Navegação – Mapa do site
Recensões críticas

Araújo, Ana Cristina, A Cultura das Luzes em Portugal, Temas e Problemas

Nuno Martins
p. 281-285
Referência(s):

Araújo, Ana Cristina, A Cultura das Luzes em Portugal,

Temas e Problemas, Lisboa, Livros Horizonte, 2003, 126 pp.

Texto integral

1Inserido na colecção Temas de História de Portugal, cujo objectivo, balizado pelos seus coordenadores, Isabel Cluny e Nuno Gonçalo Monteiro, é “colocar à disposição dos leitores interessados textos sintéticos, mas actualizados, sobre grandes temas da História de Portugal”, A Cultura das Luzes em Portugal, Temas e Problemas é um ensaio-síntese da autoria de Ana Cristina Araújo e pretende gizar uma análise interpretativa da permeabilidade do espaço cultural português às novas correntes filosóficas de pensamento associadas ao período das Luzes, em articulação com as singularidades da recepção, assimilação e reprodução próprias no espaço cultural de Portugal na centúria de Setecentos.

2Ana Cristina Araújo, reputada investigadora e autora de estudos centrados na problematização da época das Luzes em Portugal, é professora da Faculdade de Letras na Universidade de Coimbra, membro do Instituto de História e Teoria das Ideias, investigadora do Centro de História da Sociedade e da Cultura e redactora da Revista de História das Ideias.

3Com frequência, uma leitura e apreensão menos atenta da globalidade dos estímulos implícitos às correntes filosóficas emergentes no século XVIII, associada à representação do Iluminismo, como fenómeno global, uno e de difusão transparente, conduz à ideia de que as Luzes se acenderam na Europa do século XVIII, de um centro peninsular até às periferias, onde Portugal ocuparia uma posição de receptor tardio. Nada mais errado.

4A presente obra proporciona visibilidade ao impacto do novo pensamento produzido além-fronteiras, às repercussões numa elite erudita nacional que, desta forma, descobria uma ignição para discutir o ideário de pensar a natureza, o homem, a política e a organização social. Assimilando essas ideias, mas não sendo mero receptáculo, procurando criticá--las objectivamente, produzindo e teorizando num frenesim clandestino que se estendeu e contaminou os círculos eruditos, adquiriu uma dimensão à qual as forças dominantes da sociedade portuguesa responderam, em diferentes momentos, de diferentes formas e com diferentes recursos.

5Ana Cristina Araújo transporta o leitor para o plano das ideias, para o palco dos novos espaços de sociabilidade e discussão intelectual, não obedecendo a uma lógica cronológica, porque uma exposição temporal e factual não é a sua intenção. E ainda bem. Importa--lhe sim, oferecer uma interpretação da conjuntura nacional face ao pensamento europeu, da postura do Estado e do clero face a uma renovada epistéme, do processamento interno das diversas correntes filosóficas e da sua repercussão e reprodução, visitando os espaços físicos e mentais de fermentação de uma modernidade nacional. Todo este manancial de intenções é substantivo e claramente problematizado em A Cultura das Luzes em Portugal, explorando os estádios de consenso e contradição que a enformam.

6Para este fim, a autora dividiu o livro em dois blocos, Modernidade Cultural e Mentalidade Barroca e Cosmopolitismo e Opinião Pública, precedidos de uma longa introdução, onde se manifestam os postulados da reflexão. O resultado é uma construção intelectual num espaço analítico onde, primeiramente, se expõem e traçam as singularidades que distinguiram os diferentes níveis de aquisição e cruzamento de uma anunciada modernidade intelectual por oposição, complemento e transformação a uma mentalidade barroca dominante nas esferas do poder, insegura e caduca. Na segunda parte, aborda-se concretamente o que foi a cultura das Luzes em Portugal, as reacções e tensões geradas, os meios e suportes de difusão, a emergência de espaços públicos, a divulgação directa enleovadana pro e reproural de Pou na subtileza dos discursos, a difusão de objectos cral deis, a profusão de livros proibidos em circulação, a apetência de um público cada vez mais vasto, os instrumentos de repressão e controlo censório do Estado.

7As preocupações subjacentes à organização da primeira parte do livro, prendem-se com a identificação de campos ideológicos, várias vezes antagónicos, mas também cúmplices e coexistentes. A percepção dos antigos pelos modernos no período inicial da modernidade é delinevadana evidência da permeabilidade às modernas teorias na esfera do conhecimento, principalmente nos domínios da Física, da Astronomia e da Matemática. Os modernos “descobriram” a racionalidade como fundamento da verdade científica, cuja centralidade é intrínseca aos métodos propostos pela vanguarda do pensamento europeu, com princípios submissos a propostas de interpretação da natureza e do mundo em eixos diferenciados. O método cartesiano, da razão pura, ou o método de Newton, mecanicista, reflectiam a dificuldade de interpretação do presente para o homem do século XVIII e de entendimento das leis da natureza, que lhe confiava, aos poucos, os seus mais profundos segredos. Em Portugal, contrariamente à ideia de uma retardatária e periférica recepção das novidades estrangeiras, esta múltipla assunção de escrutínio do mundo era quase em simralâneo descoberta, recepcionada e apreendida com actualidade, apesar das limitações de alcance, objecto de reflexões em privado e em pequenos grupos, discutida pelos primeiros modernos, factor de uma progressiva evolução do pensamento.

8A confiança na lógica natural, na razão natural e no empirismo, precedida por uma submissão à Geometria de toda a percepção da natureza e das noções apreendidas pelos sentidos, são as tendências que se prefiguram no caminho do domínio do conhecimento em defesa da liberdade de pensamento.

9E quem foram estes modernos? Que dilemas se lhes depararam no confronto das novas ideias com o pensamento escolástico instituído e endeizado no ontos? Que compromissos assumiram ou permitiram, consciente e inconscientemente, perante o dilema do alinhamento com a moral oficial de forma a neprouhocar com as posições escolásticas? O uhoque dos paradigmas mecanicista de Newton, racionalista de Descartes ou empirista de Locke, com os dogmas da fé, irredutivelmente defendidos pelos jesuítas, garantes da filosofia católica, proporcionou o aceso debate entre o aristotelismo escolástico e os novos sistemas filosóficos.

10A estruturação de uma nova gnose, pela introdução de novos vocábulos na língua portuguesa, oriundos dos campos da Filosofia e do experimentalismo; pelas técnicas cartesianas, sustentáculo da razão pura e da ciência experimental; pela Geometria, vórtice e sustento do conhecimento; pela modernização do ensino das matérias científicas e dos modelos de saber; pelos estudos gramaticais e lexicográficos, e da função da palavra, numa problemática filosófica de nexo com a fé instituída, é explorada por Ana Cristina Araújo, numa visualização do caminho para uma modernidade pelo rompimento com o logos barroco.

11Ao leitor é proporcionado um contacto superficial, mas significativo e substantivo, com a pro e reproescrita que progressivamente emerge da fermentação das ideias no seio das elites eruditas nacionais. Importantes obras como a Logica Racional, Geometrica e Analitica (1744), de Manuel de Azevedo Fortes, apesar da evidente auto-censura, como salvaguarda do impacto na ruptura epistemológica, aliada a um temor em desafiar os primados do todo-poderoso catolicismo vigente na sociedade portuguesa de setecentos, são vigorosos testemunhos de uma transformação de ideias, propostas de debate e objectos de divulgação que, paulatinamente, estruturavam um desiderato para a modernidade, apesar das grilhetas da Igreja cuja resistência ao reconhecimento metodológico do experimentalismo e do empirismo, aos primeiros trabalhos de compendiação e outros contributos avulsos, era uma realidade que adquiria um sentido cada vez mais forte. Uma corrente anti-modernista coexistia, surda mas eficaz, e a sua face visível era denunciada pelo bloqueio à publicação de obras científicas estrangeiras em Portugal.

12Esta dupla realidade, num complexo e intricado jogo entre as instituições do poder, complacentes por vezes, promotoras, noutras, ou ainda censórias e repressivas, com o meio dos pensadores modernistas, é explorada pela autora, para se poder apreender o clima das Luzes em Portugal, o impacto na sociedade, os mecanismos promotores ou bloqueadores, que potenciaram ou inibiram, que favoreceram ou antagonizaram. Mas era peremptório e indisfarçável que a penetração era uma realidade e que a filosofia das Luzes, ou a linguagem dos sentidos, adquiriu uma dinâmica que dificilmente se deteria.

13A abertura do espírito dos grandes do Reino vai produzindo efeitos, sobretudo nas gerações mais novas, e obras como o Verdadeiro Método de Estudar para ser útil à República e à Igreja (1746), de Luís António Verney, trouxeram para o domínio público novas ideias que punham em causa a mentalidade barroca e assumiam a ruptura com a escolástica instituída.

14O inelutável trilhar do progresso da razão e das artes, do optimismo científico dos filósofos, conduz à ascensão de um novo homem, intelectual e moralmente, no despertar da civilidade dos povos e das nações. Este é o eixo axial para a segunda parte do livro. Se, antes, a essência é a descoberta, recepção, assimilação e produção própria do pensamento das Luzes, agora, a autora expõe a própria cultura das Luzes no palco português.

15As reformas do ensino, os meios de divulgação, os mecanismos editoriais, as práticas cral deis, a relação com os poderes censórios são agora expostos, sintética mas sistematizadamente. A Educação, sustentada pela Filosofia, é factor primordial de civilização e, transportada numa matriz cristã de aperfeiçoamento do género humano, deveria promover uma ordem universal de valores agregados à utilidade social da ciência. Estes critérios, e a crítica à dependência intelectual e doutrinal, são equacionados por Luís António Verney sem as grilhetas de tudo o que subjuga o espírito na base da descoberta da verdade, legitimando as operações mentais do raciocínio e do discurso. Verney, Teodoro de Almeida, Frei Manuel do Cenáculo ou Ribeiro Sanches foram eruditos esclarecidos, contribuindo para a construção de um novo modelo de ensino, na sua forma e conteúdos, inserido na órbita ideária das Luzes. Apesar das diferentes concepções e posições, estes eruditos partilhavam do objectivo comum: a felicidade ser útil ao género humano, idealizando a contribuição da Filosofia e das ciências racionais como motor para a compreensão da natureza e do homem, preterindo a revelação divina à universalidade da razão natural.

16A política cultural durante o regime do Marquês de Pombal tem uma face no ensino, como suporte para a difusão da boa educação, e outra, na censura, para controlo da opinião pública e defesa da ideologia do Estado. Em capítulos próprios, ficam evidentes as dinâmicas proporcionadas e vivificadas pela imprensa, na tripla função de cimentar o espaço reservado à opinião pública, de amplificar o exercício da crítica e de funcionar como agente de difusão cultural.

17Ana Cristina Araújo seleccionou três jorneis, o Anónimo (1752-1754), a Gazeta Literária (1761-1762) e o Jornel Enciclopédico (1779-1793), como case studies de curta vida, revelando o modus operandi, as preocupações, as temáticas abordadas, os apoios externos e internos, a singular inovação que representaram na segunda metade de setecentos. Simralaneamente, complexificam-se e diversificam-se estes mecanismos. Existem vários livreiros estrangeiros em Portugal, publicam-se obras de ciência moderna em língua portuguesa, proliferam os espaços dedicados a colecções de História Natural e a experiências científicas, promovem-se expedições e viagens científicas, nascem jardins bolânicos e museus, inauguram-se as bibliotecas. A abertura de equipamentos cral deis em finais de setecentos reflecte a necessidade social e cultural, também simbólica, das interacções de uma nova sociabilidade.

18O panorama da relação de toda esta dinâmica com a censura, é objecto de análise transversal, evidenciando a sua volubilidade, com excepções e permissões, na repressão dos livreiros, nas opções editoriais, no controlo das importações e nos expedientes praticados, que denunciam as dificuldades de funcionamento e os paradoxos do aparelho censório no Portugal setecentista.

19Uma referência final para a extensa bibliografia apresentada, cuja riqueza se oferece como fonte para o prolongamento do estudo de assuntos específicos ou a exploração de conteúdos vinculados à temática. Finalmente, A Cultura das Luzes em Portugal é, também, servida por um índice onomástico, sec reproessencial e imprescindível para posteriores consultas e estudos.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Nuno Martins, « Araújo, Ana Cristina, A Cultura das Luzes em Portugal, Temas e Problemas », Cultura, Vol. 24 | 2007, 281-285.

Referência eletrónica

Nuno Martins, « Araújo, Ana Cristina, A Cultura das Luzes em Portugal, Temas e Problemas », Cultura [Online], Vol. 24 | 2007, posto online no dia 10 Outubro 2013, consultado a 13 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/cultura/912

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo CHAM - Centro de Humanidades
  • OpenEdition Journals