Navegação – Mapa do site
Artigos

Entre narrativas oficiais e novas ferramentas de formação identitária na Ucrânia pós-soviética: a construção espontânea da nação*

Abel Polese
Tradução de Dominique M. P. G. Boxus e Jorge Ferreira

Resumo

Este artigo introduz o conceito de construção espontânea de uma nação, concebido como uma série de eventos que podem ser considerados como ferramentas de construção de nações, mesmo não tendo sido concebidos com esse objetivo. Neste sentido, abordam-se aqui duas questões relativamente pouco estudadas na construção das identidades. Em primeiro lugar, o facto de a investigação sobre a construção das nações, particularmente na antiga URSS, se ter concentrado maioritariamente em “ferramentas tradicionais” e indicadores como policy-making. O presente artigo sugere a emergência de novas ferramentas e estratégias que não foram conceptualizadas até agora. Em segundo lugar, o facto de a maior parte da bibliografia sobre construção de nações partir de um relato exclusivamente centrado na elite e focado no Estado. Embora reconhecendo a importância de iniciativas estatais e institucionais, este artigo visa salientar a importância analítica da interação do Estado com iniciativas não estatais ou aquelas em que os atores tradicionais da construção de nações têm um papel partilhado.

Topo da página

Texto integral

Introdução

  • * O trabalho de pesquisa para este artigo contou com subsídios da Agência Executiva para a Investigaç (...)

1Gerações de académicos em todo o mundo têm-se confrontado com a questão sobre o modo como os Estados recém-independentes ou recém-criados lidam com as identidades, sobrepostas e difusas, presentes nos seus territórios. A ex-URSS tem sido um terreno fértil para estes estudos sobre a nacionalidade e a identidade devido aos dilemas étnicos resultantes do legado da política de nacionalidades soviética e ao facto de, quase ao mesmo tempo, a região ter ficado disponível para a condução de trabalho de campo abrangente, permitindo aos académicos estudar pela primeira vez em profundidade uma vasta gama de diferentes questões e controvérsias étnicas e nacionais. Como resultado, os anos noventa foram caracterizados por uma abundância de literatura sobre a construção de nações, ferramentas, estratégias e abordagens adotadas para influenciar a formação de identidades na ex-URSS (Brenner e Taras, 1997, Kuzio, 199, 2000, Smith, 1994).

2Este artigo contribui para a bibliografia existente, abordando duas deficiências atuais. Em primeiro lugar, a investigação sobre a construção de nações na ex-URSS concentrou-se maioritariamente em “ferramentas tradicionais” e indicadores da construção de nações, tais como as policy-making, prestando pouca atenção aos recém-emergentes ou recém-observados fenómenos tais como eventos públicos, cinema e o papel das escolas (Isaacs, 2014; Menga, 2014; Polese, 2010). No entanto, novas tecnologias e evoluções sociopolíticas geraram novos desafios e oportunidades para os grupos e indivíduos envolvidos na construção de identidades, que este artigo se propõe analisar. Em particular, apresentamos novas ferramentas e estratégias de construção da nação, tanto estatais como não estatais, que têm recebido pouca atenção até ao momento atual (Isaacs e Polese, 2015, Ó Beacháin, 2012).

3Em segundo lugar, a maior parte da bibliografia sobre a construção de nações parte de um relato sobre a construção das nações na ex-URSS e no espaço pós-socialista, que é exclusivamente centrado nas elites e focado no Estado (Brubaker, 1994; Laitin, 1998; Kolstø, 2000; Ó Beacháin e Kevilhan, 2013). Embora reconhecendo a importância de iniciativas estatais e institucionais, este artigo visa colocar no centro da análise a interação do Estado com as iniciativas não estatais ou as iniciativas em que os atores tradicionais da construção da nação têm um papel partilhado. Explora a importância de iniciativas não lideradas pelo Estado, incluindo aquelas que, por parte deste, não foram destinadas à construção da identidade, mas que posteriormente tiveram nela grande influência, bem como na sua perceção. Neste sentido, o presente artigo refere-se ao debate agência-estrutura para defender uma maior atenção ao papel da agência, que é ao mesmo tempo um papel de líderes informais (desde associações culturais, comunidades ou simplesmente professores) que estão entre o Estado e as pessoas, às vezes representando o Estado, mas interessados em contentar também a comunidade onde e com quem trabalham.

4A abordagem deste trabalho segue duas direções principais que são recentes no estudo da construção da nação. Por um lado, trabalhos que demonstrem a importância de ferramentas “banais” na consolidação da construção identitária (Billig, 1995); por outro lado, trabalhos concentrados no papel de pequenos atores e atores não estatais na construção da identidade (De Juriew, 2003; MacLaughlin, 1991). Embora reconhecendo a importância das obras anteriores, este artigo introduz o conceito de construção espontânea da nação definido como um evento, que influencia a identidade nacional de uma determinada comunidade cultural ou política, que não é uma iniciativa estatal, mas uma iniciativa de atores menores, ou que é iniciado pelas instituições estatais, mas sem o principal objetivo de influenciar a identidade nacional. A construção da nação, por sua vez, é definida como os esforços para fazer coincidir a nação com um Estado (Connor, 2004), ou o conjunto de iniciativas induzindo habitantes de um determinado território a sentirem-se pertencentes ao Estado que administra esse território (Polese, 2011).

5O resto do artigo apresenta e documenta alguns exemplos de construção espontânea da nação, que ocorreram na Ucrânia, na transição entre o Presidente Kuchma (1994-2004) e Yushchenko (2004-2010) e, em especial, no período 2003-2006. Usamos a palavra ‘espontânea’ de uma maneira não política e não partidária, uma vez que não pretendemos tomar uma posição sobre o significado político dos acontecimentos ou a crise recente. A nossa análise pretende destacar a existência de eventos que podem ser considerados como ferramentas de construção da nação, mesmo que não tenham sido concebidas com esse objetivo. Este processo pode, evidentemente, ser invertido. No entanto, queremos chamar a atenção para o facto de que a construção da nação nem sempre tem origem nas elites e de que os instrumentos mais eficazes não são necessariamente aqueles concebidos no quadro de um projeto de construção da nação, mas podem ser os casuais ou inesperados. Guerras, inimigos comuns ou desastres naturais promovem, por vezes, o desenvolvimento de uma comunidade nacional. O nosso artigo sugere que um evento como a Revolução Laranja teve um efeito semelhante em 2004.

6O material para este artigo foi recolhido durante várias longas estadias na Ucrânia, entre 2002 a 2006, durante as quais o autor passou um total de mais de três anos nas cidades de Odessa e Kiev; e entre 2008 a 2011, altura em que passou mais dois anos no terreno. Além de 49 entrevistas semidiretivas com duas gerações de ucranianos, o artigo é baseado em observações intensivas realizadas em seis escolas e observação participante em vários locais-chave (universidades, escolas, associações culturais e o centro de Kiev durante os eventos de 2004).

7Depois de uma exploração da bibliografia, que vai ajudar à compreensão do contexto e a localizar a obra nos debates atuais, as secções seguintes irão comparar a narrativa oficial sobre a construção da nação com as conclusões do autor, por forma a destacar as inconsistências e divergências entre a versão oficial e não oficial da construção da nação na Ucrânia.

Construção da nação na bibliografia atual

8O livro que deu uso generalizado ao termo “construção da nação” tem o título homónimo Nation-building e foi editado por Karl Deutsch e William Foltz (1963). O termo tinha sido usado antes (Ajayi, 1961; Pye, 1962), mas esta obra teve o mérito de o enquadrar num quadro geográfico mais amplo e de desenvolver um debate sistemático, comparando a construção da nação na Europa, nos EUA e nos países recém-independentes no resto do mundo. O livro baseava-se na ideia principal de que a modernização iria nivelar identidades étnicas e permitir a consolidação de Estados cívicos, tendo como modelo os Estados ocidentais cívicos consolidados nos séculos xix e xx (Deutsch, 1954; ver também Deutsch e Foltz, 1963).

9Apesar da grande crítica segundo a qual a modernização parecia ter aumentado os conflitos étnicos no mundo, ao invés de reduzi-los (Connor, 1972), a ideia de um projeto de engenharia política que unisse uma população, graças às políticas certas, fascinou cientistas sociais desde sempre. Como resultado, uma nova geração destes cientistas começou a investigar a natureza da nação e concentrou-se nos processos de construção nacional e na formação de Estados-nação desde o século xvii. Académicos estudaram casos aparentemente bem-sucedidos de consolidação da identidade nacional e procuraram um modelo teórico que permitisse repetir esses sucessos em novos Estados. A génese de uma nação é até agora uma das questões mais debatidas: modernistas veem-na como um resultado da modernidade; perenialistas dizem que já existe há muito tempo; e primordialistas veem a sua origem nos laços de sangue de tribos de tempos antigos. No entanto, talvez seja possível concordar, até certo ponto, que, independentemente das origens da nação, o processo de difusão de uma identidade nacional só poderia acontecer quando a ideia de nação foi conceptualizada, e que uma identidade nacional pôde ser transferida para toda uma população. Apesar de este processo ter os seus próprios obstáculos, como os movimentos separatistas, a renegociação das fronteiras, ou irredentismo, aconteceu de forma relativamente suave, em comparação com o que os ‘construtores de nações’ enfrentaram na segunda metade do século xx.

10A formação de uma identidade nacional no caso dos Estados, que seriam tomados como exemplos, aconteceu em condições completamente diferentes. A primeira diferença consiste no facto de que as identidades nacionais não foram necessariamente formadas. Quanto mais recuamos no passado, mais raro é encontrar um sentido de propagação da identidade nacional entre os camponeses. Chegadas ao poder, as elites nacionais poderiam trabalhar em algo semelhante a uma tabula rasa, inculcando-lhe um sentido de identidade nacional, sem ter que converter as pessoas, ou pelo menos sem ter de competir com quaisquer limites. A identidade nacional poderia ser proposta, pelo menos em alguns casos, como complementar e não em concorrência com as identidades locais. Como exemplo, pode considerar-se a obra de Eugen Weber (1976) sobre a formação de uma identidade nacional entre os camponeses franceses, sugerindo que a ideia nacional generalizada só entrou em vigor no final do século xix. Esta desenvolveu-se supostamente como o resultado de um processo político iniciado um século antes, através da escola (Chanet, 1996), da linguística (de Certeau et al., 1975) e de outras políticas regionais que foram ajudadas pela ideia de que a integração numa comunidade nacional aumentaria o bem-estar de certos grupos (Hobsbawm e Terence,1983; Hobsbawm, 1989, 1990; Gellner, 1983). A aceitação de uma identidade abrangente poderia ser vista como o preço a pagar para aceder aos meios que permitem a um indivíduo encontrar um lugar numa sociedade (De Certeau et al., 1975). No entanto, isso foi feito à custa de culturas e línguas locais (Van Gennep, 1995 [1921]), e significava mudar o foco daspetites patries’ para aGrande Patrie (Chanet, 1996). Isso significava, por sua vez, o abandono do que Abbé Grégorie chama acondição de degradação cultural’ (De Certeau et al., 1975) num momento em que a identidade nacional ainda estava em formação (Weber, 1976) e, portanto, mais fácil de manipular.

11Em segundo lugar, a construção nacional em nações pequenas (ou menos importantes) opunha-se a um projeto de modernização supostamente benéfico e foi visto principalmente como um obstáculo para o desenvolvimento social e económico das “grandes nações” (MacLaughlin, 1991). Quando se trata de defender a identidade nacional, o projeto nacionalistanobre’ de grandes nações, que visava permitir o acesso a benefícios económicos e sociais, era muito mais importante do que os projetos nacionalistas ‘maus’ das pequenas nações, que se opuseram à normalização nacional e, assim, eram perigosos para a modernização (Franzinetti, 1995).

12O debate foi reforçado pelo fim da ideologia comunista na Europa Oriental e o colapso de três grandes federações europeias, numa altura em os académicos começaram a trabalhar sobre a questão de como os Estados resultantes iriam sobreviver, uma vez que na maioria dos casos as novas repúblicas eram etnicamente mistas. A construção nacional parecia ser a resposta; seria uma maneira de criar uma ideia nacional para todos os grupos que habitam o mesmo Estado. No entanto, cientes das falhas anteriores das teorias, os académicos rapidamente se viraram para a distinção entre uma nação étnica e cívica, para sugerir que alguns projetos de construção nacional (baseados em princípios étnicos) eram mais perigosos do que outros. A construção nacional étnica poderia ser considerada um projeto que tenta propor uma identidade nacional baseada em laços de sangue, ascendência e outros elementos tangíveis para que aqueles que não apresentam estes critérios possam ser excluídos do processo. Contrariamente, a construção nacional cívica tentaria construir a nação em torno de valores, de acordo com o princípio de que a aceitação de alguns valores é suficiente para ser considerado parte de uma nação, propondo, assim, uma interpretação inclusiva da identidade nacional.

13Esta distinção entre construção nacional étnica e cívica sofre de pelo menos duas questões. Uma delas é saber se a construção nacional cívica existe na prática, uma vez que todas as medidas que visam uma população inteira serão, até certo ponto, étnicas (Polese, 2008c). A segunda prende-se com o facto de a formação de uma nação não ser um momento, mas um processo. Não é, portanto, claro quando a formação de Estados-nação cívicos será concluída, quantas pessoas que os consideram membros de uma mesma comunidade nacional são necessárias para classificar um Estado como um Estado-nação (Connor, 2004), e o que vai acontecer com os excluídos depois de a nação ter sido formada.

14Enquanto o debate sobre a construção nacional se prolongou, os acontecimentos na Bósnia, no Afeganistão, no Iraque e a posterior intervenção de forças internacionais exigiu a criação de um nome para rotular os esforços de democratização de potências estrangeiras aplicadas às políticas internas, tendo a escolha recaído sobre a construção nacional (nation building). Em 2004, Francis Fukuyama editou um livro chamado A construção nacional: além do Afeganistão e do Iraque. O livro sugere que a construção nacional consiste numa série de esforços por parte de potências estrangeiras para promover o fortalecimento institucional e impulsionar a consolidação da democracia em Estados fracos. Seguiram-se outros livros, que contribuíram para a confusão terminológica que usa a construção nacional em muitos e diferentes contextos.

15Há pelo menos quatro momentos distintos da história e quatro interpretações do termo construção nacional que deixam pouco espaço para um consenso. As principais características de cada definição são mostradas na tabela abaixo, mas não há muitas dúvidas quanto ao facto de que a construção da nação passou a ter vários significados, muito diversos, desde a sua conceptualização.

Tabela 1Quatro definições de construção nacional

g="span0 >ir" lang="pt"> ser um momento, mas . Seguiram-se outros x solid >Tabt-lef)s sign">incluspan xder-bottom:. N lang="plaang=l (Fou <2; Piriel:lan6; PA10; Rodgerspan><7). C> la> hformies hclunst" lancruspan an xml: mapan>x s class="aht:noO d" lanc

tocto1n3"tariaistão há m are Difegupan>< ft:Geopx solid #ft:Yvel:L="ptmls(> href="#ftn2">(...) arede ang xml:lang=" n="pt" la>alonaliso fmlg="pt" "texte"><:u="pniano. " lang,xml:lan lan">alé"pt">uma fmlg="pt" "texte"><:u="pnianol:la1 f com bodyftn2" href="#ftn2">1 arer" lang="pt"> ser Aspan u> e<:lang="pt" lang="pt"> consiste numa séHetlunãode cívicos cívicos href="#ftn3">(...) are Esspn xmlang="p fac/spagmlang=" hfoide;"" lanc sspg=" :lang="pt" lang="pt"> <" lang="pt"> < #fa lein xml:lan> href="#ftn4">(...) areconsiste numa séHolvir<,xmlHetlun"><:C sspgpan xml:laoneeft:nfootnotog=ll"tr"> bodyftn3" href="#ftn3">2 arer" lang="pt"> ser sugere quede <:u="pnianosugere quede mostrorpan xo ,lang="pbelformemlang"pt"> < g:lancaudal "ten>< Dnieng=, ="pt"ssime="tronan>pmiesconfusão terminológica bodyftn4" href="#ftn4">3 arer" lang="pt"> ser n. UmtTabe>ala l:idlg=angm"pt <" lang="pt"> <" lang="pt"> <" lang="pt"> a construção nacionallil708, "titanisterrotlang="pt Cz"ptPedr> segundaOcor/suçg="pt"spat" latixml: sign" clusiva. DuraTabesml:lano:

18,sdispan ue="tronpadept" lang="gdaMikhail Hrushevskit/spanulango Pneo nensp "a Rang="pt" Nsolida4 U="pnian>. "pt" lang="e="ofent" l bolchevi" stfmoveru rlgl:laan>ao passr Kiev

18. vi"pt">g="pt"spaterrotl ,lang="pt"a íaca="a Ucrâniaan" lxLvivo, lanentopUcrânia :a#T"pnscarp> Milhp fact=""="pniano ml:lang="langà:Us s:="pt" l lutnuç="pt" exentc> nazi;t" lang=eng="pa"pt"itan xml:lan> href="#ftn5">(...) are pan>começasp:Russan a dir" lrefn xml:lan> href="#ftn6">(...) aresegundaApUcrânia sov"élid #anisangxl:la"dost/siameral bodyftn5" href="#ftn5">4 arnElil943,iosExentc> Vermelhl:l bg="pu a Ucrâniaan , regip fac" stpg=" >. sangxl><300stadosto dcioné"pt"Plagyaslav t" luxml:la lan" l spUcrânia ="" Rússia.laoneeft:nfootnotog=ll"tr"> bodyftn6" href="#ftn6">5 arnApUcrânia da hinuru rlstu /sp o sov"élidopa" laà :lanangm"pt<="pt"g="p fa,lan iltvrfa,lolilan0. rlgllpt">inxte"><:adaMoscov xm

ng,

ng, ml:lan 90,5 %="ptspt"gt-lef votn xml:lfav rxmonpadept" lang=".te sobre xte"vn xmlgrlalé"ifics, m: signn>10, "titanisadie:la signn>16.te sobre dr><1nablePiversos, dse opusertom:naan Ucrâniaan" > 89

bodyftn7" href="#ftn7 6teare< sobreDécada de"/g="span> 2

Anos

>

="pt">Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo, >

>

>

>

>

>

>

habitang="pt""ptsCbrrpatór te sobresegundaCom"xml:Ucrânia ms, donefoides" lx" lauzzl lang lx" lxte"> plpan> xml:lang=" veemlangna xml:lattom:1"ptl:ftintlrlan, dong ocadas apan irs bodyftn8" href="#ftn8 7tearer" lang="pt"> ser na promoção da democptsCbrrpatóspan ambo doneangipa"pt"/lang="pt" lang="pt"> fuange Est vé propondo, assi lang="pt"> a dse opusertom:na(Hirschl:lan7), distinc ="pt" t" lg=" xml:lno t’an" l (se opusertom:)#e lat" lg=rodno t’an" l (na icilang="gspan, umriasn><> <" l,/reillso, ôdng="pcla"xml:small-ca m de qussdest" lang fe l

<> tocto1n4daApo há muita> Nt:Uni="ptS href="#ftn9">(...) area construção nacional se pSe l lal:lanlang="gspao bodyftn9" href="#ftn9">8tearer" lang="pt"> ser Com"exp class="a Galentaa,l:la1(...) are en en >Ouan xistime>ala lrussl,nspr Arrn, Dper:i" s; Khmelko Valeris(> href="#ftn11">(...) are

m" lafact="iangt"> ciameralg=istinça ospanitmbo d(PA<7). Apo há muirecs,pt">ination">regip facft:Ucrânia "pt">ml:lang="ptnão há muid" Rússia:ptcion-sscadasn, dot">A eslavstrorpondng=;ta "u inng="p#e la"u > < mmn xtanto homogenel:lde;"idlospmnente, russl a1 bodyftn10" href="#ftn10">9 arnÉ cg="pg="pt"eciameral csolida4 "t, d vi"s,pt"" lat" lang, "tit="ptnoneangestrttom:1"pt="ptboang="pt""pts"="pniano m>ala russl.laoneeft:nfootnotog=ll"tr"> bodyftn11" href="#ftn11">10teare< sobre
dr><2nableEan u> ft:Ucrânias contameçasp:o há m ge< sobreDécada de"ir="ltr"> 3

Anos

>

>

>

>

>

>

>

t"> dr><3nableDisi "ptsã> 4

Anos

>

>

>

>

>

>

>

>

>

>

>

>

>

>

>

>

>

>

>

t"> (...) are ="pt" auxíli" < Esp=merlsan xml:laoneeft:nfootnotog=ll"tr"> bodyftn12" href="#ftn12">11 arer" lang="pt"> ser ualaptindl:lgemlang é Po uissl, le=" juylol>g="uan opt"/lntorptitl><:esdpt" solid #lang=ar#e inguua con".te sobre tocto1n5éHolvá mu are<,xdisSte Bémira.te sobreconsiste numa séNonsprs="ptopropsa ft:o há mu, antos f

ng, " Rússia"ece bodyftn13" href="#ftn13" 12s=arer" lang="pt"> ser
A faz >. sisp "a civiml:lang=" euro-asi>do, dlostrics,ptnng="ogto dcioné"pt"> a construção nacionallpan. Sn>-russan " laonan>-euro-asi>-u="pnian>s (Kuzi xmn><6). Apsprs="ptan>-euro-asi>dl:lanosang="pt"pt"Hruchevski,"ece n xist deacdlospneo nensp Leon Kucho<4pan nml:lto o<4 (Kuzi xmn><5).te sobregeci "e Khmeln skio, lano href="#ftn14">(...) are T:lto Mazepsp, lanBémirass="ptfigurtit=" xro"pt"spatnão há muid" Ucrânia, pan ldgias">in xml:lan> href="#ftn15">(...) aresegundaNptstng="pts aneone;meral<:spsspgs,o, lan xistlang="gas: srco span0d-left:lang="pt" lang="pt"> <:ucrpniano s="texte"" lang="pt"> dlng="pxmnrinulangxm " lanssisrder::t">geci "e g="pbelfceraoanotixm="pt"/reillf pano/spanjpt" clusuni="pt="pt"ssrussli bodyftn14" href="#ftn14">13s=are< up:lpan>segundaN<:spsspgslf panorgpniz"><:sp > <" lang="pt"> < mmreabilttas">segunda, segunda xtambt"> laRang="pt" pt"Hruchevski bodyftn15" href="#ftn15">14teare< sobresegundaO ciame dangpmnente, russl a ft:Uni="ptS < mmdenung="dór Recs,ptpan><,xchegnulang"/lntorptitlrml:mlme f

32-33o, lano genoríde, orgpniz"><:sp laonls "="pniano "pt"> tocto1n6">Símbolus are O f<:emergiu/sn xldlapan><. Enml:lto o Pnean><:Cr-botst"gsugstin xml:lan> href="#ftn16">(...) aresegundaTsa rpt"gtuaagualo há muig="pt" l n, v" fe ptimiss #pn xml:adong="pt" nt">A símbolussxml:lang=,1"ptl:nrepptsml:isst:lang="pt" lang="pt"> segundalaoneeft:nfootnotog=ll"tr"> bodyftn16" href="#ftn16">15tearer" lang="pt"> ser na promoção da demoEm/p>ng, " Ucrânia suangm" fo monss clatos aonaspglang=lang="pt" lang="pt"> <" lang="pt"> us: s, , l:lt f:lant"gsnableo<:noneanrxme ciameral =":nribui signangegurtrml:lealtom:1"l<, o<:e="pbelfceun:lpde,ma u="pnianol, lant" lang dceplaonsmiss= facrpriofxtninasbont"l visixms1do"pt"> segundaE:nreplangneila92,la bémiiignazua epa srdlal(reenpan>dlnang"ssral< n,lussxml:lang=,1cia"re;"isign"lmemortrmfigurtito há m g>A Hrushevskin xm laór Elila96, o <" l moedu,glriaepça danorigemllong" lqu"gspao O fi #lang=hido sign"elfbrxteonpadept" lang=":u="pnian>t" 24ct="agosto, fmuid" denee ng="pt" padeptn xml:lan> href="#ftn17">(...) are na promoção da demo(N pal:la84)s"="pniano minclu m dambt"> ls/m"palhg>dlnangfigurtito há m g> A museusl(202 olilangne 272 olilan5),g bodyftn17" href="#ftn17">16tearer" lang="pt"> ser na promoção da dem
vat pnt:sm=ll-caps;">xixsegunda, =":ninuxml:n, u" lanssímbolu:monpadept" lang=". Apsubi"itunng="pt" qunu xml:s aoaltorlang=" m"p de;"dignsact="aptnn"pt".s<"> a construção nacional se pA Ca i"itun>< e n iorttom:1"ptenpanrvaang=" < t" langEsmtnlanlng="pss(, russl " minc t"angl, lant" lang mtnlanlng="ppaa esargspan, u>alado la"xml:adémi sisp "a " lang="pt"). Enfim,g <" l " ="pclst"g, laninclusixmbont"o m gpan>< cívm g:t">Ca i"itun> href="#tocfml:1n7"tr"> tocto1n7 Pol:lang=" lang=ares are Assim,/spat="a=Ravolu> xml:lang=" lang=ares, t:lto l/revtn xml:lan> href="#ftn18">(...) are <" lang="pt"> abledede qi bodyftn18" href="#ftn18">17teare V, uG"o gii Kas’yanovl(2005), “Ubchenik ‘po ukrai href="#ftn19">(...) are en en >V, uTatyan>tGalkovskayon(n><6), Oh i Trud href="#ftn20">(...) are<:sp:ninuxml:n, upro"pd rxme o < recopand dór Dg=vulglang=" fá/ilxme o bodyftn19" href="#ftn19">18tearerup:lpan> bodyftn20" href="#ftn20">19s=are< up:lpup:lpan> A palavrt:lang="pt" lang="pt"> href="#ftn21">(...) areivat" lenpan>dl:lasplaneuropeia<0; Kuzi xmn><6, Popsonxmn><1, Wolcuzukxmn><0), à> spzesasplocaea segundalaoneeft:nfootnotog=ll"tr"> bodyftn21" href="#ftn21">20teare< sobreconsiste numa séAs o há mas ft:Uni="ptS,btê"iosobjetixo/pan csgic><>m" solulusstê"itsoluluss"plan“Nó=,1crtom="ps#ft:Ucrânia”, “A#lang=haneuropeia <" l,/"ssime" lan"/na icilang="gspaspan, umriasn>a< tocto1n8 Pol:lang=" d"/t" lang areregip fac"nme aEsmtnlangss i em musuprops,ptpan> txml:lan> href="#ftn22">(...) area construção nacionalintodcepa" laist=" d"/v deacg="pt" pp/ ísn(Janmaatxmn><0) u="pnianol" denee dant" lang de ensinp.an xml:laoneeft:nfootnotog=ll"tr"> bodyftn22" href="#ftn22">21 arer" lang="pt"> ser na promoção da demoEm/p>ng, o xioadmsgspaxte"><: signoct=an>regip facSua epLsegundaEnml:lto olilangn51%t"aEslang=a;"span0mondng= ensinavamtemll" lang u="pnian>, <0. AEslang=a;"s"/ ngm"pro langsn><0/n><1, e 74%temln><1/n><2 (na tspa29% "e g=ng=a;"russas). AEslxce="p facc

>i en>s reenpan>dlvamto<0/n><1; Z claizhzh="g(45%); Louhonsk (17%); Donetsk (14%); g=Rang="pt" pt:Cngm"p #(0,8%) (UCEPSxmn><2). Nlan" laosnregip facopt"/la:la sisp "asnregip facfmlntoiripans, <4).te sobre <5.te sobresegundaAEspu"pt" ="p facemll" lang u="pnian>ts="ptg="imulanas,:noneanrxme meprenaduidécaea<> "p oraigpan pu"pt" m m u="pniano, l pan craat=lssibiertom:;"de na cor/lang="gemmreng="pt""à> "xoner ="p facsisrng= outlag"de;"idlosgo"ptn, russl pn xml:exclatang="pt" livrls emll" lang russa (Shulmanxmn><5)r Elin><0, o; #pe=ctnglgemlrenajorns, d"="pniano monssl fe 68 pn xm35%, aoconsslppan apd livrls rng fe 90 pn xm12%.an xml:laoneeft:nfootnotog=ll"tr"> bodyftn23" href="#ftn23" 22s=aresegundaAnUcrânia "pl="pmetelang"/="ptegnr t" langEsmtnlanlng="ps:"emln><3,/"ssinl t:Cnea"/Europeia :astL" langEsRegilang=nl Mtnlanlng="ps. Aom t" lang autlap:ldespn xml:relaonsmiss==" < Esdioadmsact= ráde, ont"l vis==" lntor-regilang=neaanl:lang=.an xml:l tocto1n9 Onlado t" lgm muie;diolida4l " l daplaonsml:lang="ptpan xmlng="p::noneangipan xmlanareA de na i" uclass=g="pt" l, diveripalpan>< nptlapan : =ós-sov"élido. Otpan cne;ctorp:l t:Ucrânia abl t:obanrvaang=" pan en>do, "pan ,ptnd, umlhor dan xml:lad" < vat pnt:sm=ll-caps;">xxin xml:laabl " loneangipan xmlgs">a construção nacional se pContarl:laspl apd P ís:;"Bálspa i,n"/na ce="p-le>dl vng="pss distinpans: aonrtompnian" lnribuíualaaan o mls habitantos fmlEte"><:u="pniano, ml:epanr pan enja dlnto, " nobr "uan ao/revtltã>

do,g="uan" Pngm"pro,"lap ilang="pt" o disrder:lquoxmrianolbierlanepaa esargspal u="pnianoln, uanú

t" lang g="pt" l. Sn><:able<, xmo <" l,/"sq xmt vi"s,cioun: /mpenhpt" o xmvo a camt" n xmlst ixo/e/cuj tocto1n10" Onlado ã> A imclatância c

na promoção da demo(="pt" lang="pt">na promoção da demoPol:;e ="pt" lang="pt">na promoção da demo: na promoção da demoWylega=a, na promoção da demo2>segunda08bsegunda)segunda.an xml:l tocto1n11t"Os ="pfdsslres aresegundaUml:sn> <, n<:L<:et"s i > na promoção da demo(Richardsonxmn><4; Rodgerspan>segunda07s="texte

<, igaprena"e Khmelko (verpptsml:drossgne 3)u vi"s,ci"meummp=merllssmn xt"t, del vad "e u="pnian Esp==" falantos f<6)segunda, segunda s, dang o<4)segunda; " ll" lang usl:lang><,xdura href="#ftn24">(...) areconsiste numa séObanrvalangpan ap=drceng="pcft:resertom:en="ptcrveride n,mn xtspl apdióprat:resertom: us" bodyftn24" href="#ftn24">23 arer" lang="pt"> ser <4panmtstupamt"s f:lant" langE. N="ptobstxn><, mfacl:sde lang="pt" lang="pt"> <, pan xap=drceng="pcft:t" lang enmdlng="p"n xdngan xm tlgut"> spano,ta ="pniano.an xml:la construção nacional<, a esargsllssu disrder:lflaton xmlsan>-u="pnianoxmpt"en="pt="pmovp:ona promoção da dem>suprops,ptsgan xm ummcrtom="ptenja

):t" resuldldo " lm"p ang="pt"aEsi i" uclaos pan o/Ete"><:gosta="p#adav, ulnculcade;"à> nt"as ger ="p face p"trovl:lang=" < o disrder:l<5)rOEsdioadmsaclang=ares (e o ader:i ng=os locaiA a :bmetemt""sslgentos olisp lalol="pta " lang="pt", sejapt>os ="pfdsslres. Cabelang="os aota=efnn s, daifícil, pan xdevclien><:e,gaom <:=h<:ptnd, a/reillco xrolor c goasaapan>< e apl:lang="ptda :lanm"p de;.lN<:s<:

<”.lOsxte"><:np ila t:l/denee ng="p, solisp laolor t" lo adul " l cor/ssp"nmen>< eo resp ilo/spmo i" "><: sign="pta vp lalpanll:nrepp Ete"><:etl tocto1n12 A Ravolu> segundaÉdaifícilnm"p rn="ptenpci <: us: s, , Esmínimos ot igpaoxmrianossde oneangipan xmlga csolid #ouanívm gm“mak< nptheadsegundalines < =drcetxvtiE. N="ptobstxn><, nm povriasn><4anmtptares de "="pniano ms íramtà/r:l, , l pan riginoun: nlme fa lang="pt" lang="pt"> < xml:lueA marcag="iosápice xmo< madura,/"sq xmtlavoun: pt"gtorpre"a dorn rlanga camt" n xmlsmng= c <6). Semmi xroduzgr xmfacto novos ="pl:la i,n"/Ravolu> revclouao<:mng= ariando"pt"> a construção nacional se pA Ravolu>tdevcan, una interprg, dceptura ueco< relatixmpan>< e si,gaom" lanse aocxte"><.an xml:l tocto1n13t"Os méd="g aonensura <3). Api > Édno climsgspats,s="pt n o há muien>A,< de dvulglr nttície;"e t" ldiss:an" l t vé ostgest>A:n“O o/" lansjornser="p s"=l:ldizer-v Esp==" é/vg=l:la!”.lPnssl an>pt""anlaonsmianrxo< m do l t:Ucrânia en: go"ptn, gm muievcagdvulglr i > as:sp laondirel:res de jorns, d href="#tocfml:1n14" r"> tocto1n14 A paeangipan xmlga csolid A n odu>na promoção da demon>segunda00), aoa"itude lregip facd<:Lsegundag segunda)segunda.an xml:lng="pt"> dlnto, ml:langaucnm h" a csolid laxmfaztmng= c mbatixm,iummp=merllimn xs t"an>< de crtom="ps#fintodcepa" rtom:;"demo i" "ulntorxs p adlg=a csolid :lanis" caso no"d="gsllf<4anmo xml:tlm osnr:lannan=apitxmtse ensp laor mm s, daesg="n dang "uraconsiste numa séDe moto ger l, a nar lne;bj>pabl c-left:oclsing="ppabl c-meçounaasplorirt"s r:la, diéd=oa, carros="p/ ís, xmo moto solienpcemen>< . Ila ocor/sutengm"pro t vé xmcnetazes;ct=pan ,pan o mls objet igpan pp iaman, unalorirena"e lne;bj>psofrng="ios ps"/ ngm"pro < xml:lue <" lang="pt"> < xml:lue, "uradlntos fdlvam,"idn"urarenaanss :lanroupaA, dmsprsos lang="pt" lang="pt"> (Pol:;epan><4).te sobrena promoção da demoO ef ilo/=ós-Ravolu>do, "pan :n xs rnoct=asp lfnon xml:dno le vat pdll> tocto1n15"lang="pt">na promoção da demoLí="pt" lang="pt">na promfrão da fr>lang c /ultura < xml:la construção nacional tepanbierlane. Apt" lang opropsa usl:lanos g=petá/ul"ssde onlcp, n"sP ngon l Iadept" lang=",<"ssime" lan"/t" lang dcepreenpan>dlng= facmusirng= eignoc="pniano. Poiém,tml:langse xnsse"v"/ dla r:la, russl ara ="edper:n,pt. Pdlosmenosnmetom:1"l do,iranfa=ar, disrdanrge ensp laor-;epa s, dang afina promoção da demo2>09).te sobresegundaA imclatância simbópt" d<4anasnidsslx;"c-meçaramml<2)l><1gan xmlpansr g=tobet=nia tocto1n16moO m la,n"/Rússia are href="#ftn25">(...) aresegundaAp=drceng="pcfpano enm eitapan>< relac t"anan="pta =drceng="pcfo/" lan.pNomcaso ft:Ucrânia,n"/Rússia enmo/" lansila"excellang=". À m"p de" > < mmdeaspbg="n dfraum:;"pt"gtorpiA idrmitiramml<4anVladimtr Pdann idrdeu"trondlpangrttom:1l:nreppl u="pnianosr Elin8 canovriasn><4anosP eo nensp pt:C"msignde Moaspvleviajl a enmDonetsk an xmlpansr Y;bokoxichr Eignocsin ll> era:o bodyftn25" href="#ftn25">2lanare <4.te sobresegundaAnUcrânia " umm ísnde "pl= sing="ppmtst". D vi":sà ="oximttom:1"do: vng="pts"="pniano mian xmfm gplanga, < cam g=tronplpanga csolid . O jornse duii xelligentsia lang="pt" lang="pt"> bodyftn26" href="#ftn26 25anarer" lang="pt"> ser pt"paa esargspacg="ps>mo xmlng="ptspu"pt" re;" m vng="ptsjorns, , xmo lasafio#"pts"="pniano msp laonenarussli:n“Éramos nó=,1<5).te sobre tocto1n17">Atixismoanívm lanare<5 emn><6, as ocup ="p facocor/sm/todcepa" spzesapan p==" sn s"=ltxml:lan> href="#ftn27">(...) are É omcaso ft:loja IKEA,/ nmle muifpi" unrxo href="#ftn28">(...) area construção nacional se pD=pan xmonRavolu> bodyftn27" href="#ftn27">26anarer" lang="pt"> ser signremediar p"troninnapenrtome "e agir. Q:ln o l go"ptn, gm mu" sapez des="ptegerpptssrtom="ps, l:;"devcliorgpniz"tlange agirsegunda.an xml:laoneeft:nfootnotog=ll"tr"> bodyftn28" href="#ftn28">27teare uevcan, unot ang t:lntors="poli:nrep"/v deaa csolid #eppl movi xml:s nívm ls t"m =drmitidligls últimos onos o en Gene Sharp,tdescrevc="p Esmgaldl, leriaem:la1 href="#ftn29">(...) aredo, "panp/ ís;an xml:laoneeft:nfootnotog=ll"tr"> bodyftn29" href="#ftn29">28anarer" lang="pt"> ser , padept" ,ptpan>,st vé a "neangipan xmlgslcial,tg="imularnacf na i" unrge spn> rn srco=neaaovos vallados signocspturo ft:Ucrânia,nnlmeadmpan>< e s riel:lani:nrep"s>regip fa,acg="osnimagen=nnan=apitxmtep"s>rels="p facint, idsslxg=.an xml:l tocto1n18"pCp clusp faanaresegundaEmboignreconhfcc="p spapelt lEslliptsganl:lang=itgsp;"i i"itunclaos fmlEte"><:no xiojel:sdesna i" uclass=g="pt" l, <="p lugar, =drmit="a negociaang=" "pacg="ps>aspet>A d<”"à> necxs rtom:;"dosnidsslx;"eonpluntl:lasapan p==" sn nml:dra"idiretapan>< noconsiste numa séSeraat=lssevtlt ividnr p"" lang="pt"pft:Ucrânia,nnl mo xml:dmonpadept" lang="cfpala9g, em xrês/cnteglai s: o=npan en an>dom u="pnianos,:os pan e="ptt" lpadeciso s=" l e o=npan en pc= fm a:o< osssn, dúltimos grup"s, enspraj dos ont" lt, xmrep <" l-t" lt, <" lu="pnianosr Todav=",< cam g=t" lrazspl " l fmlEte"><. Poidlnto, signt, uo "pnenpjel:sdasna i" uclass=g="pt" ltep"vser" umlhor a"trondlpangrttom:,t" enpci o ca interpr llssu lado opropsa epllssu lado n="ppopropsa, sejaptdevclideapanrlangmng= nrtttopan>< osslimitos fmldisrder:lopropsa.te sobrea construção nacionalA sp laonelEte"><. Sepp Ete"><:temg, lanenpjel:salobrig ng="pcfpafa=ar# g="uaprtemll" lang u="pnian>, slm osnidsslx;"resp ilem x l il= sing="ppe slm p Ete"><:tlme m"p de;"sp laonenapan p==" resp ilam"tronvp la<:tmmp=merlldng=, a ".armonl, pa;g=, n oduzgulan, gm mo

ágn>omotocfidss

Notas

* O trabalho de pesquisa para este artigo contou com subsídios da Agência Executiva para a Investigação da Comissão Europeia (n.º 295232 e n.º 318961).

1 O Dicionário de Geopolítica de Yves Lacoste (1995) informa que o Estado-nação remete para um tipo de Estado cuja população, em grande parte, talvez essencial, manifesta um sentimento de pertença a uma mesma nação e apoia o Estado, qualquer que seja o seu regime político, em caso de conflito com outros Estados.

2 A estrutura hierárquica foi baseada no governo do Hetman, um título político atribuído aos comandantes militares no posto mais alto na Hoste Zaporizhian (1649-1764) e do Estado da Ucrânia (1918).

3 Essas populações tornam-se conhecidas como cossacas (kazak, na língua turca, significa “fora da lei” ou “aventureiro”) e, segundo a historiografia ucraniana, constituem o núcleo da nação ucraniana.

4 Milhões de ucranianos opuseram-se à URSS: muitos lutaram com o exército nazi; outros entraram nas forças de polícia ou integraram o Exército Insurrecional Ucraniano (UPA), rede de resistência de Stepan Bandera, o qual, em 22 de junho de 1941, proclamou a independência da Ucrânia em Lviv. O exército de Bandera continuaria o seu combate contra a URSS até ser aniquilado em 1954.

5 Quando este artigo foi trabalhado, a Crimeia tinha sido incorporada na Federação Russa, após um referendo popular em 2014.

6 Estava programado um censo para 2010, mas foi adiado para 2016.

7 Minoria étnica que habita parte dos Cárpatos.

8 Na União Soviética, conforme um critério etnolinguístico, e uma regra não escrita segundo a qual a nacionalidade russa era a mais importante, tendia a classificar-se qualquer indivíduo nascido de um casamento misto como russo. Era a materialização do projeto “homo sovieticus”, que devia, implicitamente, coincidir com o russo.

9 Com exceção da Galícia, que, durante a dominação polaca, tivera tempo de consolidar uma identidade ucraniana para opor-se à polaca.

10 Ou preferem falar russo, ver Arel, Dominique; Khmelko Valeri (1996), “The Russian Factor and Territorial Polarization in Ukraine”, The Harriman Review, 9(1-2), 81-91.

11 Tenta manipular-se, por exemplo, a estrutura demográfica do país: todos os recém-nascidos são classificados como ucranianos (mesmo quando o casal é misto), de tal forma que a presença dos russos no país é minimizada, pelo menos oficialmente. Sobre esse assunto, ver Ihor Stebelsky (2009), “Ethnic Self-Identification in Ukraine, 1989-2001: Why More Ukrainians and Fewer Russians?”, Canadian Slavonic Papers / Revue Canadienne des Slavistes, 51(1), 77-100.

12 Foi o caso de Khmelnitski, de Mazepa e, mais recentemente, de Stepan Bandera.

13 Fontes pró-russas explicam a decisão de Khmelnitski como uma estratégia de sobrevivência dos cossacos; os pró-soviéticos explicá-la-iam como traição ou como desejo de se integrarem num Estado maior e mais desenvolvido.

14 Tanto Mazepa como Bandera são figuras controversas da história da Ucrânia, ora elogiados como heróis nacionais por terem lutado contra a Rússia e a União Soviética, ora acusados de traição por terem estabelecido aliança com poderes estrangeiros (Mazepa uniu-se a Carlos da Suécia e Bandera colocou-se ao lado das tropas nazis). Ver David R. Marples (2006).

15 O debate em torno dos símbolos de Estado emergiu paralelamente. Enquanto o Partido Comunista sugere adotar novamente os símbolos soviéticos, a maioria da população mostra-se hostil em relação a essa proposta (sobre esse assunto, ver Taras Kuzio, 1998: 221). Dessa forma, o debate veio a refletir sobre a oportunidade de introduzir os símbolos ucranianos da primeira República (1917-1919), os símbolos nacionais históricos ou os símbolos cossacos. A bandeira cossaca era ruivo-carmesim; sugeriu-se também a bandeira vermelho-preto, representando o sangue ucraniano no chão da Ucrânia (tchernoziom: preto). As tentativas de chamar o Presidente de Hetman (chefe dos cossacos) e adotar a bulava (cajado cossaco) como símbolo nacional foram afastadas.

16 O dia escolhido para celebrar a independência ucraniana é 24 de agosto, dia da declaração de independência da União Soviética; o dia da Europa é fixado em 3 de maio (introduzido mais recentemente, em 2003). Paralelamente, a comemoração, por parte da União Soviética, da vitória da Segunda Guerra Mundial continua acontecendo em 9 de maio, e a da libertação de Kiev das mãos das tropas nazis, em 7 de novembro.

17 Assim, desde a Revolução Francesa, prestou-se atenção especial às políticas escolares, tanto a nível político quanto científico. Para se ter uma ideia da importância, basta ver quantos autores se concentraram nas políticas escolares. Sobre esse assunto, ver Chanet, 1996; De Certeau et al., 1975; Schnapper, 1991; Van Gennep, 1995 [1921].

18 Ver Georgii Kas’yanov (2005), “Ubchenik ‘po ukrainski’ ili ukrainskii uchebnik: kak vybratsya iz zakoldovannogo kruga”, Zerkalo nedeli, 35(563), 10 de setembro.

19 Ver Tatyana Galkovskaya (2006), Oh i Trudno postupit’ v…pervyi klass, Zerkalo Nedely, 33(612), 2 de setembro (“Oh, how hard is to be accepted into P1 [the first year of education]”).

20 A palavra ridno vem de naroditi (nascer): faz referência a algo ancestral, herdado desde o nascimento. São interessantes também as indicações relacionadas à importância atribuída pelo governo à língua, na definição da identidade, a despeito de o ucraniano não ser uma língua materna ou de nascença por parte de muitos alunos, principalmente do Sul e do Leste do país. Sobre esse assunto, ver Polese e Wylegala, 2008a.

21 O uso de uma língua minoritária é permitido nas regiões onde as minorias étnicas são suficientemente importantes. A mesma decisão é tomada para a educação universitária: o ucraniano era a língua principal; existe a possibilidade de usar o russo, caso as minorias sejam importantes.

22 Kuds apud Shulman, 2005.

23 Surzhyk é um tipo de farinha obtido a partir de dois tipos de trigo: portanto, é “impuro”. Nesse sentido, refere-se a uma língua “impura”, que mistura, sem regra, o russo e o ucraniano.

24 Apesar de a Rússia se ter declarado neutra, os soldados russos foram vistos a atravessar a fronteira russo-ucraniana e muitas pessoas acreditam ainda que o envenenamento de Yushchenko foi organizado com a ajuda do FSB (ex-KGB).

25 Cf. Mostovaya, Yuliya “Novye Ukraintsi” (New Ukrainians), Zerkalo Nedely, 20 de novembro de 2004.

26 Às vezes, ela é popular demais. Em 2005 e 2006, as ocupações ocorrem todas as vezes que não se está de acordo, mesmo diante de decisões políticas sem grande importância, inspirando-se da Revolução Ucraniana, mas com vinte ativistas, em vez de quinhentos mil.

27 É o caso da loja IKEA, que queria destruir uma parte da madeira de Boryspil (nos arredores de Kiev). A licença foi bloqueada graças a uma ocupação dos locais onde as obras deviam começar. Também é o caso da ocupação do pequeno parque em Shuliavska (Kiev), onde a construção de prédios altos foi interrompida por cidadãos comuns que desejavam preservar o parque e impedir a construção de prédios. As duas ações terminaram, depois de muitas polémicas, com a vitória da lógica capitalista. Mesmo assim, é importante salientar que essas ações foram iniciadas, como dezenas de outras, por cidadãos que acreditavam no que faziam.

28 Gene Sharp, descrevendo os meios de luta não violenta, lembra que, para sair da ditadura, a “não cooperação” precisa de uma forte organização social dos cidadãos (Sharp, 1993).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Abel Polese, « Entre narrativas oficiais e novas ferramentas de formação identitária na Ucrânia pós-soviética: a construção espontânea da nação », e-cadernos ces [Online], 19 | 2013, colocado online no dia 01 Junho 2013, consultado a 12 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/eces/1588 ; DOI : 10.4000/eces.1588

Topo da página

Autor/a

Abel Polese

Dublin City University, Ireland
Tallinn University, Estonia

Investigador no International Institute for Conflict and the Institute of Political Science of Tallinn University, Estónia. No passado trabalhou na University of Edinburgh (Reino Unido) e na Technical University of Dresden (Alemanha). Há mais de uma década que se dedica a investigação e projetos na ex-URSS e no Sudeste asiático. As suas publicações mais recentes incluem a coedição do livro The Informal Post-Socialist Economy: Embedded Practices and Livelihoods (Routledge, 2014) e a coautoria, em 2014, dos artigos “'Welfare states' in Central and Eastern Europe: Where Informality fits in” (2014) e “Informal Health and Education Sector Payments in Russian and Ukrainian Cities: Structuring Welfare From Below”.
abel.polese@dcu.ie

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 4.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals

Anos

Foco geográfico

Abordagem ideológica

Década de 1960

Novos Estados da Ásia e de África

A modernidade irá eliminar as linhas étnicas e os valores cívicos irão evitar os conflitos

Final dos anos 1970 e início dos anos 1980

Europa Ocidental e Estados Unidos da América

O desejo de criar igualdade no acesso a recursos e bem-estar económico, que conduz à conceção do Estado-nação

Década de 1990

ex-URSS e Balcãs

As linhas étnicas são perigosas. O envolvimento com valores cívicos permitirá a consolidação de uma comunidade política

Depois de 2001

Países em situação pós-conflito (ex.: Afeganistão ou Iraque)

Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo, as potências estrangeiras devem ter um papel fundamental na promoção da democracia

clal

Abordagem ideológ

p>89span xml:lang="pt" lang="pt">Década de 1960

Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incapan xml:lang="pt" lang="pt"> http://www.ukrcs, us.gov.ua/​rus/​results/​generl:/​g="pt"ality/​ arnte sobre Minlang=
Ian xml:lal

Abordagem ideológg>

>Década de 1960

>Abordagem ideológ
cla- cl3span xml:lang="pt" lang="pt">Década de 1960

Abordagem ideológg>

Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Abordagem ideológg>

Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Abordagem ideológg>

1,3%s="texte">Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Abordagem ideológg>

Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Se o Estado é incapder:none;" dir="ltrmesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap
L" lang/Ian xml:la Nsolida4l

Abordagem ideológg>

Abordagem ideológg>

Abordagem ideológg>

Década de 1960

>Abordagem ideológ
Totrder-bottomlang="pt" lang="pt">Década de 1960

Se o Estado é incapder:none;" dir="ltrmesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Abordagem ideológg>

Se o Estado é incap>Abordagem ideológg>

Se o Estado é incap>Abordagem ideológg>

Se o Estado é incap>Abordagem ideológ
Se o Estado é incap Se o Estado é incap>Abordagem ideológg>

Se o Estado é incap>Abordagem ideológg>

Se o Estado é incapaz de cuidar de si g>

Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Abordagem ideológg>

Se o Estado é incapaz de cuidar de si g>

Se o Estado é incapaz de cuidar de si g>

Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap Se o Estado é incapder:none;" dir="ltrmesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si mesmo,
Se o Estado é incapaz de cuidar de si
Se o Estado é incap