Navegação – Mapa do site
Interpretações

Formação e atitude humanista e cívica de um médico de Oeiras

Gilberto Monteiro
Humanist, Civic Education and Attitude in Gilberto Monteiro
Margarida Barahona Simões
p. 57-76

Resumos

Gilberto Monteiro foi médico municipal da freguesia de Carnaxide de 1921 a 1961, Chefe dos Serviços Clínicos da extinta fábrica dos Fermentos Holandeses (F.P.F.H.), sediada na Cruz Quebrada, de 1934 a 1962 e, durante a II Guerrra Mundial, exerceu no Hospital Militar de Belém, na qualidade de tenente médico miliciano. Amante do desporto e desportista, G. Monteiro foi um dos fundadores do Sport Algés e Dafundo (SAD), instituição onde, enquanto membro da sua primeira Comissão Cultural, criou a Biblioteca, organizou conferências, exposições e concertos e outras actividades culturais que ali atrairam figuras de relevo como Aquilino Ribeiro, Viana da Mota, Hernâni Cidade e Norton de Matos, entre outros. Se nas suas crónicas escritas para “O Fermento” deparamos com o G. Monteiro, historiador inconformado, que denuncia os constantes atentados à integridade histórica e patrimonial, no Esboço Histórico do Hospital Militar (1945) convivemos com um testemunho de vertical e desassombrada coragem cívica, denunciadora dos males de que padecia a medicina contemporânea. Finalmente, acompanhamos o esforço e as diligências que, numa linha de justiça, educação e melhoria da qualidade de vida das pessoas, G. Monteiro desenvolveu, em pleno Estado Novo, a fim de instituir na fábrica (FPFH) uma assistência médico-social moderna.

Topo da página

Texto integral

1A experiência intelectual de vultos significativos de uma dada geração pode ajudar a compreender o ambiente em que as ideias, as mentalidades e as sensibilidades surgem e se reproduzem. Por isso, o que se vai ler é a reconstituição da trajectória de um médico num determinado meio para cuja dinamização contribuiu. Não nos interessou o estudo dum percurso de vida porque fosse paradigmático mas porque, obviamente, é valioso para a compreensão de vivências de um espaço e tempo concretos: Oeiras, mais precisamente Algés e Cruz Quebrada, entre 1920 e 1960.

2Entenda-se este estudo como uma incursão no terreno da micro-história direccionado para a história das ideias ou da história cultural, tendo como certo que a perspectiva micro envolve um problema e/ou um tema macro.

  • 1 José Esteves Pereira, Sobre a História das Ideias. Intervenções. Recensões (1982-1988), Lisboa, C (...)

3As narrativas podem ser significativas sem serem grandiosas ou absolutamente determinantes. Contudo, a abordagem interrogante inerente à história das ideias desvela necessariamente novos sentidos e expressões porque “o engenho reconstrutivo, o que na verdade interessa é que a dimensão puramente quantitativista de informação se transforme em estruturação qualitativa e significante”1.

4Deste modo, não apresentamos o facto bruto do documento mas a descrição pontual e sublinhada de percepções e opiniões que encontram receptores identificados com as atitudes de um tipo de médico intelectual e participante numa dada comunidade.

  • 2 Entrevista de Marieta de Moraes Ferreira com Jacques Revel, Paris, Fevereiro de 1997, http://www. (...)

5Igualmente, recorremos à análise intensiva do que Jacques Revel designa por “pequenos objectos”, “micro-universos”. É que a articulação destes com a realidade “macro” tem um poder de explicitação verdadeiramente revelador2.

  • 3 Manoel Luiz Salgado Guimarães, “Resenhas. Micro-história: reconstruindo o campo de possibilidades (...)

6Pense-se no caso a que alude Giovanni Levi – o advento do Estado moderno –, que, ao ser tratado a partir da perspectiva micro, mostra uma pluralidade de possibilidades e realizações históricas, diversas entre si, e cuja explicação exige a análise mais refinada dos contextos da sua emergência em diferentes lugares e situações. Assim sendo, o contexto em micro-história “é sempre e necessariamente diverso e o lugar de um jogo relacional onde a acção dos sujeitos históricos efectivos, agindo, é capaz de definir soluções e propor encaminhamentos que a priori não estariam dados”3.

  • 4 Giovanni Levi, “Comportamentos, recursos, processos: Antes da revolução do consumo” in Jacques Re (...)

7Por isso, diz-nos G. Levi, “a escala não é um dado preestabelecido mas resulta de uma escolha estratégica que envolve a própria significação da pesquisa: o que vemos é aquilo que escolhemos fazer ver”4.

  • 5 Giovanni Levi “Sobre a micro-história”, in Peter Burke A Escrita da História: Novas perspectivas, (...)

8Para tal viajemos até Oeiras, a máquina fotográfica preparada, sem perder de vista a paisagem, façamos um zoom5:

9Começo pelo mais próximo em eco de memória.

  • 6 Petição endereçada à Câmara, de 12 de Abril de 1990, Arquivo familiar.

10Foi em Setembro de 1991. No ano anterior, alguns “antigos doentes e todos amigos e grandes admiradores”6 de Gilberto Monteiro subscreveram a petição, que foi dirigida ao presidente da Câmara Municipal de Oeiras, propondo a atribuição do seu nome a uma rua da freguesia de Carnaxide. No seu entender, o exemplo que nos deixou como médico, desportista, escritor, conferencista, justificava a consagração toponímica.

  • 7 Ibidem.

11Realçavam ainda a “sua vida multifacetada e rica pois foram vários os campos em que mostrou todo o seu interesse de servir o próximo. De espírito altruísta com os menos favorecidos pela sorte, foi médico dedicado e conhecido pelo seu carácter impoluto”7.

  • 8 Carta manuscrita de Carlos Alberto Airoso Neves, de Algés, 28 de Setembro de 1991 endereçada à se (...)

12E, em carta endereçada à viúva de Gilberto Monteiro, Carlos Neves, que a assina, para além dos aspectos indicados na petição, considera, acima de tudo, “o amigo de todos os que tiveram a felicidade de o conhecer”8.

  • 9 Acta da Reunião Ordinária realizada em 17 de Abril de 1991, Arquivo familiar.

13A Câmara deliberou atribuir o seu nome ao arruamento, então ainda sem nome, na Cruz Quebrada, com início na Rua Policarpo Anjos e sem saída9.

14Quem desconhecer as ligações de Gilberto Monteiro à Cruz Quebrada perguntar-se-á porquê uma rua neste sítio. E quem ignorar o teor das relações que ele estabeleceu com esse lugar dirá não ter sido uma rua que lhe atribuíram mas um simples e esconso beco à beira do rio Jamor.

  • 10 O Sítio da Cruz Quebrada. Nótulas de Micro-História, Cruz Quebrada, Sep. de O Fermento, 1963.
  • 11 Em 1930, constituiu-se, em Portugal, a sociedade Fábrica Portuguesa de Fermentos Holandeses, Lda, (...)

15Antes de mais, refira-se que Gilberto Monteiro escreveu um livro intitulado O Sítio da Cruz Quebrada. Nótulas de Micro-História10, que se tornou raro na medida exacta em que foi apropriado por um interesse forte de identidade e de recuperação de vivências locais e pessoais. Esse livro reúne artigos, nótulas e crónicas que o autor escreveu, durante dez anos, para O Fermento, jornal do pessoal da Fábrica Portuguesa de Fermentos Holandeses (FPFH)11 que se situava na Cruz Quebrada. É que enquanto médico, Gilberto Monteiro foi chefe dos Serviços Clínicos da fábrica e, em 1963, a Direcção desta patrocinou a edição do referido volume.

16Para melhor se aquilatar a oportunidade daquela edição, oiçamos o que, sobre a obra, alguns escreveram a Gilberto Monteiro:

17Depois de agradecer o livro que Gilberto Monteiro amavelmente lhe deixara no “Algés e Dafundo”, João Xavier Morato, seu amigo, confessando o alvoroço de menino com que o leu e saboreou, escreveu-lhe dizendo:

  • 12 Carta de João Xavier Morato, de Algés, 27 de Maio de 1955, Arquivo familiar.

“Graças ao vosso magnífico poder de evocação, lá andei em companhia de tão esclarecedor cicerone, a calcorrear pelos sítios da Cruz Quebrada de antanho, sentindo também aquela garrettiana dolência que o reviver de antigos quadros provoca em nós, sentimentalões dos quatro costados. Os homens do cimento armado dirão que este enternecido deambular pelo passado é uma pieguice. Eu chamo a esta reanimação de figuras e locais já desaparecidos, reverência e respeito pela memória de quem nos antecedeu [...]”12.

  • 13 Carta de Maria Helena, da Cabeça Gorda – Beja, 23 de Maio de 1965, Arquivo familiar.
  • 14 Carta de Francisco da Cunha Rosa, Gabinete de Estudo das Pescas, 31 de Maio de 1967, Arquivo fami (...)

18Para muitos “sentimentalões”, como Xavier Morato, o livro proporcionou o sonho de reviver momentos do passado. É nesse sentido que se manifesta uma leitora que lhe escreve, confessando que “[...] há ali coisas que me fazem recordar muito da minha vida por aquelas paragens, sem querer até me vieram as lágrimas aos olhos [...]”13. Mas também facultou a possibilidade de evasão e o cimentar da amizade, como se patenteia neste desabafo de um amigo: “[...] sabe o que lhe digo, meu caro Dr., assim, muito simplesmente, muito à portuguesa? Felizes os que sabem evadir-se das coisas comezinhas da vida e enchem o espírito com algo que fica, e é presente de valia para filhos e netos!”14.

19A fonte histórica que a monografia permite também é sinal de construção e evidenciação de uma sociabilidade própria. Por vezes invocamos a necessidade política da proximidade sem aprofundar os conteúdos que a tornam possível.

  • 15 Carta de F. Cortez Pinto, médico, Lisboa, 25 de Janeiro de 1965, Arquivo familiar.
  • 16 Carta de Carlos Lemonde de Macedo, Lisboa, Fevereiro de 1965, Arquivo familiar.

20Deste modo, outros, que naturalmente não eram alheios a tais sentimentos, declaravam-lhe que “livros como o seu são indispensáveis a quem quiser, mais tarde, reconstituir a história do País. É o somatório dos escritos sobre coisas locais que constitui um manancial que serve os historiadores para desenvolver qualquer assunto”15. E consideravam serem “trabalhos estes como o teu, que eu considero indispensáveis para a sobrevivência histórica e emocional de locais e personagens, que, sem isso, se perderiam no anonimato”. “Todo o livro está impregnado de amorosas vivências e reminiscências. É um trabalho de investigação escrito com alma de artista enamorado da terra-corpo, cujos contornos tão bem conhece e descreve com segurança.”16

21Mais esclarecedoras, para responder à questão acima levantada – e relembramos, porquê a atribuição do seu nome a uma rua na Cruz Quebrada –, parecem-me as palavras de Alves Morgado no Prefácio do livro:

  • 17 Alves Morgado, “Prefácio”, in O Sítio da Cruz Quebrada, cit., p. 12.

“G. Monteiro não é apenas o erudito que busca e rebusca nos arquivos e bibliotecas factos e figuras inteiramente ignorados das gerações actuais; não é apenas o investigador que exuma do passado, remoto e próximo, o ‘como’ e o ‘porquê’ das coisas, sabendo reconstituir uma época e reconstruir uma povoação na traça primitiva, é também a voz que se levanta para defender pergaminhos ofendidos e condenar atentados contra as tradições históricas, atentados cometidos em nome de um progresso urbanístico que apenas dissimula, muitas vezes, a ambição materialista do lucro, característica predominante dos dias que passam”17.

  • 18 Júlio Conrado, “Breves considerações sobre o livro «O sítio da Cruz Quebrada – Nótulas de Micro-H (...)

22Não é por acaso que Júlio Conrado, jornalista do Costa do Sol a quem calhou receber o livro para crítica, embora confessando haver no jornal pessoas mais abalizadas para desempenhar essa função, não resistiu e se abalançou a escrever sobre a obra “algumas naturalmente superficiais, mas, em todo o caso, bem intencionadas, considerações”18. Compreendo a tentação.

  • 19 Carta de Fernando de Oliveira, Amadora, 29 de Junho de 1965, Arquivo familiar.
  • 20 Carta de Carlos Coimbra, de 22 de Julho de 1965, Arquivo familiar.

23Na mesma altura, um cruz-quebradense escreveu a Gilberto Monteiro solicitando-lhe o livro. Vira-o em casa do pai, que era empregado na fábrica, mas a quem nem se atreveu a pedir-lho, pois “o orgulho que meu Pai manifestava pela posse daquele documento não me permitiu solicitar-lhe a sua cedência que de antemão sabia votada ao insucesso”19. Para evitar incómodos, sugeria-lhe o remetente que fizesse do pai portador e agradecia-lhe “por ter feito luz em todos os espíritos cruz-quebradenses”. E um amigo confessou-lhe ter receio de que o trabalho não fosse compreendido, porque dizia “avaliar o que representa tirar ex-nihilo uma monografia tão completa como a que é oferecida aos curiosos exige sensibilidade fora do vulgar; os poucos que tiverem essa sensibilidade ficar-lhe-ão gratíssimos”20.

  • 21 Margarida Barahona Simões, “Gilberto Monteiro – Paradigma e construtor de memória identitária”, i (...)

24Por que é que, afinal, foi atribuído o nome de Gilberto Monteiro a um beco da Cruz Quebrada? Por tudo isto que acabámos de dizer. Porque, como já referi em outro artigo, nas suas crónicas, coligidas no livro O Sítio da Cruz Quebrada. Nótulas de micro-história “divulgou histórias e memórias, denunciou atentados ao património e defendeu – antes do tempo – estratégias essenciais para a salvaguarda de património intangível. Compreendendo bem que a história não é só o que se arquiva mas o que, afinal, fica, G. Monteiro foi acima de tudo um construtor de memória e constituiu-se numa referência identitária”21. Neste caso, da história e património da Cruz Quebrada, Algés e Dafundo.

25Não sendo, por formação, historiador, G. Monteiro manuseou tão bem as fontes e os testemunhos orais que, ainda hoje, para fazer a História daqueles locais, é forçoso consultar a sua obra.

26Em Algés, onde, afinal, viveu quase toda a vida, foi sócio do Sport Algés e Dafundo, fundador e ideólogo da sua 1.ª Comissão Cultural (1936), organizador da biblioteca e um dos mais dinâmicos promotores das actividades culturais e desportivas daquela instituição.

  • 22 Ofício da Câmara Municipal de Oeiras, n.º 15 330/66, de 27 de Maio de 1966, por ocasião das comem (...)

27Contudo, Gilberto Monteiro foi, acima de tudo, médico municipal da Freguesia de Carnaxide, durante quarenta anos, até 1961, sendo condecorado com a Medalha de Bons Serviços pela Câmara de Oeiras, em 196622. Gilberto Monteiro foi médico e foi historiador e estas duas facetas não podem dissociar-se uma da outra.

  • 23 Agradeço as informações e a amabilidade do Engenheiro José Maria Santos, que realizou o trabalho (...)
  • 24 Gilberto Monteiro, Encontro de Antigos Condíscipulos, Separata de Fermentos, Cruz Quebrada, 1966.

28Na verdade, Gilberto Monteiro nasceu, por mero acaso, em Runa, concelho de Torres Vedras, a 22 de Fevereiro de 1892. Toda a sua família da parte do pai era de Lisboa, de que se possa atestar, desde, pelo menos, o século XVIII. O seu pai, Augusto César da Costa Monteiro, era então sargento da administração militar e, quando o filho nasceu, encontrava-se em comissão na Quinta de Alcobaça, em Runa, no Hospital/Asilo dos Inválidos de Guerra, criado pela princesa D. Maria Francisca Benedita, filha de D. José23. Por razões desconhecidas, vieram logo depois viver para Pedrouços. Gilberto Monteiro estudou, assim, na Escola Rodrigues Sampaio e frequentou o liceu da Lapa, depois Pedro Nunes24.

29Na sua vida profissional, G. Monteiro foi o que chamavam facultativo municipal da Freguesia de Carnaxide, o que, traduzido em miúdos, significa que foi médico dos pobres.

  • 25 As Escolas Médico-Cirúrgicas, que foram criadas por decreto de 29 de Dezembro de 1836, de Manuel (...)
  • 26 Luís Graça, “Os conceitos do moderno sanitarismo”, in História da Saúde no Trabalho: 2.1 A reform (...)
  • 27 Jacinto Simões, “No centenário de Ricardo Jorge (1) O homem e a obra”, in Seara Nova, 1958, p. 14 (...)
  • 28 Idem, ibidem.
  • 29 Luís Graça, ibidem, texto 16, p. 3.

30É que ele já estudou na recém-criada Faculdade de Medicina de Lisboa que, só com o advento da República, em 1911, veio substituir a Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa25. Formado em 1921, “especializou-se”, isto é, frequentou os cursos de pós-graduação de Higiene, Hidrologia e Climatologia. Explicitando melhor, vivia-se, naquela altura, os efeitos da reforma sanitária de 1899-1901. Esta reforma, protagonizada por Ricardo Jorge, então nomeado inspector-geral dos Serviços Sanitários, conduziu à criação da Direcção-Geral de Saúde e Beneficiência Pública e do Instituto Superior de Higiene, “que iriam desempenhar um importante papel na educação, formação e investigação em saúde pública”26. E a instituição de tais organismos só foi possível graças à tenacidade de Ricardo Jorge e à projecção que auferiu com as conferências proferidas, em 1884, no Porto. Increpando o estado dos serviços de saúde pública, propôs “às autoridades as eleições, aos higienistas a saúde pública. Cuidem eles com afinco da máquina eleitoral e deixem a quem de direito cabe o cuidado pela higiene nacional”27. No projecto de Ricardo Jorge já se inscrevia a formação de especialistas em saúde pública e higiene. Por isso, na mesma altura proclamou a “Instituição obrigatória de ‘curriculum’ de sanitarista e escolha baseada em competência”28. Com efeito, o Regulamento Geral dos Serviços de Saúde e Beneficência Pública, de 24 de Dezembro de 1901, redigido por R. Jorge, tinha como preocupação essencial a protecção e a melhoria da saúde comunitária. O artigo 10.º do dito regulamento determinava que os serviços de saúde pública tinham por fim “vigiar e estudar quanto diz respeito à sanidade pública, à higiene social e à vida física da população”29.

  • 30 30 Idem, ibidem, p. 5. Com efeito, “é sobretudo no facultativo, considerado o primeiro funcionário (...)

31A nível distrital e concelhio estabeleceu-se, respectivamente, o delegado de saúde, “médico com formação em saúde pública que tinha a direcção técnica dos serviços sanitários do distrito, e o subdelegado de saúde, cargo desempenhado pelo facultativo municipal, a quem competia a assistência médico-cirúrgica da respectiva população. Todas as Câmaras, excepto a de Lisboa e Porto, deviam ter, pelo menos, um facultativo de partido a quem competia a assistência médico-cirúrgica da respectiva população”30.

  • 31 Cf. “Partido”, in Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol. XX, Lisboa/Rio de Janeiro, Ed (...)

32G. Monteiro era então facultativo municipal; mais precisamente, facultativo de partido da freguesia de Carnaxide. Esta designação “partido” dizia respeito à parte do município a que estava adstrito. Assim, enquanto médico de partido, ele era remunerado pelo Município e encarregado dos assuntos respeitantes à higiene, profilaxia e assistência aos doentes pobres31.

33Por isso, G. Monteiro conheceu muitas pessoas, dos mais ricos aos mais pobres, e pôde, naquela intimidade que só esta árdua profissão permite, observar de perto os mais díspares problemas.

34Gilberto Monteiro foi facultativo de partido da freguesia de Carnaxide de 1921 a 1961, chefe dos Serviços Clínicos da FPFH de 1934 a 1962 e, durante a II Guerrra Mundial, exerceu no Hospital Militar de Belém, na qualidade de tenente médico miliciano.

  • 32 Jacinto Simões, art. cit., p. 149.
  • 33 Cf. Valentino Viegas, João Frada, José Pereira Miguel, A Direcção-Geral da Saúde. Notas histórica (...)
  • 34 Ibidem, p. 40.

35Teve serviço e experiência suficientes para compreender o desânimo que, já em 1923, Ricardo Jorge sentia, quando dizia: “tudo concorreu para desmorecer essa funcionalidade bem auspiciada – mau espírito político e até mau espírito médico. Depois de tanto apuro e de tanto trabalho desbaratado, o balanço é desanimador”32. Já em 1918, se reconhecia, pela falta de condições higiénicas predominante nas grandes cidades e as ínfimas somas consignadas nos diversos orçamentos para a higiene pública, que se haviam gorado os principais objectivos da reforma de 1910 e uma nova reforma nos serviços de saúde se impunha33. De alguma maneira a criação pela Sociedade das Nações de uma organização internacional permanente de saúde, além da criação, em Paris, de um protocolo que impunha deveres às potências aderentes, obrigava Portugal a empenhar-se no fomento progressivo da higiene. Mas, por essa altura, ainda Ricardo Jorge pugnava para que os governantes cedessem instalações condignas para alojar a Direcção-Geral de Saúde34.

  • 35 F. S. Correia, A Vida, a Obra , o Estilo, as Lições e o Prestígio de Ricardo Jorge, Instituto Sup (...)

36E a situação só se agravou: em 1928, discursando na misericórdia de Tomar, perante o Presidente da República, general Carmona, Ricardo Jorge deplorava o facto de entre nós se “consagrarem cerca de 4400 contos para um total de despesas gerais de todo o orçamento que montam a perto de 2 000 000 contos; a proporção é exactamente de 23 centésimas por cento – eis o quinhão da higiene. E note-se que as receitas sanitárias vão a perto de metade da verba. Ora os sanitaristas calculam que a cota normal deve ser de 2% a 3%, quer dizer, no nosso caso 10 vezes mais”35.

  • 36 Gilberto Monteiro, Esboço Histórico do Hospital Militar de Belém, por Gilberto Monteiro Tenente M (...)

37Curiosamente, foi o mesmo Gilberto Monteiro, historiador inconformado, quem denunciou os constantes atentados à integridade histórica e patrimonial, nas crónicas escritas para “O Fermento”. A convite do director do Hospital Militar de Belém, traçou o Esboço Histórico do Hospital Militar36, que começa com este aviso:

  • 37 Idem, p. 3.
  • 38 Esboço Historico do Hospital Militar de Belém, manuscrito dactilografado que foi lido na sessão d (...)

A concepção da História tem que estar intrinsecamente ligada à da verdade e esta é bem contingente, desde que não a reconheçamos com documentos ou quaisquer provas convincentes.
Na investigação, na consulta de fontes, na interpretação, como nos raciocínios dedutivos, tem que haver análise calma e fria para que se possa anular quanto possível a tendência natural para tomar como boas as conclusões que a tradição tenha previamente perfilhado37.
Foi, sem dúvida, a convicção no poder de análise para alterar o que erradamente estava estabelecido que lhe permitiu, por ocasião do 1.º aniversário da Direcção do Hospital Militar de Belém, a 13 de Março de 1945, ter a ousadia de corresponder ao desafio de apresentar o referido trabalho (a primeira abordagem histórica efectuada sobre o estabelecimento) e dirigir-se, no final, ao director:
O Colega de V. Ex.ª que sou, compreende, como todos os presentes, quanto de sacrifício inglório representa dirigir uma instituição hospitalar como a nossa, onde as dificuldades vão desde a instalação defeituosa à incultura do pessoal, desde a inoportunidade dos regulamentos à indiferença dos governantes, desde a falta do essencial à abundância da inércia oficial.38

38Pela conjugação de fontes escritas, testemunhos orais e investigação e análise exaustivas, G. Monteiro relatou factos importantes da história do hospital. Elucidou e esclareceu questões que ensombravam uma correcta interpretação da história daquela instituição. Como exemplo, podemos apontar a errada leitura que os números de ferro da grade, que constituía a bandeira da porta de entrada do edifício, levavam a considerar a fundação do hospital em 1892. É que, utilizando o testemunho oral do seu primeiro director e os livros coevos de escrituração, G. Monteiro corrigiu a tradicional data de ocupação do edifício conventual para 1890. Com interesse, seguimos as transformações que o edifício foi sofrendo, a partir das obras efectuadas em 1892, as vicissitudes e alguns momentos de glória no exercício da medicina ali desenvolvido.

  • 39 Gilberto Monteiro, Esboço Histórico do Hospital Militar de Belém, por Gilberto Monteiro Tenente M (...)

39Por ele ficamos a saber que só em 1941, no serviço de Tisiologia, por proposta do director, foi adquirido um aparelho de radioscopia e reparado e posto a funcionar um antigo aparelho de Küss, ambos os equipamentos indispensáveis no tratamento da tuberculose. Por isso, em abono da verdade, Gilberto Monteiro não pôde deixar de concluir que, “dada a importância que tem o pneumotorax no tratamento da tuberculose, temos de convir que foi a Direcção do hospital, referida, que criou o Serviço de Tuberculose no Hospital Militar Principal”39. Na verdade, foram o esforço e o empenhamento de alguns directores que melhoraram as condições do hospital, não obstante a inércia reinante:

  • 40 Ibidem, p. 42.

Como já dissémos, tem este Hospital uma razoável instalação de radioscopia indispensável ao serviço de tisiologia, mas pena é que não possua também uma radiografia, independente. Tem ainda, um velho aparelho de radiações ultra-violetas, que serve devido à boa vontade e habilidade pessoal. [...] As enfermarias não têm calefacção, exceptuando a de tisiologia, o que é sobretudo anacrónico, para não dizermos desumano. As instalações continuam a sofrer do mal inicial agravado com as exigências da actualidade científica; dimensões exíguas, má disposição topográfica, imperfeitos arejamento e iluminação, falta de alojamentos para o pessoal, etc. [...] Quão deficientes são as instalações e quão diminuto é o número de enfermeiros, ajudantes, vigilantes e mais pessoal para o serviço dos doentes, que têm que se sacrificar para suprir o que lhes falta em preparação técnica [...].40

40Há que recordar que só em 1950, pela Lei n.º 2044, de 20 de Julho, saiu o diploma que consignava prioritária a luta contra a tuberculose.

41E, mais uma vez, é da História que Gilberto Monteiro se serve para advertir contra os males de que padecia a medicina contemporânea. Vale a pena ouvi-lo:

  • 41 Ibidem, p. 44.

A História é a melhor mestra dos sociólogos. Este «esboço» cita o suficiente para se conhecerem os erros, as suas causas e consequências. Eliminem-se aqueles e evitar-se-ão estas41.

42Que causas?

  • 42 Ibidem, p. 44.

O desprezo pelo problema da Assistência, as delongas nas resoluções, o desrespeito pela missão médica, a inconsideração pelos técnicos, o desdém pelo aspecto humanitário e toda a complicada engrenagem oligárquica que impende sobre a Instituição Hospitalar e sobre a sua função social [...]. Mas o mal vem de longe, a probidade dos que superintendem está cativa dos regulamentos e das suas leis [...]. Uns mais outros menos [...] pedindo e requisitando sem convicção pelas vias competentes tudo que era mais indispensável para o serviço, esmolando o que lhe era devido [...]42.

43Que consequências?

  • 43 Ibidem, p. 43.

A História do Hospital propriamente dito, é uma sucessão de situações difíceis, de aspectos sombrios, algumas linhas gerais de biografias e de atitudes esbatidas num ambiente borrascoso da vida nacional, onde a acção é continuamente anulada pela incompreensão e pela negligência, justificada pelas secretarias, pelas tesourarias e pela rotina. A falsa economia, os orçamentos diminutos, as verbas esgotadas, as obras começadas e não acabadas, planos incompletos, mal gizados e sem conjunto, as vistas curtas, as imprevidências, os horizontes acanhados estão em harmonia com a subserviência dos homens a princípios onde o comodismo está a coberto da disciplina e da honorabilidade43.

44Estamos em 1945/46. E temos presente um testemunho de vertical e desassombrada coragem cívica, denunciadora de anomalias perante os responsáveis máximos do sector.

  • 44 Segundo me contou minha mãe e confirmou meu tio Mário. Sobre o empenhamento e entusiasmo de G. Mo (...)

45Por essa época, já Gilberto Monteiro organizara consultas clínicas nos Bombeiros Voluntários de Algés e, segundo me disseram, resolvera dar cursos de higiene e contracepção às algesinas, atraindo com isso a incompreensão de seus maridos. Para desanuviar o mal-estar, ministrou-lhes, então, algumas “dicas” para elas mais facilmente os enfrentarem44.

46É nesta linha de justiça, educação e melhoria da qualidade de vida das pessoas que o encontramos na chefia dos serviços clínicos da FPFH, na Cruz Quebrada – facto insignificante, imperceptível quando inserido num contexto mais amplo, macro-histórico.

  • 45 Cf. António Santos Luís, “Previdência”, in Dicionário de História de Portugal, Supl. 9, coord. po (...)

47Estamos em pleno Estado Novo. A organização da previdência, integrada no regime corporativo, iniciou-se com a criação do Subsecretariado de Estado das Corporações e Previdência Social que tutelou o Instituto Nacional do Trabalho e Previdência, criado a 23/9/1933. Este Instituto visava orientar, coordenar e fiscalizar o sistema, em substituição do Instituto de Seguros Sociais Obrigatórios e de Previdência, extinto nessa data. Em Setembro de 1933 foi aprovado o Estatuto do Trabalho Nacional, que constituiu a base da política social adoptada nas quatro décadas seguintes45.

  • 46 Cf. Manuel de Lucena, “Previdência Social”, in Dicionário de História de Portugal, Supl. 9, coord (...)

48Pedro Teotónio Pereira, primeiro subsecretário de Estado das Corporações e Previdência Social e principal ideólogo corporativista, considerava que a previdência não devia ser obra de um Estado providencial. Aliás, condenava, nas democracias parlamentares, os seguros de desemprego, que só criavam legiões de desempregados profissionais, o seguro de doença, que veio diminuir em muita gente o desejo de ter saúde, e o seguro na velhice, que concorreu para relaxar os instintos individuais de economia. Deste modo a obra previdencial do Estado só poderia ser a de uma previdência de previdentes, e não de assistidos por um Estado providencial. Por isso, o Estado acompanhará a prática, imporá estatutos dirigentes e os esquemas das acções gerais, sempre subordinado ao princípio de que o económico não se sacrificará ao social46.

49É sintomática a afinidade dos princípios de Pedro Teotónio Pereira com os de Salazar. Em entrevista a António Ferro, em 1933, e à pergunta sobre o problema urgente do desemprego, Salazar respondeu:

  • 47 Entrevistas de António Ferro a Salazar, Parceria A. M. Pereira, Lisboa, 2003, p. 62.

“O que lhe posso garantir é que a nossa experiência é a mais inteligente, a mais original que se tem feito. O subsídio sem o trabalho compensador desmoraliza os indivíduos, torna-os indolentes, comodistas, completamente inúteis à vida duma sociedade. O subsídio a troco de trabalho, pelo contrário, não desabitua os homens da sua função natural dentro da vida e enriquece o País com o acabamento e a iniciação de obras públicas que são de utilidade para todos”47.

50A 23 Setembro de 1933 foram promulgados decretos de criação de grémios, sindicatos, casas do povo e caixas económicas.

  • 48 António Santos Luís, “Previdência”, in Dicionário de História de Portugal, p. 149.

51Segundo o jurista António Santos Luís, “pelo § 41 da Constituição de 33, o Estado devia promover e favorecer instituições de solidariedade, previdência, cooperação e mutualidade. A responsabilidade do Estado não incluía a obrigação de constituir um sistema de previdência nem tão-pouco o seu financiamento, mas, apenas, de implementar instituições para realização dos correspondentes objectivos de política social. [...] O Estatuto do Trabalho Nacional preconizava uma mera realização progressiva dos fins da previdência, entregando a criação das Instituições de Previdência à iniciativa dos empregadores e trabalhadores pelo que vieram a resultar soluções diferenciadas em função das capacidades económicas das empresas ou dos sectores de actividade”48.

  • 49 Cf. Fernando Rosas, “A Indústria Nacional”, in História de Portugal, dir. de José Mattoso, VII vo (...)

52Dentro desta óptica, o Estado Novo aprovou o Regime Geral de Previdência em 16 de Março de 1935, pela Lei n.º 1884, que estipulou que a criação de caixas sindicais de previdência dependia da “vontade dos interessados”, isto é, da celebração de contratos colectivos de trabalho. O certo é que o patronato opunha-se à sua assinatura, e entre 1934 e 1939 apenas se celebraram 91 convenções que abrangiam grupos profissionais muito restritos e de âmbito distrital ou regional49.

  • 50 Fernando Rosas, “A Indústria Nacional”, in História de Portugal, cit., pp. 98-99.

53Sobre o verdadeiro alcance desta lei, oiçamos Fernando Rosas: “a criação das caixas sindicais de previdência dependia da ‘vontade dos interessados’, ou seja, da celebração de contratos colectivos de trabalho, e o patronato opunha-se denodadamente, já o vimos, à sua assinatura. [...] Na realidade, até ao fim da guerra, a grande maioria do operariado não está abrangida por qualquer esquema público de previdência: seriam 120 000 os trabalhadores beneficiários em 1942 e estes só gozavam de auxílio obrigatório na doença e na invalidez. Não há, como regime geral, pensões de sobrevivência, de desemprego, assistência clínica ou médica completa ou assistência materno-infantil, ainda que algumas grandes empresas as concedessem. Para o geral dos trabalhadores portugueses desse tempo, o desemprego, a doença prolongada ou a velhice significavam fome e miséria”50.

  • 51 Cf. Carlos Farinha Rodrigues, “Assistência Social”, in Dicionário de História do Estado Novo, dir (...)

54Aliás, o documento principal de referência legislativa é o Estatuto da Assistência Social (Lei n.º 1998, de 15/5/1944), que reafirma aquela orientação fundamental do regime, ao declarar o carácter supletivo do Estado na assistência social, uma vez que era às instituições privadas que cabia desenvolver a assistência. Orientada, preferencialmente, para as famílias e não para o indivíduo, a assistência vinha complementar o sistema de previdência, de modo a proteger a população que não era abrangida pelos esquemas de previdência obrigatórios. Em 1945 saiu o regulamento do Estatuto que reorganiza os serviços públicos de assistência social, coordenados pela Direccção-Geral de Assistência, dependente do Ministério do Interior51.

  • 52 Henrique Medina Carreira, As Políticas Sociais em Portugal, Gradiva, Lisboa, 1996, p. 122.
  • 53 Manuel de Lucena, “Previdência Social”, in Dicionário de História de Portugal, cit., p. 159.

55O sistema melhora, em 1946, com a promulgação das bases para a organização hospitalar (Lei n.º 2011 de 2 de Abril) e a constituição formal da Federação das Caixas de Previdência (D.-L. 35.611 de 25 de Abril) para apoiar caixas federadas, ainda que segundo o modelo corporativo. Utilizando as palavras de Medina Carreira, a Federação “permitiu a expansão dos serviços médico-sociais à margem dos serviços assistenciais e ‘policiais’ de saúde de Estado”52. Contudo, só em 1950 se regulamentou a assistência medicamentosa, embora condicionada às disponibilidades financeiras das instituições e sem abranger familiares. Igualmente se alargou a extensão da assistência médica aos serviços especializados53.

  • 54 Manuel de Lucena, “Previdência Social”, ibidem, p. 160.

56Mas no geral, porque o financiamento das caixas sindicais e caixas de reforma advinha das contribuições das entidades patronais e dos trabalhadores, sem qualquer apoio financeiro do Estado, os montantes eram muito reduzidos, dado que algumas caixas não tinham mais de dez ou quinze anos e as prestações eram baixas. E isto em 1963! Sobre a política previdente e de contenção salazarista, ponderem-se as palavras de Manuel de Lucena: “as suas realizações oscilavam quase sempre entre a pobreza e uma menos do que franciscana miséria; para já não falar dos casos de pura e simples ausência, deixando pessoas desprotegidas (por exemplo, cerca de 90% dos independentes e cerca de 80% dos rurais) bem como as eventualidades por cobrir: desemprego, maternidade, sobrevivência. No entanto, a Previdência era escandalosamente rica, muito rica mesmo, graças à intensa capitalização, [...] a imponente progressão registada na constituição de reservas, bem como a aquisição de títulos do Estado e de acções e obrigações de empresas; por outro lado, a modéstia dos aumentos nas despesas (assistência, obras sociais e culturais, construção de habitações económicas) directamente relacionadas com os fins próprios das caixas”54.

57É esta a situação que se vivia no país, quando encontramos Gilberto Monteiro nos serviços clínicos da Fábrica Portuguesa de Fermentos Holandeses.

  • 55 Documento da Fábrica Portuguesa dos Fermentos Holandeses, doc. FPFH 4, de 4 de Julho de 1949, Arq (...)

58E é com o ensejo de colmatar as lacunas do insuficiente sistema que, a 4 de Julho de 1949, a Direcção da FPFH pediu a G. Monteiro o “favor de nos dizer que espécie de análises, radiografias, etc. se deveriam fazer para”, na Fábrica, realizarem inspecções médicas mais rigorosas e melhor controlarem o nível de saúde dos trabalhadores. Pediam-lhe, ainda, que os informasse acerca de “qual o s/ custo aproximado”55.

  • 56 Documento da Fábrica Portuguesa dos Fermentos Holandes doc. FPFH 5, s/ d. Arquivo familiar. Carta (...)

59Embora sem data, entre os documentos do médico encontra-se uma carta que, seguramente, se relaciona com a anterior. Nesta carta G. Monteiro explicita os diferentes critérios a que se devem sujeitar as inspecções, segundo a missão a que se destinam os empregados e os operários, e precisa: “Nos operários, nestes sobretudo, dada a dureza de alguns serviços, há que ter critérios diferentes, segundo se trata de um motorista ou de um servente, dum mestre especializado ou de um aprendiz, dum operário da laboração de massas ou dum fogueiro”56.

  • 57 Doc. FPFH 5, p. 1.

60Sensível aos reais problemas humanos e sociais do pessoal da fábrica, G. Monteiro acautela a Direcção da mesma para o facto de que “as condições físicas, boa saúde, força e até a idade são garantia da persistência e da perfeição no trabalho, que deve ser compatível com essas condições”57.

  • 58 Idem, ibidem.

61Cônscio de que na sua missão de chefe clínico estava implícita a dedicação e o respeito pela dignidade humana, G. Monteiro considera ter de se ponderar ”ainda que não seja das atribuições do médico, a distância das suas habitações à Fábrica, o que, em casos que eu conheço, os obriga a grande esforço em tempo e marcha, o que lhes provoca um deficit físico permanente, em prejuízo da produção de trabalho”58.

  • 59 Petição endereçada à Câmara, de 12 de Abril de 1990, p. 1, Arquivo familiar.

62E é a sensibilidade do “espírito altruísta com os menos favorecidos pela sorte”59 que ditou esta advertência:

  • 60 FPFH 5, p. 1.

Não é de menor importância a sua [dos operários e empregados] vida particular, outro ponto de vista que aparentemente não é médico, mas a que eu ligo grande importância, visto que, apurado no que diz respeito à falta de repouso em casa, nos costumes alcoólicos e mesmo na aplicação a outras actividades profissionais e quási sempre nocturnas, põem o operário em condições de inferioridade para o trabalho na Fábrica60.

  • 61 Fernando Rosas, “A Indústria Nacional”, in História de Portugal, dir. de José Mattoso, sétimo vol (...)

63Não é despiciendo recordar que, nas décadas de 30 e 40, o aumento da população operária e trabalhadora levou a que “em Alcântara ou Santo Amaro, na zona ocidental, ou particularmente em Alfama, parte da Graça, Marvila, Beato, Chelas, Xabregas, mora-se nos ‘pátios’, nas barracas, que já abundam, para não falarmos nas furnas de Monsanto. Como referia um vereador do município, há em Lisboa dezenas de milhares de famílias a viver em partes de casa ou apenas um quarto; há dezenas de milhar de indivíduos de sexo diferente a viverem em grande número no mesmo quarto e até na mesma cama, numa incrível promiscuidade”61.

  • 62 Cf. António Santos Luís, “Pobreza”, in Dicionário de História de Portugal, vol. IX, Supl., coord. (...)

64Com efeito, se em 1950 a ruralidade ainda absorvia 48% da população activa, o excesso de mão-de-obra para as capacidades existentes contribuiu para um estado de pobreza tal que as populações, sazonalmente, procuravam emprego noutros locais a qualquer preço. Com o êxodo das populações para as cidades, em Lisboa multiplicaram-se as barracas sem casa de banho, água canalizada e luz eléctrica62.

  • 63 FPFH 5, pp. 2 e 3.

65Naquela mesma carta, que trata das inspecções médicas, G. Monteiro alude a uma conversa que teve com a Direcção e na qual foi ponderada a extensão da assistência médica a dar ao pessoal e às famílias. Sem se fazer rogado, apresenta, no final, as bases de uma assistência social mais larga (ao pessoal e família), várias alíneas que, resumidamente, estabeleciam a assistência na doença através da observação e tratamento médico e de enfermagem, a assistência preventiva, que supunha a observação periódica do pessoal. Ainda destaca o estado de nutrição, pesquisa de doenças de carácter social, como reumatismo, sífilis, tuberculose, e consequente vigilância, conselhos e tratamento. Propõe, e sublinha a assistência às famílias, onde inclui mulheres e filhos e pessoas coabitantes na mesma casa, devido aos contágios, e precisa que tal assistência poderá ser prestada em consultórios e nas residências, “como acontece aos operários e empregados – sem auxílio de medicamentos”. Julga ser indispensável uma enfermeira que também instrua nas medidas de higiene e calcula que para isto a fábrica “precisa de uma nova instalação médica” e de um regulamento. Neste último, deveria estabelecer-se que, nos primeiros três dias os doentes não receberiam honorários, e nos seguintes, aufeririam 75%; aos atingidos por doenças prolongadas, como tuberculose, cancro, etc., deveria haver o máximo auxílio; e ainda assegurar que “os empregados que, em virtude da lei a que a sua vontade é estranha, não pertencem à Caixa, beneficiarão de toda a Assistência da Fábrica”63.

66Não resisto à tentação de lembrar, o que atrás dissemos: só em 1950 se regulamentou a assistência medicamentosa, ainda que condicionada às disponibilidades financeiras das instituições e sem abranger familiares.

  • 64 “Previdência”, ibidem, p. 151.

67E acrescento o que sobre previdência, e já referindo-se aos anos 60, nos diz A. Santos Luís: “Apesar da vasta produção legislativa, os níveis de protecção da população eram extremamente insuficientes. Não estava assegurada a previdência dos trabalhadores autónomos e independentes [...] não existia protecção especial para a maternidade; não eram garantidos os encargos familiares; e só uma parte limitada da população beneficiava de protecção”64.

  • 65 Cf. Manuel de Lucena, “Previdência Social”, ibidem, p. 158.

68De facto, só em 1960 a lei estendeu a assistência medicamentosa aos familiares da generalidade dos beneficiários das caixas, mas pagando 50% dos remédios comparticipados65.

  • 66 FPFH 7, 1.ª folha título, e as outras duas folhas escritas à máquina, de 18 de Setembro de 1950.
  • 67 Idem, ponto I, p. 1.

69Contudo, entre os documentos de G. Monteiro estão três folhas que constam de umas Bases Regulamentares sobre Assistência Médica às Famílias dos Operários e Empregados da Fábrica dos Fermentos, datadas de 18 de Setembro de 195066. Nelas se define o que se considera como pessoas de família abrangidas, “que são os que habitam com o empregado, estão a seu cargo e pertencem aos seguintes graus de parentesco, esposa, filhos menores, filhas solteiras, irmãos menores, irmãs solteiras, pai e mãe incapacitados para o trabalho”67.

70A área de trabalho do médico, segundo consta do mesmo documento, abrangia a Cruz Quebrada, Dafundo, Algés e Pedrouços, em distâncias compatíveis com os meios de transporte popular, carro eléctrico e comboio.

  • 68 FPFH 8, original, contém uma circular com duas folhas, de 21 de Outubro de 1950.

71Na sequência, a Fábrica comunica, por carta, datada de 21 de Outubro, a G. Monteiro que “em seguimento às conversas que recentemente tivemos acerca da extensão da assistência médica às famílias dos n/ empregados e operários, vimos comunicar-lhe que desejamos iniciar tal assistencia a partir do próximo dia 1 de Novembro”68.

  • 69 FPFH 8 circular, s/ d.

72A mesma carta remetia uma circular a confirmar que a Direcção da Fábrica estava a elaborar o regulamento. Na circular estabelecia que as consultas para a família seriam efectuadas no consultório privativo do médico, que era, neste caso, na casa do próprio G. Monteiro, em Algés. O pessoal mantinha as consultas na fábrica e as visitas do médico eram gratuitas para a zona de Oeiras a Lisboa, incluindo locais intermédios que dispusessem de meios de transporte, carros eléctricos, comboios e autocarros69.

  • 70 FPFH 9 Regulamento da Assistência Privativa da Fábrica Portuguesa de Fermentos Holandeses, Ld.ª, (...)

73Com efeito, no Regulamento70 que saiu a 1 de Novembro de 1950, determinou-se que os subsídios de abono para remédios abrangiam o pessoal regular, pessoas de família e pessoal adventício, pagando a fábrica 75% do seu custo que a caixa não abonava para pessoal regular e adventício, e 50% no que se referia às pessoas da família do pessoal regular. Mais se estabelecia ser indispensável a receita passada pelo médico da fábrica, designando-se as farmácias com quem existia acordo. Quanto a subsídios pecuniários, em caso de doença, ficou estipulado que só seria dados 2/3 do vencimento no 2.º dia, e no 3.º até 270 dias, a fábrica pagava a diferença do subsídio concedido pela Caixa para 5/6 dos vencimentos. Ainda havia a hipótese de, em vez do acima indicado para os 1.º e 2.º dias, conceder subsídio de 5/6 dos vencimentos, desde que o doente visitasse ou chamasse o médico, no primeiro dia da falta ao trabalho.

  • 71 FPFH 11 Suplemento para apensar ao Regulamento da Assistência Privativa da FPFH, Ld.ª, 30 de Junh (...)
  • 72 FPFH 14 Assistência Médica ao Pessoal. Rádio-Fotografias do Tórax, duas folhas, 10 de Novembro de (...)
  • 73 FPFH 15 Aviso. Abono para Remédios. Para apensar ao “Regulamento dos Serviços Médicos”, de 23 de (...)

74Em Julho de 1952 ampliou-se a assistência aos partos71, em Outubro fazia-se contas aos custo de deslocação de uma unidade móvel para exame de rádio-fotografia72 e em Dezembro de 1953 a Direcção passou de 50% para 75% o auxílio para remédios e ampliou a assistência aos filhos até aos 21 anos, desde que comprovadamente dependentes dos pais73.

  • 74 FPFH 18 Carta de Gilberto Monteiro à Direcção da FPFH, duas folhas,de 19apoiar. de 19536

72Nntrevanto, a P9apoiar. de 19536 G. Monteiro adu conhecmento àsDirecção daeque ter inova, nasuelaedia, e acção d Caixa pd Previdência (d Pessoal. por cncluião de ta dn Federação das Caixas Contequente ente, eessova de piedicao a sub missão drofissionail unto,da mesma pcixa, bdode núo foritranspfrido nuenhm medico du esfermeira para ap ctada dederação .Previedo com licaçães enoserviçosde absistência prevativo do fábrica, G. Monteiro acisto -se a confirenciau chomentidades psuprioris das eCixas, maquem esugrio a acoiação dn Fábrica dou subsposo,da mruz Quebrada, Dnapróprio Fábrica dnde a aederação dão tinvsse tncargos falm ud formncmento e medicamentoscncectiveis mas pnde o cedico dinvsse talm ud sdeveriecncrentes caoseu cargo o dorecio e mubscevier como tempre nfez os nboetivn, as ieceita e meis do umentos delacivos d sutuação qo pessoal .

  • 67 Cf. MPFH 18 p. 1.

67NEr urgente segundo carener io presdente ed caixa nessovte, eenfirencialvaG. Monteiro, eue tal afose com nicaro pela Cirecção da Fábrica p Fderação até aorque oavia aue atrndereap crca de ez onos 6e protica ae absistência peao ficto de que onúmero ne baneficiários dnquela mrea dea de ucrca de revzntos, dsm consar aamiliares ,e quse sodos esdente na fegulesd de artnaxie en rreiores. PO nbon serviços pestadas pela sábrica e a ficto de qstar,sutuaa Foa de uisboa, incormasa ormédico, noncorream oara aue onesmo dresdente eessovte,considera se vivvel a rndereaàuela mreensão a class="footnotecall" id="bodyftn67" href="#ftn67" 67.

70Eor isso, ooncoui mhomeirmaez:

  • 67 FIidem, p.. 1.e 2./li>

NDonesudeveriforitazer retas deliagncias,;do mesudeverif com nicar-ap V. Exa.e pesorelhe que destro des am 3dias oeja doiciavo ao pSrPrevsdente ed caixa nessovte, eeste csntida a class="footnotecall" id="bodyftn67" href="#ftn67" 67.

<
  • 74 FPFH 819Aviso. ADenças ,Aruz Quebrada, D14de Junh de 19536

72ContormaeAviso.com duta de u14de Junh de 19536 a Direcção da FP.P.F.H de cmoo amnterios serviços pédico s embora ce farma arivadas para narantir s que dão tncssivasse de moiciavização poupara os 1ão aboangidas pela sbsistência a class="footnotecall" id="bodyftn67" href="#ftn67" 74.

  • 74 FMriad Isbele Bra hna dViira qonteiro qfaecer apeó locngs anos 6e doença,em Algoto de d953.

68Am Julh de 19539,G. Monteiro que entre anto, aenviuvrana class="footnotecall" id="bodyftn67" href="#ftn67" 74, eornau a aasa rse a cassou da esder em mPaosde aAro s

78NRverlndo aão sej sahe i ao pdenl de Abem-star,sucial mlmenjao, entro anamaioriparte das paiíes Reuropeu atte npunando-pelaosstabeleciaento e aespeito os principis dorecio sociais e cumanos ,G. Monteiro qsugrio aue na sábrica de o ganizass um serveçosde aigilância,da aslaentoaão, pesqgem, saúde doa critaças

78Aom efeito, n que ba ce fmrtulidade due se rodervereficavrnos dnos 650em Portugal, Gegundo cJoo serroo, púo foritaompatnhaa por qaltraçães eignificaviva sno que se referi às frincipis dcauss de mirte, cfmrreamse aenos mas po mesmo isto é, dasdoenças pnferccisas e maranivarias apensa de se pncontra-em em gecuodelacivos,permanencm, a é aoí,como as erincipis desponsaveis pelos eóbio soorreaos p(crca de u temço ) por outro lado, a modtulidade dnfantil, aiectundo-pu gruposparticularmente evulnrárel aàuela tivp de doença, mastém se a leadas porrespondentd a quese s1% dos meotes decentsedas (8.

  • 58 FPFH 121Carta dara ap irecção de 23 de ulh de 19539

68Não fdmir pori, que j. Monteiro considera ss ufm esnrmaeAelhora,ento eue cabieperfeiamente ro paangogeneraossde absistência pue a cábrica dá dnos 6e envolverem ganeficio,qo peu cpssoal. pue eu lpla mrática arofissionail ue terho, onsidera de lecngsalcance degrande nvstgem,: formncmento e mroduo slcterosaos filhos ao pessoal mas psob mesudpontraôlle decom o eormncmento erectaodo regpeciivo droduo fdquiido nirectamente ra falrica desteléfa class="footnotecall" id="bodyftn68" href="#ftn78" 58. NEa é aolvita ss

  • 68 FPFH 12.

Nfom efta ouganização hestro de e diicio,qo novss cábrica dodermos aalar dom omis probrineade do família do Fábrica eseu lsntidr-me-eiomis pédico due a otazer rpbono ’ de seceita efita eor outro pédico s.

  • 68 FPFH 13 dom quetronfolhas, 16de ulho d9539

68EÉcom essa prodbdade do entre g que, a 46de ulho de 19539,G. Monteiro qara exeor os ufsntidr emis pédico ,elaborau dm eEstaudo/em>, dsbre o vormncmento e mroduo slcterosaos filhos ao empregados e oserários ea FPFH, Ld.a/spup>a class="footnotecall" id="bodyftn68" href="#ftn78" 68.

78NAqsugrtão aoritarndedad

58Eor isso, om casta, datada de 21 de 2lgoto de d9539a class="footnotecall" id="bodyftn68" href="#ftn68" 685/s>, e. Monteiro considerau eoortugnoapresenta,rumas (8.

58Dor ista adturain. Monteiro cá rinha a67anos

58CHom de mfaver , nao espmrecieu,G usso,xplici aem cetas dalavras : /span>

  • 687/span> FPFH 134 p. 1.

NNoo sejimaquem euer ap Exma.Direcção da Fábrica eauxliar.neste caso,. Écara asditiurque se j mpodos s operários e eodos s ompregados . Pod ser cue se j mppenas us que derho mpsalrios emis paixao ou dinda qs que habitam có snaregiso .P...] nTudohipótese que dão tmodficav em gnda a pmnha aanenia ce fvr ap ncssivade due sênmla critaças de se rm sujeitarsa uma cbsistência ptécica, pédica efslaentoa, ão auidadeaqueo drvssvel mas pmporssvel dsm c auxílio paternal mo carronait”.

<
/div> a class="fgo-top href="#frticule-610">Top da pogiona/a> div cd="botes">class="siciivn">< /h2class="siciivn">Nots2/s>. Jntrevista qoiar.riea qoiarorae Fermeira,com eJacue Regel mPrist,Ferveeira de d9597,http://www.cpoc. fgv.br/evista /arq/214.pdf/a>. Conmoaem ceplici aJacue Regel nesteaentre vsta, p peu cntermsse telo dmicro-hstória dom vosuquando erabalhadvanuma ie vola daraisintsedo / class="cotes"asepag">3/s>. JMnosl nLuiz Salados Guimrãoe, “qRsenths < Micro-hstória :recorstruando l carmp de pobsibilidade ”, dTop ,iRo ne GJnenia, pº d1, 200, p. 1222./p> / class="cotes"asepag">4/s>. JGiovanni L vs “qonmortuaentos, decurss, drocussoa : Ates do ie voluõo qo ponsulmo,in DJacue Regel n(org.)Josgs pe lEsall :r exaerióncia da Fmicronálisesp(rabd. ras ilira ),iRo ne GJnenia, pEd. Fndamõo qGetúio pVrga s,1990 p. 1203./p> / class="cotes"asepag">55/s>. JGiovanni L vs“qobre a pmicro-hstória , in DPterm Burk 2llEsaitasda FHstória :rNovs drrtpeciivo s,1S Parlo, eEd. UNESP,19902 p. 1136. L vsutiizauma ciagem,que sem ceplicita a dmeodosloia a lici daduma inálisespedrrtpeciivo de imicro-hstória . TalMomo tm fogórrafi que ssservao estpao, ooncedtra-se fora um dobecti, om erontecemento ,tazeom ezoomeiocndo a nda qmis p peruent,deteahe, aidrrtpnaiem, ao lugr. Cansudo, eofogórrafi qao esimitn a parisgem,que só sno esta dn lic da.Disteaearma ariernder L vsstabelecer-faligoção ertre omicro spatcro-hstóriaa Conmoaá rissemos:no trxta, om adrrtpeciivo dmicro svolveremrelaciona se con uma ctemtica asuquansro qatcro./p> / class="cotes"asepag">66/s>. Jetição endereçada à Câmara, de 12 de Abril de 1990, prquivo familiar. / class="cotes"asepag">. JIidem. / class="cotes"asepag">9/s>. JAcasda FReniáo eOrdinria eealizara em c17de Abril de 1990, Arquivo familiar. / class="cotes"asepag">10/s>. JO Síti da Aruz Quebrada, Nãtuea de pMicro-Hstória ,Aruz Quebrada, DSep de JOFermentos,19963./p> / class="cotes"asepag">3p=">13ctiva,o ne GJnend ue sHr-fn AssisC Mrm AlG quesem aBej As ulh de 19536 G65uivo familiar. C. M 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, p="btn64">4p=">14ctiva,o ne GJnenFfricis fábrCa obsRfilhoGabine mednndo/em>pIemiPesG. Mo31ulh de 19536 G67uivo familiar. C. M 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, p="btn6">55p=">15ctiva,o ne GJnenFmoartos Piaofalco ,elaboa, iCHC,25Jnenia, pEd9536 G65uivo familiar. C. M 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, p="btn6">66p=">16ctiva,o ne GJnens eAberLno n entreMa do boa, iCHC,eira de d9597,<65uivo familiar. C. M 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, p="btn6" 67p=">1. JIideAlPeeiMizadoPrevidêfs cooin DPterti da Aruz Quebrada, Nã,da d.1136. > / class="cotes"asepag">1. JartaJ pVrgado,rdoPreviBr Peeidera vacos eignifo vormnliv d9«Oilisa Aruz Quebrada, Nãsem auea de pMicro-Hstória ,Aru»onsuD Monto Monteiro à Din DPterJo nm quz Qoo mesmoSosocAxtaII d1, 2631lgé3ulho de 19539,G65uivo familiar. C. M 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, p="btn69">9p=">19ctiva,o ne GJnenFdo Rosastubrliv aobreAm levoC,29ulh de 195392=">20ctiva,o ne GJnens eAberCoi, o 23 de 2ulho de 19539,G65uivo familiar. C. M 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, 2="btn611 >2=">21 JMnosl dad Mriahna dViirSim sazonevirto Monteiro à Diem aapendigferm ruando tsG. Momem dom ve ed ias apin DA Stuco médido,grde mivnçnali lednndo/em>erCláss emborIdades psurm Caquen aslaens dou ainda trxtse petapensVIido,grde msistPECduz m a laosstabCHCsis19902FCSH18 de Seae Outubro de 1950. ps6M 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, 2="btn62">2//s>.ectiva,oOo,qo novssra,para Mr-apenteutubr, pai ed1, 205 330/6623 de 7 . de 19536 G6623utro G. ias Caixaosumoes defereo. p7té 2nm ems de Hisdido,cee 19539s a Lisda assegiasão, pom currrmenteifo vornteiro acistor ao essoasoa : Aquz Qoo drofi539 ,iRním Fmicropcixara, de 12vo familiar. C. Mo 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, 2="btn63">32=">23ctiva,oAgenduqua ferccião, pt peliamaade ”,isdiEngemo cist Mattosoom vs Luí,recentera enme lho do méeuisa de doaossalóge o go vornteiro acisMo 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, 2="btn64">42=">2. JGiovano Monteiro à D,iEnaôllaAro ss doentdo,díscdo qí,rSeaBratFermentos Holaz Quebrada, D14de G66M 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, 2="btn6">552=">25ctiva,oAsitasoe pMcos”,-Cirúrgique já a insauçasdr outrodecto,1950. 9islft,o de 1953 a83623 del de LucirSilvtug da m coubiuseíxtremic da.Dr pessovede 19tasoe pMRégi pMicrCirurgiFilUmLisdas duas tabel inm Arra aue onesms ta pariplome ose com rem deaue ds filhosis1nm ems do entreCoi, o .iPesuma iaidera vacos e1ingredfis da dos benefta pariplome oseasto à a peao fi,iRso qo peua mdemi1nm ems do e, a 46deliásem 19paua elautronrmaes .1ingmLiinte depentec, coas outqs queo de qstar sujeiexi, “quusto ad / class="cotes"asepag">662=">26ctiva,o: “ Gcos PreviOsar ao soorrddfica’ s2nmtintsmDin DPterria des pIe S doa rxtaTho do m: 2.1cAc#foarierIe S doa rPúa atorxtavi regéculo XVIIIIX (://www.ref="#http://www.cpocaesp.unl.pt/lgen%C3%A7a/, om s">cpocaesp.unl.pt/lgens /, om sctiv16. html1203./).e a pisa aes .1ine Mdo p parvte p. 1.m, p. 15OiEns .1ieliçca ae absicament parrtugal, G servilo .IIIX, (://www.cpocaesp.unl.pt/lgens /, om s97. html) / class="cotes"asepag">2. JartaIp. 1.m, p. / class="cotes"asepag">92=">29ctiva,o: “ Gcos Prm, p. 15, om 161136.> / class="cotes"asepag">3=">30ctiva>a/sp30cta/sptaIp. 1.m, p. 1136.5moaáto, n queevittogo vo/em>pneo de ne ,permadera vacocarmpiro dia dfu chon de Hise s doa bo rxtaco due a otalm poo meo êxi / class="cotes"asepag">31 JMnosPFH evid do dDin DPterG nvstEnaiclopo dutuguesa de Fe rBlira ),iR, vol.IIXboa, iCH/e GJnenia, pEd. Fni23=">32 JIideJalia meSim sazon do.da d.1136. 49 / class="cotes"asepag">3//s>.3 JMnosPFH Vala a .1iVie1990 serro D14de Mattora, aobro- desocAcção da F-GdadeucirS doa . / class="cotes"asepag">4==">34 JIidem.1136.4> / class="cotes"asepag">553=">35ctiva,oF.arloC crautonAiVidacçOe fmalriEiuEd. pa2Les e sem aosdentlo,g Hise Rnaesoo srge, Iuiuse meSoris daise Hi, ciuD MoRnaesoo srge, a le1203./13> / class="cotes"asepag">66==">36 JGiovano Monteiro à D,iE iCqua ria desqserveHospifoseMcliteaise Btricm23utrorto Monteiro à DiTcie mecos”,eMclirivn boa, iCHC,TipAruz L.C.G.G.C,1946> / class="cotes"asepag">37 JartaIp. 1.36.> / class="cotes"asepag">3. JartaE iCqua riaoesqserveHospifoseMcliteaise Btricm23saitasda 1inecuEd qaue só sransluenhmordo drofi5391 ulh dere aigil19451136. 7tequentez onosvn veiona/a>93=">39 JGiovano Monteiro à D,iE iCqua ria desqserveHospifoseMcliteaise Btricm23utrorto Monteiro à DiTcie mecos”,eMclirivn boTipiaruz L.C.G. G.C,a, iCHC,19461136.>8 / class="cotes"asepag">4=">40 JIidem.1136.4> / class="cotes"asepag">==">41 JIidem.1136.44Mo / class="cotes"asepag">24=">42 JIidem.1136.44M / class="cotes"asepag">34=">43 JIidem.1136.4> / class="cotes"asepag">4//s>.4 JIideSo cJoomtas aooua aaoe 554=">45 JMnosPFH Ana dn His Luío: “Previdência (d Pin DPterDichon de Hise ria des pIeugal, G socment. 9o eord.3utroAna dn HiBoresaMrga idbriuEdle dica pédiLivridbriu dei svorm,ugal,lic p. 1222. 49 / class="cotes"asepag">664=">46 JMnosPFH l de Luceo: cfn Asevidência (d Pal, caein DPterDichon de Hise ria des pIeugal, G socment. 9o eord.3utroAna dn HiBoresaMrga idbriuEdle dica pédiLivridbriu dei svorm,ugal,lic p. 12222. 53ub-ss / class="cotes"asepag">4. JartaAna dn His Luío: “Previdência (d Pin DPterDichon de Hise ria des pIeugal, G soc22. 49 / class="cotes"asepag">94=">49 JMnosPFH Fdo RosasRfilPreviA Iudústes pNali lin DPterria des pIeugal, G socdir.JnenisattosotuíonsVIIPvol.PreviOiEiue sNomil(1926-1974)in DPCír XVII vssitsGazona, iCHC,199 1.5=">50 JIideFdo RosasRfilPreviA Iudústes pNali lin DPterria des pIeugal, G soca d.11351 JMnosPFH s eAberFa svorsRfdru dePreviAência ptécl, caein DPterDichon de Hise ria des pIoiEiue sNomiocdir.JnenFdo RosasRfilub-Jtei.eB nvsrofi539Brn quevol.I 1.25=">52 JIideHenriu lpMdo uz Qar, aobreAsugalisa ncioSs e cumatugal, G socGendivHC,a, iCHC,1996 1.6. >> / class="cotes"asepag">35=">5. JMnosl ne Luceo: cfn Asevidência (d Pal, caein DPterDichon de Hise ria des pIeugal, G soca d.1136. 59 / class="cotes"asepag">45=">54 JMnosl ne Luceo: cfn Asevidência (d Pal, caein DPt, p. 1.55//s>.5 JMnosDntos delábrica Portuguesa de Ferosentos Holandeses, Ln Arfgv. 134 p423 de4ulho de 19539,G49uivo familiar. C. M 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, 5="btn6">665=">56 JMnosDntos delábrica Portuguesa de Ferosentos Holandeses, Lrfgv. 134 p5gis/ d.3vo familiar. C. Mo de Gilberto Monteiro à Dios 1ão Exmosp1S on t pDaodo rr Fábrica Porturmentos Holandeses, Ld.a n a.z Quebrada, D14decuentez o folhos, d1 ilst, datcforitttooinai/a>5. JartaIp. 1.m, p. / class="cotes"asepag">95=">59 JMnosão endereçada à Câmara, de 12 de Abril de 1990, p. 1, Arquivo familiar. / class="cotes"asepag">==">60 JIideF34 p5gi / class="cotes"asepag">61 JIideFdo RosasRfilPreviA Iudústes pNali lin DPterria des pIeugal, G socdir.JnenisattosotuíonsatttimoPvol.PreviOiEiue sNomil(1926-1974)in DPCír XVII vssitsGazon199 1.26=">62 JMnosPFH Ana dn His Luío: “Prevido vozPin DPterDichon de Hise ria des pIeugal, G socvol.I Xocment.o eord.3utroAna dn HiBoresaMrga idbriuEdle dica pédiiu dei svorm,ugal,lic p. 12222. 02-107 / class="cotes"asepag">36=">63 JIideF34 p5gi<03./o r3 / class="cotes"asepag">46=">64 JMnosevidência (d Pin DPt, p. 1.556=">65 JMnosPFH l de Luceo: cfn Asevidência (d Pal, caein DPt, p. 1.66//s>.6 JIideF34 p7on1.ªos, d1slo, e as outsas duas folhas,de 19easda sutuamá fana18 de Sedembro de 19591en50Mo / class="cotes"asepag">68 JIideF34 p8,inai/a>96=">69 JIideF34 p8scirmentegis/ d. / class="cotes"asepag">==">70 JIideF34 p9namento dos Ssistnte a Privativo do aábrica Portuguesa de Fermentos Holandeses, Ld.a n .ªdecuentez oonfolhas, 16dlcexte rmatudup atodquiOutubNom de 19591en50Mo / class="cotes"asepag">71 JIideF34 p11cmentaoduntoasditir ao rsegnamento dos Ssistnte a Privativo do aábriLd.27=">72 JIideF34 p14stnte a PrivaMa efslasoal. por. Rádio-FotiapessoT deax, folhas, d1 de 0utubNom de 19591en5> / class="cotes"asepag">37=">73 JIideF34 p15o. ADenA’ oasditReco duPod ssditir ao rsegnsenthento do / class="cotes"asepag">44.ideF34 p18o de Gilberto Monteiro à Dituação da FábriLd.557. 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, 7="btn6">667. 0oole ost pon, NAFilst Brca aes a Aruz Quebrada,metaverem 1aboração dté 2700, 7="btn6" 67/. / class="cotes"asepag">94, eor iad Isbele Bra hna dViira qonteiro qfaecer apeó locngs anos 6e doença,em Algoto de d953. / class="cotes"asepag">8.28 / class="cotes"asepag">38. / class="cotes"asepag">484/s>. / class="cotes"asepag">5585/s>, e. H 134Carta de Gi Monteiro qara ePFH 1om duas folhas, d1 de 2lgoto de d9539 / class="cotes"asepag">668. / class="cotes"asepag">. class="footnop href="#frticule-610">Top da pogiona/a>