 17 Sobre o “Acordo Luso-Brasileiro”, ver João do Rio, Portugal d’agora. Lisboa. Porto. Notas de viag (...)

12Por aquela mesma ocasião, a Sociedade de Geografia decidiu lançar um concurso de monografias sobre “o modo mais eficaz de promover a união moral com a mãe pátria” dos portugueses residentes no Brasil e anunciou a intenção de organizar uma expedição ao interior do país. Logo em seguida, o presidente da Sociedade, Zófimo Consiglieri Pedroso, na sessão de 10 de agosto de 1909, apresentaria um plano que ficou conhecido por Acordo Luso-Brasileiro. Propôs a instituição de um grupo de trabalho permanente, encarregado de estudar medidas para a consecução dos seguintes objetivos: negociar tratados de arbitragem, de cooperação internacional e de comércio; ensejar a criação de entrepostos comerciais e a construção de palácios de exposição em Lisboa e no Rio de Janeiro; promover na medida do possível a unificação da legislação civil e comercial; encorajar a cooperação intelectual – científica, literária e artística –, conferindo equivalência de direitos ou de títulos aos diplomados de um país que decidissem trabalhar no outro; planejar visitas recíprocas de intelectuais, artistas, industriais e comerciantes, bem como fomentar a convocação de congressos científicos e a colaboração entre jornalistas, editores, associações culturais, pedagógicas, artísticas e beneficentes17.

13O ambicioso programa terminou por permanecer no terreno das intenções, pois seu autor faleceu pouco tempo depois de expô-lo. De mais a mais, havia poucas chances de levá-lo avante, considerando a atmosfera de instabilidade política que marcou o fim da Monarquia e o advento da República portuguesa em 1910.

  • 18 João Menezes apud Nuno Simões. Actualidade e permanência do Luso-Brasilismo (Conferências e discu (...)

14A idéia de instituir uma comunidade luso-brasileira só voltaria a ser ventilada com intensidade após a deflagração da Primeira Grande Guerra. No Parlamento português, vozes nacionalistas manifestavam suas preocupações diante do avanço do imperialismo germânico. O deputado João Menezes, por exemplo, assinalava que “Brasileiros e portugueses têm de pensar, hoje mais do que nunca, em estreitar suas relações políticas, podendo ir muito além duma aliança”18.

  • 19 Ver Jorge Luís dos Santos Alves. “Duas interpretações da nacionalidade brasileira”. Anais da XX R (...)

15O contexto da guerra também favoreceria a disseminação de culturas políticas nacionalistas no Brasil. Porém, as opiniões sobre aquelas fórmulas se dividiam. Havia quem repudiasse a idéia de uma aliança com Portugal. Herdeiros da vertente mais radical do nacionalismo, admiradores de Floriano Peixoto, a quem veneravam como modelo de civismo, responsabilizavam a colonização lusa pelo atraso cultural, econômico e social do país. Nessa corrente, entre outras figuras, sobressaíam-se o médico e pedagogo Manoel Bonfim, além dos escritores Antonio Torres, Felix Amélio, Jackson de Figueiredo e Álvaro Bomilcar, que disseminavam o antilusitanismo em publicações como O Tempo, Brazilea e Gil Blas, além de incitar a população a participar de campanhas antiportuguesas19.

  • 20 Cf. Graça Aranha apud Bettencourt Rodrigues. Uma Confederação Luso-Brasileira. Prováveis alianças (...)
  • 21 Cf. José Carlos de Seabra Pereira apud Arnaldo Saraiva, op .cit., pp. 81-82.

16Os defensores do congraçamento cultural e político com a antiga metrópole, por seu turno, percebiam no legado lusíada o fator dominante da construção da nacionalidade, baseados na afinidade lingüística, na história e na ocupação do território. A tese desfrutava da acolhida não apenas de destacados membros da colônia portuguesa no Rio de Janeiro, como também de intelectuais da envergadura de Olavo Bilac, de Afrânio Peixoto, de Paulo Barreto e de Graça Aranha, quatro atuantes membros da Academia Brasileira de Letras. Graça Aranha chegou a afirmar que “A união política entre Portugal e Brasil, conseqüência da unidade moral das duas raças, seria a grande expressão internacional da raça portuguesa”20. Já o nome de Paulo Barreto, ou melhor, o seu pseudônimo literário mais famoso, João do Rio, acabaria ligado a um dos esforços mais significativos para estimular o aprofundamento das relações entre os dois países: a criação da revista Atlântida, fruto da sua associação com o poeta, político, publicista e pedagogo português João de Barros (1881-1960), “um incansável apóstolo da aproximação luso-brasileira, como cidadão e governante, como conferencista e escritor”, nas palavras de José Carlos Seabra Pereira21.

Caricatura de João do Rio

Caricatura de João do Rio
  • 22 Gilberto Amado apud Antonio Edmilson Martins Rodrigues. João do Rio. A cidade e o poeta – O olhar (...)
  • 23 Antonio Torres apud Antonio Edmilson Martins Rodrigues. Idem, p. 49.

17João Paulo Alberto Coelho Barreto nascera no Rio de Janeiro, em 5 de agosto de 1881. Era filho de D. Florência dos Santos Barreto e do educador Alfredo Coelho Barreto, um adepto do positivismo, que batizou o menino na igreja positivista, na esperança de que viesse a abraçar a doutrina de Augusto Comte. Fez os primeiros estudos com o próprio pai e aos dezesseis anos já colaborava nos principais diários fluminenses. Notabilizou-se como o primeiro homem de imprensa a ter o senso do noticiário moderno. Criador da crônica social, um dos mais notáveis escritores da Belle Époque tropical, costumava usar diversos pseudônimos, X, Caran d’ache, Joe, Pall Mall, José Antonio José e João do Rio, o mais conhecido, conforme já se disse. Ingressou na Academia Brasileira de Letras em 1910. Envolveu-se em causas controvertidas e cumpriu uma trajetória acidentada na vida privada, pontuada por ataques dos seus desafetos. Bem-humorado, porém irônico, companheiro de aventuras da sensualíssima Isadora Duncan, apesar de reconhecido como homossexual, possuía personalidade contraditória, na opinião do amigo Gilberto Amado: “dentro dele lutavam duas correntes: a do velho Barreto, o ‘filósofo’, o professor, voltado para o recolhimento, e a de D. Florência, coberta de plumas e tilintante de balangandãs sempre a pular dentro dele”22. Realizou diversas viagens à Europa e consta que guardava grande frustração, porque não conseguira ser nomeado embaixador em Portugal, cargo a que aspirava ardentemente. Faleceu no Rio de Janeiro a 23 de junho de 1921. Seus funerais no cemitério de São João Batista, no bairro de Botafogo, mobilizaram a cidade. O cortejo foi seguido por cerca de cem mil pessoas, na maioria membros da numerosa colônia lusa. Segundo o cronista Antonio Torres, “os motoristas portugueses deram até automóvel de graça a quem quisesse acompanhar o cadáver”23.

Paulo Barreto com o fardão da Academia

Paulo Barreto com o fardão da Academia
  • 24 A obra Portugal d’Agora é dedicada a João de Barros e a Manoel de Sousa Pinto. Ver João do Rio. P (...)
  • 25 Cf. Academia Brasileira de Letras. Acadêmicos. Biografia de Paulo Barreto (João do Rio). http://w (...)

18Sob o pseudônimo de João do Rio, Paulo Barreto deixou vasta obra, compreendendo diversos gêneros do jornalismo, da literatura e da dramaturgia. Algumas dessas contribuições foram reunidas em livros, a exemplo de Vida Vertiginosa, Portugal d’Agora24, No Tempo de Wenceslau..., Fados e Canções de Portugal, As Religiões do Rio, Momento Literário e A Alma Encantadora das Ruas, título que lhe serviu de proficiência intelectual para a admissão no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, em 1907. Curiosamente, na biografia do polêmico literato divulgada pela Academia Brasileira de Letras, não há nenhum registro a respeito da sua militância na defesa do luso-brasileirismo, nem tampouco da revista que dirigiu a quatro mãos com João de Barros25.

19O entrosamento entre os dois Joões, ao que parece, originou-se de uma leitura casual. João de Barros relata que publicara um ensaio, no periódico francês La Revue, a respeito das tendências contemporâneas das letras portuguesas. Pouco depois, para sua surpresa, ao abrir a Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro, deparou-se com uma nota sobre o tal ensaio, redigida por alguém que se assinava apenas Joe. A referência servia de mote para lavrar um protesto contra o fato de que as notícias da literatura lusíada só chegavam ao Brasil através da França. Empenhou-se, então, para desvendar a identidade do misterioso autor e concluiu que Joe era um dos pseudônimos de Paulo Barreto, ou de João do Rio, como se queira.

  • 26 Cf. João do Rio. “O aparecimento de um grande mensário artístico-literário-social para Portugal e (...)

20Os futuros parceiros se avistariam pela primeira vez em 1908, durante uma das visitas do escritor carioca a Portugal. O encontro ocorreu na cidade do Porto, promovido pelos irmãos Lello, e marcou o início de uma sólida amizade. João do Rio relembraria o episódio, salientando que durante a conversa descobriram fortes afinidades, a começar pelas idéias políticas, pois ambos eram partidários do regime republicano. Além disso, preocupavam-se com o futuro incerto das relações luso-brasileiras, uma vez que, “se o Brasil se interessava menos por Portugal do que pela França, Portugal não se interessava, ou antes, ignorava tudo do Brasil”26. A solução do problema, por certo, demandava ações oficiais mútuas, contudo eles poderiam somar esforços e, quem sabe, criar uma revista literária para estimular a luso-brasilidade.

21O plano ganhou fôlego com a vinda de João de Barros ao Brasil, em 1912. Ele aderiu ao movimento que o seu homônimo já vinha realizando, na imprensa e na Academia Brasileira de Letras. Decidiu apoiá-lo, escrevendo artigos e pronunciando conferências:

  • 27 Cf. João de Barros. Caminho da Atlântida. Uma campanha luso-brasileira. Lisboa: Livraria Profission (...)

É preciso trabalhar muito para que se extinga o desconhecimento que separa as duas nações. O mais urgente, porém, creio que será estabelecer e desenvolver uma sólida aproximação das duas mentalidades, das duas literaturas, das duas artes. Criado esse veículo essencial, mais de metade do trabalho estará feito. E bom seria que – reservadas as diferenças essenciais impostas pelo meio, uma mesma alma palpitasse na vida mental dos dois países. Na verdade, é necessário erguer, sobre o vasto Atlântico, um continente moral que nos ligue de vez.27

  • 28 Cf. João de Barros. A aproximação luso-brasileira e a paz. Paris; Lisboa: Livrarias Aillaud e Ber (...)
  • 29 João do Rio, “O aparecimento de um grande mensário artístico-literário-social para Portugal e Bra (...)
  • 30 A Águia, dezembro de 1915, pp. 252-253. Ver, também, o agradecimento dos diretores da Atlântida. (...)

22A dupla postulava o fortalecimento dos vínculos entre Brasil e Portugal, fundamentada não apenas nas “simpatias espirituais das tradições do passado, mas também pela conveniência do futuro”28. A este argumento de João de Barros cabe complementar com um outro de João do Rio, isto é, de que “A guerra veio definitivamente forçar a publicação”29. Com efeito, o batismo literário da Atlântida. Mensário Artístico, Literário e Social para Portugal e Brasil teve lugar em Lisboa, a 15 de novembro de 1915, data que pretendia homenagear a passagem do vigésimo sexto aniversário da proclamação da República no Brasil. O novo periódico foi recebido com entusiasmo por outros congêneres, a exemplo d’A Águia, que manifestou “fé ardente nos seus altos destinos”30.

  • 31 Inicialmente, por sugestão de Manoel de Oliveira Pinto, a publicação deveria chamar-se Atlântico, (...)

23A denominação Atlântida fora escolhida por João do Rio. Ele se inspirou na lenda do continente perdido, para designar de forma semântica um projeto que buscava (re)estabelecer a ligação entre as duas partes do mundo que as águas do oceano haviam separado31. O subtítulo, Mensário Artístico, Literário e Social para Portugal e Brasil, além de indicativo da periodicidade, resumia o seu teor programático e destacava-lhe o caráter binacional.

Folha de rosto da Atlântida

Folha de rosto da Atlântida
  • 32 Acreditamos, tal como evidencia Jean-François Sirinelli, que o manifesto de lançamento da Atlânti (...)

24Na folha seguinte em posição de destaque, exibia-se a informação de que a revista recebia o “alto patrocínio de S. Ex.as os ministros das Relações Exteriores do Brasil e dos Estrangeiros e do Fomento de Portugal”, acompanhada dos votos de congratulações, formulados por aquelas autoridades, respectivamente, os doutores Lauro Muller, Augusto Soares e Manuel Monteiro. Este último qualificava o empreendimento de “um esteio seguro da indispensável aproximação intelectual e econômica entre as duas Pátrias irmãs”. As três mensagens, por sinal, levam a conjeturar se os cumprimentos não passavam de mera retórica ou se constituíam vestígios de um possível envolvimento dos governos no projeto editorial. De qualquer modo, sob a forma de “manifesto”32, os diretores da Atlântida procuravam justificar o empreendimento e explicitar a sua linha programática:

  • 33 Cf. Atlântida. Lisboa, n.º 1, novembro de 1915.

Há muito tempo que a publicação d’uma revista literária que defendesse os interesses comuns do Brasil e de Portugal se impunha e se tornava indispensável. (...) As características especialíssimas criadas pela Guerra européia determinaram um irresistível movimento de solidariedade entre aqueles países e aqueles povos que vivem d’um mesmo ideal, que se alimentam da mesma tradição ou que descendem do mesmo tronco originário. (...) Acontece, porém, que não se conhecem. (...) É precisamente para que Portugal conheça o Brasil e que o Brasil mais se aproxime de Portugal e melhor se conheça, que se vai publicar a Atlântida. (...) É uma obra patriótica esta nossa. E ensinando as duas democracias que o Oo>lo>, Ahião i">. Lisboela Ga nossa. E ensinando as duas democr m>Orm,oadávvernos no projeto editorial. De qualquer modo, sob a forentosoriginto ediiv>vulgad" inspirbstrong>n> grifoecess E o.]n>

  • 28 Cf. João de Barros. A aproximação luso-brasileira e a paz. Paris; Lisboa: Livrarias Aillaud e Ber (3..)
  • 25 Cf. AOtt. Elchard Te/imn24A aprLe Rêvmentha cod!o Mas esde mensAtha cgneboa meoeuvrante era ng><>(3..)

18O conte apresto”loamento da Jo recosinando as>JoeOrm,oadão de Barros relatoçascpirod de ucolôniimapara a federrência “O nciada no GabinA>. euefeil; encorto, promo12. El9ndo não fezontine da rojeto aquelasendia hsExter”. afinisob a forl, ao to ediiv>vulgad" inspirbstronef="#ftn24">23..)34 Realizogues, entãotidárias pbreentia foa de direiojeto termidgrantes d’umiamenonara o recerrêsse tarasil e de aindores nsinalnsor as rSrboaros de Djeto editolos ina DunAOtt. Elchard Te/imn2423..)3.

  • 16 Eduardnndo aomo o pripmanistas eprimeento que o seuentagoçõeo políor aquv um poua alemã”. a fedimoref="#ftn28">(3..)

20Os deRecido como homospatrióãogca:23..)36 os dirfs, a A poTe/imn24

21JoãoOtt. Te/imn24loaal. ca beiro, em 19inidlde Joade do Portoe Janeiro, deparautomano haviaPacos e a palavraçãs da Aletuguêferho, nJaneiio Tfogastcan>

ss="texte">21Sob oOeto editolg="techa confel, ao tprocuzando, á coi1910. nasqudaazmanda artig em riuiu quí nsinal de oiten1950go alc o fortaeor , que. JosrParlal e de atomtas r de bafLispbreaimzanidludo po a lor-se Rio GmvpdA poTe/imn24

ss="texte">21O entMara sua s depecilucuar a de PortuTe/imn24

lass="textandnotes">
  • 16 SobreHenri Oo>L:(3..)
pan class="num">16 Cf. JSimões. op .cit. pan class="num">16 João do RiosAtmeMensida Veso Rio. cs: a . Paris;uêf:efei lusitugal e uao ab El8> pan class="num">16 Cf. GA o no Inchefiela Acaerna-tros dasaAtaxtesasil egainfundadadear João dsdicadalho, na AcMros la igref="#ftn28">(4..)

22Os fuNmeen, e a dse co’uaáte not e Srnsr aquelase copatrlomados a:Ahião i">Ahião i">L:23..)37 os diricamenem Porr e congislattricuha igrel.As Relugal e uao ,oadávmais longe nas :smo la infinalnsg="tederação Luso-brasileira. LisboPrque pa progs não eion">ége a cnântico, um coés da Fraembroa Joção enotabil hBrasf de Sn afi, das e atmosssola alemo futuetngepor aU em c,uem n do B,ugal conheçm lal e de aças A guetas r coi1uaá que anom o poese uou deioso progintelealismo germâ vei4deparmao Oambert fuo cbios e graçpaz-Portuto ts, no p desca class="footnotecall" id="bodyftn26" h3ef="#ftn28">23efs3an> subto do ams 23efs3an> este e campcontrestavam ss, formuse conheiam idefia ligaão no Inenviela Acaernos no etras e no a de Janeiro, em 5 de El8ublicdia x al ez,avuerrentode 10 deentlac opa veio a o fato Imp de Sã”. nae altos dnem lass="footnotecall" id="bodyftn25" h4ef="#ftn30">34..)4.

FolhaMvpdA poTe/imn24

>16 Acredso, n Bordid=oo, a de av(1890-?)infun aquda A-nditoloscido como htura de e pedagose ar Rafanfim,href="#ftn28">(4..)

24O plansalho estaintelitdo Luso-entelealo interm>Atlântida procuseuzando, ustidade do Porras e noass="footnotecall" id="bodyftn25" h4ef="#ftn31">34..)41 os di formansabilizavamdo Portorial. dso, n Bordid=oo, a de aass="footnotecall" id="bodyftn25" h4ef="#ftn32">34..)4. Realirimcro e t regimdico foi rconseguiroa lia foa de direioje Srptorial. De anente, encarampoativo da Repúo nt do Porralo, ase Man seurirc o fora copúti, de ressçãoe dS Jexibiatugal, cargoanava apde Joer"nheum sua 2$80,r expmeion"l 1$50goo,o ntes rcoa co avulograodi a Áfrdqsere nsinal$25 o nomnlal e de av homeme dS Java apde Jsoer"ncomerxpmeion"rtistincipe aotuten12$50-entel7$00pectivamente, os doo nt ças,zoa al como ario escrio recerépocasiderando a atmoseriaddre Reico Brasiolicação d’an>

21A duplantidauía persorial. o de que a rdes, daqualqçãos tsóqudsinialo iaotidpvimeas dovs dntõextam partiiation"om o prvolveh coa fotias sobr,os congenton"om o právprlchaisitasa dttes. Ccas espeste nsáão de desntreso de laço dassar dmunide plorde coopemo, ema doçãor paísturaunão d fornãoo pri rcoa co dtria (jpsraodi avauma rbastcotcorteiro homemquotadecim ao ribuições foramária que tistas,g c,ue, redenefiiias sobr,oomo fomenreto dua de Portutautordagose areoso, Jomais so o croeemo fuã Joinal mensases foram ixditoae crirdentrRa litercroMensos pientuiroiverslidandesfruincipais diárde qturais, ped-ítico com sreu naem coriódiíodo;entrL, a eos piento ao impos”e esàlgada pe do problamento da nçe da rojeteos pientso da

lass="textandnotes">
  • 16 Cf. ,uravam jiverficar o emp ncia de direiref="#ftn28">(43.)

24A denSeheci beúdquda, ilaçonos ajorioirepacomo urnando as itras portuientpoesna ocncin ortsstas,g c,ue, redenefiiias sobr,oe a pull pes">rrcoa com de incitmporânlmro smteratg"om oentrao, poo e darelações luso-brasileiras, uma vmava usartígre re aquelassunão rais, ped-vaumadmaissborava no de Flpassaviam no leremis no Luso-e, e ficouo dassoentinhanalidade, baseaguraoalquerevora dtes. vãom ssamvam a dos Santogueses têmém, as opituiroto Luso-passavodgro ro omom inteol, levestaque, aoos de egimdico foi sar de recon linharaos pelrconseguiom um ounas vino a nmendispeas democr brasileira”. o se que dissesistafôlorteirenando as istemporras daoscadalh. o10. a qss="dMen,gda aa Áfriçõí nsaig em estuda veio,“A va indisomo de metifsn>

Pauloa europJuna.

  • 16 Cf. Joãohtuta ão de Barros cabe,apud AntonCecílobaDitsidgrlho, na Henri OoliterConmda lusa as RePava ma Lisb
  • 24O conalquer modo, o, emaresiecs pgermrind que ispeases, toaada no Gaoão do Rioros e a Mdehida ndo,figue Josétode ve vivads teutndo que as pordose o Brtíia opul ssamiacomp consja,oe ar a égeao alc o ensBa (re)eés ir perinifias esz teuto recerr conm ista literturêsse taprotesca no o-ls da notávsa coltass="footnotecall" id="bodyftn25" h4ef="#ftn25">24efs45n> este tradipro e dar vidotarini trcl Santoas Lauroltuars,g c,ue, redenefiiias sobrortele seurindimentoastusdo>tico com srvergadura de Olaitivismo, qtarTsa filoil egainisterios dasal Monteiro. Estarautommados atao OH, JaciLobtarVirm, iebcaernrto Coelhs’ira Pint, vam dn nsinalfigue Jocido comapassadoa tumuniais, pl-brasileira

PauloQicdrp 1, nov proc: C"texr o e Luso-eno nt o e Luso-is ef seOlrcaçõeetuibra><(bro de 1/

PauloAssunãn>

td
  • PauloNov/

    td
  • O conalz/

    td
  • João an/

    td
  • Folha ev/

    td
  • FolhaTotaln>

    td
  • tr PauloAssetdi, p> td
  • Paulo- td
  • Paulo- td
  • Paulo- td
  • Paulo01 td
  • Paulo01 td
  • tr PauloBauto-Ado m td
  • Paulo01 td
  • Paulo01 td
  • Paulo01 td
  • Paulo- td
  • Paulo03 td
  • tr Pauloafia de Pm td
  • Paulo02 td
  • Paulo01 td
  • Paulo- td
  • Paulo- td
  • Paulo03 td tr PauloDados aos S td
  • Paulo- td
  • Paulo- td
  • Paulo- td
  • Paulo01 td
  • Paulo01 td tr PauloDai4duo td
  • Paulo- td
  • Paulo- td
  • Paulo- td
  • Paulo01 td
  • Paulo01 td tr PauloEdu e Luso td
  • td
  • td
  • Paulo02 td
  • Paulo01 td
  • Paulo03 td tr PauloHria e na td
  • Paulo01 td
  • Paulo01 td
  • Paulo01 td
  • Paulo- td
  • Paulo03 td tr PauloL portu(poesna)n>

    td Paulo04n>

    td Paulo02 td
  • Paulo04n>

    td Paulo03 td Paulo13 td tr PauloL portu(pcin )n>

    td Paulo02 td
  • Paulo02 td
  • Paulo03 td Paulo03 td Paulo10 td tr PauloPicas, po td Paulo- td
  • Paulo- td
  • Paulo- td
  • Paulo01 td
  • Paulo01 td tr PauloRões luso-Bras-leira de Lm td
  • Paulo03 td Paulo01 td
  • Paulo02 td
  • Paulo- td
  • Paulo06 td tr PauloTotaln> td
  • Paulo13 td Paulo08 td Paulo13 td Paulo11 td
  • Paulo45 td tr <> table <>ss="citatiamos,tration">Folh styletnotnt-weight:nãol;ha do a: Qicdrp eava no dum ouba vidosstas,g crcaçõeetsrinidlântida proca 1,ben> 1, 2, 3 e 4,çõe: nespectivaente, os dotincmtêm aembro de 1uten1915, voz de 1uten1915, jo a 23 ten1916oa fva

  • ss="texte">24 cml:lang="pt" lang="pt">PauloAs="par o e Luso-inalassunãron lctivamenteno nt o e Luso-iempoírom ssamp nrro Peos San cco d itras portuientpoesna ocncin ,uda, ilaçodJoemide metni tto Portotonelds ef seOlrcaçõeet. Emro daMen,g poeseciias consomo dedossexlo inte,funmenton ltpoo e darel-brasileira

    ss="texte">24O conainifscriextam A vn">om elações luso- os doleira eugal, cargoivae Jomeentomrotestappadum oga rojet,gda isosàava ndaà EuA volver ume reSuso-lho estainpri o- ofo Ooliextrapolparblpordilidadestagu de um isafie luso-bingücas esp>o10a no nenhuincilesicitar it sólidefie Luso-clac iturA vodg na vir a Áfóli“idade luso-brasi ileira, comAs tn>

    lass="textandnotes"> >http://jourinls.ipenmos,nst.org/iais, p/docnnnexe/imp e/381/img-1.jpg/li> td tr

    > tr

    ="..) tr

    >Paaio lar e um poeo ftaeuso-ilinlodemia pstm ng> td tr

    Oen"lang="pt" len">URL/libbr th >http://jourinls.ipenmos,nst.org/iais, p/docnnnexe/imp e/381/img-2.jpg/li> td tr

    > tr

    ="..) tr

    >rdãeorealar a pstm ng> td tr

    Oen"lang="pt" len">URL/libbr th >http://jourinls.ipenmos,nst.org/iais, p/docnnnexe/imp e/381/img-3.jpg/li> td tr

    > tr

    ="..) tr

    >Folhaorearvit pstm ng> td tr

    Oen"lang="pt" len">URL/libbr th >http://jourinls.ipenmos,nst.org/iais, p/docnnnexe/imp e/381/img-4.jpg/li> td tr

    > tr

    ="5.) tr

    >Mapecde Tannenberg pstm ng> td tr

    > tr

    Oen"lang="pt" len">URL/libbr th >http://jourinls.ipenmos,nst.org/iais, p/docnnnexe/imp e/381/img-5.jpg/li> td tr

    > tr

    ="5.) tr

    >G turopJunq tita, Olavo lilac, td tr

    > tr

    Oen"lang="pt" len">URL/libbr th >http://jourinls.ipenmos,nst.org/iais, p/docnnnexe/imp e/381/img-6.jpg/li> td tr

    > tr

    rMa to tas,g n>

    h2o h3>Redo as con eoricu de umealo i n>h3> se Lue diMa naoPaochoal class="paranfamilyNaor">Guimorãosn>

    stm ng>, «  xml:lang="pt" lang="pt">O cone-brasileirasibrasie procn>

     »>odlâCais, p proca Vol. 26 | 2009, 51-70. p h3>Redo as con eletrónnc> ph3> se Lue diMa naoPaochoal class="paranfamilyNaor">Guimorãosn>

    stm ng>, «  xml:lang="pt" lang="pt">O cone-brasileirasibrasie procn>

     »>odlâCais, p proc [Online]a Vol. 26 | 2009, ivit< onlineoridnao16 Set de 1u2013, pnsaisrisra 15oDoz de 1u2017. URL : http://jourinls.ipenmos,nst.org/iais, p/381 ; DOI : 10.4000/iais, p.381 p ass="footngo-top.="#ftn28mbticle-381loTopoomnioági1a/li>

    h2o h3>Lue diMa naoPaochoal class="paranfamilyNaor">Guimorãosn>

    i> h3> ss="parandtor cpenstroU p des brasi esEem eoride Janeiro aem
    Ds cisemiHriaó naoSocia oale U p des brasi peSãoiPaaio,uravfs, nra tita lu-tenHriaoriias sobaao Deumbt da h2o s>© CromrrevfHria e na-mn Cais, p p ass="footngo-top.="#ftn28mbticle-381loTopoomnioági1a/li> a class="textanavEntities-lottoman ssta ="Sum que/li> class="paranseumbnanrg> - ssta ="urev s="sidengoPrev s"#ftn2370" title="Pgnsd da class="paranseumbnanrg> - sstaltan> Naveg Luso h1> 16<24 br /> class="paran"itleonDiderotgetele mcoalen>

    i> class="num">16<24 br /> class="paran"itleonI

    i> 16<24 br /> class="paran"itleonO surge da

    i> 16<24 br /> class="paran"itleonArRetomamnina FilososobaasiE nc Wede p

    i> class="num">16<24 br /> class="paran"itleonArj it nto dadnntiguido Pn>

    i> class="num">16<24 br /> class="paran"itleonPercuesa da FilososobaaooConhnto da i> class="num">16<24 br /> class="paran"itleonDrtubeitu. s eueis di uoes-- i> 16<24 br /> class="paran"itleonI i> class="num">16<24 br /> class="paran"itleonO Tpo d iterRe lites p

    i> class="num">16<24 br /> class="paran"itleonVa na p

    i> 16<24 br /> class="paran"itleonCais, pspeas democr itereciouro i> class="num">16<24 br /> class="paran"itleonIdeia(s)cde Tpo d(s)n>

    i> class="num">16<24 br /> class="paran"itleonIdeias-inco comps p

    i> ch2sodyfallIssup f="#ftn270loToeis Ltnúmerot i> h2 classang="pt" lang="pt">O conEssepammnita lite p

    i> classang="pt" lang="pt">O conRe i> ch2>Redo ees/lh2o cul> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 34 n>

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 33n>

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 32n>

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 31n>

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 30 p

    i> classang="pt" lfrg="pt">OfrgnRedo eesnúmero 29 p

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 28 p

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 27 p

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 26 p

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 25 p

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 24n>

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 23n>

    i> classang="pt" lang="pt">O conRedo eesnúmero 22 n>

    i> ch2>Infãos luson>h2o cul> classang="pt" lang="pt">O conCentact n>

    i> classang="pt" lang="pt">O conCréia cs

    i> Sigam-noon>h2o cul> Aemocribrass i> h2o cul> c classodyflogosg> Fila s luso/pa isem s h2o < cpan f="#ftn2http://www.ih m.fcsh.unl.pt/" title="CHAM-- cpan f="#ftn2http://jourinls.ipenmos,nst.org/" title="Portaie tenta up en Sciencesrólinosgetesocia os.) c classodyffoot4Mapecd iten>i>  – ef="#ftn2http://jourinls.ipenmos,nst.org/iais, p/?pagp=backend">Feed RSS i> ps Subscta emos OpenEos,nst Jourinlsn>i> – ef="#ftn2http://www.lodel.org/">Eos,adum poeLodeln>i> – ef="#ftn2http://jourinls.ipenmos,nst.org/iais, p/lodel/">erCssolctiervado pi> ps c a a pt&nec ndurl=1", sucrCss: fuectida(lcts, nmoDataCitedby ) { if(cts, nmoDataCitedby){ jQuery( '#quotatida' ).aft4<(lcts, nmoDataCitedby ); jQuery( '#shortcuts a["#ftn28quotatida ]' ).aft4<(l' |uef="#ftn2#citedbyonCs,adumpor/li>' ); jQuery( '#citedby li' ).css( "mtagin","1ms0"b); } } }); }); //]]) '+data.naor+'/li>'); $.ajax({ type: "GET", url: "381?fãod=pdfepub&nec ndurl=1", sucrCss: fuectida(msg){ $('#dlLinks').app4nd(msg); } }); }, error: fuectida(data){ //$('#authdata').html('s t ,fdf="#ftn2https://auth.ipenmos,nst.org">sign in/li>'); $.ajax({ type: "GET", url: "381?fãod=pdfepub&nec ndurl=1", sucrCss: fuectida(msg){ $('#dlLinks').app4nd(msg); } }); } }); $('#platafãso-bi').ra P('touch td', fuectida(e) {}); $('input[naor=q]').ficus(fuectida() { if ( $(this).attr('valua') == 'Pissse r' ) { $(this).attr('valua', ''); } }); }); jQuery(ricu de ).ready(fuectida($) { $(fuectida() { if (ricu de .cookie.indexOf("__cookiealet=1") == -1) { $(" clas>").html(" class="para\"cookieext\">Esmo simo utilize cookiet.inosbaveg rorisimo cioesá aoSaiba lpes i>

    class="para\"closecookiealet\">

    ").attr("id., "cookiealet").app4ndTo("tn25"); $("a,.closecookiealet").click(fuectida() { varsexpDate = new Date(); expDate.setTo d(expDate.getTo d() + (365 * 24i* 3600i* 1000)); ricu de .cookie = "__cookiealet=1;expires=" + expDate.toGMTScoi1g() + ";dolin=.ipenmos,nst.org;path=/"; $("#cookiealet").remove(); }); } }); }); -->a or cpe> clas> class="textafirscon cf="#ftn2http://www.ipenmos,nst.org">OpenEos,nst i> culs="paransubmenuidav-toggle-show"> c c

    OpenEos,nst Books

    cul> cpan f="#ftn2http://books.ipenmos,nst.org"> class="paran"itleonOpenEos,nst Books

    OpenEos,nst Books i> cpan f="#ftn2http://books.ipenmos,nst.org/catalos t">atv as i> cpan f="#ftn2http://books.ipenmos,nst.org/iaçshsr mos,coes/li> cpan f="#ftn2http://books.ipenmos,nst.org">Sabur-mpes i> c/ul> c c

    OpenEos,nst Jourinlsn>

    cul> cpan f="#ftn2http://jourinls.ipenmos,nst.org"> class="paran"itleonOpenEos,nst Jourinlsn>

    Re lites em piêde dsesociaed-íhól1as/li> cpan f="#ftn2http://www.ipenmos,nst.org/catalos t-jourinls">Asita lites/li> cpan f="#ftn2http://jourinls.ipenmos,nst.org/6438"sSabur-mpes i> c/ul> c c

    Calenta

    cul> cpan f="#ftn2http://calenta.org"> class="paran"itleonCalenta

    Anún/ees científicos/li> cpan f="#ftn2http://calenta.org/search">erCd eldes anún/ees/li> cpan f="#ftn2http://calenta.org/about"sSabur-mpes i> c/ul> c c

    Hypoth sesn>

    cul> cpan f="#ftn2http://hypoth ses.org"> class="paran"itleonHypoth sesn>

    Cadg nno-asiinve tlge&crCdil;ão/li> cpan f="#ftn2http://www.ipenmos,nst.org/catalos t-"> booksonCatálogo-asiblogs/li> c/ul> c/ul> class="textalascidav-toggle-show"> culs="paransubmenu"> c c

    Notícinecioaletasn>

    cul> cpan f="#ftn2http://newslettsr.ipenmos,nst.org"o class="paran"itleonNewslettsr

    Ass(jprlnewslettsrsae OpenEos,nst Jourinlsn>i> cpan f="#ftn2http://search.ipenmos,nst.org/indexalet.php?a=dtor cpenstro class="paran"itleonAletas & ass(jptu. s

    ArCd eldeeservi&crCdil;o/li> c/ul> c cf="#ftn2http://www.ipenmos,nst.org/14043"sOpenEos,nst Freemium i> c/ul> class="textaalign-right"> cfã actida="//search.ipenmos,nst.org/"-method="get"> cfieldset c cinput naor="q" type="ext" / class="textasearch-choice"> cinput type="radio"bodyfth jourinlradio"bnaor="ul" valuan2http://jourinls.ipenmos,nst.org/iais, p/"echeckedyfchecked" / c ebs Sfyfth jourinlradio">nnita lite p ebs br/ br/ cinput type="radio"bodyfipenmos,nstradio"bnaor="ul" valuan2" /> c ebs Sfyfipenmos,nstradio">nooOpenEos,nst ebs c c

    Pissse r

    buttst c c c c c class="texta class="paran"itle-share"> < s="paransubmenu"> c s="paranbg-"avg> infão&crCdil;õoln>

    s/p> < c cl clt>Títaio:c t cldCais, p pld cldRa liteemrchria e nacioteo na-mnsaideias pld clt>Bta emromo:c t cld cp>Paçõeçãaipeasrciscapner fazendsic nvergieldsaoirspeda litahriaó na,itafilososob,oridpgnsd da Eos,co(es):c t cldCromrrevfHria e na-mn Cais, p pld clt>Me Janeidifusão:c t cldPapi elet é demroni Oo pld clt>EISSN:c t cld2183-2021ISSN:c t cld0870-4546erCsso:c t cldOpen acrCssCpnsaisreldifichaoricatálogo-OpenEos,nst i> c/ul> c s="paranbg-"av lascon c

    Refiaêde dseDOI s/p> c c cf=="paranifraor s"#ftn2381?fãod=cit dastroCit>rMa tnitafiaêde d i> c/ul> c/ c!-- /DOI / Référencesr--> c s="paranbg-"av lasco odyfdlLinks"> c/ul> < s="paranshare"> c s="parani pns i pn-twitt4+xml%3A"pt"%3D%22pt%22+"pt"%3D%22pt%22%3EA+brasileirasibras+e+o+gavje u+da+ta lite+%3Cem%3EAtl%C3%A2%3C%2Fem%3E%3C%2F...&url=&via=OpenEos,nstAemoos="sidentwitt4< buttst-wrap c

    Twitt4

    i> c s="parani pns i pn-fac book/scf="#ftn2https://www.fac book.com/sharer.php?u=%3Cs/p>+xml%3A"pt"%3D%22pt%22+"pt"%3D%22pt%22%3EA+brasileirasibras+e+o+gavje u+da+ta lite+%3Cem%3EAtl%C3%A2%3C%2Fem%3E%3C%2F...&title="s="paranfac book buttst-wrap c

    Fac bookn>

    i> c s="parani pns i pn-google-pbra/scf="#ftn2https://pbra.google.com/share?url=%3Cs/p>+xml%3A"pt"%3D%22pt%22+"pt"%3D%22pt%22%3EA+brasileirasibras+e+o+gavje u+da+ta lite+%3Cem%3EAtl%C3%A2%3C%2Fem%3E%3C%2F...&title="s="parangoogle buttst-wrap c

    Google +n>

    i> c/ul> c class="paranalign-right"> classodyfauthdata">c c c cbuttst ="parani pns i pn-"avg> buttst c!--[if lte IE 9] c nkstaltastylesheesos"#ftn2https://static-oal (a.ipenmos,nst.org/ipenbar e/css/ie_ipenbar e.css" c![endif]-->a