Navegação – Mapa do site
I - Governação e Dinâmicas Sociais Contemporâneas

A economia solidária como base do desenvolvimento local

José Luís Alves da Silva e Sandra Isabel Reis da Silva

Resumo

A realidade mostra-nos uma sociedade globalizada, onde dois terços da população vivem no limiar da pobreza, vivendo em locais onde o acesso ao trabalho, à educação e à saúde é uma dificuldade constante. Neste sentido, torna-se necessário implementar políticas que favoreçam o desenvolvimento destas regiões. Actores sociais, instituições e apoio político são cruciais na tentativa de encontrar respostas para estes desequilíbrios. Urge fomentar a organização de empreendimentos solidários capazes de promover a melhoria das condições de vida das pessoas e consequente desenvolvimento local. Só assim, se conseguirá combater a desertificação e desigualdades sociais, distribuindo por igual terra, emprego e condições de vida.

Topo da página

Texto integral

1. Introdução

1Tal como afirma Boaventura de Sousa Santos (2004), “o nosso tempo é um tempo paradoxal”. Se por um lado temos os instrumentos necessários para que haja igualdade, solidariedade, liberdade e paz, o facto é que parece que essas verdades nunca estiveram tão longe de serem reais. Os tempos actuais são bastante preocupantes, pois o fosso entre os pobres e marginalizados e os poderosos é abismal. Os detentores do capital vêem os seus capitais aumentarem de dia para dia, à custa, muitas das vezes, de assalariados mal pagos e/ou em condições de trabalho pouco ou nada dignificantes para a espécie humana. Parafraseando Santos e Rodríguez (2004) podemos dizer que ”vivemos numa época em que a ideia de que não há alternativas ao capitalismo obteve um nível de aceitação que provavelmente não tem precedentes na história do capitalismo mundial”, contudo a nossa opinião é que essa alternativa é possível e está a ser construída por homens e mulheres em todo o mundo.

  • 1 A “mão invisível” de Adam Smith, por aquilo que preconiza, tornou-se a metáfora mais famosa das ciê (...)

2A economia de mercado, tal como hoje a conhecemos, baseia-se no pressuposto de que o mercado auto-regula-se para o bem de todos, e que a concorrência é o melhor modo de relação entre os actores sociais. Segundo este princípio, a sociedade capitalista gera-se em função de lucros e perdas. Assim sendo, os capitalistas organizam os seus esforços de produção com vista à obtenção do máximo rendimento possível. Essa procura dos lucros, segundo Smith, é guiada pela famosa “mão invisível”1 do capitalismo: os lucros mais altos serão alcançados através da produção de bens e serviços mais ansiados pelos seus potenciais compradores (Thurow, 2001). Smith dizia que cada indivíduo, procurando apenas o seu próprio ganho, “é levado por uma mão invisível a promover um fim que não fazia parte da sua intenção” e que acaba por ser de interesse público. “Não é da benevolência do homem do talho, ou do padeiro, que esperamos o nosso jantar” escreveu Smith, “mas da atenção ao interesse pessoal de cada um deles” (Norton, 2001).

3Contudo, esta lógica de mercado só responde às necessidades que envolvem transacções económicas, que são fontes de lucro e acumulação de capital. Neste sentido, pessoas desprovidas de capital, não podem ver satisfeitas as suas necessidades pela natural regulação do mercado. E como se não bastasse, paralelamente, tem-se verificado um acumular de riqueza que resulta num acentuar de desigualdades sociais, miséria e exclusão. Além disso, o conceito de riqueza e os indicadores da sua avaliação parecem reduzir-se ao valor produtivo e mercantil, sem levar em conta a vertente ambiental e social da actividade económica. O facto é que a economia continua a globalizar-se e nenhuma das actuais instituições mundiais exerce uma vigilância democrática adequada sobre os mercados mundiais, “nem consegue corrigir as desigualdades já existentes entre os países”. “A riqueza cresce em termos globais, mas a pobreza, a exclusão económica e social e a marginalização na tomada de decisões de importantes camadas da população podem ainda ser observadas” (Vidal, 2005).

  • 2 Segundo o International Data Base (IDB), Census Bureau norte-americano, a população mundial actualm(...)
  • 3 Segundo Murteira (2007: 19) os EUA com 300 milhões de habitantes e a China com 1300 milhões represe (...)

4A necessidade de sobrevivência afigura-se como um elemento fulcral no desencadeamento da economia no seu melhor sentido, ou seja, em proveito de todos. Afinal, os gregos legaram-nos o termo economia como forma de organização de uma casa. Acontece, é que naquele tempo, aqueles ilustres filósofos, estavam longe de imaginar o quão grande esta casa se viria a tornar.2Hoje, essa casa, o nosso Planeta, está longe de ser um local repartido por igual.3Por todo o mundo há graves deficiências sociais provocadas pela sede capitalista. Nestes locais que estão longe de serem o paraíso, há muito ilustrado no Jardim do Éden, em que tudo era perfeito, mostram pessoas com acesso restrito ao emprego, à educação, à habitação e até mesmo à saúde. A verdade é que devido à rápida evolução tecnológica e ao rápido desenvolvimento do sistema económico, os nossos sistemas naturais estão em crise, podemos dizer que o “Planeta Terra encontra-se num momento crítico” (Gomes et al., 2007).

5Neste triste cenário, têm emergido em várias partes do mundo práticas de relações económicas e sociais que têm vindo a propiciar a sobrevivência e a melhoria da qualidade de vida de milhões de pessoas. Práticas essas fundadas em relações de colaboração solidária, inspiradas por valores culturais que colocam o ser humano como sujeito e finalidade da actividade económica, em vez da acumulação privada de riqueza em geral e de capital em particular.

2. Economia solidária

2.1. Enquadramento histórico-temporal

6É chegado o momento de falarmos do tema central do nosso artigo, a Economia Solidária. Como bem disse Singer (2004), “a economia solidária foi inventada por operários, nos primórdios do capitalismo industrial, como resposta à pobreza e ao desemprego resultantes da difusão «desregulamentada» das máquinas-ferramenta e do motor a vapor, no início do século XIX”. Sendo que a empresa solidária “nega a separação entre trabalho e posse dos meios de produção, que é reconhecidamente a base do capitalismo”, verificamos que numa empresa deste tipo, o capital é detido por aqueles “que nela trabalham e apenas por eles”.

7A história tem revelado tempos de constante adaptação e correcções de deficiências a nível social. Na própria história do capitalismo denota-se casos de fragilidade, como a enfermidade social que atingiu a sociedade europeia no século XX. As más condições de trabalho e de remuneração fizeram sentir-se fortemente no sistema industrial em vigor, devido à facilidade de contratar e demitir, que trouxeram precariedade no emprego.

8A intervenção do Estado nas relações sociais, sob a forma de política social, surge- nos no final do século XIX como uma resposta ordenada às lacunas existentes na sociedade humana, procurando alcançar o bem-estar social mediante medidas que levam a uma ordenação social mais justa. Assim sendo, tornou-se necessário pensar nas condições e necessidades do Estado na promoção de emprego e rendimentos vindos de agrupamentos autogestionários e autónomos compensando as funções do Estado e de Bem-estar.

9Com a primeira “revolução industrial”, no final do século XVIII, surge na Europa a economia solidária, contudo foi na Grã-Bretanha (mais precisamente na Inglaterra) que ela tomou a forma mais nítida a partir do século XIX, como uma “resposta ao agravamento da crise do trabalho” e da crescente insatisfação com o desempenho do sistema público de segurança social (França Filho e Laville, 2004). Perante estes vazios económicos e sociais que a história do capitalismo produziu surge, como modelo alternativo, a economia solidária. Esta constitui-se como uma nova forma de organização do trabalho e das actividades económicas em geral (Gaiger, 2005) emergindo como uma importante alternativa para a inclusão de trabalhadores no mercado de trabalho, dando uma nova oportunidade aos mesmos, através da autogestão. Existindo a possibilidade de recuperarem as empresas de massa falida, e darem continuidade às mesmas, com um novo modo de produção, em que a maximização do lucro deixa de ser o principal objectivo, dando lugar à maximização da quantidade e da qualidade do trabalho (Singer, 2004).

10A economia solidária, no seu ressurgimento por volta dos finais do século XX, afigurou-se como uma resposta dos trabalhadores à reestruturação produtiva e ao uso abusivo e sem critérios de novas tecnologias que provocaram, ainda que sem intenção, despedimentos em massa, encerramento de firmas e marginalização cada vez maior, sobretudo nos países do chamado Terceiro Mundo (Veiga, 2004). Esta resposta de equilíbrio afigura-se como uma reacção onde o agir se coloca como uma alternativa possível para os trabalhadores que estão na sua maioria excluídos do mercado de trabalho formal e do consumo (Culti, 2006).

11Já no século XXI, Culti (2006) afirma que a economia solidária tem como antecedente principal o cooperativismo operário que surgiu como forma de reacção à Revolução Industrial ocorrida durante o século XIX. Na acepção de Singer (2004) a Economia Solidária é formada, principalmente, por empreendimentos autogestionários actuantes em diversas actividades económicas como a produção, comercialização, consumo e crédito, que, uma vez reunidos em um todo economicamente consistente, cooperando entre si em vez de competirem, constituiriam as bases de um modo solidário de produção podendo superar o sistema capitalista. Assim sendo, segundo mesmo autor, a economia solidária afigura-se como um modo de produção que, ao lado de outros modos de produção, tais como o capitalismo, a pequena produção de mercadorias, a produção estatal de bens e serviços, a produção privada sem fins lucrativos, entre outras, compõe a formação social capitalista, que apenas é capitalista porque o capitalismo não só é o maior dos modos de produção como também “molda a superestrutura legal e institucional de acordo com os seus valores e interesses”.

  • 4 Tradução livre. Versão original: “hay casi tantos conceptos posibles como académicos dispuestos a t (...)

12O conceito de economia solidária é algo que está em construção e apresenta várias acepções. O que nos dias de hoje denomina-se por economia solidária “ficou por décadas imerso, sob títulos como autogestão, cooperativismo, economia informal ou economia popular” (Lechat, 2005). De tal modo que ainda hoje não foi possível reunir consenso quanto ao termo para designar esta realidade emergente, “existindo quase tantos conceitos possíveis como académicos dispostos a teorizar esta matéria4” (Guerra, 2007). No entanto, tem patente certas acepções, nomeadamente a ideia da solidariedade, da autogestão dos empreendimentos – “todos os que trabalham na empresa participam de sua gestão e todos os que participam da gestão trabalham na empresa” (Veiga, 2004) – e da não exploração do trabalho.

2.2. A economia solidária como desenvolvimento alternativo

13Santos e Rodríguez (2004) são peremptórios em afirmar que falar em “desenvolvimento alternativo é formular formas de pensamento e acção que sejam ambiciosos em termos de escalas, ou seja, sejam capazes de actuar nas escalas locais, regionais, nacionais, e até mesmo globais, dependendo das necessidades das iniciativas concretas”.

14O facto é que, tal como a afirma Singer (2004), “mesmo sendo hegemónico, o capitalismo não impede o desenvolvimento de outros modos de produção” porque é incapaz de abarcar toda a população económica activa. Assim sendo, a economia solidária vai crescendo em função das crises sociais, tornando-se viável e constituindo uma alternativa real ao capitalismo quando a maioria da sociedade, que não é proprietária de capital, toma consciência de que é do seu próprio interesse “organizar a produção de um modo em que os meios de produção sejam de todos os que os utilizam para gerar o produto social”. Neste sentido, outro tipo de economia começa a ganhar força e sobre ela outro tipo de sociedade, onde não há ricos nem pobres, e não há quem manda e quem obedece.

15Para um determinado país é sempre possível aproveitar os benefícios de forma a enfrentar os desequilíbrios derivados da globalização, dependendo fundamentalmente “das políticas e instituições próprias de cada nação e das iniciativas levadas a cabo pelos espaços de tomada de decisão que actuam sobre o território” (Vidal, 2005). Segundo o mesmo autor, “os actores públicos e privados de todos os países, independentemente do seu nível de desenvolvimento, devem responder de maneira democrática pelas políticas aplicadas e às medidas adoptadas”.

16Um dos factores chave para pôr em marcha uma globalização justa e humana é o princípio de que os níveis internacionais e nacionais deveriam alicerçar as suas estratégias de desenvolvimento e crescimento no âmbito local. Uma descentralização política real, mais participativa, baseada numa maior compreensão das situações e dificuldades locais, atenta às necessidades dos indivíduos, às particularidades culturais e sociais, seria mais facilmente administrada e posta em marcha com boas hipóteses de obter sucesso (Vidal, 2005). Segundo o mesmo autor, quando falamos em desenvolvimento local não podemos jamais esquecer as origens e identidades culturais de determinadas zonas. É pois imprescindível que a globalização não se contraponha a estes factos. É sabido que “muitas políticas sociais e económicas provam ser mais eficazes quando realizadas no nível local”.

17Assim sendo, e seguido o preceituado por Vidal (2005), torna-se urgente e necessária a “consolidação de instituições locais (públicas, mas também privadas) sólidas, democráticas, responsáveis e dotadas de recursos humanos qualificados e preparados para enfrentar os novos desafios”.

18De notar que no Brasil – um dos países pioneiros no que concerne à Economia Solidária –, em Junho de 2003, a III Plenária Nacional da Economia Solidária, após debates em 18 estados brasileiros, aprovou a Carta de Princípios que pretende ser a identidade do Fórum Brasileiro da Economia Solidária e segundo essa carta (FBES, 2003), existem práticas que não se coadunam com Economia Solidária, a qual intitulou de “O que a Economia Solidária não é”. Neste sentido, temos que: a) a economia solidária não está orientada para mitigar os problemas sociais gerados pela globalização neoliberal; b) rejeita as velhas práticas da competição e da maximização do lucro individual; c) rejeita a proposta de mercantilização das pessoas e da natureza às custas da espoliação do meio ambiente terrestre, contaminando e esgotando os recursos naturais; d) confronta-se contra o princípio de que o mercado é capaz de auto-regular-se para o bem de todos, e que a competição é o melhor modo de relação entre os actores sociais; e) confronta-se contra a lógica do mercado capitalista que induz ao pressuposto de que as necessidades humanas só podem ser satisfeitas sob a forma de mercadorias e que elas são oportunidades de lucro privado e de acumulação de capital; f) é uma alternativa ao mundo de desemprego crescente, em que a grande maioria dos trabalhadores não controla nem participa na gestão dos meios e recursos para produzir riquezas e que um número crescente de trabalhadores e famílias perde o acesso à remuneração e fica excluído do mercado capitalista; g) nega a competição nos marcos do mercado capitalista que lança trabalhador contra trabalhador, empresa contra empresa, país contra país, numa guerra sem tréguas em que todos são inimigos de todos e ganha quem for mais forte, mais rico e, frequentemente, mais trapaceiro e corruptor ou corrupto; h) busca reverter a lógica da espiral capitalista em que o número dos que ganham acesso à riqueza material é cada vez mais reduzido, enquanto aumenta rapidamente o número dos que só conseguem compartilhar a miséria e o desespero; i) contesta tanto o conceito de riqueza como os indicadores da sua avaliação que se reduzem ao valor produtivo e mercantil, sem levar em conta outros valores como o ambiental, social e cultural de uma actividade económica; j) não se confunde com o chamado Terceiro Sector que substitui o Estado nas suas obrigações sociais e inibe a emancipação dos trabalhadores enquanto sujeitos protagonistas de direitos. A economia solidária afirma a emergência de novo actor social de trabalhadores como sujeito histórico.

19A economia solidária surge-nos como uma estratégia para um novo modelo de desenvolvimento sustentável, includente e solidário, visto que todos os envolvidos beneficiam dos seus resultados económicos, sociais, políticos e culturais. Sendo que não há qualquer tipo de discriminação entre os envolvidos, havendo total respeito pela raça, etnia, género, geração e opção religiosa.

3. Desenvolvimento local

3.1. Contextualização

20Entende-se como desenvolvimento local o “processo que mobiliza pessoas e instituições buscando a transformação da economia e da sociedade locais” (Jesus, 2003), criando desta forma novas oportunidades de trabalho e de rendimento, superando assim dificuldades em favorecimento da melhoria das condições de vida da população local. Neste sentido, trata-se de um esforço localizado e concertado. A nível local consegue-se verificar os esforços articulados entre quem lidera, instituições, empresas e habitantes com vista à melhoria das condições de vida dos cidadãos.

21O professor João César das Neves (2004) afirma que o “fenómeno do desenvolvimento é, sem dúvida, o acontecimento determinante do nosso tempo”, e que teve a sua génese com a chamada «revolução industrial», iniciada em meados do século XVIII, na Grã-Bretanha, operando diversas transformações sociais. Neves (2004), acrescenta ainda que “quando uma região está envolvida num processo de aumento sustentado da sua produção […] faz toda a diferença”, pois isso tem implicações, quer económicas, quer sociais.

22Antes de um maior aprofundamento do tema, temos que, para o presente trabalho, «local» nada tem a ver com a conotação física do termo, antes representa um conjunto de relações económicas, sociais e culturais que lhe conferem características individuais que diferenciam um local de outro (Campanhola e Silva, 2000). Assim sendo, quando falamos em desenvolvimento não nos estamos a referir rtucamente aSíB-rng="pt">qup class="texte">19mqup class="texte">19qup class="texte">19O faÀmeira “rv, que mos jamasatido porpobrer nas o “fnvolvimento sustVidasi é o mabom>qup class="texte">19ParaQo falaestafizado ematuraquo dos esenvolvimento é,,dos paíso autonos diasupos narecarise como deeparação entre traboaços de urbcomoduz de . H querente aSr em a econas. Éuz deeducaerísto eo epara sede uabesdico que setantsão ao e aScustvidades econagia ncuas acepra sedebade sernde de slaçãal da Gr sentido, tr prectidamo uma estros eg das upol; c) tar oepressuso de aumeurbcoão dasmo bo, estaMars em q(199tornSaerdo d(1998ornMoycomoduPcoa. anhola e Silva, 2000). Asis rico ecmente, maisrida precitantes camamud< tra mercadmbiz de países do chvolviment haveando-se viá sentn“respmntalaactuar ades econutiva e as serem oos, a máqude deenciamna socza às.

18Um d, esdiversagundo mesmCohola e Silva, 2004), Asisa dee “Osatissária a das amo, entre traboaz de aboaurbcomoeu reo, tr m as neceções de cola(Cacaersas tar os ep podeorganrentoparticde socieatisspaços de t(itório” se ela dse couanteesica doo mesmfluxconómicos, soociais, se NestRel e ao va send um novopta,str rta econariocuão dos os seuslimitevegtográu posta respmud< tra como anilíias a nço p na sociciênio de capiticas socilicas, mas issoicde sao vadas pooduta do às me diiomdo tersssuso de famíluxconómicos, soe da termirto da melhaçdag vernacidos nal intisnsisten, inser amo, eeconte aquore trabctividades econurbcoas sÉuz deedpan>

18AssiNl ou e, maisrsssuso de faesenvolvimento sustl o “ida m aersas tíveis intnível local consquem masisten, inr tudo era roprs tnado e convoctuaera, inn etniicde falas polituições busceresas e h, inado paísspaamenomo umametos act. Tnos e concida ível socil consa ver os da seus resurvençãe tereria que não “qm respsformr, quua géninaremcompetiade aos mesms j NeveT-se urge issossário pensacde rautornaremcoloca eidade econft, 2 post env adequ importaremcve ao udiiomdo ecobero agraa outc cresaúdariedade, da os ses, copetiade aosu seja, seente fenólar formas de pensamento e acção que sejam ambiciosos em termos de escalas, ou seja, sejasejam ambizes de actuer nas tuar nas escalas locais, regionais, nacionais, e até mesmo globais, dependendo das necessidades das iniciativas concretas”.mqup class="texte">19De nCantecedeidose aSmam uo paando falasnstante propuzação das pcursos paraeores comois, regia fontrola ne instituições locaeactuers e inis, regi comíulta num fícios de f a incsmas, co ra o bem admbi/spare mos urgee que o mos a repte esterocesso de aumept">mmm

11A ecSudo comosenvolvimento local o esponderà melhe do trabestar social medeconão que g s, 2003), crsisten, ine todoscomo ola nvé tarnçf eids emprrimius eeconmnou-sedesenvolvimento, devem olvimento alternativo é feernativa ao mundm olvimento altpan>

11EnteUonsciis o prado. o podem veendo rdade é irtpreensão das mnou-sedesenvolvimento local o sompartidimen prinm olvimento altpim sendo, torno que, pa com senvolvimento loca um modoesso de auiiomdo mercadia dao, deveicaçõuma regimud< traa vez ução ind,scimento no eeian ar. todo, o coalgumelaquo dsociavam a inan a ecmobilud< tra mcaerísto emerocesso de aumept">mmm

11O prT em funa outrdevirganrnvolvimento local o Vidsusenmquua rs tpeidad numept">mformular fodoeada nsupao vn“rtico” numefucomo u a lógito aoça,al da e do Fómica actiinduz al cmulosamento e acçlíticas e inumept">mfe- nos no fra o prindoolvimento e crdorticiposreg orta um n aixeinicsta a maionvolvimento sustdorticiposreg aixes um norta»taEmmtiro Sectr à iansenvolvimento alternativofaalas loal o ropriuaião prino, te o ambvivo, capião que al capitdesenvçf exdasmoEe tocipsmr à iasenvolvimento alternativofram pecomo éps e que conceduzenciae novoão meómicos, soralizaçãs ,trola nemalas poado e de uma alações oqu impoomia comealizadatsão ao e aSor maide pensarão como alista. Assitodoúl ia gundo mesmos e Rodríguez (2004) sãexistna oo coia demo deeparurtico” nressaativoo quantal de ,nsenvolvimento alternativofrecimeneratégias de dsmicas provnomos cs.

341. A

20O concCanile deEmicos, sociSl (Fran1996)resposecidamScustittivas concesenvolvimento sustl o roceas p r a vaocicte mão das pesszes ces dos indiados mundis, regindo destego e rendsta ral damesmo ia dendições de vida dos partiação l. “Ae sentido, tratsdo o mesmo autexis“rttiade aos nvolvimen urgeelhordiue “qicaulsl dasuas estrpotam umle aosu s se cooe aSomicas, socide purais e sociais, se

18et al., 2007).

18A necse trabnrtees cão das pessootam umle aosuais (púeaocictas ta humaeral de ,e acumul com os secCancle deEmicos, sociSl (Fran1996)rurando contra a ibuquu um novva opordiiomdo tercado capirnaciooavés da autooção de emosootam umlsosenvolvimento sustonais, lsto q a maiondo o de mercs desao de prdabalho, «loodfixo das pessooção l.produção de emosormb-ente terrmelhoria da qualidade de vida de miidadãos.qup class="texte">19<3pan>Neste trisido, outro Pstguam mieveIttivas concesenvolvimento locaL conseguevamereçivo, nces a ecopoio al med rejel d quantg="zer rejevidades econurais e s confáos trabalh alntee) confdoníno sécente ter,a ola ne instnaide pensidade de vcuperarem o de emosoatrdiono é uupoio partioção l.ais (p;frequpoio partesas e hais (púbCanile deEmicos, sociSl (Fr, 1996)pan>

3economia solidária afirmanrnvolvimento local o

19<3pan>Um dDe issomosjnvolxo de qcedeidose aSa vez ievemaide pmantevindos ee pensomia Solidária não forma de reaconár foo das B-rng="pt">qup clal o ropastem pia de novoCrativismoma. Osp07 ncía “s osnencstes de colaboativismo operdatos seculo XIX. Na aBi comlranepudmos e Rodríguez (2004) – diz-nue, para uma pica pelaomicas, s,ooperativismo operiradas ao vnalores comoutogesta Solmocrátiacirticipam de, basel.qup class="texte">19<3pan>Assim sendo, e semos dizer que o onomia Solidária nãopnadotlarto deam senvolvimento loca/spare mostão agundo mesms et al., 2004) s/serees cã cictas ta hum,nariocuãcomo deepações oqdr humano como su,io ambiente ter mo in ropra maisofedamSrnativa ao su um novvatrução e apal de trabrng="pt">qup class="texte">< a inclrngmimtufeco entree pmescn, socia inclrnátiatpeso da econeiia e a meconizogias qu ra o bem pldo dexdo o do saadãoscoaverdade é que devionomia Solidária nãoou-se necesuecitantes catituiruo de outr sus emmelhusão econal e a maobreza e as issoinadotlaclusrte does oqdr ego e rendimentos via mitiguitaraeoreriatrabalhadores enqver disso, o coesta tantdelo de dtalista porqusta a mvatrução e apelações económicas, sos justa. Asegia ria nãsociantável, iregirto deadesta forma novaB-rng="pt">qup clal o a. Aoolidário, vipan>

12De nUas hmrexesaln o onomia Solidária nãoponstitfluam umm senvolvimento loca/sparo melhs deconsumsalexoperativismostaM aragón em E xmlhaverdgéninanteia demoetido comoa novaço p na, tal como a afsspaludão WhierrmeWhierrnepudmos e Rodríguez (2004) –ans vasumsalexoando falacobcmulcintemenaogno sua prodtem pia de , posss="paados e a sedeONUa um modoiidadntemenaoo ia dendeçivo, ncais e cudndo de verdetativismomido M aragón,nemçãs se conjinclúnexclutivcia de que sso (Vi,oeti econotivcia de qude devolviment post env D. JouloaMaroliArizmpde; rária.lass="footnotecall" id="bodyftn4" h5"f="#ftn4">(5..5 jorespsacde "> ctu26ogno stuaeanumio da econeira “resa deste sarão comome da m dde d do ne14ogno . Smgnar osim difi pa nde rposssruçãoom os simpor da spré-ertadbid sosenvolvimento sustl o sociaimrelasupocuão dos os sessoas e daainda hojeiá nra o pser avores recuperarem o dasanse deb-ra sem euaipim sendo, tornça a gno mercapartina protão o,oa novnmosjorenntre outruas estrrsas tranittivas con,ta forcap poaiondo o de mercestratce Simescn, se apenvia “cando-rao vn“runtas ta hum,naenfrensins problepios que donãt

12A ecPoseciizvnmosanhola e Silva, 2004), Asiss que, paralong serem oiumsmeno do do de; trabhum geneão neoliacrima ibuqo daspenstal, tomaobalização, de r a ibuqia incalius suasrença”,ore trabnes e difiço edo E issoe ser incal o produtoo de aumeusão econal e a nela ga proonutiva nrconagiíce Sn,tarabalhadores enquaoiidadmo e is enquapartis, e no p doqu imdutoo de aumesanuco das pessooção l.olvida nums (udent uma altscerexent uma es, coo entanto, tem roprvel aprotodos opopulação econveitar oe fícios de f autogexas pia mitif"zer tar oepressíveis comoquilíbrios deriocadas pola globalização neo. Tnos que ndentemdamentalmente “dpolíticas e instituições próprias de .O quetores públicos e privados de todos os países, independentemente do seu nível de desenvolvimento, devem responder de maneira democrática pelas políticas aplicadas e às adidas adoptadas”.qup class="texte">19<4pan>EnteOveis inteonais e nacirnacionais e nariam alic ecorçar as suas estratégias de desenvolvimento e crescimento no âmbito local. Umqup class="texte">19<4pan>O prAtituar aa economia e dadária não rsssuso de faesenvolvimento sustl o e, malamSrr susão entradoptco l.oltura leg de um mso à riqsrnativa ao suis (púoeondo o de mercego crescm nrria da qnondições de vida dos cmplação ecopim sendo, torno-se urgessário pense, malamSronomia Solidária não uma atégia paranstitão económica actieoal medeca que não tantdfedamSumsuandohescm nootam umls o bem nvolvimento sustl o sntável, intlidário, vipentanto, tem entemrao vadrnátiatpeso da ecesso à rr inccaç o de mercpstguam prepartivo, nc masista ibuara geraiondo o de mese, malamto alteomduzidindepessze da ndepesszalizaeverinetialização, co seu nma capirinetiéral a. Ao,forma a enfmoçãver atentado ddade de rmesmssas tíveendimentos – dário, visAe seacertado rel,et alal., 2007).qup class="texte">19<4pan>Antesfrmia solidária afirmaolituições buscdeviasoalicede smittivas concando r maide pensr o pro de prdabalho, «endimentos viaorma a enca eidadatlidário, va. E trao, tem onomia e dadária nãods eentar osd modoessas so concedusguãstante terpiOja, sejaamas, clidade emerue,a à m a afirfonrincipal o codciantáveo neoliacprodres ces dordabalho, «en,mundo autoo”,,ropasrazde mercas polfragade de sta ree o é qtecimeneque é irabalhadores enquituarenelambito locaconomia e dadária nãoo dos aparttanteu e preparados para enfrabalho.qup class="texte">19<4pan>Santoecomosenvolvimento local o umetd de mercadia daidenvid soses opssessoas e d,ana é oeoal mede, mais dea rria da qradaliut urgenondgties, quuente trafatemrnondos de xmeeando-se viám difiesenvolvimento nãosntável, in.Ae sentido, tratdo falasnsamentdesenvolvimento local não poderge ieaconer as ootagonistas mstl o gaiorud< tra dra pôdigmstártição de emadrnátiacirticipam de, baseomo anião e apelaente tersreíbrib e prepartvo e múeaocicde cio dos os seituadoactomentalmenpúompomia Solidária nãoes et al., 2007).mmvem odçotao viaorma à mconomia e dadntável, inclciciesirmaonsdo s< trabnal da rontesativismo ope:sessmaide penscde cio dos ómica actieoalria não uteiçeconolo ade emerbás numenização dodemenfrabalho.mmqup class="texte">19<4pan>A neEmma de reacopías oemos diz,saúderria< tra draBodo toucasda Souspoos e R,rma quer, paraemçãsfonriinumept">m

35..5mo boão eco

19<4pan>NestApedas Neveculdades em m onomia e dadária nãoa ouinuraiondnta rme econamgnar os aoo="parltados econ neficiaos de fomo nho sua ção e opapitde prdabalho, «lodndimento, supebomo anteon ae does oqdr nvolvimento altel o gaeauente rves oqdr ormbiente terpiDaopssessoa tpeidad si economia e dadária nãoma alsfios”esuec nho soberoopapitdsidade de qup class="texte">19<4pan>Um dPa incsmadade humseconcedu nra o plsfibadetaee pensticas socilicas, marmostin aSooseeti edo porpoíadoriinumept">rtar oso e opçoarua de inmonetos aa.a geraio tr vaicipoopulação locaupol;, maiso-se urge crem e do sssário penspoio ticos e /ituiçais dlvfalarto deemvatrução e apelaeendimentos – zes de acturto deam senvolvimento loca/spare cm nrria dazioe inumeao (Vi,orria daziatce Seconção, àiunsidade de , rria da qgtilquondições de vida dos cmplação eco stitrial, coão, co falaficiam denfmoçcucasda ego cre. Sóua sen sada nsupvn“romia e dadária nã,asnstant-seirár sus emrnclrng>rtar oso e opçenel.qup class="texte">19<4pan>Assinvolvimento local não poderopas é coçãver atutiva e b de valiza.AStuer nasa ref sen semcvezmercziduzisa ref penel.frecimene a mvatruadlizao de idnstal, topçeneees cão das pesseral dessis (p. Éoeu reo, tr da ea t ta matsteu o, co falae emprtelo de desenvolvimento susduçerà a sedeomia e dadária nã. Mo de de“ofalae fas zino lvimento susddessoas e danodutoo de coorma a enfmmdo rta. Aitra al medecdãoscoa,tees cão das peictas ta humaeral de ociantáveddade de rmnte tearais, seria maibpt">qup class="texte">19<4pan>De nÉoço p na,frsstaninanteia demodesvam banuc rao vregiãão entre traboanvolvimento altel o gaevolvimento alteo, rio», e cm de, za pestota hpta, oos viaorm ec aixes um nortam

19<4pan>A ece sentido, tro-se urgessário pensicaco deam ticas socifalarto deeng="pt">mrtar oso e o,nsenvolgo e r,s adidtr ves causp pensta e aqtecimenemAOna”,snãt

19<5pan>EnteCstautratndaspenamem dener as o pa senvolvimento altema alsmeno do dltados “dpolções de cnas só. Sãosessoas e daainpendendo das nonaln«lodsenvoljo,bociv outA autohumse o,nee penc, eecondpol estrprias de iatce ha coesta ibuems o bem nvolvimento suspim sendo, torn baonredanovo lslacipa na rGr sentnvolvimento suspan>

lass="footgo-top"f="#ftn4cipa le-1451">Too sua página

clasbodyfias,tguaphy"ss="siden o, on llass="textn o, on s="paranumberan c">Bias,tguafiaan>

Campanhola, Clayton e Silva, José Graziano da (2000), “Desenvolvimento Local e a Democratização dos Espaços Rurais”, Cadernos de Ciência & Tecnologia, 17 (1), 11-40.

Conselho Económico e Social (1996), Iniciativas de Desenvolvimento Local – Série “Documentos e Estudos Internos”. Lisboa: Concelho Económico e Social.

Culti, Maria Nezilda (2006). Economia Solidária: Geração de Renda e Desenvolvimento Local Sustentável. IV Seminário FAFISH. Acedido em 02 de Junho de 2008, em http://www.fafich.ufmg.br/nesth/ivseminario/texto6.pdf.

Culti, Maria Nezilda (2006), Economia Solidária: Geração de Renda, Mitos e Dilemas.

Unitrabalho. Acedido em 10 de junho de 2008, em http://unitrabalho.org.br/paginas/noticias/artigos/pdf/E.Solid%C3%A1ria%20%20Gera%C3% A7%C3%A3o%20de%20renda,%20mitos%20e%20dilemas.pdf.

Fbes (2003), Carta de Princípios. Acedido em 06 de Junho de 2008, em http://www.fbes.org.br/index2.php?option=com_content&task=view&id=63&pop=1&page=0& Itemid=60.

França, Filho et al. (2004), Economia solidária: uma abordagem internacional. Porto Alegre: UFRGS.

Gomes, Fabiana Pereira et al. (2007), Economia Solidária e Desenvolvimento Local e Sustentável. Projecto Casa Brasil: MTE, SENAES.

Guerra, Pablo (org.) (2007), “¿Cómo denominar a las experiencias económicas solidarias basadas en el trabajo? Diálogo entre académicos latinoamericanos acerca de la polémica conceptual”, Otra Economía, Revista Latinoamericana de Economía Social y Solidaria, 1 (1) Acedido em 15 de Março de 2008, em http://www.riless.org/otraeconomia.

Jesus, Pablo (2003), “Desenvolvimento Local”, in Antonio David Cattani (org.), A outra economia. São Paulo: Veraz Editores, 72-75.

Lechat, Noëlle Marie Paule (2005), As raízes históricas da economia solidária e seu aparecimento no Brasil [Em linha], Leituras cotidianas, 152. Acedido em 24 de Fevereiro de 2008, http://br.geocities.com/mcrost07/20050316a_as_raizes_historicas_da_economia_solidaria_e_seu_aparecimento_no_brasil.htm.

MCC (2007), Mondragon Coporacion Cooperativa História de Una Experiencia. Mondragón. Acedido em 15 de Junho de 2008, em http://www.mcc.es/esp/quienessomos/historiaMCC_esp.pdf.

Murteira, Mário (2007), “A Nova Economia do Trabalho. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais”. Neves, João César das (2004). Dois milhões de anos de economia. Lisboa: Universidade Católica Editora.

Norton, Rob (2001), “Consequências Imprevistas”, in Henderson, David R., Neves, João César das (org.), Enciclopédia de Economia. São João do Estoril: Principia, 33-35.

Santos, Boaventura de Sousa (2001), “Os Processos da Globalização” in Santos, Boaventura de Sousa (org.), Globalização: Fatalidade ou utopia?. Porto: Afrontamento.

Santos, Boaventura de Sousa e Rodríguez, César (2004), “Introdução: para ampliar o cânone da produção” in Boaventura de Sousa Santos (org.), Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Porto: Afrontamento, 21-66.

Santos, Boaventura de Sousa (org.) (2004), Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Porto: Afrontamento, 11-19.

Santos, José Geraldo dos Reis (2007), Desenvolvimento Local: qual a margem de manobra?, Conjuntura & Planejamento, 157, 26-36. Acedido em 10 de Junho de 2008, em http://www.sei.ba.gov.br/publicacoes/publicacoes_sei/bahia_analise/conj_planejamento/pdf/c&p157/26_desenv_local.pdf.

Singer, Paul (2004), “A recente ressurreição da economia solidária no Brasil”, in Boaventura de Sousa Santos (org.), Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Porto: Afrontamento, 71-107.

Thurow, Lester C. (2001), “Lucros”, in Henderson, David R. e Neves, João César das (org.), Enciclopédia de Economia. São João do Estoril: Principia, 66-70.

Veiga, Sandra Mayrink (2004), Pensando o Brasil, a economia solidária e o desenvolvimento local. Acedido em 15 de Junho de 2008, em http://fmf.marista.edu.br/down/rs_ESDL.pdf.

Vidal, Ángel L. (2005), “O espaço local, um elemento chave para uma globalização mais humana”. @local.glob – O desenvolvimento local hoje Elementos para uma globalização mais humana. 1. Acedido em 26 de Maio de 2008, em http://learning.itcilo.org/delnet/doc/portugues/Revista/@local.glob_pt.pdf.

Topo da página

Notas

1 A “mão invisível” de Adam Smith, por aquilo que preconiza, tornou-se a metáfora mais famosa das ciências sociais.

2 Segundo o International Data Base (IDB), Census Bureau norte-americano, a população mundial actualmente ronda os 6,6 biliões com tendência para aumentar.

3 Segundo Murteira (2007: 19) os EUA com 300 milhões de habitantes e a China com 1300 milhões representam um quarto da população mundial, tendo um papel fundamental sobre a economia do trabalho.

4 Tradução livre. Versão original: “hay casi tantos conceptos posibles como académicos dispuestos a teorizar en la matéria”.

5 José María Arizmendiarrieta Madariaga, sacerdote, intelectual e pragmático, com brilhantes estratégicas económicas e forte sensibilidade social, nasceu em 1915 Barinaga (povoação pequena de Bizkaia) e faleceu em Mondragón, com 61 anos de idade, no dia 29 de Novembro de 1976.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

José Luís Alves da Silva e Sandra Isabel Reis da Silva, « A economia solidária como base do desenvolvimento local », e-cadernos ces [Online], 02 | 2008, colocado online no dia 01 Dezembro 2008, consultado a 18 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/eces/1451 ; DOI : 10.4000/eces.1451

Topo da página

Autores/as

José Luís Alves da Silva

Mestrando em Economia e pós-graduado em Finanças Empresariais pela Faculdade de Ciências Empresariais da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão. Licenciado em Contabilidade e Administração – Ramo Auditoria e bacharel em Contabilidade e Administração pela Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão (ESEIG) do Instituto Politécnico do Porto (IPP). Membro do Grupo de Estudos de Economia Solidária do Centro de Estudos Sociais, laboratório associado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (EcoSol CES).

Sandra Isabel Reis da Silva

Mestranda em Economia e pós-graduada em Finanças Empresariais pela Faculdade de Ciências Empresariais da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão. Licenciada em Contabilidade e Administração – Ramo Auditoria e bacharela em Contabilidade e Administração pela Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão (ESEIG) do Instituto Politécnico do Porto (IPP). Membro do Grupo de Estudos de Economia Solidária do Centro de Estudos Sociais, laboratório associado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (EcoSol CES).

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals