Navigation – Plan du site

Ana Sofía LARANJINHA, Artur, Tristão e o Graal.  A Escrita Romanesca no Ciclo do Pseudo-Boron

Porto : Estratégias Criativas, 2010, 511 p.
ISBN: 9789898459015

Artur, Tristão e o Graal. A escrita romanesca no ciclo do Pseudo Boron é uma tentativa de reconstituição dos processos de escrita que terão estado na origem deste conjunto textual e que o individualizam face ao primeiro ciclo arturiano em prosa, geralmente designado «Lancelot-Graal». O estudo do motivo da fonte, da figura da Besta Ladrador, da personagem régia e do tema do ódio entre linhagens permitiu a detecção de muitosaspectos que unem os textos do ciclo mas levou também à constatação da heterogeneidade de alguns dos romances que o constituem, nomeadamente ao longo Tristan en Prose, onde foi possível identificar pelo menos quatro redactores com técnicas de escritra e objectivos bem diferenciados. A Suite du Merlin e a primeira fase de redacção de TP, que partilham inúmeros traços ideológicos e processos de escrita, terão sido os primeiros textos propositadamente redigidos para integrar o novo ciclo, associando-se aos romances do primeiro ciclo arturiano em prosa (Estoire del Saint Graal, Merlin, Lancelot en Prose, Queste del Saint Graal e Mort Artu primitivas). A segunda fase de redacção do Tristan en Prose é uma tentaiva de autonomização deste romance, tendência que os terceiro e quarto redactores contrariam fortalecendo os laços com a Suite e a Queste. A demanda do Santo Graal (refundição da Queste primitiva paralela à Queste da Vulgata), por fim, une habilmente fios temáticos e narrativos (por vezes divergentes) oriundos da Suite du Merlin e de várias fases de redacção do Tristan en Prose, mas apresenta também algumas especificidades no tratamento de personagens e temas herdados destes textos.

  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • OpenEdition Journals