Navegação – Mapa do site
Interpretações

Os Estados Unidos da América nas Memórias do Conde do Lavradio

The United States in Count Lavradio’s Memories
Júlio Joaquim da Costa Rodrigues da Silva
p. 11-30

Resumos

O presente artigo analisa a visão dos Estados Unidos da América por D. Francisco d’Assis Almeida Portugal (1796-1870), ao longo do século XIX. Diplomata, ministro e parlamentar da monarquia constitucional portuguesa, foi um arguto observador da evolução da política externa da república americana no relativo à América Central, África Ocidental e Europa. D. Francisco d’Assis Almeida Portugal dedicou especial atenção à escravatura, ao federalismo e à guerra civil americana (1861-1865). Nas suas reflexões não acredita na viabilidade dos EUA, considerando-o um estado falhado.

Topo da página

Entradas no índice

Topo da página

Texto integral

1O ano de 2008 caracteriza-se, na cena internacional, por diversos acontecimentos que modificam gradualmente a imagem do mundo em que vivemos. A ascensão de novas potências como a União Indiana e a República Popular da China, a aceleração do processo de unificação europeia, as recorrentes dificuldades no Médio Oriente, o terrorismo fundamentalista e a ameaça de uma crise financeira são elementos fulcrais da presente paisagem política. O horizonte político global não pode ser plenamente apreendido sem considerarmos a evolução da única superpotência existente: os EUA! Ora, 2008 é assinalado com especial relevância pelas eleições presidenciais americanas. Está em jogo a definição das orientações da política externa do país que tem um peso fundamental no equilíbrio universal. O facto de as escolhas internas dos candidatos dos EUA mobilizarem o interesse dos meios de comunicação e da opinião pública demonstra até que ponto os Estados Unidos da América estão no centro das nossas representações culturais e políticas.

O regresso ao reino

2A influência destes modelos na visão europeia do mundo é antiga, podendo ser detectada, desde a sua fundação, em inúmeros observadores, entre os quais se inclui D. Francisco d’Assis de Almeida Portugal (1796-1870), 2.º conde do Lavradio. As Memórias, de sua autoria, são um testemunho dos mais interessantes da história do século XIX. Foi uma das personalidades mais importantes da implantação do liberalismo em Portugal, tendo desempenhado um papel primacial como ministro, parlamentar e diplomata. Nasceu em Lisboa em 1796 numa das famílias de maior prestígio da aristocracia, tendo acompanhado os pais quando a Corte partiu para o Brasil em 1807, durante a primeira invasão francesa de Junot. Residiu no Rio de Janeiro de 1808 até 1818, regressando então a Lisboa para iniciar a sua carreira diplomática no cargo de conselheiro de embaixada em Madrid. A descrição da partida do Brasil e da chegada a Lisboa, nesse mesmo ano, dá-nos uma ideia da sua dupla pertença ao Brasil e a Portugal e define bem a sua identidade luso-brasileira:

“Foi por Decreto de 2 de Janeiro de 1818 que fui nomeado Conselheiro de Embaixada na Côrte de Madrid, sendo em 6 de Fevereiro nomeado Commendador da nova Ordem da Conceição.

No dia 20 de Maio, quarta-feira, pouco depois da meia noite, embarquei na praia da Nossa Senhora da Gloria, para bordo da nau S. Sebastião, acompanhando-me até lá o meu bom e respeitavel mestre e amigo, Padre João Baptista, o Coronel João Pedro Lecor, Caetano Pitta, e varios creados e escravos de meu Pae. Não descreverei a despedida de meus Paes e irmãos; todos calcularão quanto me custou a separação que sómente era atenuada pelo empenho que eu tinha de conhecer o mundo e me instruir; mal pensava eu então que o beijo que dava a minha Mãe era bem um beijo de despedida e que não mais a tornaria a ver!

De manhã começámos a levantar ferro, mas o vento não deu logar a sahirmos e, conseguintemente, voltei a terra em companhia de Diogo V. F.; ás onze da noite voltei para bordo com o dito Diogo, soffrendo durante o caminho grande trabalho por causa da agitação em que o mar se achava. No dia 21 tambem nos faltou vento para podermos sahir, mas não me foi possivel ir a terra por causa do estado de molestia em que me achava. A 22, ás nove e meia da manhã, sahimos do Rio de Janeiro, morrendo um homem despedaçado por cahir duma verga sobre uma lancha; a 6 de Junho cahiram dois homens ao mar, que não se poderam salvar; a 8, ás dez da manhã, passámos a linha; a 9, ás onze da noite, vi a estrella do norte; a 11 fallámos com um navio inglez que vinha do Rio de Janeiro com vinte e nove dias de viagem, e a 30 de Julho entrámos a barra de Lisboa, tendo avistado na viagem as ilhas do Côrvo, Flôres e Ferro.

  • 1 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

Cheguei a terra ás quatro horas d’esse dia, depois de nove annos de ausencia. Não me é possivel descrever a alegria que senti ao ver a minha irmã Eugenia, a commoção ao entrar na casa em que nascera, as interminaveis conversas sobre os acontecimentos d’estes longos nove annos, emfim as innumeras perguntas que todos me dirigiam. Em Lisboa me demorei todo o resto d’este anno, e só a 19 de Abril do seguinte parti para o meu posto de Madrid, onde cheguei a 1 de Maio, pela tarde.”1

  • 2 “Pouco sei do autor das Memorias, de 1808 a 1818. Tendo apenas doze annos, quando chegou ao Brasi (...)

3O aspecto emotivo da partida do Brasil separando-se a custo da sua família restrita e extensa, que incluía clientes, criados e escravos, é característico de uma linhagem aristocrática; atesta a importância do Brasil na construção da sua personalidade, através dos afectos a que estão ligadas as suas recordações de infância. A chegada a Lisboa demonstra igualmente a sua ligação à velha pátria metropolitana, representada aqui pelo amor fraternal da irmã Eugénia e, portanto, uma identidade partilhada entre as duas margens atlânticas do Reino Unido de Portugal e Brasil (1816). O Brasil marcara-o pela formação que obtivera, graças ao ensino ministrado por Silvestre Pinheiro Ferreira (1769-1846) – publicista liberal e mais tarde diplomata e ministro do vintismo – que lhe permitiu completar a preparação académica que começara em Portugal2. O Brasil, transformado em sede da monarquia portuguesa, ganhara entretanto a coesão e as instituições políticas de um Estado moderno, abandonando, na prática, o estatuto de colónia do reino de Portugal. Foi esta a realidade que não deixou de marcar o conde do Lavradio na sua juventude e que, provavelmente, transportou consigo quando regressou ao reino em 1818.

  • 3 Cf. Sá, João de Almeida Correia de, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio (...)
  • 4 “Quem ler com attenção a minha correspondencia, descobrirá nella que a base do meu systema politi (...)

4A sua carreira diplomática levou-o, nos anos que se seguiram, a Madrid e a Paris, onde teve contacto com o universo da política e da cultura europeias. A Revolução liberal de 1820 não o afectou senão marginalmente. A extinção do lugar de conselheiro de embaixada em Paris foi imediatamente compensada pela nomeação para encarregado de negócios em Viena de Áustria, pelo seu antigo professor e amigo Silvestre Pinheiro Ferreira, ministro dos Negócios Estrangeiros do novo governo liberal. A ruptura das relações diplomáticas com Viena de Áustria impediu a ocupação deste cargo; só em Abril de 1824 é nomeado secretário da embaixada de Paris e nesse mesmo ano, Ministro residente nos Estados Unidos, lugar que por razões desconhecidas nunca ocupou. Regressando a Lisboa em Novembro, é então apresentado a D. João IV! Em todo este percurso a marca americana está sempre presente, embora os Estados Unidos pareçam paradoxalmente distantes, a não ser por esta nomeação sem seguimento3. A nomeação do conde do Lavradio em 1 de Agosto de 1826 para ministro dos Negócios Estrangeiros, sob a égide da Carta Constitucional de 1826, doada por D. Pedro IV, não alterou esta realidade. O governo da regente, D. Isabel, estava demasiado preocupado com os problemas relacionados com a sobrevivência do regime constitucional, perante as conspirações e revoltas miguelistas e as ameaças de invasão espanhola do exército de D. Fernando VII. Assim sendo, a preocupação essencial de D. Francisco de Almeida era ancorar o regime da Carta de 1826 e a independência nacional na “intima união com a Inglaterra”. A opção não se devia a qualquer parti pris, ou ilusão, quanto à Grã-Bretanha mas a uma análise, que se desejava objectiva, dos interesses das diversas potências face a Portugal4.

  • 5 “De Mr. Dal Borgo, Massimino, Kantzow, e Brent é escusado fallar pela nenhuma importancia politic (...)
  • 6 A única referência vem aliás de uma carta do francês Lefèvre, correspondente em Lisboa do Conde d (...)

5Nesta perspectiva, os seus esforços, nos dois governos de 1826-1827 nos quais desempenha as funções de ministro dos Negócios Estrangeiros, têm êxito na obtenção do apoio britânico que envia a Portugal a divisão Clinton, a 12 de Outubro de 1827. Com o auxílio do embaixador inglês em Portugal e do governo britânico, trava uma ameaça de invasão espanhola e consegue obter o apoio político para que a divisão liberal do exército do conde de Vila Flor derrote os revoltosos legitimistas. O governo constitucional fica reforçado e obtém-se um período de paz entre todos os partidos e o funcionamento regular das instituições da Carta de 1826, onde será deputado eleito pela Beira em 1826-1827. A prioridade dada a esta estratégia diplomática implicava uma desvalorização de outras áreas e, entre elas, como o próprio confessa, o aspecto totalmente secundário das relações com os Estados Unidos da América, apenas representados em Portugal pelo encarregado de negócios, Brent5. O regresso de D. Miguel a Lisboa em 1828 acaba por levar a um evolução política do país que lhe é nefasta com o triunfo dos legitimistas, a queda da Carta e o retorno do absolutismo. Na sequência destes acontecimentos, para iludir a prisão, emigra para Londres e refugia-se com o pai na Bélgica. O período de exílio inicia-se aqui e continua ao longo dos anos seguintes até ao final da Guerra Civil em 1834. Em nome da Regência liberal dos Açores, em 26 de Abril de 1830 desempenha as funções de enviado extraordinário e ministro plenipotenciário em Paris. As referências aos Estados Unidos da América são praticamente inexistentes nestes anos nas suas Memórias, pois o reconhecimento de facto do governo miguelista por aquele país é um acontecimento menor6.

  • 7 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

6No período seguinte que decorre entre 1831 e 1833 e, portanto, cobre quase toda a época da Guerra Civil (1828-1834), as referências aos Estados Unidos da América são igualmente escassas e esparsas. Os problemas mais graves de momento estão ligados ao regresso de D. Pedro IV do Brasil e à luta contra D. Miguel. Assim sendo, compreende-se que uma primeira alusão indique apenas o nome do enviado extraordinário dos Estados Unidos da América do Norte, Mr. Rives, a propósito do envio do manifesto do Imperador aos governantes franceses e aos membros do Corpo Diplomático presente em Paris, em Fevereiro de 1832. O Manifesto de D. Pedro, Duque de Bragança (02/02/1832) declarava a intenção de defesa dos direitos da sua filha, D. Maria da Glória, ao trono de Portugal, contestando a usurpação de D. Miguel7!

  • 8 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

7A partida da expedição liberal de D. Pedro IV dos Açores e o desembarque e entrada no Porto (1832) suscitaram naturais temores entre as autoridades miguelistas em Lisboa. O receio de um desembarque constitucional na Capital era reforçado pela presença de uma esquadra da Royal Navy, depois da anterior destruição da marinha de guerra portuguesa levada a cabo por uma frota francesa (1831). A chegada de navios de guerra americanos a 4 de Junho de 1832 deu origem a uma série de boatos favoráveis ao governo absolutista; não desmentidos, de imediato, pelo encarregado de negócios dos EUA que tinha conhecimento do motivo: o pagamento de indemnizações aos navios mercantes daquele país pelos danos causados pelo bloqueio da ilha Terceira8.

  • 923 de Fevereiro de 1833 – O General La Fayette disse-me, em casa do Duque de Broglie, que tinha (...)

8Os meses que se seguem deste ano de 1832 e do seguinte são marcados pelos violentos combates do Cerco do Porto, no qual o pequeno exército liberal luta pela sobrevivência perante o sítio de um exército absolutista muito superior em número e meios. Neste contexto a chegada contínua de reforços em tropas, armas, munições, mantimentos e dinheiro era fundamental para garantir a resistência da capital do Norte e a causa de D. Maria II. Os esforços diplomáticos dos constitucionais redobram na Europa, sobretudo na Grã-Bretanha e na França, tentando obter o reconhecimento do governo de D. Pedro e recursos para a continuação da resistência armada contra os miguelistas. Entretanto, as tentativas dos diplomatas de D. Miguel vão no sentido de conseguirem, da parte da Inglaterra e da França, a aceitação da legitimidade do seu governo em Lisboa. As preocupações de D. Francisco de Almeida atingem o clímax em Fevereiro de 1833 quando se apercebe da disponibilidade do ministério francês do duque de Broglie de reconhecer oficialmente o governo miguelista. O momento era crítico para as forças liberais no Porto e, portanto, os governantes gauleses mostravam-se disponíveis para o fazer. Apontavam como exemplo o que tinha sido feito pelos Estados Unidos da América – uma república que, implicitamente, era um regime político muito mais radical do que uma monarquia constitucional e, em teoria, impossível de acreditar que transigisse com o absolutismo9.

9O fim da Guerra Civil, em 1834, traduziu-se numa progressiva institucionalização do regime liberal, inicialmente sob a égide da Carta Constitucional de 1826. O período que decorreu entre 26 de Maio de 1835 e Abril de 1836 passou-o ocupando-se na Inglaterra, França e Alemanha em obter um príncipe para a rainha, recaindo a escolha final em D. Fernando de Saxe-Cobourg. Opõe-se à Revolução de 9 de Setembro de 1836 com os outros pares do reino e mantém-se afastado da actividade política e diplomática, de novo, devido a ter-se recusado a jurar a Constituição de 1838. O golpe de estado de Costa Cabral, em Janeiro de 1842, que restaurou a Carta de 1826, transforma-o, na Câmara dos Pares, num dos grandes adversários do cabralismo até à sua queda final em 1851. D. Francisco de Almeida foi um dos suportes da nova situação, mas recusou participar em qualquer governo. Afirmando-se como “o homem da legalidade”, não estava talhado para tomar as medidas revolucionárias que eram exigidas pela Regeneração. Retirando-se da política, activa aceitou em Junho de 1851 ser representante diplomático de Portugal em Londres. A intensidade da sua vivência política em Portugal explica a ausência, nas Memórias, de indicações específicas do seu pensamento sobre os Estados Unidos da América.

A demagogia dos Estados Unidos

  • 10 “27 de Agosto de 1851. – Hoje, pelas oito horas e meia da tarde, vieram a minha casa os Ministros (...)
  • 1116 de Setembro de 1851 – (...) A nova tentativa de expedição americana, commandada pelo aventure (...)
  • 1226 de Setembro de 1851. – O Ministro de Hespanha, com quem estou em muito boas relações e que é (...)

10A missão na Inglaterra era complexa e abrangia, entre outras, o tratamento das reclamações inglesas quanto à interpretação do Tratado de Comércio de 1842, a questão do Ambriz e os problemas com os Estados Unidos, a propósito do navio americano General Armstrong10. As responsabilidades inerentes à abordagem destas questões sensíveis da política externa nacional não o impedem de seguir com interesse o desenrolar dos acontecimentos internacionais no que respeita ao expansionismo norte-americano11. A consciência plena da estratégia dos Estados Unidos em direcção a uma provável anexação de Cuba esquecia apenas ou desconhecia que estas iniciativas não eram patrocinadas oficial ou oficiosamente pelo governo federal. Eram, sim, acções autónomas dos estados esclavagistas do sul dos EUA, empenhados na expansão do modo de produção colonial rumo às áreas tropicais da América Latina. Na verdade, a anexação de Cuba pelos americanos só se verificará nos anos 90 do século XIX, mas numa conjuntura política muito diferente. As possibilidades de se materializarem estas perspectivas parecem ser remotas, devido à oposição moderada da Inglaterra12.

  • 13 “Os jornaes francezes e inglezes dão noticia dos graves insultos feitos á bandeira imperial do Br (...)

11Apesar do cepticismo sobre uma possível intervenção inglesa, esta não deixava de ser provável face aos seus interesses na América Central e nas Caraíbas, que as acções dos aventureiros americanos punham em causa. Além da presença britânica na Jamaica, nas Honduras e na Guiana, o combate ao tráfico dos escravos pela Royal Navy, na América do Sul, seria completamente posto em causa pelo alargamento da área dos estados esclavagistas dos EUA. Assim sendo, compreende-se que o conde do Lavradio, preocupado com as negociações com a Inglaterra sobre as reclamações inglesas do Tratado de 1842, fosse também sensível aos problemas da América Latina em geral e, principalmente, do Brasil, onde mantinha as suas raízes. A boa amizade entre Portugal e o Brasil reforçava tais preocupações e justificava a sua oferta ao embaixador brasileiro para servir de intermediário entre a Corte do Rio de Janeiro e a Inglaterra no tocante à captura de navios brasileiros acusados de traficarem escravos. Aliás, considerava que, se o governo britânico não desse uma satisfação ao Brasil, este se lançaria nos braços dos Estados Unidos da América perdendo a Inglaterra toda a sua influência13.

  • 1421 de Outubro de 1851. – Tendo chegado a Londres o Conde da Azinhaga, Ministro de Portugal em Pa (...)
  • 1516 de Dezembro de 1852. – (...) Chegou hoje a Londres o Secretario da Legação de Portugal em Par (...)

12A arbitragem pedida ao presidente da França (Luís Napoleão Bonaparte) na controvérsia entre Portugal e os EUA sobre o navio General Armstrong implicou o pedido de mediação inglesa junto das autoridades francesas para uma resolução favorável ao nosso país14, o que efectivamente se verificou15.

  • 168 de Janeiro de 1853. – (...) O Morning-Post de hontem publica uma correspondencia dos Plenipote (...)
  • 17 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

13As desilusões com a carreira diplomática e o comportamento oportunista, mesquinho e vingativo da classe política nacional face aos servidores do Estado levam-no a comparar a sua situação com a dos plenipotenciários americanos. A comparação é elogiosa para o governo americano e profundamente negativa para os sucessivos ministérios portugueses que tratam de uma maneira desprezível os seus diplomatas16. Todavia, a fidelidade aos interesses nacionais não o deixa, apesar das dificuldades, desamparar a Legação de Londres no ano de 1853 vendo-se obrigado a defender a política da Regeneração e a abordar a questão do tráfico de escravos. A opinião de D. Francisco de Almeida era a de que os verdadeiros negreiros não eram os portugueses mas os americanos, o que confirma a má imagem que os europeus tinham dos EUA como Estado que permitia a escravatura17. Nesta perspectiva a república norte-americana estava, de certa maneira, à margem dos países mais civilizados da comunidade internacional da época.

  • 18 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 19 Cfr Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 2016 de Novembro de 1854. – (...) Lord Clarendon communicou estes sentimentos do Lord Maior ao Emb (...)

14O início da Guerra da Crimeia (1853-1856) estava iminente e, consequentemente, o cuidado com o respeito pelo direito dos neutros leva-o a interrogar, em 1854, o governo inglês sem obter uma posição clara, tanto mais que isto envolvia a maior parte das nações europeias e os Estados Unidos da América. O banquete com o Lord Mayor de Londres, oferecido ao corpo diplomático nesse mesmo ano, apenas parece confirmar as suas ideias da proximidade do conflito entre a Inglaterra, a França e a Rússia. O facto de o governo inglês tomar uma posição no caso dos neutros, relativamente aberta em atenção à próxima guerra, deve-se não tanto às suas pressões mas às do governo francês e, sobretudo, do americano cujo poder e influência são cada vez maiores e, na sua opinião, também sobre a Europa18. Uma profecia por parte de um observador arguto sobre o futuro dos EUA, que ainda demoraria muito tempo a verificar-se, mas que, sem dúvida, reflecte a consciência da importância presente e futura da grande república do outro lado do Atlântico19. O evoluir da Guerra da Crimeia na Europa mantém um clima de confrontos diplomáticos com os Estados Unidos, sendo o banquete do Lord Mayor uma ocasião especialmente crítica, propícia a provocar incidentes e provocações20! A república norte-americana era, assim, compreendida como uma entidade estranha ao universo das potências europeias e ao seu mundo político. O receio de uma provocação política e revolucionária do embaixador americano tem como contraposição a aliança dos representantes diplomáticos europeus em Londres para o boicotarem, o que aliás, conseguiram.

  • 216 de Dezembro de 1854. – (...) Emquanto a guerra atormenta a Europa, o Governo dos Estados Unido (...)
  • 2216 de Maio de 1855. – (...) Na Camara dos Communs teem as classes medias aberta a arena, para al (...)

15Os Estados Unidos da América do Norte são demasiado importantes para a indústria têxtil inglesa, por causa do fornecimento do algodão dos estados do Sul, para poderem perigar as relações entre os dois países e, portanto, existe um fechar de olhos do governo britânico ao tráfico de escravos para os EUA e da escravatura existente naquele país. A Guerra da Crimeia obriga a uma redução dos transportes para a América do Norte, mas não altera o entendimento dos dois lados do Atlântico Norte. O expansionismo dos Estados Unidos na América é considerado como uma estratégia de impacto directo no futuro da Europa. O conde do Lavradio tem uma curiosa capacidade de valorizar o futuro peso político de uma potência emergente, embora geograficamente fora do espaço político europeu, mas capaz de o condicionar. O risco passa também pela difusão das ideias democráticas da república norte-americana, passíveis de subverter a ordem política de outra potência nas margens da Europa e no pólo ideológico oposto, mas ironicamente cúmplices21. Os Estados Unidos e a Rússia com sistemas políticos opostos cooperam activamente em defesa do direito dos neutros contra as interferências navais, sobretudo da Royal Navy. A convergência de interesses das duas torna evidente as resistências à imposição, por parte da Inglaterra, de um modelo rígido de aplicação dos direitos neutros durante a Guerra da Crimeia. Os Estados Unidos da América não estão distantes de certos Estados europeus no que diz respeito a certos “hábitos” políticos como, por exemplo, o patronato parlamentar inglês22. No entanto, o impacto ideológico da existência dos Estados Unidos da América é algo que parece preocupar franceses, ingleses e portugueses como nos refere no final da Guerra da Crimeia:

  • 23 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

“3 de Outubro de 1855. – (...) O Embaixador replicou: A alliança há-de conservar-se, porque é da utilidade das duas Nações ameaçadas, como toda a Europa, por um lado pela Russia, e por outro pela demagogia dos Estados Unidos. Sobre este thema dissertou elle muito tempo. Lord Clarendon approvou a proposição, e eu apenas observei que não só havia a temer os Estados Unidos, mas tambem a demagogia da Europa, principalmente a da França.”23

  • 246 de Novembro de 1855. – (....) Tem ultimamente havido desintelligencias entre este Governo e o (...)

16O medo do contágio ideológico da “demagogia dos Estados Unidos” não impede que a Inglaterra e a república americana tenham interesses económicos comuns que os obrigam a conviver apesar das diferenças políticas24.

O expansionismo americano

  • 2510 de Dezembro de 1855. – (...) Referi-lhe tambem, muito confidencialmente, o que se havia passa (...)
  • 26 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 27 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 28 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

17A questão do reconhecimento dos direitos portugueses sobre a região africana do Ambriz origina não só novos problemas com Portugal, mas também com os Estados Unidos da América25. O princípio do ano de 1856 é marcado pelo reacender do conflito diplomático anglo-luso sobre os direitos da coroa portuguesa ao porto de Ambriz, a ocupação por Portugal e o tráfico de escravos. As tentativas inglesas destinadas a impedir a ocupação nacional do Ambriz resultam, em sua opinião, do desejo de estabelecer um protectorado na região, como o fizeram na Costa da Mina. Assim sendo, afastariam o comércio nacional em proveito do inglês com a desculpa de desconfiarem que os portugueses se dedicavam ao tráfico dos escravos. A melhor maneira de contrabater as pressões é recorrer à França e aos EUA, jogando com as suas rivalidades com os britânicos e a supressão da escravidão na área26. Todavia, os problemas entre a Grã-Bretanha e os Estados Unidos são um tema recorrente e paralelo à questão do Ambriz. O risco de uma guerra entre aqueles dois países sobre disputas não resolvidas está sempre presente no horizonte, ainda que D. Francisco de Almeida não acredite que venha a acontecer devido à disparidade das forças das duas armadas27. Em presença das pressões constantes dos ingleses pode jogar a cartada de um acordo com os americanos sobre o Ambriz, o que demonstra o peso crescente dos EUA e a consciência que o diplomata português tem da sua importância no contexto internacional28.

  • 29 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 30 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 31 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 32 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 33 Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Universida (...)

18A sua estratégia perante o problema do Ambriz merece, sintomaticamente, o apoio do visconde de Sá da Bandeira, pois as rivalidades entre a Inglaterra e os EUA na América Central criam um mal-estar entre os dois países que pode ser aproveitado a favor de Portugal29. Deste ponto de vista seria útil obter o apoio dos Estados Unidos prometendo--lhes e fazendo-lhes algumas concessões, em troca do reconhecimento formal dos direitos da coroa portuguesa na costa de África. Considera os EUA nos anos 50 do século XIX uma potência emergente e suficientemente importante para ser usada como contrapeso regional dos ingleses. A sua importância em África é de tal modo relevante que propõe que, em última instância, lhe seja mesmo concedida a livre navegação do rio Zaire30. O final da Guerra da Crimeia não alterará a situação, mantendo-se o conflito entre a Inglaterra e os Estados Unidos no caso específico da América Central31. Os incidentes entre os dois países cresceram com a expedição do aventureiro americano Walker à Nicarágua. A ruptura das relações diplomáticas parece iminente, como o atesta o desagrado americano face a Crompton, representante britânico em Washington. No entanto, a força naval inglesa é de tal forma superior à americana que os desacertos não chegam a esse ponto crítico32. As concessões inglesas aos americanos, a propósito da interpretação do Tratado anglo- -americano de 1850, comprovam os esforços do governo britânico para apaziguar os EUA e evitar a escalada do conflito na América Central entre os dois países33.

A Guerra da Secessão (1861-1865)

  • 34 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 35 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

19Os anos que decorrem entre o final da Guerra da Crimeia (1856) e o início da Guerra da Secessão americana (1861) foram sobretudo marcados pelas preocupações portuguesas com a eleição do novo presidente americano James Buchanan (1856-1860) e as explorações do escocês Livingston em África. As ameaças à integridade das colónias portuguesas de Angola e de Moçambique pressentidas pelas actividades científicas e filantrópicas de Livingston não deixavam muito tempo para uma reflexão sobre a evolução da política interna dos EUA. No entanto, o novo presidente era considerado como um defensor dos esclavagistas e estava, aparentemente, interessado na expansão do comércio dos escravos com África. Buchanan e Livingston representavam a acção expansionista de duas potências capazes de pôr em causa as colónias nacionais. Assim sendo, o diplomata português não se apercebeu, de imediato, do conflito iminente entre os estados do Norte e do Sul da república americana. Um dos primeiros sintomas da gravidade da situação interna dos Estados Unidos da América do Norte surge em 16 de Abril de 1861 pela mão de um dos industriais de têxteis de Manchester, preocupado com a provável falta do algodão que vinha principalmente dos estados confederados, em busca de fontes alternativas quer no Brasil quer na África portuguesa. Daí as reflexões sobre a questão, a propósito da entrevista com Mr. Bazley, deputado e fabricante de Manchester, interessado em que Portugal desenvolvesse a produção de algodão nas suas colónias34. Em breve a guerra civil tem implicações internacionais nomeadamente na beligerância entre os neutros que atinge também Portugal e é objecto de uma conversa em Londres com Lord John Russel sobre o estatuto dos confederados como beligerantes35.

  • 36 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 37 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

20A situação referente à Guerra da Secessão americana ganha novos contornos com a iminente partida de uma expedição espanhola contra o México para obter uma reparação diplomática e o pagamento de dívidas. Esta iniciativa é considerada absurda e uma provocação aos Estados Unidos que, uma vez acabada a guerra civil, se podem vingar ocupando Cuba e Porto Rico em vez de procurarem recuperar, em vão, as antigas províncias perdidas36. O evoluir do conflito, entre unionistas e confederados, provoca um conflito diplomático entre o governo britânico e Washigton a respeito da captura dos diplomatas confederados, que viajavam no navio inglês Trent, pela fragata San Hyacinth ao serviço da União. A previsão pessimista é a da declaração de guerra, a breve prazo, entre os dois Estados e, provavelmente, o apoio naval inglês aos confederados37. O mais importante são as reflexões sobre a realidade política dos Estados Unidos contraposta idealisticamente, desde o livro de Alexis de Tocqueville sobre a democracia americana, à evolução europeia. Ou seja, a preocupação de D. Francisco de Almeida é valorizar o insucesso daquela república apresentada sempre como o modelo de progresso social e político democrático:

6 de Dezembro de 1861. – (...) Os acontecimentos dos Estados Unidos durante estes ultimo anno, sendo bem estudados, offerecem uma boa lição aos Governos e aos Povos. Está hoje bem demonstrado que a prosperidade d’aquelles Estados, que a todos assombrava, era devida á sua riqueza natural, mas de modo algum á sua monstruosa e desmoralizadora organização social. Que confiança pode haver numa forma de governo baseada sobre revoluções legaes, preparadas por uma descarada corrupção e onde a responsabilidade dos agentes do Governo é uma completa ficção ? Desde que desappareceram os caracteres respeitaveis, que de boa fé fundaram os Estados Unidos, o Governo cahiu nas mãos de intrigantes, elevados ao poder pela corrupção e pelas paixões das turbas excitadas pelos immoraes follicularios, que se locupletavam e subiam ao poder por meio da calumnia e das violencias que haviam excitado.

Antes de concluido um seculo, deixou de existir a decantada união, e, se a guerra com a Inglaterra tiver logar, a Inglaterra, se isso lhe conviesse, que não lhe convem, poderia reconquistar os seus antigos dominios.

Seja como for, os Estados Unidos, em consequencia da sua má organização, perderão num anno o seu prestigio, que só poderão reganhar reformando as suas instituições.

Vive ainda hoje em Londres uma grande notabilidade, com quem tenho tido boas relações Lord Lynhurst, que nasceu em Boston, quando esta cidade era colonia ingleza, viu a revolução, presenciou o reconhecimento da independencia dos Estados Unidos, e hoje, conservando ainda clarissima a sua grande intelligencia e com forças sufficientes, não só para assistir, mas para tomar parte conspicua nas discussões das mais importantes questões que se tratam no Parlamento, está presenceando a separação d’essa que se julgava indispensavel união.

Poderá porventura admirar-se a sabedoria de instituições que não chegam a poder durar a vida de um homem? Comparem-se as instituições dos Estados Unidos com as inglezas, e então se conhecerá a excellencia d’estas e a imperfeição d’aquellas.

  • 38 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

De Lisboa recebi a carta credencial para eu continuar exercendo as funcções de Ministro Plenipotenciario em Londres.”38

  • 39 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 40 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 41 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 42 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)
  • 43 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

21Assim sendo, a questão da declaração ou não da guerra entre ingleses e americanos é mais um teste à viabilidade da grande república americana, cuja simples existência põe em causa a perenidade das monarquias europeias mesmo liberais39. O pessimismo sobre a evolução do conflito anglo-americano dá lugar a uma visão mais optimista no referente ao caso Trent, a propósito da moderação dos governos dos dois países40. O caso do Trent permite-lhe retomar uma série de temas recorrentes sobre os Estados Unidos da América, a Inglaterra e as colónias africanas e colocar a questão da posição de Portugal frente aos beligerantes da guerra civil entre nortistas e sulistas41. A neutralidade portuguesa é algo essencial para Portugal e para a Inglaterra, embora exista um compromisso de Palmerston de não esquecer as obrigações face a Portugal, em caso de conflito entre ingleses e americanos. O anúncio de que os americanos tinham entregado os prisioneiros confederados do Trent parece indicar uma melhoria das relações entre americanos e ingleses e afastar a perspectiva de confronto militar violento que, segundo D. Francisco de Almeida, teria consequências trágicas para a causa da União, abrindo caminho ao reconhecimento internacional da Confederação e à sua vitória final. A amplitude internacional tomada por este caso conduziu a uma reflexão mais vasta sobre a diplomacia inglesa e a inevitabilidade da guerra anglo-americana, pois o conflito está apenas apaziguado por agora. O problema que se coloca é o de uma melhor definição do direito dos neutros, para o qual procura mobilizar os outros diplomatas residentes em Londres42. A resposta inglesa a esta proposta é totalmente negativa porque deseja proteger a Confederação do Sul que sairia fortemente prejudicada se estes direitos dos neutros fossem fixados43.

  • 4426 de Maio de 1862. – (...) Na questão do Mexico os Governos Inglez e Hespanhol estão de perfeit (...)
  • 4526 de Junho de 1862. – Sobre a questão do Mexico, apesar de os Governos Inglez e Hespanhol se ha (...)
  • 4616 de Outubro de 1862. – (...) As palavras que Gladstone pronunciou num discurso em New-Castle i (...)
  • 47 Cf. Marquês de Lavradio, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbr (...)

22A guerra civil aparenta continuar indecisa parecendo só existir uma solução através da mediação entre o Norte e o Sul. No futuro tudo se pode complicar devido à expedição anglo-franco-espanhola ao México44. A questão vai ganhando importância devido à intransigência francesa que deseja constituir um improvável império no México com o arquiduque austríaco Maximiliano como soberano45. A questão da Guerra da Secessão dos EUA (1861-1865) continua a dominar os seus pensamentos nomeadamente devido ao facto de lhe parecer iminente o reconhecimento por Londres e Paris da independência da Confederação. O apoio popular a esta decisão parece ser dominante na Grã-Bretanha, mas Gladstone avança com extrema precaução neste campo para evitar a guerra46. Estas observações conduzem-nos ao final das memórias que, como nos refere o seu comentador, o marquês do Lavradio, são relativamente pobres em resultado da sua vida política posterior a 1865, marcada pela passagem de novo pela Câmara dos Pares no lugar de presidente, e, posteriormente, por ter assumido a embaixada de Roma de 1869 até à sua morte, em 187047. Não será assim surpreendente que a última referência que encontramos nas Memórias do conde do Lavradio à Guerra da Secessão americana seja para comentar horrorizado o assassínio do presidente Abraham Lincoln (1860-1865), condenado por toda a Europa:

  • 48 Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Univer (...)

4 de Maio de 1865. – A noticia do horrivel crime de que foi victima o Presidente Lincoln produziu em toda a Europa, mas particularmente em Inglaterra, uma forte e profunda indignação.”48

23O fim trágico da Guerra da Secessão americana coincide com o final anunciado da carreira diplomática do conde do Lavradio, embora esta só termine efectivamente com a sua morte em 1870! Todavia, ao longo dos anos, a sua visão dos Estados Unidos acompanhou as diversas vicissitudes internacionais da política externa norte-americana e portuguesa. O facto de ter tido uma vivência sul-americana brasileira nos seus anos de formação não o preparou para uma abertura de espírito face à nova realidade transatlântica da república norte-americana. No entanto, D. Francisco de Almeida foi um observador atento que detectou a crescente importância, não só regional mas progressivamente mundial, no presente e no futuro dos EUA. Os arcaísmo sociais resultantes da preservação da escravatura no sul deste país cruzavam-se com a extrema modernidade política de uma experiência democrática totalmente inédita para a Europa da época. Daí o receio e a perplexial matg="pg

alinteadoso relatde, com ara assente al decdeepesar">A guerra civnor os Eis resugar de parecce confirmar as suas ideias à imsiitabilidade ta soma vivêncca de uda grande república democrátieram sobretuConfedl/a>!a, apare do desó rervação a república americade parite-lé valorizar O princípitada rnidade polít, no presentu em tsa e ass instituiçõmucionnarficasà imsrezívrande omplicnumovo presidentldire/a>.de desconavanta sobrsm a eleições africaesé considersela cortcaesos leva-oce sm, muitda lítita sobreà viabilidadeo as suas instituiçõ Fo fiivamente Considee que, ar pardo peivanidos dos estados do de m do direit que a sepr ntada uninas tear de uma Confederaçda indepenzonteO atomada par francenos e ingleesa. O facto nova realidah eximérica ntrecce confimando as su A prevçõe apenue demonstda que D. Francisco de Almeie para um ho 50 do sto temde qulhaativa para os EUA cora t">ao corse eicudosde estrvido je b a onputadohicupenarorizat">om sistuma cudosso das potênci50 do século /a>.

Toptão d trna>48 h2
    Nolist>.

    ">41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1932, Vol. I, n. 63.an>

    41< n>t">Poutiteilta dutoesar da, omórias, Coimres a pr poesR resco dnteséavatur Bolináuesa nximidade Rresco Jr manoial. quande em14lda f a cabadacerdadasco dnteséavatur Bolináu,lda fue D. Francisco de Almeiu. Um dos primeira caltadoo d’esCerdadass dnglexorl-se copplaucurso em>6 de Dezembro de15ão., de , Joestão de AlmeiCreconccadio, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1932, Vol. I, n. 21dos. SobSinvol entPinhtureiFe carrente Cresur PecarrersJodo dos eventeta , Coimbrda Unisbilidico >, Coimad1974, nn. 1-27.an>

    41< n> Cde , Joestão de AlmeiCreconccadio, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1932, Vol. I nn. 76-79.an>

    41< n>t">Qm qulreccea emm atençpeae vin reco rescreden,.de dee o sernaquente queno bãoseo ssy sistude imátic para avictida uninra com a Inglateial. lsta éenipoten65) conlameucia qda hoil tem intereesa nanpreservação de Portu? Sheceráà Fran? C abeiormentnução, po a estnipoten6a fecia de uma excelmenteue rganizaçra dnda granhecimentez e Hesperra, se egrassfere o sos domi869 atá nas margeno Ezemomo, por exemica. de ousuda grasstnipotenuias euêaanos de perfatalmentedif refereque, segunossy sistuO futugaem que Portugra exiseixouixexou de exis.an>

    . A Considosição,istodpede que a Inglaterta é aníticaipoten6es qio temcem intereeto direceova resa nanpreservaç a prosaão de Portugranhdiu-meida agtirmeiar frtivamente coaqueicaipoten, r de parrmeit, qu e m quo caecer e desseirmerra, suema dis em que PortugalvUA e a creservaçectousalservaçãoo as sumo lialidadento, promi,ado da sfempbilidicer a Inglateio., o, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1932, Vol. I, n. 108.an>

    5>41< n>t">Decom MDtugBorgi,aMá asi"táKortzow, r Bm>Treta a deressafllaoder peimihé uis imporcitude imáeio., o, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1932, Vol. I, n. 114.an>

    6>41< n>A anítima referêncvambee alicca de u a carssaf, Frcocêefèvr que,eco rescresentu De Lisbas do Conde do Lavra, r d apenno referentara ums ameacto ntat, quevional annaadraão americanaia, nfoesarabadra os Eé uieue rganizaçpoesartornoauslevadoss no nasemdrcultantes naquele patia blo naapoio naval annaadrami m lsimist iltanT exeiteria imsdade dmo liber:>t"> (...nemat emo don vta a temtde ello Co,das maireso dyntani fuBrasani bonns,va co9 at…..ne e fasa que da, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1932, Vol. I, n. 383.an>

    7>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1932, Vol. II, n. 171.an>

    8>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1932, Vol. II, n. 242.an>

    9>41< n>t">“3. O Genfedl do Fayetteema dirmerrl, em sbas Dus, que Brogliesse, qos titer tido uao l uma conveosiçãompor eses sobre negoci anos a Portugalras qudi fazendo- do Fayette:da,

    Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1932, Vol. II, n. 371.an>

    10>41< n>a, 27sco dnostnoro de51865. He hoj e pelonflihorficasCrimesa taridadviUrratpeae vin m sb ande Minisrias Reivernode dNegoci anEx estgrimeinte, deo, poar desscurares emtrevisou asf referec o lamlicações inglezao resUrratia quusta serdecdrentregade se trroje em Londrpenia qUrrato relatsicerda interpretação do Trataco >, s tenoro de42galros outimton a respeito do AmbriEgutuivameno resUrratia qs, teria coniminetia quusda entrtereesa A questia quxasseno entor Portugal dos Estados Unidoda ia qta rbitutuma o Presidensa RepupúbliFr frazrica, a respeito no nava, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1937, Vol. IV, n. 17. VhavMartuhãeidoJodo dco >alsetida,

    "1>41< n>t">“16 SetDezembro de 155. – (..A à noAs tentatxou de expediçãa americanaemm/ndarcada o do aventureiLopaztla conta iltanco >ubeida, coi fespeida gransmpreosiçãr de pardos ibspeitl ia que o Govero dos Esta-os Unidoa ntrm sr tiex estrvialiccs suAs tentativas quva pafempbilidirca e Hesperrfôram um logiders.dos Pcirmerrpoeonves, quema guerra entra e Hespegal dos Esta-os Unido ser a inevveugalras ere o sem resultao servistiriltanco >ubeo e a ipotalke da Uni da-americanaiçãraapoia que o Goveros Inglfameacda grassos esforçte parustlamento dos direitos Cesfaz e Hespanvida nanpreservação >ubeio., o, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1937, Vol. IV, n. 27.an>

    12>41< n>t">“16 SetDezembro de 1.>3. O de Ministtez e Hesperre, com qu quouziu unflido boas relaçõa ia qta um ho 5eriz meirlamentma dirmeoia que o Goveros Inglos titde expgunoa ons imielatsicdos ErvaçNo naval Jamlíticaimbros no cadhode havé uà noAs tentatxla conta iltanco >ubeidsntre lke Ennaadraar frazacasà impeho 5eracm acor o qas quervta gsupressla contaaqueiilta.an>

    atpanática eo dos Esta-os Unidue uss="ceho 5i sufulalida,uarad o es imsas em resuntarstiivalidades entse este, poes ulte os Gover.– (.o., o, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1937, Vol. IV, n. 28ica. CresuntJonda,uMaldwin A.ida,

    13>41< n>t">Omajorn es fr frazcenos e inapazeaçãA noticiasuda võesCresas fdireite ba Bandee a imiional no Bras e pelde forçio nões inglezao safls, no context que ra evitm aoacífem>.da indignaçtes do Goveram e direitna brasilnidos cono a esin o qitífrrives coiristrm sr tida gragalrunflimlorao sern, quanlli o chrsseha noticieoia que o GoverBrilináfia, não snaia, neu prinua ar de umabionsentsfderação dor atderados mettircados p da sMe Petanha, ,ada o os conrião, egraarustlamentp da sjustpeda.an>

    Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1937, Vol. IV, n. 32.an>

    14>41< n>t">“16 de Outubro de51861. Terceno chigadoem Londrs do Conds dzPetagmbrae Ministtezor Portugams e Pa,q qio dormeom/nifos eststa o ejext querica apresengadoemsd de Palmersrrfi da ho e f porslica apresegnaçan>

    Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1937, Vol. IV, n. 37ica. CresuntAgulhrsrrMauamedad«1848seixdo dca anntspasscto da, épupúdo q1848-de52»ida, alsetida,

    15>41< n>t">“16 de Dezembro de51862. – (..Co cectda hodoem Londrs SecerprrípitaLnavegaçãezor Portugams e Pa,qo, sen impodfavoespreseavanãrbitu qual fosperada o Co fensa NvegaçFr frazricta sobrendependencia quxassncia entr do GoverPe portuzica eo dos Estados Uniem>.preseavanva é de fente ajust anos ejeanos a Portu.an>

    16 SetDezembes ultter, tieuos, emacompianos do Conds dzPetagmsua evitm BaoderB énimrzasszorneitma ditia qUrr exceasão reensorual pogreso relaor no nava,

    Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1937, Vol. IV, nn. 183-de4.an>

    41< n>t">“<8sco Jr manobro de53861. – (...da,

    Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1937, Vol. IV, n. 203.an>

    17>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1937, Vol. IV, n. 250.an>

    18>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1938emVol. V, nn. 44-45.an>

    19>41< n> rCf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1938emVol. V, n. 70.an>

    21< n>t">“16 No Gezembro de54861. – (..emsd Claoennondos munáfuc’enlsanntecimentos.emsd Mloraor Ea embaifavoáà Fran,treaem r dzdo anr os outrmociadrsemdue as es ls,smoe esttenverrram sobretuor Ea embaifavoáà Fran,tta o ejext qsobadmilte niaoo as a dereõa ia qacrov fosopois o a eeuo, o primeMarimonstraos Cbilidadpoesa Unisrsemoelas,smEst69 atta paà impeado queaudedos, qo dco quilor e f pas do corDs diploáf,fô foagideonhneada o ae Ministto dos Estados Unidoas qufossdu a vbrd aprov riacomocno icisão er e f pir um iuidare dm discuemde que obrriacomdarndo- ts alg ue dgideritl A respo,6es que iatrecce consequenrrram sobretu’ervando ainra minetrual podheciments do GoverFr frazeja para com MSaulta aqo, senos ivspeitl ia qustAo-americanos ejratp aprov rnem todaocno icisia qs ldo-sos, offerte paruss="ceho de complrvações que os Governdo da Euroan>

    21< n>t">“16 de Dezembro de54.55. – (..Emn, qtoquema guerreenrlameoda a Europue o Govero dos Estados Unidoaefectivamenteadjuvnciavo rr os see L Franprosceovaa evrnaciciaõ/gecienteal procup aprov rndo-drselircumsporcitsmpo pare egrarere o sos assínto na-amer a defltitu as fo futanos tiverndo da Euro deho 50 do sto Tratapetrecess,bes ultivamenteleba etura comRua aaqudi f biduqtelebancio.tutusecerptura comas mce aipotenão.da uninia d’estcs su aipotensana, csmá organizaessde imáo naaçeprespos,sta te casuruncuemo de vaztla com ndpesacadco teadcordnda võce consequenrita paraRua aaanaiçhdnrancisia qustha prini anoa d’eees ultu aipoten ejratoa recdisri dos Estados Uni,smEstasnsa d’enlpod m6a fecssympatpicadia Rua aaao., o, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1938emVol. V, n. 138ica. Cresunt erkde nono d esd,>t">To- Crecitatos, a Repupúbln.Empicoqu1776-1865o., Coht , Wdrenn I. Edirerida,

    21< n>t">“16 de Maio de55.55. – (..NesCeCâmara dCs munistro trselp clõma mesuma abparaaoenaquva palli oniarevirosspellogs Parasia qustos sede cimentdo-sodação dire/aNuçãogs Pi bora exredenara duacit,smEstsszoronrastveapazouixaxt queriar exirvia a favoer O poag 5eriz meirlame. E q. lsta s os Est o Conde nãxassena duacit?mEueo nãod fe sendoerec > do comn,smEstsuetresnoia qUllequxassenmnem niqusthai fsgalras erehai o ConUllequxassens dr manarmociaesc ndploguesa nlica democracRepupúblio dos Esta-os Uniddo na-amer dre o Noao., o, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1938emVol. V, n. 211.an>

    21< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1938emVol. V, n. 249.an>

    24>21< n>t">“16 No Gezembro de55.55. – ((..To tes ultivamenue hdindh desintelligenades entse e do Goveram eo dos Estados Uniemos ebes ultstrm sr timo hdibrz, não sda o os ssultaa o ejexes qio tConiniarementp em Inglaterrem cooe tame e pelas inbrigaçõdraRua aaanSiçãombret,questdda grassosham interessra s teneiia quxassemrra entra a Inglaterrao dos Estados Unidoas tse este, pohai fsdoafferecu. Umio.tutao., o, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1938emVol. V, n. 282.an>

    25>41< n>t">“16 de Dezembro de55.55. – (..Ro reindo- oe tam,sm, muite cocredenctalmeemento qs lue ha la pastntu De Lisbia entr ae Ministto dos Estados Unilntr Vanci Condo dtuouguen, r to qBu fenri metue ha s, procdxico pameiallaodno negoci ito do AmbriAndo esae vin r munálrvação nhe rescru.emsd Claoennondar uma As palaao., o, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1938emVol. V, n. 309.an>

    26>21< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1940emVol. VI, n. 21dan>

    27>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1940emVol. VI, n. 26dan>

    28>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1940emVol. VI, nn. 59-60.an>

    29>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1940emVol. VI, nn. 66-67.an>

    30>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1940emVol. VI, nn. 67-68.an>

    3">41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1940emVol. VI, n. 73.an>

    32>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1940emVol. VI, n. 87.an>

    21< n>f. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1940emVol. VI, n. 101dan>

    34>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, n. 44. VhavMcPhnisrn, JamfsdM.ida,

    35>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, nn. 49-50.an>

    36>21< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, nn. 75-76dan>

    37>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, nn. 88-89. VhavMcPhnisrn, JamfsdM.ida,

    38>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, nn. 89-90.an>

    39>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, n. 91. VhavMcPhnisrn, JamfsdM.ida,

    40>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, nn. 92-93. VhavMcPhnisrn, JamfsdM.ida,

    4">41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, nn. 101-102.an>

    42>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, nn. 104-105.an>

    4">21< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, n. 105.an>

    41< n>t">“16 de Maio de61862. – (..Nre a questdos Mexáfiue os Governos Inglez e Hespan questdoe de perfonucm aco,smEstimecu. ne cos outrt, egrai um mentp ia que o GoverFr frazejoutigeria execugnaçdo do sjouje facto u priuupezara, eritdos Mexáf,qio dovoiêo feno Archidus, qMaximilianfem>. a Inglaterrs ultre , nocem intereeto do sra s teuemde qu Mexáfise imsaá organlke custncUmio.rernode sae m fr frazce. Nea es a questãem co aon, si em ts,tra a Inglatersemrbretuo gesperceenmdeo e a des.an>

    Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, n. 130. VhavMcPhnisrn, JamfsdM.ida,

    45>41< n>t">“16 Jutrviio de61.55. Ss sobre a questdos Mexáf,qo, apesar ue os Governos Inglez e Hespan sr de harm sa septraos à Fran,tde parrmeit, qoa d’eesa seprvação nhe resunser ama coniminetda vita paralli Franara exreseno entse est eenlos Gover.Aà Franaas quirrmociaao la ia qastcs sude ousuNdosiententse canca nnarorndarresraeesscuias finõdrade expediçnosspellimiteitos Ce conosiçãr raapodo qal podrra tem a sdo serdqufossdu a vbrem lealrnidada para cáà Fran,ttaia que o Goveroa imiion o recone,qo, apesar do anr um iuidareenos eé fudaõ/rtanti6ar jorn es. O o Goveros Ingrrpoeonvea, neu egraatolhobtreaoaraçoáà Franans Mexáf,qeias mesfolga sern, qUll utontacu. demiem result,qeu,qo, seng valtiodaa paraà Fran,to ser aprovesutrte pacomo s teo brilinçan>

    Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, nn. 142-143.an>

    46>21< n>t">“16 de Outubro de61862. – (..As As palaiia qGladmers qal nuonunu nu. Um discuntu New-CasCastda icratpe indospediçfa fafrrivdue o GoverBrilináfid q o reconestiria independenara do nuema guerra entos FensidetenosCa ConfedUnidd dos Estados Unidos da-amer;ãombret,que o GoverBrilináf,o, apesap da sda grande for,tuposterida hoalicca em ts sude ousuNdosienãoseundododa ejr al podrrse carmoxultu iuidagen, po para evita imsibiivalidaio de uma gue Éêsace n, qUa entos dabinedeicca em Londrettezoe Pases sm diseesdostnoia qunoauto rraivamedos, quandem coes se o ser o reconestiria independenarasCa Confedgnaçdo do a O pupúbocemsassencddarvaztas manano Secvalidaia d’ee o reconhrlaments do Govero ejr-o,smEstas qho e ê-ltura cs gu Franemos aqta umje é uaradà queenas maimp, portõia que o GoverBrilináfioo tCono resUremos aqà questpod qsrecce considde da coà questem inia eiex iniaao. o, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, n. 161. VhavMcPhnisrn, JamfsdM.ida,

    47>41< n> Capenacocca eo Lavra, o, Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, n. 249.an>

    48>41< n> Cf. Portugal, Francisco de Almeida, Memórias do Conde do Lavradio..., Coimbra, Imprensa da Unisbilidad1943emVol. VIII, n. 260.an>

    Toptdo upágiic>41<