Navegação – Mapa do site
III – As Ciências Sociais e as Ciências Humanas

Lições do passado: memórias e narrativas autobiográficas em perspectivas para o futuro

Lenina Lopes Soares Silva

Resumo

Nesta comunicação, parte-se da proposição de que cartografias do futuro poderão ser perspectivadas, tendo como referente para a história individual e coletiva o passado reexaminado no presente, destacando a memória e a literatura como fontes de pesquisa para as Ciências Sociais e Humanas. Apresentamos para isto, duas experiências de pesquisas: “Memória da formação médica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/ Brasil,” que traz as possibilidades de interpretações levantadas por meio de lembranças de alunos, mostrando a relevância da memória para a avaliação da prática pedagógica, e “Itinerários sociais e singularidades da formação médica em narrativas autobiográficas”, pesquisa na qual se vem interpretando as Memórias de Pedro da Silva Nava, um dos principais, memorialistas do Brasil. Trata-se de dar visibilidade às lições do passado como lições para o futuro, encontradas em memórias e narrativas autobiográficas.

Topo da página

Texto integral

1. Introdução

1A proposição fundamental destas reflexões é conduzida observando-se que cartografias do futuro poderão ser perspectivadas, tendo como referente para a história individual e coletiva o passado reexaminado no presente. Sendo assim, visualiza-se que as memórias e as narrativas autobiográficas são territórios de pesquisa, ainda pouco explorados nas Ciências Sociais e Humanas. Neste sentido, propõe-se que a memória e a literatura são campos empíricos férteis para se discutir a sociologia das ausências, conceito desenvolvido por Santos (2006), no sentido em que se trata de um procedimento metassociológico que permite ao pesquisador pensar o passado, o presente e o futuro, fazendo um trabalho de tradução de um tempo, momento e espaço histórico e cultural.

2Com isto, vemos as possibilidades de leitura, no presente, de um passado que não pode ser encontrado em discursos oficializados, aqueles que traduzem um passado mortificado, sem passagens reflexivas e sem relevância para o futuro; um passado que não se insere no presente e que não se expande sobre o futuro; algo rígido, sem meios para possíveis interações. É buscando uma cumplicidade ontológica entre tempos (passado, presente e futuro), na demanda discursiva dos sujeitos sociais integrantes das pesquisas, que ideamos esta comunicação.

3Objetivamos, desse modo, relatar duas experiências de pesquisas: A primeira, já concluída, intitulada “Memória da formação médica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/ Brasil”, que traz para o debate as possibilidades de interpretações oriundas de lembranças de alunos egressos do Curso de Medicina da UFRN. Nesta, a discussão ocorre em volta de mediação pedagógica e imagens de professores no contexto de criação do curso na cidade de Natal/ Rio Grande do Norte/ Brasil, em meados do século XX. A segunda, em andamento, intitula-se “Itinerários sociais e singularidades da formação médica em narrativas autobiográficas,” em que buscamos dar visibilidade às lições para o futuro encontradas na literatura brasileira, no tocante ao percurso social, cultural e profissional de Pedro da Silva Nava, considerado um dos principais memorialistas do Brasil. Esta é, portanto, uma tentativa de tornar presentes e visíveis algumas invisibilidades do contexto social e cultural brasileiro, denotadas pelo autor em seus livros de memórias.

4As duas pesquisas são vinculadas à Base de Pesquisa Cultura, Política e Educação, do Departamento de Ciências Sociais e ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/Brasil, sob a responsabilidade do professor/ doutor José Willington Germano.

5A seguir apresentamos as duas experiências de forma narrativa, como notas breves de pesquisa.

2. “Memória da formação médica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/Brasil”

6O diálogo com memórias como fonte de pesquisa para descobrir vestígios de mediação pedagógica e como suporte empírico e de produção do saber, envolve reflexões sobre atitudes humanas presentes nas lembranças, na história e nas condições socioculturais dos seres existentes, em um dado momento e tempo histórico. Isto corrobora o pensamento de Paul Ricoeur por uma compressão que permita o diálogo entre a coexistência de sucessivas gerações, quando afirma: “A história só nos atinge através das modificações que impõe à memória, pois a memória constitui a primeiríssima relação com o passado” (Ricoeur, 2002: 374); e também o de Mendes (2002: 514) que diz: “por uma lógica de simetria, a análise das memórias individuais permitirá salientar os limites do trabalho de enquadramento e especificar o trabalho pessoal, pela narrativa e pelo discurso [...].” Ambos possibilitam a reflexão em torno de análises de identidades pessoais e sociais no espaço vivido, comunitário. Nesta perspectiva, Santos (2006) instiga-nos a pensar que a busca de outros discursos, narrativas e memórias seria uma das formas de enfrentamento desse momento histórico de globalização pretensamente hegemônica nas dimensões social, política, econômica e cultural.

7Então, questionamos por que buscar nas memórias de alunos lembranças que demonstrem a mediação pedagógica de um campo de atuação profissional que lida com a vida, a morte, a dor e a saúde dos homens, como é o caso da formação médica? Talvez para encontrar nelas outros discursos, outras formas de pensar a medicina e seu ensino, outros modos de pesquisar sobre educação no Brasil,

8Assim, a pesquisa “Memória da Formação médica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/ Brasil’ foi se delineando e teve como objetivo, além de constituir a história do curso médico da UFRN em seus momentos iniciais (1955-1963), promover uma discussão sobre formação médica e mediação pedagógica, através de lembranças, possibilitando, assim, o diálogo entre a história social e a memória dos alunos.

9Os procedimentos metodológicos adotados sedimentaram-se em uma abordagem não paramétrica com enfoque qualitativo, sendo que a pesquisa de campo foi desenvolvida com alunos egressos das turmas que ingressaram no referido curso em 1956, 1957 e 1958, os quais concluíram em 1961, 1962 e 1963, respectivamente, na Faculdade de Medicina de Natal/ Rio Grande do Norte/ Brasil. O universo da pesquisa compunha-se por 50 sujeitos e, através de sorteio, foi retirada uma amostra composta por seis sujeitos. A participação se deu por consentimento, permitido e declarado, conforme documentação arquivada na Base de Pesquisa Cultura, Política e Educação do PPGCS/ CCHLA/ UFRN.

10Durante a pesquisa de campo, as lembranças dos sujeitos conservadas na memória foram consideradas como a substância empírica, aquilo que daria o conteúdo, haja vista os objetivos propostos para e a fundamentação teórica sobre a qual se apóia. Assim, por meio de depoimentos, foram colhidas as lembranças, utilizando como estratégia a entrevista temática. Nesta, inicialmente, os sujeitos foram informados sobre o tema da pesquisa e sobre o que poderiam falar livremente. Também foram informados que a pesquisa havia sido submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa da UFRN, e aprovada em 03 de junho de 2005, conforme Parecer nº 48/ 2005.

11Os dados sistematizados e a interpretação das lembranças foram dispostos em uma cartografia simbólica que envolveu a construção de quadros interpretativos, configurando mapas representativos daquela realidade. Tal procedimento tem como fundamentos aqueles desenvolvidos por Santos (2001: 224), que, tratando de cartografia simbólica das representações sociais, expressa: “[...] os mapas são um campo estruturado de intencionalidades, uma língua franca que permite a conversa sempre inacabada entre a representação do que somos e a orientação que buscamos.” A cartografia também é utilizada por Nobre (2003: 69), que a considera como um procedimento de pesquisa capaz de “apresentar e organizar os resultados obtidos em atividades de campo.” Desse modo, a cartografia constituinte desta pesquisa teve como fonte a fala dos depoentes, seus discursos sobre a formação médica por eles experienciada, permitindo que eles dialogassem com suas próprias histórias de vida e sua formação profissional. A cartografia deu suporte à elaboração de uma síntese que foi apresentada em quadros que denominamos de cartogramas de significados. Estes tiveram como unidade de análise as palavras representativas dos elementos constituintes da mediação pedagógica, que são: conteúdos de ensino, saber relacional, recursos didáticos, bem como as imagens dos professores expressas pelos alunos, em um novo discurso sobre o curso de medicina da UFRN.

12Isto tornou possível pensar sobre a preservação da memória e da história construídas na formação médica da Faculdade de Medicina da UFRN, nesse período: por seu significado histórico e social, em suas diversas sedimentações, que vão além do discurso dos professores e dos fundadores, possibilitando a apropriação de conhecimentos passíveis de socialização, e partilhando, no sentido de produzirem, no futuro, significações que possam ser reconstruídas e compartilhadas em outras situações de vida, reconhecendo-as como conhecimentos prudentes. É válido ressaltar a inserção social da experiência da formação médica teorizada socialmente em seu tempo e espaço, observando-se o compromisso “para uma vida decente,” assim como propõe Boaventura Santos (2003a), e pertinente, porque foi situada no contexto e interpretada no sentido da humanização e da história, como enfatiza Morin (2001a).

13Os resultados trouxeram para o debate sobre a história e a memória da formação médica, em Natal, no Rio Grande do Norte, a voz dos alunos, quase nunca ouvida em trabalhos com tal perspectiva. Geraram novas possibilidades de interpretações oriundas de lembranças de alunos egressos e de utilização da estratégia de cartografia simbólica para a discussão sobre mediação pedagógica e imagens de professores na formação médica. Também mostram quanto a memória é relevante para a avaliação da prática pedagógica no Brasil, onde a formação médica formal teve início apenas no século XIX. Visualizou-se que essa formação, logo no princípio, procurou desvincular-se das práticas curativas, pré-existentes no país, experienciadas pelos povos que formaram a nação brasileira, ao mesmo tempo em que buscava sistematizar, regular e legitimar a Medicina brasileira nos moldes científicos europeus, especialmente o francês e o germânico, para, assim, profissionalizá-la e autorizá-la pelo Estado.

14Mas, e as práticas curativas dos índios, dos africanos e dos demais povos que habitavam o Brasil, como ficaram? Não foi proposta desta pesquisa responder, mas quando da criação do curso médico em Natal, em 1955, o discurso científico já dava o tom e a condução da formação médica e, de acordo com as lembranças dos alunos, nem mesmo as doenças presentes no contexto social no qual estavam inseridos eram levadas em consideração no currículo de tal curso. Eles estudavam sobre diversas doenças menos sobre aquelas que comumente acometiam o povo de sua terra, melhor localizando, o povo do Nordeste do Brasil.

15Na cidade de Natal, em meados do século XX, já existia uma elite formada por intelectuais de várias áreas que reivindicavam, junto ao Estado, a modernização da cidade e a garantia dos direitos fundamentais dos cidadãos natalenses. Faziam isto, em nome da sociedade. A criação da Faculdade de Medicina de Natal, pela Sociedade de Assistência Hospitalar do Rio Grande do Norte, teve o apoio de lideranças políticas do Estado, mas também do Governo Federal brasileiro. Os alunos confirmam que essa criação aconteceu quando essa elite começou a sentir o atraso em que se encontrava o Rio Grande do Norte, especialmente o de sua capital, em relação aos outros Estados do Nordeste do Brasil e ao restante do País, no tocante à educação e à saúde.

16De acordo com as lembranças dos alunos, no período de 1955 a 1963, Natal vivia um momento marcante de sua história em vários setores, dentre estes, o da educação. Esse momento era implementado pelos governos municipal, estadual e federal. No municipal, destaca-se a Campanha De no Chão Também se Aprende a Ler, um movimento de alfabetização popular com viés cultural, cuja continuidade foi impedida quando da instauração do governo civil militar instaurado no Brasil em 1964, conforme Germano (1989). A criação da Faculdade de Medicina na cidade era um sonho que fazia parte do ideário dos intelectuais e do povo da cidade, pois, desde o início do século XX, vinha sendo acalentado por algumas lideranças locais, entre eles, Januário Cicco, médico norte-rio-grandense, que faleceu em 1952, antes de ver seu grande sonho, a criação da Faculdade de Medicina de Natal, realizado. Dois movimentos destacam-se no percurso dessa instituição de ensino superior no Rio Grande do Norte: a criação, em 1925, da Universidade Popular do Rio Grande do Norte, pelo então Governador do Estado, José Augusto, tentando articular forças para conter o operariado potiguar que vinha, desde o início do século, se organizando para lutar por melhores condições de trabalho e de vida e contra as oligarquias locais que se mantinham no poder alguns anos. Essa Universidade foi criada com o apoio da Igreja Católica; e a Universidade Popular de Câmara Cascudo (como ficou conhecida), instalada em 1948, por Luís da Câmara Cascudo, folclorista potiguar, no Instituto Histórico e Geográfico do RN. Nesta foram ministradas 18 aulas temáticas de literatura, artes, história, religião, saúde e filosofia, seguidas de músicas, indo, dessa maneira, além do aparato disciplinar, comum no ensino universitário. As duas Universidades duraram pouco tempo e são poucos os registros sobre as duas experiências. Como vimos, não tinham como função formar pessoas em nível superior.

17Foram rememorados, pelos alunos, fatos marcantes da história da cidade de Natal e da trajetória da formação médica da Faculdade de Medicina da UFRN, os quais avaliaram a contribuição daquela formação para suas vidas e para o conjunto da sociedade natalense/ potiguar. Trouxeram, dessa forma, pela via da memória, pessoas, espaços, movimentos sociais, idéias e informações que circularam no contexto social e cultural do período, formando, assim, um mapa/memória vivificado do passado.

18As narrativas dos alunos dão conta de elementos específicos da mediação pedagógica da formação médica. Eles descrevem com riqueza de detalhes a interação entre professores e alunos e entre alunos e alunos, como também os saberes que circulavam no processo de formação médica por eles vivido, fazendo críticas ao que, na atualidade, consideram como imprescindível à formação em saúde, como, por exemplo: a questão de disciplinas voltadas à formação humanística, como ética e sociologia, que não faziam parte do currículo médico à época. O detalhamento das lembranças trazem nuanças de alguns aspectos envolvidos na mediação da formação médica, como a relação médico/ paciente, a cultura geral e a competência profissional dos professores, o envolvimento social de alunos e professores, o compromisso e a responsabilidade sociais, demonstrados pelos professores, a falta de recursos didáticos utilizados com predominância no diálogo, a precariedade das tecnologias que dispunham, os cuidados com os envolvidos no processo de ensino médico, em especial os pacientes e os próprios alunos, as relações de amizade e as singularidades do espaço de aprendizagem social no qual viviam. Também merecem destaque as particularidades individuais ocorridas entre professores e alunos, as quais marcaram e influenciaram suas escolhas e trajetórias profissionais ao longo de suas vidas.

19A contribuição das lembranças dos alunos para a construção desta história/ memória proporcionou um diálogo que permitiu compreendermos o processo de mediação pedagógica experienciado no curso médico da Faculdade de medicina de Natal. Forneceu informações para construirmos, a parti="png= pesr:lange,/spang="pt" g="p>ml:ng="sinformam, por meio an> lembranças dehistória/ memória proporcionou um diálogo que permitiu compreendeos, bem" ="p>ml:ng="sinformacomo an>construirmos,construirmos, construirmos, alunos fespan>Granded ng="pt" lang="pt">1952, lembranças lembranças 1952, lembranspan>construirmos,Natal, realizado. lembranças lembranças dealunos para a aâmarapoderpopular com lembran="pt"> is is José ia um mome informaçõespopular anteslembran="pt"> é <" lang="pt"> de ensino superior e Medicina nalembranças ver "pt" lang="pt"> de a por melhoresem lembran="pt"> melhores1952,lideranças verporconstruirmos,Estado, ml:ng="sspan>Estado, vercom 16Dena superiorpoderis Natal Câmaraquias por 1963,construirmos, ver 1948,19A verporconstruirmos,Câmara do Norte,16Decontribuição dasrealizado. lembranças MedicinaMedicina17< dulanentrsquisa maas eC lang="f SessoreeeiHlarapn e a competência profissional dos professores, o envolvimento social de 21 lang="pt">Medicinalpaespaceso pou has sa"ihas an>enclavrlinasm, por meiooslessa< de arapna. Eles /p> ss="tdasxml:lang="fr". span:lanNornuca pljáa deiêlivaerng="Palomxml:g="s e Ítalo Calvform(1994)spao ds u v:lanasxmisa< pot">l"ptciaram s:laissotNatram s daquela influencsioo/p"fllcmeioa de Natapreptterprept e a precarie,/smófr"dlang="og=ang=",ang="ogminisspan o cr"fr" l e a competência profissional dos professores, o envolvimento social de 22 lang="pt">Medicina "inis>fesioa,/smófrejuízan> enostualsaberes qulsam, dessa formaiaçõdocíficoseções que circg="pt" lanegisao apanmóicasg="fíficosbuscaoa d/snhar eEdgsroMprn> a preds, espater g=ixa. m rcang="png="pt" lan dessaisp>governo < pot">span > "inis dessalssavtrsquisaõpo,e eledasxml:las sa"ihas ae>dostualrregis Univ" la ab> /spassar="texte"nósp>lra, a ta cezlang=dfo dsan xml:lang=sspan o, a,/smófr"der a>

essicas, indd saúecie pdas dcomo tamblofissionde lic, orzs. Como vimos, não tinham como função formar pessoas em nível superior.<25lang="pt">governo cople="frsimdl:lan, g=ixaam suasomédficd/ão car a culdulao dcaminh3.a“Ideser:langs>autobipan xml:as”e amosh1 não tinham como função formar pessoas em nível superior.<2>aulasautobipan xml:as”pt">forapepapdes maapanos, bemspaíperiências. ,="pt">dem, por a, espadspacautordasidas.autobipan xml:as e/ldue tre prosles si="fquiisergem ras taan>spempeciaisoutordo.sps, o crles ss quailang="ptlang="s maunovoc2004: 790),lunovocforam

os:ang="pt"quela formapansutorlscoam, por mde ntscráa es sipt">Xsao apanhml:lang="? H xxam Naoa umlanNornules teprzt apanang="pt XXI?"> temáticasMedicina apMedicinauls mat" ldm b:lanspaninsel sámaiads duas Universidades duraram. span:lanNornucascompano lonaicasg=quela formanducmeioa es da mediação isujjá espncias daa< de aao apanmóicasuasvtom napre"fíficos>ultur exisíficos coodl:rdficá ="fe="pt">copias tom l e apre"fíficoucos ume raçãiar àcoentos de leva dos Como vimos, não tinham como função formar pessoas em nível superior.<32 lang="pt">Medicinados coisa , lu xm/spaedessa maaduas cdo aparan>terior,spt" inário,entmprolm no co período,é g=relense/ ponca.ml:l"pt">deljáa sfuns e aouxerauico pe daõples anNor/span>s duas Universidadml:lnspanss="tdoes e scrán>autobipan xml:as an xmminisg=relense/ poanasm, por mrouxeralleduspan x–i, flesi ldm reintentspos"pt">dem, por a, ara o conomns madete v:l=ahafstuao.eSodoilosofia, seguicpt"> s dae"fr" lang="fan>usa<.eSespansrsim,nsptrsquisaisergxxmllesespos"a sterpreptacálise ps duas Universidadesde, cnteúde x avas aotd>governoores e adasxml:lanobjetio aco mnosan> s daaissotNatg="pt a scmeegopros: ética a deng="pt">ofessje ;do, fao ns- sca n;do, fessditioise/ i="frsim,adeaals tigudos dostuallgovernodoaél daauxiliede naprdizagem cdão mnosioltadasobjetioada< pot">spterpreptofessdizagem cls tig"> aúde"tdoes e rioado xml:lar ntre pro avalnno/spae"fr" lang="fa sil tuou,aúde, comor asnan xml:lang=sspmber">1"pt". Possientro tga fn o>l"ptcido apan>eis ma a terráóro dsan xml:lang=sminisssira, aciaisengng="fato discl"a sessores e an xsssientre pr s dadis taal, emiên, por a, g=ixaspailosofeisanucaaprdizagadas, flexxte">pot">ml:landinfluenciacépoca. tre prosllangadl:rdteprztgasxuxerali apaulasdefstuao.omo vimos, não tinham como funh1ão formar pessa h, f="#tocfrom1n4" idormocto1n4">4r"> uuar. Toltadasficdml:lamosh1 não tinham como função formar pessoas em nível superior.<3span>

autobipan xml:as coodbase mlíng=a;icasg="artogra"ia simblang=">é lar s>doaél daválidaansiaissotNatg="pt >defstuao > dioanml:ldrsgdom"pts a="autas dao dm, sssientro tambfechgraegistroos marcatelcepaessfr"aao apasa memspan>cople="frsim, g=ixaam suasomédficd/ "pt">defstuaoão car a culdulao dcaminhautobipan xml:as.petência profissional dos professores, o envolvimento social de 41 lang="> uecie psugeraioanml:ll"pt">dem, por a e "pt">defstuaoãnca.ml:lngem cuixaa ngiser> i

Autor/a

Lenina Lopes Soares Silva

É doutoranda em Ciências Sociais, no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/Brasil. É pedagoga, especialista em Psicopedagogia e Mestre em Ciências Sociais.

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals